sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 07/02/2014

7 de Fevereiro de 2014

ANO A


Mc 6,14-29

Comentário do Evangelho

Primeiro mártir da moral

Quem não tinha ouvido falar de Jesus? Até Herodes o tinha! A fama de Jesus se espalhara (Mc 1,28). Se todo mundo falava e ouvia falar de Jesus, não havia unanimidade no que concerne a sua verdadeira identidade. O “fantasma” da morte de João perturbava Herodes, que era, no dizer de Lucas, um criminoso (Lc 3,19). João Batista, podemos dizer, é o primeiro mártir da moral. Por causa da denúncia de adultério de Herodes com Herodíades que ele foi encarcerado e brutalmente assassinado. 
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, que as contrariedades da vida jamais me intimidem e impeçam de seguir adiante, cumprindo minha missão de evangelizador.

Vivendo a Palavra

Marcos expõe a fragilidade de Herodes, escondida pela aparente força do poder político. Um homem atormentado pela verdade exposta pelo Batista, a quem até gostava de ouvir, mas vencido pela vaidade e o orgulho de manter uma palavra dita em hora impensada. Oportuno lembrete para refletirmos sobre as nossas atitudes...

Reflexão

Todas as pessoas que participam da missão de Jesus, participam também do seu tríplice múnus: sacerdotal, profético e real. Participam do sacerdócio de Cristo através da busca da santificação pessoal e comunitária, da oração, da intercessão, etc. Participa do múnus profético através da palavra que denuncia o pecado e anuncia o Reino e participa do múnus régio pelo serviço aos irmãos e irmãs. A participação no múnus profético exige compromisso com a verdade e os valores morais, que atrai a ira de todos os que são contrários à proposta de Jesus, e, como no caso de João Batista, acarreta em ódio, vingança, perseguição e pode até levar à morte.

Recadinho


Aproveitamos as oportunidades para testemunhar nossa fé publicamente? - É fácil ser sempre claro e objetivo diante da verdade? - Há muito receio em dizer a verdade? - Há muita competição em nosso contexto de vida? - Será que muitas vezes não falta sinceridade?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

UM MÁRTIR DA VERDADE

A liberdade com a qual Jesus pregava levou-o a ser confundido com João Batista. A corte do rei Herodes, por exemplo, quando ouviu falar a respeito de Jesus, pensou tratar-se de João Batista ressuscitado, operando maravilhas.
João Batista se tornara conhecido pela sua defesa intransigente da verdade. Nem o rei escapou de ser denunciado, quando, de maneira arbitrária, tomou para si a mulher de seu irmão. O profeta João não hesitou de lançar-lhe em face não ser permitido conservar para si aquela que não lhe pertencia.
Sua figura frágil não se intimidou diante da fúria de rei e de sua concubina. Ele não podia pactuar com o pecado de quem quer que fosse. E não temia pagar o preço de sua liberdade. Ele devia fidelidade somente a Deus.
O destino de João chamava a atenção para o destino de Jesus e de seus discípulos. Eles deveriam contar com a rejeição e a morte, especialmente, quando o serviço do Reino os confrontasse com a prepotência dos poderosos. A atitude firme e corajosa do Batista serviria de modelo inspirador. Assim como ele não se curvou diante da iniqüidade do rei, Jesus também não se curvaria. Os discípulos deveriam tomar esta atitude como modelo. O serviço do Reino comporta o testemunho da verdade, mesmo com o risco de perder a vida.
Orão
Senhor Jesus, seja o testemunho de liberdade e coragem demonstrado por João fonte de inspiração para minha caminhada de discípulo.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Concedei-nos, Senhor nosso Deus, adorar-vos de todo o coração e amar todas as pessoas com verdadeira caridade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


07 de FEVEREIRO - SEXTA

2 - Qual é a identidade de Jesus? - Helena Serpa

3 - Orientados por quem e para quê?-Padre Fernando Santamaria – 4 - Comunidade Canção Nova

4 - Um plano assassino contra o profeta João - José Salviano

5 - O Senhor é minha Luz e minha Salvação, a quem temerei?” - Diac. José da Cruz




HOMILIA
A VERDADE CUSTA A VIDA Mc 6,14-29
Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão.  Permita meu irmão, minha irmã: Será que coisa como esta ainda acontece nos dias de hoje?  Será que os homens que cobiçam ou desejam a mulher do amigo, do irmão, já não existem?  Ver e admirar a beleza na mulher que acaba de passar, é até certo ponto normal, natural, porque se você é homem, isto faz parte da natureza. A beleza da mulher ou do homem deve levar você a louvar a Deus que fez as coisas boas e belas. Está no livro do Gêneses: Deus fez tudo bem e belo. Então é natural contemplar a beleza humana desde que esta contemplação nos leve à Deus. O que não é natural e correto, é você não se controlar diante da exuberância  e da beleza da mulher ou do marido de outra pessoa, e partir para a conquista dela. É animalesco. Quando você passa por cima do fato dela ser a mulher do seu irmão, ou do marido da sua irmã e parte para planejar um modo de se aproximar dela ou dele com o objetivo de possessão, aí está cometendo pecado contra um dos dez mandamentos que foram deixados por Deus a Moises.
Trata-se de um pecado grave, pois atinge várias conotações, ou dimensões: primeiro: Aquela mulher linda ou homem lindo e saudável não lhe pertence, mas sim pertence a outro (a), ao seu ou a sua irmão em Cristo. Portanto, é pecado tirar qualquer coisa do seu irmão (a), principalmente sua mulher amada ou marido; Segundo: Ao conquistar a mulher do próximo, ou o marido da outra você destruiu um lar, uma família, fazendo infeliz os referidos filhos daquele casal; Terceiro: Você infringiu a Lei de Deus que diz: "O que Deus uniu, o homem não pode separar"; Quarto: Se você for casado (a), ou tem namorada (o), acabou de trair não só o marido daquela linda mulher, mais também traiu a sua esposa ou sua namorada, e destruiu duas famílias. Percebeu o estrago que você fez somente para satisfazer o seu instinto, o seu desejo, o seu egoísmo?
Até aqui nos referimos ou nos dirigimos ao homem, que cobiça a mulher ou o marido do próximo. Porém, como sabemos, existem não raros casos de mulheres que cobiçam,  atrai e conquista  o marido da próxima.  Sendo assim, da mesma gravidade.
Como homens e mulheres devemos respeitar a Lei de Deus, vamos nos controlar diante das tentações,  vamos respeitar aqueles que foram unidos no altar pelo representante de Deus na terra. Não vamos fazer o mal ao próximo, e principalmente trazer a infelicidade as crianças e adolescentes inocentes. Estamos falando dos filhos dos casais separados, aqueles que mais sofrem com as traições, e com a separação.
Outro pormenor do evangelho de hoje é que na verdade, quem articulou a morte de João, foram os poderosos da Galiléia. Mais usaram Herodíades e sua mãe para executar o plano assassino. Trata-se da repressão do poder local contra as ações denunciadoras e libertadoras. A execução de João tem três significados: Primeiro, ironizar um rei que apesar de toda sua pompa, no fundo não passava de um fraco. Também significou uma advertência aos discípulos de Jesus que estavam preparados para o apresentar como O messias, O filho de Deus, ou o próprio Deus. E em terceiro lugar, o martírio de João serviria para avisar, para assustar a todos, no sentido de que tomassem consciência de que tanto de João como de Jesus, ninguém deveria esperar glória nem poder, mas um serviço humilde e divino, seguido de martírio.
            A vida de João Batista foi uma preparação para que a pessoa de Jesus Cristo fosse aceita. Ele veio preparar os caminhos. Por outro lado, sua vida é muito parecida com a aventura de Jesus. Ambos anunciaram o reino de Deus, foram perseguidos, contra eles houve a articulação dos poderosos, para tramar a morte de ambos, porém em espaço de tempo seguido ou diferente. Também, igualmente, ambos permaneceram na mente do povo até hoje. Jesus mais além. Ele sendo o próprio Deus, está presente de verdade em todos os lugares. Concluindo: O dom da vida não pertence aos poderosos, mas sim a Deus. Isto quer dizer, que alguém por mais poderoso que seja não tem o direito de tirar a vida de outra pessoa. A vida pertence a Deus.
Pai, que as contrariedades da vida jamais me intimidem e impeçam de seguir adiante, cumprindo minha missão de evangelizador e de dizer sempre a verdade. Ainda que isso me custe a vida como João Batista. É isso que vos peço Ó Pai do Céu. Daí-me força para não cair na tentação da beleza carnal.
Postado há 4th February 2011 por Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
HOMÍLIA DIÁRIA
A verdade abre as portas do coração de Deus!
Pode ter certeza de que, na casa de Deus, quando você é verdadeiro, independentemente da sua verdade, as portas do coração de Deus estarão sempre abertas para você!
”João dizia a Herodes: ‘Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão’. Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia” (Mc 6, 18-19).


João Batista é, para nós, exemplo de autenticidade, amor e testemunho da verdade. Ele não segue as conveniências, porque nós, muitas vezes, queremos agradar e ser agradáveis com as pessoas e, por causa disso, nem sempre mantemos a coerência no pensamento, no sentimento e naquilo que falamos. Algumas vezes agimos dessa forma por medo de perder privilégios, amizades e assim por diante.
É importante observar o seguinte: João Batista disse a Herodes que não lhe era permitido viver com a mulher do seu irmão. O adultério que Herodes cometia era um gravíssimo, não só por estar vivendo com uma mulher que não lhe pertencia, mas também por estar sendo injusto com o seu irmão.
Sabem, meus irmãos, não é dever nosso julgar ninguém, condenar ninguém, jogar pedras nem atirar pedras em ninguém. Mas é uma obrigação nossa dizer a verdade quando for verdade; mostrar a verdade, quando esta precisa ser dita. E existe um instrumento que é muito importante ao se fazer isso: não se diz a verdade sem primar pela caridade. Nós não precisamos jogar as coisas na cara das pessoas, nós não precisamos humilhá-las nem as deixar as para baixo.
Nós precisamos, sim, ajudar as pessoas a pensar, a raciocinar, a compreender como estão vivendo a sua vida. No entanto, não podemos achar tudo normal, não podemos chamar o errado de certo; nem podemos achar as coisas que não nos convêm, que não são de acordo com a vontade de Deus, como se fossem justas, corretas, aplaudir e dizer: ”É isso mesmo, é por aí!”. Não, a Lei de Deus é a Lei de Deus!
Quero dar uma palavra a muitos casais que vivem a realidade de uma segunda união. Eu louvo a Deus, porque eu sei que existem muitos casamentos em segunda união que são uma verdadeira bênção! O primeiro casamento não deu certo por ”n” motivos, de repente você é até mais feliz do que na primeira união. Então, a Igreja os acolhe, os ama e podem ter certeza de que no coração de Deus vocês têm um lugar que pertence só a vocês. Apenas  é importante frisar que nós temos que lutar pelo casamento, lutar pela primeira união, lutar por aquele casamento que você primeiro constituiu. O que nós não podemos é relaxar, casar e, de repente, já desfazer-se do casamento por qualquer motivo.
Eu olho para o coração daqueles que lutaram, que tentaram de todas as formas ter um casamento de acordo com a vontade de Deus, mas, por imaturidade de ambas as partes, ou de uma das partes, ou por outros motivos, pode ser que o relacionamento não tenha dado certo. O que não vale é você sair de um relacionamento e já começar outro. Dê tempo ao tempo, peça ajuda à Igreja, peça que Deus encaminhe o seu coração e pode ter certeza de que a bênção de Deus estará sobre você!
Nós não precisamos condenar ninguém, nós só precisamos mostrar a verdade. Lute para que você tenha um casamento único; e quando isso não for possível, seja qual for o motivo, peça que, na caridade, no amor, a Igreja o ajude! Pode ter certeza de que, na casa de Deus, quando você é verdadeiro, independentemente da sua verdade, as portas do coração de Deus estarão sempre abertas para você!
 Que Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter

LEITURA ORANTE

Mc 6,14-29 - O banquete da morte



Preparo-me para a Leitura Orante da Palavra,
rezando com todos que estão na rede da internet,
invocando o modelo perfeito de comunidade:
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.


1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Leio atentamente, na Bíblia, Mc 6,14-29.

O rei Herodes ouviu falar de tudo isso porque a fama de Jesus se havia espalhado por toda parte. Alguns diziam:
- Esse homem é João Batista, que foi ressuscitado! Por isso esse homem tem poder para fazer milagres.
Outros diziam que ele era Elias. Mas alguns afirmavam:
- Ele é profeta, como um daqueles profetas antigos.
Quando Herodes ouviu isso, disse:
- Ele é João Batista! Eu mandei cortar a cabeça dele, e agora ele foi ressuscitado!
Pois tinha sido Herodes mesmo quem havia mandado prender João, amarrar as suas mãos e jogá-lo na cadeia. Ele havia feito isso por causa de Herodias, com quem havia casado, embora ela fosse esposa do seu irmão Filipe. Por isso João tinha dito muitas vezes a Herodes: "Pela nossa Lei você é proibido de casar com a esposa do seu irmão!"
Herodias estava furiosa com João e queria matá-lo. Mas não podia porque Herodes tinha medo dele, pois sabia que ele era um homem bom e dedicado a Deus. Por isso Herodes protegia João. E, quando o ouvia falar, ficava sem saber o que fazer, mas mesmo assim gostava de escutá-lo.
Porém no dia do aniversário de Herodes apareceu a ocasião que Herodias estava esperando. Nesse dia Herodes deu um banquete para as pessoas importantes do seu governo: altos funcionários, chefes militares e autoridades da Galiléia. Durante o banquete a filha de Herodias entrou no salão e dançou. Herodes e os seus convidados gostaram muito da dança. Então o rei disse à moça:
- Peça o que quiser, e eu lhe darei.
E jurou:
- Prometo que darei o que você pedir, mesmo que seja a metade do meu reino!
Ela foi perguntar à sua mãe o que devia pedir. E a mãe respondeu:
- Peça a cabeça de João Batista.
No mesmo instante a moça voltou depressa aonde estava o rei e pediu:
- Quero a cabeça de João Batista num prato, agora mesmo!
Herodes ficou muito triste, mas, por causa do juramento que havia feito na frente dos convidados, não pôde deixar de atender o pedido da moça. Mandou imediatamente um soldado da guarda trazer a cabeça de João. O soldado foi à cadeia, cortou a cabeça de João, pôs num prato e deu à moça. E ela a entregou à sua mãe. Quando os discípulos de João souberam disso, vieram, levaram o corpo dele e o sepultaram.

João Batista foi morto porque pregou a verdade sem meias medidas Ele condenou o casamento ilícito de Herodes com Herodiades. Com tristeza, o fraco Herodes mandou que João fosse executado para realizar o pedido de Herodiades: a cabeça de João Batista.
"Cristo atrai-nos continuamente para dentro do seu Corpo, edifica o seu Corpo a partir do centro eucarístico, que para Paulo é o centro da existência cristã, em virtude da qual todos, como também cada pessoa pode experimentar de modo muito pessoal: ele me amou e entregou-se a si mesmo por mim". (Bento XVI, Basílica de São Paulo fora dos Muros, Abertura do Ano Paulino, 2008.)


2. Meditação (Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Parece que o caso deste "banquete da morte" se repete hoje, com outras nuances. A dissimulação,as meias verdades, o fazer calar a verdade se repetem. Tenhamos a coragem de nos perguntar:
- Uso de estratégias para fugir da verdade, também em pequenas coisas?
- Prefiro as aparências do que sofrer pelo bem, pelo que é correto?
- Sacrifico alguém para defender uma idéia, um modo de agir, o sentir, que eu sei não é coerente com meu ser cristão/ã?


3. Oração (Vida)

- O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
O papa Paulo VI fez uma oração ao Espírito Santo que posso rezar agora:

Ó Espírito Santo, dai-me um coração grande,
Aberto à Vossa silenciosa
E forte palavra inspiradora,
Fechado a todas as ambições mesquinhas,
Alheio a qualquer desprezível competição humana,
Compenetrado do sentido da santa Igreja!
Um coração grande,
Desejoso de tornar-se semelhante
Ao Coração do Senhor Jesus!
Um coração grande e forte
Para amar todos,
Para servir a todos,
Para sofrer por todos!
Um coração grande e forte
Para superar todas as provações,
Todo tédio, todo cansaço,
Toda desilusão, toda ofensa!
Um coração grande e forte,
Constante até o sacrifício,
Quando for necessário!
Um coração cuja felicidade
É palpitar com o Coração de Cristo
E cumprir humilde, fiel e virilmente
A vontade do Pai.
Amém.


4. Contemplação (Vida)
Viverei cada momento do dia de hoje, de forma transparente, em coerência com a Palavra de Jesus Mestre:
"Diga apenas "sim" quando é "sim"; e "não", quando é "não". O que você disser além disso, vem do Maligno" (Mt 5,37)

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Irmã Patrícia Silva, fsp
Pai Santo, que o Evangelho nos conduza a não julgarmos quem quer que seja, ainda que se trate dos Herodes dos nossos tempos. Que Tua Palavra nos ajude a manter a humildade diante das tentações do orgulho e da vaidade, tão presentes em nossa caminhada. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 06/02/2014

6 de Fevereiro de 2014

ANO A


Mc 6,7-13

Comentário do Evangelho

Escolhidos e enviados

Quando do chamado dos Doze sobre o monte (Mc 3,13-19), o autor do evangelho já informou ao ouvinte e/ou leitor que a vocação dos discípulos tem um duplo aspecto: acompanhar Jesus e disponibilidade para serem enviados em missão. O texto do evangelho de hoje é o relato do envio em missão dos Doze. A pregação deles, como a de Jesus (cf. Mc 1,15) e a de João Batista (cf. Mc 1,4), é um apelo à conversão. Há uma longa tradição bíblica perpassando, de algum modo, todos os textos da Escritura, que interpela o povo a uma profunda e verdadeira conversão, condição para viver fielmente a Aliança e para reconhecer o tempo da visita salvífica de Deus em Jesus Cristo. O poder que eles detêm é o poder do Senhor (cf. Mc 1,21-28). Nas recomendações para a missão estão as exigências que associam os discípulos a Jesus e os identificam com ele: para a missão, só o necessário para a mobilidade e a disponibilidade (cf. Ex 12,11); é necessário desapego, pois a confiança não pode estar nos meios, mas no próprio Senhor que os envia, e também é preciso contar com a rejeição. Dito de outra maneira, as pessoas devem ver realizado nos discípulos o que eles anunciam. O relato tem um forte apelo eclesial: a missão da Igreja está fundamentada num mandato do Senhor.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, ajuda-me a superar toda tentação de acomodar-me, pois, como apóstolo do teu Reino, tenho de estar, continuamente, a caminho.
http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&action=busca_result&data=06%2F02%2F2014

Vivendo a Palavra

Nós somos os enviados de hoje para anunciar a Boa Notícia: o Reino de Deus está próximo! E as condições são as mesmas: a tarefa é comunitária – dois a dois –; não envolve interesse por recompensas, e somos revestidos de poder sobre os espíritos maus, que dividem, entristecem e matam a esperança dos irmãos.

Reflexão

Quem é verdadeiramente discípulo de Jesus não deve pensar em si próprio, mas deve viver em função das outras pessoas, preocupar-se com os seus problemas e necessidades, ir ao encontro de todos para levar o Evangelho, a motivação para a conversão e a esperança de uma vida melhor. Nós fomos enviados por Jesus para realizar essa missão. Não devemos levar nada que seja para nós, além do que seja estritamente necessário, pois não devemos nos preocupar com o nosso bem estar, mas sim com o dos nossos irmãos e irmãs. Somente com este espírito é que podemos participar da obra evangelizadora de Cristo.

Recadinho


Sei agradecer a Deus que me faz sentir a realização pessoal por um bom testemunho de vida? - Sou disponível e fraterno na justa partilha de bens? - Que lugar ocupam as coisas supérfluas em minha vida? - Quando e como anuncio o Evangelho de Cristo? - É fácil servir de apoio àqueles que têm uma missão mais envolvente no campo da evangelização?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

PREGAR NA POBREZA

Quando Jesus enviou seus discípulos para anunciar o evangelho do Reino, ordenou-lhe pregar na pobreza. Só lhes foi permitido levar um simples bastão, talvez para se protegerem de animais ferozes, e calçar sandálias, por causa das longas caminhadas. Tudo mais se reduzia às roupas do corpo. Por que tanto rigor da parte de Jesus?
Agindo assim, os apóstolos não corriam o risco de atrair gente por motivos alheios à proposta do Reino. Seria inútil recorrer aos apóstolos esperando encontrar o que não fosse estritamente a palavra de Deus e seu apelo de conversão. Por outro lado, os apóstolos ficavam livres da tentação de atrair discípulos para si mesmos, esquecendo de que sua missão era a de fazer discípulos para o Senhor. Os apóstolos, pregando na pobreza, eram forçados a se entregarem totalmente à providência de Deus. Ela não haveria de permitir que lhes faltasse pão, nem o necessário para a sobrevivência. Esta dependência da caridade alheia, porém, não podia por em questão a gratuidade do ministério dos apóstolos. Esses não pregavam, com espírito venal, pensando em tirar partido e obter proveitos. E, sim, desempenhavam sua função de maneira desinteressada, deixando à providência a questão do próprio sustento.
Apesar de sua opção pelo despojamento, os discípulos deveriam manter no horizonte a possibilidade de serem rejeitados. Nem por isso estariam dispensados da missão.
Oração
Senhor Jesus, ajuda-me a compreender a importância de anunciar o teu Reino, na pobreza, entregue totalmente nas mãos da tua providência.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Ó Deus, força dos santos, que em Nagasaki chamastes à verdadeira vida são Paulo Miki e seus companheiros pelo martírio da cruz, concedei-nos, por sua intercessão, perseverar até a morte na fé que professamos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


06 de FEVEREIRO - QUINTA

2 - A minha e tua missão como os doze apóstolos - Canção Nova

3 - Começou a enviá-los. Padre Queiroz

4 - É NA DEPENDÊNCIA DE DEUS QUE O MISSIONÁRIO TORNA FORTE! - Olívia Coutinho!

5 - “A Sagrada Liberdade do Missionário” - Diac. José da Cruz

http://liturgiadiariacomentada2.blogspot.com.br/




HOMILIA
A MISSÃO DOS DOZE DISCÍPULOS Mc 6,7-13
Jesus Cristo está a poucos meses pregando pela Judéia e Galiléia. Foi formando um grupo de discípulos e seguidores, e o Mestre escolheu doze deles como apóstolos. Com eles fala intimamente, explica-lhes as parábolas, escuta-os e ensina-os. Chega o momento de mandá-los para pregar. É a primeira missão dos apóstolos, uma primeira mega missão para preparar o caminho da pregação de Jesus. O Mestre lhes explica com detalhe o que fazer. Não lhes pede que dêem grandes sermões teológicos, nem que falem de tal forma que deixem boquiabertos quantos escutarem. Simplesmente tem que anunciar a paz (“A paz esteja nesta casa”), e ensinar que o Reino de Deus está próximo, o Reino do Amor. Com esta tarefa e com a confiança colocada no senhor, os apóstolos saem para percorrer os povoados e cidades próximas.
O chamado e consequentemente o envio é uma tarefa que não se pode realizar no individualismo. O chamado é pessoal, a resposta também, mas o ministério, o serviço deve ser entendido numa dimensão comunitária. Pois a igreja é mistério de comunhão. E para que os apóstolos entendessem isso, Ele os envia em missão, dois a dois, colocando como centro vida em comunidade na ação missionária. Este foi o espírito do Concílio Vaticano II: A missão na Igreja-comunhão.
Onde fica sua força, a eficácia da sua ação? Em que são enviados por Alguém. Não anunciam uma mensagem própria, mas sim a mensagem de Outro. Aí está a força do cristão quando prega para os outros. Não sou eu que quero fazer com que o outro fique admirado com minhas idéias maravilhosas; sou eu que quero transmitir ao outro a grandeza de Deus, a maravilha de Deus, a experiência de se sentir amado por Deus. Pensemos que esta pregação não é algo exclusivo de umas missões de evangelização. Pregamos com nosso exemplo quando vamos à missa em família, quando consolamos um amigo que está precisando. Pregamos com nosso exemplo quando compartilhamos a alegria de viver, o otimismo diante de uma situação difícil, a vontade de amar aquele que não se sente amado, o entusiasmo por “fazer o bem sem olhar a quem”.
Os doze apóstolos saíram para pregar pelos caminhos e cidades. O Evangelho nos narra que regressaram cheios de gozo, felizes por constatar os frutos de sua missão. É a experiência comum de quem participa de uma missão de evangelização: três ou quatro dias de pregação, de missão, dias de trabalho, cansaço, sacrifício, mas dias que nos enchem o coração de alegria e satisfação, a alegria que só Deus pode dar. Façamos da nossa vida uma missão contínua: missão na família, sendo a peça que une e anima a convivência familiar. Missão no trabalho, com a honestidade, o profissionalismo, o gosto pelas coisas bem feitas. Missão entre nossos amigos e conhecidos, com nosso otimismo diante da vida, nosso testemunho de cristãos alegres, entusiastas, fiéis aos valores do Evangelho e da Igreja.
Pai, ajuda-me a superar toda tentação de acomodar-me, pois, como apóstolo do teu Reino, tenho de estar, continuamente, a caminho.
Fonte Homilia: Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
HOMÍLIA DIÁRIA
Ensine a seus filhos os preceitos e a Lei de Deus
Infunde no coração do seu filho e no coração da sua filha que o que vai lhes dar uma vida longa, abençoada, nesta e na outra vida, é a fidelidade aos preceitos e à Lei Divina.
Observa os preceitos do Senhor, teu Deus, andando em seus caminhos, observando seus estatutos, seus mandamentos, seus preceitos e seus ensinamentos, como estão escritos na lei de Moisés” (1 Reis 2, 3).


Meus queridos irmãos e irmãs, eu queria convidar vocês, hoje, a refletir com muito amor e ternura sobre a Primeira Leitura da Missa de hoje. Ela relata para nós os últimos dias da vida de Davi e, como ele, o homem de Deus que é, mesmo com seus pecados, com suas falhas, se redime, se arrepende e, naquele momento, chama diante de si o seu filho Salomão e lhe dá as instruções: ”Meu filho, sê corajoso, porta-te como um homem e não se esquece de observar os preceitos divinos” (1 Reis 2, 2b-3).
Hoje eu gostaria de olhar para o coração de cada pai e de cada mãe e pedir a Deus que dê a vocês a mesma sabedoria e o mesmo discernimento que teve Davi na sua velhice. Muitas vezes, os pais se preocupam em deixar herança para seus filhos; contudo existem heranças que acabam sendo até sinais de brigas e de disputas, e assim por diante. Nada contra essa prática, cada um deixa o que tem, mas o mais importante, para você que é pai e a você que é mãe, é deixar no coração do seu filho ou da sua filha esta nobre riqueza que se chama o “tesouro do Reino de Deus”. Infunde no coração do seu filho e no coração da sua filha que o que vai lhes dar uma vida longa, abençoada, nesta e na outra vida, é a fidelidade aos preceitos e à Lei Divina.
O que nós estamos, hoje, observando é Davi, dando, na verdade, o seu grande testamento ao seu filho Salomão: ‘‘Meu filho faça isso e viverás, este é o caminho da vida, conserva, meu filho, uma boa conduta e seja leal de todo o seu coração, jamais se afastando da Lei do Senhor Nosso Deus!” (1 Reis 2, 2ss).
É assim, pai, é assim, mãe, que você deve educar, instruir e formar seus filhos! Sei que, nos dias de hoje, não é nada fácil criar filhos; isso é um desafio enorme! Mas o mais importante é você não perder a direção: não se forma filhos na frente de novelas, não se forma filhos na frente de programas que em nada vão ajudar! Tenha tempo para ler e para meditar com os seus a Palavra Divina.
Eu louvo a Deus, porque a minha pobre mãe me ensinou, durante a vida, a Lei de Deus, a maior herança que ela deixa e deixará para sempre no meu coração! Eu quero que você, pai, e que você, mãe, deixem no coração do seu filho essa nobre herança que jamais sairá do coração dele: ”Ser fiel aos preceitos e à Lei Divina”.
Que Deus abençoe você!
http://homilia.cancaonova.com/homilia/ensine-a-seus-filhos-os-preceitos-e-a-lei-de-deus/
LEITURA ORANTE

Mc 6,7-13 - Jesus chama e envia à missão



Preparo-me ao encontro com Deus mediante sua Palavra, rezando
com todos que sew encontram neste espaço:
Vem, Espírito Santo, aos nossos corações,
e concede-nos, por intercessão de Maria,
a graça de ler e reler as Escrituras.
Concede-nos, Espírito Santo,
a graça de reconhecer a obra de Deus atuante na História
e a sua presença de misericórdia.
Amém.

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente o texto: Mc 6,7-13, e observo pessoas que Jesus chama e o que lhes recomenda.
Ele chamou os doze discípulos e os enviou dois a dois, dando-lhes autoridade para expulsar espíritos maus. Deu ordem para não levarem nada na viagem, somente uma bengala para se apoiar. Não deviam levar comida, nem sacola, nem dinheiro. Deviam calçar sandálias e não levar nem uma túnica a mais. Disse ainda:

- Quando vocês entrarem numa cidade, fiquem hospedados na casa em que forem recebidos até saírem daquela cidade. Mas, se em algum lugar as pessoas não quiserem recebê-los, nem ouvi-los, vão embora. E na saída sacudam o pó das suas sandálias, como sinal de protesto contra aquela gente.

Então os discípulos foram e anunciaram que todos deviam se arrepender dos seus pecados. Eles expulsavam muitos demônios e curavam muitos doentes, pondo azeite na cabeça deles.
Jesus não chamou para seu grupo os mais preparados do seu tempo, mas, os mais disponíveis.  Chamou simples pescadores - Pedro, André, Tiago, João. Chamou o cobrador de impostos. Chamou gente simples. Não significa que discriminou os mais capacitados. Apenas, significa que os corações  mais simples estão livres de muitas preocupações. E os chamados recebem o mesmo poder de Jesus: anunciar o Reino, expulsar os espíritos maus e curar todas as doenças, uma missão de libertar as pessoas de todos os males. Rejeitar os apóstolos é rejeitar a salvação.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Sou livre para seguir Jesus?
Pelo batismo todo cristão é chamado a seguir Jesus de acordo com seu estado de vida. Os bispos, em Aparecida, falaram deste chamado:
"A admiração pela pessoa de Jesus, seu chamado e seu olhar de amor despertam uma resposta consciente e livre desde o mais íntimo do coração do discípulo, uma adesão de toda sua pessoa ao saber que Cristo o chama por seu nome (cf. Jo 10,3). É um "sim" que compromete radicalmente a liberdade do discípulo a se entregar a Jesus, Caminho, Verdade e Vida (cf. Jo 14,6). É uma resposta de amor a quem o amou primeiro "até o extremo" (cf. Jo 13,1). A resposta do discípulo amadurece neste amor de Jesus: "Te seguirei por onde quer que vás" (Lc 9,57). (DAp 136).

3.  Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Rezo com a Venerável Mestra Tecla Merlo:
Senhor,
sei que tu me amas.
Tudo dispões para o meu bem...
Sei que pensas em mim continuamente,
sei que queres me ajudar e podes me ajudar.
Tu o prometestes e não falhas.
Eu creio.
(Lembrar uma pessoa ou situação que precisa da graça especial de Deus)
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

4. Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
"Somos chamados a encarnar o Evangelho no coração do mundo"(DGAE 2008-2009, no 21). Meu novo olhar me leva a viver a missão de apóstolo e missionário onde quer que esteja.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.


Irmã Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, faze de nós a Igreja da Esperança. Que o nosso anúncio de que o Teu Reino já está em nós e entre nós seja espontâneo e traga leveza e alegria também para os companheiros que nos deste para a peregrinação nesta terra encantada. Por Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.