sábado, 13 de abril de 2013

BOA SEMANA: A vida é uma música... Vez em quando desafina. Perde o tom... Mas é preciso manter a esperança nos aplausos finais.

DEIXE A RAIVA SECAR...


:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:

Mariana ficou toda feliz porque ganhou
de presente um joguinho de chá,
todo azulzinho, com bolinhas amarelas.
No dia seguinte, Julia sua amiguinha,
veio bem cedo convida-la para brincar.

Mariana não podia porque ia
sair com sua mãe naquela manha.
Julia, então, pediu a coleguinha que
lhe emprestasse o seu conjuntinho de chá
para que ela pudesse brincar
sozinha na garagem do prédio.

Mariana não queria emprestar, mas,
com a insistência da amiga, resolveu ceder,
fazendo questão de demonstrar todo o
seu ciúme pôr aquele brinquedo tão especial.

Ao regressar do passeio, Mariana ficou
chocada ao ver o seu conjuntinho de chá jogado no chão.
Faltavam algumas xícaras e a
bandejinha estava toda quebrada.

Chorando e muito nervosa, Mariana desabafou:
Esta vendo, mamãe, o que a Julia fez comigo?
Emprestei o meu brinquedo, ela estragou tudo
e ainda deixou jogado no chão.

Totalmente descontrolada, Mariana queria,
porque queria, ir ao apartamento de
Julia pedir explicações.
Mas a mamãe, com muito carinho, ponderou:

- Filhinha, lembra daquele dia quando
você saiu com seu vestido novo todo
branquinho e um carro, passando,
jogou lama em sua roupa?
Ao chegar em casa você queria lavar
imediatamente aquela sujeira,
mas a vovó não deixou.
Você lembra do que a vovó falou?
Ela falou que era para deixar o barro secar primeiro.
Depois ficava mais fácil limpar.
Pois é, minha filha! Com a raiva e a mesma coisa.

Deixa a raiva secar primeiro.
Depois fica bem mais fácil resolver tudo.
Mariana não entendeu muito bem,
mas resolveu ir para a sala ver televisão.

Logo depois alguém tocou a campainha.
Era Julia, toda sem graça, com um embrulho na mão.
Sem que houvesse tempo para qualquer pergunta,
ela foi falando:

- Mariana, sabe aquele menino mau da outra
rua que fica correndo atras da gente?
Ele veio querendo brincar comigo e eu não deixei.
Ai ele ficou bravo e estragou o brinquedo
que você havia me emprestado.

Quando eu contei para a mamãe ela ficou preocupada
e foi correndo comprar outro brinquedo
igualzinho para você.
Espero que você não fique com raiva de mim.
Não foi minha culpa.

-Não tem problema, disse Mariana, minha raiva ja secou.
E, tomando a sua coleguinha pela mão,
levou-a para o quarto para contar historia
do vestido novo que havia sujado de barro.

Nunca tome qualquer atitude com raiva.
A raiva nos cega e impede que vejamos
as coisas como elas realmente são.

Assim você evitará cometer injustiças e
ganhará o respeito dos demais pela sua
posição ponderada e correta diante
de uma situação dificil.

PAZ E LUZ PARA TODOS VOCES!!!

-:¦:- E -:¦:-

Um Dia Abençoado para todos!!

:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:--:¦:

IMITAÇÃO DE CRISTO - CONSELHO DO DIA


CLIQUE NA FIGURA E LEIA NO TAMANHO ORIGINAL


FONTE (Você só pode ver um conselho por dia):
http://www.imitacaodecristo.com.br/


Conselho do Dia
Este é o conselho que a Imitação de
Cristo lhe dá para hoje:

Vede, é vosso, Senhor, tudo que possuo e com que vos sirvo; entretanto, mais me servis vós a mim, do que eu a vós. Aí estão o céu e a terra, que criastes para uso do homem, e estão atentos a vosso aceno, a fazer cada dia o que lhes mandais. Mais ainda: os próprios anjos destinastes ao serviço do homem. Mas, acima de tudo isso, vós mesmos vos dignais servir ao homem, e prometestes ser a sua recompensa. (Como, desprezando o mundo, é doce servir a Deus)

Você sabia que:

O Arcano São Rafael é o Patrono dos médicos e dos viajantes, pois foi enviado por Deus a ajudar a Tobias, quem estava cego.

Podcast - Ouça a história do santo do dia

Podcast

Podcast - Ouça a Homilia do Evangelho do dia

Podcast

Homilia do dia

Marcos 16,9-15

Homilia
Data
04/14/13
04/13/13
04/12/13

Podcast - Ouça o Evangelho do Dia

Podcast

Evangelho do dia

Joao 21, 1-19

Evangelho
Data
04/14/13
04/13/13
04/12/13

Domingo Sem MISSA, Semana Sem GRAÇA





Dia da semana: Domingo - Dedicado a: Ressurreição de Cristo - Santíssima Trindade

  

Domingo é o dia do Senhor
Por: Padre Kleber F. Danelon 
Coordenador da Assessoria Litúrgica da Diocese de Piracicaba

Na Carta Apostólica "Mane nobiscum Domine", o saudoso papa João Paulo 2° pedia que os cristãos católicos, como fruto do Ano da Eucaristia, fossem estimulados a dar novo valor ao domingo, Dia do Senhor, especialmente à participação na missa dominical (cf. n° 23).
E, na carta "Novo Millennio Ineunte", elencou a santificação do domingo e a participação na missa dominical como parte essencial do programa pastoral que a Igreja devia realizar no novo milênio (cf. n° 35-36). Segundo o Concílio Vaticano II, o domingo é o "dia primordial" da semana (cf. SC 106).

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO - VÍDEO

Terço do Espírito Santo - VÍDEO

Terço da Fé - VÍDEO

Terço de Cura e Libertação - VÍDEO

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA - VÍDEO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS







JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO

LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Oração desta Hora

Terço - Mistérios Gloriosos - Quarta-Feira e Domingo


Terço do Rosário: Mistérios Gloriosos




São Tibúrcio, Valeriano e Máximo - 14 de abril

São Tibúrcio, Valeriano e Máximo

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra e meu Pai o amará, e a ele viremos e nele estabeleceremos morada¨ Jo 14,23

Vamos a Roma. Na célebre Via Ápia encontramos três Mártires, venerados com os nomes de: TIBÚRCIO, VALERIANO e MÁXIMO. A lenda associou os três ao nome de Santa Cecília, venerada bem perto dali, na catacumba de São Calixto.
Que sabemos sobre eles? Apenas isto: que os três Mártires deram a vida por Cristo, e com muita generosidade, nos primeiros séculos do cristianismo. 
O importante não são as grandes realizações. É, sim, o amor que nos move a realizar o que podemos.

Santa Helena Guerra - 14 de abril

Beata Helena Guerra

Nasceu em Lucca (Itália) em 23-6-1835. Depois de uma longa doença (1857 - 1864), durante a qual amadureceu nela o sentido apostólico com a leitura e o estudo da Bíblia e da literatura patrística, dedicou-se ao apostolado feminino entre as jovens, para as quais criou a Pia União das Amizades Espirituais. Mais tarde tomou a direção do primenro núcleo citadino das Filhas de Maria.

Santa Ludovina - 14 de Abril




Contemplamos a vida de uma santa holandesa, nascida no ano de 1380, dentro de uma família materialmente pobre, mas riquíssima na espiritualidade.

III Domingo de Páscoa (Ano C)


III Domingo de Páscoa (Ano C)

Leituras e subsídios para a homilia:

HOMÍLIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 14/04/2013

14 de Abril de 2013

Ano C

 

João 21,1-19

Comentário do Evangelho


Jesus se dá a conhecer pela fé

O capítulo 21 do evangelho segundo João é um acréscimo posterior. Estamos diante de mais um relato da aparição do Cristo Ressuscitado. Agora, às margens do mar de Tiberíades. Aparição, aqui, não deve nos induzir a erro, pois não é o órgão da visão que é exigido, mas a fé. Por isso, ao ouvir ou ler “aparição”, devemos compreender que “ele se dá a reconhecer”. Depois da morte e ressurreição do Senhor, a vida dos discípulos continua. É na lida do dia a dia que o Senhor se faz sentir (alguns dos discípulos saem para pescar – cf. v. 3) e oferece os sinais de sua presença. Simão Pedro, que ao longo de todo o quarto evangelho não é propriamente o homem da fé, porque depende do “discípulo que Jesus amava”, será quem alguns versículos adiante dirá: “É o Senhor!” (v. 7). O diálogo de Jesus com Simão Pedro (vv. 15-19) adquire, então, toda importância, pois se trata de fundar a missão de Pedro como “primeiro entre iguais” num mandato do Senhor: “Apascenta minhas ovelhas (cordeiros)” (vv. 15.16.17); “Segue-me” (v. 19). Porque essa missão lhe é confiada pelo Senhor, será necessário que Pedro o ame mais do que tudo. É nesse sentido que deve ser compreendida a pergunta de Jesus: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” (v. 15).
Carlos Alberto Contieri,sj

http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&action=busca_result&data=14%2F04%2F2013

Vivendo a Palavra


A Pedro, que O negara três vezes, Jesus concede – também por três vezes – a oportunidade de confessar o seu amor. Fica para nós, discípulos evangelizadores, o conforto da possibilidade do perdão que nos será concedido sempre que, humildes e conscientes de nossa fragilidade, o pedirmos ao Pai Misericordioso.



Ambientação:

Sejam bem-vindos amados irmãos e irmãs!

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: Neste terceiro domingo de Páscoa, a Igreja nos ensina a ter confiança. A morte de cruz encerrou o ministério terreno de Jesus. Ao exclamar: "Tudo está consumado!", ele proclamou ter levado a termo a missão recebida do Pai. Todavia, restava muito a ser feito. O Evangelho deveria ser anunciado a todos os povos, e a salvação chegar até os confins da terra. A sementinha do Reino não podia ficar infrutífera, mas era preciso fazê-la desabrochar para tornar-se árvore frondosa. A missão, agora, seria tarefa dos discípulos. Seguindo o exemplo dos apóstolos, todos nós somos chamados a pregar o nome de Cristo sem medo, mesmo em meio às adversidades e perseguições do mundo. Peçamos a Deus, nesta Missa, a graça de confiar sempre; de confiar sem medo; de confiar sem limites; lançando as redes em nome de Cristo, com a certeza de que faremos um mundo melhor e uma sociedade mais justa.



INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: Neste domingo comemoramos a aparição de Cristo ressuscitado aos Apóstolos, no contexto em que uma pesca milagrosa simboliza a missão que lhes foi confiada. Também nós somos convocados a lançar as redes, a fim de atrair discípulos para Cristo. Nesse sentido, rezemos pela juventude, que se prepara para a Jornada Mundial, de 23 a 28 de julho de 2013, no Rio de Janeiro. O lema, justamente, é: IDE E FAZEI DISCÍPULOS ENTRE TODAS AS NAÇÕES (Mt 28,19). Que esse apelo motive os jovens cristãos a assumir a liderança da evangelização e repercuta em nossas comunidades, como a pescaria em águas profundas, símbolo da profundidade da missão.

INTRODUÇÃO DO WEBMASTER: A grande liturgia do céu, que constitui o modelo ideal da liturgia cristã no dia de domingo, é celebrada diante do trono de Deus e do seu Espírito por vinte e quatro anciãos e quatro seres vivos (símbolo da humanidade e das forças cósmicas). As primeiras aclamações dirigidas à Deus são sucessivamente atribuídas ao Cristo que aparece como "cordeiro", vivo, mas com os sinais de sua paixão. O coro de louvor, que inclui as criaturas espirituais do céu e todos os seres vivos e inanimados do cosmos, reconhece ao "Cordeiro Imolado" as próprias prerrogativas de Deus.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...

1. O Homem da Praia...
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Um grande amigo que acompanha atentamente as reflexões, me alertou sobre o evangelho desse terceiro Domingo da Páscoa: “Olha Diácono, é aquele evangelho onde o “Pedrão”, joga a toalha e vai pescar..” “Pedrão” é o jeito carinhoso que ele chama São Pedro, eu não o censuro porque, de fato, a primeira impressão que se tem é essa: Que o apóstolo Pedro desistiu de tudo e voltou á vidinha antiga, indo pescar. O mais interessante, é que a sua reestréia na profissão de pescador, foi uma lástima: lidou a noite inteira com a sua equipe de trabalho, e não pescaram nada, pelo que diz o texto.

Depois, um fato mais estranho aconteceu: Jesus, que era carpinteiro e não pescador, aparece na praia, pede alimento e depois dá palpite na atividade pesqueira de Pedro e dos outros pescadores experientes, mandando jogar a rede do lado direito. Dá para imaginar a cara de “poucos amigos” que Pedro fez, com aquele palpite de um estranho.Por que, vamos e convenhamos, que diferença faz, jogar a rede do lado esquerdo ou direito da barca? Aquele estranho não entende nada de pesca.

Entretanto, seguindo exatamente a sua palavra orientadora, aconteceu uma pesca milagrosa, e as duas barcas ficaram tão cheias de peixes graúdos, que por pouco não afundaram. Antes que alguém diga que isso mais parece lorota de pescador, deixa-me informar que essa história é absolutamente verdadeira, mas... É claro que não se trata de peixes...

Quando Jesus chamou Pedro, Thiago e João, um belo dia á beira mar, prometeu que daquele dia em diante, iria fazer deles, pescadores de homens. Não se pode também, imaginar que Pedro decidiu sair pelos lugarejos, fazendo uma pregação meio louca, da sua própria cabeça, e que daí as coisas não deram certo. Mas o evangelista se reporta aos primeiros tempos da comunidade primitiva. Que dureza tentar cumprir a missão, sem Jesus por perto! A primeira sensação é realmente de um grande fracasso, em nossas comunidades a gente experimenta muito isso, a própria vida da comunidade, ás vezes se acha comprometida e parece que todo trabalho não vai dar em nada.

Os apóstolos sabiam muito bem qual era a missão que o Senhor lhes havia confiado, nós também nos dias de hoje, já estamos até carecas de saber qual é a missão primária da igreja, e o que compete a cada batizado fazer, para que o anúncio do evangelho aconteça, mas o problema são os métodos que nós utilizamos, será que estão corretos, será que são os mais adequados, será que não estamos querendo fazer as coisas do nosso jeito?

Há os que confundem o evangelho com ideologias políticas, ou com uma Filosofia de vida, há os que pensam que o evangelho não tem nada a ver com a nossa vida e a nossa história, com a realidade onde estamos inseridos, e pensando desta forma, lá se vão noites e noites de uma pescaria infrutífera, trabalhos pastorais, reuniões cansativas e desgastantes, projetos que não saem das gavetas, catequese “arroz com Feijão”, normas e regras na Vida dos Sacramentos, que não agregam nada. As pessoas chegam, procurando alimento, e vão embora esfomeadas, esta é uma grande verdade.

Tudo isso porque falta ás vezes o essencial, o reconhecimento de Jesus presente em nossa lida comunitária, aqui um detalhe extremamente importante: para reconhecê-lo, só a fé não basta, é preciso uma relação amorosa com Deus presente em Jesus, por isso João, o discípulo que Jesus amava, exclama feliz, ao constatar o resultado surpreendente da “pescaria” “É o Senhor!”. Jesus jamais será percebido na comunidade se faltar aquilo que é essencial: a relação de amor para com ele. Há os que o buscam somente na razão, outros o buscam e pensam tê-lo encontrado na emoção, qualquer um desses caminhos não será válido, se faltar essa relação amorosa.

Mas o coitado do Pedro quase morreu de vergonha quando escutou falar que aquele homem na praia era Jesus, e correu vestir-se porque estava nu. Sem a consciência de que Jesus caminha conosco na igreja, a gente não se reveste da graça santificadora, quando estamos nus, expomos a nossa vergonha, pois não temos como ocultá-las, mas revestidos da roupa nova que Jesus nos oferece com a Salvação, tornamo-nos homens novos, e a Luz da Graça Divina nos dá a roupagem nova, ocultando nossas fragilidades e limites, somos enfim, recriados, essa seria a palavra certa para o processo de salvação.

Comunidade é lugar de acolhimento, portanto de calor humano, que aquece com brasas fumegantes alimentando todos os que a buscam, Na brasa daquele homem misterioso á beira da praia, e que eles não sabiam ainda bem, quem era, já tinha um peixe e pão, mas ele pede alguns dos peixes que eles haviam pescado. Comunidade é lugar de alimentar e ser alimentado, de receber e de dar. Feito isso, juntando o peixe de Jesus e o seu pão, e os peixes graúdos, que são os frutos do trabalho em comunidade, seja ele qual for, o alimento está assegurado a todos. Jesus indicou o lugar, isso é, o como fazer, e eles acreditaram... Eis aí o eco das palavras da mulher das Bodas de Cana “Fazei o que ele vos disser...”

Na comunidade, Deus e Homem se unem, em uma parceria misteriosa chamada comunhão de vida, é isso, somente isso, que garante alimento em abundância a todos...
José da Cruz é Diácono da 
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
E-mail  cruzsm@uol.com.br

2. Jesus se dá a conhecer pela fé
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Carlos Alberto Contieri - e disponibilizado no Portal Paulinas)
VIDE ACIMA
ORAÇÃO
Espírito de dedicação, que eu cuide, com total generosidade, do rebanho a mim confiado pelo Senhor, sabendo conduzi-lo com amor.

3. CUIDA DAS MINHAS OVELHAS
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

A morte de cruz encerrou o ministério terreno de Jesus. Ao exclamar: "Tudo está consumado!", ele proclamou ter levado a termo a missão recebida do Pai. 

Todavia, restava muito a ser feito. O Evangelho deveria ser anunciado a todos os povos, e a salvação chegar até os confins da Terra. A sementinha do Reino não podia ficar infrutífera. Era preciso fazê-la desabrochar para tornar-se uma árvore frondosa.

A missão, agora, seria tarefa dos discípulos. Com que condições? A primeira delas consistia em estar unido ao Senhor por um amor entranhado, numa proximidade tal que lhes permitisse assimilar a vida do Mestre. Esta centralidade de Jesus na vida do discípulo seria garantia de sua presença no decorrer da missão. A segunda consistia em estar consciente de ter sido encarregado de uma missão recebida do Senhor. O discípulo atuaria como servidor dessa missão, e não como dono do rebanho!

Ao ser três vezes interrogado, Pedro confessou seu amor a Jesus. Este, então, confiou-lhe o encargo de cuidar de suas ovelhas. O rebanho não é propriedade do discípulo, e a relação entre ambos deve ser permeada pelo amor do Senhor.

O ministério, portanto, teria três pólos: Jesus que confia a missão - o discípulo que a executa, por amor - e o rebanho a ser conduzido pelos caminhos do Senhor.
Oração
Espírito de dedicação, que eu cuide, com total generosidade, do rebanho a mim confiado pelo Senhor, sabendo conduzi-lo com amor.

14.04.2013
3 º Domingo de Páscoa — ANO C


(BRANCO, GLÓRIA, CREIO – III SEMANA DO SALTÉRIO)

__ "Simão, filho de João, você me ama?" __




14 de abril – 3º DOMINGO DA PÁSCOA

CRISTO É A NOSSA LUZ

Nós anunciamos em janeiro que a cada mês proporíamos breve reflexão para ajudar na vivência do Ano da Fé. Não nos faltarão estímulos e orientações para um reencontro pessoal com Jesus Cristo, cabeça da Igreja.
Na carta apostólica Porta Fidei, com a qual o papa Bento XVI convoca a celebração do Ano da Fé,ele nos adverte de que, normalmente, “os cristãos sentem maior preocupação com as consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé, considerando-a como um pressuposto óbvio da sua vida diária” (PF 2). Já não se verifica mais a fé como um dado compartilhado no tecido cultural da nossa época.
O papa deseja que essa iniciativa seja um tempo de particular reflexão para redescobrir a fé. Como já o fizera Paulo VI em 1967, é uma convocação para que toda a Igreja retome “uma autêntica profissão da mesma fé”, a ser confirmada de modo “individual e coletivo, de forma livre e consciente, interior e exterior, humilde e franca”.
Sabemos que o conteúdo da fé que professamos é a pessoa de Jesus Cristo e a sua obra de salvação, realizada pela sua paixão, morte e ressurreição. É a Páscoa a grande e insuperável luz que dá sentido à vida do crente. É assim que professamos, durante a celebração da sua memória na eucaristia de cada dia: “Todas as vezes que comemos deste pão e bebemos deste cálice, anunciamos, Senhor, a vossa morte, enquanto esperamos a vossa vinda”.
Converter-nos ao Senhor é o convite central do Ano da Fé. Ele, o único salvador, que no mistério da sua morte e ressurreição manifestou o amor infinito do Pai. Por ele fomos introduzidos na vida nova que deve dar sentido a toda nossa existência.
Que a celebração do tempo pascal, marcante neste mês, nos ajude a colocar Jesus outra vez como referência da nossa vida.
D. Geraldo Majella Agnelo – Cardeal Arcebispo Emérito de Salvador
Postado por: homilia
abril 14th, 2013

É pela terceira vez que Jesus aparece aos seus amigos, desta vez foi junto ao lago de Tiberíades. O que mais se destaca, aqui, é a fé em Jesus, a qual brota do coração e não dos olhos somente. Somos convidados a confiar no testemunho idôneo daqueles que O rodearam e adquiram a inteligibilidade da verdade do testemunho da Sua Ressurreição.
A certeza de que estás vivo, Senhor, é o testemunho autêntico daqueles a quem aparecestes e a Tua própria palavra no mar de Tiberíades. Infelizmente, ainda hoje, muitas dúvidas vão persistindo, algumas vezes, na nossa mente induzida pelos profetas da desgraças que espalham falsas doutrinas e até, às vezes, com fundamentos cientificamente comprovados. Mas tudo isso porque somos homens e mulheres de pouca fé. Perdoa-nos na nossa mesquinhez, e auxilia-nos a crescer na fé na Tua pessoa e na Tua Palavra.
Senhor Jesus, Tu caminhas lado a lado conosco na estrada da nossa vida, acompanhando-nos nas nossas amarguras e nas nossas tristezas. Raramente, porém, conseguimos ter os olhos abertos para ver-Te e os ouvidos atentos para escutar-Te.”
Minha irmã e meu irmão, Deus os chama. Será que o caminho que você está tentando seguir, mas não está dando muito certo, é o caminho de Jesus? Aquele que disse “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” está conosco. Ele nos convida a lançar a rede para o outro lado da barca. Não se preocupe com o seu sustento, não se preocupe com dinheiro, porque o Senhorcuidará de tudo. É só confiar e jogar a sua rede do outro lado. Converter é mudar de rumo, de caminho. Converta-se! Mude agora o seu caminho para Deus e será uma pessoa nova como o Cristo Ressuscitado!
Juntos, peçamos ao Senhor nosso Deus para que Seu Filho Ressuscitado nos auxilie em tudo: “Meu Senhor e meu Deus, auxilia-nos a ver-Te ao nosso lado, acompanhando-nos em todos os momentos da nossa vida, de tal modo que o nosso coração – inflamado por Ti – consiga transmitir a Tua constante presença, a fim de que saibamos, com ardor, comunicá-la a todos aqueles que nos rodeiam.
Senhor Jesus, ajuda-nos a estarmos atentos à Tua presença nos diversos momentos da nossa vida. Quando escutamos a Tua Palavra, que nos alegra, pois é a Tua presença. Quando entrarmos na intimidade com o Senhor, pela Eucaristia, que ela nos consiga a paz; quando Te conseguirmos descobrir nos outros, que nos estimule o espírito missionário e de serviço.
Muitas vezes, a canseira do dia a dia nos torna quebrados e sem rumo para a nossa vida. Sem a Vossa presença, o barco da vida regressa do mar vazio, sem peixe. A nossa vida fica sem sabor e razão de viver. Só com a Tua presença tudo ganha sentido como foi para aqueles discípulos no mar de Tiberíades. Temos a certeza de que convosco a canseira de uma noite inteira na faina de pescar resultará inútil, pois à indicação da Vossa palavra, que se encontra na margem do nosso desespero, faz abundar de peixes as redes da nossa vida a ponto de quase se rebentarem.
É verdade, Senhor, eu creio! Sem Ti por perto, nada conseguiremos. A nossa sabedoria, a nossa habilidade, os nossos conhecimentos, nada conseguem se a Tua presença não informar a nossa ação.
Por isso, insistentemente, Te suplico, Senhor Jesus, não nos deixes separar de Ti. Que a Tua presença sempre se faça sentir na nossa ação cotidiana e que nós jamais empreendamos qualquer atividade sem Te ter presente como guia, conselheiro e distribuidor providente de todo o nosso alimento que fortifica e dá sentido à nossa vida.
Pai, que a presença do Ressuscitado reforce a comunhão com meus irmãos e minhas irmãs de fé, a fim de podermos atrair para Ele muitas outras pessoas de boa vontade. Amém”.
Padre Bantu Mendonça

LEITURA ORANTE

ORAÇÃO INICIAL


Preparo-me para a Leitura Orante, orando com todos os internautas:


Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Creio, Senhor Jesus, que sou parte de seu Corpo.
Trindade Santíssima
- Pai, Filho, Espírito Santo -
presente e agindo na Igreja e na profundidade do meu ser.
Eu vos adoro, amo e agradeço.

1- LEITURA (VERDADE)
O que a Palavra diz?

Fixo o meu olhar em Deus, através da Palavra.

Faço a leitura lenta e atenta do texto da Palavra do dia: Jo 21,1-19.
E Jesus faz aos apóstolos o convite para virem comer. Deu-lhes peixes e pão. Ele está vivo! Ele aparece na praia, entrando no quotidiano dos apóstolos: estavam trabalhando. Começava a clarear. À noite não pescaram nada. Quando Jesus chega, “começa a clarear”. Quer dizer, as coisas melhoram e melhoram muito: a pesca foi grande – 153 peixes grandes! Qual o simbolismo dos 153 peixes? Estudos esclarecem que havia naquele lago 153 espécies de peixes. Pescar, portanto esta quantidade de peixes, significava pecar de todas as espécies que havia. Não só muito, mas o máximo. Com Jesus Cristo podemos tudo. Sem Jesus não podemos muito ou nada.

2- MEDITAÇÃO (CAMINHO)
O que a Palavra diz para mim?

Sob a luz da verdade – Jesus está vivo! – e participa do nosso quotidiano, de nossas dificuldades e conquistas, medito a Palavra, ligando-a à minha vida. Jesus também me alimenta e multiplica infinitamente o meu nada, minha “pescaria” às vezes sem resultados. E eu, como vivo tudo isto? Tenho fé? Percebo logo a ação de Deus? Em Aparecida, os bispos repetiram no texto conclusivo, as palavras de bento XVI: “Não tenham medo de Cristo! Ele não tira nada e nos dá tudo. Quem se dá a Ele, recebe cem por um. Sim, abram, abram de par em par as portas a Cristo e encontrarão a verdadeira vida”.(DAp 15).


3- ORAÇÃO (VIDA)
O que a Palavra me leva a dizer a Deus?

Meu coração já está em sintonia com o coração de Jesus. Vivo este momento em silêncio. E rezo:

Creio, Senhor, mas aumenta a minha fé.

4- CONTEMPLAÇÃO (VIDA E MISSÃO)
Passarei o dia a olhar com fé cada acontecimento. Perceberei a ação de Jesus Ressuscitado em cada momento de meu dia.

BÊNÇÃO
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém. 

- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém. 

- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. 

Ir. Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, ensina-nos a lição de Pedro: a ele não foi pedida cultura ou títulos. Somente amor. No Cristo Jesus, Pedro amava ao Pai, que o enviara, e amava a toda a humanidade. Dá-nos, Pai Misericordioso, o dom de compartilhar desse amor. Por Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.