sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

São Pedro Canísio - 21 de Dezembro




São Pedro Canísio nasceu em Nimega, atual Holanda, mas então parte da Alemanha naquele tempo. Isto no ano de 1521. Canísio é a latinização de Kanijs. Seu pai foi prefeito de Nimega e encaminhou seu filho para estudar Direito.

TERÇOS – VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
 

TERÇO DA FÉ
 

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO


LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Mensagens diárias prá vc

Terço - Mistério Gozosos - Segunda-Feira e Sábado


Terço do Rosário: Mistérios Gozosos




HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 21/12/2013

21 de Dezembro de 2013

ANO A


Lc 1,39-45

Comentário do Evangelho

Duas anunciações

O relato da visita de Maria à sua prima Isabel é a conclusão dos relatos das duas anunciações (Lc 1,5-25.26-38). Assim como a gravidez de Isabel é objeto de revelação a Maria (vv. 36-37), do mesmo modo a de Maria é objeto de revelação a Isabel. A revelação de Isabel vem do fato de a criança pular em seu ventre: “Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou de alegria em seu ventre, e ela ficou repleta do Espírito Santo” (v. 41). A Isabel, pela graça do Espírito Santo, é dado conhecer não somente que Maria está grávida, mas que o menino é o Messias: “Como mereço que a mãe do meu Senhor venha me visitar?” (v. 43). Pulando de alegria no ventre de Isabel (v. 44), João começa a realizar sua missão de precursor (cf. vv. 15-17).
A cada uma das mães Lucas atribui um cântico. A Isabel, o do v. 42: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto do teu ventre”. A Maria, o Magnificat (vv. 46-55), um hino de louvor a Deus, composto com um mosaico de referências bíblicas.
Carlos Alberto Contieri, sj
ORAÇÃO
Pai, a exemplo de Isabel, anseio conhecer a verdadeira identidade de Maria que, na sua humildade, tornou-se o ser humano abençoado por excelência.

Vivendo a Palavra

Maria, logo que soube da gravidez de Isabel, partiu para ajudá-la. E partiu às pressas! Ela se fez, assim, modelo para nós, que queremos ser Igreja servidora. Reconheçamos os dons que o Pai nos emprestou; aceitemos com alegria e gratidão esses dons – não para guardá-los, mas para colocá-los a serviço dos irmãos.

Reflexão

Vemos no evangelho de hoje o encontro de duas mulheres que estão grávidas sem que isso fosse possível. De um lado, Isabel, idosa e estéril, e de outro Maria, virgem. A idosa representando o Antigo Testamento, pois será a mãe do último profeta da Antiga Aliança. A virgem representando o Novo Testamento, pois será a mãe daquele que no seu sangue selará a Nova e Eterna Aliança entre Deus e os homens. Vemos a complementariedade entre as duas Alianças e vemos também em Maria a essência da missão evangelizadora: levar Jesus a todas as pessoas para que possam reconhecê-lo e acolhê-lo.

Recadinho


Maria é acolhida em casa de Zacarias, onde sente-se segura e fortalecida diante de sua grande nova missão! Diante de situações novas e difíceis, você busca apoio? Onde? Com que meios? - O Anjo, em nome de Deus, visita Maria, levando-lhe a paz de Deus e uma grande missão. Sei com minha presença levar sempre paz e, se consigo, incentivo para a caminhada a meus irmãos?
Maria visita Isabel. Sua presença é alegria, partilha, amor. Esforço-me para que minha vida leve sempre alegria e segurança a todos?
Maria e Isabel partilham dons e vida. Ambas partilham a Graça de Deus, apoiando-se mutuamente. Tenho espírito de partilha ou vivo fechado em meus problemas e contextos de vida? - Em tempo de Natal, vamos nos unir a elas para melhor acolhermos o Salvador, que nos fala ao coração?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

BENDITA ENTRE AS MULHERES

A visita de Maria a Isabel revelou traços importantes da personalidade da mãe do Messias Jesus. Ao levantar-se e ir às pressas até a Judéia, para servir a uma parenta necessitada de sua ajuda, Maria demonstrou sua disponibilidade para servir, sem interpor nenhum obstáculo: viagem longa, caminho perigoso, sua gravidez. Muito menos, julgou que a condição de mãe do Messias a colocava numa situação de superioridade. Com toda simplicidade, ela se pôs a caminho, para servir.
A saudação de Isabel sublinhou o quanto Maria era querida por Deus. Era uma mulher abençoada e trazia, no ventre, um ser igualmente abençoado. Por conseguinte, portadora e penhor de bênçãos. Donde a alegria de João Batista, ainda no ventre materno, quando do encontro com a mãe de Jesus. Esta era bem-aventurada, sobretudo por ser mulher de fé, capaz de acreditar no cumprimento de tudo o que lhe fora dito da parte do Senhor.
As palavras de Isabel foram inspiradas. Explicitaram, perfeitamente bem, o que se passava com Maria. Talvez, a própria mãe de Jesus não compreendesse as reais dimensões de sua relação com Deus. Sua simplicidade a impedia de se ter em grande conta. Sua condição de mãe do Senhor não mudou a idéia que fazia de si mesma. A servidora de Deus estava ali para servir à parenta necessitada. Uma coisa implicava a outra.
Oração
Senhor Jesus, ajuda-me a compreender a bem-aventurança aplicada a Maria, que se fez servidora de Deus e dos irmãos.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Ouvi com bondade, ó Deus, as preces do vosso povo, para que, alegrando-nos hoje com a vinda do vosso Filho em nossa carne, alcancemos o prêmio da vida eterna, quando ele vier na sua glória. Por nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


21 de DEZEMBRO - SÁBADO


Liturgia comentada

Saltou de alegria... (Lc 1,39-45)
São Lucas registra que a simples aproximação de Maria, já portadora do Filho de Deus em seu ventre sagrado, foi suficiente para que João Batista, ainda em sua vida pré-natal, reagisse com alegria. Estamos diante de uma verdade que parece esquecida: a experiência cristã é fonte de profunda alegria.
Ao relatar a descoberta de Deus e sua conversão ao cristianismo, o escritor inglês C. S. Lewis intitulou seu livro “Surprised by Joy”, (surpreendido pela alegria). No livro dos Atos dos Apóstolos, logo após Pentecostes, São Lucas registra: “Partiam o pão nas casas e tomavam a comida com alegria e singeleza.” (At 4,46.) Anotou também o efeito da pregação de Filipe em Samaria: “Por este motivo, naquela cidade reinava grande alegria.” (At 8,8.)
Ora, pode ser que nossas reuniões, celebrações, e mesmo o “clima” geral de nossa vida como cristãos não estejam irradiando a mesma alegria. De fora, o pagão pode ter a impressão de que somos um povo triste, sem ânimo e vibração. E assim, afastamos as pessoas de Jesus, que tinha intenção completamente diferente: “A vossa tristeza há de se transformar em alegria”. (Jo 16,20b.) “E o vosso coração se alegrará e ninguém vos tirará a vossa alegria”. (Jo 16,22.) “Pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa.” (Jo 16,24.)
É clássico o refrão: “Um santo triste é um triste santo.” Na verdade, quem conviveu com pessoas santas, sabe que elas são alegres, irradiantes, mesmo que sua alegria não lembre a alacridade das maritacas, mas seja antes uma espécie de letícia, a alegria serena, mas profunda, de quem vive mergulhado na paz de Deus, mesmo entalado em um mundo de problemas.
Na verdade, a alegria é fruto do Espírito Santo (cf. Gl 5,22), ao lado da paz, da paciência e da brandura. Quem se volta para Deus e busca seu perdão, vê-se livre de sentimentos negativos que já pareciam constituir na pessoa uma segunda natureza. Ao contrário, a vida vivida “na carne” leva à tristeza, à depressão e a impulsos de autodestruição, como obscura colheita do pecado.
Marthe Robin, a fundadora dos “Foyers de Charité”, mesmo imobilizada em um pequeno divã por mais de 50 anos, alimentada exclusivamente por uma comunhão semanal, notabilizou-se por uma alegria infantil que contagiava a todos que faziam contato com ela. Mais ainda: Marthe assumia em sua oração a tristeza e as cruzes de seus visitantes, que dali saíam libertos e transfigurados.
Que tipo de cristão queremos ser?
Orai sem cessar: “Transformaste meu luto em dança!” (Sl 39,12)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
sanini@novaalianca.com.br

Vemos no evangelho de hoje o encontro de duas mulheres que estão grávidas sem que isso fosse possível. De um lado, Isabel, idosa e estéril, e de outro Maria, virgem. A idosa representando o Antigo Testamento, pois será a mãe do último profeta da Antiga Aliança. A virgem representando o Novo Testamento, pois será a mãe daquele que no seu sangue selará a Nova e Eterna Aliança entre Deus e os homens. Vemos a complementaridade entre as duas Alianças e vemos também em Maria a essência da missão evangelizadora: levar Jesus a todas as pessoas para que possam reconhecê-lo e acolhê-lo.





HOMILIA
BENDITA ÉS TU ENTRE AS MULHERES Lc 1,39-45

Continuamos meditando os relatos do nascimento do evangelho de Lucas, e o faremos ainda até o Natal. Hoje nos é apresentada a cena que chamamos comumente de “visitação” de Maria à sua prima Isabel. A Virgem vai até as montanhas da Judéia onde vivia sua prima. O encontro das duas mulheres foi imortalizado, como muitissima outras páginas da Bíblia, nas obras dos artistas cristãos.
No entanto o que mais conta são as palavras com que Isabel saúda a Maria, cheia – diz o evangelista – do Espírito Santo: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto de teu ventre!”, palavras que milhões e milhões de cristãos repetimos em todas as línguas do mundo para saudar diariamente a mãe de nosso Senhor. Bendita não por seus próprios méritos, mas pela graça e pelo favor divino, porque soube acolher a Palavra de Deus até a ponto de gerá-la em seu seio, porque se pôs inteiramente à disposição de Deus que fazia dela instrumento precioso de sua obra de salvação. Isabel é consciente da desproporção da visita: “Quem sou eu para que a mãe de meu Senhor me visite?”, pergunta. A mesma humildade com que seu filho, João Batista, dirá mais tarde que não é digno nem de desatar as sandálias do Messias. E proclama ditosa, bem-aventurada, bem-amada a Maria porque nela se cumprirá o que lhe disse o Senhor por meio do anjo. Mesmo que a leitura de hoje se interrompa neste ponto, sabemos que Maria prorrompeu, em resposta às palavras de Isabel, num cântico de ação de graças, o “Magnificat” que já sabemos de memória.
Deveríamos fazer nossos os sentimentos e as palavras de Isabel, bendizer e felicitar a Maria pelas maravilhas que Deus realizou nela. Mas deveríamos, sobretudo, assumir as atitudes destas mulheres que são submissas e se põem à disposição dos planos salvíficos de Deus. Compete a nós levar o Messias para visitar os nossos irmãos que sofrem e choram, para que se alegrem como Isabel e louvem ao Deus que os salva e liberta.
A celebração do nascimento de Jesus nos leva a recordar a condição de mulher e a fé de Maria. O episódio que chamamos de visitação nos relata o encontro de duas mulheres mães. Maria, a galiléia, vai a Judá, região onde o filho que carrega dentro de si será um dia rechaçado e condenado à morte (Lc 1,39). No momento da saudação da jovem, o menino que Isabel está para dar à luz “salta de alegria” (vv. 41 e 44). A mãe alude pouco depois ao que sente dentro de si; trata-se da alegria do menino – o futuro João Batista – ao redor de quem haviam girado até agora os acontecimentos narrados neste primeiro capítulo de Lucas. João cede agora a vez para Jesus. A alegria é a primeira resposta à vinda do Messias. Experimentar alegria porque nos sentimos amados por Deus é preparar-nos para o Natal.
Isabel pronuncia então uma dupla bênção. Como ocorre sempre em manifestações importantes, Lucas evidencia que ela fala “cheia do Espírito Santo. Maria é declarada “Bendita entre as mulheres”; sua condição de mulher é colocada em destaque; como tal ela é amada e privilegiada por Deus. Isto é ratificado pelo segundo motivo do elogio: “Bendito é o fruto do teu ventre”. Este fruto é Jesus, mas o texto sublinha o fato de que, por enquanto, está no corpo de uma mulher, em suas entranhas, tecido de seu tecido. O corpo de Maria passa a ser então a arca santa onde se abriga o Espírito e manifesta a grandeza de sua condição feminina. Em sua visitante Isabel reconhece a “Mãe do Senhor”, aquela que dará à luz o que deve libertar o seu povo, segundo o que foi anunciado pelo profeta Miquéias (5, 2-5).
Bendizer significa falar bem, elogiar, glorificar. Antes do nascimento de Jesus aparecem nos Evangelhos bênçãos por parte de Zacarias, Simeão, Isabel e Maria. Todos bendizem a Deus por aquilo que Ele realiza. Porém, ao mesmo tempo, Jesus abençoa as crianças, os enfermos, os discípulos, ao Pai. Toda bênção é dirigida a Deus. A oração de bênção é, sobretudo, louvor de ação de graças. Deste modo celebramos a Eucaristia. Mas também a bênção se estende a todas as criaturas, inclusive as inanimadas: ramos, cinza, pão e vinho. São bem-aventurados os santos e especialmente “bendita” é Maria, a mãe de Jesus.
O Espírito Santo ajuda Isabel a pronunciar sua louvação: “Bendita és tu entre todas as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” A partir de então, milhões de vezes os cristãos têm repetido esta louvação na Ave Maria. São benditos, bem-aventurados os que acreditam em Deus, os que praticam a Palavra, os que dão frutos, os pobres, com os quais Jesus se identifica.
“Bendita és tu entre as mulheres”.  Maria é bendita porque acreditou! Esta foi sua grandeza e o fundamento de sua fidelidade: sua fé! Maria se converte em Mestra da fé, aceitando tudo quanto se anunciava da parte de Deus, mesmo que não sabendo explicar como tudo aconteceria. Toda vida de Maria se fundamenta em sua fé, na adesão que fez desde o primeiro momento à revelação que chegou até ela.
Pai, a exemplo de Isabel, anseio conhecer a verdadeira identidade de Maria que, na sua humildade, tornou-se o ser humano abençoado por excelência e então dia a pois dia poder dizer também o meu sim ao vosso projeto de amor.

Fonte Homilia: Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
HOMÍLIA DIÁRIA
Não há desculpas para não exercemos a caridade
Não há desculpas para não exercemos a caridade, não há desculpas para não cuidarmos uns dos outros.
”Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!’‘ (Lc 1-,42)
Nós, hoje, acompanhamos Maria, que ficou grávida por obra e pela ação do Espírito Santo, sendo movida por este mesmo Espírito a não pensar só em si, a não se inflamar de orgulho por causa daquilo que recebera de privilégio do Céu. Afinal de contas, a nenhuma outra mulher da terra o Senhor conferiu a graça e o dom de ser a Mãe de Jesus. É um dom único conferido a Virgem Maria! Por isso, sua prima Isabel, cheia do Espírito Santo, exclama que ela é bendita entre todas as mulheres que há sobre a terra. E, da mesma forma, bendito é o Fruto que está no ventre dela.
Primeira coisa, uma vez que Nossa Senhora não se fechou em si mesma, ela foi ao encontro da sua parenta, que muito precisava da sua ajuda, porque afinal de contas ela também estava grávida. Maria foi apressadamente a Judeia, não foi para ser exaltada por Isabel, foi para cuidar dela, foi para prestar-lhe solicitude e solidariedade; ser uma presença fraterna e amiga. O próximo, muitas vezes, não é aquele que vem apenas ao nosso encontro, mas aqueles que colocamos na frente, como meta, e vamos ao encontro de suas necessidades, dos seus sofrimentos e das suas aflições. Foi isso que Maria fez, ela colocou Isabel como meta, colocou-a como objeto da sua solicitude amiga, fraterna, por isso foi ao encontro da sua prima. Por isso ela foi apressadamente ao encontro daquela que precisava dela.
Mesmo tendo seus limites, a Santíssima Virgem Maria também ficou grávida [como a prima], não podendo se vangloriar – “Eu já sou a Mãe de Jesus!” Não! Não há desculpas para não exercemos a caridade, não há desculpas para não cuidarmos uns dos outros. Nós não podemos inventar este ou aquele compromisso ou outra coisa qualquer para não exercermos a caridade.
Este mesmo Espírito de Deus, que nos prepara para irmos ao encontro do Senhor, quer nos “desinstalar” da vida que nós levamos, essa vida é muito corrida, temos muita coisa para fazer; mas geralmente são “nossas” coisas. Geralmente nós fazemos as coisas girarem só em torno de nossas necessidades. Existe alguém, existem muitas pessoas, existem muitas necessidades e sofrimentos; existem doentes, grávidas, idosos, crianças abandonadas, existe o pobre sofredor. Mas tamém há nossos irmãos de nossa comunidade, pessoas que estão realmente vivendo a solidão, o abandono, pessoas que ninguém liga para elas.
Este tempo nos convida a sairmos de nós mesmos e a termos a atitude de Maria, que não ficou contemplando apenas Jesus no seu ventre. Não tem Natal mais pobre do que ficar olhando apenas para um presépio, com imagens que recordam o passado e não ir contemplar o sofrimento de Jesus, que nasce em todas as pessoas, que representam Deus no meio de nós.
Que saiamos de onde estamos, parados, instalados e possamos ir ao encontro do próximo, que tanto precisam da nossa presença fraterna!
Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter
LEITURA ORANTE

Lc 1,39-45 - Maria visita Isabel



Em união com todos que se encontram neste ambiente virtual, iniciamos nossa Leitura Orante do Advento, com a

Canção do Advento

Ó vem, Senhor, não tardes mais!
Vem saciar nossa sede de Paz!

  1.   Ó vem, como chega a brisa do vento,
Trazendo aos pobres justiça e bom tem
po!
2.   Ó vem, como chega a chuva no chão
Trazendo fartura de vida e de
pão!
3.   Ó vem, como chega a luz que faltou
Só tua palavra nos salva
Senhor!
4.   Ó vem, como chega a carta querida
Bendito carteiro do Reino da
Vida!
5.   Ó vem, como chega o filho esperado
Caminha conosco Jesus Bem amad
o!
6.   Ó vem, como chega o Libertador
Das mãos do inimigo nos sal
va Senhor

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Lc 1,39-45, e observo as palavras de Jesus.
Alguns dias depois, Maria se aprontou e foi depressa para uma cidade que ficava na região montanhosa da Judéia. Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança se mexeu na barriga dela. Então, cheia do poder do Espírito Santo, Isabel disse bem alto:
- Você é a mais abençoada de todas as mulheres, e a criança que você vai ter é abençoada também! Quem sou eu para que a mãe do meu Senhor venha me visitar?! Quando ouvi você me cumprimentar, a criança ficou alegre e se mexeu dentro da minha barriga. Você é abençoada, pois acredita que vai acontecer o que o Senhor lhe disse.
Então Maria disse:
- A minha alma anuncia a grandeza do Senhor.
O meu espírito está alegre por causa de Deus, o meu Salvador.
Pois ele lembrou de mim, sua humilde serva!
De agora em diante todos vão me chamar de mulher abençoada,
porque o Deus Poderoso fez grandes coisas por mim.
O seu nome é santo, e ele mostra a sua bondade a todos os que o temem em todas as gerações.
Deus levanta a sua mão poderosa e derrota os orgulhosos com todos os planos deles.
Derruba dos seus tronos reis poderosos e põe os humildes em altas posições.
Dá fartura aos que têm fome e manda os ricos embora com as mãos vazias.
Ele cumpriu as promessas que fez aos nossos antepassados e ajudou o povo de Israel, seu servo.
Lembrou de mostrar a sua bondade a Abraão e a todos os seus descendentes,
para sempre.
Maria ficou mais ou menos três meses com Isabel e depois voltou para casa.

Lucas narra o encontro destas duas mães. Maria, mãe do Filho de Deus e Isabel, mãe do precursor, João Batista. Uma jovenzinha, Maria. E outra, de idade avançada, Isabel. Maria era virgem. Isabel, de idade avançada. Feita a saudação de Maria, Isabel responde profetizando: “Você é a mais abençoada de todas as mulheres. A criança que você vai ter é abençoada também. Quem sou eu para que a mãe do meu Senhor venha me visitar?” Nestas palavras, Isabel manifesta fé, reconhece a maternidade e o Messias, quando diz “meu Senhor”. Ao dizer “você é a mais abençoada”, esta bênção traz alegria para Isabel e a seu filho: “a criança ficou alegre e se mexeu dentro da minha barriga”. Esta bênção, fruto da fé, gera uma série imensa de louvores a Deus que Maria expressa no seu cântico. A visita de Maria a Isabel tornou-se a “visita de Deus ao seu povo”, diz o Catecismo da Igreja Católica (717).

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Recordamos as palavras dos bispos na Conferência de Aparecida: “Nossos povos encontram a ternura e o amor de Deus no rosto de Maria. Nela vem refletida a mensagem essencial do Evangelho. (...)Ela, reunindo os filhos, integra nossos povos ao redor de Jesus Cristo.” (DAp 265).

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Rezo, com um grande sacerdote, o bem-aventurado Tiago Alberione:
Jesus, Mestre,
que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.
Que eu ame com o teu coração. 
Que eu veja com os teus olhos.
Que eu fale com a tua língua. 
Que eu ouça com os teus ouvidos.
Que as minhas mãos sejam as tuas. 
Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.
Que eu reze com as tuas orações. 
Que eu celebre como tu te imolaste.
Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém.

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Meu novo olhar é de reconhecimento das maravilhas que Deus faz em cada pessoa que encontrar hoje.

Bênção
A bênção do Deus de Sara, Abraão e Agar,
a bênção do Filho, nascido de Maria,
a bênção do Espírito Santo de amor,
que cuida com carinho,
qual mãe cuida da gente,
esteja sobre todos nós. Amém!


Ir. Patrícia silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, dá-nos um espírito generoso e coração acolhedor aos companheiros de jornada. Que estejamos atentos às suas carências e dispostos a partilhar com eles os dons que tua Misericórdia nos concedeu. Queremos seguir o exemplo de Maria, a mãe de Jesus, o Cristo que contigo reina na unidade do Espírito Santo.

LITURGIA DIÁRIA 21/12/2013


Tema do Dia

«Você é bendita e é bendito o fruto do seu ventre!»

A leitura do Livro dos Cânticos faz-nos poetas. Estamos esperando o Amado e já O pressentimos espiando pelas grades da janela. É no Menino que Maria carrega no ventre que o Cristo chega até nós, cumprindo a promessa feita por Javé aos Patriarcas.

Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos
a vida eterna. Amém.

Roxo. ÚLTIMOS DIAS ANTES DO NATAL - 21-12 Advento


Primeira Leitura (Ct 2,8-14)
21 de Dezembro
Sábado 21/12/13

Leitura do Livro do Cântico dos Cânticos.

8É a voz do meu amado! Eis que ele vem saltando pelos montes, pulando sobre as colinas. 9O meu amado parece uma gazela, ou um cervo ainda novo. Eis que ele está de pé atrás de nossa parede, espiando pelas janelas, observando através das grades. 10O meu amado me fala dizendo: “Levanta-te, minha amada, minha rola, formosa minha, e vem! 11O inverno já passou, as chuvas pararam e já se foram. 12No campo aparecem as flores, chegou o tempo das canções, a rola já faz ouvir seu canto em nossa terra. 13Da figueira brotam os primeiros frutos, soltam perfume as vinhas em flor. Levanta-te, minha amada, formosa minha, e vem! 14Minha rola, que moras nas fendas da rocha, no esconderijo escarpado, mostra-me teu rosto, deixa-me ouvir tua voz! Pois a tua voz é tão doce, e gracioso o teu semblante”.

— Palavra do Senhor.
— Graças a Deus.

Ou (escolhe-se uma das leituras)

Primeira Leitura (Sf 3,14-18a)
21 de Dezembro
Sábado 21/12/13

Leitura da Profecia de Sofonias.

14Canta de alegria, cidade de Sião; rejubila, povo de Israel! Alegra-te e exulta de todo o coração, cidade de Jerusalém! 15O Senhor revogou a sentença contra ti, afastou teus inimigos; o rei de Israel é o Senhor, ele está no meio de ti, nunca mais temerás o mal.16Naquele dia, se dirá a Jerusalém: “Não temas, Sião, não te deixes levar pelo desânimo! 17O Senhor teu Deus está no meio de ti, o valente guerreiro que te salva; ele exultará de alegria por ti, movido por amor; exultará por ti, entre louvores 18acomo nos dias de festa”.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 32)
21 de Dezembro
Sábado 21/12/13

— Ó justos, alegrai-vos no Senhor! Cantai para o Senhor um canto novo!
— Ó justos, alegrai-vos no Senhor! Cantai para o Senhor um canto novo!

— Dai graças ao Senhor ao som da harpa, na lira de dez cordas celebrai-o! Cantai para o Senhor um canto novo, com arte sustentai a louvação!
— Mas os desígnios do Senhor são para sempre, e os pensamentos que ele traz no coração, de geração em geração, vão perdurar. Feliz o povo cujo Deus é o Senhor, e a nação que escolheu por sua herança.
— No Senhor nós esperamos confiantes, porque ele é nosso auxílio e proteção! Por isso o nosso coração se alegra nele, seu santo nome é nossa única esperança.


Evangelho (Lc 1,39-45)
21 de Dezembro
Sábado 21/12/13


Maria visita Isabel


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45“Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações

que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.

Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém