sábado, 4 de janeiro de 2014

Epifania do Senhor


Epifania do Senhor

Leituras e subsídios para a homilia: 

Confira as cifras do Salmo Dominical 71

06/01/2013 Salmo 71

          D                A/C#         Bm7     Esus  A  A/C#  
 - As nações de toda a terra hão de adorar-vos, ó Senhor!
          D                A/C# F#m7      Bm7     Esus  A  
 - As nações de toda a terra   hão de adorar-vos, ó Senhor!
         Bm7                    A/C#               Bm7           Esus          A   A/C#
 Daí ao Rei vossos poderes, Senhor Deus  vossa justiça ao descendente da realeza!
         D                        A/C#  F#m7      Bm7      Esus             A
 Com justiça ele governe o vosso povo,   com eqüidade ele julgue os vossos pobres.
 Nos seus dias a justiça florirá e grande paz, até que a lua perca o brilho! 
                                                 
 De mar a mar estenderá o seu domínio, e desde o rio até os confins de toda a terra!
 Os reis de Társis e das ilhas hão de vir e oferecer-lhe seus presentes e seus dons    
 
 E também os reis de Seba e de Sabá hão de trazer-lhe oferendas e tributos.  
 
 Os reis de toda a terra hão de adorá-lo, e todas as nações hão de servi-lo.
 Libertará  o  indigente  que  suplica, e  o  pobre  ao  qual   ninguém   quer   ajudar.  
 
 Terá pena do indigente e do infeliz, e a vida dos humildes salvará.
 Aprenda a tocar os salmos com @paulinhodejesus http://blog.cancaonova.com/cliquesom
http://wiki.cancaonova.com/index.php/06/01/2013_Salmo_71

Baixe e Ouça o Salmo Dominical 71

Melodia do Salmo 71

Salmo Dominical: "As nações de toda a terra hão de adorar-vos, ó Senhor"

Karina Maria, membro da Comunidade Canção Nova, canta a melodia do Salmo 71, deste domingo, 05 de jane
iro.

A Epifania do Senhor!



LITURGIA DIÁRIA 05/01/2014


Tema do Dia

Epifania do Senhor: «Onde está o rei dos judeus?»

Levante-se, Jerusalém! Brilhe, pois chegou sua luz, a glória de Javé brilha sobre você. Sob a luz de você caminharão os povos, e os reis andarão ao brilho do seu esplendor. Seus filhos vêm de longe, trazendo para você tesouros d’além-mar. (Is 60,1-6)

Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos
a vida eterna. Amém.

Branco. Epifania do Senhor Natal



Primeira Leitura (Is 60,1-6)
Epifania do Senhor
Domingo 05/01/2014

Leitura do Livro do Profeta Isaías:

1Levanta-te, acende as luzes, Jerusalém, porque chegou a tua luz, apareceu sobre ti a glória do Senhor.
2Eis que está a terra envolvida em trevas, e nuvens escuras cobrem os povos; mas sobre ti apareceu o Senhor, e sua glória já se manifesta sobre ti. 3Os povos caminham à tua luz e os reis ao clarão de tua aurora.
4Levanta os olhos ao redor e vê: todos se reuniram e vieram a ti; teus filhos vêm chegando de longe com tuas filhas, carregadas nos braços. 5Ao vê-los, ficarás radiante, com o coração vibrando e batendo forte, pois com eles virão as riquezas de além-mar e mostrarão o poderio de suas nações; 6será uma inundação de camelos e dromedários de Madiã e Efa a te cobrir; virão todos os de Sabá, trazendo ouro e incenso e proclamando a glória do Senhor.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 71)
Epifania do Senhor
Domingo 05/01/2014

— As nações de toda a terra hão de adorar-vos, ó Senhor!
— As nações de toda a terra hão de adorar-vos, ó Senhor!

— Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus,/ vossa justiça ao descendente da realeza!/ Com justiça ele governe o vosso povo,/ com equidade ele julgue os vossos pobres.
— Nos seus dias a justiça florirá/ e grande paz, até que a lua perca o brilho!/ De mar a mar estenderá o seu domínio,/ e desde o rio até os confins de toda a terra!
— Os reis de Társis e das ilhas hão de vir/ e oferecer-lhe seus presentes e seus dons;/ e também os reis de Seba e de Sabá/ hão de trazer-lhe oferendas e tributos./ Os reis de toda a terra hão de adorá-lo,/ e todas as nações hão de servi-lo.
— Libertará o indigente que suplica,/ e o pobre ao qual ninguém quer ajudar./ Terá pena do indigente e do infeliz,/ e a vida dos humildes salvará.


Segunda Leitura (Ef 3,2-3a.5-6)
Epifania do Senhor
Domingo 05/01/2014

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios:

Irmãos: 2Se ao menos soubésseis da graça que Deus me concedeu para realizar o seu plano a vosso respeito, 3ae como, por revelação, tive conhecimento do mistério.
5Este mistério Deus não o fez conhecer aos homens das gerações passadas, mas acaba de o revelar agora, pelo Espírito, aos seus santos apóstolos e profetas: 6os pagãos são admitidos à mesma herança, são membros do mesmo corpo, são associados à mesma promessa em Jesus Cristo, por meio do Evangelho.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Anúncio do Evangelho (Mt 2,1-12)
Epifania do Senhor
Domingo 05/01/2014


Epifania - A estrela da fé


— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo +  segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

1Tendo nascido Jesus na cidade de Belém, na Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, 2perguntando: “Onde está o rei dos judeus, que acaba de nascer? Nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”.
3Ao saber disso, o rei Herodes ficou perturbado assim como toda a cidade de Jerusalém.
4Reunindo todos os sumos sacerdotes e os mestres da Lei, perguntava-lhes onde o Messias deveria nascer. 5Eles responderam: “Em Belém, na Judeia, pois assim foi escrito pelo profeta: 6E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe que vai ser o pastor de Israel, o meu povo”.
7Então Herodes chamou em segredo os magos e procurou saber deles cuidadosamente quando a estrela tinha aparecido. 8Depois os enviou a Belém, dizendo: “Ide e procurai obter informações exatas sobre o menino. E, quando o encontrardes, avisai-me, para que também eu vá adorá-lo”.
9Depois que ouviram o rei, eles partiram. E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino.
10Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande.
11Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra.
12Avisados em sonho para não voltarem a Herodes, retornaram para a sua terra, seguindo outro caminho.


— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações

que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.

Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém


ÓTIMA SEMANA PRA VOCÊ AMIGUXO(A)! - "Seja humilde, pois até mesmo o Sol com toda sua grandeza, se põe para que a Lua passa brilhar." - DEUS TE ABENÇOE!!!

BOM DIA! DEUS TE ABENÇOE.

UM DOMINGO CHEIO DE AMOR PRÁ VOCÊ!.... ... Divirta-se, mas não se esqueça.... DOMINGO É O DIA DO SENHOR

Nossa Senhora Grande de Treviso - 04 de janeiro


Treviso é uma cidade da região de Veneza, a noroeste da Itália. A devoção mariana nasceu muito cedo no coração das populações venezianas. O anúncio do Evangelho foi reforçado por São Prosdócimo, discípulo de São Pedro que assistia a cidade de Treviso como primeiro Bispo de Padova e de Riete, no século II. O povo trevisano prestava culto à deusa maior egípcia, Ísis.

Nossa Senhora das Rosas - 04 de janeiro



Nossa Senhora das Rosas

Comemoração litúrgica: 04 de janeiro.

Também nesta data: Santa Ângela de Foligno, São Caio e São Hermes

A Rosa simboliza  há muito tempo grande mistério.  Na catacumba de São Calixto (Século III) os cristãos pintavam rosas como sinal do paraíso. São Cipriano de Cartago escreve que é o sinal do martírio.

São Gregório, Bispo de Langres - 4 de janeiro

São Gregório, Bispo de Langres

Nobre de nascimento, Gregório governou durante quarenta anos o distrito de Autun, com o título de "conde" e distinguiu-se por seu senso de justiça. Contava já com avançada idade quando sua esposa Armentaria morreu e ele decidiu realizar seu desejo de abandonar o mundo e entregar sua vida a Deus.

Bem-aventurado Manuel Gonzáles Garcia - 4 de janeiro


Manuel Gonzáles Garcia
Bem-aventurado
1877-1940

Fundou a Instituição dos padres
Missionários Eucarísticos
e da Congregação religiosa das
Missionárias Eucarísticas
de Nazaré
Manuel Gonzáles Garcia nasceu em Sevilha, na Espanha no dia 25 de fevereiro de 1877.A família era humilde e profundamente religiosa. O seu pai Martim era carpinteiro e a sua mãe Antonia era dona de casa. O casal teve cinco filhos, ele foi o segundo.

Santa Ângela de Foligno - 4 de Janeiro




Instrumento de conversão a partir do momento em que se abriu e levou a sério sua vida de conversão
Nasceu na Itália, no ano de 1248, em Foligno, próximo a Roma, numa família muito abastada. Mas, infelizmente, não vivia a maior riqueza, que é o amor a Deus. Dentro deste ambiente indiferente a Deus e à Igreja, amenina foi crescendo.

Nossa Senhora das Rosas - 3 de Janeiro


Desde os primeiros séculos os cristãos usaram a rosa com um significado místico. As catacumbas de São Calisto, encontradas no século III, em Roma, mostram que eles tinham o costume de desenhar rosas indicando o paraíso. Porém, São Cipriano de Cartago usava a rosa como sinônimo de martírio. A partir do século V, a rosa passou a simbolizar a Virgem Maria. Tanto assim que os ícones marianos mais antigos do oriente representam a Mãe Imaculada com o Divino Filho nos braços e uma rosa na mão, ou emoldurando o quadro.

Santíssimo Nome de Jesus - 03 de janeiro


Santíssimo Nome de Jesus

Comemoração litúrgica 03 de janeiro.


O nome de Jesus é grande pelo que significa. O nome de Jesus foi posto por Maria e José, em obediência à ordem que lhe viera de Deus. Disse o Arcanjo a Maria: “Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus”. (Lc. 1,  31). A São José o Anjo disse: “Não temas receber Maria, tua mulher; porque o que nela se gerou, é obra do Espírito Santo. E dará à luz um filho, e por nome o chamarás Jesus”. (Mt. 1,  20). – Ora, os nomes impostos a alguém por ordem de Deus significam sempre qualquer dom  gratuito concedido pelo céu, assim como foi dado a Abraão. (Gen. 41,  51): “Serás chamado Abraão, porque te constitui pai de muita gente”. A Pedro foi dado o nome significativo: “Tu és Pedra, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja”. Porque a Cristo tinha sido conferido o dom da graça, pela qual todos seriam salvos, era conveniente que fosse chamado Jesus, isto é, “Salvador”. (São Tomás de Aquino).

Santo Antero - 03 de janeiro


Santo Antero, Papa e Mártir


Pontificado ano de 235 a 236

Comem. Litúrgica: 03 de janeiro.

Também nesta data: SS Nome de Jesus,  Santa  Genoveva, São Cirino e São Florêncio

Santo Antero, sucessor de São Ponciano, foi o décimo nono Papa da Igreja.  Era natural da Grécia,  tendo seu pontificado durado pouco mais de um mês. Assumiu a Cadeira de Pedro em novembro de 235 e morreu martirizado no mês de janeiro do ano subsequente.

Santa Genoveva - 3 de Janeiro




Santa Genoveva - Virgem Consagrada

Conhecida por seu amor e pelo desejo de testemunhar Jesus Cristo a todos os corações
Santa Genoveva nasceu em Nanterre, próximo de Paris, na França, no ano de 422, dentro de uma família muito simples. Desde cedo, ela foi discernindo o chamado de Deus a seu respeito. Quando tinha apenas 8 anos, um bispo chamdo Dom Jermano estava indo da França para a Inglaterra em missão. Passou por Nanterre para uma celebração e, ao dar a bênção para o povo, teve um discernimento no Espírito Santo e chamou aquela menina de oito anos para a vida consagrada. A resposta dela foi de que não pensava em outra coisa desde pequenina.

TERÇOS – VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
 

TERÇO DA FÉ
 

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO


LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Mensagens diárias prá vc

Terço - Mistério Gozosos - Segunda-Feira e Sábado


Terço do Rosário: Mistérios Gozosos




HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 04/01/2014

4 de Janeiro de 2014

ANO A


Jo 1,35-42

Comentário do Evangelho

Os dois discípulos

O evangelho segundo João é o único a mencionar que discípulos de João Batista se tornaram discípulos de Jesus. A cadeia de testemunhas continua: do testemunho de João, dois de seus discípulos vão atrás de Jesus, um dos quais é explicitamente nomeado, André, irmão de Simão Pedro. O outro permanece anônimo, sugerindo que o leitor do evangelho ocupe o seu lugar e o seu interesse por conhecer Jesus. Por meio de ambos, todo leitor ouve a pergunta que move o coração de cada ser humano: “Que procurais?”. O que buscam, eles o encontraram em Jesus: “Encontramos o Cristo”. André, por sua vez, conduz o seu irmão a Jesus. O olhar de Jesus sobre Simão ultrapassa a aparência, penetra na sua história pessoal e abre para ele a possibilidade de uma transformação radical e a perspectiva do serviço: “Tu te chamarás Céfas”. A precisão temporal, “quatro horas da tarde”, não visa indicar o horário do acontecimento, mas afirmar a realização de um fato decisivo: depois de tanta espera, finalmente, o Messias é encontrado na nossa própria humanidade.
Carlos Alberto Contieri, sj
ORAÇÃO
Pai, faze-me permanecer sempre junto a teu Filho Jesus, enviado por ti para realizar todas as nossas esperanças de salvação.

Vivendo a Palavra

O relato de João é carregado de emoção: ‘eram, mais ou menos, quatro horas da tarde...’ assim ele foi chamado pelo Mestre. Como foi o nosso chamado? Nós nos lembramos – ou procuramos nos lembrar... – com gratidão e estamos prontos a atender o chamado de Jesus? Estamos no Caminho que Ele nos ensinou?

Recadinho


Sua presença é alegria? - Consegue ser afável e dar atenção a todos indistintamente? - Preocupa-se com as pessoas tímidas e simples? - Procura fazer-se presente quando precisam de sua ajuda? - Mencione um testemunho de vida muito positivo de alguém.
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

CONVIVENDO COM JESUS

João Batista deu-se conta da responsabilidade de levar também os seus discípulos a reconhecerem o Messias. Ao apontar para Jesus, declarando-o Cordeiro de Deus, sugeriu-lhes que seguissem o verdadeiro Mestre. Sua missão tinha sido cumprida. Então, os discípulos de João puseram-se a seguir Jesus.
João havia descrito o Messias vindouro com tons solenes. Sua descrição não correspondia bem à pessoa que os discípulos tinham diante de si. Por isso, manifestaram o desejo de saber onde Jesus habitava.
O núcleo da questão não consistia em conhecer a casa onde o Mestre morava. Isso era secundário! Importava mesmo saber quem era Jesus. E o conhecimento resultou da convivência. O contato, ao longo daquele dia, foi suficiente para que os discípulos de João descobrissem a identidade de Jesus e reconhecessem nele o Messias esperado.
O encontro com Jesus foi tão profundo que suas circunstâncias ficaram impressas na memória dos discípulos. Estes, então, apressaram-se a comunicar aos demais a experiência feita. A aceitação do convite vinde e vede e a fascinação, que daí resultou, provocaram uma reviravolta na vida dos discípulos. Doravante, não seriam mais os mesmos.
Oração
Senhor Jesus, que a convivência contigo possa ajudar-me a conhecer-te mais e a compreender melhor a missão que reservaste para mim.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Deus eterno e todo-poderoso, pela vinda do vosso Filho, vos manifestastes em nova luz. Assim como ele quis participar da nossa humanidade, nascendo da Virgem, dai-nos participar de sua vida no reino. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


04 de JANEIRO –SÁBADO

Liturgia comentada

Que procurais? (Jo 1,35-42)
Pelas sendas tortuosas da história, o ser humano já foi definido como “homo viator”. Um homem a caminho, peregrino, sempre à procura. Não necessariamente um “judeu errante”, sem rumo nem direção, condenado a não encontrar. Bem ao contrário, segundo as palavras expressas do próprio Jesus, “aquele que procura acha” (cf. Mt 7,8).
Hoje, Jesus nos faz a pergunta essencial: “Que procurais?” É como se dissesse: “Que é que dá sentido a nossa vida?” Andamos atrás de quê? Por qual motivação gastamos nossa vida e nosso tempo? Que é que merece nosso esforço, cansaço e dedicação? Enfim, existe algo que valha a pena?
João e André, até então discípulos de João, respondem com outra pergunta: “Mestre, onde moras?” Uma pergunta cristocêntrica. Toda ela centrada na pessoa do Messias. Por isso mesmo, uma pergunta essencial.
Eles não perguntam como obter saúde, como ajuntar dinheiro, como ter segurança. Não perguntam qual o caminho da felicidade, como se livrar da depressão, como esmagar os seus adversários. Afinal, bons alunos de João Batista, já devem estar iniciados nas coisas do Espírito. Basta-lhes encontrar o “lugar” das bem-aventuranças – o próprio Cristo.
E Jesus responde com um convite: “Vinde ver!” Sim, com a Encarnação do Verbo de Deus, o Invisível se fez visível. O transcendente se fez imanente. O Eterno invadiu nossa história. E “bem-aventurados os olhos que veem” (cf. Mt 13,16) o Cristo, agora sem véus diante dos olhos humanos. O convite de Jesus deixa claro que é na intimidade do Senhor que iremos descobrir os seus mistérios. Trata-se de caminhar com ele, viver a vida ao seu lado, absorver seus gestos e palavras.
Certas religiões fazem promessas mágicas. Nos templos pagãos, o sacerdote vendia palavras secretas que, repetidas à exaustão, obteriam favores da divindade. As seitas garantem que Deus gosta de dinheiro e favorece com fartura os doadores mais extremados. Os gnósticos reservaram a poucos iniciados o conhecimento de Deus.
Agora, vem Jesus e nos convida à intimidade, uma con-vivência com Ele. Nada mais simples. Ser discípulo é “estar com o Mestre”, viver a vida na presença do Senhor. Nada de espetaculoso, nada de excepcional, mas ao alcance de qualquer homem ou mulher, em qualquer tempo e lugar. Iremos com Jesus?
Orai sem cessar: “Como são amáveis as vossas moradas, Senhor!” (Sl 84,2)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br


HOMILIA
OS PRIMEIROS DISCÍPULOS DE JESUS Jo 1,35-42

A vocação dos dois primeiros discípulos nasce do testemunho de João Batista. A partir daí surge uma conscientização vocacional que envolve outras pessoas a partir do testemunho de quem esteve com Jesus: André encontra seu irmão Simão Pedro e o apresenta a Jesus. Em seguida, é Filipe quem encontra Natanael e lhe fala de Jesus. Assim, a partir do testemunho de outros, o grupo dos colaboradores de Jesus vai crescendo.
No Evangelho de João a vocação dos discípulos não se dá da mesma forma que nos outros evangelhos. Nestes, Jesus chama pessoalmente e de forma direta. Em João, o seguimento de Jesus se dá porque algumas pessoas sabem quem é Jesus e o comunicam a outros que, por sua vez, passam a fazer a mesma experiência.
O testemunho do Batista deve ter mudado completamente a vida dos dois discípulos. Vendo Jesus passar, ele diz: “Eis o Cordeiro de Deus”. João chama Jesus dessa forma porque descobriu nele o cordeiro pascal (Ex 12) e o servo sofredor (Is 53), síntese das expectativas de libertação do passado tornada presente na pessoa de Jesus que passa.
Os dois primeiros discípulos devem tomar a iniciativa, sem esperar que Jesus os chame. Para eles, bastou o testemunho de João Batista de que Jesus é o libertador. A partir desse momento, descobrem que em Jesus está a resposta a todos os seus anseios. O Batista, por causa do testemunho, perde os discípulos. Estes, pela coragem da opção que fizeram, dão pleno sentido a suas vidas e passam a ser testemunhas para os outros.
No versículo 38 encontramos as primeiras palavras de Jesus no Evangelho de João: “O que vocês estão procurando?” Do início ao fim de nossas vidas estamos à procura de algo ou de alguém. Como discípulos, procuramos saber quem é Jesus. E ele testa nossa sede, perguntando-nos o que estamos procurando. Esta pergunta, que aparece nos momentos cruciais do Evangelho de João, costuma se manifestar nas fases decisivas de nossa vida: “O que estamos procurando?”
A resposta dos discípulos é movida pelo desejo de comunhão: “Mestre, onde moras?” Os discípulos não estão interessados em teorias sobre Jesus. Querem, ao contrário, criar laços de intimidade com ele.
Para criar intimidade com Jesus é preciso partir, fazer experiência: “Venham ver!”. E o resultado da experiência já aparece: “Então eles foram, e viram onde Jesus morava. E permaneceram com ele naquele dia”. O verbo permanecer é muito importante no Evangelho de João. Por ora os discípulos permanecem com Jesus. Mais adiante, o Mestre dirá: “Permaneçam em mim”. Permanecer com Jesus e com as pessoas é fácil. O difícil é permanecer nele e nas pessoas. Só aí é que a comunhão será plena.
O evangelho afirma que a experiência com Jesus valeu a pena: “Eram mais ou menos quatro horas da tarde”. Quatro horas da tarde, em linguagem simbólica, é o momento gostoso para o encontro, ou a hora das opções acertadas. O passo dado por esses dois discípulos foi de ótima qualidade. Valeu a pena. Essa opção vai gerar frutos a seguir.
André era um dos discípulos que, diante do testemunho do Batista, seguiram a Jesus e fizeram a experiência das “quatro horas da tarde”. Só agora é que o evangelista revela o nome desse discípulo. O outro fica anônimo, podendo assumir o nome de cada um dos seguidores do Mestre. André significa homem (= ser humano). Será que o evangelista quer insinuar que as pessoas só se tornam verdadeiramente humanas depois que fazem a experiência do Mestre? Fato é que a experiência se converte em testemunho que arrasta: André leva Simão a Jesus. O evangelho mostra só um flash do testemunho de André. De fato, o v. 41 diz que “ele encontrou primeiro seu irmão…” Isso dá a entender que teria encontrado, em seguida, outras pessoas… André fala no plural: “Encontramos o Messias”. É uma experiência comunitária e progressiva de quem é Jesus. João o apontara como o Cordeiro de Deus; os primeiros discípulos o chamam de Mestre; Pedro já fica sabendo que se trata do Messias…
Jesus pede que Simão Pedro encontre sua identidade: “Você é Simão, filho de João. Vai se chamar Cefas”. Para o povo da Bíblia, o nome é a identidade da pessoa. Simão será, no Evangelho de João, símbolo de toda pessoa em busca de identidade. Ele dará muitas cabeçadas ao longo desse evangelho, até se encontrar consigo próprio, com sua missão e com Jesus. Talvez o mesmo aconteça contigo. Mas é necessário que passes por tudo isso para que te encontres contigo mesmo e reconheças o Cristo que te chama para a Sua missão!
Fonte Homilia: Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
 HOMÍLIA DIÁRIA
Jesus é o Mestre da vida

Toda a Sua vida é uma escola, toda a companhia de Jesus é um verdadeiro  discipulado, um aprendizado!
Naquele tempo, João estava de novo com dois de seus discípulos e, vendo Jesus passar, disse: ”Eis o Cordeiro de Deus!” (Jo 1, 35-36).
Hoje nós queremos aprender uma outra coisa com João: aquele que sabe algo não pode saber só para si, mas aquele que sabe e, sobretudo, conhece e tem conhecimento do Reino de Deus, aponta para os outros, jamais para em si, jamais guarda para si, mas aponta para os outros onde está o caminho. Não se faz de caminho, nem quer as pessoas dependendo dele,  aponta que a salvação, a cura e a libertação estão n’Ele. E é por isso que os dois discípulos, que estavam ali conversando com João, ao ficarem maravilhados com o que ele falava, são interrompidos por ele [João]: Não sou eu não! Eis ali, é Ele é o Cordeiro de Deus! (cf. Jo 35, 36)
Por isso os discípulos de João não ficaram com João e em João, eles entenderam que quem trazia vida para eles era Jesus. Foram atrás de Cristo e disseram: “Rabi” que quer dizer: “Mestre”. Jesus, além de ser o Cordeiro, Aquele que nos lava e nos purifica dos nossos pecados, também é o nosso Rabi, o nosso Mestre.
Mestre é aquele que ensina, que aponta a direção. Mas o Mestre Jesus, o Rabi Jesus, não ensina apenas teorias, como nós aprendemos nas escolas e nas universidades da vida. Jesus nos mostra a Sua vida; a vida de Jesus é vivida com autoridade, porque Ele dá exemplo, porque Ele vive aquilo que prega. Por isso Ele é, para nós, o Mestre por excelência.
Toda a Sua vida é uma escola, toda a companhia de Jesus é um verdadeiro discipulado, um aprendizado! E por isso aqueles que se tornam Seus seguidores se tornam Seus discípulos e Seus alunos e aprendem com o Mestre da vida como devem viver. E a escola de Jesus vai aumentando porque, além de ter os discípulos de João, André também se encontra com o Senhor. Aquele André, irmão de Simão Pedro, também vai atrás do seu irmão e diz: “Irmão, encontramos o Messias”, e o Messias aqui quer dizer o ”Cristo”.
Seja você, como João, seja você como André; mostre para as pessoas, para os seus amigos, mostre para quem vive ao seu lado, aponte quem é o Cordeiro, quem é o Rabino, ou melhor, quem é o Mestre, quem é o Messias.
Quando as pessoas encontram na sua vida alguém que as liberte do pecado, alguém que lhes mostre a direção da vida, Alguém que é o verdadeiro Salvador, elas têm a sua vida renovada. Saibam, meus irmãos, que no mundo em que vivemos ainda são milhões e milhões de pessoas que não conhecem Jesus como Senhor e Salvador!
O nosso dedo não é para apontar o pecado das pessoas, o nosso dedo serve para mostrar quem é o caminho de salvação e libertação para os pecados da humanidade.
Que Deus abençoe você!
 

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter
LEITURA ORANTE

Jo 1,35-42 - Os primeiros seguidores do Mestre



- A nós todos que nos encontramos na web, a paz de Deus, nosso Pai,
a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo,
no amor e na comunhão do Espírito Santo.
- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!
Preparo-me para a Leitura, rezando:
Jesus Mestre, creio com viva fé
que estais aqui presente, junto de mim,
para indicar-me o caminho que leva ao Pai.
Iluminai minha mente, movei meu coração,
para que esta Leitura Orante produza em mim frutos de vida.

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente, na minha Bíblia,
 Jo 1,35-42
No dia seguinte, João estava outra vez ali com dois dos seus discípulos. Quando viu Jesus passar, disse: 
- Aí está o Cordeiro de Deus!
 
Quando os dois discípulos de João ouviram isso, saíram seguindo Jesus. Então Jesus olhou para trás, viu que eles o seguiam e perguntou:
 
- O que é que vocês estão procurando?
 
Eles perguntaram:
 
- Rabi, onde é que o senhor mora? ("Rabi" quer dizer "mestre".)
 
- Venham ver! - disse Jesus.
 
Então eles foram, viram onde Jesus estava morando e ficaram com ele o resto daquele dia. Isso aconteceu mais ou menos às quatro horas da tarde.
 
André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois homens que tinham ouvido João falar a respeito de Jesus e por isso o haviam seguido. A primeira coisa que André fez foi procurar o seu irmão Simão e dizer a ele:
 
- Achamos o Messias. ("Messias" quer dizer "Cristo".)
 
Então André levou o seu irmão a Jesus. Jesus olhou para Simão e disse:
 
- Você é Simão, filho de João, mas de agora em diante o seu nome será Cefas. ("Cefas" é o mesmo que "Pedro" e quer dizer "pedra".)

João indica a dois de seus discípulos o Cordeiro de Deus. É Jesus que está passando e os discípulos o seguem querendo saber onde ele morava.  Jesus os  convida a virem com Ele. Eles foram e ficaram com o Mestre o dia todo. Jesus os quer tornar testemunhas do que vêem. O Evangelho diz que eram 4 horas da tarde. Quase final do dia. Um dos discípulos era André que, ao encontrar  seu irmão Simão Pedro lhe diz: "Encontramos o Messias". Mais ainda: o apresenta a Jesus. Simão ganha, então, o nome de Cefas que quer dizer "pedra"

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Quais outros textos este me recorda?
Qual palavra mais me toca o coração?
Costumo reservar tempo para estar com Jesus?
O Mestre começa seu círculo de colaboradores. E, até hoje, a Igreja continua convidando, convocando, enviando discípulos e missionários. Disseram os bispos, em Aparecida:
"Nestes últimos tempos, Deus nos tem falado por meio de Jesus seu Filho (Hb 1,1ss), com quem chega à plenitude dos tempos (cf. Gl 4,4). Deus, que é Santo e nos ama, nos chama por meio de Jesus a ser santos (cf. Ef 1,4-5)." (DAp 130).
Como me encontro nesta missão?
Tenho a missão de ser santo ou santa, qualquer que seja minha vocação: leiga, religiosa ou para o ministério sacerdotal.
Como vivo este chamado?

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Rezo:
Jesus Mestre,
agradeço-vos pelas luzes que me destes na Palavra.
Perdoai-me, pelos limites
que me impediram de fazê-la melhor.
Desejo viver o convívio com o Mestre Jesus Cristo,
com a vossa graça. Amém

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus. Vou testemunhar pela vida meus encontros com o Mestre.

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, nós te agradecemos porque nos chamaste para anunciar ao mundo o teu Reino e, acima de tudo, porque nos deste o teu Filho Unigênito, o Cristo, que se fez carne, humano como nós, em Jesus de Nazaré. Ele viveu fazendo o bem, mas foi rejeitado, condenado, morto e sepultado. Tu o ressuscitaste dos mortos e Ele contigo reina na unidade do Espírito Santo.