domingo, 18 de agosto de 2013

LITURGIA DIÁRIA 19/08/2013




Tema do Dia

«Venda tudo o que tem e dê o dinheiro aos pobres.»

Desaparecidos os Patriarcas, o povo se esquece de Javé e passa a adorar os ídolos dos seus vizinhos. Javé envia, então, Juízes para reconduzi-los à Lei de Moisés. Mas durava pouco a fidelidade: tão logo morria um Juiz, o povo voltava à idolatria.

Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos
a vida eterna. Amém.

Verde. 2ª-feira da 20ª Semana Tempo Comum


Primeira Leitura (Jz 2,11-19)
20ª Semana Comum
Segunda-feira 19/08/13

Leitura do Livro dos Juízes.

Naqueles dias 11os filhos de Israel fizeram o que desagrada ao Senhor, servindo a deuses cana­neus. 12Abandonaram o Senhor, o Deus de seus pais, que os havia tirado do Egito, e seguiram outros deuses dos povos que em torno deles habitavam, e os adoraram, provocando assim a ira do Senhor.
13Afastaram-se do Senhor, para servir a Baal e a Astarte. 14Por isso acendeu-se contra Israel a ira do Senhor, que os entregou nas mãos dos salteadores que os saqueavam, e os vendeu aos inimigos que habitavam nas redondezas. E eles não puderam resistir aos seus adversários. 15Em tudo o que desejassem empreender, a mão do Senhor estava contra eles para sua desgraça, como lhes havia dito e jurado. A sua aflição era extrema.
16Então o Senhor mandou-lhes juízes, que os livrassem das mãos dos saqueadores.17Eles, porém, nem aos seus juízes quiseram ouvir, e continuavam a prostituir-se com outros deuses, adorando-os. Depressa se afastaram do caminho seguido por seus pais, que haviam obedecido aos mandamentos do Senhor; não procederam como eles.
18Sempre que o Senhor lhes mandava juízes, o Senhor estava com o juiz, e os livrava das mãos dos inimigos enquanto o juiz vivia, porque o Senhor se deixava comover pelos gemidos dos aflitos. 19Mas, quando o juiz morria, voltavam a cair e portavam-se pior que seus pais, seguindo outros deuses, servindo-os e adorando-os. Não desistiram de suas obras perversas nem da sua conduta obstinada.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 105,34-44)
20ª Semana Comum
Segunda-feira 19/08/13

— Lembrai-vos de nós ó Senhor, segundo o amor para com vosso povo!
— Lembrai-vos de nós ó Senhor, segundo o amor para com vosso povo!

— Não quiseram suprimir aqueles povos, que o Senhor tinha mandado exterminar; misturaram-se, então, com os pagãos, e aprenderam seus costumes depravados.
— Aos ídolos pagãos prestaram culto, que se tornaram armadilha para eles; pois imolaram até mesmo os próprios filhos, sacrificaram suas filhas aos demônios.
— Contaminaram-se com suas próprias obras, prostituíram-se em crimes incontáveis. Acendeu-se a ira de Deus contra o seu povo e o Senhor abominou a sua herança.
— Quantas vezes o Senhor os libertou! Eles, porém, por malvadez o provocavam, mas o Senhor tinha piedade do seu povo, quando ouvia o seu grito na aflição.


Evangelho (Mt 19,16-22)
20ª Semana Comum
Segunda-feira 19/08/13


A Deus, tudo!

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 16alguém aproximou-se de Jesus e disse: “Mestre, que devo fazer de bom para possuir a vida eterna?” 17Jesus respondeu: “Por que me perguntas sobre o que é bom? Um só é o Bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos”. 18O homem perguntou: “Quais mandamentos?” Jesus respondeu: “Não matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não levantarás falso testemunho, 19honra teu pai e tua mãe, e ama o teu próximo como a ti mesmo”.
20O jovem disse a Jesus: “Tenho observado todas essas coisas. Que ainda me falta?”21Jesus respondeu: “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me”. 22Quando ouviu isso, o jovem foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.
Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém

QUE O SENHOR ILUMINE SUA VIDA E SEU CORAÇÃO! BOA SEMANINHA!


"Quem de manhã compreendeu os ensinamentos da sabedoria, à noite pode dormir contente." Tenha um Bom Dia!

BOA SEGUNDA E UMA SEMANA COM MUITAS COISINHAS BOAS!!!

Podcast - Ouça a história do santo do dia

Podcast

Você sabia que:

O círio pascal é o símbolo principal da Páscoa, pois reúne em si mesmo aos simbolismos derivados da luz e do fogo.



Círio Pascal

É uma grande vela que é acesa no fogo novo, no Sábado Santo, logo no início da celebração da Vigília Pascal. Assim como o fogo destrói as trevas, a luz que é Jesus Cristo afugenta toda a treva do erro, da morte, do pecado. É o símbolo de Jesus ressuscitado, a luz dos Povos.
Após a bênção do fogo acende-se, nele, o Círio. Faz-se a inscrição dos algarismos do ano em curso; depois crava-se neste, cinco grãos de incenso que lembram as cinco chagas de Jesus e as letras "alfa" e "Omega", primeira e última letra do alfabeto grego, que significa o princípio e o fim de todas as coisas.

TERÇOS – VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
 

TERÇO DA FÉ
 

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO


LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Oração desta Hora

Terço - Mistérios Gloriosos - Quarta-Feira e Domingo


Terço do Rosário: Mistérios Gloriosos




TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Santo Alberto Hurtado Cruchaga - 18 de Agosto


Santo Alberto Hurtado Cruchaga
(1901-1952)
Nasceu em Viña del Mar (Chile), no dia 22 de janeiro de 1901. Aos quatro anos ficou órfão de pai. Foi obrigado a experimentar a pobreza durante sua infância. Recebeu de sua mãe a fé e a coragem para enfrentar os desafios de uma vida árdua. Graças a uma bolsa de estudos, pôde freqüentar o Colégio dos Jesuítas em Santiago. Trabalhando para sustentar a mãe e o irmão, conseguiu formar-se em direito. Desde cedo, preocupou-se com os mais necessitados.

Santa Helena - 18 de Agosto




Santa Helena, dedicou-se ao Cristianismo

Depois da conversão se dedicou na ajuda ao Cristianismo no tempo da liberdade religiosa acontecida durante o Império Romano
Nascida no ano de 255 em Bitínia, de família plebéia, no tempo da juventude trabalhava numa pensão, até conhecer e casar-se com o oficial do exército romano, chamado Constâncio Cloro.

BOA TARDE! "SER FELIZ NÃO É APENAS RESUMI A NOSSA VIDA EM BONS MOMENTOS. SER FELIZ É TAMBÉM CURTIR A VIDA AO LADO DE PESSOAS QUE NOS AMAM E NOS FAZEM FELIZES..."

LITURGIA DIÁRIA - O Domingo – Crianças

Dia 18 – MISSA DA ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA
Santificada pelo amor!


HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 18/08/2013

18 de Agosto de 2013

Ano C


Lc 1,39-56

Comentário do Evangelho

A festa da vitória de Deus

A solenidade da Assunção da Mãe de Deus é, em primeiro lugar, a festa da vitória de Deus e do seu Cristo sobre o mal e a morte. Deus é o Senhor da vida. “Por um só homem a morte entrou no mundo, também por um só homem vem a ressurreição dos mortos. Assim como todos morrem em Adão, em Cristo todos receberão a vida” (1Cor 15,21-22).
A festa da Assunção da Mãe de Deus é a festa da Páscoa do ser humano, da participação da nossa humanidade na Páscoa de Cristo.
O trecho do livro do Apocalipse é uma visão, uma revelação de um grande sinal. Como se trata de um sinal, ele precisa ser interpretado e bem compreendido. Este grande sinal é o da Igreja triunfante, na eternidade (“lua debaixo dos pés – v. 1), vitoriosa (“coroa de doze estrelas” – v. 1), iluminada com a luz do Cristo Ressuscitado (“vestida com o sol” – v. 1), pronta para dar à luz (v. 2); a Igreja fiel ao seu Senhor gera, pela fé, novos filhos. É ameaçada pelo Dragão (vv. 3-4), e protegida, ela e seu filho (v. 5-6). Essa imagem não foi aplicada imediatamente a Maria, somente mais tarde e como fruto do amadurecimento da fé da Igreja na ressurreição de Jesus Cristo. A mãe de Deus é modelo do discípulo que, não obstante a perseguição e o sofrimento, guarda fielmente a palavra de Cristo. O texto do Apocalipse tem como finalidade manter viva a esperança da Igreja peregrina e sustentar o seu testemunho. A mãe do Senhor é ícone da Igreja.
O dogma da Assunção, defendido em 1950 pelo Papa Pio XII, afirma que Maria foi “elevada à glória celeste”. Não se trata de um deslocamento espacial. Não se afirma uma nova localização, mas a transfiguração do corpo e a passagem de sua condição terrestre para a condição gloriosa da totalidade de sua pessoa (= corpo e alma).
A festa da Assunção é a festa do destino do ser humano: destinado à plenitude da felicidade – isto é, à “glória celeste”. A vida de Maria, como a nossa vida, não se encerra nos limites desta história, mas tende plenamente para Deus, por quem ela é atraída desde sua concepção. A Assunção de Maria é sinal concreto de esperança para todo o gênero humano; é sinal da dignidade presente e futura do homem criado e redimido por Deus.
Carlos Alberto Contieri, sj
ORAÇÃO
Senhor Jesus, que a contemplação da assunção de tua mãe santíssima me inspire a viver em comunhão com Deus, servindo-o como servo humilde.

Vivendo a Palavra

A certeza de que Maria está junto do Pai gozando a plenitude do Reino de Amor nos conforta e alegra. Nossa Mãe, que proclamou em vida a grandeza do Senhor e se alegrou em Deus, nosso salvador, já está na gloria do Céu e zela por nós, que somos hoje a Igreja de seu Filho neste planeta jardim.

Reflexão

O encontro de Maria com Isabel nos mostra um pouco do que deve ser um encontro de verdadeiro amor entre duas pessoas. Por um lado, vemos Maria, que vai ao encontro de Isabel assim que sabe da sua situação, vai para servir, fazer com que seu amor se transforme em gesto concreto. Quando encontra Isabel, a saúda, pois valoriza aquele momento de encontro e também a pessoa com quem se encontra. Por outro lado, vemos Isabel que, ao ver sua prima, exalta imediatamente todos os seus valores como mãe do seu Senhor, assim como as suas virtudes. E este encontro termina com um cântico de exaltação ao amor de Deus.

Meditação

Como você encara o dever para com seus irmãos de sangue? - Como você manifesta humildade? - Que lugar Nossa Senhora ocupa em sua vida? - Qual o ato de devoção a Nossa Senhora que mais lhe agrada? - Você se considera uma pessoa de bom coração?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R


Comentários do Evangelho

FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...

1 - “BENDITA ÉS TU ENTRE AS MULHERES E BENDITO É O FRUTO DO TEU VENTRE! - Olívia Coutinho - ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA - 18 de Agosto de 2013 - Evangelho Lc 1, 39-56


Com muita alegria, celebramos hoje, a solenidade da Assunção de Nossa Senhora!

É importante não confundirmos assunção com ascensão. A assunção, é  de Nossa Senhora, vem nos falar, que ela foi levada ao céu, não subiu por si mesma e sim, pelo poder de  Deus!  Enquanto que a ascensão, é de Nosso Senhor, vem nos falar da sua  subida ao céu, Ele sim, sendo o próprio Deus, subiu ao céu  pelo seu próprio poder!

 A festa de hoje, nos convida a refletir, sobre o sentido da  nossa vida, o para “quê” viemos ao mundo e como devemos conduzir a nossa vida. Maria, com o seu testemunho, nos ensina, que só alcançaremos a nossa realização plena, se nos deixarmos conduzir,  pela  vontade de Deus!

Maria foi puro amor e doação, ela se entregou por inteira à serviço do Reino de  Deus,  abrindo mão de todos os  seus projetos pessoais, para viver  o projeto de Deus, que tem como fundamento o amor!

A solenidade deste domingo, nos apresenta  Maria como  modelo de vida cristã, um modelo a ser seguido por todos nós! Nossa vida, se pautada no  exemplo desta grande mulher, com certeza, será uma vida fecunda!

Deus cativou Maria e ela se deixou cativar por Ele, se entregando por  inteira à seu serviço!

Assim que recebeu do Anjo, o anuncio de que ela seria  a mãe de Jesus, Maria ficou sabendo  também da gravidez de sua prima Isabel. Movida pelo o amor ao próximo, ela não hesitou, se pôs à caminho, indo ao auxílio de Isabel, que certamente necessitaria de maiores cuidados devido a sua idade avançada. Com este gesto abnegado de amor e entrega, Maria  nos dá um grande exemplo de solidariedade, nos ensinando que o amor é mais do que sentimento, mais do que palavras: o amor é gesto concreto, é decisão de ir ao encontro do outro, de inteirar-se de suas necessidades.

Subindo  montanhas, levando Jesus no seu ventre, Maria tornou-se a primeira pessoa a  levar Jesus ao outro, ou seja, a primeira discípula de Jesus!

O evangelho de hoje, narra  dois encontros marcantes, o encontro de duas mães: Maria e Isabel,  uma se alegrando  com a alegria da outra, e juntas agradecendo  a Deus pelo dom da fecundidade, mostrando-nos  que o poder de Deus é infinito! Neste encontro de mães, acontece também o encontro de duas crianças, que estavam sendo gestadas no ventre destas duas  mulheres distintas, um encontro invisível, porém sentido!  No ventre da jovenzinha de Nazaré, crescia Jesus, àquele que seria O Salvador do mundo. E no ventre, antes estéril de Isabel, crescia João Batista, àquele que  seria  o grande profeta, o precursor que iria preparar o caminho para a entrada de Jesus na historia da salvação.

Ao se entregar totalmente à serviço de Deus, Maria participou da historia da libertação da humanidade, enfrentando todos os desafios, desde a concepção de Jesus, até a sua morte de cruz! E mesmo com o coração transpassado de dor, Maria  manteve-se de pé, aos pés da cruz.

Maria é a voz que grita na defesa dos pobres, de todos aqueles que buscam nela, força e coragem  para lutar e vencer os “poderosos!”

No canto do magnificat, o coração de Maria manifesta de modo transbordante a sua gratidão  pela  imensidão de maravilhas que Deus  realizou em sua vida!  Realizações, que Ela reconhecia não serem  somente em seu  favor, mas em favor de toda humanidade, uma vez que, pelo seu Filho Jesus, a salvação entrou na humanidade!

Maria nos ensina que as maravilhas que Deus realiza em nós, é em favor  de todos!

O MAGNIFICAT é um canto de amor e de humildade, em que Maria reconhece o poder, a majestade do Senhor e se submete humildemente à sua vontade, proclamando-se bem aventurada.

Com Maria aprendemos que a humildade nos aproxima da perfeição e que ao dizermos "sim" a Deus, Ele nos  transforma em “grandes”  mesmo na nossa pequinês!

Podemos também, assim como Maria, louvar a Deus, dizendo: A minha alma engrandece o Senhor, porque olhou para a humildade de seu servo ( a)  “ O Todo Poderoso fez grandes coisas em meu favor...”

O canto  de Maria, diante do Seu Senhor, ecoa no coração de cada um de nós, nele está expresso  a confiança total no Deus misericordioso!

Que nossos corações estejam sempre iluminados com a luz da bondade que iluminou o coração de Maria, a grande defensora dos pobres e sofredores.

Estimado Leitor (a): Agradeço do fundo do meu coração, a todos vocês, que dispõe do seu precioso tempo na leitura destas minhas reflexões, em especial, aos que deixam seus comentários, os quais  me incentivam a continuar nesta caminhada missionária.

QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO A TODOS: Olívia Coutinho

FIQUE NA PAZ DE JESUS!


2 - ASSUNÇÃO DE MARIA-José Salviano - FESTA DA ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA  Solenidade.  - 18 de Agosto - Evangelho - Lc 1,39-56

Hoje celebramos a solenidade da Assunção de Maria em corpo e alma aos Céus. E foi pela Constituição Apostólica Munificentíssimus Deus, de 1 de novembro de 1950, que  o papa Pio XII proclamou a Assunção da Virgem Maria como dogma de fé.   Porém é bom lembrar que a devoção em homenagem a  Nossa Senhora Assunta aos Céus já existia bem antes da proclamação desse dogma. E o ponto mais alto dessas devoções, ocorreu na Idade Média, sendo na França o principal palco das devoções marianas, principalmente da sua Assunção. O reconhecimento popular daquela que abrigou por nove meses o Filho de Deus e em seguida o entregou ao mundo, foi algo muito marcante na Europa medieval, principalmente entre os franceses.
Maria cheia da graça de Deus, a mais feliz de todas as mulheres do mundo, até o momento em que viu o bendito fruto do teu ventre crucificado por nossos pecados. Essa é uma história de dupla entrega, uma história  do mais puro amor que mostra a fusão entre o divino e o humano na pessoa daquela jovem pura, para realizar o plano de Deus de salvar a humanidade inteira.
Lamentavelmente nem todos os homens e mulheres da humanidade aceitaram a pessoa de Maria Virgem e Mãe puríssima do Filho de Deus pela força do Espírito Santo. Nem todos os humanos a reconheceram como a mãe de Deus! Fato lamentável que aconteceu e acontece com os participantes de outra religião não criada por Jesus, mas sim por um homem.
Nós, os católicos, festejamos a pessoa de Maria,  porque reconhecemos n'ela  a mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho unigênito, que provou ser o próprio Deus, através de mais de mil milagres, sendo que somente 51 deles estão registrados nos Evangelhos.
A figura de Maria incomoda muito alguns dos nossos irmãos separados na fé, os quais têm por ela verdadeira aversão, para não dizer, ódio.  Como podemos ser salvos pelo Filho se rejeitamos e não reconhecemos a sua mãe?
Meus irmãos. Quando nós incomodamos, devemos ficar felizes por que estamos atingindo o objetivo.  Percebo que às vezes eu incomodo alguns leitores, quando boto o dedo em certas feridas. como: Celibato x pedofilia, mãe solteira, redução da maioridade penal, entre outras coisas que não deveriam estar acontecendo em nossa sociedade, mas, infelizmente estão aí.  E por fazermos vistas grosas diante de tais fatos é que eles estão  aumentando. Não podemos fechar os olhos diante dessa realidade!  Por que na qualidade de imitadores de Cristo, temos de denunciar as imperfeições sociais, mesmo que isso não agrade a alguns. Foi o que Jesus fez com os erros dos líderes judaicos, enfrentando-os sem nenhum medo:  "Fariseus hipócritas" "Sepulcros caiados"...
E é importante deixar claro, que denunciar o erro não tem nada a ver com discriminação.  Jesus odiava o erro, o pecado. Mais amava aqueles que erravam, ao ponto de perdoá-los publicamente, como foi o caso daquela mulher, que conhecemos pelo nome de Madalena,  que jogaram em seus pés, por ser pega em flagrante de adultério.  Discriminar, é uma coisa, denunciar é outra.
O CATEQUISTA NÃO É AQUELE QUE DIZ O QUE OS OUVINTES OU LEITORES QUEREM OUVIR (PALAVRAS BRANDAS, ELOGIOS), MAS SIM AQUELE QUE  DIZ O QUE ELES PRECISAM OUVIR! O CATEQUISTA, É AQUELE QUE NOS TRÁS O RECADO DE JESUS CRISTO, SEM MEIAS PALAVRAS, SEM RECEIO DE ESTAR MELINDRANDO, COMO CRISTO FEZ COM OS DOUTORES DA LEI E FARISEUS. O CATEQUISTA É AQUELE QUE DENUNCIA OS NOSSOS DEFEITOS, E DEPOIS NOS PERDOA, COMO O FÊS JESUS!
Maria, mãe imaculada, exemplo de castidade e de obediência a Deus, é o nosso espelho da pura vivência na fé.
Nós temos de nos apegar a ela, a Mãe puríssima, Mãe castíssima,  Mãe imaculada, para que nos ajude intercedendo junto ao seu Filho como no dia do seu primeiro milagre em Caná, para que tenhamos forças para viver diante de Jesus em estado de graça, em plena castidade. Porque o mundo que aí está faz de tudo para que sejamos promíscuos, pedófilos, violentos, desonestos, impuros...
Você já reparou que os filmes nos dão a impressão que a sociedade não pensa em outra coisa senão no prazer sexual. Por que os personagens ou estão fazendo sexo, ou estão se preparando para isso, ou estão falando sobre esse assunto. Você já reparou nisso? Toda essa enxurrada em cima da cabecinha de nossos jovens, os faz pensar que isso é algo normal e sem a menor conseqüência, isso os faz desistir de qualquer proposta que lhes fazemos a respeito do Reino de Deus!
Maria é como a lua, ela não tem brilho próprio, mas nos reflete o brilho da luz de Jesus. Maria é aquela que intercede por nós junto a seu Filho e este intercede por nós junto ao Pai...
Jesus se fez homem para sentir na pele os nosso problemas, porém, Maria, não se fez, ela era humana. E assim, como qualquer um de nós, ela é capaz de sentir as nossas dores, nossos sofrimentos com a mesma intensidade que nós.
É claro  que Jesus, enquanto homem, pode viver a nossa realidade, porém o seu lado divino estava sempre presente, o resgatando nas horas difíceis, como nas tentações do deserto, por exemplo. Não estamos desmerecendo a capacidade de Cristo assumir a nossa dura realidade, porém, na verdade, Maria já era uma de nós, de carne e osso, sem nenhum lado divino... Se estou errado nessa colocação, que alguém mais preparado do que eu me corrija, e humildemente aceitarei a crítica...
Porque criticar é mostrar os dois lados: o certo e o errado.  O certo é a solução. Criticar por criticar é fruto de inveja. A crítica construtiva, a crítica como correção fraterna, mostra o seu lado bom, depois mostra o seu erro e em seguida a solução, para que você se corrija e não caia mais no erro.
Santa Maria mãe de Deus, rogai por nós e por todos aqueles que não te reconhecem como a Mãe do Salvador!
Tenha um santo domingo.

3 - “aquela que acreditou ”- Helena Serpa - 18 de agosto - Evangelho - Lc 1,39-56 - Postado por JOSÉ MARIA MELO 

1ª. Leitura – Apocalipse 11,19;12,1.3-6.10 – “O sinal no céu”

No Livro das Revelações São João descreve a visão que teve de um grande sinal no céu: a figura de uma mulher vestida de sol, com uma coroa de doze estrelas, sendo perseguida por um dragão. Esta figura representa para nós Maria a Mãe de Jesus que é também a Mãe da Igreja e o dragão, o inimigo de Deus que persegue a Igreja de Jesus Cristo. Esta revelação nos mostra também como Maria foi preservada por Deus que lhe preparou um lugar na Sua glória, como afirma a Tradição da Igreja, sendo ela assunta ao céu pelos merecimentos do Seu Filho Jesus Cristo.
– Se você quiser saber mais sobre a Assunção de N. Sra. acesse o site www.lepanto.com.br.

Salmo 44 – “À vossa direita se encontra a rainha com veste e
splendente de ouro de Ofir”.

O salmo canta a figura da rainha que se encontra à direita do rei, “tal se nos mostra Maria na glória celestial É a mesma glória que envolve o Filho e a Mãe! Ele nos aparece tão belo! E ela como se nos apresenta suave e terna em seu sorriso de Mãe, estendendo-nos os braços, num convite amoroso, para que vamos a Ela e possamos um dia partilhar de sua bem-aventurança!” (trecho retiro do site). – Qual a imagem que você tem de Maria

2ª. leitura - ! Cor 15, 20-27 – “quando Jesus vier em glória”

São Paulo esclarece para nós como será a nossa ressurreição quando Jesus vier em glória e nos encontrar cheios de fé esperando a Sua volta. Todos nós enquanto aqui estamos devemos manter firme a esperança da vinda de Jesus, pois é promessa Dele. Em Adão todos morrem, em Cristo todos reviverão! Esta é uma verdade que nos garante a Ressurreição daqueles que acreditam em Jesus Cristo o primeiro a ressuscitar dos mortos. Deus já concedeu a vitória ao Seu Filho e com Ele nós também somos vitoriosos. “O último inimigo a ser destruído é a morte, diz São Paulo”. Nesse dia não haverá mais morte, pois Jesus reinará no meio de nós. Os que ainda estiverem aqui serão testemunhas da vinda de Jesus. Os que já tiverem partido ressurgirão e haverão de se juntar a Jesus numa nova terra. Por isso, também acreditamos no privilégio de que Maria não passou pela morte, ela apenas adormeceu e foi assunta ao céu pelo poder de Deus e lá está junto de Jesus. – Você já meditou sobre isso? – Você mantém firme a esperança de se encontrar com Jesus? – Você crê na ressurreição dos mortos?

Evangelho – Lucas 1, 39-56 – “aquela que acreditou”

Maria não reteve nada para si! Entregue ao Espírito Santo ela se determinou a servir a Deus. Não perdeu tempo e, se oferecendo para ser serva do Senhor, correu para ajudar Isabel, sua prima, que precisava da sua ajuda. A visita de Maria a sua prima Isabel e o canto do Magnificat retratam para nós a sua humildade e submissão à vontade do Pai. Mesmo reconhecendo a sua pequenez, ela assumiu a missão de Mãe do Salvador, e não ficou nos lauréis que o título lhe conferia. O Espírito Santo confirmou-a como mãe do Senhor quando João Batista pulou no ventre de Isabel e esta exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” E completou, dizendo: “Bem aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. Como para confirmar toda a graça que recebeu de Deus Pai e inspirada nos livros do Antigo Testamento Maria cantou o Magnificat assumindo ser bem aventurada pelos prodígios que nela aconteciam. Por isso, afirmou: “doravante todas as gerações me chamarão bem aventuradas, porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor”. Assim como Maria, somos também bem aventurados, porque acreditamos nas promessas do Senhor e cheios (as) do Espírito Santo sentimos a presença de Jesus que nos motiva a ir ao encontro das Isabel que hoje estão à nossa espera. Nossa Senhora é nosso modelo, por isso, agradecidos, nós também dizemos quando rezamos o rosário: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” – Você acredita que Nossa Senhora está no céu ao lado de Jesus e que intercede por nós? – Você tem Nossa Senhora também como sua mãe? – Como é a sua devoção para com Maria? – Você costuma rezar o terço e pedir a sua benção? – Ore hoje com Maria e sinta o carinho e a ternura dela, como sua mãe, rainha do céu e da terra!

Helena Serpa

4 - "O CÉU DE MARIA!" - Diac. José da Cruz - ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA - 18/08/2013

Evangelho Lucas 1, 39-56 - "O CÉU DE MARIA!"
        .
Maria foi assunta ao céu, elevada para junto de Deus em corpo e alma. Se Jesus nos abriu as portas do céu que estavam fechadas, Maria foi o primeiro ser vivente a entrar por ela. Na verdade, em Maria os Filhos degredados de Eva puderam sentir o “gostinho” da volta ao Paraíso e viver de novo na plenitude da comunhão com Deus, como era antes do pecado original. Na vida de Maria, desde o seu nascimento, até a sua “dormição” como preferem denominar o término da sua vida terrena os católicos ortodoxos, a gente vai aprendendo que o céu, dom de Deus, é também uma conquista do homem.
A partir de Jesus nos tornamos todos combatentes “Pois é preciso que ele reine, até que todos os seus inimigos estejam debaixo dos seus pés. O último inimigo a ser derrotado é a morte” afirma o apóstolo Paulo na segunda leitura desse domingo em 1Cor 15, 20-27, mostrando-nos que a conquista do céu vai acontecendo na medida em que, em nossa caminhada vamos combatendo e destruindo as forças do mal, que querem nos levar à morte, para longe de Deus e do seu Paraíso, que é o nosso destino glorioso.
É assim que a vitória de Cristo vai sendo confirmada, pois quando falamos que o céu é dom que Deus nos concede, estaríamos sendo ingênuos se imaginarmos que podemos conquistá-lo sem nenhum esforço. Mas o que mais nos surpreende nessa liturgia Mariana é a bela visão apocalíptica de João na primeira leitura, que vê no céu o sinal de uma mulher Guerreira, destemida e Vitoriosa, imagem que a Igreja atribuiu a Maria, pois para chegar vitoriosa no céu, Maria foi também vitoriosa na terra, aliás, a partir da obra que Deus realizou em Maria, o céu desceu a terra. “Uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés, e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas”.
A visão do mal sempre é aterradora, mesmo em uma linguagem simbólica e figurativa como a de João “Um Dragão de sete cabeças e dez chifres, e sobre a cabeça sete coroas” Quem é que não se assusta diante de um bicho feio como este, com tanta força e poder?! Quem é que não se assusta com o mal hoje presente no mundo, marcado por tanta violência, medo, insegurança e o terror? Mas no espaço do céu, que é o lugar de Deus, esse mal tem o poder limitado. “Sua cauda varria apenas um terço das estrelas, atirando-as sobre a terra”, ou seja, a força do bem presente em Maria, consegue neutralizar as forças avassaladoras do mal. Mas quem é essa mulher ousada e vitoriosa, que chamamos de Mãe?
No evangelho festivo da Festa da Assunção, na catequese de Lucas percebemos algo encantador, que faz a diferença na vida de Maria, e que faz a diferença nossa vida também: A Força do Espírito de Deus! Prestemos atenção nas expressões verbais colocadas por Lucas, e que indicam uma ação imediata: Maria partiu – dirigindo-se apressadamente – entrou na casa e cumprimentou Isabel. Maria, essa mulher Guerreira e Vitoriosa, deixa-se mover no dinamismo do Espírito de Deus. Sua vida pacata na pequena Nazaré passa por uma “sacudida”, a partir de então, ela se moverá a partir do Espírito de Deus presente nela e que irá impulsioná-la a sair de Nazaré e a sair de si mesma, abrindo-se cada vez mais para Deus e os irmãos e Maria diante da revelação do anjo descobre a sua vocação de servir “Eis aqui a serva do Senhor...”
Tudo começou quando ela se fez pequena diante de Deus, é aí que o céu já começa a acontecer em sua vida. Quando os homens descobrem nessa vida a vocação para o amor, o céu já se faz presente. A entrada de Maria no céu, na Festa da Assunção, é apenas uma referência de sua glória, esta glória do Senhor que a envolveu totalmente, fazendo-a viver para Deus, sem deixar de viver para os irmãos. E quais são as conseqüências, na vida de Maria e em nossa vida, quando nos deixamos mover pelo Espírito Santo presente em nós? Isso é fácil de perceber nessa catequese de Lucas, olhando para a reação de Isabel - “Logo que a sua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria em meu ventre”. Quem é de Deus e a ele pertence e se entrega, transmite a paz verdadeira, o Shalon que traz alegria.
Quando o evangelho narra que Maria saudou Isabel, não foi uma saudação costumeira de Bom Dia ou Boa Tarde, mas sim a saudação desejando a Paz. Maria é anunciadora da Paz e portadora da Salvação, pois ali, naquela região montanhosa em casa de Israel, o Espírito de Deus transbordante em Maria, preenche também a Isabel e lhe revela: Chegou o Salvador, Deus já está entre vós! João dá cambalhotas no ventre de sua mãe e com ele a humanidade inteira pode pular e cantar, dançar e extravasar sua alegria: Jesus já chegou! Chegou através dos pobres e pequenos como Maria e Isabel.
Nossos sonhos e esperança de chegar a esse céu das plenitudes como Maria, já começa a se tornar feliz realidade quando descobrimos a nossa vocação para o amor e o serviço, tornando-nos também portadores dessa Paz e alegria, que vem do Espírito de Deus presente em nós. SALVE MARIA! ( Festa da Assunção –LUCAS 1, 39-5)

5 - O Todo poderoso fez grandes coisas por mim.-Claretianos - Domingo, 18 de agosto de 2013 - Assunção de Nossa Senhora

Primeira leitura: Apocalipse 11, 19; 12,1.3-6.10 - Uma mulher vestida como sol, tendo a lua sob os pés.

Salmo responsorial: 44 - À vossa direita se encontra a rainha, com veste esplendente de ouro de Ofir. 

Segunda leitura: 1 Coríntios 15, 20-27 - Primeiro Cristo, que é as primícias, depois os que pertencem a Cristo.

Evangelho: Lucas 1, 39-56 - O Todo poderoso fez grandes coisas por mim.

Na metade do mês de agosto, explode a alegria na liturgia da Igreja. No hemisfério norte, coincide, ou se fez coincidir, com as festas ancestrais da canícula do verão boreal. À já celebrada alegria das colheitas acrescenta-se agora uma plenitude de alegria ainda maior ao celebrar a Assunção da Virgem Maria. Ela, a mãe de Jesus, é a “primeira cristã”, deveria ser também a primeira a chegar até Jesus. A fé da igreja quis ver nela a confirmação definitiva de que nossa esperança tem sentido. De que esta vida, ainda que nos pareça ferida de morte, está na realidade grávida de vida, de uma vida que se manifesta já em nós e que devemos celebrar já aqui e agora e, em primeiro lugar, Maria, Mãe de Jesus e Mãe nossa.
Na primeira leitura encontramos um combate frontal entre a debilidade de uma mulher a ponto de dar a luz e a crueldade de um monstro perverso e poderoso que se apropria de uma boa parte do mundo, além de querer arrebatar-lhe o filho. O Apocalipse faz um relato precioso em simbologia na qual as comunidades cristãs podem estar representadas pela mulher, reconhecendo que um setor do cristianismo dos primeiros tempos teve um alto influxo da pessoa de Maria e da presença feminina em seu meio, como sustentáculos da fé e da radicalidade. Por outra parte, o monstro é um sinônimo do aparato imperial. Com suas respectivas cabeças e chifres, representa os tentáculos do poder civil, militar, cultural, econômico e religioso, empenhado em eliminar o cristianismo, por sua ação profética, já que se tornou incômodo para os poderosos da terra.
A segunda leitura abre com uma bela metáfora da ressurreição de Cristo como primeiro fruto da colheita e logo classifica como todos os que em Cristo vivem, em Cristo morrem, também em Cristo vão ressuscitar. Trata-se de uma afirmação da vida plena para os que assumem o projeto de Jesus como próprio e nesse sentido se fazem partícipes da Glória da ressurreição.
No evangelho, o canto de alegria de Maria, proclamado no evangelho, se faz nosso canto. Temos poucos dados sobre Maria nos evangelhos. Os estudiosos nos dirão que, certamente, este cântico, o Magnificat, não foi pronunciado por Maria, mas que é uma composição do autor do evangelho de Lucas. Porém, não resta dúvida que, ainda que não seja histórico, recolhe o autêntico sentir de Maria, seus sentimentos mais profundos diante da ação de Deus. Louvar e dar graças. Não se sente grande nem importante por ela mesma, mas pelo que Deus está fazendo através dela.
“Minha alma engrandece ao Senhor”. Maria goza dessa vida em plenitude. Sua fé a fez viver já em sua vida a vida nova de Deus. Há um detalhe importante. O que nos conta o evangelho não acontece nos últimos dias da vida de Maria, quando já supomos que havia experimentado a ressurreição de Jesus, mas antes do nascimento de seu Filho. Já então Maria estava tão plena de fé que confiava totalmente na promessa de Deus. Maria tinha a certeza de que algo novo estava nascendo. A vida que ela levava em seu seio, ainda em embrião, era o sinal de que Deus se havia colocado a caminho e havia começado a agir em favor de seu povo.
Mais uma vez, em algumas ditaduras, este canto de Maria foi considerado revolucionário e subversivo, por isso censurado. Certamente é revolucionário e sua mensagem tende a virar do avesso a ordem estabelecida, a ordem que os poderosos tentam manter a todo custo. Maria, cheia de confiança em Deus, anuncia que ele se colocou a favor dos pobres e deserdados deste mundo. A ação de Deus muda totalmente a ordem social do nosso mundo: derruba do trono os poderosos e enaltece os humildes. Não é o isso que estamos acostumados a ver em nossa sociedade. Tampouco no tempo de Maria.
A vida de Deus é oferecida a todos, porém somente os humildes, os que sabem que a salvação somente vem de Deus, estão dispostos a acolhê-la. Os que se sentem seguros com o que têm, esses perdem tudo. Maria soube confiar e estar aberta à promessa de Deus, confiando e crendo mais além de toda esperança. Hoje Maria anima nossa esperança e nosso compromisso de transformação deste mundo para torná-lo mais de Deus: um lugar de fraternidade, onde todos tenhamos um lugar à mesa que Deus nos preparou.
Porém, neste dia Maria anima sobretudo nosso louvor e ação de graças. Maria nos convida a olhar a realidade com olhos novos e descobrir a presença de Deus, talvez em embrião, porém já presente, ao nosso redor. Maria nos convida a cantar com alegria e proclamar, com ela, as grandezas do Senhor.
Nota crítica: A estas alturas, é importante não falar da Assunção de Maria simplesmente como quem dá por suposto uma viagem quase sideral de Maria ao céu. Não é necessário deter-se mais uma vez na análise do tema dos “dois pisos” da cosmovisão religiosa clássica... Porém, é necessário, ainda que seja como uma simples indicação, lembrar os ouvintes de que não estamos descrevendo uma assunção sideral, um translado físico, mas uma expressão metafórica, para que não se entenda mal tudo o que com uma bela estética bíblico-litúrgica podemos dizer a respeito.

Oração: Ó Deus, nosso Pai, que levaste Maria a alcançar junto de ti a mesma plenitude de vida de Jesus Cristo; nós te pedimos que nos concedas que, sento como ela, fieis no cumprimento da tua vontade, cheguemos a participar também nós da gloria da ressurreição.

Liturgia comentada

Mãe do meu Senhor... (Lc 1, 39-56)

Na solenidade da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria aos céus, elevada e assumida por Deus em corpo e alma, a Igreja atualiza antiga tradição que remonta ao Séc. VI, quando a liturgia bizantina já celebrava a festa da “Dormição da Mãe de Deus” (em grego, “koimésis tes Theotokou”). Os ícones orientais mostram os apóstolos reunidos em torno do ataúde de Maria, enquanto, em segundo plano, Jesus Cristo abraça a alma da Virgem Mãe, sob a forma de uma criança de colo. No alto, cercada de anjos, Maria, viva, sobre aos céus.

Desde o Concílio de Éfeso (431 d.C.), ao condenar a heresia de Nestório, a Igreja reconheceu a Virgem Maria como “Mãe de Deus” – “não porque o Verbo de Deus tirou dela sua natureza divina, mas porque é dela que ele tem o corpo sagrado dotado de uma alma racional, unido ao qual, na sua pessoa, se diz que o Verbo nasceu segundo a carne”. Aliás, a Igreja sempre ensinou que toda a grandeza da Virgem Maria deriva de sua missão única, ao ser escolhida por Deus para gerar na carne o Salvador.

Como Evangelho para a liturgia da solenidade de hoje, a Igreja escolheu o episódio da Visitação a Isabel. Esta, cheia do Espírito Santo, ao receber a visita de Maria, pergunta: “De onde me vem esta honra de vir a mim a Mãe do meu Senhor?” Ora, o Senhor de Isabel, filha do povo de Israel, era Adonai, o único Deus. Assim, quando a Igreja invoca a Maria com o título de Mãe de Deus, reconhece o seu papel insuperável na encarnação da Segunda Pessoa da Trindade, por obra do Espírito Santo.

De fato, a Bem-aventurada Virgem Maria é a ponte (S. Bernardo de Claraval usa o termo “aqueduto”) pela qual Deus se uniu à humanidade. Jesus Cristo, ao mesmo tempo Deus verdadeiro e Homem verdadeiro, unindo duas naturezas – humana e divina – em sua única Pessoa, realiza em si mesmo a antiga promessa de uma Aliança entre Deus e os homens. A partir de sua encarnação, a família humana entrou em consórcio com a Família divina. Assim, o Pai do Filho é nosso Pai. O Filho é nosso irmão. O Espírito do Pai e do Filho habita em nós.

E Maria é a Mulher especial, preparada por Deus para sua insigne missão. Como espelho e modelo da Igreja, a Mãe de Deus nos ensina e nos anima a ser ponte entre Deus e a humanidade, gerando Cristo para o mundo de hoje e estendendo pontes entre o Senhor e todos os povos e nações. Depois de tudo isso, a Virgem Mãe tem plena razão ao exclamar: “O Senhor fez em mim maravilhas!”

Orai sem cessar: “Bendito é o fruto do teu ventre, Jesus!” (Lc 1, 42)
Texto de  Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br

18 de agosto – 20º DOMINGO DO TEMPO COMUM / ASSUNÇÃO DE N. SENHORA - A MÃE GLORIOSA E A GRANDEZA DOS HUMILDES

I. INTRODUÇÃO GERAL

Em 1950, o papa Pio XII proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora ao céu. Um dogma é um marco referencial de nossa fé, por trás do qual ela não pode retroceder e sem o qual ela não é completa. Proclamamos que Maria, no fim de sua vida, foi acolhida por Deus no céu “com corpo e alma”, ou seja, coroada, plena e definitivamente, com a glória que Deus preparou para os seus santos. Assim como ela foi a primeira a servir Cristo na fé, é a primeira a participar na plenitude de sua glória, a “perfeitissimamente redimida”. Maria foi acolhida, completamente, de corpo e alma, no céu, porque ela acolheu o céu nela – inseparavelmente.

A presente festa é uma grande felicitação de Maria por parte dos fiéis, que nela veem, a um só tempo, a glória da Igreja e a prefiguração da própria glorificação. A festa tem uma dimensão de solidariedade dos fiéis com aquela que é a primeira a crer em Cristo e por isso, também, é a mãe de todos os fiéis. Daí a facilidade com que se aplica a Maria o texto do Apocalipse, na primeira leitura, originariamente uma descrição do povo de Deus, que deu à luz o Salvador e depois se refugiou no deserto. Na segunda leitura, a assunção de Maria ao céu é considerada como antecipação da ressurreição dos fiéis, que serão ressuscitados em Cristo. Observe-se, portanto, que a glória de Maria não a separa de nós, mas a torna unida a nós mais intimamente.

Merece consideração, sobretudo, o texto do evangelho, o Magnificat, que hoje ganha nova atualidade, por traduzir a pedagogia divina: Deus recorre aos humildes para realizar suas grandes obras. Esse pensamento pode ser o fio condutor da celebração. Na homilia, convém que se repita e se faça entrar no ouvido e no coração esse pensamento ou uma frase do Magnificat que o exprima.


II. COMENTÁRIO DOS TEXTOS BÍBLICOS

1. I leitura (Ap 11,19a; 12,1.3-6a.10ab)

O sinal da Mulher, no Apocalipse, aplica-se em primeiro lugar ao povo de Deus do qual nasce o Messias: à Igreja do Novo Testamento, nascida dos que seguem o Messias. Aparece no céu a Mulher que gera o Messias; as doze estrelas indicam quem ela é: o povo das doze tribos, Israel – não só o Israel antigo, do qual nasce Jesus, mas também o novo Israel, a Igreja, que, no século I d.C., quando o livro foi escrito, precisava esconder-se da perseguição, até que, no fim glorioso, o Cristo se possa revelar em plenitude. Ao ouvir esse texto, a liturgia pensa em Maria. Maria assunta ao céu sintetiza em si, por assim dizer, todas as qualidades desse povo prenhe de Deus, aguardando a revelação de sua glória.


2. II leitura (1Cor 15,20-27a)

No quadro da glória celestial, a segunda leitura evoca a visão da vitória de Cristo sobre a morte (presente também na liturgia da festa de Cristo Rei no ano A). O sinal da vitória definitiva de Cristo é a ressurreição, seu triunfo sobre a morte. Essa vitória se realizou na sua própria morte e se realizará também na morte dos que o seguem. Maria já está associada a Jesus nessa vitória definitiva; nela, a humanidade redimida reconhece sua meta.

3. Evangelho (Lc 1,39-56)

O evangelho de hoje é o Magnificat. O quadro narrativo é significativo: Maria vai ajudar sua parenta Isabel, grávida, no sexto mês. Ao dar as boas-vindas à prima, Isabel interpreta a admiração dos fiéis diante daquilo que Deus operou em Maria. Esta responde, revelando sua percepção do mistério do agir divino: um agir de pura graça, que não se baseia em poder humano; pelo contrário, envergonha esse poder, ao elevar e engrandecer o pequeno e humilhado, porém dedicado ao serviço de sua vontade amorosa. O amor de Deus se realiza por meio não da força, mas da humilde dedicação e doação. E nisso manifesta sua grandeza e glória.

O Magnificat, hoje, ganha nova atualidade, por traduzir a pedagogia divina: Deus recorre aos humildes para realizar suas grandes obras. Ele escolhe o lado de quem, aos olhos do mundo, é insignificante. Podemos ler no Magnificat a expressão da consciência de pessoas “humildes” no sentido bíblico: rebaixadas, humilhadas, oprimidas. A “humildade” não é vista como virtude aplaudida, mas como baixo estado social mesmo, como a “humilhação” de Maria, que nem tinha o status de casada, e de toda a comunidade de humildes, o “pequeno rebanho” tão característico do Evangelho de Lucas (cf. 12,32, texto peculiar de Lc). Na maravilha acontecida a Maria, a comunidade dos humildes vê claramente que Deus não obra por meio dos poderosos. É a antecipação da realidade escatológica, na qual será grande quem confiou em Deus e se tornou seu servo (sua serva), não quem quis ser grande pelas próprias forças, pisando os outros. Assim, realiza-se tudo o que Deus deixou entrever desde o tempo dos patriarcas (as promessas).

A glorificação de Maria no céu é a realização dessa perspectiva final e definitiva. Em Maria são coroadas a fé e a disponibilidade de quem se torna servo da justiça e da bondade de Deus; impotente aos olhos do mundo, mas grande na obra que Deus realiza. É a Igreja dos pobres de Deus que hoje é coroada.
A celebração litúrgica deverá, portanto, suscitar nos fiéis dois sentimentos dificilmente conjugáveis: o triunfo e a humildade. O único meio para unir esses dois momentos é pôr tudo nas mãos de Deus, ou seja, esvaziar-se de toda glória pessoal, na fé em que Deus já começou a realizar a plenitude das promessas.
Em Maria vislumbramos a combinação ideal da glória e da humildade: ela deixou Deus ser grande na sua vida.


III. PISTAS PARA REFLEXÃO

A mãe gloriosa e a grandeza dos pobres: O Magnificat de Maria é o resumo da obra de Deus com ela e em torno dela. Humilde serva – faltava-lhe o status de mulher casada –, foi “exaltada” por Deus para ser mãe do Salvador e participar de sua glória, pois o amor verdadeiro une para sempre. Sua grandeza não vem do valor que a sociedade lhe confere, mas da maravilha que Deus nela opera. Aconteceu um diálogo de amor entre Deus e a moça de Nazaré: ao convite de Deus responde o “sim” de Maria, e à doação dela na maternidade e no seguimento de Jesus responde o grande “sim” de Deus, com a glorificação de sua serva. Em Maria, Deus tem espaço para operar maravilhas. Em compensação, os que estão cheios de si mesmos não o deixam agir e, por isso, são despedidos de mãos vazias, pelo menos no que diz respeito às coisas de Deus. O filho de Maria coloca na sombra os poderosos deste mundo, pois, enquanto estes oprimem, ele salva de verdade.

Essa maravilha só é possível porque Maria não está cheia de si mesma, como os que confiam no seu dinheiro e status, mas “cheia de graça”. Ela é serva, está a serviço – também de sua prima, grávida como ela – e, por isso, sabe colaborar com as maravilhas de Deus. Sabe doar-se, entregar-se àquilo que é maior que sua própria pessoa. A grandeza do pobre é que ele se dispõe para ser servo de Deus, superando todas as servidões humanas. Ora, para que seu serviço seja grandeza, o fiel tem de saber decidir a quem serve: a Deus ou aos que se arrogam injustamente o poder sobre seus semelhantes. Consciente de sua opção, quem é pobre segundo o espírito de Deus realizará coisas que os ricos e os poderosos, presos na sua autossuficiência, não realizam: a radical doação aos outros, a simplicidade, a generosidade sem cálculo, a solidariedade, a criação de um homem novo para um mundo novo, um mundo de Deus.

A vida de Maria, a “serva”, assemelha-se à do “servo”, Jesus, “exaltado” por Deus por causa de sua fidelidade até a morte (cf. Fl 2,6-11). De fato, o amor torna as pessoas semelhantes entre si. Também na glória. Em Maria realiza-se, desde o fim de sua vida na terra, o que Paulo descreve na segunda leitura: a entrada dos que pertencem a Cristo na vida gloriosa concedida pelo Pai, uma vez que o Filho venceu a morte.
Congratulando Maria, congratulamo-nos a nós mesmos, a Igreja. Pois, mãe de Cristo e mãe da fé, Maria é também mãe da Igreja. Na “mulher vestida de sol” (primeira leitura) confundem-se os traços de Maria e os da Igreja. Sua glorificação são as primícias da glória de seus filhos na fé.
No momento histórico em que vivemos, a contemplação da “serva gloriosa” pode trazer uma luz preciosa. Quem seria a “humilde serva” no século XXI, século da publicidade e do sensacionalismo? Sua história é: serviço humilde e glória escondida em Deus. Não se assemelha a isso a Igreja dos pobres? A exaltação de Maria é sinal de esperança para os pobres. Sua história também joga luz sobre o papel da mulher, especialmente da mulher pobre, “duplamente oprimida”. Maria é “a mãe da libertação”.


Pe. Johan Konings, sj

Nascido na Bélgica, reside há muitos anos no Brasil, onde leciona desde 1972. É doutor em Teologia e licenciado em Filosofia e em Filologia Bíblica pela Universidade Católica de Leuven (Lovaina). Atualmente é professor de Exegese Bíblica na Faje, em Belo Horizonte. Entre outras obras, publicou: Descobrir a Bíblia a partir da liturgia; A Palavra se fez livro; Liturgia dominical: mistério de Cristo e formação dos fiéis – anos A - B - C; Ser cristão; Evangelho segundo João: amor e fidelidade; A Bíblia nas suas origens e hoje.

E-mail: konings@faculdadejesuita.edu.br
18 de agosto – ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA

ASSUNÇÃO, FRUTO DA FÉ QUE MARIA DEMONSTROU

Estamos acostumados a falar do grande privilégio de Maria. De fato, não há como nos furtar a falar do grande privilégio de ter sido assunta, de ter subido ao céu em corpo e alma. Hoje poderíamos buscar aprofundar-nos nesse caminho bonito, devoto e já bem conhecido de todos, mas nosso objetivo é enfocar algo mais próximo de nosso cotidiano.
Em sua primeira carta aos Coríntios, o apóstolo Paulo afirma que “o último inimigo a ser destruído é a morte”. Nos dias atuais, com a crescente tensão entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, por exemplo, em um e em outro país haverá quem considere o lado contrário como o derradeiro inimigo a enfrentar e destruir; outros enxergam na grande quantidade de impostos que os cidadãos são obrigados a pagar todo ano o supremo antagonista a ser batido; alguns, ainda, elegerão a precariedade do serviço de saúde pública de nosso país como o maior vilão de nossos tempos. Mas, na verdade, não são esses os últimos inimigos a serem vencidos. Qualquer um desses pode até ser vitorioso, mas o inimigo maior já foi vencido.
É com base nesse ponto que muitos veem no cristianismo uma religião muito difícil de se praticar. Com efeito, quando fazia minha graduação em pedagogia, tinha um amigo que se dizia ateu. E de uma maneira impressionante dava as razões de ser ateu. Razões essas que penso serem sérias. Ele não aceitava o credo cristão porque, a seu ver, a fé cristã promete muito. “É muita coisa que ela oferece a seus adeptos; se fosse uma fé que prometesse algo simples, como um saboroso pote de sorvete em um dia quente, seria fácil ser cristão”. E perguntava: “Como se pode aceitar uma religião que afirma constantemente que a pessoa nunca deixará de existir? Ou que vai vencer a morte?” E concluía assim: “É muita informação para minha cabeça; não consigo acreditar”.
Mal sabe ele que é este o verdadeiro desafio do cristão: acreditar mesmo diante de um mundo onde tudo pareça contrário às palavras e ensinamentos de Jesus. E é aqui que encontramos o sentido da festa da Assunção de Nossa Senhora.
Maria não era uma pessoa que questionava pelo simples gosto de questionar, não era alguém que fizera algum tipo de especialização teórica para ostentar um título. Provavelmente, era uma jovem analfabeta. Mas Maria acreditou! Ela confiou nas palavras do anjo Gabriel, não vacilou.
Dizer que Maria foi assunta, elevada em corpo e alma, ou seja, que subiu ao céus em sua totalidade; que ela é agora plenitude, é vida, é esplendor e nos antecipou, pode ser demais, não cabe em nossa cabeça de intelectuais. Como dizia meu amigo: “É muita promessa”. Realmente, para nosso orgulho, é difícil aceitar que uma mulher simples e provavelmente sem instrução nos supere, nos anteceda em tão grande graça.
Jorge A. Luiz,ssp
Maria, glorificada por Deus em corpo e alma
Que beleza contemplarmos a Bem-aventurada sempre Virgem Maria sendo glorificada por Deus em corpo e alma.
“Então, apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas” (Ap 12,1).
Hoje, nós celebramos, no Brasil, a solenidade da Assunção de Nossa Senhora ao Céu. Que beleza contemplarmos a Bem-aventurada sempre Virgem Maria sendo glorificada por Deus em corpo e alma.
Por que a Maria coube tamanho privilégio e tamanha graça? Por tudo aquilo que Deus fez nela, assim como ela cantou no Magnificat: “O Todo-poderoso fez por mim grandes coisas, santo seja o Seu nome”.
Ela foi concebida sem a mancha do pecado original em vista dos méritos de Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador, pelo fato de ter sido concebida e a sua vida ter sido preservada do pecado. A Maria foi guardada e reservada a graça primeira de ser assunta ao Céu em corpo e alma.
Nossa Senhora para nós é a primeira a ser glorificada e exaltada pelo Senhor nosso Deus, ela é um sinal de que devemos também ser santos de corpo, alma e espírito. Que todo nosso ser seja entregue ao mistério do amor de Deus. Não podemos nos deixar corromper pelo pecado que obscurece a nossa mente, o nosso corpo e, assim, nos tornamos vítimas da maldade que há no mundo.
Maria foi preservada e manteve-se fiel ao desígnio de Deus para sua vida; é por isso que hoje celebramos, de forma tão festiva, esse mistério maravilhoso do amor divino da Bem-aventurada, sempre Virgem Maria.
Nós olhamos para o Céu e a contemplamos na presença do Pai, exaltada e coroada como Rainha do Céu e da Terra, pedimos que ela interceda por nós, peça por nós para que, um dia, também possamos participar da glória de Deus.
Que Maria nos ajude na caminhada aqui na Terra para continuarmos olhando para o Céu que nos espera.
Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter


XX Domingo do tempo comum

Amigos aqui deixo uma reflexão, para a liturgia do XX Domingo do tempo comum. Em Portugal a Solenidade de Nossa Senhora da Assunção é celebrada no próprio dia, ou seja 15 de Agosto. Acho que no Brasil esta solenidade é celebrada no domingo seguinte.
Bênçãos.


Domingo XX do tempo comum

LEITURA I Jer 38, 4-6.8-10

LEITURA II Hebr 12, 1-4

EVANGELHO Lc 12, 49-53


Às vezes o Evangelho parece contradizer-se. A liturgia deste domingo apresenta-nos um caso evidente. Sabemos que Cristo veio para dar-nos a paz. “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz”, assegura Ele no Evangelho de São João. No entanto, na passagem evangélica de hoje, Cristo avisa que não veio trazer a paz na terra. “Eu vos digo que vim trazer a divisão”. A divisão afectará inclusive as relações dentro das próprias famílias. “Estarão divididos o pai contra o filho e o filho contra o pai”.



Mas então será que Cristo veio para semear a divisão entre os homens, empurrando-os irremediavelmente em visões do mundo incompatíveis? À luz desta situação, não seria melhor propor às religiões, e especialmente ao cristianismo, que relativizem mais os seus conteúdos, de modo que possamos alcançar mais facilmente um certo entendimento entre os homens? Penso que estas perguntas escondem uma certa ingenuidade. Com efeito, o relativismo que as sociedades ocidentais parecem defender não é um caminho para a paz. Ao contrário, favorece grandemente a exploração do homem pelo homem, o domínio despótico dos fortes, que já nem sequer temem ter de dar conta um dia dos seus actos ao Criador. Não bastam vagos princípios religiosos. Necessitamos verdades religiosas, verdades “fortes” e últimas que protegem o homem; senão o caminho está aberto para todo tipo de abusos.


Na verdade, Cristo veio dar a paz, mas é uma paz tal, que quem não a aceita opta mais decididamente pela escuridão. Rejeitar Deus é sempre nocivo, mas rejeitar um Deus que morre por nós na cruz, com amor infinito, é pior ainda. A paz, que nos dá Cristo, não é despótica, não é fruto de uma violência ou coacção. Esta paz é uma opção oferecida ao homem. E por isso, não é realmente Cristo que divide os homens. É o homem que se divide. E em primeiro lugar, esta divisão se dá interiormente, se dá no coração daquele que não aceita, por egoísmo, o amor de Deus, pois não segue o grito da sua consciência. E depois se propaga nas relações entre os homens.

A primeira leitura, de Jeremias, é um exemplo claro disso. O profeta anuncia a destruição iminente de Jerusalém se os judeus não se decidirem a abandonar os próprios caminhos, e a enveredar por aqueles do Senhor. Então o profeta é rejeitado por grande parte do povo e termina por ser lançado num poço, onde acabaria por morrer, se o Senhor não o protegesse. O homem, que recusa o Deus do amor, é mais vulnerável às seduções da violência e à tentação de enfrentar com crueldade quem lhe diz a verdade sobre a sua vida.

Os judeus do tempo de Jeremias, que pensavam ser talvez muito religiosos, não adoravam autenticamente o Deus verdadeiro e, por isso, era mais fácil não lhes importar enviar para um poço quem os incomodava. Mas não se davam conta que rejeitar Deus desta forma leva à destruição. O seu fim, de facto, era iminente e a destruição de Jerusalém por Nabucodonosor havia de ser terrível e de uma crueldade sem limites. Basta dizer que, sem qualquer sentimento de compaixão e contra todas as regras de nobreza, Nabucodonosor pediu que furassem diante dele os olhos de Sedecias, rei de Jerusalém.

Sendo realistas, segundo o modo como Deus nos ensina a ser realistas – através da Bíblia – devemos reconhecer que, quando nos afastamos de Deus, se estabelece uma secreta conivência com as forças do mal e, então, o caminho dos povos dirige-se insensivelmente ao abismo. Peçamos muito a Deus que as sendas da nossa civilização ocidental se abram à paz que vem de Deus. Para isso, muitos olhos fechados têm se abrir, muitos corações confundidos, devem buscar a simplicidade de Deus. A nossa oração pode alcançar grandes graças. Que ela também nos possa guiar na realização de uma corajosa acção evangelizadora, não segundo as nossas concepções humanas, mas segundo os caminhos do Senhor. Não há que perder tempo.
FONTE: Pe. ulrish pais (Google+)
Sacerdote de Lisboa

LEITURA ORANTE
ORAÇÃO INICIAL
- A todos nós que nos encontramos neste ambiente virtual,
paz de Deus, nosso Pai,
a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo,
no amor e na comunhão do Espírito Santo.
- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!
Preparo-me para a Leitura, rezando:
Jesus Mestre, que dissestes: 
"Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, 
eu aí estarei no meio deles", ficai conosco, aqui reunidos, pela grande rede da internet,
para melhor meditar e comungar com a vossa Palavra. 
Sois o Mestre e a Verdade: iluminai-nos, para que melhor compreendamos 
as Sagradas Escrituras. 
Sois o Guia e o Caminho: fazei-nos dóceis ao vosso seguimento. 
Sois a Vida: transformai nosso coração em terra boa,
onde a Palavra de Deus produza frutos 
abundantes de santidade e missão.
(Bv. Alberione)


1. LEITURA (VERDADE)
O que diz o texto?

Leio atentamente, na Bíblia, o texto Lc 1,39-56.

No episódio da Visitação, Maria e Isabel viveram uma experiência inédita de si mesmas, quando uma se abriu para a experiência da outra, para a habitação de Deus na outra. 

No momento, elas conseguiram assumir em si a outra pessoa, ou outro projeto de Deus. Elas se visitaram enquanto mães. Elas se reconheceram enquanto pessoas amadas e chamadas por Deus. Elas vibraram de alegria e se abençoaram enquanto foram capazes de escutar uma outra voz, capazes de agradecer, e de rezar.

Os bispos do Brasil, nas Novas Diretrizes da Igreja (2011-2015) apontam para a gratuidade e missionariedade, sempre a "partir de Cristo". É o que vivem Maria e Isabel.

A solidariedade é uma resposta ao chamado de Deus e, de qualquer maneira que ela seja vivida, constitui sempre uma forma ativa de compromisso, é um serviço recíproco.

2 – MEDITAÇÃO (CAMINHO)
O que o texto diz para mim, hoje?

Convida-me a ser uma pessoa solidária. Recordamos as palavras dos bispos na Conferência de Aparecida: “Agora, desde Aparecida, Maria convida-os a lançar as redes ao mundo, para tirar do anonimato aqueles que estão submersos no esquecimento e aproximá-los da luz da fé. Ela, reunindo os filhos, integra nossos povos ao redor de Jesus Cristo.” (DAp 265).
No episódio da Visitação é difícil dizer qual das duas mulheres precisava da outra, qual delas auxiliava e servia a outra. Nós estamos acostumados a dizer que Maria foi ao encontro de Isabel para servi-la: isso por força do hábito, e que empreendeu uma viagem para ver a outra. Mas a dinâmica desse episódio não é assim tão simples. A obrigação que motivou a visita de Maria a Isabel, segundo nos informou Lucas, não era uma obrigação de caráter material, de serviços práticos, desses auxílios caseiros que Isabel poderia receber sem problema algum por outras vias. Era uma necessidade que elas tinham de se confrontar na fé.
3 – ORAÇÃO (VIDA)
O que o texto me leva a dizer a Deus? Faço minha oração pessoal e rezo a Maria:
Odogitria Pan-Haghia

Pe. Zezinho, scj
OdogitriaMostra-nos, Maria, os caminhos de Jesus

Odogitria
Mostra-nos, Maria, o caminho pra Jesus
Pan haghia, toda santa és Maria
Pan haghia, toda santa és Maria
Sabes conduzir
Sabes conduzir ao teu Jesus
Quem procura uma luz
CD Quando Deus se calou, Pe. Zezinho, scj
http://bit.ly/jfrWG0

4 – CONTEMPLAÇÃO (VIDA E MISSÃO)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus e o coração de Maria, reconhecendo as graças que Ele nos concede a cada instante.

BÊNÇÃO
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.
Ir. Patrícia Silva, fsp

Oração Final
Pai Santo, nós te pedimos que o exemplo de Maria não só nos encante, mas nos encoraje a segui-la nesta vida com doçura e humildade, amando e servindo aos homens e mulheres que Tu, Pai amado, colocaste em nossa vida. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.