quinta-feira, 15 de agosto de 2013

LITURGIA DIÁRIA 16/08/2013




Tema do Dia

«O que Deus uniu, o homem não deve separar.»

Josué faz para o povo reunido em Siquém a síntese de toda a história de Israel. E lembra quanto lhes valera a proteção de Javé desde a saída do Egito até a conquista da Terra. Israel tinha agora cidades que não construíra e colhia o que não plantara.

Oração para antes de ler a Bíblia




Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos
a vida eterna. Amém.

Verde. 6ª-feira da 19ª Semana Tempo Comum


Primeira Leitura (Js 24,1-13)
19ª Semana Comum
Sexta-feira 16/08/13

Leitura do Livro de Josué.

Naqueles dias, 1Josué reuniu em Siquém todas as tribos de Israel e convocou os anciãos, os chefes, os juízes e os magistrados, que se apresentaram diante de Deus.
2Então Josué falou a todo o povo: “Assim diz o Senhor, Deus de Israel: Vossos pais, Taré, pai de Abraão e de Nacor habitaram outrora do outro lado do rio Eufrates e serviram a deuses estranhos.
3Mas eu tirei Abraão, vosso pai, dos confins da Mesopotâmia, e o conduzi através de toda a terra de Canaã, e multipliquei a sua descendência. 4Dei-lhe Isaac, e a este dei Jacó e Esaú. E a Esaú, um deles, dei em propriedade o monte Seir; Jacó, porém, e seus filhos, desceram para o Egito.
5Em seguida, enviei Moisés e Aarão e castiguei o Egito com prodígios que realizei em seu meio, e depois disso vos tirei de lá. 6Fiz, portanto, que vossos pais saíssem do Egito, e assim che­gastes ao mar. Os egípcios perseguiram vossos pais, com carros e cavaleiros, até o mar Vermelho. 7Vossos pais clamaram então ao Senhor, e ele colocou trevas entre vós e os egípcios. Depois trouxe sobre estes o mar, que os recobriu. Vossos olhos viram todas as coisas que eu fiz no Egito e habitastes no deserto muito tempo.
8Eu vos introduzi na terra dos amorreus que habitavam do outro lado do rio Jordão. E, quando guerrearam contra vós, eu os entreguei em vossas mãos, e assim ocupastes a sua terra e os exterminastes.
9Levantou-se então Balac, filho de Sefor, rei de Moab, e combateu contra Israel, e mandou chamar Balaão, filho de Beor, para que vos amaldiçoasse. 10Eu, porém, não o quis ouvir. Ao contrário, abençoei-vos por sua boca, e vos livrei de suas mãos.
11A seguir, atravessastes o Jordão e chegastes a Jericó. Mas combateram contra vós os habitantes desta cidade – os amorreus, os ferezeus, os cananeus, os hititas, os gergeseus, os heveus e os jebuseus. Eu, porém, entreguei-os em vossas mãos.12Enviei à vossa frente vespões que os expulsaram da vossa presença – os dois reis dos amorreus – e isso não com a tua espada nem com o teu arco. 13Eu vos dei uma terra que não lavrastes, cidades que não edificastes, e nelas habitais, vinhas e olivais que não plantastes, e comeis de seus frutos.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 135)
19ª Semana Comum
Sexta-feira 16/08/13

— Eterna é a sua misericórdia!
— Eterna é a sua misericórdia!


— Demos graças ao Senhor, porque ele é bom: porque eterno é seu amor! Demos graças ao Senhor, Deus dos deuses: porque eterno é seu amor! Demos graças ao Senhor dos senhores: porque eterno é seu amor!
— Ele guiou pelo deserto o seu povo: porque eterno é seu amor! E feriu por causa dele grandes reis: porque eterno é seu amor! Reis poderosos fez morrer por causa dele: porque eterno é seu amor!
— Repartiu a terra deles como herança: porque eterno é seu amor! Como herança a Israel, seu servidor: porque eterno é seu amor! De nossos inimigos lbertou-nos: porque eterno é seu amor!


Evangelho (Mt 19,3-12)
19ª Semana Comum
Sexta-feira 16/08/13


Jesus fala sobre o divórcio


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 3alguns fariseus aproximaram-se de Jesus, e perguntaram, para o tentar: “É permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?” 4Jesus respondeu: “Nunca lestes que o Criador, desde o início, os fez homem e mulher? 5E disse: ‘Por isso, o homem deixará pai e mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne’? 6De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe”.
7Os fariseus perguntaram: “Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?” 8Jesus respondeu: “Moisés permitiu despedir a mulher, por causa da dureza do vosso coração. Mas não foi assim desde o início. 9Por isso, eu vos digo: quem despedir a sua mulher – a não ser em caso de união ilegítima – e se casar com outra, comete adultério”. 10Os discípulos disseram a Jesus: “Se a situação do homem com a mulher é assim, não vale a pena casar-se”.
11Jesus respondeu: “Nem todos são capazes de entender isso, a não ser aqueles a quem é concedido. 12Com efeito, existem homens incapazes para o casamento, porque nasceram assim; outros, porque os homens assim os fizeram; outros, ainda, se fizeram incapazes disso por causa do Reino dos Céus. Quem puder entender entenda”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.
Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém

BOM DIA!!! Agradeça à Deus sempre! Pelo principal... o Dom da Vida!!

QUE SUA SEXTA-FEIRA SEJA LINDA E MARAVILHOSA - "A verdadeira felicidade vem da humildade e do reconhecimento que sozinhos somos muito pouco ou quase nada, e a vida somente se completa com o real sentimento de amor ao próximo!!!"

Terço - Mistérios Luminosos - Quinta-Feira


Terço do Rosário: Mistérios Luminosos




Em carta enviada pela Semana Nacional da Família, papa Francisco pede defesa da vida

TER, 13 DE AGOSTO DE 2013 15:33 / ATUALIZADO - QUA, 14 DE AGOSTO DE 2013 09:31
POR: CNBB


A Semana Nacional da Família é promovida pela Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Este ano, o evento é realizado entre os dias 11 e 17 de agosto, nas comunidades eclesiais do Brasil. O tema da semana é “Transmissão e Educação da Fé Cristã na Família”. Em uma mensagem enviada para a Semana Nacional da Família, o papa encoraja os pais na “missão nobre e exigente de serem os primeiros colaboradores de Deus na orientação fundamental da existência e na garantia de um bom futuro dos seus filhos.

O Papa na Assunção da Virgem: Maria não nos deixa sozinhos e nos apoia na luta contra o mal


VATICANO, 15 Ago. 13 / 12:29 pm (ACI/EWTN Noticias).- Na homilia da Missa que presidiu nesta manhã na Praça da Liberdade em Castel Gandolfo, o Papa Francisco refletiu sobre a festa da Assunção da Virgem que a Igreja celebra hoje e disse que Santa Maria é escola de paciência e esperança, não nos deixa sozinhos, acompanha-nos sempre e sustenta aos cristãos no combate contra as forças do mal.

Nossa Senhora da Guia - 15 de Agosto


Sob o aspecto histórico o título de Nossa Senhora da Guia tem sua origem na Igreja Ortodoxa, onde a Santíssima Virgem é invocada sob o nome “Odigitria”, que significa “Condutora”, “Guia” de Jesus desde a infância até o início de sua vida pública, conseqüentemente invocada como guia e protetora do povo de Deus.

Nossa Senhora do Sorriso - 15 de Agosto


A devoção de Nossa Senhora do Sorriso, está muito ligada à Santa Teresinha do Menino Jesus. O espírito de devoção filial para com Maria marcou a vida inteira dessa pequenina grande Santa. Sensibilíssima e precoce, decidiu se dedicar à Deus desde a infância. E fez de sua vida consagrada uma singular projeção missionária da Virgem Santíssima. Por isso, é modelo de empenho missionário, sem nunca ter saído do Carmelo de Lisieux, França.

Nossa Senhora do Sorriso - 15 de Agosto


A devoção à Nossa Senhora do Sorriso está muito ligada à vida da célebre Santa Terezinha do Menino Jesus da Sagrada Face, declarada Doutora da Igreja, em 1994. Sem dúvida, esse culto mariano se propagou por todo mundo cristão, graças à divulgação dada pelas Ordens Carmelitas, porém, sua origem é bem mais antiga. A invocação iniciou numa das primeiras igrejas erguidas ao culto da Virgem Maria, pelos cristãos do Ocidente, no século V.

Nossa Senhora do Socorro - 15 de Agosto


É interessante observar como o amor dos cristãos pela Mãe de Deus ao longo dos séculos cristalizou o seu culto sob vários títulos, muitas vezes similares, mas com imagens diferentes. Um exemplo é a devoção de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, mais antiga e originária da ilha grega de Creta; e a de Nossa Senhora do Socorro nascida depois, na Itália.

Nossa Senhora Desatadora dos Nós - 15 de Agosto


O título de Nossa Senhora Desatadora dos Nós, surgiu em 1700 em uma pintura do artista alemão Johann Schmittdner. A pintura, um grande painel, mede 1,10 metros de largura por 1,82 metros de altura, encontra-se na capela de St. Peter Am Perlach, em Ausburg na Alemanha.

Nossa Senhora da Hora - 15 de Agosto


A devoção à Nossa Senhora da Hora ou da Boa Hora é invocada para interceder nos instantes das maiores aflições: para a cura das doenças do corpo e da alma, e especialmente na hora do parto, protegendo a vida das mulheres grávidas e dos bebes. O parto sempre foi um momento delicado para a mulher e a família, principalmente no tempo em que a medicina não oferecia as condições atuais para proteger a mãe e a criança.

Nossa Senhora da Boa Morte - 15 de Agosto


A devoção à Nossa Senhora da Boa Morte chegou aos cristãos do Ocidente, através da tradição cristã do Oriente, sob o título de "Dormição da Assunta". Talvez, esse seja o culto mariano mais antigo, iniciado logo nos primeiros séculos do cristianismo.

Nossa Senhora da Ajuda - 15 de Agosto


A intensidade da devoção mariana dos cristãos, ao longo dos séculos, perpetuou essa vontade expressa pelo Redentor na agonia da Cruz. Muitos templos foram erguidos em agradecimento à Divina Mãe que sempre intercede pela ajuda à seus filhos, junto ao Senhor. Assim, Nossa Senhora passou a ser venerada sob os títulos: "ajuda dos cristãos", "consolo dos aflitos", "saúde dos enfermos" e tantos outros, que nomearam pessoas e localidades, no mundo inteiro.

Nossa Senhora da Abadia - 15 de Agosto


A história da devoção de Nossa Senhora da Abadia está ligada ao Mosteiro, ou Abadia da Ordem de Cister, do povoado de Bouro de Santa Maria, município de Amares, distrito de Braga, em Portugal.

Nossa Senhora d'Oropa - 15 de Agosto


A pia tradição narra que exilado na Palestina, o mártir Santo Eusébio, bispo de Vercelli, encontrou três imagens sagradas da Virgem Maria esculpidas em madeira de cedro negro. Quando pôde voltar ele as transportou consigo. Uma doou à sua cidade natal, na Sardenha; uma mandou para santificar o Monte de Crea, nos Alpes piemonteses, pertencente à sua diocese. A terceira, a mais bonita e que seria obra do Evangelista São Lucas, designou para a igreja de sua sede episcopal, na França.

Nossa Senhora Achiropita - 15 de Agosto


O oculto à Nossa Senhora Achiropita surgiu no período romano-bizantino do final do século VI na região da Calábria, Itália. O idioma falado era o grego e deu origem ao nome desta devoção mariana tão antiga da tradição cristã. Tudo começou no ano 580, quando a embarcação do capitão Maurício, desviada pelas correntes marítimas, aportou numa pequena aldeia calabresa. Nela havia uma comunidade eremita guiada pelo monge Éfrem, um rico nobre que abandonou o mundo para se dedicar à Deus. O monge foi ao encontro do capitão e lhe profetizou: "Não foram os ventos que te conduziram para cá, mas a Mãe de Deus, para que tu lhe construas um templo neste local". Dois anos depois, Maurício assumiu o trono de Bizâncio.

Bem-aventurado Isidoro Bakanja - 15 de Agosto


Isidoro Bakanja
Bem-aventurado
+1909
Presume-se que o jovem congolês de pele negra, futuro mártir do escapulário, de nome Isidoro Bakanja, nasceu entre 1885 e 1890, em Bokendela, no seio de uma família da tribo Boangi. Na época, o seu país era domínio exclusivo do rei Leopoldo II, da Bélgica, fazia parte de seu patrimônio pessoal. Mais tarde, a propriedade foi transformada na colônia chamada Congo Belga, atual República Democrática do Congo.

Bem-aventurados Vicente Soler e companheiros - 15 de Agosto


Vicente Soler e companheiros
Bem-aventurados
+1936
A guerra civil da Espanha, em 1936, por divergências de ideais políticos e intolerância à fé, provocou perseguições com massacres de milhares de inocentes: civis e religiosos.

São Tarcísio - 15 de Agosto


São Tarcísio
245-257
Tarcísio foi um mártir da Igreja dos primeiros séculos, vítima da perseguição do imperador Valeriano, em Roma, Itália. A Igreja de Roma contava, então, com cinqüenta sacerdotes, sete diáconos e mais ou menos cinqüenta mil fiéis no centro da cidade imperial. Ele era um dos integrantes dessa comunidade cristã romana, quase toda dizimada pela fúria sangrenta daquele imperador.

Assunção de Nossa Senhora - 15 de Agosto







Assunção de Nossa Senhora - Mãe de Deus

Deus lhe concedeu como a Virgem antes do parto, no parto e depois do parto, como a Mãe de Deus
Hoje, solenemente, celebramos o fato ocorrido na vida de Maria de Nazaré, proclamado como dogma de fé, ou seja, uma verdade doutrinal, pois tem tudo a ver com o mistério da nossa salvação. Assim definiu pelo Papa Pio XII em 1950 através da Constituição ApostólicaMunificentissimus Deus: “A Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre foi assunta em corpo e alma à glória celestial.”

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 15/08/2013

15 de Agosto de 2013

Ano C


Mt 18,21–19,1

Comentário do Evangelho

Há um limite para o perdão?

Há um limite para o perdão? Esta é a pergunta matemática de Pedro: “... quantas vezes devo perdoar, se meu irmão peca contra mim?” (v. 21).
A parábola vai explicitar a imensa generosidade do Rei que perdoa, não importa qual seja o montante da dívida. É a compaixão do Rei que é enfatizada na parábola. Para não ter a sorte daquele que foi perdoado, mas se recusou a perdoar, é necessário “perdoar de coração ao seu irmão” (v. 35).
Carlos Alberto Contieri, sj

Vivendo a Palavra

O tempo da nossa vida é o prazo que o Senhor nos concede para mostrarmos gratidão pelo dom de nossa existência – ‘pagarmos a nossa dívida...’ Devemos aproveitá-lo seguindo a lição de Jesus de Nazaré, que viveu fazendo o bem a todos. Este é o jeito de entrarmos desde agora no Reino do Céu, que um dia gozaremos em plenitude com o Pai Misericordioso.

Reflexão

Nós não temos como pagar a Deus para obtermos o perdão dos nossos pecados, de modo que merecemos a paga pelos mesmos que é a morte. Mas o amor misericordioso de Deus não permite que nenhum dos seus filhos e filhas seja entregue à morte, de modo que a verdadeira paga pelos nossos pecados foi a obediência de Jesus, amando-nos até o fim e, assim, apesar dos nossos pecados, temos a eterna aliança com ele. Desse modo, Deus nos dá o exemplo do verdadeiro perdão, nos ensinando que tudo devemos fazer para restaurar a unidade perdida por causa dos males que as pessoas comentem contra nós.

Meditação

É fácil perdoar? - Pense em alguma situação de sua vida que “depois da tempestade” trouxe-lhe a bonança. - Conhece alguma situação de devedor cuja situação chegou a bom termo? - E o contrário? - Comente o “perdoai assim como nós perdoamos” do pai nosso!
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentários do Evangelho

FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...

1 - PERDOAR SEM LIMITES! - Olívia Coutinho - 15 de Agosto de 2013 - Evangelho– Mt 18,21-19,1

 Quantos de nós, fazemos questão de dizer que somos cristãos, que somos seguidores de Jesus, quando na prática, agimos de forma contrária a Dele! Quantas vezes rezamos a oração do Pai Nosso, na qual pedimos perdão  a Deus pelas nossas faltas, mas não cumprimos o que  prometemos a Ele  nesta oração; não perdoamos a quem nos ofendeu!
O evangelho de hoje nos fala da importância do perdão!  “Pedro, aproximou-se de Jesus e perguntou: Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes? Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete”. E em seguida, Jesus conta a parábola do servo cruel, que mesmo sendo perdoado pelo rei, não perdoou ao seu devedor e por isto ele foi duramente castigado pelo rei. Concluindo esta parábola, Jesus faz uma advertência que vale para nós todos: “É assim que meu Pai fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.
A falta de perdão fecha o nosso coração à graça de Deus, nos afasta do banquete da vida, a Eucaristia!  Enquanto que a alegria do perdão é infinita, tanto para quem dá o perdão, quanto para quem recebe!  Portanto, compensa nos esforçarmos em despir do nosso orgulho, para viver a alegria do perdão, a alegria de reaproximarmos de Deus, reaproximando do nosso irmão!
Sabemos que não é fácil reconciliar com quem nos ofendeu, mas se recorrermos a Deus, com certeza, Ele nos ajudará a vencer este desafio!
O perdão é uma questão de decisão, de humildade, nosso primeiro passo, é reconciliar com nós mesmos, reconhecendo que não somos perfeitos, que somos sujeitos a falhas e que também cometemos injustiças. É a partir desta consciência, que uma fresta se abre em nosso  coração, por onde Deus entra, e abre o caminho da nossa reconciliação  com Ele, nos  reconciliando com quem  nos ofendeu.
É muito comum, sermos ofendidos, ou ofendermos o outro impensadamente, o que não significa que não amamos esta pessoa, geralmente, somos ofendidos, ou ofendemos as pessoas mais próximas de nós, portanto, não vale a pena guardar ressentimentos de pessoas que amamos, ou melhor, não devemos guardar ressentimentos de ninguém!
Jesus nos deixou um grande exemplo de Perdão, quando pregado na cruz, Ele pronunciou estas palavras:“Pai perdoa-lhes! Eles não sabem o que estão fazendo”! Lc 23,34.  Quando sentirmos dificuldades em perdoar alguém, lembremo-nos deste grande exemplo de Jesus!
Muitas vezes, nós queremos receber o perdão de Deus, mas não queremos perdoar o outro! Como podemos querer o perdão de Deus se não perdoamos o nosso irmão?
Não somos  modelos de perfeição, não somos infalíveis, temos qualidades e defeitos, por isto todos nós merecemos uma nova chance, uma chance que deve partir de nós mesmos: no pedir e no dar o perdão!
Assim como Jesus acolhe o pecador arrependido e esquece todo o seu passado, nós também devemos perdoar e acolher quem nos ofendeu, perdoar quantas vezes for necessária, perdoar sem limites!
Quem vê o irmão com o olhar de Jesus, vive a experiência da alegria do  perdão!
FIQUE NA PAZ DE JESUS! – Olívia

2 - Perdoar setenta sempre – Sal - 15 de agosto - Evangelho - Mt 18,21-19,1

Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
Quantas vezes devemos perdoar aquela pessoa que nos chateia, que nos ofende, nos maltrata, ou nos persegue etc ? A resposta de Jesus é: infinitas vezes. 70x7=infinito. Jesus quer nos dizer hoje que não existe limite para perdoar. Uma, duas, cinco dez vezes? Não. Inúmeras vezes. Isto se quisermos obter o perdão do Pai, e alcançarmos a vida eterna. Caso contrário, se não pretendermos ser perdoados e salvos um dia, podemos matar, perseguir, e prejudicar a quem quer que seja. Percebeu agora porque existe a violência no mundo? É PORQUE MUITOS NÃO SABEM OU NÃO QUEREM SABER QUE UM DIA NOSSA ALMA SERÁ JULGADA POR TUDO O QUE FIZERMOS NESTA VIDA TERRENA, PRINCIPALMENTE COM O NOSSO IRMÃO. Porque se tais pessoas soubessem ou se importassem com essa fatal realidade, não agiriam assim. E nós, que sabemos o que Jesus ensinou, precisamos avisá-los disso enquanto pudermos e enquanto é tempo. Não podemos cruzar os braços, como se não tivéssemos nada a ver com a condenação dos nossos irmãos. Cuidado! Ninguém se salva sozinho. Precisamos salvar almas para que a nossa alma também seja salva! Então? O que você está esperando? Um convite especial do padre de sua paróquia? Meu irmão! Mexa-se! Vai lá agora e se apresente para trabalhar pela causa do Reino de Deus. Qualquer uma das pastorais, de preferência a pastoral da Catequese.
Prezados irmãos. No Evangelho de hoje Jesus insiste que a virtude mais importante depois da fé, é a caridade. Jesus insiste em nos deixar bem claro queo nosso relacionamento com os nossos irmãos podem nos condenar ou nos salvar. Não adianta participar da missa todo dia, rezar mais de um terço, jejuar, etc, se ignoramos aqueles que precisam de nós, e que nós podemos ajudar. Se passamos diretos virando a cara para o outro lado, quando vimos um irmão caído no chão. Quando chamamos de vagabundo um irmão que nos pede umas moedinhas para comprar um pão. Quando não ajudamos os nossos familiares que não tiveram a sorte que nós tivemos, e que passam por necessidades...
Hoje, também Jesus nos avisa que só seremos perdoados, se perdoamos os que nos ofendem. Portanto, meu irmão, minha irmã. Preste bastante atenção na palavra de VIDA ETERNA.
Sal.

3 - “a medida do perdão não tem limite”- Helena Serpa - 15 de agosto - Evangelho - Mt 18,21-19,1

Jesus conta a parábola do servo cruel e abre os nossos olhos para agir aqui na terra da mesma forma que o Pai do céu faz conosco. Partindo da interrogativa de Pedro de quantas vezes perdoarmos Jesus nos ensina a fazer justiça com aqueles que pecam contra nós, conforme a maneira de Deus pensar. Assim sendo, Jesus nos explica que o perdão existe para ser dado infinitamente e não depende do tamanho da falta de quem a cometeu. Na mesma medida em que Deus perdoa as nossas dívidas que são muito maiores do que somas de dinheiro também nós precisamos oferecer o perdão às pequenas ou grandes faltas que os nossos irmãos cometerem contra nós. Não obstante não podemos nos limitar a perdoar dívidas contraídas materialmente, mas também o que ficou marcado como resultado delas, ou seja, os ressentimentos, as mágoas, etc. O ato de perdoar não demonstra dizer que estamos apoiando o erro do nosso irmão, mas que podemos compreender as suas razões e dispensar o desgosto que poderia ficar registrado no nosso coração. Dessa forma, não se trata de quantas vezes tenhamos que perdoar porque a medida do perdão é contínua, não tem limite. Tantos quantos são os dias da nossa vida e, enquanto caminharmos aqui, nós necessitaremos do perdão de Deus para as nossas inúmeras culpas, entretanto, só nos sentiremos inteiramente perdoados, se, na mesma medida aplicarmos essa regra para com aqueles (as) que nos têm ofendido. Jesus não nos deixa dúvidas quanto ao perdão que temos de dar ao irmão: DE CORAÇÃO! Quem perdoar, naturalmente será também perdoado. A compaixão é um atributo de Deus e nós como fomos criados à Sua imagem e semelhança temos também em nós o dom de perdoar. – Você tem exercitado o dom de perdoar? – Você pelo menos deseja perdoar? – A quem você está precisando perdoar? – Você se sente perdoado por Deus na mesma medida com que você tem perdoado os seus irmãos?
Helena Serpa

4 - Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. Padre Queiroz - 15 de Agosto de 2013 - Quinta - Evangelho - Mt 18,21-19,1

Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
Neste Evangelho, Jesus nos fala do perdão. O texto começa com uma pergunta do Apóstolo Pedro a Jesus, sobre quantas vezes devemos perdoar uma pessoa. Jesus responde que devemos perdoar não apenas sete vezes, mas setenta vezes sete, expressão hebraica que significa: ao infinito.
E, para deixar bem claro, Jesus conta a parábola do servo cruel. É um empregado que foi perdoado pelo patrão, de uma grande dívida, e depois não perdoou ao seu colega, de uma pequena e irrisória dívida. Por isso foi duramente castigado pelo patrão.
Jesus conclui a parábola com um recado para todos nós: “É assim que meu Pai fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.
O patrão representa Deus, o empregado que devia a enorme fortuna somos nós, e o outro que devia uma pequena quantia são as pessoas que nos ofendem ou prejudicam.
Nós tínhamos uma enorme dívida com Deus, o pecado original e os nossos pecados pessoais. E ele nos perdoou, e continua perdoando, completamente.
O tamanho de uma ofensa varia também de acordo com a pessoa ofendida. No nosso caso, o ofendido é Deus, que é infinito. Portanto, as nossas ofensas a Deus são sempre muito grandes.
Deus nos perdoa, mas quer que nós também perdoemos a nosso próximo, seja de que for. Se não o fizermos, ele retira o seu perdão e nos castiga, como fez o patrão com o seu empregado cruel.
Por isso que Jesus nos fala: “Quando estiveres levando a tua oferenda ao altar e ali te lembrares que teu irmão tem algo contra ti, deixa a tua oferenda diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão. Só então, vai apresentar a tua oferenda” (Mt 5,23-25). De fato, não tem cabimento nós não perdoarmos alguém e querem manter uma amizade com Deus, pois Deus está no nosso próximo! Seria um comportamento contraditório na nossa parte: hora louvamos a Deus, hora não queremos conversa com ele.
O nosso perdão ao próximo não pode ter limites, nem quanto ao número de ofensas, nem quanto ao tamanho ou tipo de ofensa.
O perdão é o único caminho para recuperar a fraternidade, a paz e a alegria, após uma ofensa recebida. O perdão impede aquele terrível círculo vicioso: a vingança gera a violência, e esta gera mais vingança... O ressentimento faz aumentar falsamente o tamanho de uma ofensa.
No Pai Nosso, nós pedimos a Deus que nos perdoe do jeito que perdoamos aos outros. Isso nos compromete, porque, se guardarmos rancor, cada vez que rezamos o Pai Nosso estamos pedindo a Deus que guarde rancor de nós!
Jesus disse: “Não julgueis, e não sereis julgados. Pois o mesmo julgamento com que julgardes os outros servirá para vós; e a mesma medida que usardes para os outros servirá para vós. Por que observas o cisco no olho do teu irmão e não reparas na trave que está no teu olho?” (Mt 7,1-3).
O próprio Jesus, na cruz, nos deu o exemplo, quando rezou a Deus Pai pelos que o torturavam: “Pai, perdoai-lhes porque eles não sabem o que fazem!” (Lc 23,34). Mesmo morrendo, ele encontrou forças para refletir e encontrar uma saída para não sentir mágoa daqueles algozes: “Eles não sabem o que fazem”.
Se não encontrasse essa saída, Jesus morreria com mágoa deles. E daí, lá no céu, como que fica? Porque lá não entram duas pessoas de cara virada uma com a outra. E Jesus queria o arrependimento e a salvação de todas aquelas pessoas que o mataram. Depois desse exemplo de Jesus, ninguém de nós tem direito de negar o perdão, seja a quem for e seja de que for.
Perdoar não é sinal de fraqueza; pelo contrário, é sinal de muita coragem, bravura e heroísmo. Panacas são os que não perdoam.
O motivo principal do nosso perdão não está na pessoa que nos ofendeu, mas no mandamento de Deus.
Claro que, depois, vamos ser mais prudentes com aquela pessoa que nos ofendeu ou prejudicou. “Sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas” (Mt 10,16). “Gato que caiu em água quente tem medo de água fria”. Nós vamos evitar situações semelhantes àquela em que a pessoa nos ofendeu ou prejudicou. Mas isso, sem julgar a pessoa.
O perdão é importante principalmente na vida familiar, dentro das quatro paredes de uma casa.
Certa vez, um casal brigou. Brigou feio e ficaram de mal. Quando era necessário dizer alguma coisa ao outro, faziam-no através de bilhetes. Aconteceu que um dia o homem chegou do serviço preocupado. Seu chefe havia marcado uma reunião na firma no dia seguinte, uma hora antes de começar o trabalho. Portanto ele devia levantar-se não às 05:30, como de costume, mas às 04:30 horas. O que ele fez. Escreveu em um papel: "Por favor, me acorde às 04:30 da madrugada". E colocou o bilhete em cima do travesseiro da esposa. E procurou dormir mais cedo.
Quando a esposa foi dormir, encontrou o bilhete. O que ela fez. No dia seguinte, levantou-se às 04:30 e colocou ao lado da cabeça dele o seguinte bilhete: “São 04:30 horas. Está na hora de você se levantar.”
Claro que essa mulher foi cruel. Mas os dois estavam errados, porque, quando entramos em atrito com alguém, a paz deve voltar antes do por do sol. Se isso vale para todos, muito mais para o casal.
A mãe sabe ser “pára-raios” quando membros da família se desentendem. Que a nossa querida Mãe do Céu nos ajude a perdoar e a viver unidos com todos.
Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
Padre Queiroz

5 - Se teu irmão tiver pecado...- Maria Cecília – 15 de agosto - Evangelho - Mt 18,21-19,1

Este evangelho é anunciado logo após Jesus ter tratado do pecador incorrigível, caso extremo que leva a excomunhão. Neste contexto, Ele passa à situação contrária e bem mais comum do perdão e da reconciliação dentro da comunidade. A situação é a mesma: "Se teu irmão tiver pecado..." Mas neste caso, o pecador escuta a parte ofendida, ou algumas testemunhas, ou toda a comunidade. Mas, outra questão surge.. Quantas vezes essa pessoa deve ser perdoada? Pedro, novamente como porta voz do grupo, responde a si mesmo, com o que imagina ser uma resposta generosa: "Até sete vezes?" Porem Jesus o corrige e surpreende quando responde: setenta vezes sete. Não se deve entender literalmente este número, mas sim com o simbolismo que ele traz em si. Na Bíblia, o 7 tem significado de totalidade, plenitude, completação. Assim é vingado Caim (Gn 4,24a).
Quando aparece multiplicado por ele mesmo, como no caso de Lamec, vingado por setenta vezes sete (Gn 4,24b), não significa excesso, mas sim a retirada do limite implicado na totalidade. Essa mesma idéia de totalidade, plenitude, do numero sete, é usada no Novo Testamento. São sete os pães multiplicados e sete os cestos de pedaços que sobraram (Mt 15,34.37). O que deve ser apreendido deste trecho é que ao cristão não cabe colocar limites ao perdão.
Para melhor esclarecer o perdão sem limites, Jesus usa como exemplo, a parábola do devedor implacável. Esta parábola é  uma outra forma narrativa para o segundo pedido que fazemos ao rezar o Pai Nosso: "perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nos perdoamos aos que nos ofenderam" (Mt 6,12). Desta maneira, Ele evidencia que a disposição de Deus para nos perdoar depende da nossa disposição de perdoar os que nos ofendem. Devemos identificar o rei, da parábola, com Deus. Notemos que esse rei é tratado como senhor,  exige uma prestação de contas, e demonstra  sua misericórdia ao perdoar a dívida enorme. Entretanto, o servo implacável nada aprende com o exemplo de seu rei e age de forma cruel com outro servo, que lhe é devedor, fato que resulta na revogação do seu perdão.
Este trecho do evangelho nos adverte de que o perdão de Deus, e inesgotável, mas está condicionado a nossa disposição de perdoar os outros. Mostra-nos também que até o perdão concedido por Deus pode ser revogado, se não soubermos, como Ele, perdoar. Cuidem-se! Os implacáveis São excluídos da misericórdia divina, e aqueles que desejam receber essa misericórdia, precisam ser misericordiosos com os outros.
O evangelista termina sua narrativa dizendo que Jesus, tendo terminado esses discursos, deixou a Galileia, entrando no território da Judéia. Para melhor compreender esta focalização, e preciso esclarecer que, para Mateus, a Galileia é lugar de revelação (cf.4,12-17) e a Judéia é o lugar de rejeição e morte. Sabendo disso, fica claro que este texto de Mateus tem a intenção de orientar as comunidades cristãs sobre como lidar com problemas de busca de posição, escândalo, deslizes, reconciliação e perdão.
Maria Cecília

6 - Perdoar sempre- Diac. José da Cruz - QUINTA FEIRA DA 19ª SEMANA DO TC  15/08/2013 - 1Leitura Josué 3, 7-10 - Salmo 113ª(114),7 “Ante a face de Deus, treme, ó terra! - Evangelho Mateus 18, 21-19,1

Sempre que meditamos esse evangelho, nosso coração certamente se questiona de maneira inquietante porque se dá conta de que perdoar sempre, sem nenhum limite ou condição, a quem nos ofender, é algo quase impossível, pois a gente perdoa, mas quando a vê a pessoa lá vem no coração um restinho da raiva que ali sobrou, pelo mal que ela nos fez. E não adia ta querer disfarçar, pois isso acontece com todos nós, na família, no trabalho e na comunidade.
A prática cristã deixada por Jesus parece sempre tão fascinante mas quando chega nesse amor radical pelo próximo, que ama sempre e perdoa sempre, a gente fica se lamentando, quando percebe que não somos capazes de tal proeza. Será que Jesus, sendo nosso Deus e Senhor, não sabe que teríamos dificuldade para por isso em prática? Se esse for um dos critérios principais para demonstrarmos nossa total fidelidade á Jesus Cristo e a seu evangelho, quem irá sobrar no final? Ou melhor, irá sobrar alguém?
Precisamos compreender esse evangelho com muita clareza, para que o desânimo não nos faça desistir de ser cristão, achando que o mesmo não é para nós, pois não somos perfeitos e santos como Deus espera que sejamos. Então vamos para algumas observações importantes nesse sentido. Em primeiro lugar, como membros da Igreja peregrina nesta terra, na prática das virtudes morais e da relação com o nosso próximo, sem por cento não conseguiremos atingir pois o amor é infinito e sempre há algo novo a ser alcançado na experiência amorosa que fazemos com Deus e com o próximo. É como se marcássemos uma montanha como a nossa referência do horizonte, e quando chegamos lá, descortinamos outro horizonte mais á frente, a ser alcançado.
Foi esta lógica que levou o apóstolo Pedro a descortinar um patamar bem acima das práticas judaicas do perdão, que se limitava a três vezes, com as pessoas mais próximas, Pedro descortinou um horizonte novo, que ao ser alcançado, estaria em concordância com os ensinamentos do Mestre, ou seja, há um limite, um patamar que é a referência, e que cada um deve esforçar-se em atingi-lo. Talvez isso possa se aplicar a outras religiões como o próprio Judaísmo, Hinduísmo, Mulçumanos e outras mais, onde a Divindade se deixa encontrar mas isso requer o esforço humano de elevar-se a patamares mais altos, na virtude moral e na relação com o outro. No cristianismo porém, isso cai por terra, pois a iniciativa é sempre de Deus, é ele que nos atrai para a Salvação que ele mesmo oferece.
Esse evangelho não exige de nós que da noite para o dia a gente saia por aí, á procura de quem nos ofendeu, ofereça a ele o nosso perdão e tudo volte a ser como era antes. Isso seria uma grande utopia. Exatamente por isso que a parábola nos mostra algo de grandioso... a relação amorosa de Deus para com cada um de nós, tínhamos para com ele uma dívida impagável ( o Devedor da parte 1 da parábola, aquele que implorou e suplicou pedindo um prazo) o Credor sabia que jamais ele pagaria, e perdoou totalmente toda a dívida. É aqui que vem a prática que Jesus ensinou aos discípulos: ter pelo menos um coração que consiga perdoar o “pouco” que o próximo nos deve e para isso, basta apenas sempre termos presente que a nossa dívida era impagável  e ele nos perdoou.
Fica como conclusão desta reflexão, prestarmos muita atenção ao nosso dia a dia, onde as pequenas ofensas que possamos receber, no trânsito, na família, no trabalho e até na comunidade, possam ser relevadas, sinal de que há em nós uma misericórdia Cristã, que sempre se exercita em pequenos gestos de perdão, estando assim preparados para perdoar também uma grande ofensa, quantas vezes seja necessário.

7 - Quem muito foi perdoado por que não perdoa? -Alexandre Soledade

Bom dia!
Começo essa reflexão com a sugerida pelo site da CNBB;
“(…) Nós não temos como pagar a Deus para obtermos o perdão dos nossos pecados, de modo que merecemos a paga pelos mesmos que é a morte. Mas o amor misericordioso de Deus não permite que nenhum dos seus filhos e filhas seja entregue à morte, de modo que a verdadeira paga pelos nossos pecados foi a obediência de Jesus, amando-nos até o fim e, assim, apesar dos nossos pecados, temos a eterna aliança com ele. DESSE MODO, DEUS NOS DÁ O EXEMPLO DO VERDADEIRO PERDÃO, NOS ENSINANDO QUE TUDO DEVEMOS FAZER PARA RESTAURAR A UNIDADE PERDIDA POR CAUSA DOS MALES QUE AS PESSOAS COMENTEM CONTRA NÓS”.
Tai uma das situações que precisam de nossa atenção para nosso crescimento: O perdão.
Perdoar ou pelo menos relevar uma situação, pode sim demonstrar um grande grau de maturidade nosso como cristão. Bem sabemos que existem coisas que são mais fáceis de esquecer e outras que somente o tempo curará (e talvez não se apague por completo), talvez seja por isso, um dos grandes desafios a serem enfrentados nas relações sociais, em comunidade ou apenas entre duas pessoas.
Se por um lado o perdão revela a maturidade ou a vontade daquele que desculpa, a insistência em brigar revela o quanto precisamos ainda crescer. Talvez seja essa a maior causa das brigas – a insistência em brigar.
Quem muito foi perdoado por que não perdoa? Quem já conhece bem a vontade de Deus em sua vida, por que não o honra com a mudança de atitude e não somente com as palavras? Se notamos que a discussão não levará em nada por que não por um ponto final? No evangelho e na nossa vida, se o perdão foi dado, por que o servo (ou eu) não perdoou uma divida menor?
Talvez a resposta seja que nossa conduta não anda na mesma mão das nossas palavras.
Outro ponto… O perdão reabre horizontes para aquele que foi perdoado em especial os condenados injustamente. Se sei disso por que retenho o perdão? Orgulho?
Desse mal sofrem as pessoas que por vezes nada nos fizeram, mas os nossos pré-conceitos as afastam de nós e da comunidade. São aqueles que conhecemos por onde andaram e conseqüentemente o dano que proporcionaram a suas vidas e a dos outros com suas atitudes. Quem não conhece a história de alguém que errou, se arrependeu, mas que nunca mais conseguiu se levantar pela falta de amor dos irmãos em acolhe-lo?
Quando dizem que as pessoas que muito erraram acabam se tornando evangélicas é uma dura verdade. Temos ainda uma tremenda deficiência em acolher aquele que volta. Por vezes queremos saber o que e como fizeram, por onde andaram, (…) mas nada fazemos de concreto para recebê-los. E mais uma vez, fui perdoado do castigo, mas com empenho anda maior pulo do pescoço do que esta frágil.
“(…) Tomai precaução, meus irmãos, para que ninguém de vós venha a perder interiormente a fé, a ponto de abandonar o Deus vivo. Antes, animai-vos mutuamente cada dia durante todo o tempo compreendido na palavra hoje, para não acontecer que alguém se torne empedernido com a sedução do pecado. Porque somos incorporados a Cristo, mas sob a condição de conservarmos firme até o fim nossa fé dos primeiros dias…”. (Hebreus 3, 12-14)
Sim é bem verdade que o que retorna deve por si só reconquistar a confiança e o seu espaço, mas se patrão já perdoou, por que é que nos comportamos como os donos da chave da porta?
O perdão deve reabrir horizontes no perdoado, sendo semelhante ao preso que deixa a cadeia e passa dar valor a liberdade. SER LIVRE É VIVER, mas cada um tem o direito de escolher se deseja viver brigando ou caminhado. Eu escolhi caminhar! E de preferência acompanhado.
Um imenso abraço fraterno.

8 - Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.-Claretianos - Quinta-feira, 15 de agosto de 2013 - 19ª Semana do Tempo Comum

Primeira leitura: Josué 3,7-10a.11.13-17
Eis que a arca da aliança do Senhor de toda a terra vai atravessar o Jordão adiante de vós.
Salmo responsorial: Salmo 113A, 1-2.3-4.5-6
Aleluia, Aleluia, Aleluia
Evangelho: Mateus 18, 21-19
,1

Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete.
O tema de hoje trata da experiência do perdão. Eu só consigo perdoar na medida que faço a experiência do perdão na minha vida. Sentir-se perdoado, acolher o perdão e a misericórdia de Deus é o fundamento da própria experiência do divino em nossa vida. E ela tem relação com o meu relacionamento com as outras pessoas.
A minha relação com o outro deve imitar a reação que o próprio Deus tem comigo. O que o Senhor fez comigo é o que somos convidados a fazer com os outros. Pedro, ainda influenciado pela lógica humana, pergunta a Jesus sobre os limites do perdão, que devem ser ilimitados. O evangelista conhece a importância do perdão para a vida, não só de cada pessoa, mas também da vida da comunidade, ao revelar o profundo significado desse gesto.
O perdão na comunidade não pode ter limites, pois Deus perdoou nossa dívida incalculável que temos para com ele. Quem experimenta a misericórdia do Pai não pode andar calculando as fronteiras do perdão e do acolhimento ao irmão e quem não perdoa não é perdoado.
O amor exige o perdão sem medida
Só pode amar quem sabe perdoar, e perdoar é a consequência de quem ama, porque o amor exige o perdão sem medida.
“Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: ‘Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?’ Jesus respondeu: ‘Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete’” (Mt 18,21-22).
A característica daquele que se faz discípulo de Nosso Senhor Jesus Cristo é aprender a ter um coração como o d’Ele. O Senhor veio até nós para nos ensinar a vivermos como Seus filhos, nos ensinar a encontrar a graça primitiva, a graça amorosa da qual Ele nos criou.
Aqueles que tem em si o Espírito do Senhor têm a capacidade de amar e perdoar. Essas são duas coisas inseparáveis no coração de um discípulo de Cristo, são como dois pulmões. Só pode amar quem sabe perdoar, e perdoar é a consequência de quem ama, porque o amor exige o perdão sem medida.
Às vezes, nós amamos alguém até que este nos faça mal, até nos ferirmos, nos machucarmos. Isso é muito difícil, porque, no caminho da vida, existem os acidentes ou percalços da vida. Só existe um remédio para cicatrizar esse mal que fica em nosso coração por causa dos desentendimentos humanos: o perdão sem medida.
Muitas vezes, nós nos sentimos cansados, sem forças para perdoar, mas, na verdade, não é o outro quem precisa do nosso perdão, mas sim o nosso coração, a fim de que possamos estar bem, respirarmos profundo e vivermos o bem. Para viver uma vida intensa nosso coração precisa perdoar sempre.
Hoje, a graça que estou pedindo a Jesus é que Ele venha quebrar o nosso coração para que este se torne semelhante ao do Senhor. Só quem tem um coração manso e humilde, aberto para amar sem medida é capaz de perdoar sempre, até setenta vezes sete.
Que o Senhor nos conceda hoje e sempre essa graça.
Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter


ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA: OLHAR PARA O CÉU PARA AMAR A TERRA 
(Liturgia da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora) - 15 de Agosto

De vez em quando olho para o céu estrelado durante as noites sem nuvens. Parece que é quase possível tocar com as estrelas luminosas que pululam, dando a impressão de que estão bem próximas, ao nosso alcance, não obstante estejam distantes a milhões de quilómetros.
As leituras da festa da Assunção de Nossa Senhora convidam-nos a levantar os olhos na direcção do céu. A primeira leitura do livro do Apocalipse (11,19; 12,1.3-6.10) contém uma visão celeste e o objectivo final da humanidade, destinada a participar da ressurreição de Cristo e da comunhão com Deus, como lemos na segunda leitura (1Cor 15,20-27).
Na verdade o que o Evangelho contém é, em primeiro lugar, uma "ascensão" de Maria, mas não em direcção ao céu e não no final da sua vida: “Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá”. A sua ascensão, mesmo antes da sua Assunção é a subida para a região montanhosa, para que lá no alto, faça o seu Sim transformar-se em serviço!
Isso acontece no início, depois de ter recebido a visita do anjo Gabriel, de Nazaré põe-se em viagem rumo às montanhas da Judeia, para visitar a “velha” parente Isabel, de quem o anjo Gabriel havia falado.
Contemplando esses três quadros que a liturgia “desenha” nesta festa, podemos compreender o seu significado e colher os frutos para a nossa vida.
O quadro do Apocalipse desenha uma luta. De um lado, uma mulher grávida, que dá a luz um filho. Aqui podemos contemplar a humanidade que traz em si o anseio por vida. De outro lado, um dragão que ameaça devorar o filho. Neste quadro podemos ver o mal que atenta contra a vida!
O parto é bem-sucedido e o filho é levado diante de Deus, protegido contra os ataques do mal. A luta entre o bem e o mal, que presenciamos todos os dias no mundo e experimentamos na nossa própria vida, já é vitoriosa se olharmos para a visão celeste. O Filho, Jesus, já está na glória de Deus, ainda que a humanidade, representada pela mulher, ainda esteja a caminho nesta terra, por um tempo transitório.
O quadro da leitura da carta aos Coríntios faz-nos contemplar o Cristo ressuscitado, que venceu a morte não só para si mesmo, mas também para todos os membros do Seu corpo, haja vista que a Sua ressurreição difunde os seus efeitos sobre todos aqueles que crêem n’Ele.
O presente, tempo em que Paulo escreve aos Coríntios: “Como em Adão todos morrem”, é o tempo no qual Jesus submete a Si o inimigo, até o momento de entregar o Seu Reino (“a realeza”) ao Pai, e a Sua Obra será, então, completada.
Entre aqueles que crêem em Cristo e recebem os frutos da Sua ressurreição está a Sua mãe. Maria Assunta ao Céu representa a humanidade que já participa da ressurreição de Cristo. É nela, que representa todos nós, que Jesus cumpre a promessa feita aos discípulos: “Quando tiver ido ao Pai, voltarei e vos levarei comigo”.
A nossa humanidade já se encontra, portanto, no Céu, não somente por que Jesus é o homem, mas também por causa de Maria.
O terceiro quadro que as leituras da solenidade da Assunção de Nossa senhora pintam é um quadro mais terrestre e mais humilde. Nele a jovem de Nazaré vai visitar uma parente idosa da Judeia. O pintor desse quadro (Lucas) não nos dá muitos detalhes dessa visita, nem da viagem e nem da permanência de Maria naquela casa. Toda a atenção é canalizada para o diálogo entre a idosa Isabel e a jovenzinha Maria.
Isabel bendiz a Maria saudando-a como a “mãe do meu Senhor” e tece o mais belo elogio à Maria: “Bem-aventurada é aquela que acreditou”.
Naturalmente era de se esperar que Maria respondesse ao elogio mas, na realidade, ela abre a boca para louvar o Senhor com o belíssimo cântico do Magnficat. É através do cântico que Maria louva a Deus que realizou maravilhas na sua vida, bem como na história do seu povo, para o qual se revelou como Aquele que faz justiça, exalta os humildes e derruba os poderosos.
Maria reconhece na sua história pessoal e na história do seu povo a acção transformadora de Deus. É por isso que ela crê que isso não é apenas uma ilusão, mas o verdadeiro caminho da história. Maria aponta para nós, portanto, o Deus que olha para a realidade da humanidade: “porque olhou para sua pobre serva”. A sua fé é uma fé encarnada na realidade. Aliás, foi essa fé que fez com que Maria acolhesse o Filho de Deus; foi a fé que lhe permitiu acompanhá-lo até a cruz e, finalmente, foi a fé que lhe abriu o caminho do Céu.
Um Céu que não é uma realidade somente com o “fim” da nossa caminhada na Terra, mas que começa já aqui para quem sabe “ler” nos eventos da vida e da história a presença libertadora e salvífica de Deus.  Este vislumbrar o céu permitiu a Maria viver em plenitude a vocação na Terra, e a humilde obediência à vida quotidiana na casa de Nazaré, a preparou para entrar no Céu com o seu Filho.

Maria antecipa o nosso destino de participação na ressurreição de Jesus, porque nos precedeu no caminho de uma fé plena e total a Deus, que se transformou em obediência à Sua vontade na Terra.
FONTE: Pe. ulrish pais (Google+)
Sacerdote de Lisboa

LEITURA ORANTE

Mt 18,21-19,1 - Perdoar é amar



Preparo-me para a Leitura Orante, rezando o Salmo 24
Mostrai-me, Senhor, vossos caminhos,
e fazei-me conhecer a vossa estrada!
Vossa verdade me oriente e me conduza,
porque sois o Deus da minha salvação.
Recordai, Senhor Deus,
vossa ternura e vossa compaixão que são eternas.
De mim lembrai-vos, porque
sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Leio com calma e atentamente, na minha Bíblia:  Mt 18,21-19,1.
Então Pedro chegou perto de Jesus e perguntou:
- Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão que peca contra mim? Sete vezes?
- Não! - respondeu Jesus.
- Você não deve perdoar sete vezes, mas setenta e sete vezes.  Porque o Reino do Céu é como um rei que resolveu fazer um acerto de contas com os seus empregados. Logo no começo trouxeram um que lhe devia milhões de moedas de prata. Mas o empregado não tinha dinheiro para pagar. Então, para pagar a dívida, o seu patrão, o rei, ordenou que fossem vendidos como escravos o empregado, a sua esposa e os seus filhos e que fosse vendido também tudo o que ele possuía. Mas o empregado se ajoelhou diante do patrão e pediu: "Tenha paciência comigo, e eu pagarei tudo ao senhor."
- O patrão teve pena dele, perdoou a dívida e deixou que ele fosse embora. O empregado saiu e encontrou um dos seus companheiros de trabalho que lhe devia cem moedas de prata. Ele pegou esse companheiro pelo pescoço e começou a sacudi-lo, dizendo: "Pague o que me deve!"
- Então o seu companheiro se ajoelhou e pediu: "Tenha paciência comigo, e eu lhe pagarei tudo."
- Mas ele não concordou. Pelo contrário, mandou pôr o outro na cadeia até que pagasse a dívida. Quando os outros empregados viram o que havia acontecido, ficaram revoltados e foram contar tudo ao patrão. Aí o patrão chamou aquele empregado e disse: "Empregado miserável! Você me pediu, e por isso eu perdoei tudo o que você me devia. Portanto, você deveria ter pena do seu companheiro, como eu tive pena de você."
- O patrão ficou com muita raiva e mandou o empregado para a cadeia a fim de ser castigado até que pagasse toda a dívida.
E Jesus terminou, dizendo:
- É isso o que o meu Pai, que está no céu, vai fazer com vocês se cada um não perdoar sinceramente o seu irmão.
Depois de dizer isso, Jesus saiu da Galileia e foi para a região da Judeia que fica no lado leste do rio Jordão.
O perdão só é possível a quem ama. Deus ama a cada pessoa com seu amor infinito. Ama, com capacidade de perdoar, quem se sente amado por Deus. À pergunta de Pedro: "Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão que peca contra mim? Sete vezes? " Jesus disse que não só sete vezes, mas setenta vezes sete. Ou seja, na comunidade dos seguidores de Jesus não existe limite para o perdão. "Setenta vezes sete" quer dizer, sempre! A história que Jesus conta em seguida é para lembrar que também nós precisamos de perdão, também nós somos perdoados, por isso, devemos perdoar sempre.

2. Meditação (Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
O Evangelho de hoje me questiona profundamente, sobretudo se tenho dificuldade de perdoar. Devo me lembrar de que o perdão mede a minha capacidade de amar.
São Paulo fala sobre o amor cristão, em 1Cor 13, 4-7.Diz  ele:
"Quem ama é paciente e bondoso.
Quem ama não é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso.
Quem ama não é grosseiro nem egoísta;
Não fica irritado, nem guarda mágoas.
Quem ama não fica alegre quando alguém faz uma coisa errada, mas se alegra quando alguém faz o que é certo. Que ama nunca desiste, porém suporta tudo com fé, esperança e paciência. "
"O sacramento da reconciliação é o lugar onde o pecador experimenta de maneira singular o encontro com Jesus Cristo, que se compadece de nós e nos dá o dom de seu perdão misericordioso, faz-nos sentir que o amor é mais forte que o pecado cometido, nos liberta de tudo o que nos impede de permanecer em seu amor, e nos devolve a alegria e o entusiasmo de anunciá-lo aos demais com o coração aberto e generoso."
(DAp 254)

3. Oração (Vida)
Uma oração recomendada pela Igreja está no documento de Aparecida: .Rezo um Pai Nosso, pedindo a graça de buscar e acolher o sacramento da reconciliação.

4. Contemplação (Vida/ Missão)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Quero hoje e todos os dias de minha vida  ter um olhar de amor que tudo perdoa, tudo desculpa, tudo crê!

nção
Jesus Divino Mestre seja para ti
a verdade que ilumina,
o caminho da santidade,
a vida plena e eterna.
Que ele te guarde e defenda.
Plenifique de todos os bens
a ti e a todos que amas.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Amém.
(Bem-aventurado Tiago Alberione, fundador da Família Paulina)

Ir. Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, ensina-nos a generosidade, a gratuidade, a fraternidade. Que só de bênçãos se encha o nosso coração – incapaz de julgamentos e culpas, mas sempre aberto ao perdão e ao acolhimento. Que construamos uma comunidade de amigos, nós te pedimos pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.