segunda-feira, 14 de maio de 2018

MEU DIA EM SINTONIA COM O ALTO - 14/05/2018




























São Matias - 14 de Maio




São Matias, testemunha do Ressuscitado

São Matias acompanhou Jesus no tempo de Seu apostolado e foi fiel na vivência dos ensinamentos do Mestre
Nós estamos em festa com toda a Igreja, pois lembramos a santidade de vida de um escolhido do Espírito Santo para o grupo dos apóstolos. São Matias era um discípulo que acompanhou Jesus no tempo de Seu apostolado e foi tão fiel na vivência dos ensinamentos do Mestre, que tornou-se testemunha de Sua ressurreição.

Nossa Senhora de Fátima - 13 de Maio




Nossa Senhora de Fátima, graça e a misericórdia

A Virgem de Fátima nos convoca à vivência do Evangelho, centralizado no mistério da Eucaristia
Segundo as memórias da Irmã Lúcia, podemos dividir a mensagem de Fátima em três ciclos: Angélico, Mariano e Cordimariano.
O Ciclo Angélico se deu em três momentos: quando o anjo se apresentou como o Anjo da Paz, depois como o Anjo de Portugal e, por fim, o Anjo da Eucaristia.

Novena a Santa Rita de Cássia - PRIMEIRO DIA - 14/05/2018 - FESTA: 22 DE MAIO


Novena a Santa Rita de Cássia

Santa Rita de Cássia, advogada das causas impossíveis

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Primeiro dia

Tema: Rita, alegria dos pais na velhice.

Ó admirável Santa Rita de Cássia, tu que nasceste quando teus pais já estavam avançados em idade, nutriste por eles um carinho todo especial. Ensina-nos sempre mais amar a todos os idosos que vivem em nossos lares e em comunidades. Que tenhamos paciência para com eles e as condições para amá-los como imagem de Jesus a quem tanto amaste.

Novena de Pentecostes com Pe. Antonio José - 4º Dia



O tema central de nossa novena é "O Espírito Santo e a Vida da Igreja". Ora, a Igreja é a comunidade dos que creem em Cristo. Ela nasceu no dia de Pentecostes e vive, sobretudo, da Palavra de Deus e da Eucaristia. Pela força e inspiração do Espírito Santo, essa "família de Deus" continua e atualiza a missão de Jesus e dos apóstolos. Ao longo desta Novena de Pentecostes vamos meditar sobre alguns pontos da doutrina cristã e da nossa fé, que alimentam a vida da comunidade. Vida santificada pela presença e impulso do Espírito Santo. Permaneça conosco Maria, que no cenáculo amparou o primeiro núcleo da Igreja.

Sorrindo Pra Vida - 14/05/18 - Paula Guimarães e Márcio Mendes



Publicado em 14 de mai de 2018

Partilha da Palavra - 2 Crônicas 14, 6-11

Para começar bem o dia, esperança, motivação e ânimo, a partir da meditação da Palavra de Deus. Com música, interação e partilha de vida.

Categoria - Entretenimento

Licença - Licença padrão do YouTube

LEITURA ORANTE DO DIA - 14/05/2018



LEITURA ORANTE

Jo 15,9-17 - Uma declaração de amor! Um convite!

Preparando-me para a Leitura Orante,
com todos os que fazem este caminho, pela web,
“damos graças a Deus que nos deu o dom da palavra,
com a qual podemos nos comunicar entre nós "
e com Ele por meio de seu Filho,
que é sua Palavra (cf. Jo 1,1).
Damos graças a Ele que,
por seu grande amor fala a nós como a amigos
(cf. Jo 15,14-15).(DAp 26).
Rezo, na novena de Pentecostes:
Para pedir o Espírito Santo
C: Espírito Santo, Dom do Pai no seu Filho Jesus Cristo, permanece em nós, abre nossos
corações e torna-nos atentos a tua voz.
A: Espírito Santo, vem sobre nós.
C: Espírito Santo, Divino Amor, fonte de unidade e de santidade, mostra-nos o amor do Pai.
A: Espírito Santo, vem sobre nós.
C: Espírito Santo, Fogo de Amor, purifica-nos fazendo desaparecer toda divisão dos nossos corações, de nossas comunidades e do mundo, para que sejamos um em nome de Jesus.
A: Espírito Santo, vem sobre nós.
C: Espírito Santo, fortalece nossa fé em Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Ele que carregou nossos pecados de divisões até a cruz e nos conduziu à comunhão por sua Ressurreição.
A: Espírito Santo, vem sobre nós.
C: Pai, Filho e Espírito Santo, permanecei em nós para nos transformar em comunhão de amor e de santidade. Que sejamos um em Vós, que viveis e reinais nos séculos dos séculos.
A: Amém.

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente o texto: Jo 15,9-17.
Assim como o meu Pai me ama, eu amo vocês; portanto, continuem unidos comigo por meio do meu amor por vocês. Se obedecerem aos meus mandamentos, eu continuarei amando vocês, assim como eu obedeço aos mandamentos do meu Pai e ele continua a me amar.
- Eu estou dizendo isso para que a minha alegria esteja em vocês, e a alegria de vocês seja completa. O meu mandamento é este: amem uns aos outros como eu amo vocês. Ninguém tem mais amor pelos seus amigos do que aquele que dá a sua vida por eles. Vocês são meus amigos se fazem o que eu mando. Eu não chamo mais vocês de empregados, pois o empregado não sabe o que o seu patrão faz; mas chamo vocês de amigos, pois tenho dito a vocês tudo o que ouvi do meu Pai. Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, fui eu que os escolhi para que vão e dêem fruto e que esse fruto não se perca. Isso a fim de que o Pai lhes dê tudo o que pedirem em meu nome. O que eu mando a vocês é isto: amem uns aos outros.
Refletindo
Neste  texto Jesus diz quatro coisas importantíssimas:
1. Faz uma declaração de amor.
2. Faz um convite.
3. Coloca uma condição.
4. Garante algo que o coração de todos nós deseja.
Que belíssima declaração de amor faz Jesus a cada um de nós! E nos convida: fiquem unidos a mim pelo amor. Oferece uma condição: obedecer aos seus mandamentos. Garante-nos a sua alegria. E mais: uma alegria completa.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Como discípulo/a devo levar à frente a missão que me dá Jesus Cristo: o amor.
Em que consiste este amor?
Como vivê-lo num mundo em que é muito forte o egoísmo, o individualismo, e que a outra pessoa, muitas vezes é uma ameaça?
Devo orientar minha energias para ir contra a corrente.
Meditando
Os bispos, na Conferência de Aparecida, lembraram quais são os mandamentos de Jesus: “Para ficar parecido verdadeiramente com o Mestre é necessário assumir a centralidade do Mandamento do amor, que Ele quis chamar seu e novo: “Amem-se uns aos outros, como eu os amei” (Jo 15,12). Este amor, com a medida de Jesus, com total dom de si, além de ser o diferencial de cada cristão, não pode deixar de ser a característica de sua Igreja, comunidade discípula de Cristo, cujo testemunho de caridade fraterna será o primeiro e principal anúncio, “todos reconhecerão que sois meus discípulos” (Jo 13,35).” (DAp 138).

3. Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Em comunhão com toda a Igreja do Brasil, rezo,
Oração de esperança
C: Como filhos de Deus, conscientes da nossa dignidade e da nossa missão, façamos subir nossas orações, confirmando nosso desejo de ser para Deus um povo santo.
Pai amadíssimo, transforma nossos corações, nossas famílias, nossas comunidades e nossa sociedade.
A: Tornai-nos todos santos e um em Cristo.
C: Fonte de vida, sacia a sede da qual sofre nossa sociedade: sede de dignidade, de amor, de comunhão e de santidade.
A: Tornai-nos todos santos e um em Cristo.
C: Espírito Santo, Espírito de alegria e de paz, cura as divisões que um mal uso do poder e do dinheiro gera em nós, e reconcilia-nos nas nossas diversidades de culturas e de línguas. Como filhos de Deus, realiza a nossa unidade.
A: Tornai-nos todos santos e um em Cristo.
C: Trindade de amor, ajuda-nos a passar das trevas à tua maravilhosa luz.
A: Tornai-nos todos santos e um em Cristo.
C: Senhor Jesus Cristo, pelo batismo, nos tornamos um contigo. Por isso, unimos a nossa oração a tua, retomando as palavras que tu mesmo nos ensinaste:
A: Pai Nosso ...

4. Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Meu novo olhar, minha vida,
“para ficar parecido verdadeiramente com o Mestre
é necessário assumir a centralidade do Mandamento do amor”.

Bênção
Partilha da Paz
C: Jesus disse:
Vós sois o sal da terra.
Vós sois a luz do mundo.
Que a vossa luz brilhe diante dos outros,
a fim de que vendo vossas boas obras, eles glorifiquem o vosso Pai
que está no céu.
Sejam o sal da terra.
Sejam a luz do mundo.
Que a paz do Senhor esteja sempre convosco.
A: E com teu espírito.
C: Demo-nos um sinal de paz..
e façamos o sinal da Cruz:
Em nome do Pai...

Irmã Patrícia Silva, fsp
patricia.silva@paulinas.com.br

Homília Diária - Mãe Maria - 14/05/18 - Dom Walmor Oliveira de Azevedo


Canal do Youtube: Arquidiocese de Belo Horizonte

Publicado em 13 de mai de 2018

Apresentado pelo Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, o programa Mãe Maria é um tempo dedicado à reflexão e oração, à luz do Evangelho proposto pela liturgia de cada dia. Inspirada no exemplo de Nossa Senhora, a reflexão ilumina a realidade, o caminhar da Igreja e a vida de cada discípulo missionário de Cristo Jesus.

Categoria - Sem fins lucrativos/ativismo

Licença - Licença padrão do YouTube

Evangelho do Dia - 14/05/2018, com o Padre Rodrigo Vieira.


Canal do Youtube: WebTV Redentor

Publicado em 13 de mai de 2018

Evangelho (Jo 15,9-17)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
9Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor.
11E eu vos disse isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena. 12Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. 15Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai.
16Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto e o vosso fruto permaneça. O que então pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Categoria - Pessoas e blogs

Licença - Licença padrão do YouTube

Festa de São Matias, Apóstolo (Homilia Diária.846) - Padre Paulo Ricardo


Canal do Youtube: Padre Paulo Ricardo

Publicado em 13 de mai de 2018

São Matias, cuja festa celebramos hoje, foi discípulo de Jesus desde o início, a começar do batismo de João até a gloriosa Ascensão do Senhor aos céus. Por ter acompanhado os Doze durante a vida pública do Mestre e ter-se tornado testemunha da Ressurreição, S. Matias teve a graça de ser eleito substituto de Judas Iscariotes no colégio apostólico. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 14 de maio, e peçamos a este santo Apóstolo, uma das doze colunas da Igreja, que a voz de sua pregação e testemunho continue a ecoar de geração em geração, para que a todos chegue o anúncio da vitória pascal de Cristo sobre a morte e o pecado.

Categoria - Educação

Licença - Licença padrão do YouTube

HOMÍLIA DIÁRIA - (CANÇÃO NOVA) - Jo 15,9-17 - 14/05/2018


O verdadeiro apóstolo de Jesus é aquele que vive o amor

O apóstolo do amor é aquele que tem disposição para viver o amor como condição fundamental da sua vida

“Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor” (João 15,10).


Hoje, celebramos a festa do apóstolo São Matias, o escolhido para substituir o apóstolo Judas. Todos nós sabemos do fim trágico que Judas teve, pois sua tragédia não foi ter traído o Senhor, porque ele poderia ter se arrependido, mas sim ter rejeitado o amor de Deus em sua vida, quando ele mesmo tirou a sua vida.
É óbvio que isso não aconteceu no fim da vida dele, porque Judas foi negando o Senhor a cada dia da sua vida, mesmo estando na convivência com Ele todos os dias. Judas tinha a companhia de Jesus, dos apóstolos e tinha nas suas mãos o dinheiro. Ele preferiu amar o dinheiro sobre todas as coisas, por isso foi se enforcando, perdendo a força do amor e da graça.
Matias foi escolhido para sucedê-lo, pois era um homem cheio do Espírito Santo, da graça e do amor no coração. O apóstolo de Jesus é, acima de tudo, o apóstolo do amor, é aquele que sabe e tem disposição de viver o amor como condição fundamental da sua vida.
O nosso maior apostolado é o do amor vivido, não é o conhecimento do Evangelho, não é a capacidade que temos de amar, de conhecer dogmas. O apóstolo é apóstolo do Senhor, porque é capaz de amar, porque foi transformado pela graça do Evangelho para viver e semear o amor, para amar a Deus sobre todas as coisas; porém, jamais amar o dinheiro, os bens deste mundo, jamais amar a si mesmo como coisa fundamental. Amar a Deus sobre todas as coisas e ter a dimensão profunda do amor de Deus uns com os outros.
O amor é difícil, exigente, exige sacrifícios, renúncias e doação, mas o amor é a maior das vivências evangélicas. Nada é mais exigente para um apóstolo de Jesus do que viver o amor em tudo aquilo que realiza. O dia que não amarmos mais uns aos outros não seremos mais apóstolos e seguidores do Ressuscitado. Quando amamos mais as coisas materiais, o que temos e a nós mesmos, não podemos ser verdadeiros discípulos e apóstolos.
Que São Matias nos ensine a graça de sermos fiéis, de amarmos uns aos outros para que o apostolado de Jesus seja vivo e verdadeiro no meio de nós.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 14/05/2018

ANO B


Jo 15,9-17

Comentário do Evangelho

Amor como caminho da verdadeira felicidade.

A fonte do amor é o Pai. O Pai ama criando, gerando a vida, entregando o próprio Filho. É com esse mesmo amor que o Filho, a verdadeira videira, amado pelo Pai, nos ama. Uma das características do discípulo é que ele é aquele que permanece no e com o seu Senhor. Permanecer é estar arraigado, profundamente unido, a tal ponto de poder viver o mesmo dinamismo do amor. O amor não é uma ideia; ele engaja a pessoa amada e a que ama num compromisso profundo. O amor é entendido como o caminho da verdadeira felicidade. Esta é a finalidade de todo o discurso: “Eu vos disse isso, para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa”. Mas não nos esqueçamos de que esta alegria é alegria de Cristo, portanto, um dom.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Senhor Jesus, agradecido(a) por ter sido escolhido(a) e enviado(a) por ti, prometo entregar-me totalmente à missão que me confiaste.
Fonte: Paulinas em 14/05/2014

Vivendo a Palavra

Jesus fala de Amor. Amor do Pai e Amor dele próprio. Fala também de Alegria – de Alegria completa! Lembremos dessas duas palavras quando estivermos testemunhando o Reino de Deus para os irmãos: nossa vida deve transmitir alegria e nossa presença ser fonte de Amor. Assim deve ser a Igreja de Jesus.
Fonte: Arquidiocese BH em 14/05/2014

VIVENDO A PALAVRA

Jesus não deixa dúvidas: “O meu mandamento…” no singular! O Amor é a síntese e a plenitude das 365 normas impositivas e 248 proibições da Lei do Templo ditada pelos fariseus. E nos promete a alegria – a Sua Alegria, completa! O Papa Francisco tem nos ajudado a descobrir essa Alegria do Evangelho. Estejamos atentos para ouvi-lo.

Recadinho

Como você manifesta seu amor a Deus? - Você ama o próximo? Que tipo de amor? De pai, mãe, filho… - Amar implica em se sacrificar. Dê um exemplo. - Cite uma pessoa em sua comunidade que muito se sacrifica pelo próximo. - Você tem muitos amigos?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 14/05/2014

Reflexão

Para o lugar de Judas Iscariotes, os Onze escolheram Matias, por este ter seguido Jesus durante seu ministério público, a começar de João Batista até o dia da Ascensão (cf. At 1,15-20). Desse modo, Matias tornou-se testemunha qualificada da ressurreição de Jesus. Se há um tema sobre o qual Jesus não se cansa de insistir, é o amor: “Permaneçam no meu amor”. O amor de Jesus é concreto, real, feito de obediência à vontade do Pai. Jesus é e sente-se infinitamente amado pelo Pai e, por sua vez, ama intensamente seus discípulos, a ponto de entregar-lhes a própria vida. Esse é o modelo de amor: dar a vida pela pessoa amada. Mas o amor de Jesus pede nossa resposta. De que maneira podemos expressar o nosso amor a Jesus? Mediante nosso amor a Deus e aos irmãos.
(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Meditando o evangelho

UMA FELIZ COMPARAÇÃO

A situação de uma mulher em trabalho de parto serviu para ilustrar a situação dos discípulos às voltas com o mistério pascal. Esta imagem, simples de ser entendida, devia levá-los a intuir o sentido das palavras enigmáticas de Jesus. Era mister compreender devidamente as exortações do Mestre, para evitar futuras decepções.
Todo o processo do parto transcorre em meio a dores e sofrimentos. Hoje, a medicina procura aliviar, ao máximo, esses sofrimentos, realizando partos indolores. Isto não significa negar que o parto seja, por si, doloroso. O grau de suportação da mãe torna-se quase infinito, quando ela pensa no desfecho do seu sofrimento: a vinda de um ser humano ao mundo. A expectativa do filho, que está para nascer, leva-a a relativizar sua dor.
Os discípulos passariam por uma experiência parecida com essa. O mistério pascal teria seu componente necessário de sofrimento e de tristeza. Não seria possível prescindir deles, nem abrandá-los. Uma dor cruel esperava-os, ao contemplar o próprio Mestre pendendo de uma cruz. Entretanto, algo de sumamente importante aconteceria no final de tudo isto: o Pai haveria de restituir-lhe a vida. Para os discípulos, a esperança da ressurreição não lhes suavizou a dor de ver o amigo crucificado, mas devolveu-lhes a alegria, e uma alegria tal, que dela ninguém jamais poderá privá-los.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Espírito de felicidade, que a certeza da ressurreição me ajude a suportar as dores e os sofrimentos, sem desfalecer.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Não fostes Vós que me escolhestes... Eu vos escolhi...
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Hoje é Dia de São Matias que pertencia ao grupo dos 70 discípulos e que conforme relato do Ato dos Apóstolos, foi escolhido pela comunidade dos discípulos para ser apóstolo e testemunha da ressurreição do Senhor. Nos relatos de Atos a respeito da escolha de Matias, o fato de se ter tirado a sorte entre ele e um certo José, chamado Barsabás, pode parecer estranho, afinal era um jogo de azar para decidir algo tão sério e sagrado: fazer parte do grupo dos doze. Claro que hoje não se tira a sorte para ver quem vai ser Padre, Diácono ou religioso, ou para exercer os ministérios dos Leigos. Ocorre que para o povo judeu era algo comum Deus se servir do acaso para manifestar a sua vontade e por isso, em certas decisões na comunidade, se usavam gravetos, pedrinhas marcadas como a Urime e Tumim.
Na verdade em Atos, no episódio da escolha de Matias, é a última vez que se usa dessa prática para se saber a vontade de Deus, pois a partir daí o Espírito Santo foi derramado na Igreja e no coração de todos os que creem, então o Espírito manifesta claramente a vontade Divina e ninguém precisa mais tirar a sorte para saber o que Deus quer. Mas pior do que isso são os cristãos do nosso tempo, que menosprezando a ação do Espírito Santo, quando estão diante de uma encruzilhada da vida, consultam horóscopo, cartomante, cartas de tarô, Búzios e outras besteiras mais que inventaram. Fique bem claro que Deus não aprova e não usa desses recursos para revelar a sua santa vontade...Mas o evangelho fala algo que também nos faz pensar, "Não fostes vós que me escolhestes mas eu é que vos escolhi...". Na pastoral vocacional esse chamado de Deus, esse apelo que Deus faz através de sua graça, é o ponto inicial de qualquer vocação...". É a resposta que damos a alguém que nos procura porque sente o desejo de ir para o seminário, ou de ser Diácono, ou até mesmo de exercer algum ministério leigo na comunidade. É preciso que Deus chame!
E como é que Deus vai chamar, como vamos saber que é Ele mesmo que está nos chamando? Como saber distinguir aquilo que é a nossa vontade humana e a vontade de Deus? Aqui é que entra a autoridade da Igreja, que conduzida pelo Espírito Santo nos ajuda a discernir. Quando Samuel foi chamado por três vezes, foi o Sacerdote Eli que o ajudou a discernir que o Senhor o chamava, com Matias foi a mesma coisa, a comunidade entrou em clima de oração para saber qual era a vontade de Deus. Qualquer vocação e qualquer chamado apresenta três aspectos que a tornam autêntica. Primeiro, que o vocacionado tenha no coração não só o desejo, mas a disponibilidade para servir a Deus, foi o que Eli recomendou a Samuel "Fala Senhor, que o teu Servo escuta...", segundo, a comunidade têm necessidade daquele serviço ou ministério, e aí podemos evocar a visão de Ezequiel, Deus preocupado dizendo com seus botões "A quem enviarei para esse serviço?", e em terceiro, que haja um convite ou um chamado que ajude o vocacionado a discernir...
Enfim, São Matias fez toda essa trajetória, com humildade, paciência e confiança, não caiu no desânimo quando não foi selecionado para o apostolado junto com os doze que Jesus escolhera, também não torceu para que alguém do grupo "pisasse na bola" para ele ter a sua chance, e quando Jesus morreu, mais ainda que Matias acreditou e jamais enterrou o seu sonho, que agora se realiza, sendo que ele apenas vai ser ratificado pelo grupo, como uma testemunha fiel de Jesus, desde o seu Batismo por João, até a ressurreição. A perseverança no amor é a palavra chave em qualquer vocação, por isso é o tema central desse evangelho de João, uma das primeiras testemunhas de Jesus, tocado por este amor que entra pelo coração, mas que se clareia na razão, tornando--se a prática cristã essencial nas nossas comunidades.

2. Vossa alegria seja completa
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Hoje celebramos o apóstolo São Matias. Não pertencia ao grupo dos apóstolos. Foi eleito depois da Ascensão de Jesus para ocupar o lugar de Judas Iscariotes. Os Atos dos Apóstolos nos contam como ele foi escolhido. Pedro falou a um grupo numeroso de irmãos e irmãs, lembrando que era preciso que se cumprisse a Escritura a respeito de Judas, que participou do ministério dos apóstolos, mas morreu de forma trágica no Campo do Sangue. Agora era necessário realizar o que está escrito no Salmo: “Um outro receba o seu encargo”. Procuraram, então, um homem que tivesse acompanhado Jesus o tempo todo, para ser, com os apóstolos, testemunha da ressurreição do Senhor. Apresentaram-se dois, José e Matias. Rezaram e a sorte caiu sobre Matias, que se tornou apóstolo com os outros Onze. Como não temos documentos sobre a atividade dos apóstolos, e os Atos falam especificamente de Pedro e Paulo, tradição e lendas se misturam para compor a história dos primeiros seguidores de Jesus. De Matias se diz que ele evangelizou a Judeia, a Capadócia e a Etiópia, e morreu martirizado em Jerusalém.

REFLEXÃO

Eu vos chamo amigos

Hoje celebramos o último domingo antes das solenidades da Ascensão e Pentecostes, que encerram a Páscoa. Se ao longo destes domingos Jesus ressuscitado se manifestou como o Bom Pastor e a videira a quem há que estar unido como os sarmentos, hoje nos abre de par em par seu Coração.
Naturalmente, no seu Coração somente achamos amor. Aquilo que constitui o mistério mais profundo de Deus é que é Amor. Tudo o que fez desde a criação até a redenção é por amor. Tudo o que espera de nós como resposta a sua ação é amor. Por isso, suas palavras ressoam hoje: «Permanecei no meu amor» (Jo 15,9). O amor pede reciprocidade, é como um diálogo que nos faz corresponder com um amor crescente ao seu amor primeiro.
Um fruto do amor é a alegria: «Eu vos disse isso, para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa» (Jo 15,11). Se nossa vida não reflete a alegria de acreditar, se deixamo-nos afogar pelas contrariedades sem ver que o Senhor está ai presente e nos consola, é porque não conhecemos suficientemente Jesus.
Deus sempre tem a iniciativa. Nos o diz expressamente ao afirmar que «fui eu que vos escolhi» (Jo 15,16). Nós sentimos a tentação de pensar que escolhemos, mas não fizemos nada mais que responder a uma chamada. Escolheu-nos gratuitamente para sermos amigos: «Já não vos chamo servos, (...); Eu vos chamo amigos» (Jo 15,15).
Nos começos, Deus fala com Adão como um amigo fala com seu amigo. Cristo, novo Adão, nos recuperou não apenas a amizade de antes, senão a intimidade com Deus, já que Deus é Amor.
Tudo se resume nesta palavra: “amar”. Nos o lembra santo Agostinho: «O Mestre bom nos recomenda tão frequentemente a caridade como o único mandamento possível. Sem a caridade todas as outras boas qualidades não servem de nada. A caridade, em efeito, conduz ao homem necessariamente a todas as outras virtudes que o fazem bom»
Fonte Comentário: Rev. D. Francesc CATARINEU i Vilageliu (Sabadell, Barcelona, Espanha)
Fonte: Liturgia da Palavra em 14/05/2014

HOMILIA

MANDAMENTO DO PAI

Jesus continua se despedindo dos seus discípulos. No texto de hoje ele insiste que permaneçamos no Seu amor. E propõe como mandamento novo o amor. Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que vos mando.
Assim como Ele por amor se tornou nosso amigo de verdade, assim nos convida a fazer o mesmo. Que todos continuemos unidos à Ele por meio do Seu próprio amor. E nele e por ele, a sermos amigos uns dos outros, a amar-nos uns aos outros. E é importante lembrar que amar uns aos outros não é apenas em palavras.
A iniciativa, porém, é de Jesus: “Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi”. A afirmação se refere à proposta mais do que ao mandamento. Isto é: o amor partiu de mim, não de vocês. Desse amor se desprende a vitalidade e a amplidão da sua missão. Baseada nisso, a resposta dos discípulos se torna fecunda em frutos duradouros. Assim como os discípulos, a nossa oração ao Pai também será ouvida, porque é feita em nome de Cristo, isto é, na circulação desse seu amor-dom, e não na estreiteza egoísta das nossas visões e intenções. Por isso, precisamos acolher o apelo de São Tiago 2,17: se alguém tivesse o dom da profecia, falasse a língua dos anjos, penetrasse todos os mistérios, tivesse toda a fé ao ponto de transportar montanhas, desse seu corpo para ser queimado em praça pública ou distribuísse toda sua fortuna entre os pobres, se não tivesse caridade, nada disso lhe serviria. Portanto exige-se de todos nós sermos cristãos de verdade.
Precisamos estabelecer uma relação VERTICAL, assim como abraça seu irmão que está ao seu lado na HORIZONTAL, formando uma cruz. O Cristão é uma pessoa diferente, porque tem um sorriso sincero, sua forma de agir e reagir é autêntica. Sem exageros, sem bajulações, sem falsidade, sem nenhum interesse, sem medir esforço quando vai prestar uma ajuda, sempre correto nas suas considerações ou avaliações. O seu “NÃO” é sempre um “não”. E o seu “SIM” é sempre um “sim”, pois nunca promete o que não pode cumprir. Ou seja, é aquele verdadeiro amigo não apenas da hora da festa, mas também da hora do velório. Ele é parecido com os nossos pais. Ele observa nossos defeitos, nos alerta sobre os mesmos, mas em seguida nos perdoa, pois nos aceita como nós somos na realidade, mas não poupa esforço para nos ajudar e nos corrigir. O cristão é aquele que sempre deseja para o outro o mesmo que deseja para si, não se preocupando com lucro, ou glória pessoal. Ser cristão é tentar imitar a Cristo, seguindo seus ensinamentos. Ser cristão é estar na amizade com Cristo. Mas, sem querer guardar Cristo só para si. Pois o Cristão de verdade é aquele que leva Cristo até o seu irmão através de bons exemplos, através da explicação da mensagem de Jesus, através da correção fraterna e de mãos estendidas.
É amando o próximo como a nós mesmos que estaremos cumprindo o mandamento do amor de Deus.
Fonte: Liturgia da Palavra em 14/05/2014

HOMILIA DIÁRIA

Só quem ama pode ser discípulo de Jesus!

O Evangelho de hoje aponta para nós qual é a missão do apóstolo e do discípulo de Jesus: a missão do apóstolo de Cristo é amar!
“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos ” (João 15, 12-13).
Nós, hoje, celebramos a festa do apóstolo São Matias; aquele apóstolo escolhido para suceder Judas Iscariotes, que se tornou traidor do Senhor no colégio apostólico. Eles clamaram a Deus, Pedro tomou a iniciativa de pedir ao Espírito Santo que mostrasse aquele que deveria suceder Judas no número dos apóstolos, naquele colégio das testemunhas da Ressurreição de Jesus, e a sorte, a bênção e a graça caíram sobre Matias. O Evangelho de hoje aponta para nós qual é a missão do apóstolo e do discípulo de Jesus: a missão do apóstolo de Cristo é amar.
Judas traiu o Senhor porque deixou de amar, porque amou mais o dinheiro, porque amou mais a si mesmo do que amou a Deus e a seus irmãos.
Todos nós podemos cair no infortúnio da traição quando esquecemos a nossa vocação, quando esquecemos o mandamento do amor, que Deus colocou em nosso coração. Eu não posso amar mais as minhas coisas, o dinheiro, o prestígio, o privilégio ou qualquer coisa neste mundo mais do que a Deus sobre todas as coisas, e do que os meus irmãos.
O amor é o vínculo da perfeição nos diz a Palavra, por isso essa luta para vivermos o Evangelho de Deus em nossa vida é a luta para vivermos o mandamento do amor. Amor que exige respeitar o outro, querer bem o outro, amor que exige se dar pelo outro mesmo não gostando dele nem se dando bem com ele, mesmo não tendo aquela simpatia ou empatia pelo outro.
O mandamento de amor é a proposta fundamental para nos tornarmos discípulos de Jesus Vivo e Ressuscitado. Movidos por este amor, amando nossos irmãos de caminhada, de fé, ainda que estejam em meio a atropelos e dificuldades, é que levamos adiante a Palavra do Mestre, é que levamos adiante a mensagem do Evangelho. É o mandamento do amor que nos faz apóstolos de Jesus Cristo!
Tanto ódio no mundo, tantas brigas, disputas, competições e pensamentos negativos que movem o coração das pessoas. Que nós não sejamos contaminados por esse fermento da maldade, do ódio, do rancor, do preconceito e da maldade humana que nos impede de amarmos uns aos outros.
O que nós precisamos é fermentar o mundo com o bom fermento de Cristo, o fermento do Seu amor! Como o nosso mundo carece desse amor! E como, muitas vezes, nossas palavras, nossos gestos e nossas atitudes são inflamados por sentimentos que não são os sentimentos de Deus, que não são os sentimentos do amor que Ele tem por nós.
Que o bom Deus e que o bom e o amado Jesus nos ensinem a sermos Seus apóstolos, nos deem a graça de amarmos uns aos outros e, assim, o mundo conhecerá que somos discípulos de Jesus porque sabemos nos amar!
Deus abençoe você
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 14/05/2014

Oração Final
Pai Santo, a alegria é sinal de gratidão. Inspira-nos um jeito alegre de viver para testemunharmos nosso reconhecimento agradecido pelos dons maiores da Vida e da Fé que nos ofereces, para que os partilhemos com os irmãos da caminhada. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 14/05/2014

ORAÇÃO FINAL

Pai Santo, ensina-nos a discernir entre os prazeres que o mundo nos oferece e a alegria que nasce na nossa busca pela justiça. Os prazeres são passageiros e enganosos, mas a alegria verdadeira da alma é fruto da tua Presença em nós. Pai amado, permanece em nós hoje e para sempre! Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.