terça-feira, 17 de dezembro de 2013

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 18/12/2013

18 de Dezembro de 2013

ANO A


Mt 1,18-24

Comentário do Evangelho

Não tenhas receio

A maternidade de Maria é obra do Espírito Santo (cf. v. 18). Se em Lucas o anúncio do nascimento de Jesus é feito a Maria, em Mateus, por razões apologéticas, é feito a José, em sonho (cf. v. 20). Dado o fato da gravidez de Maria, José, o homem justo, pensa em despedi-la secretamente. A melhor tradução para o que José pretende fazer é “deixar ir livremente”. A atitude de José não está motivada pelo medo do juízo dos outros, mas pelo reconhecimento do que estava acontecendo. Queria, isso sim, se manter distante do mistério de Deus que ele compreendia estar presente na gravidez de Maria. É exatamente por isso que o texto diz que ele era justo (cf. v. 19). “não tenhas receio”, diz o anjo a ele, “o que nela foi gerado vem do Espírito Santo” (v. 20). A palavra do anjo faz José superar a distância do sagrado e do profano: “Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor tinha mandado e acolheu sua esposa” (v. 24).
Carlos Alberto Contieri, sj
ORAÇÃO
Pai, ajuda-me a contemplar tua ação maravilhosa em relação à concepção de teu Filho Jesus. Que eu reconheça nela tua oferta gratuita de salvação para toda a humanidade.

Vivendo a Palavra

Contemplamos hoje o silêncio de José. Nenhuma palavra, nenhum gesto de resistência ao projeto do Pai. Busquemos inspiração em José para a nossa vida, especialmente nos momentos em que os desígnios do Pai nos parecem incompreensíveis, até injustos... Boa razão para termos José como Patrono de nossa Igreja.

Reflexão

Os profetas anunciaram que o Messias seria da descendência do rei Davi, e esta descendência vem por meio de José. As Sagradas Escrituras não narram se Maria era descendente de Davi. José não teve nenhuma participação no Mistério da Encarnação, mas mesmo assim, cooperou com a realização das profecias ao reconhecer Jesus como seu filho e, ao dar-lhe o seu nome, lhe transmite todos os direitos da descendência davídica. Com isso, o Evangelho de hoje nos mostra que, embora a salvação seja obra de Deus, a colaboração humana é necessária para a sua realização e somente pode ser considerado verdadeiramente santo aquele que procura participar da obra salvífica da humanidade como colaborador do próprio Deus.

Recadinho


José nos incentiva a ouvir a Palavra de Deus. Ele acolheu Maria e o Menino.
Peçamos que nos acolha e nos conforte, para que Deus esteja sempre conosco.
E será Natal hoje e sempre! Amém!
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

A OBEDIÊNCIA DE JOSÉ

Tendo excluído a paternidade humana na geração de Jesus, a genealogia deixou sem explicação a participação de José no nascimento do Messias. Para superar esta lacuna, José é apresentado como um discípulo fiel que se deixou guiar por Deus e, assim, mesmo sem ter evidências, aceitou colaborar na obra da salvação.
O esposo de Maria foi definido como sendo um homem justo. Em suas dúvidas a respeito da noiva que se apresentara grávida, soube ouvir a voz de Deus e submeter-se a ela. O pedido de Deus era claro: José deveria acolher Maria como esposa e assumir, como filho, o que nela fora gerado por obra do Espírito Santo. A função de José no plano da salvação seria a de garantir a identidade social do menino Jesus. Doravante, este seria reconhecido como filho de José, embora fosse Deus seu verdadeiro Pai. Em seu papel de pai adotivo, competia-lhe dar, ao menino, o nome - Jesus - e, com isso, evidenciar sua missão de salvador da humanidade.
A obediência de José possibilitou o cumprimento do projeto salvífico divino, pois Jesus tornar-se-ia o Emanuel, a presença de Deus na vida da humanidade. Em Jesus, começaria uma nova etapa da História, sendo ele o acesso definitivo a Deus. Seria Deus conosco, caminhando com a humanidade pecadora em busca de salvação. Em tudo isto, foi grande o mérito do humilde José.
Oração
Senhor Jesus, faze-me assimilar o exemplo de José, em sua obediência de discípulo disposto a colaborar na obra da salvação.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Ó Deus todo-poderoso, concedei aos que gememos na antiga escravidão sob o jugo do pecado a graça de ser libertados pelo novo natal do vosso Filho, que tão ansiosamente esperamos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


18 de DEZEMBRO – QUARTA


Liturgia comentada

Despertando do sono... (Mt 1,18-24)
Quando Maria voltou de Ain Karim, onde assistira a Isabel em uma gravidez de risco, pois a mãe de João Batista tinha idade avançada, certamente já se percebia que a noiva de José estava grávida...
Entre os hebreus, noivado era coisa séria. Se o noivo morria, a noiva passava a se vestir como as viúvas e com elas convivia. A noiva adúltera era apedrejada após a denúncia feita pelo noivo. Não admira que José, o justo, sem poder conciliar aquela evidência com a íntima certeza de que sua noiva era pura e fiel, pensasse em se afastar dela, em silêncio (isto é, sem a acusar!), certamente por intuir que o dedo de Deus estava naquela história...
É quando ocorre a “Anunciação do anjo a José”. Uma experiência profunda, ligada ao inconsciente (esse sabidinho!...), tantas vezes usado por Deus para iluminar nosso caminho. E a mensagem do Anjo é clara: “Não temas! É obra do Espírito de Deus...”
Despertando do sono, José põe em prática aquilo que “ouvira” com o ouvido do coração e toma por esposa a noiva grávida de Deus. Pode parecer um detalhe insignificante. Penso que não. Na prática, não basta ouvir a voz de Deus. É preciso “despertar do sono”. Enquanto cochilamos, não entramos em ação conforme manda a voz de Deus.
Não é à toa que o apóstolo Paulo tantas vezes insiste no mesmo imperativo: “Eis a hora de despertar do vosso sono: hoje, com efeito, a salvação está mais próxima de nós do que no momento em que abraçamos a fé. A noite está adiantada, o dia está bem próximo” (Rm 13,11-12a) “Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e sobre ti o Cristo resplandecerá.” (Ef 5,14)
O Advento, todo o tempo, representa um insistente convite a sair do marasmo, a despertar da sonolência e ficar de olhos acesos para o Cristo que vem. Rotinas sem alma, anestesias da TV, relacionamentos mornos – tudo isto é incompatível com a expectativa da iminente chegada do Senhor. Se o velhinho de vermelho não nos distrair do essencial, quem sabe estaremos acordados quando o Menino chegar...
Como assegura a Antífona de Laudes, “o Senhor vai chegar sem demora; trará à luz o oculto nas trevas, vai revelar-se a todos os povos. Aleluia.”
Orai sem cessar: “Jamais deixarei que meus olhos se fechem!” (Sl 132,4)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança
santini@novaalianca.com.br

Reflexão

Os profetas anunciaram que o Messias seria da descendência do rei Davi, e esta descendência vem por meio de José. As Sagradas Escrituras não narram se Maria era descendente de Davi. José não teve nenhuma participação no Mistério da Encarnação, mas mesmo assim, cooperou com a realização das profecias ao reconhecer Jesus como seu filho e, ao dar-lhe o seu nome, lhe transmite todos os direitos da descendência davídica. Com isso, o Evangelho de hoje nos mostra que, embora a salvação seja obra de Deus, a colaboração humana é necessária para a sua realização e somente pode ser considerado verdadeiramente santo aquele que procura participar da obra salvífica da humanidade como colaborador do próprio Deus.


HOMILIA
O NASCIMENTO DE JESUS CRISTO Mt 1,18-24

O nascimento de Jesus é precedido pela Anunciação, em Mateus e em Lucas. Neste, a Anunciação é feita a Maria. Em Mateus, o anjo aparece em sonho a José, “filho de Davi”, com a intenção teológica de demonstrar a origem davídica de Jesus, através da genealogia inicial. Jesus é o Messias (Cristo) dos judeus-cristãos para quem Mateus escreve. João inicia seu Evangelho, afirmando a eternidade do Verbo em Deus. Sem origem, existia desde o princípio. Essa é a última realidade de Jesus. Mas, enquanto homem, qual foi sua origem? Mateus e Lucas descrevem o início do homem Jesus de modo diferente, porém, essencialmente idêntico. Lucas apela ao testemunho da mãe, Maria. Mateus, pelo contrário, descreve a situação do ponto de vista do marido, José. Ambos os relatos convergem para afirmar que o concebido no ventre de Maria não tinha pai humano. Que a concepção foi um ato do poder do Espírito Divino. Esse Espírito, que pairava presente sobre as águas no início (Gn 1,2), agora paira sobre Maria para uma realidade que se parece com uma criação.
Jesus não é um homem qualquer; na sua humanidade existe uma intervenção direta do poder de Deus. Ele tem uma mãe terrena, mas o Pai d’Ele (”meu Pai” dirá Ele) e vosso Pai, é o próprio Deus. Porém, essa sua permanência desde a concepção até seu nascimento no seio de Maria o torna semelhante a nós em tudo. Se o primeiro homem foi feito espírito vivente pelo Sopro Divino, o segundo Adão, Cristo, foi feito homem pelo Espírito Divino que transforma um óvulo humano em ser divino totalmente dependente da divindade. Será chamado Filho de Deus (Lc 1, 35) ou Deus conosco.
É admirável a simplicidade da narração. Mas também é apreciável o modo como é efetuada: José conhece o caso pelas palavras do mensageiro de Deus, como num sonho. Este sonho implica uma duplicata da realidade que temos que conhecer, em profundidade, unicamente com os olhos e ouvidos interiores. Por meio de uma fé que depende de um relato humano, mas que unicamente aceitamos porque avaliado pela palavra divina.
A dúvida de José era se podia aceitar uma mulher que, em termos legais, era uma idólatra e, portanto, maculava o matrimônio de modo a atingir de forma pecaminosa o esposo, cuja infâmia, portanto, deve ser extirpada. Aceitá-la era impossível. O meio de recusá-la era a dúvida principal de José. Como temos exposto, escolheu um método que a deixava fora de suspeitas adúlteras, mas que impediria a união matrimonial, porque nesse caso, como marido de uma mulher infiel, comparável a uma idólatra, estaria ele colaborando com o mal. O escrito de repúdio antigo, foi a forma escolhida por José. Não era preciso relatar causas, mas deixar claro que não deviam existir vínculos ulteriores. Tudo estava terminado.
A visão em sonhos declara os fatos e inocenta Maria. Mais: a eleva à categoria de especial escolhida por Deus para ser a mãe do Salvador esperado. Existe outro aspecto a ser tomado em conta: pede a José que atue como pai. Ninguém saberá o acontecido e todos pensarão numa concepção, gravidez e nascimento comuns.
José aceitou o encargo e se tornará pai – todos assim o pensavam - de um menino a quem impõe o nome, de Salvador dos pecados de seu povo. Não dos inimigos externos ou do poder estrangeiro, mas dessa ruptura essencial do homem com Deus que Cristo inicia a dissolver e da qual sempre será causa de anulação por meio da reconciliação. Era o antigo decreto de morte que acompanhava o afastamento do homem. Agora, por parte de Deus, todos somos filhos em seu Filho. Por parte humana, individual, essa nova realidade é assumida particularmente por meio da fé e a conversão em que não é o homem quem dita a ética vital, mas o Homem Jesus quem a proclama no seu Evangelho.
Pai, ajuda-me a contemplar tua ação maravilhosa em relação à concepção de teu Filho Jesus. Que eu reconheça nela tua oferta gratuita de salvação para toda a humanidade.

Fonte Homilia: Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

HOMÍLIA DIÁRIA

Leve Maria para sua casa

Leve Maria para sua casa como fez José. E você não precisa ter receio, porque amar Nossa Senhora não é nenhum pecado. Quem primeiro a amou foi Deus!
“Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: ‘José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo’” (Mt 1,20). 
Você que na narração do Evangelho, segundo São Mateus, ele nos conta como foi o nascimento de Jesus, a origem d’Ele, e como Maria – grávida por obra e por ação do Espírito Santo – totalmente cheia do Espírito, ela pôde conceber Jesus. 
Mas José não tinha pleno conhecimento daquilo que estava acontecendo com Maria, da obra que Deus estava realizando na vida e no ventre dela, os segredos de Deus que agora se realizavam plenamente na Bem-Aventurada, a sempre Virgem Maria. 
José, por querer ser justo e não querer ver a sua esposa ser difamada e apedrejada, ou seja, ser realmente condenada pelos homens, resolve fazer isso de forma secreta. Ele não foi procurar saber dela o que, de fato, havia acontecido com ela. Mas a Santíssima Virgem Maria, de tão maravilhada daquilo que Deus realizava nela, se recolheu no silêncio da contemplação, para contemplar aquilo que o Todo-poderoso realizava em sua vida. 
Ah, José! Ele teve medo, receio, dúvida, incerteza… Mas a palavra do anjo foi poderosa nesse momento: “Não temas, José! Não tenhas medo de receber Maria, porque o que nela está sendo concebido é obra e ação do Espírito Santo”. Daquela hora em diante, José recebeu Maria em sua casa. 
Deixe-me dizer a você: não tenha também medo de receber Maria. Não tenha medo de amar Maria. Não tenha medo de estar próximo – mas bem próximo mesmo! – e amar, do fundo do seu coração e da sua alma, aquela que Deus escolheu para ser templo da morada do Eterno no meio de nós, templo da morada do Seu Filho no meio de nós. Tudo o que se realiza no ventre da Virgem Maria é obra do Espírito Santo. 
Receba Maria na sua casa. Leve-a para sua casa como fez José. E você não precisa ter receio, porque amar Nossa Senhora não é nenhum pecado. Quem primeiro amou Maria foi Deus! Foi Deus quem a escolheu, foi Deus quem a fez plena do Espírito para poder conceber Jesus. 
Eu hoje, como São José, quero receber Maria. Quero abrir as portas da minha casa, do meu coração e da minha vida para que aquela, que foi escolhida para ser a Mãe de Jesus, também possa ser a minha Mãe. Cuidar de mim, tomar-me em seus braços maternos, me acolher, orientar e conduzir. 
Preparando o Natal do Senhor, eu convido você a receber aquela que trouxe para nós a Luz Eterna, que é Jesus Cristo. Não tenha medo de receber a Virgem Maria na sua casa e na sua vida. 
Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter
LEITURA ORANTE

Mt 1,18-24 - O “homem que fazia sempre o que era direito”



Preparo-me para a Leitura Orante, rezando:

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
O amor e a paz de Deus nosso Pai,
que em Cristo nos libertou para que permanecêssemos livres,
estejam com todos nós
e nos mantenham firmes no evangelho de Jesus.
Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

1) Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Mt 1,18-24.
O nascimento de Jesus Cristo foi assim: Maria, a sua mãe, ia casar com José. Mas antes do casamento ela ficou grávida pelo Espírito Santo. José, com quem Maria ia casar, era um homem que sempre fazia o que era direito. Ele não queria difamar Maria e por isso resolveu desmanchar o contrato de casamento sem ninguém saber. Enquanto José estava pensando nisso, um anjo do Senhor apareceu a ele num sonho e disse:
- José, descendente de Davi, não tenha medo de receber Maria como sua esposa, pois ela está grávida pelo Espírito Santo. Ela terá um menino, e você porá nele o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos pecados deles.
Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito por meio do profeta:
"A virgem ficará grávida e terá um filho que receberá o nome de Emanuel." (Emanuel quer dizer "Deus está conosco".) Quando José acordou, fez o que o anjo do Senhor havia mandado e casou com Maria.

O texto fala do nascimento de Jesus. Fala de José, “homem que fazia sempre o que era direito”. Não só às pessoas com quem se relacionava, como Maria, mas em relação a Deus. Sabia ouvir e se deixar guiar por Deus, mesmo se nem tudo lhe fosse claro. O pedido de Deus era que ele recebesse Maria como sua esposa. Devia, portanto, assumir Jesus , como filho. Perante a sociedade Jesus deveria ser reconhecido como filho de José, filho do carpinteiro, embora fosse Filho de Deus. José assumiu: “fez tudo o que o anjo do Senhor havia mandado”.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Somos chamados a abrir caminhos para a vida, como fez José. Ajudam-nos a entender isto os bispos na Conferência de Aparecida: “Nossa missão, para que nossos povos tenham vida nEle, manifesta nossa convicção de que o sentido, a fecundidade e a dignidade da vida humana se encontra no Deus vivo revelado em Jesus. É urgente a tarefa de entregar a nossos povos a vida plena e feliz que Jesus nos traz, para que cada pessoa humana viva de acordo com a dignidade que Deus lhe deu. Fazemos isso com a consciência de que essa dignidade alcançará sua plenitude quando Deus for tudo em todos. Ele é o Senhor da vida e da história, vencedor do mistério do mal e acontecimento salvífico que nos faz capazes de emitir um juízo verdadeiro sobre a realidade, que salvaguarde a dignidade das pessoas e dos povos (DAp 389).

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
 
Cantiga por José
Que foi que te encantou nesta donzela? Que foi que te encantou? 
Que foi que te levou à casa dela? Que foi que te levou? 
Andavas procurando a namorada ideal, 
pedias ao Senhor que te ajudasse a encontrá-la. 
E de repente um dia 
alguém te apresentou Maria. (bis) 

Que foi que viste tu nos olhos dela? Que foi, meu bom José?
 
Que foi que até te fez sonhar com ela no céu de Nazaré? 
3.Agora desposaste a tua eleita na paz do teu Senhor. 
A vida se tornou bem mais perfeita com ela tem mais cor.
( CD Um certo Galileu II)

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
 
Meu novo olhar é o olhar de fé para os Projetos de Deus, com a dignidade e o
compromisso de José.

Bênção
A bênção do Deus de Sara, Abraão e Agar,
a bênção do Filho, nascido de Maria,
a bênção do Espírito Santo de amor,
que cuida com carinho,
qual mãe cuida da gente,
esteja sobre todos nós. Amém!

Ir. Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, ajuda-nos a valorizar o silêncio. Mas que ele não seja um tempo de sonolência, de passividade, e sim momento rico, de abertura do coração para que o teu Espírito nos infunda Amor e discernimento para a caminhada em teu Reino, junto com o Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão e contigo reina na unidade do mesmo Espírito Santo.

LITURGIA DIÁRIA 18/12/2013


Tema do Dia

«Ele será chamado pelo nome de Emanuel.»

A caminho de celebrarmos o Natal do Senhor, lemos hoje uma profecia de Jeremias: Vão chegar dias em que Javé fará nascer para Davi um broto justo, que reinará com sabedoria, praticando o Direito e a Justiça. Judá será salvo e Israel viverá em Paz.

Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos
a vida eterna. Amém.

Roxo. ÚLTIMOS DIAS ANTES DO NATAL - 18-12 Advento


Primeira Leitura (Jr 23,5-8)
18 de Dezembro
Quarta-feira 18/12/13

Leitura do Livro do Profeta Jeremias.

5“Eis que virão dias, diz o Senhor, em que farei nascer um descendente de Davi; reinará como rei e será sábio, fará valer a justiça e a retidão na terra. 6Naqueles dias, Judá será salvo e Israel viverá tranquilo; este é o nome com que o chamarão: ‘Senhor, nossa Justiça’. 7Eis que virão dias, diz o Senhor, em que já não se usará jurar ‘Pela vida do Senhor que tirou os filhos de Israel do Egito’ 8 — mas sim: ‘Pela vida do Senhor que tirou e reconduziu os descendentes da casa de Israel desde o país do norte e todos os outros países’, para onde os expulsará; eles então irão habitar em sua terra”.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 71)
18 de Dezembro
Quarta-feira 18/12/13

— Nos seus dias a justiça florirá e a paz em abundância para sempre.
— Nos seus dias a justiça florirá e paz em abundância, para sempre.

— Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus, vossa justiça ao descendente da realeza! Com justiça ele governe o vosso povo, com equidade ele julgue os vossos pobres.
— Libertará o indigente que suplica, e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. Terá pena do indigente e do infeliz, e a vida dos humildes salvará.
— Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque só ele realiza maravilhas! Bendito seja o seu nome glorioso! Bendito seja eternamente! Amém, amém!


Evangelho (Mt 1,18-24)
18 de Dezembro
Quarta-feira 18/12/13


O homem que fazia sempre o que era direito


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

18A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo.19José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria, em segredo. 20Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: “José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. 21Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”.22Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 23“Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”. 24Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado, e aceitou sua esposa.

— Palavra da Salv
ação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.
Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém