segunda-feira, 19 de agosto de 2019

BOM DIA! BOA TARDE! BOA NOITE! Oração da noite, Oração da manhã e Oração do entardecer - Deus te abençoe!



Oração da Noite

Boa noite Pai.
Termina o dia e a ti entrego meu cansaço.
Obrigado por tudo e… perdão!!
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos, pela alegria que vi no rosto das crianças;
Obrigado pelo exemplo que recebi daquele meu irmão;
Obrigado também por isso que me fez sofrer…
Obrigado porque naquele momento de desânimo lembrei que tu és meu Pai; Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida, pelo meu desejo de superação…
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe!
Perdão, também, Senhor!
Perdão por meu rosto carrancudo; Perdão porque não me lembrei que não sou filho único, mas irmão de muitos; Perdão, Pai, pela falta de colaboração e serviço e porque não evitei aquela lágrima, aquele desgosto; Perdão por ter guardado para mim tua mensagem de amor;
Perdão por não ter sabido hoje entregar-me e dizer: “sim”, como Maria.
Perdão por aqueles que deviam pedir-te perdão e não se decidem.
Perdoa-me, Pai, e abençoa os meus propósitos para o dia de amanhã, que ao despertar, me invada novo entusiasmo; que o dia de amanhã seja um ininterrupto “sim” vivido conscientemente.
Amém!!!

Oração da manhã

Bom-dia, Senhor Deus e Pai!
A ti, a nossa gratidão pela vida que desperta, pelo calor que
cria vida, pela luz que abre nossos olhos.
Nós te agradecemos por tudo que forma nossa vida, pela terra, pela água, pelo ar, pelas pessoas. Inspira-nos com teu Espírito Santo os pensamentos que vamos alimentar,as palavras que vamos dizer, os gestos que vamos dirigir,a comunicação que vamos realizar.
Abençoa as pessoas que nós encontramos, os alimentos que vamos ingerir.
Abençoa os passos que nós dermos, o trabalho que devemos fazer.
Abençoa, Senhor, as decisões que vamos tomar, a esperança que vamos promover,a paz que vamos semear,a fé que vamos viver, o amor que vamos partilhar.
Ajuda-nos, Senhor, a não fugir diante das dificuldades, mas a abraçar amor as pequenas cruzes deste dia.
Queremos estar contigo, Senhor, no início, durante e no fim deste dia.
Amém.

Oração do entardecer

Ó Deus!
Cai à tarde, a noite se aproxima.
Há neste instante, um chamado à elevação, à paz, à reflexão.
O dia passa e carregam os meus cuidados.
Quem fez, fez.
Também a minha existência material é um dia que se passa,
uma plantação que se faz, um caminho para algo superior.
Como fizeste a manhã, à tarde e a noite, com seus encantos,
fizeste também a mim, com os meus significados, meus resultados.
Aproxima de mim, Pai, a Tua paz para que usufrua desta
hora e tome seguras decisões para amanhã.
Que se ponha o sol no horizonte, mas que nasça
em mim o sol da renovação e da paz para sempre.
Obrigado, Deus, muito obrigado!
Amém!

Rosário de São Miguel ou Terço dos Anjos (Completo) São Miguel, DEFENDEI-NOS NESTE COMBATE !!

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 20/08/2019

ANO C


Mt 19,23-30

Comentário do Evangelho

A salvação é dom de Deus

Este texto dá continuidade ao relato do jovem rico. A riqueza, de fato, é uma ameaça que pode impedir de se entrar no Reino dos céus: “Ninguém pode servir a dois Senhores. Com efeito, ou odiará a um e amará o outro, ou se apegará ao primeiro e desprezará o segundo. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro” (Mt 6,24).
Facilmente a riqueza se confunde com a vida verdadeira e obstrui o dom de Deus. À pergunta dos discípulos: “Quem, pois, poderá salvar-se?” (v. 25), uma vez que a salvação é dom de Deus, Jesus pode dizer: “... para Deus tudo é possível” (v. 26). Pedro pergunta pela recompensa do seguimento de Jesus Cristo: “Que haveremos de receber?” (v. 27): participação no juízo do mundo (cf. v. 28; Mt 25,31). O cêntuplo prometido é o reconhecimento, por Deus, do valor inestimável de cada pessoa e a participação na vida divina. Muitos dos que para o mundo são últimos (servos), no Reino dos céus serão os primeiros.
Carlos Alberto Contieri, sj
Fonte: Paulinas em 20/08/2013

Vivendo a Palavra

Nosso Mestre volta ao seu tema preferido – o espírito de pobreza. É difícil para um rico entrar no Reino do Pai. Peçamos ao Senhor, que tão generosamente nos cumulou de bens e talentos, que nos ensine o desapego e nos dê coragem e grandeza de alma para colocar tudo a serviço dos irmãos.
Fonte: Arquidiocese BH em 20/08/2013

Reflexão

A nossa vida é condicionada por muitos fatores que marcam a natureza humana decaída por causa do pecado. Esses fatores, em geral, nos afastam de Deus e nos impedem de viver plenamente a proposta do Evangelho. A maior dificuldade para superarmos esses fatores se encontra no fato de que nós somos seres naturais, portanto submissos às leis da natureza decaída de modo que para nós isso é impossível. Mas Jesus nos diz no Evangelho de hoje: 'Para os homens isso é impossível, mas para Deus tudo é possível'. Somente confiando plenamente na graça divina e procurando corresponder a ela é que poderemos viver o Evangelho apesar das nossas fraquezas e dos desafios que a vida nos impõe.
Fonte: CNBB em 20/08/2013

Reflexão

No dia 20 de agosto de 1914, o bem-aventurado Tiago Alberione dava início à Família Paulina com a fundação da Sociedade de São Paulo (Paulinos), que tem a missão de viver e anunciar o evangelho na cultura da comunicação social.

Jesus mostra até que ponto a riqueza pode escravizar uma pessoa. Nem todo rico é reprovado por Deus. Existem alguns que têm dinheiro e situação privilegiada, mas ao mesmo tempo partilham o que possuem com os necessitados ou com instituições filantrópicas. O rico, em termos evangélicos, é aquele que, em vez de confiar em Deus, confia nos bens acumulados; em vez de ajudar o próximo necessitado, explora-o. Desse modo, acaba se tornando autossuficiente em relação a Deus e fechado em relação aos semelhantes. Quem assume essa atitude de espírito caminha na direção contrária da salvação. Entretanto, a misericórdia divina se volta também para ele, pois “para Deus tudo é possível”. Felizes, porém, aqueles que são capazes de abandonar tudo para seguirem o Senhor Jesus.
(Dia a dia com o Evangelho 2019 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Meditação

Quais são os principais perigos da riqueza? - Ela é um bem em si? - O que significam para você partilha e comunhão? - É possível ser dono de reinos deste mundo e querer também o reino dos céus? - Rico ou pobre neste mundo, qual é sua verdadeira riqueza?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário em 20/08/2013

Meditando o evangelho

A SORTE DOS RICOS

Pode soar chocante ouvir de Jesus que um rico dificilmente entrará no Reino dos Céus. Ele que foi sempre tão misericordioso, teria preconceito contra os ricos? Por que, então, fecha-lhes as portas do Reino?
Rico, no pensar de Jesus, é quem transforma os bens deste mundo em autênticos ídolos e fecha seu coração para Deus e para os irmãos; quem ama suas propriedades sobre todas as coisas, e, para protegê-las e fazê-las multiplicar, não hesita em lançar mão de qualquer artifício, mesmo injusto, desonesto, ilegal. A penúria do irmão necessitado não chega a sensibilizá-lo. Só pensa em si mesmo, em suas necessidades e em seus prazeres. Por conseguinte, não existe espaço para a graça atuar em seu coração. Neste caso, tornar-se impossível Deus chegar a ser, de algum modo, senhor de sua vida. Nele, o Reino de Deus não pode acontecer. Seu coração está bloqueado.
Não é Deus quem fecha as portas do Céu para o rico. É este quem se recusa a entrar no Reino e assimilar sua dinâmica. Os apelos de Deus tornam-se inúteis e ineficazes. Embora Jesus deseje que o rico abra mão de seu projeto de vida egoísta e acolha o Reino, ele persiste em sua idolatria. O amor de Jesus não chega a tocá-lo.
É por esta razão que é mais fácil um camelo atravessar o buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino dos Céus.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total).
Oração
Senhor Jesus, livra-me da mentalidade dos ricos que recusam o apelo do Reino, por causa da idolatria que lhes corrompe o coração.

Comentários do Evangelho

1 - “OS ÚLTIMOS SERÃO O OS PRIMEIROS!” - Olívia Coutinho

Quando optamos por Jesus, optamos pela vida! Jesus é a fonte de água viva que irriga todo o nosso ser, que nos liberta de tudo aquilo que tenta  nos desviar dos bens eternos!
É priorizando os bens eternos, que estaremos imunizados contra todo e qualquer tipo de sedução arquitetada pelo mundo.
É fazendo um caminho de volta às nossas raízes, que vamos descobrir na nossa essência, o verdadeiro sentido do nosso existir: viemos do Pai e para o Pai retornaremos, o que  deve nos conscientizar de  que não precisamos de tantas coisas, enquanto estamos por aqui, afinal, deste mundo, nada levaremos a não ser o bem que realizamos, este sim, é o único material que precisamos, para construir a  nossa morada no céu!
No evangelho de hoje, Jesus nos alerta sobre os perigos da riqueza. “É mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus”. Foi o que Jesus disse aos discípulos logo após o diálogo com um jovem rico que esteve às portas do Reino, mas não entrou, por não conseguir libertar-se dos bens materiais, “coisas,” que não passam pela porta deste reino.
Diante desta afirmação de Jesus, os discípulos mostram-se apreensivos, e Pedro, preocupado quanto ao futuro deles, pergunta a Jesus: “Nós deixamos tudo e te seguimos. O que haveremos de receber?” Tudo indica que os discípulos, mesmo estando juntos do Mestre, não compreendiam bem a dinâmica do Reino, ainda carregavam consigo a mentalidade do mundo, que visa recompensa por tudo que se faz. Os discípulos estavam longe de entender que o Reino De Deus se fundamenta na gratuidade, no amor e na partilha.
No texto, confronta-se a lógica de Deus e a lógica do homem! A lógica do homem, é guardar, acumular, ter mais coisas, ser mais rico, enquanto que a lógica de Deus, é deixar-se, é abandonar-se, é desprender-se, é partilhar!
Fazendo uma contraposição entre os valores do Reino e os valores classificados aos olhos do mundo, Jesus tranquiliza os discípulos garantindo-lhes que nenhum deles ficaria sem  recompensa por terem deixado tudo para segui-Lo: “Todo aquele que tiver deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos, campos, por causa do meu nome, receberá cem vezes mais e terá como herança a vida eterna”.   Essa tranqüilidade que Jesus passou para primeiros discípulos, se estende até nós, discípulos de hoje!
O seguimento à Jesus, exige de nós renúncia, mas em momento algum Ele nos pede para abandonar os nossos entes queridos. O que Jesus nos pede, é que, coloquemos o Reino de Deus como prioridade em nossas vidas, o que devemos abandonar mesmo, é o egoísmo, o comodismo, a nossa mania de grandeza, grandes inimigos que nos distancia de Deus e dos irmãos.
Precisamos abrir as portas do nosso coração, sair de nós mesmo para ir ao encontro do outro.
Do nosso convívio em comunidade, vão surgindo novos irmãos, novas mães, novos pais, valores que ampliam a nossa família, nos trazendo uma valiosa recompensa!
Quem faz opção por Jesus, não está livre de perseguições, pois o seu testemunho incomoda àqueles que se sentem bem instalados, que não querem mudanças, que vive fechado no seu mundo, insensível ao sofrimento do outro.
Um seguidor de Jesus, vai encontrar inúmeros desafios pelo caminho, mas não vai se abater diante às dificuldades, pois a certeza de que Jesus estará sempre com ele, lhe dará a segurança necessária para seguir em frente.
Os primeiros no reino dos céus, são todos aqueles que o mundo despreza, ou seja: os últimos aos olhos do mundo!
FIQUE NA PAZ DE JESUS – Olívia

2 - “Riqueza, concorrente do Reino dos Céus” Diac. José da Cruz

1 ª Leitura - Juízes 6, 11-24ª

Salmo 84(85),9b - “Ele diz palavras de paz ao seu povo, para seus fiéis”

Evangelho - Mateus 19, 23-30

Dá-se a impressão de que o Jovem mencionado no evangelho anterior, ainda estava se afastando muito triste, quando Jesus começou a falar com os Discípulos "Em verdade vos declaro, é difícil um rico entrar no Reino dos Céus...É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha. Como já refletimos anteriormente, não é proibido ter Fé e ser Rico, o único problema, é que a tal Riqueza é forte concorrente do Reino dos Céus, a riqueza me faz pensar que posso ter tudo e fazer tudo. Tive um amigo de Fábrica muito equilibrado, íntegro e de boa índole, ele acabou fazendo fortuna fácil, por conta da loteria, e algum tempo depois, quando já tinha saído da Fábrica para tocar seu próprio negócio, chegou até mim a informação de que não era mais o mesmo, separara da esposa, deixou a Família para ir embora com uma jovem que dele se enamorou, e ainda aumentou seus rendimentos com alguns negócios ilícitos.
O Dinheiro nos garante tudo, temos todos os desejos alcançados, e desfrutamos de todos os prazeres, mesmo aqueles proibidos, pois nossas ações se baseiam na falsa segurança que o poder econômico nos dá e em um caso assim, o Reino dos Céus nada representa, e a religião não passa der uma prática religiosa sem nenhum comprometimento de nossa vida. Há também ricos que tentam comprar Deus e aliviar suas consciências, participando de projetos sociais ou Filantrópicos, onde fazem uma espécie de investimento a longo prazo para comprar um "lugarzinho" nesse Céu que Jesus promete.
A indagação do Apóstolo Pedro parece meio interesseira: Nós que tudo deixamos para te seguir, o que havemos de ganhar, em outras palavras, que vantagens levamos? Em nosso contexto de uma Sociedade que faz apologia do Consumismo exacerbado, essa pergunta não cai bem, mas no tempo de Jesus a Realidade era outra, Pedro quer saber se estão no caminho certo, se a escolha que fizeram de serem seguidores de Jesus, traria a eles alegria e satisfação interior.
Só pode julgar se as escolhas estão certas ou não, quem tem uma referência segura, e os Discípulos têm em Jesus Cristo a única referência, por ele tudo deixaram e por isso, a alegria que lhes está reservada, ainda nesta vida, não dá para ser dimensionada. Retomando o evangelho anterior, o jovem que no final da história ficou triste, não queria trocar a alegria imediata desse mundo, pela posse dos bens materiais, por uma alegria escatológica, alimentada pela Esperança de algo que ainda virá, e que nem toda riqueza do mundo poder é nos dar...Que os Bens materiais e os poderes desse mundo, nos dá alegrias, isso é indiscutível, o único e maior problema é que lá um belo dia, ela se acaba no Nada....

3 - Pode um rico entrar no reino dos céus? - Helena Serpa

Reflexão Pessoal – Juízes 6, 11-24 – “como um valente guerreiro“

Para nós é incompreensível o modo como Deus nos forma, por isso, em certos momentos da nossa vida nós, como Gedeão, também nos perguntamos: “se o Senhor está conosco, por que nos aconteceu tudo isso”? Na verdade, o que nós percebemos é que o Senhor está sempre atento às nossas necessidades, e está feliz conosco porque foi Ele quem nos criou, no entanto Ele quer nos aperfeiçoar para algo muito maior do que nós esperamos da vida. Ele nos exercita para que possamos enfrentar as lutas da nossa existência como um valente guerreiro. Dentro de nós mesmos (as) há uma força que nos é desconhecida porque vem do próprio Deus e Ele quer que nós tomemos consciência disso. Por isso, devemos estar atentos, porque, em tempo de luta, de penúria, quando lutamos pela nossa sobrevivência o anjo do Senhor aparece para nos dar tranquilidade e mesmo que sejamos os últimos, os menores, o Senhor nos garante: “Eu estarei contigo e tu derrotarás os madianistas como se fosse um só homem”. Os madianistas significam os obstáculos e as barreiras que nós precisamos enfrentar. Há um diálogo constante da parte de Deus conosco a fim de que nós possamos assumir a missão que nos é proposta. Ele nos envia, apesar da nossa limitação. Nós, como Gedeão, sempre pedimos um tempo para esclarecer os nossos questionamentos. Gedeão pediu um tempo para fazer a sua oferta e o Senhor também espera que nós ofereçamos a Ele o que temos de melhor, isto é, a nossa confiança. Quando nós ofertamos ao Senhor a nossa vida e colocamos em Suas Mãos tudo o que temos e tudo o que somos, ele nos usa, nos tranquiliza e nos dá a paz. É a paz na adversidade a quietude da certeza da vitória. – Você sabia que dentro de você há uma força que vem do próprio Deus? – Você tem medo de enfrentar os desafios da sua vida? – Você tem sido exercitado pelas provações da vida? – Você já descobriu o que o Senhor tem preparado para você?

Salmo 84 – “O Senhor anunciará a paz para o seu povo.”

A primeira manifestação da presença de Deus na nossa vida é o nosso coração cheio de paz. O Senhor vem sempre nos trazendo a paz, pois ela é fruto da justiça. É justo que tenhamos um coração voltado para Deus, pois somente assim nós experimentamos a verdade, que é o amor de Deus acontecendo em nós. Por isso, é que nós sentimos o nosso coração pacificado e recebemos das mãos de Deus tudo o que é bom.

Evangelho – Mateus 19, 23-30 – “pode um rico entrar no reino dos céus?”

Depois que o “jovem rico” se afastou muito triste porque possuía muitos bens, Jesus explicou para os seus discípulos o motivo porque isto acontecera. “Dificilmente um rico entrará no reino dos céus.” Na maioria das vezes aquele (a) que possui muitos bens vive muito ocupado (a) e preocupado (a) com os seus haveres e não percebe que o reino de Deus acontece na vida das pessoas simples, sem ambição e que não tem apego à vida terrena. O que atrapalha o rico a não se apossar do reino dos céus não é propriamente o dinheiro e os bens que ele possui, mas o seu apego e o valor que ele dá às coisas que ele tem. O rico a quem Jesus se refere é aquela pessoa que coloca a sua confiança e o ideal da sua vida nos bens que tem e não encontra tempo para Deus, pois não se reconhece necessitado de Deus. Ele alimenta-se de suas posses e, porque possui muitos bens, vive em função deles. É aquele que se basta a si mesmo, sente-se farto, independente, sem carência. Deus é o doador dos nossos bens e tudo quanto Ele coloca em nossas mãos há de ter um sentido para a conquista da nossa vida eterna. No entanto, o próprio Jesus disse que para Deus tudo é possível e quando nós colocamos em Suas mãos e a Ele também oferecemos tudo o que possuímos, a nossa vida adquire um significado de justiça e de felicidade. Diante da interrogação dos discípulos em relação a eles que deixaram tudo para segui-Lo, Jesus lhes garante a recompensa de possuírem cem vezes mais daquilo que deixaram e a vida eterna como herança. Deixar casa, irmãos, pai e mãe, campos, etc. significa não ter apego a nada nem a ninguém para ser dependente do Seu Amor e tê-Lo em primeiro lugar na vida. Nós damos o primeiro lugar a Deus a partir dos nossos pensamentos, sonhos, ideais e ações. As coisas que possuímos, os bens que nós adquirimos não devem se tornar obstáculos para seguirmos a Jesus e viver os ensinamentos evangélicos. Para seguir Jesus nós precisamos apenas de um coração rendido e confiante, certos de que Ele tudo providenciará para a nossa caminhada. A nossa recompensa é certa, pode tardar, mas não falhará. A vida eterna precisa ser a nossa meta de chegada, pois se estivermos lutando somente pelas coisas temporais, seremos pessoas frustradas e sempre carentes. Você possui muitos bens? - Os bens que você possui lhe tiram de Deus? – Com o que você se preocupa? – Você tem a vida eterna como meta de chegada? – Você desejaria passar o restante da sua vida como você é hoje?
Helena Serpa

4 - O rico e o Reino do Céu – Sal

“É mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus.”
Jesus afirma aos discípulos que dificilmente um rico entrará no Reino dos Céus.
E isto acontece porque o rico acha que ele se basta a si mesmo e não precisa de mais ninguém, principalmente de Deus e não segue seus ensinamentos, principalmente com relação aos necessitados, pois a riqueza lhes endurece o coração.
Os discípulos ficaram muito espantados com a afirmação categórica do Mestre, e ficam preocupados com a salvação da humanidade, achando que ela fica complicada por causa do que Jesus disse. Porém, o Filho de Deus os tranqüiliza, dizendo: 'Para os homens isso é impossível, mas para Deus tudo é possível.'
Pedro, o que era o líder do grupo, preocupado com a sobrevivência, interroga Jesus: Nós deixamos tudo e te seguimos. O que haveremos de receber?' E mais uma vez Jesus os tranqüiliza, garantindo-lhes a vida eterna, e a provisão necessária à sua sobrevivência na Terra. “E todo aquele que tiver deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos, campos, por causa do meu nome, receberá cem vezes mais e terá como herança a vida eterna.”
Por outro lado, não obstante toda esta garantia com respeito ao futuro, Jesus adverte que “Muitos que agora são os primeiros, serão os últimos. E muitos que agora são os últimos, serão os primeiros.
Prezados irmãos. O que Jesus está nos dizendo neste Evangelho?Vejamos. Primeiro Jesus nos tranqüiliza, nós que somos anunciadores da sua palavra, que não devemos nos preocupar quanto ao futuro. Tanto em relação à nossa sobrevivência, quanto em relação ao futuro da nossa alma. Porém, Jesus finaliza o seu discurso, mostrando que nem por isso podemos nos acomodar, relaxar, considerando que já estamos salvos por sermos catequistas, padres, freiras etc. Porque se não tomarmos cuidado, poderemos, nós que somos os escolhidos, ser condenados. E outras pessoas que não estão evangelizando hoje, poderão se salvar, a exemplo do que aconteceu a Dimas, o ladrão que foi perdoado no último instante de vida, por Jesus.
Sal.

5 - É mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha ... – Claretianos

Primeira leitura: Juízes 6,11-24ª - Gedeão, vai e livra Israel. Sou eu que te envio.

Salmo responsorial: Salmo 84, 9.11-14 (R. 9b) - O Senhor anunciará a paz para o seu povo.

Evangelho: Mateus 19, 23-30 - É mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus.

Esta parábola equivale à do jovem rico: que equivale, neste texto, a seguir a Jesus na pobreza. Com a comparação do camelo e a agulha, Jesus deixa claro o difícil que é o rico renunciar à sua riqueza para partilhá-la com os pobres e fazer-se discípulo do Reino. Os discípulos se surpreendem com tal radicalidade, porque não haviam compreendido ainda que a segurança da comunidade não está na riqueza, mas no Reino de Deus.
Um Reino que é para os pobres, para todos aqueles que se sentem necessitados. Os ricos, os que estão satisfeitos, os que têm tudo sob controle, serão sempre escravos de suas seguranças e não estarão condicionados nem terão o ânimo de buscar a proposta de Jesus. O Reino de Deus é para as pessoas livres que estão dispostas a assumir mudanças e a caminhar em busca dos desafios, sem bagagens que dificultem seu caminhar.
Os ricos gostam de cobrir-se com o manto das aparências e as mil justificativas, para dar as costas à realidade e tranqüilizar sua consciência, afogando assim a possibilidade de descobrir em Jesus e na pobreza sua maior riqueza.
Fonte: Liturgia Diária Comentada2 em 20/08/2013

Liturgia comentada

Os primeiros serão os últimos! (Mt 19,23-30)
Quem é o Primeiro? Só pode ser o próprio Jesus Cristo, pois, como escreve o evangelista João, “no princípio era o Verbo”. Primeiro, sim, pois anterior a tudo. Anterior até mesmo à criação do universo! Nada existia, e ele era. E mais: “Nada foi feito sem Ele”. (Cf. Jo 1,3)
Ora, exatamente Ele, o Senhor do Universo – que era o primeiro – fez-se o último de todos, ocupando em definitivo o lugar mais baixo que se possa encontrar. O apóstolo Paulo descreve seu rebaixamento voluntário: “Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz”. (Fl 2,6-8)
Charles de Foucauld, o santo do deserto marroquino que inspirou o Século XX, também nos recorda essa “descida” de Jesus que tantos preferem esquecer: “Toda a sua vida, ele não fez outra coisa a não ser descer: descer ao se encarnar, descer ao se fazer criancinha, descer ao obedecer, descer ao se fazer pobre, abandonado, perseguido, supliciado, descer ao se pôr no último lugar”.
É óbvio que esse caminho incomoda, choca, colide com todos os ideais do mundo do capital e do consumo, da glória e do poder. Sempre haverá alguém tentando acomodar as exigências do Evangelho às comodidades do sistema. Toda proposta de rebaixamento e humilhação será sempre rotulada de insensatez, mesmo ao preço de ignorar o drama vivido no Calvário.
Mas a voz de S. Inácio de Loyola nos adverte: “Para imitar mais de perto a Cristo, nosso Senhor, e para ser de fato mais semelhante a Ele, eu quero e escolho a pobreza com o Cristo pobre, de preferência à riqueza; os opróbrios com o Cristo carregado de opróbrios, de preferência às honras. Eu desejo passar por um zé-ninguém e passar por louco pelo Cristo, que foi o primeiro a passar como tal, antes que ser julgado um homem sábio e prudente neste mundo”. (3º grau de humildade)
Enfim, quem nos propõe o último lugar é exatamente Jesus, que assim fez na prática. Sendo Deus, se faz homem. Sendo homem, se faz servo, lavando os pés dos discípulos. Desce mais, e morre na cruz como um escravo. Desce ao túmulo. Desce à mansão dos mortos. E, quando parece que esgotou todas as descidas... desce ao altar, sob a forma de pão. Trigo moído, amassado, assado. Tudo para ser nosso alimento...
Aceitaremos descer com Jesus?
Orai sem cessar: “Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao vosso!”
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
Fonte: NS Rainha em 20/08/2013

HOMILIA DIÁRIA

Faça de Jesus o grande tesouro da sua vida

Faça de Jesus o tesouro da sua vida, saiba ter um coração livre, desapegado, porque um novo amor vai entrar no seu coração.

“E todo aquele que tiver deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos, campos, por causa do meu nome, receberá cem vezes mais e terá como herança a vida eterna” (Mt 19,29).

Hoje, Jesus está olhando para o coração de cada um de nós e nos perguntando: Qual é a sua disposição em me seguir? Qual é a sua disposição em me servir? O que você é capaz de sacrificar, de renunciar por causa do Reino dos Céus?
Ora, dificilmente um rico entrará no Reino dos Céus. Aqui, a tradução da palavra “rico” é soberbo. Por soberbo faço entender aquele que faz de qualquer bem o orgulho e a riqueza de sua vida e de seu coração, é aquela pessoa que possui pouco ou muito, mas coloca nos bens materiais o valor da sua vida, e não sabe ser rico para Deus.
O Senhor não está condenando as riquezas que nós temos nem os bens que possuímos. O que Ele está nos dizendo é que, quando temos bens para nos apegar, não temos tempo para o Reino de Deus.
É questão de escolha, mas, muitas vezes, a escolha do nosso coração é outra, não é o Reino dos Céus.
Às vezes, no dia do Senhor, vemos as pessoas muito ocupadas com seus negócios e afazeres, atarefadas até nas coisas próprias da casa como lavar um carro o dia inteiro, cuidar disso ou daquilo; elas não têm tempo para o Senhor no dia a dia, não tem tempo para a oração.
Faça de Jesus o tesouro da sua vida, saiba ter um coração livre, desapegado, porque um novo amor vai entrar no seu coração. E quando este for invadido pelo amor divino, você poderá amar melhor as coisas que são de sua responsabilidade, poderá amar mais o seu pai, a sua mãe, os seus filhos ou seja lá quem for. O importante é você já ter o seu lugar garantido na presença de Deus, aquele lugar que ninguém tomará de você.
Faça de Jesus o grande tesouro da sua vida.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 20/08/2013

Oração Final
Pai Santo, envia o teu Espírito para ensinar-nos a nos desapegarmos dos bens que a tua Providência nos ofereceu. Que façamos deles instrumentos para aliviar as carências dos irmãos de caminhada – e que o façamos com alegria, sem desejar retornos ou mesmo gratidão. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade doEspírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 20/08/2013