sábado, 31 de março de 2012

O Terço - Mistérios Gloriosos - Quarta-Feira e Domingo


Terço do Rosário: Mistérios Gloriosos  


 

Santo Hugo de Grenoble - 1 de Abril



Santo Hugo de GrenobleO santo de hoje nasceu em Castelo Novo, na França, no ano de 1053. Fez toda uma caminhada de formação, tornou-se sacerdote e depois foi levado ao Papa Gregório VII para ser ordenado bispo.

Ele disse o seu "sim". Assumiu o bispado em Grenoble e se deparou com uma realidade do Clero, leigos e famílias, que precisavam de uma renovação no Espírito Santo.

Na oração, na penitência, no sacrifício, nas vigílias, junto com outros irmãos, ele foi sendo esse sinal de formação e muitas pessoas foram abraçando e retomando o Evangelho.

Passado algum tempo, Hugo retirou-se para um mosteiro beneditino, mas por obediência a um pedido do Papa, retornou à diocese.

Homem zeloso pela comunhão da Igreja, participou do Concílio em Viena e combateu toda mentalidade que buscava um "cisma" na Igreja, e com outros bispos semeou a paz, fruto da Verdade.

De tantos sacrifícios que fez, oferecendo pela Igreja e pela salvação das almas, ficou muitas vezes doente, mas não desistia. Diante de sua debilidade física, o Papa Inocêncio II o dispensou. Passado um tempo, com quase 80 anos, veio a falecer.

Santo Hugo de Grenoble, rogai por nós!

FONTE DE PESQUISA: Canção Nova

Domingo de Ramos (Ano B)

Domingo-de-Ramos-I

HOMÍLIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 01/04/2012

1 de Abril de 2012 


Mc 14,1-15, 22-26

Comentário do Evangelho

Testemunho do amor que gera a vida.

Pelo grande destaque dado às memórias da Paixão, nos quatro evangelhos, pode-se pensar que elas teriam se constituído nas primeiras tradições veiculadas sobre Jesus, surgidas entre as primitivas comunidades cristãs. Percebe-se nelas a influência da tradicional celebração da Páscoa do Primeiro Testamento, com a imolação do cordeiro, de acordo com a prática sacrifical, templária e sacerdotal, projetada na tardia narrativa do Êxodo, aplicada à morte de Jesus. 
O caráter sacrifical atribuído à morte de Jesus na cruz está na raiz da tradição e da espiritualidade que consideram o sofrimento como meritório e redentor. Na realidade a morte de Jesus foi um imenso crime praticado por aqueles que, usufruindo do poder, procuram destruir qualquer empenho de luta pela justiça, libertação e promoção da vida. A vida de Jesus é um testemunho do amor que tudo transforma e gera a vida que permanece para sempre. 

O evangelho de Marcos, bem como o de Mateus e o de João, introduz as narrativas da Paixão com duas narrativas de ceias. Uma primeira ceia na qual Jesus é ungido por uma mulher e, outra, a última ceia, com os discípulos. A imagem da refeição, do banquete, é tradicional como representativa da comunhão do povo com Deus. O início do ministério de Jesus, no evangelho de João, se faz em uma festa de núpcias, onde se come e se bebe. Várias são as parábolas em que Jesus compara o Reino de Deus a um banquete celestial. 
Na ceia em Betânia, o bálsamo perfumado com o qual Jesus é ungido por uma mulher é a expressão do amor que vivifica. É este amor que deve ser dirigido aos pobres, com os quais Jesus se identifica. "A mim não tereis sempre, pobres tendes sempre convosco". A Boa-Nova caracteriza-se pela prática do amor solidário aos pobres, excluídos e ameaçados em sua vida. O que a mulher fez deve ser perpetuado: "em qualquer parte do mundo em que se proclamar esta Boa-Nova, se recordará em sua honra o que ela fez". 
Em sua última ceia com os discípulos, Jesus celebra a vida e o amor, na partilha. A proximidade da Paixão não significa o fim do projeto de Deus, mas o início de uma nova etapa, com o ministério e o testemunho dos discípulos de Jesus. O dom da comunicação e do amor supera as sombras da morte. A alegria de viver, de servir, de partilhar, de solidarizar-se com os irmãos alimenta a chama da vida e tem o sabor de eternidade. 


José Raimundo Oliva



Vivendo a Palavra

Mc 14,1-15.47

Era necessário que o vaso de alabastro se partisse para exalar o perfume e o nardo puríssimo invadisse a casa inteira. A metáfora prefigura o grande mistério da nossa fé: Jesus morreria em breve, mas o seu corpo sofrido, descido ao sepulcro, ressuscitaria glorioso para permanecer para sempre entre nós como sinal e perfume do Reino de Amor.




COMENTÁRIOS DO EVANGELHO




FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...


1. "ACOLHAMOS NOSSO REI!" Mc 15, 1-39 
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Lembro-me quando Pedro Augusto Rangel elegeu-se primeiro prefeito da minha cidade de Votorantim recém emancipada,  e o povo se aglomerava no jardim "Bolacha", onde ele passou com um grupo numeroso, a gente ficava na calçada em meio a multidão e acenávamos com a mão, enquanto que ele nos retribuía com acenos e sorrisos. Eu me senti orgulhoso por estar lá, apesar de ser um menino, pois o fato do prefeito ter retribuído o aceno, dava-me a nítida impressão de que ele olhava para mim. Essa troca de olhares, sorrisos, acenos, tudo é um sinal exterior daquilo que interiormente estamos sentindo. Eu na verdade não sentia nada, mas percebi que meu pai estava emocionado e dizia todo radiante “Esse é dos nossos, é do povão”.

O povo simples, postado á beira do caminho que levava a Jerusalém, se identificavam com Jesus de Nazaré, havia em todos aqueles corações, marcados pela esperança, um sentimento de alegria, porque o esperado reino messiânico estava chegando naquele homem: Jesus de Nazaré, montado em um jumentinho, para por um fim no reino da pomposidade. O mesmo sentimento presente no coração do povo estava também no coração do Messias, porém, a salvação e libertação que ele trazia era em seu sentido mais amplo.

A procissão do Domingo de Ramos exterioriza esse acolhimento, essa aceitação de Jesus, no coração e na vida de quem crê, mas precisamos tomar muito cuidado, para que o nosso canto de Hosana, não fique no oba-oba do entusiasmo momentâneo, pois proclamá-lo nosso Rei e Senhor, significa um rompimento com qualquer mentalidade ou cultura da modernidade, é a experiência profunda da conversão sincera, é a prática de uma espiritualidade que ultrapassa a religiosidade ou o simples devocional, e que nos coloca na linha do discipulado.

A ruptura se faz necessária justamente porque as vozes contrárias ao Reino, dos Poderes do mundo, tentarão sempre abafar ou distorcer a palavra de Deus. Por isso, o servo sofredor, apresentado por Isaias na primeira leitura, é alguém “duro na queda”, inflexível, convicto da missão, e que nunca se deixa “engambelar”, porque tem a língua sempre afiada, não para cortar a vida do próximo, mas para proclamar as Verdades de Deus, reconfortando os tristes e abatidos, despertando esperança no coração de todos os que o ouvem. Ainda é esse mesmo Deus que lhe abre ou ouvidos para que escute como discípulo.
Escutar como discípulo requer a disposição interior em doar-se totalmente por esta causa, por isso este Servo sofredor, que a igreja aplicou a Jesus, coloca toda sua confiança no Deus que vem ao seu auxílio, e que jamais o irá desapontar. Há ainda nessa liturgia, uma atitude que não deve faltar na vida de quem se dispõe a acolher Jesus Cristo como seu único Senhor e Salvador, é o esvaziamento, em grego “kênose”, que encontramos na segunda leitura dessa liturgia, quem quiser encher-se como um pavão, e alimentar a vaidade da santidade, nunca poderá ser discípulo autêntico, pois o Cristo que hoje acolhemos é o Cristo da vergonha e humilhação, é o Cristo rebaixado á condição de servo, é o Cristo que morre nu, pendurado em uma cruz, em uma morte vergonhosa e extremamente humilhante.

Acolher e ovacionar Jesus neste domingo de ramos é bastante comprometedor, por isso que a procissão expõe a fé da nossa igreja publicamente, acenar com os ramos, cantar nossos hinos de louvores e de Hosana, significa a disposição, a coragem e a fidelidade, para percorrer esse mesmo caminho, na firmeza inabalável, ainda que o mundo nos apresente tantos atalhos sedutores, onde podemos ser cristãos adocicados, ou se preferirem, cristãos de “meia tigela”, sem sofrimento e sem nenhum compromisso com o ensinamento do evangelho, como dizia um compadre na porta da igreja, em tom de brincadeira “Ser cristão é coisa muito boa, o que atrapalha é a cruz”, assim pensa a maioria dos cristãos da modernidade, e o próprio Pedro – Chefe da Igreja – também pensava, pois negou o mestre por três vezes, hoje se nega muito mais.

O evangelho da paixão nos mostra o elemento fundamental na vida do cristão: a oração, mas não aquela em que choramingamos diante de Deus, pedindo para que ele mude a nossa sorte, nos favorecendo em tudo aquilo que queremos, mas oração igual à de Cristo em sua agonia.

E finalmente, em um momento tenebroso, Lucas descreve a prisão de Jesus, como uma vitória momentânea das trevas sobre a luz. Jesus hoje continua preso, querem abafar o seu ensinamento, distorcer a essência do seu evangelho, amenizar as exigências do ser cristão, transformando-o em um cristianismo mais “light”. É bom durante a procissão de ramos, fazermos um questionamento: De que lado nós estamos? Senão, esta Semana chamada de Santa, será apenas mais uma entre muitas, cheia de piedade e devoção, e sensibilidade capaz de arrancar lágrima dos olhos, nada que uma boa dramatização teatral, também não consiga fazê-lo...

José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
E-mail  cruzsm@uol.com.br

2. A vida de Jesus é um testemunho do amor que gera a vida.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por José Raimundo Oliva - e disponibilizado no Portal Paulinas)

VIDE ACIMA

Oração

Senhor Jesus, como o oficial romano, confesso a tua condição de Filho de Deus crucificado. Que eu compreenda o verdadeiro sentido de tua paixão.



Pe. José Luiz Gonzaga do Prado
DOMINGO DE RAMOS (1º de abril)
A VITÓRIA PELA HUMILDADE E RESISTÊNCIA
I. INTRODUÇÃO GERAL
A história da Paixão de Jesus segundo Marcos, lida no domingo de Ramos este ano, inspira-se visivelmente nos cânticos do Servo de Javé. Esses quatro poemas, situados em diferentes lugares do Segundo Isaías (Is 42,1-7; 49,1-6; 50,4-9; 52,13-53,12), falam de um justo sofredor que vence pela coerência, que resiste a todo tipo de insulto, tortura e perseguição.

Se é contrário à violência, ele não pratica nenhum tipo de violência, mesmo sendo massacrado por ela. Se é contrário à opressão, “não quebra o ramo já machucado nem apaga o pavio fraco de chama”. Sua coerência e resistência acabam vencendo. O quarto cântico traz em seus versos a voz de Javé, que diz ser este o seu plano, o seu caminho, e faz também os opressores reconhecerem que estavam errados e que eles é que mereceriam tudo o que sofreu o Servo.

O texto da primeira leitura de hoje é bem característico. O Servo está atento à palavra de Deus dia a dia e sabe que não será derrotado. É o aparentemente fracassado que vence.

A leitura de Filipenses faz-lhe eco. Atento à palavra do Senhor, Jesus se mantém coerente até a morte, e morte de cruz, considerada pelo judeu (Dt 21,23) uma maldição.
II.COMENTÁRIO DOS TEXTOS BÍBLICOS
1. I leitura (Is 50,4-7)
Os quatro cânticos do Servo de Javé são da época do exílio, cerca de 400 anos antes de Cristo. Leem-se, na missa da Paixão do domingo de Ramos, alguns versículos do terceiro cântico, que vão bem ao cerne da questão. Falam de alguém que vence a violência, dela sendo vítima e resistindo, sem praticar violência e sem se sentir derrotado.

Em quem estaria pensando o autor dos poemas quando os escreveu? Tentaram identificar, mas não convenceram. Seria um personagem coletivo, figura dos exilados ou dos mais fiéis e mais pobres deles? Seria Jeremias, que, como o Servo, também se diz chamado por Deus desde o ventre da mãe?

Para quem foi feita a roupa não se sabe, o que se sabe é que ela ficou muito grande e não há quem a possa ocupar inteiramente. Já no tempo de Jesus havia expectativa de um Messias que correspondesse ao que dizem esses cânticos, um Messias sofredor. Para os evangelistas, a começar de Marcos, a roupa grande demais serviu bem para Jesus, ele realizou o Messias sofredor.

No trecho de hoje, o Servo é obediente, entendendo-se obediência como estar atento aos fatos para aí descobrir os apelos de Deus. Toda manhã ou todo dia, ele se põe como o mais atento discípulo para saber resistir e dar forças aos que são tentados a desanimar. Atento, ele se faz obediente até a morte, e morte de cruz, vai dizer Paulo.

Consciente de que esse é o caminho de Deus e de que Deus o defenderá, ele resiste a todo tipo de insultos e humilhações. O que é dito aqui brevemente se explicita nos outros cânticos, especialmente no último (Is 52,13-53,12).

As agressões e, do outro lado, o silêncio e a resistência que vão fazer os agressores reconhecerem seu erro e a vitória do Servo tornam-se inspiração para Marcos narrar a paixão de Jesus.
2. II leitura (Fl 2,6-11)
São Jerônimo, ao traduzir esse texto, sofreu influência dos debates de seu tempo sobre a divindade de Cristo. Onde o texto grego diz que Jesus não pensou que fosse usurpação “aquele ser igual a Deus” (to einai isa Theo), Jerônimo traduziu “ser ele igual a Deus” (se esse aequalem Deo). A igualdade com Deus seria a que Jesus já possuía. Isso complicou tremendamente as modernas traduções desse texto.

“Aquele ser igual a Deus” é o ser igual a Deus sugerido pela serpente aos primeiros pais. Paulo compara Jesus ao Adão primitivo, segundo os conceitos de seu tempo. Conforme escritos judaicos da época, o Adão primitivo era andrógino, tinha cem côvados (cerca de 50 metros) de altura e era a imagem ou forma de Deus. Pretendeu, porém, usurpar a igualdade plena com Deus, comendo a fruta do conhecimento do bem e do mal. Com esse pecado, deixou de ser a imagem ou forma de Deus.

Para Paulo, então, Jesus é o novo Adão, começo da nova humanidade. É forma ou imagem de Deus como o Adão primitivo, mas, ao contrário daquele, não pretendeu fazer da igualdade com Deus uma usurpação, esvaziou-se a si mesmo, assumindo a forma de escravo, apresentando-se como um ser humano comum.

Nas orientações à comunidade de Filipos (Fl 2,1-4), Paulo dizia que o que faltava para completar a sua alegria era que cada um se considerasse o último de todos e que não pensasse no seu interesse, mas apenas no dos outros. Pouca coisa, mas quem é capaz de se esquecer totalmente de si e assumir o último lugar? A resposta é Jesus, o novo Adão, começo da nova humanidade.

Aqui estamos no texto de hoje. A tradução do Lecionário, como a esmagadora maioria das outras, não deixa entrever que se trata de um paralelo entre Jesus e Adão.

Ao contrário do Adão primitivo, que pretendeu adquirir a igualdade com Deus raptando o fruto proibido, Jesus assumiu ser o último de todos (a morte de cruz era o pior que poderia acontecer a um judeu – cf. Dt 21,23) e sacrificou a própria vida pela humanidade. Só assim ele reverte a lei do pecado, ou seja, cada qual pretender ser igual a Deus, absoluto e senhor de tudo.

Obedecer tem que ver com ouvir, estar atento aos fatos. Obedecer é estar atento ao livro da vida e responder a ele coerentemente, mesmo que isso pareça ir contra o livro da Escritura que diz que um crucificado é alguém maldito por Deus.
3. Evangelho (Mc 14,1-15,47)
O Evangelho de Marcos foi escrito muito próximo da chamada Guerra Judaica. Geograficamente próximo, na hipótese cada vez mais aceita de o evangelho refletir a vida dos cristãos da Galileia, de onde saíram os “bandidos”. Cronologicamente próximo, porque foi escrito exatamente entre a tomada de Jerusalém pelos “bandidos” e a destruição da cidade pelo exército romano.

Pequenos proprietários rurais da Galileia, que haviam perdido suas terras por causa dos altos impostos, da baixa fertilidade, do ano sabático (um ano sem plantar) e, especialmente, dos juros extorsivos cobrados pelos judeus ricos que lhes emprestavam dinheiro, passaram a viver de assaltos e a formar grupos de assaltantes. Refugiavam-se em grutas e gozavam da simpatia do povo, porque repartiam nas aldeias os alimentos tomados, por exemplo, de uma caravana romana que assaltavam. Eram chamados de “bandidos”.

No ano 66, eles se uniram e tomaram Jerusalém, onde estavam arquivados os documentos de suas dívidas e onde morava a maioria dos seus credores, os anciãos, membros do Sinédrio. Queimaram os documentos e mataram os anciãos e os sumos sacerdotes, colocando outros no lugar.

Jesus é preterido em favor de Barrabás e é morto entre dois bandidos, como se fosse mais um deles.

O evangelista tem também no pensamento os quatro poemas do livro de Isaías, os cânticos do Servo do Senhor, que falam de um justo e inocente que sofre e é massacrado exatamente por ser justo. Ele, porém, resiste, fica firme, até que os perseguidores reconheçam o próprio erro. Ele vence pela firmeza e coerência diante das violências sofridas.

A morte de Jesus já estava decidida pelas autoridades. A intenção era apenas pegá-lo quando menos se esperasse. Por isso mesmo, Jesus só ficava em Jerusalém durante o dia, à noite ia dormir fora da cidade. Havia um traidor entre os doze. Na preparação para a Ceia, Marcos deixa bem visível o aspecto clandestino da ida de Jesus à noite a uma casa da cidade para celebrar a Páscoa.

Ele é preso num lugar chamado Getsêmani, que significa espremedor de azeitonas. “Sem ordem de prisão e sem sentença ele foi detido, e quem se preocupou com a vida dele?” (Is 53,8).

O misterioso jovem, vestido apenas com um lençol sobre o corpo nu, que deixa o lençol nas mãos dos que prendiam Jesus e foge nu, parece significar aquele que tenta seguir Jesus coberto apenas com uma capa de discípulo, mas, à primeira ameaça, foge nu e desarmado, como falava Amós em 2,16.

“Como cordeiro levado ao matadouro ou ovelha diante do tosquiador, ele ficou calado, sem abrir a boca” (Is 53,7). “Apresentei as costas aos que me queriam bater, ofereci o queixo aos que me queriam arrancar a barba nem desviei o rosto dos insultos e dos escarros. O Senhor Deus é o meu aliado, por isso jamais ficarei derrotado” (Is 50,6-7).

O Salmo 22(21), oração de um doente que, curado, agradece a Deus, também inspira o evangelista. Jesus recita na cruz: “Meu Deus, meu Deus por que me abandonaste?”  Lucas e João, para evitar mal-entendidos, não colocam nos lábios de Jesus essas primeiras palavras do salmo.

O salmo, porém, já aponta para a ressurreição: “Quanto a mim, para ele viverei, a ele servirá a minha descendência. Do Senhor se falará à geração futura; anunciarão sua justiça” (Sl 22,30-32).
III. DICAS PARA REFLEXÃO
– A repetição anual, para não dizer semanal ou até diária, da celebração da Paixão do Senhor é necessária e indispensável para nos fazer entender o que significa a vitória do derrotado, o sucesso do fracassado, a glória da humilhação, a vida que nasce da morte. Nada melhor do que isso para derrotar a lei que impera sobre nós, a qual dá força a quem é forte, promete vitória ao mais poderoso, exclui como sentimentalismo tolo qualquer preocupação com as dificuldades do outro. Nessa mentalidade, os considerados incompetentes que se danem, ai dos vencidos!

– Acreditar em Jesus como salvação da humanidade é acreditar na vitória do vencido. Aquele que sacrifica tudo em favor dos outros e se coloca em último lugar é o maior fracassado no mundo governado pelos que se consideram “competentes” e poderosos. No entanto, é ele que vence e dá novo rumo à história.



Bendito o que vem em nome do Senhor!


Postado por: homilia

abril 1st, 2012



Desde o princípio da Quaresma preparamo-nos com obras de penitência e caridade. Neste Domingo de Ramos, a Igreja recorda a entrada de Nosso Senhor Cristo, em Jerusalém, para consumar o Seu mistério pascal. Por isso, em todas as Missas essa entrada do Senhor na Cidade Santa é comemorada, tanto com a procissão como com a entrada solene antes da Celebração Eucarística principal ou com a entrada simples antes das outras Missas.
Foi para realizar esse mistério da Sua Morte e Ressurreição que Jesus Cristo entrou na Cidade Santa. Por isso, recordando com fé e devoção essa entrada triunfal nesse local sagrado, acompanharemos o Senhor, de modo que, participando agora da Sua cruz, mereçamos um dia ter parte na Sua Ressurreição.
A leitura atenta da Paixão de Cristo suscita uma inevitável pergunta: quem foram os responsáveis pela morte de Jesus, os judeus ou os romanos?
Na Morte de Jesus misturaram-se motivos políticos e religiosos, embora a responsabilidade mais direta caia – de acordo com a narração evangélica – sobre as autoridades judaicas daquele tempo e não sobre todo o povo.
Porém, a leitura do Evangelho, com um olhar de fé, acaba por descobrir outros responsáveis pela Morte de Cristo, ou seja, todos nós.
Ele foi abatido pelas nossas iniquidades (cf. Is 53,3). Todos nós podemos ouvir, dirigidas a cada um de nós pessoalmente, as palavras que o profeta Natã dirigiu a Davi quando este lhe perguntou quem foi o malvado que matou a única ovelha do pobrezinho. Ele responde:“Esse homem és tu!” (II Rs 12,7) .
Sim, foi você. Fui eu. Fomos todos nós. Cada homem é responsável pela Morte de Cristo. Não estão sozinhos Judas que O atraiçoou, Pedro que O negou, Pilatos que lavou as mãos e a multidão que repetiu: “Crucifica-O!”, os soldados que repartem entre si as vestes do Condenado, os ladrões criminosos. Estamos todos nessa situação de responsabilidade.
Mas não podemos ficar aqui. Sabemos não só que Jesus morreu verdadeiramente e foi sepultado. Sabemos também que ressuscitou ao terceiro dia, subiu e está sentado à direita do Pai. Morreu pelos nossos pecados e ressuscitou para a nossa salvação.
Desde hoje temos de olhar já para o Domingo de Páscoa. Mas para que este olhar não seja um sentimento vazio, precisamos levá-lo verdadeiramente a sério, isto é, morrer, por intermédio do arrependimento e da confissão dos nossos pecados – sobretudo os pecados mortais – e assim ressuscitar para a vida da Graça.
“Bendito seja o que vem em nome do Senhor!” A liturgia do Domingo de Ramos é como que um pórtico de ingresso solene na Semana Santa.
Esta liturgia associa dois momentos entre si contrastantes: o acolhimento de Jesus em Jerusalém e o drama da Paixão; o “Hosana!” de festa e o grito repetido várias vezes: “Crucifica-O!”; a entrada triunfal e a derrota aparente da morte na Cruz. Assim, antecipa o “momento” em que o Messias deverá sofrer muito, será morto e ressuscitará no terceiro dia (cf. Mt 16,21), e prepara-nos para viver em plenitude o mistério pascal.
Portanto, “Solta gritos de júbilo, filha de Jerusalém! Eis que o teu rei vem a ti” (Zc 9,9). Jerusalém, a cidade em que vive a memória de Davi rejubila ao receber Jesus. A cidade dos profetas, muitos dos quais nela sofreram o martírio por causa da Verdade. A cidade da paz, que ao longo dos séculos conheceu a violência, a guerra e a deportação.
De certa forma, Jerusalém pode ser considerada a “cidade-símbolo” da humanidade, sobretudo no dramático tempo em que vivemos neste Terceiro Milênio. Por isso, os ritos do Domingo de Ramos adquirem uma particular eloquência. Ressoam confortadoras as palavras de Zacarias: “Exulta de alegria, filha de Sião! Solta gritos de júbilo, filha de Jerusalém! Eis que o teu rei vem a ti: ele é justo e vitorioso, humilde, montado num jumento. O arco de guerra será quebrado. Proclamará a paz para as nações” (Zc 9,9-10). Hoje estamos em festa, porque Jesus – o Rei da Paz – entra em Jerusalém.
“Verdadeiramente este homem era o Filho de Deus!” Ouvimos de novo a clara profissão de fé, pronunciada pelo centurião, que “O viu expirar daquela maneira”. Daquilo que viu, surge o testemunho surpreendente do soldado romano, o primeiro que proclamou que aquele Homem crucificado “era o Filho de Deus”.
Senhor Jesus, também nós vimos como sofreste e como morreste por nós. Fiel até ao extremo, Tu nos libertaste da morte com a Tua morte. Senhor Jesus, como o oficial romano, confessamos a Tua condição de Filho de Deus crucificado. Que nós compreendamos o verdadeiro sentido de Tua paixão e possamos professar: VERDADEIRAMENTE ESTE HOMEM ERA FILHO DE DEUS!
Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor, o Rei de Israel. Hosana nas alturas!
Padre Bantu Mendonça


Leitura Orante 

Já na Semana Santa, inicio este momento de Leitura Orante, 
em sintonia com todos os internautas e com 
a ação de graças dos bispos na Conferência de Aparecida: 

" Bendizemos a Deus que se nos dá na celebração da fé, 
especialmente na Eucaristia, pão de vida eterna. 
A ação de graças a Deus pelos numerosos e admiráveis dons que nos outorgou 
culmina na celebração central da Igreja, 
que é a Eucaristia, alimento substancial dos discípulos e missionários." 
(DAp 26). 

1. Leitura (Verdade) 

O que diz o texto do dia? 

Leio atentamente, na Bíblia, o texto: 
Mc 14,1-15, 47, 
e observo as palavras e gestos de Jesus: 

Este momento se dá na época da Páscoa, quando havia em Jerusalém grande aglomerado de pessoas. Os chefes e mestres da Lei queriam acabar com Jesus. Ele está em Betânia, sentado à mesa na casa de Simão, o Leproso, ou seja, curado da doença da lepra. Então uma mulher anônima chegou com um frasco de alabastro, cheio de perfume de nardo puro, muito caro. Trezentas moedas de prata correspondiam ao salário de trezentos dias de um operário. Este detalhe revela o quanto ela apreciava o hóspede. Alguns acharam isto um desperdício, mas Jesus fala que a deixem pois, ao ungi-lo ela participou por antecipação, no seu sepultamento. O texto narra um detalhe interessante: "ela quebrou o frasco". Isto simboliza o dom total, sem reservas, como é o amor verdadeiro. Jesus diz que pobres sempre terão. Não quer dizer com isso que menospreza os pobres, mas que, se todos tivessem a atitude da mulher, os pobres nem existiriam, pois seriam ajudados. De certa forma, Ele denuncia a mesquinhez dos que não partilham. 

Num segundo momento, o texto fala da última ceia pascal, que Jesus celebrou com seus discípulos, quando ele mesmo nos revela o mistério: "Isto é meu Corpo.(...) Isto é o meu sangue". E nos convida a alimentar-nos dele. É na Eucaristia que nos alimentamos do Pão da Vida, o próprio Senhor Jesus. Veja esta música: 

Este Pão
 (Pe. Zezinho, scj) 

Este pão, que a gente chama: eucaristia, 
É lembrança de uma ceia sem igual. 
Quem partiu aquele pão naquele dia, 
Partiu o pão, Partiu o pão,Partiu o pão, 
E dentro dele achou o céu, 
Achou o céu,Achou o céu 

Este pão, que a gente chama: eucaristia, 
No deserto desta vida é o novo maná. 
Quem tem fome de justiça e de luz, 
Aproxime-se da mesa de Jesus! 
CD Muito mais que pão - Pe. Zezinho, scj - Paulinas?/COMEP 

2. Meditação (Caminho) 

O que o texto diz para mim, hoje? 

Jesus se fez pão para ficar conosco. Quis ser meu alimento. Como acolho e recebo este alimento? Os bispos, em Aparecida, disseram: 

"Louvamos a Deus porque Ele continua derramando seu amor em nós pelo Espírito Santo e nos alimentando com a Eucaristia, pão da vida (cf. Jo 6,35)".
 (DAp 106). 

3.Oração (Vida) 

O que o texto me leva a dizer a Deus? 

Rezo ao Senhor, com toda a Igreja: 

Adoremos a Cristo que, ao entrar em Jerusalém, foi aclamado pela multidão como o Rei e Messias esperado. Também nós o louvemos com alegria: 
R. Bendito o que vem em nome do Senhor! 
Hosana a vós, Filho de Davi e Rei eterno, 
- hosana a vós, vencedor da morte e do inferno! R. 
Vós, que subistes a Jerusalém para sofrer a Paixão, e assim entrar na glória, 
- conduzi vossa Igreja à Páscoa da eternidade. R. 
Vós, que transformastes o madeiro da cruz em árvore da vida, 
- concedei de seus frutos aos que renasceram pelo batismo. R. 
Cristo, nosso Salvador, que viestes para salvar os pecadores, 
- conduzi para o vosso Reino os que crêem em vós, em vós esperam e vos amam. R. 
(intenções livres) 

Pai nosso... 

Oração 

Deus eterno e todo-poderoso, para dar aos seres humanos um exemplo de humildade, quisestes 
que o nosso Salvador se fizesse homem e morresse na cruz. Concedei-nos aprender o 
ensinamento da sua Paixão e ressuscitar com ele em sua glória. Por nosso Senhor Jesus Cristo, 
vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. 

4.Contemplação (Vida e Missão) 

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

 Meu olhar será iluminado pela Eucaristia e meus passos seguirão os passos de Jesus nesta Semana Santa.

Bênção

- Deus nos abençoe e nos guarde.
 Amém. 
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. 
Amém. 
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. 
Amém. 
- Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. 
Amém. 

I. Patrícia Silva, fsp 


Oração Final

Pai Santo, diante do mistério do Cristo – encarnado em Jesus de Nazaré, que viveu, amou apaixonadamente, morreu, ressuscitou e permanece eternamente conosco – faze-nos crianças encantadas e agradecidas. Não permitas, Pai querido, que nos acostumemos com a Verdade, mas que sigamos o Caminho de Jesus, nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.


LITURGIA DIÁRIA - 01/04/2012



Tema do Dia

Ramos da Paixão

Apresentei as costas para os que me queriam bater e nem escondi o meu rosto dos insultos e escarros. O Senhor Javé me ajuda, por isso não me sinto humilhado; endureço o meu rosto como pedra, porque sei que não vou me sentir fracassado. (Is 50,4-7)



Oração para antes de ler a Bíblia 


orkut e hi5, Religiosos, palavras do Senhor Jesus, imagens de biblia, recados de Jesus, gifs de religião para orkut


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda 

e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame

 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por

 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores

se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos 

a vida eterna. Amém.



    Vermelho. 

    Domingo de Ramos da 

    Paixão do Senhor Quaresma 




Evangelho - Procissão - Mc 11,1-10


Bendito o que vem em nome do Senhor. 
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 11,1-10

1
Quando se aproximaram de Jerusalém,
na altura de Betfagé e de Betânia,
junto ao monte das Oliveiras,
Jesus enviou dois discípulos,
2
dizendo: 'Ide até o povoado que está em frente,
e logo que ali entrardes,
encontrareis amarrado um jumentinho
que nunca foi montado.
Desamarrai-o e trazei-o aqui!
3
Se alguém disser: 'Por que fazeis isso?',
dizei: 'O Senhor precisa dele,
mas logo o mandará de volta'.'
4
Eles foram e encontraram um jumentinho amarrado
junto de uma porta, do lado de fora, na rua,
e o desamarraram.
5
Alguns dos que estavam ali disseram:
'O que estais fazendo,
desamarrando este jumentinho?'
6
Os discípulos responderam como Jesus havia dito,
e eles permitiram.
7
Trouxeram então o jumentinho a Jesus,
colocaram sobre ele seus mantos, e Jesus montou.
8
Muitos estenderam seus mantos pelo caminho,
outros espalharam ramos que haviam apanhado nos campos.
9
Os que iam na frente e os que vinham atrás gritavam:
'Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!
10
Bendito seja o reino que vem,
o reino de nosso pai Davi!
Hosana no mais alto dos céus!'
Palavra da Salvação.


Opcional


Evangelho - Procissão - Jo 12,12-16

Bendito o que vem em nome do Senhor. 

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 12,12-16


Naquele tempo:
12
A grande multidão que tinha subido para a festa
ouviu dizer que Jesus estava chegando a Jerusalém.
13
Apanharam ramos de palmeiras
e saíram ao seu encontro, clamando:
'Hosana! Bendito aquele que vem em nome do Senhor,
o rei de Israel!'
14
Jesus tinha encontrado um jumentinho
e estava sentado nele,
como está na Escritura:
15
'Não temas, filha de Sião,
Eis que o teu rei vem montado num jumentinho!'
16
Naquele momento,
os discípulos nóo entenderam o que estava acontecendo.
Mas, quando Jesus foi glorificado,
então se lembraram
que isso estava escrito a seu respeito
e que eles o realizaram.
Palavra da Salvação.








Primeira leitura (Isaías 50,4-7)

Domingo, 1 de Abril de 2012
Domingo de Ramos



Leitura do Livro do profeta Isaías: 

4O Senhor Deus deu-me língua adestrada, para que eu saiba dizer palavras de conforto à pessoa abatida; ele me desperta cada manhã e me excita o ouvido, para prestar atenção como um discípulo.
5O Senhor abriu-me os ouvidos; não lhe resisti nem voltei atrás.
6Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba; não desviei o rosto de bofetões e cusparadas.
7Mas o Senhor Deus é meu Auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.





Salmo (Salmos 21)

Domingo, 1 de Abril de 2012
Domingo de Ramos



— Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes, e ficais longe de meu grito e minha prece? 
— Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes, e ficais longe de meu grito e minha prece?

— Riem de mim todos aqueles que me veem,/ torcem os lábios e sacodem a cabeça:/ “Ao Senhor se confiou, ele o liberte/ e agora o salve, se é verdade que ele o ama!”
— Cães numerosos me rodeiam furiosos,/ e por um bando de malvados fui cercado./ Transpassaram minhas mãos e meus pés/ e eu posso contar todos os meus ossos.
— Eles repartem entre si as minhas vestes/ e sorteiam entre si a minha túnica./ Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe,/ ó minha força, vinde logo em meu socorro!
— Anunciarei o vosso nome a meus irmãos/ e no meio da assembleia hei de louvar-vos!/ Vós, que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores,/ glorificai-o, descendentes de Jacó,/ e respeitai-o, toda a raça de Israel!



Confira:




Segunda leitura (Filipenses 2,6-11)

Domingo, 1 de Abril de 2012
Domingo de Ramos



Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses: 

6Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação,7mas ele esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, 8humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até à morte, e morte de cruz.
9Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome.
10Assim, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre, no céu, na terra e abaixo da terra, 11e toda língua proclame: “Jesus Cristo é o Senhor”, para a glória de Deus Pai.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.





Evangelho (Marcos 14,1-15, 22-26)

Domingo, 1 de Abril de 2012
Domingo de Ramos





Procuravam matar Jesus


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Faltavam dois dias para a Festa da Páscoa e a Festa dos Pães sem Fermento. Os chefes dos sacerdotes e os mestres da Lei procuravam um jeito de prender Jesus em segredo e matá-lo. Eles diziam:- Não vamos fazer isso durante a festa, para não haver uma revolta no meio do povo. Jesus estava no povoado de Betânia, sentado à mesa na casa de Simão, o Leproso. Então uma mulher chegou com um frasco feito de alabastro, cheio de perfume de nardo puro, muito caro. Ela quebrou o gargalo do frasco e derramou o perfume na cabeça de Jesus. Alguns que estavam ali ficaram zangados e disseram uns aos outros: - Que desperdício! Esse perfume poderia ter sido vendido por mais de trezentas moedas de prata, que poderiam ser dadas aos pobres. Eles criticavam a mulher com dureza, mas Jesus disse: - Deixem esta mulher em paz! Por que é que vocês a estão aborrecendo? Ela fez para mim uma coisa muito boa. Pois os pobres estarão sempre com vocês, e, em qualquer ocasião que vocês quiserem, poderão ajudá-los. Mas eu não estarei sempre com vocês. Ela fez tudo o que pôde, pois antes da minha morte veio perfumar o meu corpo para o meu sepultamento. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: em qualquer lugar do mundo onde o evangelho for anunciado, será contado o que ela fez, e ela será lembrada. Judas Iscariotes, que era um dos doze discípulos, foi falar com os chefes dos sacerdotes para combinar como entregaria Jesus a eles. Quando ouviram o que ele disse, eles ficaram muito contentes e prometeram dar dinheiro a ele. Assim Judas começou a procurar uma oportunidade para entregar Jesus. No primeiro dia da Festa dos Pães sem Fermento, em que os judeus matavam carneirinhos para comemorarem a Páscoa, os discípulos perguntaram a Jesus: - Onde é que o senhor quer que a gente prepare o jantar da Páscoa para o senhor? Quando anoiteceu, Jesus chegou com os doze discípulos. Enquanto estavam comendo, Jesus pegou o pão e deu graças a Deus. Depois partiu o pão e o deu aos discípulos, dizendo: - Peguem; isto é o meu corpo. Em seguida, pegou o cálice de vinho e agradeceu a Deus. Depois passou o cálice aos discípulos, e todos beberam do vinho. Então Jesus disse: - Isto é o meu sangue, que é derramado em favor de muitos, o sangue que garante a aliança feita por Deus com o seu povo. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: nunca mais beberei deste vinho até o dia em que beber com vocês um vinho novo no Reino de Deus. 


- Palavra da Salvação. 

- Glória a vós, Senhor.




OU


Evangelho - Mc 14,1-15,47

Procuravam um meio de prender Jesus à traição, para matá-lo. 
+ Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo Marcos 14,1-15,47



1Faltavam dois dias para a Páscoa

e para a festa dos Ázimos.

Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei
procuravam um meio de prender Jesus à traição,
para matá-lo.
2Eles diziam: 'Não durante a festa,
para que não haja um tumulto no meio do povo.'
Derramou perfume em meu corpo, preparando-o para a sepultura.
3Jesus estava em Betânia, na casa de Simão, o leproso.
Quando estava à mesa,
veio uma mulher com um vaso de alabastro
cheio de perfume de nardo puro, muito caro.
Ela quebrou o vaso
e derramou o perfume na cabeça de Jesus.
4Alguns que estavam ali ficaram indignados e comentavam:
'Por que este desperdício de perfume?
5Ele poderia ser vendido
por mais de trezentas moedas de prata,
que seriam dadas aos pobres.'
E criticavam fortemente a mulher.
6Mas Jesus lhes disse:
'Deixai-a em paz! Por que aborrecê-la?
Ela praticou uma boa ação para comigo.
7Pobres sempre tereis convosco
e quando quiserdes podeis fazer-lhes o bem.
Quanto a mim não me tereis para sempre.
8Ela fez o que podia: derramou perfume em meu corpo,
preparando-o para a sepultura.
9Em verdade vos digo,
em qualquer parte que o Evangelho for pregado,
em todo o mundo,
será contado o que ela fez,
como lembrança do seu gesto.'
Prometeram a Judas Iscariotes dar-lhe dinheiro.
10Judas Iscariotes, um dos doze,
foi ter com os sumos sacerdotes
para entregar-lhes Jesus.
11Eles ficaram muito contentes quando ouviram isso,
e prometeram dar-lhe dinheiro.
Então, Judas começou a procurar
uma boa oportunidade para entregar Jesus.
Onde está a sala em que vou comer a Páscoa com os meus discípulos?
12No primeiro dia dos ázimos,
quando se imolava o cordeiro pascal,
os discípulos disseram a Jesus:
'Onde queres que façamos os preparativos
para comeres a Páscoa?'
13Jesus enviou então dois dos seus discípulos
e lhes disse: 'Ide à cidade.
Um homem carregando um jarro de água
virá ao vosso encontro. Segui-o
14e dizei ao dono da casa em que ele entrar:
'O Mestre manda dizer: onde está a sala
em que vou comer a Páscoa com os meus discípulos?'
15Então ele vos mostrará, no andar de cima,
uma grande sala, arrumada com almofadas.
Ali fareis os preparativos para nós!'
16Os discípulos saíram e foram à cidade.
Encontraram tudo como Jesus havia dito,
e prepararam a Páscoa.
Um de vós, que come comigo, vai me trair.'
17Ao cair da tarde, Jesus foi com os doze.
18Enquanto estavam à mesa comendo,
Jesus disse: 'Em verdade vos digo,
um de vós, que come comigo, vai me trair.'
19Os discípulos começaram a ficar tristes
e perguntaram a Jesus, um após outro:
'Acaso serei eu?'
20Jesus lhes disse:
'É um dos doze, que se serve comigo do mesmo prato.
21O Filho do Homem segue seu caminho,
conforme está escrito sobre ele.
Ai, porém, daquele que trair o Filho do Homem!
Melhor seria que nunca tivesse nascido!'
Isto é o meu corpo. 
Isto é o meu sangue, o sangue da aliança.
22Enquanto comiam, Jesus tomou o pão
e, tendo pronunciado a bênção,
partiu-o e entregou-lhes, dizendo:
'Tomai, isto é o meu corpo.'
23Em seguida, tomou o cálice, deu graças,
entregou-lhes e todos beberam dele.
24Jesus lhes disse:
'Isto é o meu sangue, o sangue da aliança,
que é derramado em favor de muitos.
25Em verdade vos digo,
não beberei mais do fruto da videira,
até o dia em que beberei o vinho novo no Reino de
Deus.'
Antes que o galo cante duas vezes, três vezes tu me negarás.
26Depois de terem cantado o hino,
foram para o monte das Oliveiras.
27Então Jesus disse aos discípulos:
'Todos vós ficareis desorientados,
pois está escrito:
'Ferirei o pastor e as ovelhas se dispersarão.'
28Mas, depois de ressuscitar,
eu vos precederei na Galiléia.'
29Pedro, porém, lhe disse:
'Mesmo que todos fiquem desorientados,
eu não ficarei.'
30Respondeu-lhe Jesus:
'Em verdade te digo,
ainda hoje, esta noite,
antes que o galo cante duas vezes,
três vezes tu me negarás.'
31Mas Pedro repetiu com veemência:
'Ainda que tenha de morrer contigo, eu não te negarei.'
E todos diziam o mesmo.
Começou a sentir pavor e angústia.
32Chegados a um lugar chamado Getsêmani,
disse Jesus aos discípulos:
'Sentai-vos aqui, enquanto eu vou rezar!'
33Levou consigo Pedro, Tiago e João,
e começou a sentir pavor e angústia.
34Então Jesus lhes disse:
'Minha alma está triste até a morte.
Ficai aqui e vigiai.'
35Jesus foi um pouco mais adiante
e, prostrando-se por terra, rezava
que, se fosse possível, aquela hora se afastasse dele.
36Dizia: 'Abbá! Pai! Tudo te é possível:
Afasta de mim este cálice!
Contudo, nóo seja feito o que eu quero,
mas sim o que tu queres!'
37Voltando, encontrou os discípulos dormindo.
Então disse a Pedro:
'Simão, tu estás dormindo?
Não pudeste vigiar nem uma hora?
38Vigiai e orai, para não cairdes em tentaçóo!
Pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca.'
39Jesus afastou-se de novo
e rezou, repetindo as mesmas palavras.
40Voltou outra vez e os encontrou dormindo,
porque seus olhos estavam pesados de sono
e eles não sabiam o que responder.
41Ao voltar pela terceira vez, Jesus lhes disse:
'Agora podeis dormir e descansar.
Basta! Chegou a hora!
Eis que o Filho do Homem é entregue
nas mãos dos pecadores.
42Levantai-vos! Vamos!
Aquele que vai me trair já está chegando.'
Prendei-o e levai-o com segurança!'
43E logo, enquanto Jesus ainda falava,
chegou Judas, um dos doze,
com uma multidão armada de espadas e paus.
Vinham da parte dos sumos sacerdotes,
dos mestres da Lei e dos anciãos do povo.
44O traidor tinha combinado com eles um sinal,
dizendo: 'É aquele a quem eu beijar.
Prendei-o e levai-o com segurança!'
45Judas logo se aproximou de Jesus, dizendo:
'Mestre!', e o beijou.
46Então lançaram as mãos sobre ele e o prenderam.
47Mas um dos presentes puxou a espada
e feriu o empregado do sumo sacerdote,
cortando-lhe a orelha.
48Jesus tomou a palavra e disse:
'Vós saístes com espadas e paus para me prender,
como se eu fosse um assaltante.
49Todos os dias eu estava convosco, no Templo, ensinando,
e não me prendestes.
Mas isto acontece para que se cumpram as Escrituras.'
50Então todos o abandonaram e fugiram.
51Um jovem, vestido apenas com um lençol,
estava seguindo a Jesus, e eles o prenderam.
52Mas o jovem largou o lençol e fugiu nu.
Tu és o Messias, o Filho de Deus Bendito?
53Então levaram Jesus ao Sumo Sacerdote,
e todos os sumos sacerdotes, os anciãos
e os mestres da Lei se reuniram.
54Pedro seguiu Jesus de longe,
até o interior do pátio do Sumo Sacerdote.
Sentado com os guardas, aquecia-se junto ao fogo.
55Ora, os sumos sacerdotes e todo o Sinédrio
procuravam um testemunho contra Jesus,
para condená-lo à morte, mas não encontravam.
56Muitos testemunhavam falsamente contra ele,
mas seus testemunhos não concordavam.
57Alguns se levantaram
e testemunharam falsamente contra ele, dizendo:
58'Nós o ouvimos dizer:
'Vou destruir este templo feito pelas mãos dos homens,
e em três dias construirei um outro,
que não será feito por mãos humanas!`'
59Mas nem assim o testemunho deles concordava.
60Então, o Sumo Sacerdote levantou-se no meio deles
e interrogou a Jesus:
'Nada tens a responder ao que estes 
testemunham contra ti?'
61Jesus continuou calado, e nada respondeu.
O Sumo Sacerdote interrogou-o de novo:
'Tu és o Messias, o Filho de Deus Bendito?'
62Jesus respondeu: 'Eu sou.
E vereis o Filho do Homem
sentado à direita do Todo-Poderoso,
vindo com as nuvens do céu.'
63O Sumo Sacerdote rasgou suas vestes e disse:
'Que necessidade temos ainda de testemunhas?
64Vós ouvistes a blasfêmia! O que vos parece?'
Então todos o julgaram réu de morte.
65Alguns começaram a cuspir em Jesus.
Cobrindo-lhe o rosto, o esbofeteavam e diziam:
'Profetiza!'
Os guardas também davam-lhe bofetadas.
Nem conheço esse homem de quem estais falando.
66Pedro estava em baixo, no pátio.
Veio uma criada do Sumo Sacerdote,
67e, quando viu Pedro que se aquecia,
olhou bem para ele e disse:
'Tu também estavas com Jesus, o Nazareno!'
68Mas Pedro negou, dizendo:
'Não sei e nem compreendo o que estás dizendo!'
E foi para fora, para a entrada do pátio.
E o galo cantou.
69A criada viu Pedro,
e de novo começou a dizer aos que estavam perto:
'Este é um deles.'
70Mas Pedro negou outra vez.
Pouco depois,
os que estavam junto diziam novamente a Pedro:
'É claro que tu és um deles, pois és da Galiléia.'
71Aí Pedro começou a maldizer e a jurar, dizendo:
'Nem conheço esse homem de quem estais falando.'
72E nesse instante um galo cantou pela segunda vez.
Lembrou-se Pedro da palavra que Jesus lhe havia dito:
'Antes que um galo cante duas vezes,
três vezes tu me negarás.'
Caindo em si, ele começou a chorar.
Vós quereis que eu solte o rei dos judeus?
15,1Logo pela manhã, os sumos sacerdotes,
com os anciãos, os mestres da Lei e todo o Sinédrio,
reuniram-se e tomaram uma decisão.
Levaram Jesus amarrado e o entregaram a Pilatos.
2E Pilatos o interrogou:
'Tu és o rei dos judeus?'
Jesus respondeu: 'Tu o dizes.'
3E os sumos sacerdotes
faziam muitas acusações contra Jesus.
4Pilatos o interrogou novamente:
'Nada tens a responder?
Vê de quanta coisa te acusam!'
5Mas Jesus não respondeu mais nada,
de modo que Pilatos ficou admirado.
6Por ocasião da Páscoa,
Pilatos soltava o prisioneiro que eles pedissem.
7Havia então um preso, chamado Barrabás,
entre os bandidos, que, numa revolta,
tinha cometido um assassinato.
8A multidão subiu a Pilatos e começou a pedir
que ele fizesse como era costume.
9Pilatos perguntou:
'Vós quereis que eu solte o rei dos judeus?'
10Ele bem sabia que os sumos sacerdotes
haviam entregado Jesus por inveja.
11Porém, os sumos sacerdotes instigaram a multidão
para que Pilatos lhes soltasse Barrabás.
12Pilatos perguntou de novo:
'Que quereis então que eu faça
com o rei dos Judeus?'
13Mas eles tornaram a gritar: 'Crucifica-o!'
14Pilatos perguntou: 'Mas, que mal ele fez?'
Eles, porém, gritaram com mais força: 'Crucifica-o!'
15Pilatos, querendo satisfazer a multidão,
soltou Barrabás, mandou flagelar Jesus
e o entregou para ser crucificado.
Teceram uma coroa de espinhos e a puseram em sua cabeça.
16Então os soldados o levaram para dentro do palácio,
isto é, o pretório,
e convocaram toda a tropa.
17Vestiram Jesus com um manto vermelho,
teceram uma coroa de espinhos
e a puseram em sua cabeça.
18E começaram a saudá-lo: 'Salve, rei dos judeus!'
19Batiam-lhe na cabeça com uma vara.
Cuspiam nele e, dobrando os joelhos,
prostravam-se diante dele.
20Depois de zombarem de Jesus,
tiraram-lhe o manto vermelho,
vestiram-no de novo com suas próprias roupas
e o levaram para fora, a fim de crucificá-lo.
Levaram Jesus para o lugar chamado Gólgota.
21Os soldados obrigaram um certo Simão de Cirene,
pai de Alexandre e de Rufo, que voltava do campo,
a carregar a cruz.
22Levaram Jesus para o lugar chamado Gólgota,
que quer dizer 'Calvário'.
Ele foi contado entre os malfeitores.
23Deram-lhe vinho misturado com mirra,
mas ele nóo o tomou.
24Então o crucificaram
e repartiram as suas roupas, tirando a sorte,
para ver que parte caberia a cada um.
25Eram nove horas da manhã quando o crucificaram.
26E ali estava uma inscrição
com o motivo de sua condenação: 'O Rei dos Judeus'.
27Com Jesus foram crucificados dois ladrões,
um à direita e outro à esquerda.
(28)Porque eu vos digo:
É preciso que se cumpra em mim 
a Palavra da Escritura:
'Ele foi contado entre os malfeitores.'
A outros salvou, a si mesmo não pode salvar!
29Os que por ali passavam o insultavam,
balançando a cabeça e dizendo:
'Ah! Tu que destróis o Templo
e o reconstróis em três dias,
30salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!'
31Do mesmo modo, os sumos sacerdotes,
com os mestres da Lei,
zombavam entre si, dizendo:
'A outros salvou, a si mesmo não pode salvar!
32O Messias, o rei de Israel...
que desça agora da cruz,
para que vejamos e acreditemos!'
Os que foram crucificados com ele também o insultavam.
Jesus deu um forte grito e expirou.
33Quando chegou o meio-dia,
houve escuridão sobre toda a terra,
até as três horas da tarde.
34Pelas três da tarde, Jesus gritou com voz forte:
'Eli, Eli, lamá sabactâni?',
que quer dizer: 'Meu Deus, meu Deus,
por que me abandonaste?'
35Alguns dos que estavam ali perto, ouvindo-o, disseram:
'Vejam, ele está chamando Elias!'
36Alguém correu e embebeu uma esponja em vinagre,
colocou-a na ponta de uma vara
e lhe deu de beber, dizendo:
'Deixai! Vamos ver se Elias vem tirá-lo da cruz.'
37Então Jesus deu um forte grito e expirou.
Aqui todos se ajoelham e faz-se uma pausa.
38Neste momento a cortina do santuário
rasgou-se de alto a baixo, em duas partes.
39Quando o oficial do exército,
que estava bem em frente dele,
viu como Jesus havia expirado, disse:
'Na verdade, este homem era Filho de Deus!'
40Estavam ali também algumas mulheres,
que olhavam de longe;
entre elas, Maria Madalena,
Maria, mãe de Tiago Menor e de Joset, e Salomé.
41Elas haviam acompanhado e servido a Jesus
quando ele estava na Galiléia.
Também muitas outras
que tinham ido com Jesus a Jerusalém, estavam ali.
José rolou uma pedra à entrada do sepulcro.
42Era o dia da preparação, isto é, a véspera do sábado,
e já caíra a tarde.
43Então, José de Arimatéia,
membro respeitável do Conselho,
que também esperava o Reino de Deus,
cheio de coragem, veio a Pilatos
e pediu o corpo de Jesus.
44Pilatos ficou admirado,
quando soube que Jesus estava morto.
Chamou o oficial do exército
e perguntou se Jesus tinha morrido há muito tempo.
45Informado pelo oficial,
Pilatos entregou o corpo a José.
46José comprou um lençol de linho,
desceu o corpo da cruz e o envolveu no lençol.
Depois colocou-o num túmulo, escavado na rocha,
e rolou uma pedra à entrada do sepulcro.
47Maria Madalena, e Maria, mãe de Joset,
observavam onde Jesus foi colocado.
Palavra da Salvação.



OU


Evangelho (Marcos 15,1-39)


Domingo, 1 de Abril de 2012
Domingo de Ramos


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Narrador 1: Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo segundo Marcos: 
1Logo pela manhã, os sumos sacerdotes, com os anciãos, os mestres da Lei e todo o Sinédrio, reuniram-se e tomaram uma decisão. Levaram Jesus amarrado e o entregaram a Pilatos. 
2E Pilatos o interrogou: 
Pilatos: “Tu és o rei dos judeus?”
Narrador 1: Jesus respondeu:
Pres.: “Tu o dizes”. 
Narrador 1: 3E os sumos sacerdotes faziam muitas acusações contra Jesus. 4Pilatos o interrogou novamente: 
Pilatos: “Nada tens a responder? Vê de quanta coisa te acusam!”
Narrador 1: 5Mas Jesus não respondeu mais nada, de modo que Pilatos ficou admirado. 
6Por ocasião da Páscoa, Pilatos soltava o prisioneiro que eles pedissem. 7Havia então um preso, chamado Barrabás, entre os bandidos, que, numa revolta, tinha cometido um assassinato. 
8A multidão subiu a Pilatos e começou a pedir que ele fizesse como era costume. 
9Pilatos perguntou: 
Pilatos: “Vós quereis que eu solte o rei dos judeus?”
Narrador 2: 10Ele bem sabia que os sumos sacerdotes haviam entregado Jesus por inveja. 
11Porém, os sumos sacerdotes instigaram a multidão para que Pilatos lhes soltasse Barrabás. 
12Pilatos perguntou de novo: 
Pilatos: “Que quereis então que eu faça com o rei dos judeus?”
Narrador 2: 13Mas eles tornaram a gritar: 
Ass.: Crucifica-o! 
Narrador 2: 14Pilatos perguntou: 
Pilatos: “Mas, que mal ele fez?”
Narrador 2: Eles, porém, gritaram com mais força: 
Ass.: Crucifica-o!
Narrador 1: 15Pilatos, querendo satisfazer a multidão, soltou Barrabás, mandou flagelar Jesus e o entregou para ser crucificado. 
16Então os soldados o levaram para dentro do palácio, isto é, o pretório, e convocaram toda a tropa. 
17Vestiram Jesus com um manto vermelho, teceram uma coroa de espinhos e a puseram em sua cabeça. 
18E começaram a saudá-lo: 
Ass.: “Salve, rei dos judeus!”
Narrador 1: 19Batiam-lhe na cabeça com uma vara. Cuspiam nele e, dobrando os joelhos, prostravam-se diante dele. 
20Depois de zombarem de Jesus, tiraram-lhe o manto vermelho, vestiram-no de novo com suas próprias roupas e o levaram para fora, a fim de crucificá-lo. 
21Os soldados obrigaram um certo Simão de Cirene, pai de Alexandre e Rufo, que voltava do campo, a carregar a cruz. 
22Levaram Jesus para o lugar chamado Gólgota, que quer dizer “Calvário”. 
23Deram-lhe vinho misturado com mirra, mas ele não o tomou. 
24Então o crucificaram e repartiram as suas roupas, tirando a sorte, para ver que parte caberia a cada um. 
25Eram nove horas da manhã quando o crucificaram. 
26E ali estava uma inscrição com o motivo de sua condenação: 
Ass.: “O Rei dos Judeus”.
Narrador 2: 27Com Jesus foram crucificados dois ladrões, um à direita e outro à esquerda.(28) 
29Os que por ali passavam o insultavam, balançando a cabeça e dizendo: 
Ass.: “Ah! Tu, que destróis o Templo e o reconstróis em três dias, 30salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!”
Narrador 2: 31Do mesmo modo, os sumos sacerdotes, com os mestres da Lei, zombavam entre si, dizendo: 

Ass.: “A outros salvou, a si mesmo não pode salvar!”

32O Messias, o rei de Israel... que desça agora da cruz, para que vejamos e acreditemos!”

Narrador 2: Os que foram crucificados com ele também o insultavam. 33Quando chegou o meio-dia, houve escuridão sobre toda a terra, até as três horas da tarde. 
34Pelas três da tarde, Jesus gritou com voz forte: 
Pres.: “Eloi, Eloi, lamá sabactâni?”
Narrador 2: Que quer dizer: 
Pres.: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”
Narrador 2: 35Alguns dos que estavam ali perto, ouvindo-o, disseram: 
Ass.: “Vejam, ele está chamando Elias!”
Narrador 2: 36Alguém correu e embebeu uma esponja em vinagre, colocou-a na ponta de uma vara e lhe deu de beber, dizendo: 
Leitor 1: “Deixai! Vamos ver se Elias vem tirá-lo da cruz”. 
Narrador 2: 37Então Jesus deu um forte grito e expirou. 
(Aqui todos se ajoelham e faz-se uma pausa.)
Narrador 1: 38Nesse momento, a cortina do santuário rasgou-se de alto a baixo, em duas partes. 
39Quando o oficial do exército, que estava bem em frente dele, viu como Jesus havia expirado, disse: 
Leitor 1: “Na verdade, este homem era o Filho de Deus!”

- Palavra da Salvação. 
- Glória a vós, Senhor.






Oração para depois de ler a Bíblia





orkut e hi5, Religiosos, mensagem religiosa, imagem da biblia, recados de religião, scraps religioso para orkut




Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los
 em prática. Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da
minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém.