quinta-feira, 20 de junho de 2019

BOA TARDE! - ♥♥ "Amai-vos uns aos outros assim como vos amei." ♥♥ São João 13, 34

BOA TARDE! QUE DEUS ABENÇOE... VOCÊ E SUA FAMÍLIA SEMPRE.

Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo (Homilia Diária.1191)


Canal do Youtube: Padre Paulo Ricardo

Publicado em 19 de jun de 2019

Muito se insiste, quando se fala da Eucaristia, que na comunhão recebemos o próprio Deus, e que é esta a forma mais íntima e perfeita de entrarmos em contato com Ele. No entanto, nunca é demais lembrar que essa união, tão doce e tão divina, é mediada pelo instrumento de que o próprio Deus quis se servir para nos salvar e unir-se a nós: a santíssima humanidade de Jesus Cristo. Por isso, se na Eucaristia é grande a nossa comunhão com Deus, não é menor a nossa união com este Homem que é, ao mesmo tempo, o Filho eterno de Deus, segunda Pessoa da Santíssima e augustíssima Trindade. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta quinta-feira, dia 20 de junho, e demos graças e louvores ao santíssimo sacramento da Eucaristia!

Categoria - Educação

HOMÍLIA DIÁRIA - (CANÇÃO NOVA) - 1Cor 11,23-26 - 20/06/2019


A Eucaristia é o mistério do amor

O que eu recebi do Senhor foi isso que eu vos transmiti: Na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão e, depois de dar graças, partiu-o e disse: ‘Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em minha memória’” (1Cor 11,23-24).


Nesta quinta-feira, fazemos memória àquela quinta-feira em que o Senhor se entregou por nós antes da Sua Paixão. Depois das festividades do tempo da Páscoa, a Igreja nos dá a graça de celebrarmos, numa quinta-feira, a Solenidade do Corpo e Sangue do Senhor.
É a maior dádiva que o Senhor deu à Sua Igreja, a qual vive da Eucaristia, vive do Corpo e Sangue do Senhor. A Igreja é o corpo do Senhor. A Igreja, que é o corpo místico de Cristo, alimenta seus filhos com o Corpo e Sangue do Senhor.
Temos comunhão com Deus por meio do Corpo e Sangue de Cristo. “Quem não comer a minha carne e não beber o meu sangue, não terá a vida em mim” (cf. João 6,53). Por isso, a vida da Igreja é a comunhão com Jesus na Eucaristia.
Hoje, tem um sentido festivo, nossas ruas estão enfeitadas para as procissões, os tapetes de Corpus Christi para celebrar, comemorar e engrandecer Aquele que se deu por nós, para fazermos festa a Deus e louvarmos por tamanho amor.

A vida da Igreja é a comunhão com Jesus na Eucaristia

Que Deus é esse que, além de se fazer carne, de se encarnar no meio de nós, permanece conosco dando-se na forma e na aparência do pão e do vinho? É um Deus escondido, real, vivo, verdadeiro e presente com o Seu Corpo e Sangue.
Algumas confissões cristãs não entenderam as palavras do Evangelho, professam que Jesus está presente de uma forma aparente ou que Ele é apenas um simbolismo. Mas não é isso que a Palavra de Deus fala sobre a promessa da Eucaristia, não fala sobre a presença aparente, quanto menos de uma presença de recordação.
É real, autêntica e verdadeira. Quando Jesus nos diz que é o Seu Corpo, quem vai dizer: “Jesus, não é o Seu Corpo”. Quando Ele nos diz que é o Seu Sangue, não podemos dizer: “Jesus, não é o Seu Sangue, só parece com o Seu Sangue”.
É um mistério da fé, mas não um mistério que ninguém pode saber; é mistério, porque é muito profundo, é lindo, sublime, divino e sagrado. É muito amor.
A Eucaristia é o mistério do amor. É Deus nos amando, é Deus conosco, entre nós. Adoremos Jesus na Eucaristia e, mesmo que, por algum motivo, algo o impeça de receber o Corpo e Sangue do Senhor, por algum impedimento canônico, procure adorar Jesus, procure viver na comunhão com Ele, porque ninguém pode ser impedido de adorá-Lo, amá-Lo, agradecer-Lhe e engrandecê-Lo por presente e dádiva tão sublime.
Tão sublime sacramento, voltamos para Ele todo o nosso coração e nosso amor. Glórias e louvores se deem, a todo momento, ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova


quarta-feira, 19 de junho de 2019

BOM DIA! BOA TARDE! BOA NOITE! Oração da noite, Oração da manhã e Oração do entardecer - Deus te abençoe!



Oração da Noite

Boa noite Pai.
Termina o dia e a ti entrego meu cansaço.
Obrigado por tudo e… perdão!!
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos, pela alegria que vi no rosto das crianças;
Obrigado pelo exemplo que recebi daquele meu irmão;
Obrigado também por isso que me fez sofrer…
Obrigado porque naquele momento de desânimo lembrei que tu és meu Pai; Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida, pelo meu desejo de superação…
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe!
Perdão, também, Senhor!
Perdão por meu rosto carrancudo; Perdão porque não me lembrei que não sou filho único, mas irmão de muitos; Perdão, Pai, pela falta de colaboração e serviço e porque não evitei aquela lágrima, aquele desgosto; Perdão por ter guardado para mim tua mensagem de amor;
Perdão por não ter sabido hoje entregar-me e dizer: “sim”, como Maria.
Perdão por aqueles que deviam pedir-te perdão e não se decidem.
Perdoa-me, Pai, e abençoa os meus propósitos para o dia de amanhã, que ao despertar, me invada novo entusiasmo; que o dia de amanhã seja um ininterrupto “sim” vivido conscientemente.
Amém!!!

Oração da manhã

Bom-dia, Senhor Deus e Pai!
A ti, a nossa gratidão pela vida que desperta, pelo calor que
cria vida, pela luz que abre nossos olhos.
Nós te agradecemos por tudo que forma nossa vida, pela terra, pela água, pelo ar, pelas pessoas. Inspira-nos com teu Espírito Santo os pensamentos que vamos alimentar,as palavras que vamos dizer, os gestos que vamos dirigir,a comunicação que vamos realizar.
Abençoa as pessoas que nós encontramos, os alimentos que vamos ingerir.
Abençoa os passos que nós dermos, o trabalho que devemos fazer.
Abençoa, Senhor, as decisões que vamos tomar, a esperança que vamos promover,a paz que vamos semear,a fé que vamos viver, o amor que vamos partilhar.
Ajuda-nos, Senhor, a não fugir diante das dificuldades, mas a abraçar amor as pequenas cruzes deste dia.
Queremos estar contigo, Senhor, no início, durante e no fim deste dia.
Amém.

Oração do entardecer

Ó Deus!
Cai à tarde, a noite se aproxima.
Há neste instante, um chamado à elevação, à paz, à reflexão.
O dia passa e carregam os meus cuidados.
Quem fez, fez.
Também a minha existência material é um dia que se passa,
uma plantação que se faz, um caminho para algo superior.
Como fizeste a manhã, à tarde e a noite, com seus encantos,
fizeste também a mim, com os meus significados, meus resultados.
Aproxima de mim, Pai, a Tua paz para que usufrua desta
hora e tome seguras decisões para amanhã.
Que se ponha o sol no horizonte, mas que nasça
em mim o sol da renovação e da paz para sempre.
Obrigado, Deus, muito obrigado!
Amém!

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 20/06/2019

ANO C


Lc 9, 11b-17

Ambientação

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: Celebrando hoje, pelas ruas de nossas cidades, a Festa do Corpo de Deus, queremos demonstrar nossa fé na presença real de Jesus no pão e no vinho consagrados. A Eucaristia chama a atenção para a partilha que deve acontecer no dia a dia do cristão. O pão-Jesus, recebido sacramentalmente, alimenta o discípulo do Reino para estar disposto a partilhar. Receber Jesus eucarístico e permanecer fechado no próprio egoísmo, insensível às necessidades do próximo, é contraditório. O reconhecimento de Jesus na Eucaristia deve se desdobrar no reconhecimento dele no rosto dos sofredores e marginalizados. Por conseguinte, a acolhida de Jesus e a acolhida dos irmãos necessitados são duas faces da mesma moeda. Portanto, celebrar a Eucaristia é colocar-se na escola do Mestre Jesus, para quem a partilha é uma exigência irrenunciável dos discípulos. Participemos deste grande mistério oferecendo nossas vidas em agradecimento pelo dom da vida divina em nós.

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: Celebramos hoje a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo. Juntamente com toda a Igreja, busquemos no Mistério da Eucaristia o alimento para nossa páscoa neste mundo. Rezemos também pelos jovens que se mobilizam para a Jornada Mundial da Juventude. Que a celebração da solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue do Senhor alimente a comunhão missionária de tantos jovens que aceitam o desafio de Cristo: IDE E FAZEI DISCÍPULOS ENTRE TODAS AS NAÇÕES (Mt 28,19).
Fonte: NPD Brasil em 30/05/2013

Mensagem do Cardeal: Eis o Mistério da Fé!

Celebramos a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo no Ano da Fé. E isso nos leva a refletir sobre os aspectos centrais de nossa fé no "Augusto Mistério" da Eucaristia e a renovar nossa fé nesse dom precioso deixado por Jesus à sua Igreja.
A Eucaristia é o Sacramento do sacrifício de Jesus Cristo, que se entregou à morte de cruz, como "preço pelo nosso pecado". Ele é o "Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo". Toda vez que oferecemos a Deus o Sacrifício Missa, fazermos isso "em memória" de Jesus Cristo, daquela única e suprema doação de sua vida a Deus em favor de toda a humanidade. Nossa participação, com fé, na celebração da Eucaristia, nos dá também os frutos do perdão e da reconciliação com Deus e da vida em Cristo.
É o Sacramento da comunhão com Deus por meio de Jesus Cristo. Por isso, quando participamos da Eucaristia e recebemos a comunhão, Jesus Cristo nos une mais a si e a Deus Pai e nos concede o dom de sua vida e de sua amizade. Ao mesmo tempo, a Eucaristia nos une como irmãos e estreita os laços vivitais entre todos os que recebem esse mesmo sacramento.
É o "pão da vida", Sacramento do alimento, que nos alimenta desde agora para a vida eterna, que é o próprio Jesus: "quem comer deste pão, tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia".
A Eucaristia é, por excelência, o Sacramento de Jesus Cristo, que continua presente com Igreja e a humanidade "até os fins dos tempos". Por isso, sua presença e o significado salvador dessa presença junto a nós é realizado de modo sacramental na Eucaristia.
A Eucaristia é também o Sacramento da Igreja, entendida como a união dos discípulos com Jesus, que está com eles e à frente deles como Mestre, Pastor e Sacerdote. A celebração da Eucaristia torna "visível" o mistério a Igreja e de sua missão no mundo.
Eis, o "mistério da fé"! Nele e por ele anunciamos a paixão e morte de Jesus, proclamamos sua gloriosa ressurreição e nutrimos nossa esperança de participar na vida eterna, na plenitude da salvação, enquanto esperamos com amor a sua vida!
Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo
Fonte: NPD Brasil em 30/05/2013

Comentário do Evangelho

Festa do Corpo e Sangue de Cristo

A festa de “Corpus Christi” é festa de ação de graças, pois a vida entregue do Senhor, seu corpo e sangue, é nosso verdadeiro alimento e sustento. É, igualmente, festa da unidade da Igreja, corpo de Cristo (1Cor 12,12-31), sacramento do Senhor, neste mundo.
O relato da multiplicação dos pães é precedido da acolhida da multidão por Jesus, seu ensinamento sobre o Reino de Deus e gestos que acompanham e autenticam sua palavra.
O diálogo dos discípulos com Jesus, que querem despedir a multidão, possibilita compreender qual é o verdadeiro alimento do povo de Deus, qual o verdadeiro sustento do povo que o Senhor reúne. É preciso uma mudança profunda de mentalidade, pois este alimento não se compra. O verdadeiro alimento do povo que o Cristo reúne é espiritual, “o pão descido do céu” (Jo 6,33), “o pão da vida” (Jo 6,34), a carne, a vida de Jesus entregue para a vida do mundo (Jo 6,51). É um alimento abundante e que sacia plenamente: “Todos comeram e se saciaram” (Lc 9,17).
“A Eucaristia faz a Igreja e a Igreja faz a Eucaristia.”
Carlos Alberto Contieri,sj
Orração
Espírito de solidariedade e partilha, faze-me sensível à lição eucarística da partilha, movendo-me a manifestar minha solidariedade efetiva com os pobres deste mundo.
Fonte: Paulinas em 30/05/2013

Vivendo a Palavra

Paulo nos diz que todas as vezes que comemos do pão e bebemos do vinho feitos Corpo de Deus, anunciamos a morte e a ressurreição de Jesus Cristo, e nos comprometemos com Ele a fazer com que a fome dos irmãos seja saciada, suas dores aliviadas, sua esperança no Reino do Pai seja restabelecida.
Fonte: Arquidiocese BH em 30/05/2013

VIVENDO A PALAVRA

É rico o simbolismo do pão: apresentado no Ofertório da Missa como ‘fruto da terra e do trabalho’, o pão sintetiza a criação (terra) e a humanidade (trabalho). Jesus, fazendo do pão o ‘sacramento’ do seu Corpo, mostra que a criação e a humanidade se unem à sua missão, que é comunicar a Presença paterno/maternal de Deus e proclamar a sua Glória. Ao comungarmos, pelo sinal do pão que comemos, nós nos unimos à criação e à humanidade para louvar ao Pai e nos tornamos um com o Cristo nesta missão.

Reflexão

A Eucaristia é o grande alimento que Jesus deixou à sua Igreja para ser distribuído, em todos os tempos e lugares, a todas as pessoas, a fim de que sejam satisfeitas no sentido da presença da graça em suas vidas. É da responsabilidade de todos nós, que no sacramento do batismo nos tornamos Igreja, a distribuição desse alimento. Quando se fala em distribuição da Eucaristia, logo as pessoas pensam nos ministros extraordinários da comunhão eucarística, mas todos devem, ao seu modo, colaborar para que todas as pessoas possam receber este sacramento. Porém, o modo comum em que todos podem e devem colaborar é o trabalho evangelizador, a fim de que todas as pessoas conheçam Jesus e queiram recebê-lo sacramentalmente.
Fonte: CNBB em 30/05/2013

Reflexão

Corpus Christi - ALIANÇA DE AMOR

A eucaristia é a celebração da aliança de Deus com o ser humano e deste com Deus e com o próprio semelhante.
O anseio de se aliar, de se relacionar e se comunicar com Deus e com os próprios semelhantes sempre acompanhou o ser humano ao longo de sua atormentada viagem pelas estradas do mundo. Compartilhar derrotas e vitórias, incertezas e esperanças é o desejo próprio do ser social.
A aspiração à fraternidade, à unidade e à comunhão é o selo que Deus deixou em cada coração humano. Assim a celebração da eucaristia profetiza nosso destino futuro e, ao mesmo tempo, aponta-nos o caminho a seguir: repartir a nossa vida com todos, da mesma forma que Deus reparte a si mesmo na eucaristia.
No entanto, esse anseio de aliança e de comunhão universal ficou frustrado no coração de muitos irmãos e irmãs, não passando de projeto falido. Isso porque a voz do egoísmo, com demasiada frequência, grita mais alto do que a voz do amor e da solidariedade. E o pior é que, não raro, chegamos a buscar a aliança com o irmão e até com o próprio Deus só para destruir nossos inimigos.
Mas, se Cristo chegou a tornar-se vítima sacrifical e quis preparar um banquete do qual ninguém é excluído e onde a comida é ele mesmo, quer dizer que toda a inimizade foi aniquilada e ninguém deve mais ser tratado como inimigo, uma vez que a sua ruína é a nossa própria ruína, sendo ele carne de nossa carne.
Celebrar a eucaristia, alimentando-nos do Corpo e do Sangue de Cristo – lado a lado com os nossos irmãos e irmãs –, é com certeza a maneira mais perfeita de entrarmos em comunhão com Deus e com a criação inteira.
Nisso consiste a nova aliança de Deus com a humanidade e desta com o próprio Deus.
Pe. Virgílio, ssp
Fonte: Paulus em 30/05/2013

Reflexão

Jesus acolhe as multidões, fala-lhes do reino e cura os necessitados. O fim do dia, porém, está chegando, e o que fazer com a multidão que necessita de comida e hospedagem? Despedi-la é o mais fácil e cômodo. O Mestre, porém, convoca os discípulos para que não se omitam, mas achem uma solução, a qual consistiu em organizar o povo, recolher o que havia e, depois da bênção de Jesus, repartir entre todos. Resultado: todos comeram e ainda sobrou. Onde não se partilha, poucos acumulam e muitos ficam na miséria. Onde há partilha, todos podem ter o mínimo para uma vida digna. Somente partilhando, teremos um mundo sem miséria e sem miseráveis. Se ainda há fome no mundo, é sinal de que a sociedade ainda não descobriu o valor da partilha. Ao doar sua vida pela humanidade, Jesus nos mostrou a mais sublime partilha. Na celebração do Corpo e Sangue de Cristo, fazemos memória dessa doação suprema do Mestre, o qual nos quer solidários com as necessidades do povo. A cena do milagre da partilha dos pães se perenizou na Eucaristia, como gesto do dom de Deus repartido entre todos, para que todos tenham vida (cf. Jo 10,10).
(Dia a dia com o Evangelho 2019 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Meditando o evangelho

ESTE É O MEU CORPO

A Eucaristia, instituída por Jesus durante a celebração da Páscoa com seus discípulos, foi colocada como um marco na vida da comunidade, de forma a não deixar cair no esquecimento os eventos de sua vida, morte e ressurreição. O Páscoa cristã, mediante a Eucaristia, seria perenizada na contínua memória da vida de Jesus. Esta memória iria convocar os discípulos para a imitação do Mestre, visando conformar a vida atual da comunidade cristã com a vida de Jesus.
O contexto pascal da ceia revestiu de simbolismo pascal os elementos da Eucaristia. O pão transformado em corpo de Cristo estaria, doravante, destinado a ser alimento da caminhada do novo povo de Deus, na sua longa marcha pelos desertos do mundo. O vinho transformado em sangue de Cristo sacramentalizaria a predileção e a proteção divinas de que era objeto a comunidade cristã, como acontecera com o antigo Israel. Os discípulos, reunidos em torno de Jesus, seriam a semente da humanidade nova, redimida pelo sangue do novo cordeiro. Eles estavam sendo convocados a ser, na história, um sinal de que Deus ama a humanidade e não cessa de manifestar, com gestos, este seu amor. O antigo líder, Moisés, estava sendo definitivamente substituído pelo Filho Jesus, na condução do verdadeiro Israel. A Eucaristia torna, pois, a vida da comunidade cristã um êxodo contínuo rumo à casa do Pai.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total).
Oração
Senhor Jesus, possa a Eucaristia recordar-me sempre que pertenço ao povo redimido por ti e a caminho da casa do Pai.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. CORPUS CHRISTI - O ALIMENTO NOVO
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Entre tantas tarefas sublimes que a vocação de ser mãe confere às mulheres, há uma em especial: a alimentação que vai desde a amamentação no peito, até a idade em que se atinge o uso da razão, onde a criança é totalmente dependente da mãe, para se alimentar. O ato de alimentar um filho requer grande amor e paciência, não só entre os seres humanos, mas também entre os animais, possivelmente seja esse o ato que mais expressa o amor materno, pois sem ele simplesmente a vida não se desenvolve.
Na ótica de alguns profetas Deus é Mãe e uma das particularidades que evidencia esse amor maternal, é a proteção e assistência que Deus dá ao seu povo na travessia do deserto, sobretudo quando sacia a sua fome e sede. Sem alimento e sem água não se caminha e não se chega a lugar algum. Ao desesperado Elias, profeta que fugia da fúria da Rainha Jezabel, após ter derrotado a divindade Baal, em baixo de uma árvore, sobre uma pedra onde o mesmo tinha adormecido por causa do desânimo e do cansaço, o anjo de Deus lhe servirá Pão e água, com a advertência “Levanta-te e come, o caminho é longo!”
O maná e as codornizes, bem como a água que jorrou da pedra, para alimentar e fortalecer a caminhada do povo, o pão e a água que revigorou Elias na sua caminhada de quarenta dias pelo deserto, até o Monte Horeb onde se encontrou com Deus, viria a ser uma prefiguração do verdadeiro e novo alimento.
Caminhar é imperativo cristão de quem vive segundo a Fé e que por isso mesmo têm consciência de que é peregrino nesse mundo, há no livro de canto pastoral uma música que aprofunda o sentido da caminhada “Se caminhar é preciso, caminharemos unidos!”, em meio a essa reflexão sobre a caminhada, não posso deixar de citar meu pai, que gostava de repetir um provérbio italiano “Manjare manjare, camina sempre!” Nosso caminho não tem fim, o infinito é o nosso tempo, há entre nós um sinal de que já chegamos, embora ainda estejamos a caminho.
Esse sinal é precisamente a Eucaristia onde Cristo Jesus, mais do que nos dar um novo alimento, vai além e faz algo que escandaliza os Fariseus e Saduceus: oferece-se a si próprio em alimento, ao dizer “Quem come a minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele”. Comer a carne de Jesus e beber o seu sangue, só será possível se houver um sacrifício, no ritual judaico um animal morria para expiar pecados, um animal morria para render ação de graças e gratidão a Deus, mas sacrificar uma vida humana seria a maior das loucuras, contudo há nesse gesto algo muito mais do que simples heroísmo pois nele o amor atingirá a sua plenitude “Prova de amor maior não há, que doar a vida pelo irmão”.
Eucaristia, o Corpo e Sangue de Cristo presente na hóstia consagrada, Deus se oculta em um pedaço de pão, em um ato supremo de amor, deu a sua vida para que isso fosse possível, e ao descer do céu na forma de pão, trouxe o céu para nós. No ato de alimentar-se humano, o alimento se transforma em parte integrante do nosso ser biológico, a partir do metabolismo, no ato de alimentar-se com a Eucaristia, algo extraordinário acontece: nos transformamos no corpo de Cristo, afirma Paulo na segunda leitura de hoje. Somos o Corpo e Sangue de Cristo, nos divinizamos, a transubstanciação, de certa forma, se prolonga em todo o nosso ser, e ao nosso redor naquele momento, os anjos se ajoelham em adoração. Grande mistério, que nossos sentidos não alcançam, a não ser pela fé!
Sublime Sacramento, o maior de todos os tesouros da terra! Olhemos com ternura para a Hóstia consagrada, que nos alimenta e nos conforta, que nos inspira a caminharmos todos juntos como irmãos, pois só assim iremos romper as fronteira da morte “Quem come desse pão viverá eternamente!”.

2. Todos comeram
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Na solenidade de Corpus Christi professamos nossa fé na presença real de Jesus no Santíssimo Sacramento. Um belo hino, chamado Sequência, é cantado depois da segunda leitura. Composto por Santo Tomás de Aquino, encontramos nele a expressão de nossa fé no Sacramento do Altar. Somos convidados a louvar o quanto pudermos, com ousadia, o Senhor na Eucaristia. Sua presença será sempre maior que o nosso louvor. Fazemos o que ele fez na Ceia, até que ele volte. “Faz-se carne o pão de trigo, faz-se sangue o vinho amigo. Pão e vinho, eis o que vemos, mas ao Cristo é que nós temos em tão ínfimos sinais.” Verdadeiro alimento, Cristo está inteiro tanto no vinho quanto no pão. O Senhor alimenta o nosso corpo e nos dá o pão da vida. Assim alimentados, estaremos um dia reunidos numa só família lá no céu.

HOMILIA DIÁRIA

Demos a Jesus o culto que só a Ele pertence

Que Jesus Eucarístico seja amado, glorificado, exaltado pelo mundo inteiro, mas, sobretudo, em nosso coração, em nossa vida demos a Jesus o culto que só a Ele pertence.
Hoje, é a festa do Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo; é dia de Corpus Christi. Essa quinta-feira é, praticamente, a primeira depois das festas pascais, depois do tempo pascal. Ela nos remete à Quinta-feira Santa, quando o Senhor, na Última Ceia, tomou o pão em Suas mãos e disse: “Esse é o meu Corpo”; tomou da mesma forma o cálice e disse: “Esse é o meu Sangue”.
Nós estamos, hoje, depois de passada a Semana Santa e as festas pascais, dando valor, uma grande exaltação àquele presente maravilhoso que o Senhor nos deu, Seu Corpo e Seu Sangue, memorial eterno da nossa salvação.
Celebrando a Eucaristia, estamos dizendo: “Obrigado, Senhor, por Sua presença no Santíssimo Sacramento do altar, obrigado pelo Seu Corpo, obrigado pelo Seu Sangue que é força, salvação para nossa alma”.
Reconheçamos o valor desse mistério sagrado da presença real de Jesus na hóstia consagrada e no vinho consagrado. Glórias e louvores se deem, a todo momento, ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento.
Que Jesus Eucarístico seja amado, glorificado, exaltado pelo mundo inteiro, mas, sobretudo, em nosso coração, em nossa vida demos a Jesus o culto que só a Ele pertence.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo – Comunidade Canção Nova
Fonte: Canção Nova em 30/05/2013

Oração Final
Pai Santo, nós te pedimos que a nossa comunhão com o Corpo de Cristo não seja razão de orgulho ou busca de privilégio, mas sinal de nosso compromisso com o teu Reino de Amor, de nossa decisão por seguir o Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso irmão e contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 30/05/2013

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, sem méritos nossos, mas pela tua misericórdia, nós esperamos e desejamos mergulhar no teu Mistério e experimentar a Tua Presença viva e amorosa em nós. Envia, amado Pai, por Jesus Cristo, teu Filho que se fez nosso Irmão, o Espírito Santo e acende em nós o fogo do teu Amor. E assim renovaremos a face da terra.