segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Você sabia que:


 O Espírito Santo é "Consolador" porque sua missão é a de acompanhar e fortalecer aos cristãos em sua luta quotidiana por ser fiéis aos desígnios de Deus.

Podcast - Ouça a história do santo do dia

Podcast

Podcast - Ouça a Homilia do Evangelho do dia

Podcast

Homilia do dia

Lucas 1,26-38

Homilia
Data
12/09/13
12/08/13

Podcast - Ouça o Evangelho do Dia

Podcast

Evangelho do dia

Lucas 1,26-38

Evangelho
Data
12/09/13
12/08/13
12/06/13

TERÇOS – VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
 

TERÇO DA FÉ
 

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello – VÍDEO


Proteste contra o PLC 103/2012 – Ideologia de gênero na educação


Neste dia 11 de dezembro de 2013, à tarde, será votado no Plenário do Senado, em regime de urgência, o PLC 103/2012, mais conhecido como Plano Nacional da Educação. O projeto estabelece diretrizes para a educação nacional durante os próximos dez anos. A versão aprovada no dia 27 de novembro na Comissão de Educação do Senado, sob a relatoria do Senador Alvaro Dias, não mencionava a questão de gênero, mas no fim da tarde de sexta-feira, dia 6 dezembro, o Senador Vital do Rêgo protocolou, sob pressão do Ministério da Educação, um substitutivo que estabelece a igualdade de gênero e orientação sexual como diretriz da educação nacional. Se o Senado brasileiro aprovar nesta quarta-feira o Substitutivo Vital do Rêgo para o Plano Nacional da Educação, todos os alunos serão obrigados a aprender nas escolas a ideologia de gênero, que apresenta como sexualidade toda a abundância de opções fora dos padrões relacionados com a construção de uma família tradicional, uma instituição que não têm qualquer sentido dentro da ideologia de gênero.

LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Mensagens diárias prá vc

Terço - Mistério Gozosos - Segunda-Feira e Sábado


Terço do Rosário: Mistérios Gozosos



São Pedro Fourier - 09 de Dezembro


São Pedro Fourier
1565-1640
Fundou a Congregação de Nossa 
Senhora das Cônegas de Santo
Agostinho 
Pedro Fourier nasceu em 30 de novembro de 1565, em Mirecourt, uma pequena aldeia da Lorena, na França. Ainda jovem, tornou-se um professor admirado e respeitado por seu caráter e competência, que quase todas as famílias desejavam lhe entregar seus filhos para educar. Percebendo o chamado para a vida religiosa, ao completar vinte anos entrou para a Ordem dos Cônegos de Santo Agostinho, onde cursou teologia e filosofia, para finalmente ser ordenado sacerdote.

São João (Juan) Diego Cuauhtlatoatzin - 09 de Dezembro


São João (Juan) Diego
Cuauhtlatoatzin
1474-1548
Os registros oficiais narram que Juan Diego, para nós João Diego, nasceu em 1474 na calpulli, ou melhor, no bairro de Tlayacac ao norte da atual Cidade do México. Era um índio nativo, que antes de ser batizado tinha o nome de Cuauhtlatoatzin, traduzido como "águia que fala" ou "aquele que fala como águia".

Santa Joana Francisca de Chantal - 09 de Dezembro




Santa Joana Francisca de Chantal, modelo de mãe, irmã e religiosa

Neste dia queremos lembrar a vida da santa que na liturgia comemoraremos amanhã, Joana Francisca de Chantal, modelo de jovem, mãe, irmã e, por fim, de religiosa. Nasceu em Dijon, centro da França, em 1572 e foi pelas provações modelada até a santidade.

Luís (Alojzy) Liguda e companheiros - 08 de Dezembro

Luís (Alojzy) Liguda e companheiros
Bem-aventurado
1898-1942
O ódio racial disseminado pelo nazismo provocou mais de cinco milhões de vitimas na população civil polonesa, dos quais muitos eram religiosos, sacerdotes, bispos e leigos atuantes católicos.

Festa da Imaculada Conceição de Maria



A doutrina da Imaculada Conceição, cuja memória litúrgica celebra-se neste segundo domingo do Advento, sempre foi uma realidade muito constante nos escritos dos santos. Desde os primeiros séculos, a cristandade já recordava a Virgem Maria como aquela que fora preservada de toda mancha do pecado - a Tota Pulchra, como canta a antífona própria desta festa. Ao contrário de Eva, a também virgem imaculada que respondeu à visita do anjo decaído com seu não a Deus, Maria é a virgem imaculada que, recebendo em sua casa a presença de São Gabriel, respondeu com o seu sim: "Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua Palavra".

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 09/12/2013

9 de Dezembro de 2013

ANO A


Lc 5,17-26

Comentário do Evangelho

É Deus quem perdoa

A fé dos que carregavam o paralítico provoca a reação de Jesus: “Homem, teus pecados são perdoados” (v. 20). Mas “quem pode perdoar os pecados, a não ser Deus?” (v. 21). Por isso os escribas e fariseus presentes vão acusar de blasfêmia a declaração de Jesus. No entanto, o passivo divino empregado – “teus pecados são perdoados” – revela que o sujeito da ação de perdoar é Deus. É Deus quem perdoa, e o mediador do perdão de Deus é Jesus. O perdão efetivo pode ser verificado pela cura: “... levantando-se diante de todos, pegou a maca e foi para casa, glorificando a Deus” (v. 25). O perdão, do qual Cristo é o mediador, liberta da enfermidade e solta a língua: no início do relato nem uma palavra foi atribuída ao paralítico; no término do relato, no entanto, ele sai “glorificando a Deus”, em reconhecimento da ação de Deus.
Carlos Alberto Contieri, sj
ORAÇÃO
Espírito que cura interiormente, toca o mais íntimo de meu ser, para que eu consiga superar o meu egoísmo, e seja capaz de levar os benefícios de Deus a quem precisa de mim.

Vivendo a Palavra

O coração humano não é capaz de imaginar o que o Pai tem preparado para aqueles que amam. E Jesus traz os primeiros sinais: a cura do corpo, a inclusão dos discriminados, o perdão dos pecados. Tenhamos consciência de que também são estes os sinais que devem distinguir a sua Igreja entre os homens.

Reflexão

Nós temos muitas dificuldades para vermos os verdadeiros valores que devem marcar a existência humana e, por isso, não damos importância a eles e até mesmo fechamos o nosso coração à ação divina, dificultando a sua realização. É o caso do Evangelho de hoje, no qual a importância maior é dada para a cura do corpo, sem levar em consideração a cura espiritual e o julgamento de que esta é impossível. Os tempos messiânicos são a expressão da verdadeira hierarquia de valores, na qual os perenes estão acima dos temporais.

Recadinho


A perseverança, alicerçada na fé nas palavras de Deus, nos tornam capazes de presenciar milagres! Mas que tipo de milagres desejamos?

Será que não ficamos olhando ao nosso redor e sonhando com coisas absurdas? - Você já presenciou alguma coisa maravilhosa? - O que você considera sua maior maravilha? - Algumas pessoas levaram o paralítico até Jesus. Tenho muitas oportunidades de levar alguém a se aproximar de Deus?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

MANIFESTOU-SE O PODER DE DEUS

A religiosidade de Israel ansiava por manifestações espetaculares do poder de Deus na história humana. As antigas tradições referiam-se a grandiosos gestos salvíficos de Javé, em favor de seu povo. Os profetas, por sua vez, referiam-se às ações que o Messias realizaria, quando de seu advento. Todas elas formidáveis!
O ministério de Jesus consistiu numa contínua manifestação do poder divino, sem, contudo, se enquadrar nos esquemas tradicionais vigentes. Já por sua origem e condição social distanciava-se das esperanças de um Messias de estirpe sacerdotal ou régia. Seu despojamento e sua opção pela pobreza impediam que o identificassem com o esperado Messias glorioso e poderoso.
O modo como manifestava o poder divino tinha alguns traços característicos: visava sempre recuperar a dignidade humana, de tantas formas aviltada; estava a serviço da libertação do ser humano, de toda sorte de opressão; buscava reconciliá-lo com Deus, por meio do perdão dos pecados; protegia-o da rigidez das tradições religiosas. Consistia em possibilitar ao ser humano caminhar com os próprios pés, liberto de todas as amarras que o impedem de pôr-se à disposição de Deus e do próximo. É a libertação para o amor!
O episódio da cura do paralítico, colocado diante de Jesus através de um buraco aberto no teto da casa, é uma das muitas maravilhosas manifestações do poder de Deus.
Oração
Pai, teu poder divino manifestou-se, de modo admirável, no ministério de Jesus. Torna-me também beneficiário deste poder que me abre para o amor misericordioso.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Cheguem à vossa presença, ó Deus, as nossas orações suplicantes, e possamos celebrar de coração puro o grande mistério da encarnação do vosso Filho. Que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.


REFLEXÕES DE HOJE


09 de DEZEMBRO - SEGUNDA


Liturgia comentada

Quem pode perdoar pecados... (Lc 5, 17-26)
Corremos o risco de valorizar as coisas visíveis, sem perceber a ação misteriosa de Deus em nossa vida. Assim, neste Evangelho, temos os dois planos da ação divina: o exterior (devolver o movimento a um paralítico) e o interior (perdoar seus pecados).
Em um primeiro momento, comovido pela fé dos quatro amigos que, diligentemente, trouxeram o enfermo à sua presença, Jesus lhe confere o perdão dos pecados. Claro que isto não se nota “do lado de fora”, é um milagre íntimo da onipotente misericórdia de Deus. Os escribas e fariseus ali presentes entendem as palavras de Jesus como autêntica blasfêmia, pois “só Deus pode perdoar pecados”. Não podem crer na transformação ocorrida naquele doente.
Logo, em tom de desafio, Jesus ordena ao paralítico que se erga do catre e volte para casa, carregando a enxerga. Isto, sim, podia ser visto e comprovado. E Jesus o fez como sinal de que seu primeiro gesto também fora verdadeiro.
Deixando de lado a evidência de que muitos males físicos têm como raiz algum tipo de pecado crônico, fixemos nosso pensamento em um ponto de máxima atualidade. Nossa sociedade está paralisada diante das crises e desafios do novo milênio. Violência e insegurança, corrupção e depravação dos costumes, rebeldia e choque de gerações - de todos esses males, brota na humanidade uma terrível sede de reconciliação. Vale a pena recordar as palavras do saudoso Papa João Paulo II:
“O mesmo olhar indagador, se é suficientemente perspicaz, captará no seio da divisão um desejo inconfundível, da parte dos homens de boa vontade e dos verdadeiros cristãos, de recompor as fraturas, de cicatrizar as lacerações e de instaurar, em todos os níveis, uma unidade essencial. Este desejo comporta, em muitos casos, uma verdadeira nostalgia de reconciliação, mesmo quando não é usada tal palavra.” (Reconciliação e Penitência, 3.)
A causa mais profunda da doença existencial de nosso tempo, que se manifesta como stress e depressão, vazio e ausência de sentido, pode ser identificada como um sentimento de culpa que rói a alma humana. Lá no fundo, o homem sabe que se afastou do Pai, recusou sua voz, maculou sua imagem.
Como o pródigo do Evangelho, o homem “sabe” que existe um lar à sua espera. E intui que a comida dos porcos não alimentará seu espírito. Por isso mesmo, tem saudades de Deus. Por que, então, não voltar à casa do Pai?
Orai sem cessar: “Volta, Israel, ao teu Senhor!” (Os 14,1)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br

Jesus nos liberta da paralisia do pecado

Nós, que somos paralisados por causa do pecado, nos levantemos da prostração e vamos ao encontro d’Aquele que nos liberta de todo o mal.
“E Jesus disse: ‘Homem, teus pecados estão perdoados’” (Lc 5,20). 
Aquelas pessoas tentavam, de alguma forma, levar aquele paralítico, que estava em cima de um leito, para poder apresentá-lo a Jesus. Subiram até pelo telhado, arrancaram as telhas e, no meio da assembleia, apresentaram o homem paralítico ao Senhor Jesus. 
Jesus ficou comovido com tamanha fé. E antes de dizer ao paralítico que levantasse e andasse, a primeira coisa que o Senhor disse foi: “Teus pecados estão perdoados”, para que eu e você tenhamos convicção disto: de que nada nesta vida nos paralisa mais e nos mantém mais presos  – com nossos pés “embaraçados”  – do que os nossos pecados! 
Sabe, meus irmãos, nossa vida, muitas vezes, encontra-se parada e daí as pessoas querem recorrer a “isso” ou “àquilo”. “Por que a minha vida não anda?” “Por que a minha vida não vai para frente?” E, algumas vezes, até acumulando pecado sobre pecado. 
E hoje o Senhor também nos diz que os pecados – sejam eles quais forem – paralisam a nossa vida, quando nós acumulamos pecado sobre pecado, quando não nos arrependemos daqueles enlaces, correntes e redes, que o pecado vai criando em nós, para nos manter presos, para não nos dar a liberdade. De modo que, muitas vezes, o pecado é uma força maior do que nós: ele nos arrasta “pra lá e pra cá”, e é uma dureza quando o pecado vira vício! Qualquer vício! Vício de beber, vício das drogas, vício de mentir, vício de fofocar. Isso nos mantém cativos e escravos dele. 
A primeira coisa que precisamos pedir a Deus é a graça de sair da paralisia que o pecado causa em nós, sair do espírito da prostração, que o pecado causa em nós. É difícil, para uma pessoa escrava de algum vício, ter força até para ir à igreja, ser fiel aos sacramentos, como para procurar a própria graça da confissão. Porque, deixe-me lhe dizer, a vida espiritual dela está paralisada. 
Mas este homem do Evangelho de hoje viu que sua vida não podia continuar daquela forma. E muitas pessoas o ajudaram. Descobriram o telhado para levá-lo ao encontro de Jesus. 
Nós também precisamos levar os paralíticos ao Senhor. Se os primeiros paralíticos somos nós, então peçamos ajuda aos irmãos: “Me ajude, minha irmã! Me ajude, meu irmão! Me leve a Jesus, porque eu preciso d’Ele, para me libertar da paralisia que prende os meus pés”. 
Para isso, muitas vezes, no meio de nós, na nossa casa, na nossa família, precisamos abrir as portas, carregar pessoas no colo, abrir telhados, portas e janelas para levar tantos paralíticos ao encontro de Jesus. Quando o Senhor perdoa os nossos pecados, as nossas pernas, o nosso coração e tudo aquilo que começa a paralisar nossa vida sai da frente e, assim, a nossa vida começa a ter outro sentido e outra direção. 
Nós, que somos paralisados por causa do pecado, nos levantemos da prostração e vamos ao encontro d’Aquele que nos liberta de todo o mal! 
Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Facebook Twitter
LEITURA ORANTE

Lc 5,17-26 - Livre por dentro e por fora



Em união com todos que se encontram neste ambiente virtual,
iniciamos nossa Leitura Orante do Advento, com a
Canção do Advento
Ó vem, Senhor, não tardes mais! 
Vem saciar nossa sede de Paz!   
  1.   Ó vem, como chega a brisa do vento,
 
Trazendo aos pobres justiça e bom tempo!
2.   Ó vem, como a chuva no chão   
Trazendo fartura de vida e de pão!
3.   Ó vem, como chega a luz que faltou   
Só tua palavra nos salva Senhor!
4.   Ó vem, como chega a carta querida   
Bendito carteiro do Reino da Vida!
5.   Ó vem, como chega o filho esperado   
Caminha conosco Jesus Bem amado!
6.   Ó vem, como chega o Libertador   
Das mãos do inimigo nos salva Senhor

1. Leitura (Verdade) 
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente na Bíblia, o texto: Lc 5,17-26, e observo pessoas, palavras, relações, lugares.
Um dia Jesus estava ensinando, e alguns fariseus e alguns mestres da Lei estavam sentados perto dele. Eles tinham vindo de todas as cidades da Galiléia e da Judéia e também de Jerusalém. O poder do Senhor estava com Jesus para que ele curasse os doentes. Alguns homens trouxeram um paralítico deitado numa cama e estavam querendo entrar na casa e colocá-lo diante de Jesus. Porém, por causa da multidão, não conseguiram entrar com o paralítico. Então o carregaram para cima do telhado. Fizeram uma abertura nas telhas e o desceram na sua cama em frente de Jesus, no meio das pessoas que estavam ali. Jesus viu que eles tinham fé e disse ao paralítico: 
- Meu amigo, os seus pecados estão perdoados! 
Os mestres da Lei e os fariseus começaram a pensar: 
- Quem é este homem que blasfema contra Deus desta maneira? Ninguém pode perdoar pecados; só Deus tem esse poder. 
Porém Jesus sabia o que eles estavam pensando e disse: 
- Por que vocês estão pensando assim? O que é mais fácil dizer ao paralítico: "Os seus pecados estão perdoados" ou "Levante-se e ande"? Pois vou mostrar a vocês que eu, o Filho do Homem, tenho poder na terra para perdoar pecados. 
Então disse ao paralítico: 
- Eu digo a você: levante-se, pegue a sua cama e vá para casa. 
No mesmo instante o homem se levantou diante de todos, pegou a cama e foi para casa, louvando a Deus. Todos ficaram muito admirados; e, cheios de medo, louvaram a Deus, dizendo: 
- Que coisa maravilhosa nós vimos hoje!

Naquela época, a doença era entendida como causada pelo pecado. Assim pensavam: o pecado invisível era causador dos males visíveis. Para curar aquele paralítico Jesus vai direto à raiz: “os seus pecados são perdoados”, diz ao paralítico. Em seguida, reagem os mestres da Lei. Para eles, Jesus estava blasfemando contra Deus, pois só Deus pode perdoar pecados. Jesus, sabendo o que eles estavam pensando, os questionou e lhes deu mais uma prova de sua divindade, mandando ao paralítico se levantar e andar. O homem, curado, obedeceu e foi para sua casa, louvando a Deus. Foi curado por dentro e por fora. Conquistou, pela graça, a capacidade de caminhar por si.

2. Meditação (Caminho) 
O que o texto diz para mim
, hoje?
Nossos pastores na Conferência de Aparecida, confirmaram esta certeza de que Jesus Cristo liberta toda pessoa de todo pecado:Nossa alegria baseia-se no amor do Pai, na participação no mistério pascal de Jesus Cristo que, pelo Espírito Santo, faz-nos passar da morte para a vida, da tristeza para a alegria, do absurdo para o sentido profundo da existência, do desalento para a esperança que não engana. Esta alegria não é um sentimento artificialmente provocado nem um estado de ânimo passageiro. O amor do Pai nos foi revelado em Cristo que nos convida a entrar em seu reino.”( DAp 17).
Creio que Jesus Cristo me liberta de todos os males?
Onde o encontro?

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
 
Faço minha oração pessoal e depois, rezo a
Oração a Nossa Senhora da Anunciação
Todas as gerações vos proclamem bem-aventurada, 
ó Maria!
Crestes na mensagem celeste,
 
e em vós se cumpriram grandes coisas,
 
como vos fora anunciado.
 
Maria, eu vos louvo!
Crestes na encarnação do Filho de Deus
no vosso seio virginal 
 
e vos tornastes Mãe de Deus.
 
Raiou então o dia mais feliz da história da humanidade!
 
Os homens tiveram o Mestre divino,
 
o Sacerdote único e eterno,
 
a Hóstia de reparação,
 
o Rei universal!
 
A fé é dom de Deus e fonte de todo bem.
 
Maria, alcançai-me a graça de uma fé viva,
 
forte, atuante; uma fé que salva e santifica!
Fé no Evangelho, na Igreja, na vida eterna.

4.Contemplação (Vida e Missão) 
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
 
Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus. A cada instante, buscarei em Jesus, a minha libertação de todo mal.

Bênção natalina
(bem-aventurado Alberione)
Jesus Menino coloque a sua mãozinha
sobre tua cabeça  e derrame sobre ti 
a sua luz, conforto e alegria.
Amém!
- Abençoe-nos Deus misericordioso,
Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Irmã Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, ensina-nos a distribuir de graça os dons que recebemos de graça. Que a nossa presença junto aos companheiros de caminhada seja para eles incentivo para viverem o Amor e para seguirmos juntos o Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.