quarta-feira, 27 de novembro de 2013

BOM DIA!! - Eu estou desejando-lhe uma bela manhã que fará o seu dia de sucesso.

UM ABRAÇO BEM GOSTOSO! VOCÊ É UM(A) AMIGO(A) ESPECIAL! UMA BOA QUINTA-FEIRA PARA VC!!!

Outros santos e beatos - 27 de Novembro


Neste dia, o calendário litúrgico recorda os mártires japoneses de Nagasáqui, leigos pertencentes à família real de Firando, decapitados em 1619 e beatificados em 1867. São os beatos Aleixo Nacamura, Antônio Kimura, Bartolomeu Xeki, João Inanango, João Montajana, Ícone Nacanichi, Matias Cozaka, Matias Nicano, Miguel Takechitasa Canghei, Romano Malzuwoca Miwoca, Tomás Cotenda Kinna.

Santo Acário (†640) — monge em Luxeuil, bispo de Moyon-Tournay.

Beato Bernardino de Fossa - 27 de novembro


O Beato nasceu em Fossa, perto de Áquila, em 1420. Sentiu-se chamado a ingressar na Ordem dos Frades Menores da observância. Tomou o hábito na Perugia, das mãos de São Santiago da Marca em 1445. Começou em seguida a pregar com grande êxito na Itália e em 1464, foi enviado como intermediário a Dalmacia e Bósnia. Entre seus textos se encontram uma "Crônica dos Frades Menores da Observância".

São Gregório III - 27 de Novembro


São Gregório III

NascimentoNo século VI
Local nascimentoSíria
OrdemMonge Beneditino, sacerdote e Papa
Local vidaRoma
EspiritualidadeEm 18 de março de 731, são Gregório tornou-se Papa, principalmente pelas virtudes da prudência e bondade. Uma das leis de um Sínodo feito por ele, foi "Seja excluído da Igreja quem tirar, insultar ou destruir as imagens de Cristo, de Sua Mãe e dos Santos". Governou a Igreja em uma época muito difícil, em tempos que a Espanha queria invadir o resto da Europa. Foi um Papa bastante caridoso para com os pobres, douto e santo. Encontra-se sepultado no Vaticano.
Local morteRoma
Morte27 de Novembro de 741
Fonte informaçãoOs cinco minutos dos santos - J.Alves
OraçãoDeus, nosso Pai, arvoramo-nos "sábios" e cheios de razões...mas sem vossa luz é turvo o entendimento e trôpegos os pensamentos. Ignoramos que a vida nos pede simplicidade e humildade. Os sinais da vossa passagem perpassam toda a nossa atribulada existência. Cultivador da bondade e do amor, cuidais de nós com carinho e ternura. Alegria nossa, resplandeceis nos rostos dos amantes, brincais e rolais pela grama abraçado às crianças, gritais nas asas dos ventos e murmurais no profundo das águas e no mais alto do firmamento. Sois o Imprevisível, já estais, mas ainda ides a chegar, vós nos enriqueceis sem nada cobrar e sem se empobrecer. Sem pedir nos concedeis graça sobre graça, pois a cada instante assoprais sobre o universo e tudo respira e tudo se renova como em uma nova recriação.
DevoçãoÀ prudência e bondade
PadroeiroDos sírios e dos pobres
Outros Santos do diaGregório III (papa); Basileu, Valeriano, Máximo, Deudério, Virgílio (bispos); Facundo e Primitivo (márts.); Barlaão, Josafa (confs.); Severino (monge); Apolinário, Teodósio, Oda (confs.); Edvaldo (er.).
FONTE: ASJ

São Virgílio - 27 de Novembro


São Virlio
culo VIII
Foi um dos grandes missionários irlandeses do período medieval e um dos maiores viajantes da importante ilha católica, ao lado dos santos Columbano, Quiliano e Gallo.

Santa Catarina Labouré - 27 de Novembro








Santa Catarina Labouré, privilegiada com a aparição de Nossa Senhora

Celebramos neste dia o testemunho de vida cristã e mariana daquela que foi privilegiada com a aparição de Nossa Senhora, a qual deu origem ao título de Nossa Senhora das Graças ou da Medalha Milagrosa.

Nossa Senhora das Graças da Medalha Milagrosa - 27 de Novembro



Na Capela das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, em Paris, a humilde Irmã Catarina Labouré, impressionava pelo fervor com que rezava. Em 1830, ela foi agraciada com um ciclo de aparições da Santíssima Virgem.

BOA NOITE! - "Quem se ajoelha Diante de Deus... Não se curva diante de nenhuma dificuldade."

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 27/11/2013

27 de Novembro de 2013

Ano C


Lc 21,12-19

Comentário do Evangelho

É na vitória de Jesus Cristo que deve estar apoiada a esperança dos cristãos.

Nosso texto é a continuidade do discurso escatológico de Jesus. Discurso muitas vezes desconcertante em razão da linguagem apocalíptica utilizada. A propósito das perseguições e da morte, é preciso pôr a vida nas mãos de Deus: em primeiro lugar, como dissemos, será uma ocasião de dar testemunho (cf. v. 13) e, em segundo lugar, de confiar que é Deus quem inspira, da força e protege a causa de seus eleitos. Nos Atos dos Apóstolos, o próprio Lucas relata a atitude de Pedro e João, perseguidos pelas autoridades judaicas: “Quanto a eles, deixaram o Sinédrio muito alegres por terem sido julgados dignos de sofrer humilhações pelo Nome” (At 5,41). É na vitória de Jesus Cristo que deve estar apoiada a esperança dos cristãos: “No mundo tereis tribulações, mas coragem! Eu venci o mundo” (Jo 16,33). Com São Paulo podemos, então, nos perguntar: “Quem nos separará do amor de Cristo?”. E com ele respondermos: nada nem ninguém (Rm 8,31-39).
Carlos Alberto Contieri,sj
ORAÇÃO
Pai, dá-me uma fé profunda que me possibilite perseverar nos momentos de dificuldade, sem abrir mão da tarefa que recebi: levar adiante o projeto de Jesus.

Vivendo a Palavra

O texto exala confiança – confiança que devemos ter na Presença do Senhor. Nem mesmo nos preocupemos com o que, ou como dizer, porque o Espírito, em nós e por nós, dirá a Palavra necessária no momento adequado. Simplesmente, acreditemos e nos entreguemos, dóceis, nas mãos do Pai misericordioso.

Reflexão

Ganhar a vida eterna significa ser capaz de lutar no dia a dia pelos valores que a caracterizam. Mas os valores que caracterizam a vida eterna são completamente diferentes dos valores que caracterizam a nossa sociedade de hoje, sendo que a conseqüência dessa diferença é o conflito, que é seguido da perseguição, do ódio e, muitas vezes, da morte. Mas quem de fato acredita na vida eterna e a deseja ardentemente para si assume o projeto de Deus e os valores do Reino dos céus e luta constantemente por eles, não temendo a perseguição e desafiando até mesmo a morte, porque sabe que nada o separará da vida e vida em abundância.

Recadinho


Procuro entender a vida dos santos para entender como deve ser minha vida? - Ainda hoje, em alguns países, há grande perseguição aos cristãos. Rezo por eles para que permaneçam fiéis? - Com a liberdade religiosa que temos em nosso país, procuro dar bom testemunho de fé? - Jesus prometeu que estaria sempre conosco. Aproveito de sua presença em minha vida para deixar que tome conta de meu coração? Quando chegarem a perseguição e os sofrimentos, é sinal que o fim está próximo! O desafio é... perseverar, confiantes, pois o Espírito estará conosco. Os verdadeiros cristãos sempre foram perseguidos. Mas, após os sofrimentos, vem a glória! É certo, pois, que dias melhores virão... a quem for fiel!
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

REFLEXÕES DE HOJE


27 DE NOVEMBRO – QUARTA

Liturgia comentada

Nem um só cabelo! (Lc 21, 12-19)

Jesus falava como o povo. Usava figuras extraídas do dia-a-dia: lírios e pardais, redes e lamparinas, agulhas e camelos. Mesclava todos os “mundos”: o feminino (com a massa de pão e os remendos da roupa velha) e o masculino (os denários e os banquetes); o urbano (dos mendigos) e o rural (dos semeadores); o adulto (com os tribunais) e o infantil (com os folguedos na praça).
No Evangelho, Jesus fala de um fio de cabelo. Nada menor, mais insignificante! Aliás, mera excreção do organismo. Em outras passagens, Jesus fala das mãos (que vale a pena amputar, antes que perder o Reino!), dos olhos (atrapalhados por traves), dos ouvidos (que não querem ouvir), dos rins (que devem estar sempre cingidos, na prontidão para o caminho).
Hoje, quase microscopicamente, o Mestre chama a atenção para um simples “fio de cabelo”. Sua intenção é dizer que, mesmo nas perseguições orquestradas pelos sequazes do anticristo, entre maçonarias e cárceres, tiranos e régulos, podemos confiar na divina proteção, pois “nem um fio de cabelo se perderá de vossa cabeça”.
Sem esta confiança, Paulo não enfrentaria a oposição de seus compatriotas, um Francisco Xavier não atravessaria mares e oceanos naquelas casquinhas de noz que chamavam de “navios”. Sem a certeza de que o Senhor está de nosso lado, Maximiliano Kolbe não se ofereceria para morrer em lugar do outro condenado. Sem a convicção de que Deus caminha conosco, Madre Teresa não teria trocado a segurança de seu convento pelas agruras da vida no sórdido lixão de Calcutá...
É verdade que nos iludimos por longo tempo. Chegamos a crer que a adesão ao Evangelho nos granjearia fama e poder, aplausos e benesses. Como servos de Deus, ocuparíamos lugar nos palanques do mundo, entre as autoridades civis, militares e... eclesiásticas. Graças a Deus, esse tempo passou. Acabou. Hoje, a mídia zomba da Igreja, crucifica os ministros de Jesus no calvário das manchetes. Prega um anti-Evangelho feito de ódio e sarcasmo. A propaganda induz ao pecado. Os Parlamentos legitimam o aborto, chancelam a eliminação de nossos velhinhos. Daqui em diante, ninguém pedirá o batismo para lucrar. Ninguém abraçará o Cristo para se mascarar.
Agora, sabemos que ser cristão é navegar contra a corrente, viajar na contramão. Mas nem um fio de cabelo cairá de nossa cabeça – garante Jesus!
Orai sem cessar: “Aclamemos o rochedo que nos salva!” (Sl 95 [94], 1)
Texto de  Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br

Comentário do Evangelho

O SOFRIMENTO DO DISCÍPULO

A perseguição e o sofrimento do discípulo são tidos por Jesus como sinais premonitórios do fim. O testemunho de seu nome atrairia de tal forma a ira dos inimigos que estes lançariam mão de toda sorte de maldade contra os seguidores do Mestre. Sofrimento, perseguição, prisões, acusações na sinagoga, morte e ódio era o que lhes aguardava. Até mesmo, a perseguição por parte dos próprios familiares. Tudo isso por causa da fidelidade ao Mestre Jesus. Era preciso, pois, avivar neles a chama da perseverança. Tarefa desafiadora!
Não obstante isso, nos momentos mais difíceis os discípulos receberiam a ajuda divina, de forma que não precisariam preparar a própria defesa. Receberiam, também, uma sabedoria tão sublime, capaz de levá-los a convencer seus adversários.
Além da perseverança, os discípulos necessitarão de uma grande fé em Deus. "Nem um só cabelo cairá de vossa cabeça" - garante Jesus ao grupo de discípulos, facilmente contamináveis pelo medo. A luta, afinal de contas, é do Mestre. Os discípulos são unicamente seus mediadores. O Pai os protege, preservando-os do mal, porque é o Senhor. Ninguém como Deus tem nas mãos a vida dos discípulos, e, por conseguinte, tem o poder de livrá-los do mal.
Oração
Espírito que me livra do mal, não permitas que eu sucumba às forças do egoísmo e do mal, mesmo tendo de suportar sofrimentos e perseguições.

Reflexão

Ganhar a vida eterna significa ser capaz de lutar no dia a dia pelos valores que a caracterizam. Mas os valores que caracterizam a vida eterna são completamente diferentes dos valores que caracterizam a nossa sociedade de hoje, sendo que a conseqüência dessa diferença é o conflito, que é seguido da perseguição, do ódio e, muitas vezes, da morte. Mas quem de fato acredita na vida eterna e a deseja ardentemente para si assume o projeto de Deus e os valores do Reino dos céus e luta constantemente por eles, não temendo a perseguição e desafiando até mesmo a morte, porque sabe que nada o separará da vida e vida em abundância.


HOMILIA
PERSEGUIÇÕES E SOFRIMENTOS: CAMINHO PARA A VIDA Lc 21,12-19

Jesus continua falando sobre as perseguições que os discípulos sofrerão. Estas advertências estão inseridas na fala de Jesus ao fazer o envio missionário. As provações dos discípulos de Jesus têm um alcance escatológico, isto é, anteciparão não só a destruição de Jerusalém, mas também a própria Parusia. Os discípulos serão perseguidos, tanto pelas sinagogas judaicas, como por reis e governadores gentios.
Nos evangelhos sinóticos encontramos conjuntos de textos escatológicos, com estilo apocalíptico, que prenunciam o fim dos tempos, de maneira trágica, com a volta do "Filho do Homem". Este estilo literário reproduz a forma encontrada no Primeiro Testamento, no qual, a partir do Dia de Javé, dia de terror para o mundo, porém, de glória para Israel, se elaborou uma literatura apocalíptica. A presença destes textos no Segundo Testamento é o reflexo da antiga tradição das primeiras comunidades de convertidos do judaísmo. Tais textos são encontrados, em bloco, nos "discursos escatológicos", em Mateus (cap. 24-25) e em Marcos (cap. 13), e em dois discursos em Lucas. A invariabilidade das sentenças dos textos, nos três evangelhos, leva a supor que os evangelistas recorreram às mesmas fontes de tradição, especificamente escatológicas.
O discurso escatológico em Marcos prioriza o prenúncio da destruição de Jerusalém, à qual é associada a vinda do Filho do Homem. No discurso escatológico de Mateus, as sentenças sobre a destruição de Jerusalém e sobre a vinda do Filho do Homem estão entremeadas. Lucas, em um primeiro discurso, destaca o tema escatológico da vinda do Filho do Homem (17,22-37) e, em outro, retoma este tema a partir do tema da destruição de Jerusalém, incluindo também a perseguição contra os discípulos missionários (21,5-36). No início do ministério de Paulo havia uma expectativa da volta iminente de Jesus, a parusia. Contudo, essa expectativa surtiu efeito negativo, na medida em que muitos passaram a viver uma vida ociosa e desordenada. Com o tempo, a expectativa da parusia foi desaparecendo, dando lugar à consciência da presença atual de Jesus nas comunidades dos discípulos, que lutam por um mundo novo possível.
O testemunho, nas perseguições e diante dos tribunais, não é resultado da eloqüência, mas, sim, do abandono confiante nas mãos de Deus. É o próprio Jesus é que dá ao discípulo as palavras adequadas a serem proferidas diante dos tribunais. Lucas tinha em mente o testemunho de Estevão e outros mártires. As comunidades dos discípulos, comprometidas com a missão, ao longo da história, têm vivido sob as diversas provações impostas pelos poderosos. A perseverança nas tribulações, suportadas em nome de Jesus, é o caminho para a vida. Dá-me Senhor a graça da perseverança nas tribulações afim de que eu tenha vida plena em Vós.
Fonte Homilia: Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Precisamos ter fibra para abraçar o Evangelho
Nós precisamos ter fibra para abraçar o Evangelho e fazer dele a causa da nossa vida
“É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!” (Lc 21,19).
Meus amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, nós temos escutado os Evangelhos escatológicos. Nesses últimos dias do Tempo Comum e às portas de entrada do Advento, a Liturgia nos remete aos acontecimentos finais de nossa vida, os quais nos preparam para a vinda definitiva do Senhor ao nosso meio. Por isso, somos chamados a ser firmes em nossa fé, porque um sinal muito claro que marca os seguidores de Jesus é a tribulação, a perseguição e a provação. 
Meus queridos irmãos, não é fácil seguir Jesus, não é simples levar a vida em nome d’Ele, porque seremos perseguidos de todas as formas e maneiras! Primeiro, porque o mundo nos ridiculariza, zomba do que nós vivemos, e, muitas vezes, somos incompreendidos até pelos nossos. É óbvio que não podemos viver nossa religião, nossa fé e nossas convicções em Deus de forma fanática, cega, ilusória, pois, se fizermos isso, nós nos confundiremos e também confundiremos os outros. 
Levando uma vida em Deus corretamente, não tenhamos dúvidas de que seremos incompreendidos e julgados pelos outros. No entanto, não tenhamos medo nem receio, mas permaneçamos firmes no Senhor, mesmo sabendo que o mundo em que vivemos é antideus, isto é, contrário à vontade d’Ele. É só permanecermos firmes na fé que o Senhor nos dará a graça da perseverança final. 
Muitos que seguiam o Senhor desanimaram e deixaram o caminho d’Ele; outros preferiram enveredar-se pelas estradas da vida. Nós não podemos dizer que não vamos passar por estes caminhos, pois, muitas vezes, sem Deus querer, caímos, nos perdemos neste mundo, somos levados pelos nossos desejos, pelas intuições e vontades pessoais. 
O que nós precisamos é pedir a Deus a graça da perseverança, da fortaleza e da resistência ao mal para continuarmos firmes no combate até o fim. O que nós precisamos é ter fibra para abraçar o Evangelho e fazer dele a causa da nossa vida. 
Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter
LEITURA ORANTE

Lc 21,12-19 - Oportunidade especial para anunciar



Graça e Paz a todos os que se reúnem aqui, na web, em torno da Palavra.
 Juntos, rezamos ou cantamos o Salmo 94:
(Se, em grupo, pode ser rezado em dois coros ou um solista e os demais repetem)
- Venham, ó nações, ao Senhor cantar (bis)
- Ao Deus do universo, venham festejar (bis)
- Seu amor por nós, firme para sempre (bis)
- Sua fidelidade dura eternamente (bis)
- Toda a terra aclame, cante ao Senhor (bis)
- Sirva com alegria, venha com fervor (bis)
- Nossas mãos orantes para o céu subindo (bis)
- Cheguem como oferenda ao som deste hino (bis)
- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito (bis)
- Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito (bis)

1. Leitura (Verdade) 
- O que a Palavra diz?
Leio atentamente o texto do Evangelho do Dia, na minha Bíblia: Lc 21,12-19. 
- Mas, antes de acontecer tudo isso, vocês serão presos e perseguidos. Vocês serão entregues para serem julgados nas sinagogas e depois serão jogados na cadeia. Por serem meus seguidores, vocês serão levados aos reis e aos governadores para serem julgados. E isso dará oportunidade a vocês para anunciarem o evangelho. Resolvam desde já que não vão ficar preocupados, antes da hora, com o que dirão para se defender. Porque eu lhes darei palavras e sabedoria que os seus inimigos não poderão resistir, nem negar. Vocês serão entregues às autoridades pelos seus próprios pais, irmãos, parentes e amigos, e alguns de vocês serão mortos. Todos odiarão vocês por serem meus seguidores. Mas nem um fio de cabelo de vocês será perdido. Fiquem firmes, pois assim vocês serão salvos.

Jesus fala aos discípulos, dizendo-lhes que serão perseguidos, presos, julgados. E vê nisto tudo oportunidades para anunciar o Evangelho. Mais ainda, lhes dá uma recomendação: não fiquem preocupados. E lhes garante: "darei a vocês palavras e sabedoria suficientes para se defenderem. Jesus Mestre não deixa de dizer-lhes toda a verdade: " Vocês serão odiados por serem meus seguidores, mas fiquem firmes. Nenhum cabelo de vocês de perderá. E vocês serão salvos"

2. Meditação Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Pergunto-me:
no meu ser cristão prefiro as comodidades ou gosto de servir?
Sou coerente no meu seguimento de Jesus Cristo, aceitando a cruz como parte da missão?
Quais são as minhas cruzes?
Quando me julgam, continuo confiando em Deus?
Acredito que Deus me dá sabedoria para enfrentar os que contradizem minha fé? Tenho convicções que me ajudam a vencer as dificuldades?
Recordo a palavra dos Pastores da Igreja na América Latina e Caribe que disseram, em Aparecida: "Identificar-se com Jesus Cristo é também compartilhar seu destino: "Onde eu estiver, aí estará também o meu servo" (Jo 12,26). O cristão vive o mesmo destino do Senhor, inclusive até a cruz: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, carregue a sua cruz e me siga" (Mc 8,34). Estimula-nos o testemunho de tantos missionários e mártires de ontem e de hoje em nossos povos que tem chegado a compartilhar a cruz de Cristo até a entrega de sua vida." (DAp 140).

3. Oração (Vida)
- O que a Palavra me leva a dizer a Deus? 
Rezo ao Senhor, pedindo-lhe a graça da fidelidade.
                   Consagração à Santíssima Trindade
Trindade Santíssima – Pai, Filho, Espírito Santo –
presente e agindo na Igreja e na profundidade do meu ser.
Eu vos adoro, amo e agradeço.
E pelas mãos da Virgem Maria, minha Mãe Santíssima,
eu me ofereço, entrego e consagro inteiramente a vós,
nesta vida e para a eternidade.
Pai Celeste, a vós me ofereço, entrego e consagro
como filho(a).
Jesus Mestre,
a vós me ofereço, entrego e consagro,
como irmão(a) e discípulo(a).
Espírito Santo,
a vós me ofereço, entrego e consagro,
como "templo vivo" para ser santificado.
Maria, Mãe da Igreja e minha Mãe,
vós que estais na mais íntima união com a Santíssima Trindade,
ensinai-me a viver em comunhão com as três divinas Pessoas,
a fim de que a minha vida inteira seja um hino de
glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Amém.
(Bv Alberione)

4. Contemplação(Vida/ Missão) 
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Terei no olhar a certeza da minha fidelidade ao seguimento de Jesus, inclusive nas situações complicadas, de perseguição incompreensão, de cruz. 

Bênção 
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém. 
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém. 
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. 

Irmã Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, faze da Igreja uma testemunha fiel do teu Amor inefável. Que nós, discípulos evangelizadores, mostremos ao mundo a nossa fé, fundamentada no Teu Filho feito homem; a nossa esperança Inabalável na salvação; e nosso amor fraterno a toda a humanidade. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.

BOA TARDE!!! "SER FELIZ NÃO É APENAS RESUMI A NOSSA VIDA EM BONS MOMENTOS. SER FELIZ É TAMBÉM CURTIR A VIDA AO LADO DE PESSOAS QUE NOS AMAM E NOS FAZEM FELIZES..."

LITURGIA DIÁRIA 27/11/2013


Tema do Dia

“Eu lhes darei palavras de sabedoria!”

A leitura de hoje prepara a cena para a visão seguinte de Daniel. Em meio à depravação de costumes da corte real e da profanação dos vasos sagrados, trazidos do Templo de Jerusalém, surge o sinal misterioso – um recado escrito na parede da sala.


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvpor
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadoresar 
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos
a vida eterna. Amém.

Verde. 4ª-feira da 34ª Semana Tempo Comum


Primeira Leitura (Dn 5,1-6.13-14.16-17.23-28)
34º Semana Comum
Quarta-feira 27/11/13

Leitura da Profecia de Daniel.

Naqueles dias, 1o rei Baltazar ofereceu um grande banquete aos mil dignitários de sua corte, tomando vinho em companhia deles. 2Já embriagado, Baltazar mandou trazer os vasos de ouro e prata, que seu pai Nabucodonosor tinha tirado do templo de Jerusalém, para beberem deles o rei e os grandes do reino, suas mulheres e concubinas.
3Foram, pois, trazidos os vasos de ouro e prata, retirados do templo de Jerusalém, e deles se serviram o rei e os grandes do reino, suas mulheres e concubinas; 4bebiam vinho e engrandeciam seus deuses de ouro e prata, de bronze e ferro, de madeira e pedra. 5Naquele mesmo instante, apareceram dedos de mão humana que iam escrevendo, diante do candelabro, sobre a superfície da parede do palácio, e o rei via os dedos da mão que escrevia. 6Alterou-se o semblante do rei, confundiram-se suas ideias e ele sentiu vacilarem os ossos dos quadris e tremerem os joelhos.
13Então Daniel foi introduzido à presença do rei, e este lhe disse: “És tu Daniel, um dos cativos de Judá, trazidos de Judá pelo rei, meu pai? 14Ouvi dizer que possuis o espírito dos deuses, e que em ti se acham ciência, entendimento e sabedoria em grau superior.16Ora, ouvi dizer também que sabes decifrar coisas obscuras e deslindar assuntos complicados; se, portanto, conseguires ler o escrito e dar-me sua interpretação, tu te vestirás de púrpura, e levarás ao pescoço um colar de ouro, e serás o terceiro homem do reino”. 17Em resposta, disse Daniel perante o rei: “Fiquem contigo teus presentes e presenteia um outro com tuas honrarias; contudo, vou ler, ó rei, o escrito e fazer-te a interpretação. 23Tu te levantaste contra o Senhor do céu; os vasos de sua casa foram trazidos à tua presença e deles bebestes vinho, tu e os grandes do reino, suas mulheres e concubinas; ao mesmo tempo, celebravas os deuses de prata e ouro, de bronze e ferro, de madeira e pedra, deuses que não veem nem ouvem, e nada entendem — e ao Deus, que tem em suas mãos tua vida e teu destino, não soubeste glorificar. 24Por isso, foram mandados por ele os dedos da mão, que fez este escrito.25Assim se lê o escrito que foi traçado: mâne, técel, pársin. 26E esta é a explicação das palavras: mâne: Deus contou os dias de teu reinado e deu-o por concluído; 27técel: foste pesado na balança, e achado com menos peso; 28pársin: teu reino foi dividido e entregue aos medos e persas”.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Dn 3,62s.)
34º Semana Comum
Quarta-feira 27/11/13

— Louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim!
— Louvai-o e exaltai-o pelos séculos sem fim!

— Lua e sol, bendizei o Senhor!
— Astros e estrelas, bendizei o Senhor!
— Chuvas e orvalhos, bendizei o Senhor!
— Brisas e ventos, bendizei o Senhor!
— Fogo e calor, bendizei o Senhor!
— Frio e ardor, bendizei o Senhor!


Evangelho (Lc 21,12-19)
34º Semana Comum
Quarta-feira 27/11/13


Oportunidade especial para anunciar


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 12“Antes que estas coisas aconteçam, sereis presos e perseguidos; sereis entregues às sinagogas e postos na prisão; sereis levados diante de reis e governadores por causa do meu nome. 13Esta será a ocasião em que testemunhareis a vossa fé. 14Fazei o firme propósito de não planejar com antecedência a própria defesa; 15porque eu vos darei palavras tão acertadas, que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater. 16Sereis entregues até mesmo pelos próprios pais, irmãos, parentes e amigos. E eles matarão alguns de vós. 17Todos vos odiarão por causa do meu nome. 18Mas vós não perdereis um só fio de cabelo da vossa cabeça. 19É permanecendo firmes que ireis ganhar a vida!

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.
Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém