quarta-feira, 19 de junho de 2013

Você sabia que:

O Colégio Cardenalício conta com um Camarlengo, quem administra os bens da Igreja quando a Sede de Pedro está vaga.

Podcast - Ouça a história do santo do dia

Podcast

Podcast - Ouça a Homilia do Evangelho do dia

Podcast

Homilia do dia

Mateus 6,7-15

Homilia
Data
06/20/13
06/18/13

Podcast - Ouça o Evangelho do Dia

Podcast

Evangelho do dia

Mateus 6,7-15

Evangelho
Data
06/20/13
06/18/13

São Pedro Rinscel - 20 de junho

São Pedro Rinscel

NascimentoNo ano de 1588
Local nascimentoJapão (Faciram)
OrdemJesuíta
Local vidaNagasaki - preso
EspiritualidadeRealizou seus estudos no seminário de Arima, colaborou como catequista com os jesuítas na evangelização dos seus compatriotas. Após o ano de 1618 esteve sempre às ordens do provincial Pe. Francisco Pacheco, português, que tinha escolhido como sede, Cocinótzu de Arima, durante a violenta perseguição nos anos de 1620-24. Por uma denúncia, esse padre foi capturado em 1625 e Pedro foi levado para a prisão de Scimabata, onde tinha escassa e horrível alimentação e ficava sujeito aos rigores do tempo. Porém, com outros irmãos de fé, também prisioneiros, sentiam-se aliviados e confortados através das orações e conforto recíprocos. O pe. Francisco admitiu-o, mesmo na prisão, na Ordem dos Jesuítas. Em 1726 o governador Caváci ordenou que transferissem Pedro e os outros companheiros cristãos, para Nagasaki, sob forte escolta. Amarraram Pedro em uma madeira para queimá-lo vivo e em fogo lento.
Local morteNagasaki
Morte20 de junho de 1626, aos 38 anos de idade
Fonte informaçãoSanto nosso de cada dia, rogai por nós
DevoçãoÀ evangelização
PadroeiroDos perseguidos pela causa da fé
Outros Santos do diaSilvério (Papa); Aldegunda e Florentina (virgens); Macário, Inocêncio (bispos); Reginberto, Bertoldo e Menrico (confs); Novato, Paula e Ciríaco (mártires); José (anac).
FONTE: ASJ

São João Fisher e Tomás Mare - 20 de junho

Em 1935 Pio XI, canonizando no mesmo dia estes dois santos, que sofreram a decapitação pela coragem com que defenderam sua fé, os propôs como "dois exemplos de fidelidade aos cristãos da nossa época."O machado do carrasco que decepou as suas vidas em 1535, atingio muitos outros católicos, réus por não haverem aderido ao assim chamado: "Atos de supremacia", mediante o qual o Enrrique VIII tinha se proclamado chefe da Igreja nacional inglesa, por que o papa se negara a dar-lhe o divorcio de sua primeira mulher, Catarina para ele poder desposar Ana Bolena. Os dois santos de hoje são as duas vítimas mais ilustre das pretensões do rei.

São Silvério, Papa e Mártir - 20 de junho

São Silvério, Papa e Mártir




Pontificado - 536 a 537


Comemoração Litúrgica: 20 de junho

Também nesta data: Santas Florentina e Miquelina de Pesaro

O pontificado de São Silvério coincide com a ocupação da Itália pelos imperadores bizantinos. A nota característica do seu governo é a firmeza e intrepidez com que defendeu os direitos da igreja, contra a imperatriz Teodora. Eis o fato como os hagiógrafos o relatam.

Bem-aventurada Margarida Ebner - 20 de Junho

Margarida Ebner
Bem-aventurada
1291-1351
Margarida pertencia à família Ebner, muito rica e respeitada, da aristocracia alemã. Ela entrou no Mosteiro de Maria Santíssima em Medingen, da diocese de Augusta, e tinha apenas quinze anos de idade quando vestiu o hábito dominicano.

Bem-aventuradas Teresa, Mafalda e Sancha - 20 de Junho




Teresa, Mafalda e Sancha, filhas de Dom Sancho I e da Rainha Dulce, eram portuguesas.
Teresa, a primogênita, nasceu em 1177.

TERÇOS - VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
   

TERÇO DA FÉ
   
TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
   

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO

LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Oração desta Hora

Terço - Mistérios Luminosos - Quinta-Feira


Terço do Rosário: Mistérios Luminosos




HOMÍLIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 20/06/2013

20 de Junho de 2013

Ano C


Mt 6,7-15

Comentário do Evangelho


A oração ensinada por Jesus permite ao discípulo pôr todo o seu ser diante de Deus.

A recomendação não se restringe a se cuidar da ostentação da oração. O discípulo é posto, também, de alerta contra a prolixidade da oração: “Quando orardes, não useis de muitas palavras, como fazem os pagãos” (v. 7). A repetição de muitas palavras, e de modo compulsivo, é uma forma de pressionar Deus. Ora, Deus nos conhece por inteiro, e sabe tudo o que necessitamos, antes mesmo que as palavras cheguem à nossa boca: “A palavra ainda não chegou à minha língua e tu, Senhor, já a conheces inteira”. A oração do Pai-Nosso, inserida aqui, ensina o discípulo a não multiplicar as palavras e a se situar diante do Deus, ao mesmo tempo, próximo (“Pai nosso”) e distante (“que estás nos céus”), e que dá ao ser humano, que ele trata como filho, o necessário e o indispensável para a sua existência. A oração ensinada por Jesus permite ao discípulo pôr todo o seu ser diante de Deus.
Carlos Alberto Contieri, sj

Vivendo a Palavra

Desde a invocação inicial – Pai nosso! – e passando pelos sete pedidos da oração, cada um deles é um programa para toda a vida. Bastaria que nós nos conscientizássemos de que nosso Deus é Pai e é nosso – de todos nós! – para que nossa vida se enchesse de encantamento e alegria. Façamos a experiência!

Reflexão

A eficácia da oração não é determinada pela quantidade de palavras nela presentes, pelo seu volume ou pela sua visibilidade, mas antes de tudo pela capacidade de estabelecer um relacionamento sério, profundo e filial com Deus. Quem fala muito, grita e fica repetindo palavras é pagão, que não é capaz de reconhecer a proximidade de Deus e ter uma intimidade de vida com ele. A oração também deve ter um vínculo muito profundo com o próprio desejo de conversão e de busca de vida nova, de modo que ela não seja discursiva, mas existencial e o falar com Deus signifique estabelecer um compromisso de vida com ele e para ele.

Meditação

Faço de minha oração uma conversa com Deus? - O que peço? Muitas vezes não são somente coisas materiais? - Quando devo rezar? - Onde? - Em que circunstâncias?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...

1. Quando a oração é  recheada de palavratório desnecessário...
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Todo nós sabemos como discursa um político, principalmente em época de campanha eleitoral, há aqueles que têm uma boa oratória, apresentam suas propostas de maneira sincera e autêntica, não vamos aqui desmerecer os que exercem dignamente sua missão  na política, mas há aqueles que fazem belos discursos e nada dizem, fazem mil e um rodeios para no final da fala, implorar que o eleitorado vote nele. Infelizmente esses tipos ainda existem nos meios políticos. Tudo o que esses querem é PEDIR votos para ele e sua agremiação partidária. Na medida em que o nosso povo for tomando consciência política esses tipos vão encerrando a carreira bem cedo, pois acabam caindo no ridículo.

É essa forma de fazer oração que Jesus fala nesse evangelho, ainda voltando aos maus políticos, eles não conhecem o eleitorado a quem se dirigem, nada sabem sobre ele, seus sofrimentos e dificuldades, seus anseios, e começam a falar com o eleitorado como se o conhecesse há tempos. A nossa oração só é eficaz e têm qualidade quando conhecemos a Deus, isso é, quando fazemos a experiência com Jesus Cristo e com Ele aprendemos a viver na comunhão e na intimidade do Pai. Sem essa experiência, sem esse colóquio espiritual, a oração vira discurso e lista de pedidos onde quem ora determina e planeja, exigindo que Deus faça daquele jeito, ou seja, é uma oração arrogante e orgulhosa, onde quem reza, se julga no direito de determinar para que Deus atenda seus pedidos.

Oração sem humildade não consegue tocar no coração de Deus, podem ter certeza. É preciso que saibamos quem é Deus e quem somos nós. É preciso que a Vontade Divina seja por nós conhecida e se torne soberana em nossa vida. É preciso que tenhamos coragem de assumir os desafios na solução de problemas que nós mesmos criamos.  Por isso a oração do Pai Nosso, ensinada por Jesus a seus discípulos e a todos nós, é a mais bonita e completa de todas.

O Pai Nosso manifesta o nosso desejo de que o Reino venha, e que seja feita a Vontade de Deus. Há aqui um pedido, que o Reino venha.... e que a Vontade Divina seja feita, entretanto, é ao mesmo tempo um comprometimento de quem reza, de fazer esse Reino acontecer e colaborar para que a Vontade do Pai seja aceita, vivida por todos nós. O que se pede no Pai Nosso não é algo pronto e acabado, mas um empreendimento que vai depender da nossa colaboração, do nosso testemunho.

A segunda parte da oração é completada com o nosso compromisso com Deus, realizado com fidelidade em nossa relação com o próximo. Uma relação de amor e perdão constante, pois só assim o Reino começará a aparecer e ser notado pelos homens.  Não há outra forma.

Por isso o evangelho conclui com a confirmação de Jesus a esse respeito, de que nas relações fraternas de amor e perdão para com o próximo, se perpetua e se concretiza o Amor, a misericórdia e o Perdão Divino no meio dos homens.

2. A oração ensinada por Jesus permite ao discípulo pôr todo o seu ser diante de Deus.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Carlos Alberto Contieri, sj - e disponibilizado no Portal Paulinas)
VIDE ACIMA
ORAÇÃO
Espírito do Pai, leva-me a transformar em vida a minha oração, e a descobrir, na oração, o sentido da minha vida.

3. A VONTADE DO PAI
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

Ao ensinar aos discípulos o modo conveniente de rezar, Jesus os exortava a se colocarem numa contínua busca de sintonia com a vontade do Pai. Os sete pedidos do Pai-Nosso constituem a síntese dessa vontade do Pai, para os discípulos.

Santificar o nome de Deus significa romper com a idolatria, para radicar em Deus as suas vidas. Fora de Deus, para quem santifica o nome divino, nada tem valor absoluto.

A coisa que o Pai mais deseja é ver seu Reino acontecendo na vida de todos os seres humanos, como Reino de verdade e justiça. Fora dele só existe injustiça e maldade.

A obtenção do pão cotidiano, na perspectiva da vontade do Pai, nada tem de posse egoísta. O pão "nosso" é para ser partilhado, para que não haja mais fome nem indigência. Assim, o Reino se concretiza, em forma de solidariedade e partilha.

O pedido de perdão dos pecados, mais que um desejo dos discípulos, é o grande anseio de Deus. Desejar o perdão consiste em querer recentrar-se no amor de Deus.

Cair na tentação é abandonar os caminhos de Deus para trilhar desvios que levam à condenação. Quem, mais do que Deus, deseja que o discípulo não se desvie?

A libertação do mal consiste em criar mecanismos de defesa para que o inimigo não tome conta do coração do discípulo. Isto se dá num processo de enraizamento em Deus. E com isto ele se dá por satisfeito.
Oração
Espírito de submissão à vontade do Pai, prepara meu coração para rezar a oração ensinada por Jesus, de modo que eu possa vivenciar o que meus lábios pronunciam.

O importante é orarmos com o nosso coração
Nossa oração deve ser baseada no coração, na presença de Deus, diante do qual colocar o jeito que estamos e somos: tristes ou amargurados, felizes, prósperos. O importante é orarmos com a alma, com o nosso coração.
Deus está nos ensinando como deve ser a nossa oração, pois esta não pode ser como a dos pagãos, baseada em muitas palavras. Nossa oração deve ser baseada no coração, na presença de Deus, diante do qual colocar o jeito que estamos e somos: tristes ou amargurados, felizes, prósperos. O importante é orarmos com a alma, com o nosso coração.
Não adianta só repetirmos as palavras do ‘Pai-Nosso’ se não temos a disposição de viver aquilo que a oração está nos chamando a viver.
Toda a oração do ‘Pai-Nosso’ provoca o nosso interior, a nossa intimidade, o nosso relacionamento com Deus. Nós nem O chamamos de Deus, mas sim de Pai. Há algo mais íntimo do que chamar alguém de pai, de papai?
Somos muito egoístas e orgulhosos, até em nossos pedidos a Deus. É fato que queremos o perdão d’Ele em toda e qualquer falta que cometemos, nós queremos que Ele tenha sempre misericórdia de nós. Estamos dispostos a fazer muitos sacrifícios, se preciso for, para que o Pai perdoe nossas faltas e os nossos erros. No entanto, o que precisamos é saber perdoar, do fundo do coração, do fundo da alma, ainda que a outra pessoa não demonstre total arrependimento pelo erro que ela possa ter cometido contra nós.
Quem precisa do perdão, muito mais do que ela, é você, é a sua alma, é o seu coração, é a sua paz interior, a sua intimidade com Deus, com você mesmo, é o seu bem-estar físico, o seu bem-estar psíquico que precisa dessa força de cura e libertação que se chama perdão.
O Pai-Nosso, orado na intensidade, nos dá a graça de recebermos o perdão de Deus na mesma medida que nós perdoamos aqueles que nos ofenderam.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo – Comunidade Canção Nova  
LEITURA ORANTE

Mt 6,7-15 - Como rezar? Pai nosso...



Preparo-me para a Leitura Orante invocando, com todos os internautas, o Espírito Santo: 
Vem Santo Espírito, amor do Pai.
Toca a minha mente, 
a minha vontade, 
o meu coração.
Abre-me à coragem da verdade.
Dá-me a força para deixar-me tocar
e renovar profundamente por Jesus,
 Palavra do Pai.
 Amém

1. Leitura (Verdade) 
- O que a Palavra diz? 
Leio atentamente, na Bíblia, Mt 6,7-15. 
- Nas suas orações, não fiquem repetindo o que vocês já disseram, como fazem os pagãos. Eles pensam que Deus os ouvirá porque fazem orações compridas. Não sejam como eles, pois, antes de vocês pedirem, o Pai de vocês já sabe o que vocês precisam. Portanto, orem assim:
"Pai nosso, que estás no céu, que todos reconheçam que o teu nome é santo.
Venha o teu Reino.
Que a tua vontade seja feita aqui na terra como é feita no céu!
Dá-nos hoje o alimento que precisamos.
Perdoa as nossas ofensas como também nós perdoamos as pessoas que nos ofenderam.
E não deixes que sejamos tentados, mas livra-nos do mal. [Pois teu é o Reino, o poder e a glória,
para sempre. Amém!]"
- Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no céu, também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem essas pessoas, o Pai de vocês também não perdoará as ofensas de vocês.
Neste texto Jesus nos ensina a orar. Primeiro, indica a atitude que devemos assumir ao orar: não ficar repetindo fórmulas, muito menos longas orações. E ainda, ter atitude de confiança no Pai que já sabe tudo de que necessitamos.
Thomas Merton diz que, assim como somos, rezamos. E diz mais: "O homem que não reza, é alguém que tentou fugir de si mesmo, porque fugiu de Deus". 

2. Meditação(Caminho) 
- O que a Palavra diz para mim? 
Às vezes, apenas "dizemos orações" com os lábios. 
Nosso coração, nossos sentimentos e pensamentos estão distantes. 
Jesus nos ensina, de maneira muito simples, a orar: 
1º Assumir a atitude de filhos e irmãos: Pai nosso. 
2º Reconhecer o nome de Deus como "santo". 
3º Pedir que o Reino de Deus aconteça entre nós. 
4º Dispor-nos a fazer a vontade de Deus. 
5º Fazer os pedidos para o dia-a-dia: o pão, o perdão, a libertação de toda tentação e mal. 
Os bispos, na V Conferência, em Aparecida, disseram: "Nos diferentes momentos da luta cotidiana, muitos recorrem a algum pequeno sinal do amor de Deus: um crucifixo, um rosário, uma vela que se acende para acompanhar um filho em sua enfermidade, um Pai Nosso recitado entre lágrimas, um olhar entranhável a uma imagem querida de Maria, um sorriso dirigido ao Céu em meio a uma simples alegria." (DAp 261). 

3. Oração (Vida) 
- O que a Palavra me leva a dizer a Deus? 
Rezo agora com muita consciência e fé a
Oração do Pai Nosso
Pai nosso, que estais nos céus, santificado seja o vosso nome.
Venha a nós o vosso Reino.
Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje.
Perdoai-nos as nossas ofensas 
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.
E não nos deixei cair em tentação,
mas livrai-nos do mal. Amém.

4. Contemplação(Vida/ Missão) 
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra
Meu novo olhar para o dia de hoje vem carregado de uma certeza: 
tenho um Pai e uma multidão de irmãos. 

nção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
-Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. 

I. Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai nosso, que estás no céu, teu nome é Santo. O teu Reino vem. A tua vontade se cumpre na terra, como é cumprida no céu. Tu nos dás nosso pão de cada dia e perdoas nossas ofensas, para que também nós perdoemos os que nos ofendem. Tu nos proteges quando estamos em tentação e nos livras do mal – o único mal que conta, que é nos afastarmos de Ti.

LITURGIA DIÁRIA - 20/06/2013




Tema do Dia

Pai nosso, que estás no céu, venha o teu reino!

A Carta mostra que as relações de Paulo com a comunidade de Corinto nem sempre foram harmoniosas. Na leitura de hoje ele denuncia e se queixa dos ‘super-apóstolos’ que apresentam uma figura distorcida de Jesus e são facilmente aceitos pela Igreja.

Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda 
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos 
a vida eterna. Amém.

Verde. 5ª-feira da 11ª Semana Tempo Comum


Primeira Leitura (2Cor 11,1-11)
11ª Semana Comum
Quinta-feira 20/06/13

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

Irmãos, oxalá pudésseis suportar um pouco de insensatez, da minha parte. Na verdade, vós me suportais. Sinto por vós um amor ciumento semelhante ao amor que Deus vos tem. Fui eu que vos desposei a um único esposo, apresentando-vos a Cris­to como virgem pura. Porém, receio que, como Eva foi enganada pela esperteza da serpente, também vossos pensamentos se corrompam, afastando-se da simplicidade e purezas devidas a Cristo: De fato, se aparece alguém pregando outro Jesus, que nós não pregamos, ou prometendo um outro Espírito, que não recebestes, ou anunciando um outro evangelho, que não acolhestes, vós o suportais de bom grado. No entanto, entendo que em nada sou inferior a esses “super-apósto­los”! Mesmo que eu seja inábil na arte de falar, não o sou quanto à ciência: eu vo-lo tenho demonstrado em tudo e de todas as maneiras. Acaso cometi algum pecado, pelo fato de vos ter anunciado o evangelho de Deus gratuitamente, humilhando-me a mim mesmo para vos exaltar? 8Para vos servir, despojei outras Igrejas, delas recebendo o meu sustento. E quando, estando entre vós, tive alguma necessidade, não fui pesado a ninguém, pois os irmãos vindos da Macedônia supriram as minhas necessidades. Em todas as circunstâncias, cuidei - e cuidarei ainda - de não ser pesado a vós. 10 Tão certo como a verdade de Cristo está em mim, essa minha glória não me será arrebatada nas regiões da Acaia. 11E por quê? Será porque eu não vos amo? Deus o sabe!

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 110)
11ª Semana Comum
Quinta-feira 20/06/13

— Vossas obras; ó Senhor, são verdade e são justiça.
— Vossas obras; ó Senhor, são verdade e são justiça.

— Eu agradeço a Deus de todo o coração junto com todos os seus justos reunidos!
Que grandiosas são as obras do Senhor, elas merecem todo o amor e admiração!
— Que beleza e esplendor são os seus feitos! Sua justiça permanece eternamente!
O Senhor bom e clemente nos deixou a lembrança de suas grandes maravilhas.
— Suas obras são verdade e são justiça, seus preceitos, todos eles, são estáveis,
confirmados para sempre e pelos séculos, realizados na verdade e retidão.


Evangelho (Mt 6,7-15)
11ª Semana Comum
Quinta-feira 20/06/13


Oração do Pai nosso

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: ”Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras. Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10 venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. 11 O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. 12 Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. 13 E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.
14 De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. 15 Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.
Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém