quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

BOM DIA! BOA TARDE! BOA NOITE! Oração da noite, Oração da manhã e Oração do entardecer - Deus te abençoe!



Oração da Noite

Boa noite Pai.
Termina o dia e a ti entrego meu cansaço.
Obrigado por tudo e… perdão!!
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos, pela alegria que vi no rosto das crianças;
Obrigado pelo exemplo que recebi daquele meu irmão;
Obrigado também por isso que me fez sofrer…
Obrigado porque naquele momento de desânimo lembrei que tu és meu Pai; Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida, pelo meu desejo de superação…
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe!
Perdão, também, Senhor!
Perdão por meu rosto carrancudo; Perdão porque não me lembrei que não sou filho único, mas irmão de muitos; Perdão, Pai, pela falta de colaboração e serviço e porque não evitei aquela lágrima, aquele desgosto; Perdão por ter guardado para mim tua mensagem de amor;
Perdão por não ter sabido hoje entregar-me e dizer: “sim”, como Maria.
Perdão por aqueles que deviam pedir-te perdão e não se decidem.
Perdoa-me, Pai, e abençoa os meus propósitos para o dia de amanhã, que ao despertar, me invada novo entusiasmo; que o dia de amanhã seja um ininterrupto “sim” vivido conscientemente.
Amém!!!

Oração da manhã

Bom-dia, Senhor Deus e Pai!
A ti, a nossa gratidão pela vida que desperta, pelo calor que
cria vida, pela luz que abre nossos olhos.
Nós te agradecemos por tudo que forma nossa vida, pela terra, pela água, pelo ar, pelas pessoas. Inspira-nos com teu Espírito Santo os pensamentos que vamos alimentar,as palavras que vamos dizer, os gestos que vamos dirigir,a comunicação que vamos realizar.
Abençoa as pessoas que nós encontramos, os alimentos que vamos ingerir.
Abençoa os passos que nós dermos, o trabalho que devemos fazer.
Abençoa, Senhor, as decisões que vamos tomar, a esperança que vamos promover,a paz que vamos semear,a fé que vamos viver, o amor que vamos partilhar.
Ajuda-nos, Senhor, a não fugir diante das dificuldades, mas a abraçar amor as pequenas cruzes deste dia.
Queremos estar contigo, Senhor, no início, durante e no fim deste dia.
Amém.

Oração do entardecer

Ó Deus!
Cai à tarde, a noite se aproxima.
Há neste instante, um chamado à elevação, à paz, à reflexão.
O dia passa e carregam os meus cuidados.
Quem fez, fez.
Também a minha existência material é um dia que se passa,
uma plantação que se faz, um caminho para algo superior.
Como fizeste a manhã, à tarde e a noite, com seus encantos,
fizeste também a mim, com os meus significados, meus resultados.
Aproxima de mim, Pai, a Tua paz para que usufrua desta
hora e tome seguras decisões para amanhã.
Que se ponha o sol no horizonte, mas que nasça
em mim o sol da renovação e da paz para sempre.
Obrigado, Deus, muito obrigado!
Amém!

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 17/02/2020

ANO A


Mc 8,11-13

Comentário do Evangelho

Os sinais de Jesus, sinais do Reino

A brevidade da cena e do diálogo mostra a decisão deliberada e firme de Jesus de não ceder a nenhum tipo de tentação que possa desviá-lo de sua missão. O nosso texto é a prova de que as tentações de Jesus não fizeram parte de um único momento da sua vida (Mc 1,12-13; Mt 4,1-11; Lc 4,1-13), mas se estenderam por toda a sua existência terrestre. O trecho ajuda o leitor a compreender que as tentações se dão no exercício e em relação à missão e à filiação divina de Jesus. Ele se recusa a fazer qualquer gesto sem motivo e a seu favor, somente para ganhar reconhecimento e aplausos; rejeita toda proposta que o desvie do caminho de um messianismo profundamente marcado pela humildade e pelo serviço. A adesão à pessoa de Jesus não pode se dar através de gestos espetaculares, de um sinal vindo do céu, mas através de uma decisão livre. Nossa perícope está situada imediatamente depois do segundo relato da “multiplicação dos pães”. O sinal sobre o qual se baseia a adesão livre a Jesus é a sua vida entregue, para que todo o povo não desfaleça pelo caminho (cf. Mc 8,3).
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, dá-me sensibilidade para reconhecer a messianidade de teu filho Jesus manifestada no bem que ele fez ao povo e no seu modo simples de ser.
Fonte: Paulinas em 17/02/2014

Vivendo a Palavra

Condenamos a incredulidade dos fariseus, que pedem sinais extraordinários. Não poucas vezes também nós andamos em busca desses sinais, esquecidos de que a fé é entrega total a Deus, com a mesma confiança de uma criança que se joga nos braços confiáveis do seu pai. Nossa vida e a fé são os grandes sinais que recebemos do Pai.
Fonte: Arquidiocese BH em 17/02/2014

VIVENDO A PALAVRA

Costumamos condenar a incredulidade dos fariseus, que pediam sinais extraordinários. Entretanto, não poucas vezes também nós andamos em busca desses sinais, esquecidos de que a fé é entrega total a Deus, com a mesma confiança de uma criança que se joga nos braços confiáveis do seu pai. Nossa Vida e a Fé são os grandes Dons que recebemos do Pai.

Reflexão

Quando Jesus foi tentado pelo demônio no deserto, a segunda tentação era que ele se atirasse do pináculo do Templo, uma vez que os anjos cuidariam dele.Mas a resposta que Jesus deu ao demônio foi: "Não tentarás o Senhor teu Deus". O Evangelho de hoje nos mostra que existem pessoas que sempre estão tentando a Deus, pois, assim como os fariseus pediam um sinal do céu para por Jesus à prova, muitas pessoas querem fazer chantagem com Deus, fazendo uma série de exigências e pedidos mesquinhos para satisfazer seus desejos e fundamentam a sua fé não no amor a Deus, mas na satisfação de suas exigências.
Fonte: CNBB em 17/02/2014

Reflexão

Os fariseus não dão trégua a Jesus. Parecem não ter outra ocupação, a não ser arrumar armadilha para ver o fracasso dele. Desta vez, levantam dúvidas sobre sua pessoa e obras. Jesus nunca se omite; fala abertamente em público; não economiza ensinamentos; reparte o pão para a multidão faminta; faz prodígios que despertam o entusiasmo e a admiração de grande número de pessoas. E chegam os fariseus com essa objeção deslocada, inconveniente, desnecessária: pedem a Jesus uma comprovação de sua autoridade; pedem-lhe um sinal do céu. Cegos, eles não admitem que o Messias é o maior sinal do céu. Diante de tamanha dureza de coração e arrogância, a Jesus resta apenas suspirar “profundamente em seu espírito” e partir para a outra margem. Inútil bater em ferro frio.
Oração
Ó Jesus Mestre, os fariseus te atormentam. Longe de se abrirem para receber e praticar a Boa-Nova que pregas, o que fazem é te pedir um sinal do céu. Não admitem que és o maior sinal vindo do céu. Não merecem tua resposta. É impossível alimentar a quem não abre a boca! Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))

Recadinho

Tenho consciência de que as demonstrações de fé são aquelas que expresso nas horas mais difíceis? - É verdade que nos momentos difíceis quanto mais me dedico ao próximo mais forças encontro para vencer meus problemas? - Procuro de fato as ocasiões de fazer o bem? - O que me leva a agir com dedicação e espírito de serviço? - Dou-me conta de que quanto mais me dedico ao próximo mais abençoado sou por Deus?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 17/02/2014

Meditando o evangelho

O PEDIDO RECUSADO

Jesus recusou-se terminantemente a fazer exibição de seu poder taumatúrgico, para satisfazer a curiosidade alheia ou para provar, a quem se recusava aceitá-lo, sua condição messiânica. Os fariseus tentaram, sem sucesso, arrancar um milagre de Jesus nestas condições. Jesus não caiu nesta armadilha.
São vários os motivos da recusa de Jesus. Os milagres não têm, por si mesmos, o poder de convencer ninguém e levá-lo à fé. Fazer um milagre diante dos fariseus seria perda de tempo e poderia ter o efeito de fazê-los odiar Jesus ainda mais. Os milagres pressupõem a fé e os fariseus representavam uma categoria de pessoas refratárias a Jesus e incapazes de perceber o verdadeiro significado de seu gesto. Os milagres têm como objetivo levar a salvação do Reino a quem é privado de sua saúde ou tem a vida ameaçada. Esse não era o caso dos fariseus que não estavam dispostos a abrir mão de seus preconceitos contra Jesus.
Recusando atender o pedido dos fariseus, Jesus manifestou uma atitude de firmeza diante da tentação de um messianismo espetacular e exibicionista que mantém as pessoas cativas de seu egoísmo, sem sensibilizá-las para o amor e a misericórdia. Igualmente, a tentação de um messianismo humanamente gratificante, pelo sucesso e pelos aplausos. Jesus estava certo de que isto não correspondia ao querer do Pai.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Senhor Jesus, que eu jamais caia na tentação do exibicionismo e da busca do reconhecimento humano fácil, pois não é este o caminho do Pai.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. O Cristianismo dos SINAIS...
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Nos dias de hoje vive muito um Cristianismo bem a moda "Fariseu", assistindo os "testemunhos" das pessoas que migram para as novas igrejas da linha pentecostalista, todas sem exceção iniciaram sua caminhada com Jesus naquela denominação, porque receberam um grandioso milagre, coisa que em outras denominações cristãs não conseguiram, então agora se sentem realizadas e felizes porque enfim encontraram o verdadeiro caminho...
O Jesus criado de maneira estratégica pelos especialistas nesse marketing religioso atende as necessidades dos "clientes", é o Cristo do consumismo, da concorrência, e quem tiver o melhor Jesus terá como recompensa a casa cheia e o Ibope garantido nas telas da TV. Não há problema que fique sem solução com esse Jesus dos espertalhões, quando há falha, o fiel é culpado porque lhe faltou Fé, e quando a urucubaca é demais, entra em cena o diabo, que precisa urgente ser expulso para que o fiel possa ser libertado... Mas até aí a concorrência é braba, pois só aquela entidade religiosa e aquele determinado Fulano tem a fórmula infalível para botar o diabo prá correr...
Este não é o caso das Igrejas Históricas que tem raiz e tradição, estas preservam o valor da FÉ e do testemunho cristão autêntico.
Os fariseus exigem de Jesus um sinal estrondoso que confirme o seu messianismo. A Pessoa de Jesus, o que ele pensa e fala, suas atitudes de comprometimento com as pessoas, tudo isso não têm para o Farisaísmo a menor importância, o que importa mesmo é o milagre, pois só este irá convencê-los a ser também seguidores com os demais...
Mas o termo discípulo seguidor, nesse caso é uma grande piada, ao quererem serem convencidos pelos sinais prodigiosos, eles querem se tornar clientes que precisam ser atendidos em todas as suas necessidades físicas, morais, psíquicas, afetivas e materiais. Não é por acaso exatamente esse o Jesus que inventaram na pós-modernidade?
Atitudes assim continuam fazendo Jesus suspirar profundamente em seu coração.

2. Para pô-lo à prova, pediam-lhe um sinal do céu - Mc 8,11-13
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Os evangelistas contam que os fariseus discutiram com Jesus e fizeram provocações pedindo um sinal do céu. O texto de São Marcos, que estamos lendo, é mais sucinto e resumido. Os fariseus pediram um sinal do céu. Jesus deu um suspiro profundo e disse que nenhum sinal lhes seria dado. E foi-se embora. Querem um sinal do céu? Não vão ter sinal do céu. Se não vão ter sinal do céu, que sinal lhes será dado? Aqui se diz que nenhum sinal lhes será dado. Nenhum sinal em absoluto ou nenhum sinal do céu, mas sim sinal da terra. Eles terão um sinal da terra. O que poderia ser um sinal do céu? Fenômenos extraordinários, revoada de anjos, estrelas caindo e coisas parecidas com shows pirotécnicos. E um sinal da terra, qual seria? O desempregado que foi contratado, o doente que recebeu alta ou que foi atendido, o drogado que aceitou tratamento, projetos governamentais voltados para o bem-estar do povo, ambiente familiar agradável, e tudo o que faz a vida de cada dia, com destaque para os gestos de solidariedade. O suspiro de Jesus foi de impaciência, e o fato de ele ter ido embora indica uma quase desistência em relação aos fariseus. Certamente Jesus não deixou de acreditar nos fariseus. São Paulo apóstolo era de uma família de fariseus. A impaciência de Jesus é com o pedido. Sinal do céu é alienação, é vontade de não se comprometer com o que acontece na terra, é não querer ver e admirar os atos de solidariedade fraterna.

HOMILIA

OS FARISEUS PEDEM UM MILAGRE

As provocações dos fariseus são insistentes. Já espionaram Jesus para ver se curava no sábado. A preocupação então não era o sinal da cura, mas a acusação da infração do sábado. Em casa, em Cafarnaúm, Jesus perdoou os pecados de um paralítico, e o cura, como sinal.
No evangelho de hoje, temos mais um conflito entre os fariseus e Jesus. E mais uma vez na tentativa de acusar Jesus perante as autoridades, pediam de Jesus, um sinal do céu, como uma prova de que Ele era o Messias enviado, queria ver um sinal do seu poder. Queriam que Jesus realizasse algo extraordinário, com fez Moisés, as pragas do Egito e a travessia do Mar Vermelho. Para os fariseus o Messias esperado era poderoso que buscasse glorias, que faria com que as elites conquistassem sua autonomia, e os libertaria da opressão do império romano, destruindo o inimigo.  Indignado e triste, Jesus, vendo a dureza de coração dos fariseus, Jesus diz: "... a essa geração não será dado nenhum sinal" e parte.
Os fariseus eram incapazes de ver os sinais de Cristo na terra, eles não acreditavam no milagre na encarnação de Cristo. Não aceitavam Jesus porque se identificava com multidão de pobres, pecadores, excluídos, doentes, marginalizados, e sentiam seu poder ameaçado por Jesus. Tão cegos e sedentos de poder eram os fariseus, que não foram capazes de perceber o sinal da partilha dos pães.
E nós? Quantas vezes em nossas orações colocamos em dúvida o poder de Deus, seu amor por nós? Quando não somos prontamente atendidos, nossa fé é abalada. Sabemos que tudo o que pedimos com fé, Deus nos concederá. Precisamos ser pacientes em nossa fé, receberemos as graças de Deus quando estivermos prontos para recebê-la. Deus nos conhece, sabe quando será o melhor momento. Deus se homem, em seu Filho Jesus, que deu sua vida para nos salvar. Porque então pedir prova seu poder, de seu amor por nós? Confiemos em Deus e no seu amor por todos nós. E saibamos reconhecer os sinais de Deus na solidariedade, na partilha, na justiça, na paz, no irmão necessitado, que sofre preconceito e exclusão. Basta que  não tenhamos um coração frio e duro como dos fariseus.
Pai, dá-me sensibilidade para reconhecer a messianidade de teu filho Jesus manifestada no bem que ele fez ao povo e no seu modo simples de ser.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 17/02/2014

HOMÍLIA DIÁRIA

A nossa fé produz o fruto da perseverança

As provações, as provocações da vida, não são para nos desviar do caminho, mas ao contrário, é para fortalecer a nossa caminhada, é para nos dar têmpera, para fazer de nós homens e mulheres perseverantes na fé!

Meus irmãos, quando deveis passar por diversas provações, considerai isso motivo de grande alegria, por saberdes que a comprovação da fé produz em vós a perseverança (Tg 1, 2-3).

Quem de nós não é provado, não é tentado nessa vida? Quem de nós que não passa por diversas dificuldades? E às vezes, nós queremos que a nossa fé tire do nosso caminho o sofrimento e a provação. Deixa eu dizer uma coisa no fundo do seu coração: não existe crescimento na fé, não existe amadurecimento na fé, não existe amadurecimento humano, se nós não sabemos superar os sofrimentos e as provações.
Às vezes, achamos que Deus é injusto conosco, porque nos permite passar por tamanha prova e, assim por diante. Acredite meu irmão, tenha muita confiança nessa hora, Deus está contigo, quando você está ali sofrendo, mas está aguentando firme, está dizendo: ”Senhor é difícil, mas pela Tua graça eu sigo adiante!”. As provações, as provocações da vida, não são para nos desviar do caminho, mas ao contrário, é para fortalecer a nossa caminhada, é para nos dar têmpera, para fazer de nós homens e mulheres perseverantes na fé!
Porque meu irmão, minha irmã, você pode seguir as coisas de Deus, mas o prêmio só é concedido àquele que perseverar e, perseverar até o fim. E nós, só vamos adquirindo músculos, resistência nos combates da vida à medida que sabemos lidar com paciência, com as provações e as provocações que a vida nos faz.
Cuidado para não cair no perigo do Evangelho de hoje, onde esses homens com o coração endurecido, os fariseus querem colocar Jesus à prova. Nós não podemos colocar Deus à prova, nós não podemos querer atormentar Deus, nós não podemos querer que Deus nos dê sinais de que Ele nos ama, de que está conosco; porque os sinais de Deus, as provas de Deus estão ao nosso lado. Ele nós ama, nos quer bem e, mesmo nos vendo sofrer, passando pelo vale de lágrimas, como nós muitas vezes passamos, podemos ter a certeza, Deus está conosco!
Mas, enquanto formos gente, seres humanos, a provação fará parte da nossa caminhada, apenas que, a provação para nós não deve ser motivo de tristeza, mas de alegria, porque sabemos que passando por ela a nossa fé cresce, a fé que aumenta produz o fruto maravilhoso da perseverança!
Que Deus nos dê essa sabedoria para que possamos alcançar a perseverança final, e assim entrarmos no Reino dos Céus.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 17/02/2014

Oração Final
Pai Santo, faze-nos compreender o que significa a tua Graça. Por puro amor paternal tu nos dás a Vida para que a partilhemos com os companheiros de caminhada. Ensina-nos, Pai amado, a sermos agradecidos a Ti e generosos com os irmãos. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 17/02/2014

ORAÇÃO FINAl
Pai Santo, faze-nos compreender o que significa a tua Graça. Tu, por puro amor paternal, habitas em nossos corações e nos comunicas a Vida, para que a partilhemos com os companheiros de caminhada. Ensina-nos, amado Pai, a ser agradecidos a Ti, e generosos para os companheiros de caminhada. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.

LITURGIA DIÁRIA - 17/02/2020


Tema do dia

ENSINA-NOS, PAI, A SER AGRADECIDOS A TI, E GENEROSOS COM OS IRMÃOS

Nesta semana, lemos a Carta de Tiago. É a primeira das chamadas ‘cartas católicas’ – aquelas que se dirigem a todos os discípulos e não a determinada pessoa ou a uma igreja particular. Trata-se de uma exortação à constância na oração, na escuta e na prática dos ensinamentos do Senhor Jesus, mesmo no tempo da provação.

Oração para antede ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos a vida eterna. Amém.

2ª-feira da 6ª Semana Do Tempo Comum
Cor: Verde


Primeira Leitura (Tg 1,1-11)
6ª Semana do Tempo Comum - Segunda-feira - 17/02/2020

Início da Carta de São Tiago.

1Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos que vivem na dispersão: saudações. 2Meus irmãos, quando deveis passar por diversas provações, considerai isso motivo de grande alegria, 3por saberdes que a comprovação da fé produz em vós a perseverança. 4Mas é preciso que a perseverança gere uma obra de perfeição, para que vos torneis perfeitos e íntegros, sem falta ou deficiência alguma.
5Se a alguém de vós falta sabedoria, peça-a a Deus, que a concede generosamente a todos, sem impor condições; e ela lhe será dada. 6Mas peça com fé, sem duvidar, porque aquele que duvida é semelhante a uma onda do mar, impelida e agitada pelo vento. 7Não pense tal pessoa que receberá alguma coisa do Senhor: 8o homem de duas almas é inconstante em todos os seus caminhos. 9O irmão humilde pode ufanar-se de sua exaltação, 10mas o rico deve gloriar-se de sua humilhação. Pois há de passar como a flor da erva. 11Com efeito, basta que surja o sol com o seu calor, logo seca a erva, cai a sua flor, e desaparece a beleza do seu aspecto. Assim também acabará por murchar o rico no meio de seus negócios.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 118)
6ª Semana do Tempo Comum - Segunda-feira - 17/02/2020

— Venha a mim o vosso amor e viverei.
— Venha a mim o vosso amor e viverei.

— Antes de ser por vós provado, eu me perdera; mas agora sigo firme em vossa lei!
— Porque sois bom e realizais somente o bem, ensinai-me a fazer vossa vontade!
— Para mim foi muito bom ser humilhado, porque assim eu aprendi vossa vontade!
— A lei de vossa boca, para mim, vale mais do que milhões em ouro e prata.
— Sei que os vossos julgamentos são corretos e com justiça me provastes, ó Senhor!
— Vosso amor seja um consolo para mim, conforme a vosso servo prometestes.


Evangelho (Mc 8,11-13)
6ª Semana do Tempo Comum - Segunda-feira - 17/02/2020


Para pô-lo à prova, pediam-lhe um sinal do céu

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 11os fariseus vieram e começaram a discutir com Jesus. E, para pô-lo à prova, pediam-lhe um sinal do céu. 12Mas Jesus deu um suspiro profundo e disse: “Por que esta gente pede um sinal? Em verdade vos digo, a esta gente não será dado nenhum sinal”. 13E, deixando-os, Jesus entrou de novo na barca e se dirigiu para a outra margem.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois dler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los em prática. Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedem todos por mim. Amém.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 16/02/2020

ANO A


6º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Ano A - Verde

“Eu, porém, vos digo...” Mt 5,22a

Mt 5,17-37

OU

Mt 20-22.27-28.33-34.37

Ambientação

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: A liturgia de hoje nos mostra que Jesus não se colocou na contramão do Deus do Antigo Testamento. Ao contrário, revela o verdadeiro projeto do Senhor para a humanidade. Guiados por seus ensinamentos, peçamos que ele nos aponte seu querer divino, livrando-nos de dar-nos por satisfeitos com a observância superficial dos mandamentos.

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: Irmãos e irmãs, que bom estarmos na Casa de Deus! Hoje, dia do Senhor, a sua Igreja se reúne para bendizer ao Pai, por Jesus, na força do Espírito Santo. Cristo é o cumprimento das promessas de Deus, escritas na Lei. Nós queremos ouvir sua Palavra, acolher seus mandamentos de vida, nos alimentar do maná da salvação para sairmos daqui mais dispostos a anunciar o Reino de Deus com nosso testemunho. Bendigamos, pois, ao Senhor nosso Deus!.

INTRODUÇÃO DO WEBMASTER: Jesus não veio abolir a lei, mas levá-la à plenitude, dar-lhe algo "mais" que a faz superar como lei e aceitá-la como opção interior. De fato, a justiça do fariseu se limita à observância dos artigos da lei. A justiça do cristão não depende em primeiro lugar da sua observância da lei, mas de se terem realizado em Jesus os últimos tempos, porque ele veio para ser o primeiro a obedecer à lei em comunhão com Deus. Cristo estabelece um novo critério de avaliação moral: a intenção pessoal.

A LIBERTAÇÃO DO FORMALISMO

A primeira leitura apresenta os mandamentos de maneira positiva ao dizer que “eles te guardarão ... e tu viverás” (Eclo 15,16). No entanto, o autor faz esta afirmação tendo diante dos olhos a liberdade do homem e sua misteriosa possibilidade de preferir o mal (Eclo 15,17-18), e alerta ao lembrar que Deus “não mandou ninguém pecar” (Eclo 15,21). Assim, o salmo responsorial, 118(119), exorta a comunidade a cantar “Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor vai progredindo”, pois emanam da “misteriosa sabedoria de Deus, sabedoria escondida, que, desde a eternidade, Deus destinou para nossa glória” (ICor 2,7, segunda leitura).
A liturgia da palavra desta forma, foi preparando a comunidade para acolher o Evangelho. No trecho proclamado neste domingo, Mateus apresenta Jesus como o “Mestre da Justiça”, Aquele que veio dar pleno cumprimento à Lei (Mt 5,17) e restaurar a “justiça do Reino” para o povo de Deus. É um gesto salvífico de Jesus, porque “Se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da lei e dos fariseus, vós não entrareis no reino dos céus” (Mt 5,20). E Jesus vai conduzindo os ouvintes a se aprofundarem na compreensão dos mandamentos.
O “matar”, pode ocorrer com palavras duras; a participação na liturgia reclama a reconciliação; o adultério implica responsabilidade também do homem, algo ignorado naquela sociedade patriarcal; e pede a fidelidade à palavra e à verdade. Com esta leitura, Jesus se afasta do legalismo farisaico, chamando em questão as intenções do coração, assim como o outro e as relações interpessoais. Esta perspectiva do “Mestre da Justiça” não torna a Palavra de Deus dura, ao entrar no campo dos pensamentos e desejos, como no caso do adultério (Mt 5,28).
A vida de Jesus testemunha que a acolhida da “sabedoria imensa” (Eclo 15,19), “preparada por Deus para os que o amam” (ICor 2,9), liberta do formalismo e do fechamento auto referencial, condição para a expansão do amor na pessoa e advento da vida nova. Desta maneira, Jesus desloca a discussão do formalismo da lei para o do ser. Os mandamentos repropostos por Jesus reclamam uma conversão profunda. Estas diretrizes não são dadas para alguém vir a ser meramente “perfeito e bom”, mas sim, seu discípulo, a percorrer um caminho de entrega aos irmãos e empenho em prol da justiça na sociedade.
Esta trajetória levou Jesus Cristo à oblação sem reservas no calvário, onde as leis foram, não só cumpridas integralmente, mas reduzidas a uma única, à lei do amor. As comunidades, reunidas e fortalecidas nesta casa, construção de Deus, precisam estar atentas para não desvirtuarem o novo espírito que o Senhor imprimiu nos mandamentos, expresso no Sermão da Montanha. A lei autêntica liberta para a doação da vida sem reservas e testemunho da justiça em prol do crescimento do Reino.
Dom Luiz Carlos Dias
Bispo Auxiliar de Sao Paulo

Comentário do Evangelho

Uma fonte de bênção

Encontramos no texto deste domingo do livro do Eclesiástico (Eclo 15,16-17) ressonâncias de Dt 30,15-20, situado no longo e último discurso de Moisés. Aí achamos as duas vias apresentadas pelo Senhor para a decisão de cada membro do povo de Deus (cf. tb. Eclo 15,16b.17b), e uma forte exortação a guardar os mandamentos do Senhor (Dt 30,16.19b-20). É no cumprimento dos mandamentos da Lei de Deus que está a vida e a felicidade. A influente tradição deuteronomista insiste que o cumprimento irrepreensível da Lei é uma fonte de bênção (cf. Dt 28,1-14); sua rejeição, uma fonte de maldições (Dt 28,15ss).
O evangelho deste domingo, situado no início do longo “sermão da montanha” (5–7), começa por eliminar um equívoco (v. 7a) que, certamente, perdurou por longo período e foi ocasião de disputas não somente entre Jesus e os seus contemporâneos, mas entre judeus e cristãos. O modo como Jesus interpretava e punha em prática a Lei de Moisés desconcertava a tal ponto que fazia com que seus contemporâneos e a geração posterior pensassem que ele desprezava e revogava a Lei de Moisés. As antíteses que se seguem (vv. 21-37) são o exemplo claro de que Jesus ultrapassa a letra da Lei, superando um rigorismo sufocante, considerado um fardo pesado que impedia de entrar na finalidade própria da Lei, dada por Deus ao seu povo para preservar o dom da vida e da liberdade. Parece que é exatamente isso que Jesus quer dizer ao afirmar que, para a comunidade que ele reúne, a justiça, isto é, o modo de proceder em conformidade com a vontade de Deus expressa na Lei, deve superar o rigorismo dos escribas e fariseus (cf. v. 20). É em Jesus que a Lei e os profetas alcançam o seu pleno cumprimento e sentido, pois apontam para ele. A expressão “Lei e os profetas” é um modo bíblico de designar a Escritura na sua totalidade. Esses dois termos estão intrinsecamente relacionados: a Lei é necessária para atestar e confirmar a veracidade da profecia; a profecia é necessária para interpretar e pôr corretamente em prática a Lei. Jesus não revoga a Lei de Moisés, mas, agora, na plenitude dos tempos, ela precisa ser interpretada à luz da revelação de Jesus Cristo (cf. Mt 5,17; 7,12; 22,40). No centro dessa “nova justiça” estão o amor, o perdão e a reconciliação, a misericórdia, a unidade e o acolhimento, que incluem e integram a todos na comunhão com Deus.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, guiado pelos ensinamentos de Jesus, revela-me teu querer divino, livrando-me de dar-me por satisfeito com a observância superficial dos teus mandamentos.
Fonte: Paulinas em 16/02/2014

Vivendo a Palavra

A Lei Nova trazida por Jesus – o Amor – é uma seta que aponta a direção em que devemos caminhar com criatividade e liberdade, até que chegue o nosso dia de receber o abraço definitivo do Senhor. A Lei Antiga, de Moisés, era como uma cerca, prescrições a serem observadas e cumpridas. Seguir o Mestre requer vontade e coragem.
Fonte: Arquidiocese BH em 16/02/2014

VIVENDO A PALAVRA

A Lei Antiga, de Moisés, era como uma cerca: prescrições a serem observadas e cumpridas. A Lei Nova trazida por Jesus – o Amor – é uma seta que aponta a direção em que devemos caminhar com criatividade e liberdade, até que chegue o nosso dia de receber o abraço definitivo do Pai. Seguir o Mestre requer vontade, liberdade e coragem.

Reflexão

I. INTRODUÇÃO GERAL

A fidelidade à lei de Deus – melhor dizendo, à Torá ou instrução do Senhor – é um dos temas centrais do Antigo Testamento. O amor e a fidelidade à lei de Deus constituíam toda a justiça e santidade do povo de Israel.
A lei de Deus é boa e santa (Rm 7,12). Por isso, a lei não foi abolida por Jesus, mas sim plenificada (Mt 5,17). Plenificar significa que não basta cumprir a materialidade do mandamento, mas se perguntar pela intenção de Deus ao instituí-lo. Não é suficiente uma fidelidade externa, mas faz-se necessária uma fidelidade mais profunda, que empenhe mente e coração. Não basta somente uma conduta que todos possam ver, mas se requer reta intenção, que brote do mais profundo do coração e da mente, vista somente por Deus. Tal atitude é possível quando se é capaz de deixar-se penetrar pela sabedoria do evangelho, “misteriosa e oculta” (1Cor 2,7), sabedoria da cruz de Cristo. Isso é andar na lei do Senhor. Os atos meramente externos constituem um legalismo severamente criticado por Jesus.

II. COMENTÁRIO DOS TEXTOS BÍBLICOS

1. Evangelho (Mt 5,17-37): Eu não vim abolir, mas cumprir a lei

Jesus continua o discurso do monte, afirmando que, se o modo de agir, ou seja, se a justiça dos discípulos não for mais exigente que a dos escribas e dos fariseus, eles não participarão da construção do Reino de Deus. É isto que mostra o evangelho na liturgia de hoje: o cristianismo é muito mais exigente que o judaísmo.
Com o termo “ouvistes” se quer contrapor o ensinamento de Jesus ao ensinamento dos escribas e fariseus. Isso não significa, como muitos pensam, uma substituição do Antigo pelo Novo Testamento. Não se trata do que foi “escrito”, mas do que foi “ouvido” como homilia feita pelos doutores da lei, os mestres do judaísmo. Trata-se da interpretação de Jesus contra a interpretação dos escribas e fariseus a respeito da Sagrada Escritura.
A novidade da interpretação que Jesus faz da Escritura está na explicitação da intenção de Deus ao dar os mandamentos. Não basta, por exemplo, não matar. Devem-se evitar as palavras de desamor, de desprezo, de ressentimento contra o próximo. Era essa a intenção de Deus ao dar o mandamento “não matarás”.
“Deixa tua oferta diante do altar” (v. 24). No dia da expiação (ou do perdão, cf. Lv 16), os judeus confessam os pecados cometidos contra Deus e pedem perdão durante 24 horas. Mas acreditam que os pecados contra o “próximo” devem ser perdoados por quem sofreu a ofensa, e não por Deus; por isso, primeiramente pedem perdão ao próximo, para depois se dirigirem a Deus. Jesus faz uma mudança em relação ao judaísmo, afirmando que não somente num dia especial, mas todos os dias, os cristãos devem pedir perdão ao seu próximo para depois dirigir-se a Deus.
A compreensão dos escribas a respeito do adultério era diferente no caso da culpa da mulher e da culpa do homem. Entendiam que a mulher cometia adultério até mesmo sozinha, no coração, quando era casada e desejava outro homem. Cometia adultério quando observava um homem para vê-lo passar ou quando se exibia para ser notada por ele. Se fosse flagrada numa dessas atitudes, poderia ser apedrejada sozinha, porque seu adultério não dependia do consentimento de um homem. Jesus põe homem e mulher em pé de igualdade. Seja homem seja mulher, cada um comete adultério no coração. A intenção de Jesus é preservar a família e o matrimônio, e não lançar um fardo pesado demais sobre nossos ombros.
Quanto ao juramento, muitas vezes os judeus juravam sem pensar e se obrigavam a agir mesmo se descobrissem ser a vontade de Deus diferente do que foi prometido por juramento. Mesmo assim, algumas pessoas preferiam fazer algo que desagradava a Deus a descumprir um juramento, pois amaldiçoavam a si mesmas quando juravam (cf. 1Rs 19,1-2). Por isso, Jesus exorta a não jurar.

2. I leitura (Eclo 15,16-21): Fidelidade é fazer a vontade de Deus

Esse texto da primeira leitura destaca a liberdade de escolha, o livre-arbítrio do ser humano diante da vontade de Deus. O autor bíblico acentua a responsabilidade da pessoa quando ela decide se rebelar contra Deus.
Quem obedece à vontade de Deus, expressa principalmente na Escritura, tem qualidade de vida. Se todas as pessoas cumprissem os mandamentos de não roubar e não matar, entendidos em sentido amplo, incluindo injustiças e ofensas, a sociedade de hoje seria menos violenta.
Por isso, afirma o texto bíblico que a vida e a morte estão diante do ser humano, para que ele escolha o que deseja. A vontade de Deus gera vida em plenitude, o pecado gera morte. Tanto a vida quanto a morte, entendidas nesse sentido, são consequências das escolhas humanas.
O ser humano é livre e, por conseguinte, responsável pelas próprias ações. O mal que faz ao próximo não é culpa de Deus, pois “a ninguém Deus ordenou que fizesse o mal, a ninguém Deus deu licença de pecar” (v. 21). Deus nos deu o livre-arbítrio e a capacidade de fazer as escolhas certas.

3. II leitura (1Cor 2,6-10): Uma sabedoria que não é deste mundo

Paulo ensina os fiéis de Corinto a cultivar a sabedoria “misteriosa e oculta” revelada por Deus, que ultrapassa a sabedoria do mundo e dos poderosos.
A sabedoria de que Paulo fala é a cruz, na qual Cristo revela o Deus despojado. Na fragilidade de sua vida humana e totalmente ofertada ao Pai como dom de amor, Jesus desvenda aquilo que Deus “preparou desde toda a eternidade” para os seres humanos: o amor ao extremo. É, pois, na adesão à vida de Cristo que consiste a sabedoria divina, não reconhecida pelos poderosos, porque foge da lógica deste mundo. Somente aquele que se despoja da própria vida será capaz de reconhecer a sabedoria de Deus, que é Jesus Cristo crucificado.

III. PISTAS PARA REFLEXÃO

Durante muito tempo se entendeu que fazer a vontade de Deus significava cumprir apenas seus mandamentos de forma rigorosa. No entanto, essa concepção levou muitos a cair num legalismo exacerbado, o que gerou uma moral escravizadora. Ainda hoje muita gente sofre por causa de certos julgamentos pautados numa visão legalista da Escritura. Mas a proposta de Jesus sempre foi outra. Isso não significa um relaxamento na conduta do ser humano; ao contrário, a proposta de Jesus é exigente, porque mira o interior da pessoa, no qual foi escrita a vontade de Deus. Deus não quer seus filhos escravos, mas livres. E somente no exercício da liberdade o ser humano poderá ser verdadeiramente fiel aos mandamentos divinos.

Aíla Luzia Pinheiro Andrade
Graduada em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará e em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (Faje - BH), onde também cursou mestrado e doutorado em Teologia Bíblica e lecionou por alguns anos. Atualmente, leciona na Faculdade Católica de Fortaleza. É autora do livro Eis que faço novas todas as coisas – teologia apocalíptica (Paulinas).
E-mail: aylanj@gmail.com.
Fonte: Vida Pastoral em 16/02/2014

Reflexão

ALGO MAIS

Um dos objetivos do Evangelho de Mateus é mostrar como Jesus realiza a justiça do reino de Deus. Com sua missão, Jesus não vem abolir a lei de Moisés, mas dar a ela seu sentido pleno. O sentido da lei era a busca da liberdade e da vida para todos. A lei da vida para todos, porém, havia se transformado num emaranhado de regras que, ao final, acabavam aprisionando alguns considerados puros e excluindo outros considerados malditos.
Jesus vem cumprir a lei, mostrando com gestos concretos o que significa viver o perdão, a solidariedade e a partilha. Vivendo esses valores, que já estavam presentes na lei do êxodo, ele realiza a justiça do reinado de Deus.
Para entrar e permanecer hoje na dinâmica da justiça do reino, aos seguidores de Jesus se pede muito mais que simplesmente obedecer a leis. O Mestre mostrou que uma coisa é a essência dos valores que levam à vida e outra coisa são as regras específicas, que originalmente podiam ajudar a buscar a vida, mas com o tempo se tornaram carga pesada, muitas vezes excluindo as pessoas e traindo o sentido original da lei de Deus. Essas regras secundárias, aliás, o evangelho chama de simples “tradição humana”.
Com a expressão “eu, porém, vos digo”, Jesus nos pede algo mais. Suas bem-aventuranças são exigentes, como é exigente a promoção da paz, como é exigente a lealdade nas relações. A justiça do reino se identifica com a felicidade de promover a paz, de vencer o ódio com o perdão e a mão amiga; a felicidade de ser puro de coração, de ser capaz de corrigir em si aquilo que poderia levar à divisão ou prejudicar alguém.
Além disso, um cristão não se define pelas negativas, pelo fato de simplesmente não matar ou não trair. Um autêntico seguidor de Jesus trans­forma as relações com o amor, consciente de que é possível matar também com as palavras, e matar inclusive uma religião sincera. Pois o que alguém poderia oferecer a Deus, com um coração duro e incapaz de perdoar ao próximo? A justiça do reino nos pedirá sempre algo mais.
Pe. Paulo Bazaglia, ssp
Fonte: Paulus em 16/02/2014

Reflexão

“ENSINA-ME A VIVER VOSSOS PRECEITOS.
QUERO GUARDÁ-LOS FIELMENTE ATÉ O FIM!”

SITUANDO-NOS BREVEMENTE.

Neste domingo, o sexto do Tempo Comum, na trilha do evangelista Mateus, permanecemos na montanha com Jesus, acolhendo como discípulos, a proposta singular e desafiadora de seu Reino.
Ele nos propõe uma nova maneira de interpretar a lei, a levando à plenitude e chamando-nos à exigência de sua radicalidade, na prática da justiça e da misericórdia.
A Páscoa, que hoje celebramos, abraça todas as pessoas que, com o coração sincero e reto, se comprometem com a justiça, socorrem os mais fracos, partilham com generosidade o pão, promovem o relacionamento fraterno entre as pessoas e acreditam na força do perdão e da reconciliação.
Feliz quem anda na lei do Senhor, cantamos no salmo de hoje.
Esta é assembleia onde Deus habita, rezamos na oração inicial, a quem Deus revela a sabedoria de sua  lei, pelo seu Espírito..

RECORDANDO A PALAVRA.

Hoje continuamos ouvindo o sermão da montanha, no qual Jesus ensina o que está na origem do Reino de Deus. Ele não veio abolir a lei  e os profetas, mas veio dar-lhes pelo cumprimento . Para Jesus, as Sagradas Escrituras devem ser integralmente cumpridas. Quem compreender isto e assim ensinar será grande no Reino de Deus, mas quem fizer o contrário será menor.
O contexto em que o primeiro evangelho surgiu é aquele após a destruição de Jerusalém e do Templo pelo império romano. Os grupos existentes no judaísmo (saduceus, zelotas e essênios) haviam sido dizimados. Das ruínas materiais e da crise espiritual emerge um gruo fariseu que unifica o judaísmo normativo, excluindo qualquer pluralismo. A comunidade do evangelho de Mateus é construída por judeus que reconheceram Jesus como o Messias . A rejeição aos cristãos vai se intensificando, até tornar-se oficial na assembleia de Jamnia, entre os anos 85 e 90 d.C. Os Judeus-cristãos são expulsos formalmente das sinagogas.
O trecho do evangelho que ouvimos hoje expressa bem a tensão existente entre os cristãos e os fariseus. Para quem segue Jesus ressuscitado, a prática da justiça é fundamental. Jesus fala com uma autoridade que está acima dos mestres do judaísmo. Jesus cumpre a lei e os profetas em seu sentido profundo. O reinado de Deus é a meta . Quem pertence a esse reinado do Senhor tem que superar a prática da justiça dos letrados e dos fariseus. Jesus expõe sua posição diante da lei tradicional, indo além, exigindo atitudes interiores, conversão profunda, na forma reiterada: “eu vos digo” A lei de Jesus supera a lei de Moisés que é, ao mesmo tempo, lei religiosa e civil.
Nos versículos 21-26, sobre o homicídio (Ex 20,13; Dt 5,17; Lv 24,17) radicaliza-se a atitude interior (cf. Lv 19,17-18) de onde brota a violência de matar e se estendem as ofensas menores- xingamentos, insultos, desprezo, rancor, inveja – que podem levar ao homicídio. Há uma hierarquia para o castigo: tribunal local, conselho nacional, o próprio Deus, com o castigo escatológico do fogo. Do receito negativo de “não matar” estende-se a exigência positiva da reconciliação, antes da participação no culto. Os versículos 27-30 são sobre o adultério: sua proibição (Ex 20, 10,14; Dt 5,18), sob pena de morte (Lv 20,10). A nova lei atinge a atitude interior de desejo consentido que entra pelos olhos e pelos outros sentidos e membros. Novamente é lembrado o fogo escatológico como castigo. Os versículos 31-32 falam do divórcio concedido ao homem. Jesus se opõe à lei e à sua legalidade.
Os versículos 33-37 falam sobre o julgamento (Lv 19,12; Nm 30,2). Entre os irmãos cristãos, a sinceridade deve ser tal que inutilize todo juramento: “Sobretudo, meus irmãos, não jureis, nem pelo céu, nem pela terra, nem com outro juramento qualquer. O vosso sim seja sim, e o vosso não, não. Então não estareis sujeitos a julgamento.” (Tg 5,12) O juramento era procedimento legal e prática religiosa admitidos e respeitados. No juramento, se oculta a desconfiança na palavra humana; o juramento busca o repaldo de uma instância superior. Não se deve clocar Deus em meio a nossas humanas questões.
O livro do Eclesiástico afirma a liberdade humana diante da proposta de Deus: “se quiser” observar os mandamentos, eles guardarão você; “se quiser” confiar em Deus, você vai viver. Deus deu-lhe a capacidade de escolher entre o fogo e a água, entre a vida e a morte, o bem e o mal. Você receberá o que preferir. A sabedoria de Deus é imensa, Ele é forte e bondoso e tudo vê. Deus tem cuidado de quem o teme e conhece nossas obras. Ele não nos mandou agir erradamente e não nos dá licença de pecar.
O Salmo 119(118) é uma longa meditação sobre a lei de Deus, sua Palavra, mencionada em cada verso por diversos sinônimos. É um salmo de instrução, proclamando que é feliz quem observa e vive os preceitos do Senhor.
A carta aos Coríntios fala da misteriosa sabedoria de Deus, que nos fi revelada através do Espírito.

Atualizando a Palavra

Hoje a Palavra de Deus nos ilumina sobre a relação entre Jesus e a lei. Sua missão não é abolir nem facilitar, mas libertar do formalismo e do fundamentalismo. Para Jesus, não basta a observância externa apenas para “ir para o céu” após a morte. Jesus exige radicalidade. A Palavra de Deus deve atingir até o mais profundo do ser humano. É uma procura amorosa da vontade de original de Deus que ultrapassa a simples letra da lei. É necessário ver e ouvir por “trás das palavras”, encontrando-se pessoalmente com o Espírito da Lei.
Para o cristão ser justo, conforme a exigência de Jesus, não basta observar preceitos, cumprir mandamentos, é necessário viver e realizar o bem proposto por Deus em sua Palavra. A letra da lei mata, mas o Espírito vivifica. Conforme o Salmo 119(118), a lei é uma luz, um caminho, razão de viver e se sentir interiormente como povo escolhido de Deus. A lei foi dada para podermos viver e testemunhar o bem que Deus propõe.
Jesus nos alerta que podemos observar a lei em outro espírito, que não seja o Espírito de Deus. O espírito que motivava os fariseus da época se afastava d projeto do Pai, porque não beneficiava os pobres e pequeninos. Não era espírito de Deus, mas um negócio com Deus, troca, barganha. Os fariseus tornaram-se donos da lei e ela passou a ser instrumento de dominação econômica, política e religiosa sobre os demais: “Amarram pesados fardos e impõem-nos aos ombros dos irmãos, ao passo que eles mesmos se negam a movê-los com o dedo.” (cf. Mt 23,4). Jesus, então, deseja tirar a lei das mãos de quem oprime em nome de sua observância e devolvê-la a Deus. O que Deus deseja é a justiça, seu plano amoroso. Procurar a justiça verdadeira é olhar a vida com amor radical. Então os mandamentos de Deus significarão muito mais do que a letra diz, e nos levarão à perfeição de filhas e filhos de Deus.
Cumprir toda justiça é a justiça que inclui lei e profetas. O essencial da lei é a prática da justiça e da misericórdia que ultrapassam a observância legalista. Jesus toma alguns exemplos para deixar claro até onde devem ir a justiça e a misericórdia. Vai até a raiz e mostra que o objetivo da lei é a defesa da vida. Não basta “não matar”, é necessário construir uma sociedade humana, fraterna e solidária, na qual a vida plena seja para todos. A lei é “não cometer adultério”, mas não basta; é preciso eliminar o desejo de posse sobre a mulher, extinguir todo machismo e todos os privilégios do homem, raiz de toda opressão presente nas relações humanas. O bem-querer é a proposta de Deus. Nossa resposta é um amor verdadeiro, com raiz na totalidade da pessoa, o qual se insere na fonte do amor que é o próprio Deus. Não basta “não jurar falso”; temos que promover a convivência fundamentada na verdade, na integridade, na honestidade, na ética. O que a Palavra de Deus exige hoje de nós é cortar o mal pela raiz. Jesus não nos prescreve apenas normas, mas uma proposta evangélica nova que batize, lave até o nosso inconsciente, nossa consciência mais profunda, e faça da vida um contínuo ato de discernimento de busca de sentido de nosso ser, de nosso viver, do nosso viver, do nosso agir. A primeira leitura nos convida, a cada momento, a tomar uma posição diante da LEI, o projeto de Deus.

LIGANDO A PALAVRA COM A AÇÃO EUCARÍSTICA

Acolhemos, na mesa da Palavra, a novidade da lei do amor que não conhece limites. A Eucaristia é, para nós cristãos, a mais verdadeira e perfeita expressão simbólico-ritual desta nova lei.
Ao prepararmos a mesa da ceia, neste domingo, somos impelidos a nos despojarmos do egoísmo, do individualismo, da auto-suficiência e de qualquer sinal de rancor e mágoa que nosso coração esteja nutrindo contra alguém. Assim podemos confiantes, rezar com as palavras da oração sobre as oferendas: “Ó Deus, que este sacrifício nos purifique e renove, e seja fonte de eterna recompensa para os que fazem a vossa vontade”.
Humilde e reconciliados elevamos nossa ação de graças ao Pai, entregamos nossa vida como oferenda agradável e levada a efeito na comunhão, como dádiva, do amor de Deus para conosco e de nós para com Ele, em Cristo Jesus: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16), rezamos na antífona de comunhão.

SUGESTÃO PARA A CELEBRAÇÃO

1- O Domingo como “festa primordial”, se caracteriza pelo encontro alegre e festivo da comunidade cristã com o Ressuscitado, que presente na reunião fraterna, convocada e enviada em missão; na Palavra proclamada; na ceia eucarística. Daí a importância da preparação do espaço, do exercício dos vários ministérios, dos cantos e de todos os momentos rituais, para que este encontro seja verdadeiramente pascal, transformador.
2- Um refrão mediativo no início, seguido de oração pessoal ajuda a assembleia a criar uma atitude de abertura ao Espírito. É ele que move os corações, une amorosamente as diferenças, faz entender e acolher a Palavra da Salvação.
3- inspirado na antífona de entrada, o canto de abertura indicado pelo Hinário 3, encontra-se na p. 121: Sê a rocha que me abriga...
4- Ligando a celebração com a vida, após a saudação inicial, é muito salutar fazer a recordação de fatos e acontecimentos significativos que marcaram a semana. O sentido do mistério pascal alarga-se com a páscoa vivida na fé pela comunidade.
5- O canto de comunhão, o quanto possível, retomando o pão da palavra, vem indicado no Hinário 3, p. 248-9: Aquele que faz, aquele que ensina...

Fonte: Roteiros Homiléticos do Tempo do Advento – Natal – Tempo Comum – Dezembro 2013 / Janeiro 2014 – CNBB 2013/14 Ano A
Fonte: Emanarp em 16/02/2014

Reflexão

O longo texto deste domingo faz parte do Sermão da Montanha, relatado por Mateus. Jesus começa se justificando, ao dizer que não veio abolir a “Lei e os Profetas”, mas mostrar o valor deles além da interpretação superficial ou ao pé da letra. O Mestre defende a Escritura, pois foi dada a Israel para ensinar o caminho da justiça, vista como cumprimento da vontade de Deus. Nos quatro exemplos apresentados, Jesus mostra o jeito correto de interpretar o “espírito da lei”. “Não matar” não significa apenas não derramar o sangue; esse mandamento propõe o compromisso com a defesa da vida de toda pessoa. “Não cometer adultério”: Jesus o condena e convida a extirpar o mal pela raiz. A justiça do Reino propõe fidelidade mútua e direitos e deveres iguais entre marido e mulher. A respeito do divórcio, só os homens podiam decretá-lo, e a mulher era um joguete nas mãos do marido. A proposta de Jesus é que haja total transparência e honestidade entre marido e mulher. Os juramentos não garantem relações baseadas na verdade e na confiança. Pessoa sincera dispensa juramentos.
Oração
Ó Jesus, fiel cumpridor da vontade do Pai, tu nos pedes um salto de qualidade na observância da Lei de Deus. Na verdade, queres que nosso relacionamento humano passe pelo filtro da justiça e da misericórdia. Concede-nos, Senhor, viver segundo teus ensinamentos e modo de vida. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))

Recadinho

De sua boca saem palavras boas somente? - Você procura praticar a justiça, custe o que custar? - Você vive bem com todos? - Você procura manter a palavra dada? - Dê seu testemunho sobre o Matrimônio cristão.
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 16/02/2014

Meditando o evangelho

EU, PORÉM, VOS DIGO ...

O elenco de antíteses, proclamadas por Jesus, tem um caráter polêmico, a começar pela introdução: "Vocês ouviram o que foi dito (por Deus) aos antigos". Ele se referia aos pais do povo hebreu mormente os que haviam recebido a Lei no Sinai e fizeram a primeira tentativa de explicá-la para o povo. Por conseguinte, Jesus não se referia aos rabinos de seu tempo e sim a quem recebera de Deus o encargo de transmitir sua Lei ao povo.
Este era o ensinamento questionado por Jesus. Ensinamento de origem divina, cuja autoridade era inquestionável. A ousadia do Mestre era patente!
A este ensinamento venerável e tradicional, Jesus pretendia contrapor outro mais radical, também em conformidade com o querer divino. E não algo puramente humano, sem transcendência. O ensinamento saído de sua boca, diferentemente daquele dos mestres antigos, estava em perfeita sintonia com Deus.
Jesus não se colocou na contramão do Deus do Antigo Testamento. Tendo-lhe sido dado todo poder, no Céu e na Terra, estava suficientemente autorizado para penetrar no âmago dos mandamentos do Decálogo e extrair um sentido muito mais radical do que até então se lhe atribuía. Seu ensinamento superava a materialidade da letra dos mandamentos, revelando o espírito neles subjacente. Neste nível profundo, Jesus revelava também o verdadeiro projeto de Deus para a humanidade.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Pai, guiado pelos ensinamentos de Jesus, revela-me teu querer divino, livrando-me de dar-me por satisfeito com a observância superficial dos teus mandamentos.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Um Cristianismo além da Lei
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Minha equipe de teólogos da comunidade, que são meus colaboradores nas reflexões sobre pó evangelho, andou quebrando a cabeça para compreender esses ensinamentos de Jesus, que com certeza não foram ditos em uma mesma hora, mas ajuntados por alguém, diante de problemas que a comunidade enfrentava. E quando chegou na parte da mutilação dos membros e também arrancar o olho, causador do pecado, a equipe disse em tom de humor, que chegaremos no céu todos mutilados e que vai ser difícil alguém chegar “inteiro”.
Em cada um desses ensinamentos há uma única verdade que Jesus proclama, o desafio de sair da medíocre obediência as Leis, para podermos passar a algo sem medida, e que vai muito além da conduta e do comportamento humano, é um convite para migrarmos do meramente humano para o plenamente Divino, somente possível com a Graça de Deus e a Luz da Fé, que vislumbra uma realidade até então invisível para o homem, presente em Jesus de Nazaré. Sem Jesus, a única referência é o seguimento á Lei de Moisés, atitude que norteava a vida de um homem bom, justo, virtuoso e crente em Deus, claro que a Salvação também tinha um sentido bem restrito, e se conquistava nesta vida. Jesus, ao apresentar o ensinamento desse evangelho, desmonta esse quadro de uma Religião legalista, transformando a relação com Deus em uma realidade transcendente.
Jesus, nascido Judeu e participante do Judaísmo, não é um velho saudosista, preso as lembranças do passado, de tudo aquilo que Deus realizou pelo seu povo, não fica chorando sobre o leite derramado, mas convida os seus discípulos e a todos nós, a olharmos com otimismo para o presente e a fazermos a coisas muito melhores, e como a sua presença entre nós mudou a sorte de toda a humanidade, tem autoridade para dizer, “Eu porém vos digo....”
A Lei de Moisés em sua essência é a Lei de Deus, o seguimento a ela faz a diferença entre a Vida e a morte, entre a bênção e a maldição, o bem ou o mal, diante dessa Lei temos sempre a escolha e o livre arbítrio, o próprio Senhor diz em outro evangelho, que não veio para revogar a Lei, mas para mostrar o seu verdadeiro sentido e aprimoramento, para que a lei atinja a sua plenitude.
Mas só o puro cumprimento da Lei não nos fará feliz e nem realizados, a minha equipe de teólogos da comunidade lembrou-se de um bom exemplo.
“A gente dirige e decide respeitar e obedecer toda sinalização, mas no estresse causado no próprio trãnsito, acaba gritando e ofendendo os outros condutores, as vezes os pedestres, dizemos palavrões em nosso veículo, que o outro não escuta, praguejamos, amaldiçoamos, ficamos enlouquecidos ao volante e perdemos a paciência...Seguimos a lei mas não fomos felizes nessa ação, por que ? Faltou ser amoroso, misericordioso e paciencioso com as pessoas e essa atitude não é Lei escrita na pedra, mas no coração do homem, é a Lei do amor na relação com as pessoas.
Por isso, podemos dizer que um bom Cristão segue a doutrina, as normas da Igreja, pratica os preceitos, mas, um Cristão de Verdade vive no amor e na comunhão com Deus e com as pessoas.. Por isso Jesus apresenta-nos essa proposta de darmos um passo além, não permanecendo na mediocridade do dever cumprido, mas testemunhando um amor sem medidas, que não quer apenas não “matar” o outro, mas respeitar a sua vida e a sua dignidade, ser solidário, ter paciência, uma vez que, podemos matar o outro de muitas maneiras, não só com armas de fogo ou arma branca, mas principalmente com a língua, com a nossa conduta em relação ao outro, uma morte dissimulada na frieza, no desprezo e na indiferença, quantos morrem ao nosso lado, vítimas deste nosso pecado....
Ofertar algo a Deus em algum trabalho da comunidade ou em algum empreendimento da nossa Vida de Fé, é coisa muito boa, mas Deus só aceita esse oferecimento se estivermos de bem com as pessoas, não alimentar no coração ódio e rancor ou qualquer ranço contra quem quer que seja, porque se estivermos de bem com Deus e de mal com algum irmão, o amor torna-se uma mentira.
Adulterar uma relação, principalmente a conjugal, é torná-la falsa e sem valor, podemos adulterar essa relação de muitos modos, a traição é apenas uma delas. Mas o adultério pode ocorrer em um olhar, em um desejo ainda que não manifesto, em uma relação desgastada pela indiferença e as vezes pelo desprezo, sempre que não contribuo, para que o amor e a vida em comunhão com o cônjuge cresça, e se torne mais consistente, estou semeando a possibilidade de um adultério.
E finalmente um último ensinamento, o que significa “arrancar um olho”, ou cortar algum membro, que nos é causa de pecado? Note-se que essas afirmações está dentro das exortações sobre a vida conjugal e o pecado do adultério, quando falamos da atração entre um homem e uma mulher, facilmente identificamos com o Erro, e daí falamos que homem e mulher são impulsionados pelo instinto. E em nome do tal de instinto comete-se as maiores barbaridades no campo da afetividade humana, voltada para a sexualidade.
Jesus não escreve mais a Lei nas pedras, mas sim no coração do homem, que agora é livre para tomar suas decisões, para dizer SIM ou NÃO ao fazer suas escolhas, a religião torna-se assim mais intimista, e o ser humano não irá mais agir, com seus sentidos, a partir dos seus instintos, mas sim a partir do Amor de Deus, que experimenta em seu coração, e que irradia em todas as suas ações, nas relações com Deus, consigo mesmo e com o próximo, E assim fazendo, o homem rompe com a religião legalista, pois abrindo-se para a graça de Deus manifestada em Jesus, ele alarga o seu horizonte de compreensão e conhecimento do verdadeiro e Único Amor, capaz de salvá-lo e de fazê-lo imensamente Feliz.
José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP

2. Antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra será tirada da Lei - Mt 5,17-37
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Jesus veio a este mundo iluminar os caminhos da humanidade. E na sua luz podemos ver a luz. Na sua luz podemos ver o que é o melhor a ser feito. Em sua luz podemos distinguir o que convém do que não convém. Jesus coloca cada coisa em seu lugar, segundo o valor que tem aos olhos de Deus. Ele não veio, portanto, desfazer a Lei de Moisés. Não veio desdizer os profetas. Ao contrário. Tudo o que foi dito e escrito se realiza nele. Nele se cumprem as Escrituras e tudo o que está escrito a respeito dele deve acontecer.
E tudo o que está escrito deve ser também observado e realizado por seus discípulos. Estes, movidos pelo Espírito, devem ir além da letra e levar o que foi prescrito às suas últimas consequências. Os mandamentos são para ser obedecidos e ensinados. Quem assim proceder, será grande no Reino dos Céus. Muitos ensinamentos dos fariseus e dos escribas precisaram ser revistos à luz de Cristo.
Muitas vezes a tradição humana e os preceitos criados e elaborados pelos chefes religiosos se sobrepuseram ao mandamento de Deus. O que aconteceu no passado também acontece hoje, por isso a afirmação de Jesus: “Se a justiça de vocês não for maior do que a dos escribas e dos fariseus, vocês não entrarão no Reino dos Céus”.

Homilia do 6º Domingo do Tempo Comum,
por Pe. Paulo Ricardo


Fonte: Reflexões Franciscanas em 16/02/2014

HOMILIA DIÁRIA

Coloque em prática os mandamentos da Lei de Deus

O mundo em que vivemos precisa conhecer a vontade de Deus, e o modo do mundo conhecer a vontade de Deus ocorre quando, aqueles que conhecem a Deus e são próximos do Senhor, colocam em prática os mandamentos do Senhor.

”Se quiseres observar os mandamentos, eles te guardarão; se confias em Deus, tu também viverás” (Eclo 15, 16).

A Palavra de Deus, que meditamos no dia de hoje, nos chama a atenção para observarmos os mandamentos da Lei de Deus, porque só tem vida em Deus aquele que guarda e observa os mandamentos e os preceitos do Senhor. O mundo em que vivemos precisa conhecer a vontade de Deus, e o modo do mundo conhecer a vontade de Deus ocorre quando aqueles que conhecem a Deus e são próximos do Senhor colocam em prática os mandamentos do Senhor.
Por vezes, algumas pessoas têm dificuldade de ver isso e dizem: “Mas eu vou confessar o quê? Eu não tenho pecado! Eu não roubo, eu não mato, eu não cometo adultério”. A nossa noção de observar os mandamentos ou de deixar de observá-los ocorre só quando cometemos coisas grandes demais. E hoje o Evangelho nos chama atenção para isso, que não é bem assim, pois não matamos alguém só quando pegamos em uma arma não! Porque todo aquele que se encoleriza, tem raiva do seu irmão, fica irado contra ele, revoltado, odeia o seu irmão, será réu em juízo. Por isso é necessário não só não matar, mas é necessário ter paciência com o nosso irmão. Todas as vezes em que nós perdemos a paciência uns com os outros a ira toma conta de nós e pecamos contra este mandamento: ”Não matar”.
Dizemos: “Eu nunca cometi adultério!” Ou “Eu não traí a minha esposa” Ou “Eu nunca fiz isso ou aquilo”, mas o Senhor nos diz que todo aquele que olhar para a mulher do próximo com o desejo de possuí-la já cometeu adultério no seu coração [cf. Mt 5, 27-28ss]. Adultério não começa com o ato; o adultério e os pecados da carne começam com os desejos, por isso, não basta não cometer isso ou aquilo, é preciso ter a pureza no coração. O homem não pode olhar para a mulher como um objeto, a desejando, deixando os pensamentos e os devaneios tomar conta da sua mente. Da mesma forma a mulher não pode olhar para outro homem e, simplesmente, desejá-lo, cobiçá-lo e deixar seus pensamentos irem longe.
O mal precisa ser combatido pela raiz, prestemos atenção àquilo que vemos na internet, aos lugares aonde vamos, para que não cresça dentro de nós o desejo e a cobiça. Não, eu não preciso jurar, mas Jesus hoje nos diz: Que o vosso sim, seja ”sim” e o vosso não seja ”não”. Ou seja, não mentir quer dizer ser autêntico, não ter duas palavras, duplicidade naquilo que nós falamos.
Algumas vezes, nos acostumamos com pequenas mentirinhas e achamos que essas pequenas mentirinhas não dizem nada; no entanto, elas vão tirando nossa autenticidade. Nós deixamos de acreditar em pessoas que numa hora dizem uma coisa, noutra hora outra dizem outra coisa. E pior ainda: a pessoa que fala uma coisa para alguém e, para outra, ela diz algo diferente. Ao agirmos assim nós vamos perdendo a nossa autenticidade.
Que Deus, hoje, nos dê a graça de nos revermos por dentro para colocarmos em prática os Seus mandamentos.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 16/02/2014

Oração Final
Pai Santo, ajuda-nos a compreender que o caminho da santidade que nos propões não se satisfaz com a obediência a prescrições, mas exige a nossa entrega total aos companheiros de jornada que colocaste ao nosso lado no caminho do teu Reino. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 16/02/2014

ORAÇÃO FINAl
Pai Santo, ajuda-nos a compreender que o caminho da santidade que nos propões não se satisfaz com a obediência a prescrições, mas exige a nossa entrega total e criativa aos companheiros de jornada que colocaste ao nosso lado como irmãos no Caminho do Reino. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.