quinta-feira, 30 de julho de 2020

BOM DIA! BOA TARDE! BOA NOITE! Oração da noite, Oração da manhã e Oração do entardecer - Deus te abençoe!



Oração da Noite

Boa noite Pai.
Termina o dia e a ti entrego meu cansaço.
Obrigado por tudo e… perdão!!
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos, pela alegria que vi no rosto das crianças;
Obrigado pelo exemplo que recebi daquele meu irmão;
Obrigado também por isso que me fez sofrer…
Obrigado porque naquele momento de desânimo lembrei que tu és meu Pai; Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida, pelo meu desejo de superação…
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe!
Perdão, também, Senhor!
Perdão por meu rosto carrancudo; Perdão porque não me lembrei que não sou filho único, mas irmão de muitos; Perdão, Pai, pela falta de colaboração e serviço e porque não evitei aquela lágrima, aquele desgosto; Perdão por ter guardado para mim tua mensagem de amor;
Perdão por não ter sabido hoje entregar-me e dizer: “sim”, como Maria.
Perdão por aqueles que deviam pedir-te perdão e não se decidem.
Perdoa-me, Pai, e abençoa os meus propósitos para o dia de amanhã, que ao despertar, me invada novo entusiasmo; que o dia de amanhã seja um ininterrupto “sim” vivido conscientemente.
Amém!!!

Oração da manhã

Bom-dia, Senhor Deus e Pai!
A ti, a nossa gratidão pela vida que desperta, pelo calor que
cria vida, pela luz que abre nossos olhos.
Nós te agradecemos por tudo que forma nossa vida, pela terra, pela água, pelo ar, pelas pessoas. Inspira-nos com teu Espírito Santo os pensamentos que vamos alimentar,as palavras que vamos dizer, os gestos que vamos dirigir,a comunicação que vamos realizar.
Abençoa as pessoas que nós encontramos, os alimentos que vamos ingerir.
Abençoa os passos que nós dermos, o trabalho que devemos fazer.
Abençoa, Senhor, as decisões que vamos tomar, a esperança que vamos promover,a paz que vamos semear,a fé que vamos viver, o amor que vamos partilhar.
Ajuda-nos, Senhor, a não fugir diante das dificuldades, mas a abraçar amor as pequenas cruzes deste dia.
Queremos estar contigo, Senhor, no início, durante e no fim deste dia.
Amém.

Oração do entardecer

Ó Deus!
Cai à tarde, a noite se aproxima.
Há neste instante, um chamado à elevação, à paz, à reflexão.
O dia passa e carregam os meus cuidados.
Quem fez, fez.
Também a minha existência material é um dia que se passa,
uma plantação que se faz, um caminho para algo superior.
Como fizeste a manhã, à tarde e a noite, com seus encantos,
fizeste também a mim, com os meus significados, meus resultados.
Aproxima de mim, Pai, a Tua paz para que usufrua desta
hora e tome seguras decisões para amanhã.
Que se ponha o sol no horizonte, mas que nasça
em mim o sol da renovação e da paz para sempre.
Obrigado, Deus, muito obrigado!
Amém!

Santo Inácio de Loyola - 31 de Julho



Neste dia celebramos a memória deste santo que, em sua bula de canonização, foi reconhecido como tendo “uma alma maior que o mundo”.
Inácio nasceu em Loyola na Espanha, no ano de 1491, e pertenceu a uma nobre e numerosa família religiosa (era o mais novo de doze irmãos), ao ponto de receber com 14 anos a tonsura, mas preferiu a carreira militar e assim como jovem valente entregou-se às ambições e às aventuras das armas e dos amores. Aconteceu que, durante a defesa do castelo de Pamplona, Inácio quebrou uma perna, precisando assim ficar paralisado por um tempo; desse mal Deus tirou o bem da sua conversão, já que depois de ler a vida de Jesus e alguns livros da vida dos santos concluiu: “São Francisco fez isso, pois eu tenho de fazer o mesmo. São Domingos isso, pois eu tenho também de o fazer”.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 31/07/2020

ANO A


Mt 13,54-58

Comentário do Evangelho

Jesus causa admiração por sua sabedoria.

Das margens do Mar da Galileia (13,1.36), onde ensinou as multidões e os discípulos em parábolas, Jesus vai para sua cidade, Nazaré. A admiração que Jesus causa ao ensinar é uma das constantes observações que os evangelistas apresentam. As pessoas presentes na sinagoga se perguntam por duas vezes sobre a origem da sabedoria de Jesus e dos seus atos de poder. Nesse sentido, o leitor do evangelho está mais bem informado e preparado para responder do que os concidadãos de Jesus. Todo o bem que ele faz, a vida que transmite, a sua autoridade, a sua coerência vêm de Deus, da comunhão entre o Pai e o Filho. Há uma sabedoria, entenda-se aqui um modo de viver, que ultrapassa o conhecimento racional; é dom, fruto de uma profunda união entre o homem e Deus. Mas as pessoas presentes naquela sinagoga, em razão de sua incredulidade (v. 58), se equivocam imaginando saber a origem de Jesus (vv. 55-56a). A falta de fé lhes impediu de se abrirem para acolher o dom de Deus. A falta de fé fecha o coração para o que é de Deus e impede ver além das aparências. Se os que estavam na sinagoga se admiravam da sabedoria do ensinamento de Jesus e do bem que ele fazia, a incredulidade lhes impediu de acolher no mais profundo do coração a Palavra da Vida.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, livra-me da tentação de querer enquadrar-te em meus mesquinhos esquemas. Que eu saiba reconhecer e respeitar o teu modo de agir.
Fonte: Paulinas em 01/08/2014

Vivendo a Palavra

A sabedoria de Jesus não era o resultado de estudos com os doutores do Templo, mas da vida em família – da convivência com a simplicidade de José e a pureza de Maria, fundidas numa fé capaz da entrega total de suas vidas aos planos do Senhor. Que nós entendamos isto e sigamos esse caminho!
Fonte: Arquidiocese BH em 01/08/2014

VIVENDO A PALAVRa

O Evangelho mostra a tentação de sempre: nós substituímos os conceitos de ‘bem’ e de ‘mal’, que se refere às ações praticadas, por ‘bom’ ou ‘mau’, conforme teimamos em julgar e classificar o nosso semelhante que as pratica. O povo do tempo de Jesus de Nazaré estava cego para o ‘bem’ que Ele espalhava no seu meio, porque o filho de um carpinteiro não era ‘bom’ bastante para dele se esperar grandes coisas. Honestamente, reconheçamos que nós, ainda hoje, cultivamos muitos preconceitos…

Reflexão

Nosso olhar está sempre voltado para as realidades aparentes e, normalmente, estas realidades se sobrepõem diante do que é invisível aos nossos olhos. È o caso do Evangelho de hoje, que nos mostra que as pessoas estavam com os olhos fixos nas aparências de Jesus, na sua origem, na sua família e na sua profissão, não sendo capazes de enxergar além e ver nele aquilo que as suas obras tornavam manifesto que é a sua divindade. O resultado disso tudo é que as pessoas do tempo de Jesus não foram capazes de reconhece-lo na sua totalidade, como verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Tudo isso aconteceu por causa da dureza de seus corações.
Fonte: CNBB em 01/08/2014

Reflexão

Jesus volta para sua terra e, como de costume, “ensinava na sinagoga deles”. Duas são as reações de seus conterrâneos. Começam admirando Jesus, por sua sabedoria e seus milagres. Entretanto, por conhecerem sua origem simples e conviverem com seus parentes, levantam a dúvida: como poderia ele manifestar tão elevada sabedoria? Superficiais, os nazarenos não prestaram atenção às obras de justiça que ele praticava e ensinava; não enxergaram sua coerência de vida. Então, assumem atitude de dúvida e desprezo: “E se escandalizavam por causa dele”. Fechados em seus preconceitos, não se abrem para a fé em Jesus. Portanto, também não criam condições para Jesus realizar entre eles os sinais de Deus. Não existem milagres onde não há fé, também hoje.
Oração
Ó Jesus Messias, cheio de boa vontade, tu te pões a ensinar na sinagoga. Entre teus conterrâneos, despertas um misto de admiração, dúvidas e rejeição. Dá-nos, Senhor, coração e mente abertos para irmos além das aparências e reconhecermos que és o Filho de Deus e queres vida plena para nós. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))

Recadinho

Você tem consciência de que Jesus está insistindo na realidade do Reino onde os bons serão premiados e os maus receberão o que merecerem? - Você se considera ‘peixe’ bom para o Reino de Deus? - Não há muita gente que se omite diante das responsabilidades? - Você procura a ajuda de Deus para vencer as dificuldades? - Lembre-se: o futuro depende de cada um de nós!
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 01/08/2014

Comentário do Evangelho

UM OBSTÁCULO PARA A FÉ

O Evangelho faz uma constatação surpreendente: Jesus tornou-se um obstáculo para a fé do povo de sua terra. Por que isto, se todo o seu empenho concentrava-se em abrir seus ouvintes para a fé? Por que seus conterrâneos de Nazaré fecharam-se na incredulidade?
Os nazaretanos levantavam sérias dúvidas sobre a origem dos milagres e da sabedoria de Jesus. Não podia tratar-se de sabedoria humana, pois conheciam muito bem seus familiares, sua condição social e o nível de seus conhecimentos. Sabedoria divina também não podia ser. Seria ousadia demais alguém do nível de Jesus pretender possuir sabedoria e poderes próprios de Deus! Teriam eles também suspeitado que a extraordinária capacidade do Mestre provinha do mau espírito? Em todo caso, não sendo capazes de superar satisfatoriamente a aporia em que se encontravam, optaram pelo desprezo e pelo fechamento.
A atitude do povo de Nazaré não chegou a intimidar Jesus. Ele soube interpretar sua experiência à luz da história de Israel, na qual a rejeição dos profetas, enviados por Deus, é uma constante. O desprezo à pessoa do Mestre soma-se ao dos profetas do passado. Por outro lado, Jesus limitou sua ação taumatúrgica, não caindo na tentação de querer provar sua condição messiânica. Afinal, o obstáculo para a fé funda-se no preconceito de seus conterrâneos. Quando se libertassem desta prevenção, estariam em condições de reconhecer a origem divina do poder e da sabedoria de Jesus.
Oração
Espírito que liberta dos preconceitos, predisponha-me para acolher o Messias Jesus, na pobreza de sua origem social, embora sendo ele o Filho de Deus.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Ó Deus, que suscitais continuamente em vossa Igreja novos exemplos de virtude, dai-nos seguir de tal modo os passos do bispo santo Afonso Maria, no zelo pela salvação de todos, que alcancemos com ele a recompensa celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Dom Total em 01/08/2014

Meditando o evangelho

O MESTRE SOB SUSPEITA

A sabedoria de Jesus deixou intrigada a população de Nazaré, onde ele vivera desde a infância: De onde lhe vinham tanta sabedoria e o poder de fazer milagres? Não era possível que o filho de um carpinteiro, bem conhecido no povoado, manifestasse uma sabedoria maior que a dos grandes mestres. Era inexplicável como alguém, cujos parentes nada tinham de especial, falasse com tamanha autoridade. Os concidadãos de Jesus suspeitavam dele, e não acreditavam de que estivesse falando e agindo por inspiração divina. Por este motivo, o Mestre tornou-se para eles motivo de escândalo.
A experiência de rejeição não chegou a desanimar Jesus. Ele se deu conta de estar vivendo uma situação semelhante à dos antigos profetas de Israel. Nenhum deles foi aceito e reconhecido pelo povo ao qual tinham sido enviados. Antes, todos foram desprezados e humilhados, quando não, assassinados de maneira perversa e desumana.
Jesus não perdeu tempo com quem se obstinava em não aceitá-lo. Por isso, não realizou em Nazaré muitos milagres. Seria perda de tempo, acarretaria ainda mais maledicência, acirraria os ânimos do povo. Por isso, seguiu em frente, buscando quem estivesse aberto para deixar-se tocar por sua mensagem. O fracasso não o abateu nem atenuou o ardor com que realizava a missão que o Pai lhe tinha confiado.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Senhor Jesus, que eu saiba inspirar-me no teu testemunho de coragem diante da rejeição e da suspeita, levando em frente a missão que me confiaste.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. O profeta em sua terra
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Quando Jesus chegou a sua “terrinha” de Nazaré, acompanhado dos discípulos, deve ter causado um verdadeiro “rebuliço”, pois a fama de suas pregações e milagres já tinha chegado por ali, e no sábado, como todo piedoso judeu, foi á celebração da palavra da comunidade, onde qualquer pessoa adulta poderia partilhar o ensinamento na hora da reflexão, e Jesus, usando desse direito, começou a pregar á sua gente fazendo a homilia.
O povinho da terra nunca tinha ouvido uma pregação feita com tanta sabedoria, que superava o ensinamento dos Mestres da Lei e Fariseus, imaginemos que na comunidade, algum ministro da palavra pregue melhor do que o padre... E com o estudo teológico acessível aos leigos, isso hoje não seria novidade. Aquilo que causa muita admiração, também logo acabará despertando inveja e ciúmes. Basta que olhemos para os nossos trabalhos pastorais, onde o carisma das pessoas não deveria jamais perturbar o coração de ninguém, ao contrário, deveria motivar um hino de louvor, por Deus ter dado a alguém um carisma tão belo, colocado a serviço da comunidade. Mas logo surgem os questionamentos maldosos: Como é que ele faz isso? Onde aprendeu? Quem o ensinou, de onde é que vem todo esse saber? Será que o padre o autorizou? (esta última coloquei por minha conta) E a admiração, contaminada por sentimentos de inveja, vai logo se transformando em desconfiança aumentando o questionamento: “Quem ele pensa que é para falar assim com a gente? Será que ele não se enxerga? E ainda tem gente que o aplaude...” Os que não gostam muito do padre, logo vão afirmar que o sujeito faz parte da sua “panelinha”, ou então, irão inventar alguma coisa para que o padre “corte a asinha” do tal.
As pessoas, quando enxergam algo de extraordinário no carisma de alguém, começam a fazer do sujeito uma referência importante, acham que a sua oração é especial, que um toque de sua mão poderosa pode realizar curas prodigiosas, e em pouco tempo, a propaganda é tanta, que o tal não pode mais sair às ruas que é logo procurado para resolver os mais complicados problemas, inclusive de relacionamento entre as pessoas, apaziguar casais brigados, aconselhar jovens, e assim a sua palavra se torna poderosa e em consequência passa a ter poder religioso paralelo, e se na comunidade não houver um espaço para ele atuar, terão de criar um, pois ele precisa ser o centro das atenções.
Jesus não quis formar um grupo só para ele, para bater de frente com os Doutores da lei, escribas e fariseus, e como ele pertencia a uma das famílias do local, a ponto de sua mãe e seus irmãos serem de todos conhecidos, começaram a vê-lo como um vulgar, que nada de extraordinário tinha feito em Nazaré, para que merecesse toda aquela fama. Na verdade, Jesus não quis assumir o papel de “Salvador da Pátria”, diferente de muitos cristãos, que se julgam o máximo naquilo que fazem, e pensam que sem eles, a comunidade estaria perdida. Essa rejeição á ele, suas obras e ensinamentos, iria se ampliar e lhe traria consequências muito trágicas na cruz do calvário, tudo porque suas palavras anunciavam um reino novo, que exigia uma total renovação e mudança de vida.
Na sinagoga de Nazaré foi assim, e nas nossas comunidades, não é muito diferente. Quem prega mudanças de mentalidade e conduta, vai sempre arrumar uma bela de uma encrenca. Enfim, o Jesus que há dentro de nós, criado pelas nossas fantasias, ou fruto de nossas ideologias sociais ou políticas, não coincide com esse Jesus, Profeta de Nazaré, Ungido de Deus. E o pior, é que projetamos tudo isso nas pessoas que lideram a comunidade, nos cooperadores, nos coordenadores, nos ministros, nas catequistas, nos padres e diáconos e assim vai. Um dia, basta um desentendimento mais sério e o nosso Jesus idealizado “vai para o espaço” com a pastoral e o movimento.
Quanto mais somos realistas em nossa fé, mais nos adequamos à comunidade aceitando-a como ela é; quanto mais nos iludimos com o Jesus da nossa fantasia, mais difícil será vivermos em comunidade, aceitando as pessoas do jeito que elas são. Daí, como em Nazaré, nenhum milagre acontece, por causa dessa fé infantil e ilusória...

2. Um profeta só não é valorizado em sua própria cidade e na sua própria casa - Mt 13,54-58
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Terminadas as parábolas, que São Mateus concentrou num sermão, Jesus foi para Nazaré e, como sempre, ensinava. Ensinava na sinagoga aos que lá se encontravam e que ficavam maravilhados com a sabedoria dele. Ouviam falar dos milagres que fazia em outros lugares e se perguntavam de onde lhe vinha isso tudo. Jesus tinha sido até então um habitante de Nazaré, conhecido de todos, perfeitamente integrado em seu meio ambiente, normal como todo mundo, sem nada de extraordinário. Durante trinta anos, Jesus de Nazaré mostrou o valor da vida simples de cada dia. Mas um profeta não é valorizado em sua cidade nem em sua casa. Jesus também não foi valorizado em Nazaré, e não o foi por ser um deles. Podia ter sido diferente. Eles podiam ter-se orgulhado de que um compatriota fosse tão ilustre como Jesus. Ao contrário, depreciaram a si mesmos dizendo que alguém como eles não podia ter tal sabedoria. Como eram incrédulos, Jesus fez poucos milagres em Nazaré, porque o milagre supõe a fé naquele que o pede. Santo Inácio, que hoje celebramos, conheceu Jesus mais a fundo durante um período de convalescença e, ao contrário dos nazarenos, se encantou por ele, entregando-se totalmente à causa do Evangelho.

HOMILIA

JESUS EM NAZARÉ

Como é difícil a fé, como é trabalhoso propagar as coisas do Reino. Mesmo em nosso meio somos levados a um grande desafio, temos que lutar contra isso, mas muitas vezes reconhecer as dificuldades. Jesus mostra isto quando alerta que no próprio meio as pessoas não são ouvidas. Como que exigindo um afastamento do que é conhecido, as pessoas só se empolgam com o novo. Mas, Deus mandou o novo, Jesus, para estar acima de todos os profetas uma vez que é o Seu próprio filho. É com este Novo que devemos evangelizar!
Os conterrâneos de Jesus O tinham visto partir como filho de carpinteiro, e agora O reencontram como Mestre, rodeado de discípulos. É uma novidade que interpretam somente como vantagem social. Isso os impede de acolherem a Palavra de Deus e a explicação das Escrituras e a Sua revelação como o Ungido de Deus. Vista a posição de Jesus neste prisma cria-se neles a impressão de que Jesus partiria acabando por deixá-los outra vez na sua pobreza.
A sabedoria de Jesus deixou intrigada a população de Nazaré, onde ele vivera desde a infância: De onde lhe vinham tanta sabedoria e o poder de fazer milagres? Não era possível que o filho de um carpinteiro, bem conhecido no povoado, manifestasse uma sabedoria maior que a dos grandes mestres. Era inexplicável como alguém, cujos parentes nada tinham de especial, falasse com tamanha autoridade. Os concidadãos de Jesus suspeitavam dele, e não acreditavam que estivesse falando e agindo por inspiração divina. Por este motivo, o Mestre tornou-se para eles motivo de escândalo.
Na última parte do texto de hoje, Jesus nos dá um puxão de orelha. Porque muitas vezes fechamos os nossos ouvidos para acolher o conselho, a advertência e o ensino daqueles que são nossos parentes, familiares, vizinhos ou conhecidos. E por outro encoraja-nos a não desistirmos da nossa missão de anunciar o reino de Deus seja a que custo for. Jesus nos ensina que a tarefa é dura. E, sobretudo, quando se trata de evangelizar a partir de dentro de casa. Para Jesus também não foi fácil ser profeta na sua casa, na sua família. As pessoas duvidavam dele, não queriam acreditar no Seu poder e por isso mesmo Ele não fez ali muitos milagres.
A experiência de rejeição não chegou a desanimar Jesus. Ele se deu conta de estar vivendo uma situação semelhante à dos antigos profetas de Israel. Nenhum deles foi aceito e reconhecido pelo povo ao qual tinham sido enviados. Antes, todos foram desprezados e humilhados, quando não, assassinados de maneira perversa e desumana.
Jesus não perdeu tempo com quem se obstinava em não aceitá-lo. Por isso, não realizou em Nazaré muitos milagres. Seria perda de tempo, acarretaria ainda mais maledicência, acirraria os ânimos do povo. Por isso, seguiu em frente, buscando quem estivesse aberto para deixar-se tocar por sua mensagem. O fracasso não o abateu nem atenuou o ardor com que realizava a missão que o Pai lhe tinha confiado.
Jesus é Aquele irmão que Deus nosso Pai nos enviou para nos mostrar o caminho que nos leva para o Céu. E então, precisamos estar atentos para acolher as pessoas que dentro da nossa casa nos abrem os olhos e são instrumentos de Deus para nossa conversão. Ouvidos atentos e coração aberto, porque o Senhor fala por meio de quem nós nunca nem esperávamos que falasse. Muitas vezes Deus nos manda Seus emissários que nos aconselham com palavras de sabedoria que Ele próprio sugeriu para nós. Porém, por ser essa pessoa, simplesmente alguém que é muito conhecido nosso, nós desprezamos as recomendações de Deus. Nesse caso, os milagres também não acontecem na nossa vida, e muitos problemas nunca serão solucionados por causa da nossa impertinência.
Pai, livra-me da tentação de querer enquadrar-te em meus mesquinhos esquemas. Que eu saiba reconhecer e respeitar o teu modo de agir.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 01/08/2014

HOMILIA DIÁRIA

Precisamos valorizar aqueles que Deus colocou ao nosso lado

Não sabemos valorizar as pérolas, as pratas, aqueles que estão conosco no dia a dia. Deus vai falar muito mais por meio deles se soubermos valorizar aqueles que Ele colocou ao nosso lado.

“Jesus, porém, disse: ‘Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!’” (Mateus 13, 57).

Nós, hoje, acompanhamos o drama de Jesus que se dirige à Sua terra natal: Nazaré. Nós dizemos “terra natal” não porque Jesus nasceu em Nazaré, mas sim porque foi ali que Ele foi criado, que Ele cresceu e também ali estão Seus familiares e Seus parentes. Foi ali que Jesus começou a ensinar na sinagoga, é ali que as pessoas iam para admirar a pregação e a mensagem d’Ele.
Mas, ao mesmo tempo, é da Sua terra, da terra que O criou, a terra em que Ele viveu, que Ele também recebe desprezo, é nessa mesma terra que Ele não é aceito, é dali que vêm as interrogações, é dali que vem a rejeição a Ele. Muitos de Seus parentes e familiares mais próximos também manifestaram incredulidade na pregação de Jesus. Por isso o Senhor pergunta e, ao mesmo tempo, afirma que: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!” (Mt  13, 57). Ele justamente nega isso ao afirmar que um verdadeiro profeta não é estimado em sua pátria e em sua casa.
Da mesm forma, quanta dificuldade é para o marido escutar a esposa ou a esposa escutar o marido; quantas vezes ele prefere escutar os companheiros da rua, do trabalho, do boteco; e ela prefere escutar as comadres, aquelas conhecidas do salão e as conversas de rua e, muitas vezes, não nenhum dos dois dá ouvidos aos da própria casa.
Nós, hoje, somos chamados pelo Mestre a rever os nossos conceitos familiares; o Senhor nos chama a darmos mais atenção – pode ser que nem concordemos, pode ser que nem estejamos de acordo com aquilo que os da nossa casa estão dizendo  –, mas a primeira obrigação é escutar a quem mora conosco, quem vive conosco e aqueles que são nossas autoridades diretas. Escutar nossos pais, a mulher escutar o marido; o marido escutar a sua esposa – nisso está a graça de Deus. Nós, muitas vezes, damos valor só ao que é de fora,  e é isso o que também acontece em nossas igrejas, nossas paróquias: o padre bom é só o da outra igreja, o pregador bom e o cantor bom são só o que vêm de fora, pois não sabemos valorizar as pérolas, as pratas e aqueles que estão conosco no dia a dia. Deus vai falar muito mais por meio deles se soubermos valorizar aqueles que Ele colocou ao nosso lado.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 01/08/2014

Oração Final
Pai Santo, mantém nossos corações sensíveis, capazes de reconhecer os teus Profetas, ainda que eles estejam bem próximos de nós e sejam nossos parentes... Ajuda-nos, Pai amado, a separá-los dos falsos profetas, que nos dizem palavras doces, mas enganosas. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 01/08/2014

ORAÇÃO FINAl
Pai que tanto desejamos amar, livra-nos da tentação de julgar – e, pior ainda, de condenar! – nossos irmãos. Abre o nosso coração para acolhê-los sem preconceitos e enxergando em cada um deles um filho teu, resgatado pelo dom maior que nos deste – Jesus Cristo, Filho Unigênito que se fez nosso Irmão e contigo vive e reina na unidade do Espírito Santo.

LITURGIA DIÁRIA - 31/07/2020



Tema do dia

COM SANTO INÁCIO DE LOYOLA VAMOS APRENDER A SENTIR A PRESENÇA DO AMOR

Inácio, o fundador da Companhia de Jesus, propôs os ‘Exercícios Espirituais’ que vêm sustentando a vida mística de milhões de discípulos: o que importa não é o muito saber, mas o saborear a Presença do Amor! Ele foi um soldado de Cristo – com a difícil missão de profeta: ouvir Deus, viver Deus, anunciar o Reino e denunciar os desvios. Tudo para a maior glória de Deus!

Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos a vida eterna. Am.

6ª-feira da 17ª Semana Do Tempo Comum
Sto. Inácio de Loyola Presb., memória
Cor: Branco


Primeira Leitura (Jr 26,1-9)
17ª Semana do Tempo Comum | Santo Inácio de Loyola | Sexta-feira - 31/07/2020

Leitura do Livro do Profeta Jeremias.

1No início do reinado de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá, foi comunicada da parte do Senhor esta palavra, que dizia: 2“Assim fala o Senhor: Põe-te de pé no átrio da casa do Senhor e fala a todos os que vêm das cidades de Judá, para adorar o Senhor no templo, todas as palavras que eu te mandei dizer. Não retires uma só palavra; 3talvez eles as ouçam e voltem do mau caminho, e eu me arrependa da decisão de castigá-los por suas más obras. 4A eles então dirás: Isto diz o Senhor: Se não vos dispuserdes a viver segundo a lei que vos dei, 5a escutar as palavras dos meus servos, os profetas, que eu vos tenho enviado com solicitude e para vossa orientação, e que vós não tendes escutado, 6farei desta casa uma segunda Silo e farei desta uma cidade amaldiçoada por todos os povos da terra”.
7Os sacerdotes e profetas, e todo o povo presente ouviram Jeremias dizer estas palavras na casa do Senhor. 8Quando Jeremias acabou de dizer tudo e que o Senhor lhe ordenara falasse a todo o povo, prenderam-no os sacerdotes, os profetas e o povo, dizendo: “Este homem tem que morrer! 9Por que dizes, em nome do Senhor, a profecia: ‘Esta casa será como Silo, e esta cidade será devastada e vazia de habitantes?’” Todo o povo juntou-se contra Jeremias na casa do Senhor.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Salmo Responsorial (Sl 68)
17ª Semana do Tempo Comum | Santo Inácio de Loyola | Sexta-feira - 31/07/2020

— Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.
— Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.

— Mais numerosos que os cabelos da cabeça, são aqueles que me odeiam sem motivo; meus inimigos são mais fortes do que eu; contra mim eles se voltam com mentiras! Por acaso poderei restituir alguma coisa que de outros não roubei?
— Por vossa causa é que sofri tantos insultos, e o meu rosto se cobriu de confusão; eu me tornei como um estranho a meus irmãos, como estrangeiro para os filhos de minha mãe.
— Pois meu zelo e meu amor por vossa casa me devoram como fogo abrasador; e os insultos de infiéis que vos ultrajam recaíram todos eles sobre mim!
— Por isso elevo para vós minha oração, neste tempo favorável, Senhor Deus! Respondei-me pelo vosso imenso amor, pela vossa salvação que nunca falha!


Evangelho (Mt 13,54-58)
17ª Semana do Tempo Comum | Santo Inácio de Loyola | Sexta-feira - 31/07/2020


Um profeta só não é estimado em sua própria cidade e em sua própria família

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 54dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados. E diziam: “De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? 55Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? 56E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?” 57E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!” 58E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração pardepois dler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los em prática. Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedem todos por mim. Amém.