segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

TERÇOS – VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
 

TERÇO DA FÉ
 

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO


LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Mensagens diárias prá vc

Terço - Mistérios Dolorosos - Terça-feira e Sexta-Feira.




Terço do Rosário: Mistérios Dolorosos





SOLENE VIGÍLIA DE NATAL - 24 de dezembro


A Igreja também comemora hoje: Santas Tarsila e Emiliana.São Sharbel Makhluf, São Delfim e Santa Irmina

Na Vigília de Natal os fiéis preparam-se liturgicamente  para o nascimento do Salvador. O Santo Natal, que  é uma  das festas  mais  antigas  e solenes  da Igreja, desde os tempos apostólicos.  O presépio em que foi reclinado o Salvador Menino e  a gruta onde nasceu, foram  sempre objetos  de  suprema  veneração da parte dos cristãos. Para afastar estes do Lugar venerável, os pagãos erigiram  no mesmo  sítio um templo aos deus  Adônis, que foi  destruído depois, e no mesmo lugar se ergueu uma igreja magnífica. Ao redor de Belém surgiram  também muitos  conventos. Em um deles viveu São Jerônimo, durante muitos  anos. Mais  tarde, o  santo presépio foi transportado  para Roma.  A igreja de Santa Maria  Maggiore guarda esta preciosa  relíquia.

São Viator - 24 de dezembro

Existe uma comunidade de religiosos educadores que têm como santo protetor a São Viator, quem dá este mesmo nome a seus colégios. Quando era menino sua mãe o apresentou ao bispo São Justo e lhe pediu que o instruísse na religião. Logo foi um excelente catequista, e aprendeu muito bem a arte de escrever em belas letras chegando a fazer cópias da S. Bíblia e de outros livros religiosos para uso do templo.

Santa Adélia ou Adele de Pfalzel - 24 de dezembro

Santa Adélia ou Adele de Pfalzel
+ 734
A tradição oral germânica nos conta que Adélia ou Adele era a irmã mais nova de Ermina, ambas princesas, filhas do rei da Austrásia, Dagoberto II, o Bom. Hoje, todos são venerados nos altares como santos da Igreja, ainda que esse parentesco seja motivo de controvérsias, sendo, por isso, pesquisado.

Santa Ermina ou Irmina ou Irma - 24 de dezembro

Santa Ermina ou Irmina ou Irma
+710

Escultura do Hospital de Tries,
mantido pelas beneditinas da
abadia de Ohren - Alemanha
Os nomes Ermina, Irmina ou Irma nos reportam a uma única personalidade, a de uma santa germânica. A tradição dessa região conta que ela era a irmã mais velha de Adélia, a abadessa do mosteiro que fundara em Pfalzel, depois santa da Igreja.

Santa Tarsila e Emiliana - 24 de dezembro

Santa Tarsila
Século VI
A família romana Anícia teve a graça de enviar para a Igreja aquele que foi um dos grandes doutores da Igreja do Ocidente, o papa Gregório Magno, depois também santo. Era um homem de estatura pequena e de saúde frágil, mas um gigante na administração e uma fortaleza espiritual. Entre seus antepassados paternos estão o imperador Olívio, o papa são Félix III e o senador Jordão, que era seu pai.

Santa Paula Isabel Cerioli - 24 de dezembro

Santa Paula Isabel Cerioli
1816-1865

Fundou os Institutos:
Irmãs da Sagrada Família e dos
Irmãos da Sagrada Família
Batizada como Costanza Cerioli, nasceu na família dos nobres e ricos Francisco Cerioli e Francisca Corniani, no dia 28 de janeiro de 1816, em Soncino, Cremona, Itália.

São Charbel Makhlouf - 24 de Dezembro




São Charbel Makhlouf nasceu a 8 de maio de 1828, em BiqáKafra, aldeia montanhosa do norte, ao pé dos cedros do Líbano. Seu nome de batismo: José Zaroun Makhlouf. Com 23 anos ele toma o nome de Charbel em memória do mártir do século segundo, foge de casa e refugia-se no mosteiro de Nossa Senhora de Mayfoug, da Ordem libanesa maronita. Um ano depois, transfere-se para o mosteiro de S. Maron de Annayam, da província de Jbail, verdadeiro oásis de oração e fé, a 1300 metros de altitude. Depois de seis anos de estudos teológicos, em Klifan, é ordenado sacerdote. Exerce, então, com muita edificação, as funções do seu ministério sagrado, juntamente com toda a sorte de trabalhos manuais. Após dezesseis anos de vida ascética, Charbel obtém autorização, em 1875, para se retirar ao eremitério dos Santos Pedro e Paulo, de Annaya. Durante 23 anos (1875-1898), S. Charbel entrega-se com todas as forças da alma, à busca de Deus, na bem-aventurada e total solidão. Deus recompensa o seu fiel servidor, dando-lhe o dom de operar milagres, já em vida: afirma-se que os realizou não somente com cristãos, mas, também, com muitos muçulmanos.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 24/12/2013

24 de Dezembro de 2013

ANO A


Lc 1,67-79

Comentário do Evangelho

Aliança Abraâmica

O hino de Zacarias, ou o Benedictus, é um cântico tipicamente judeu. Trata-se de um hino pré-lucano. O motivo do hino é a visita salvífica de Deus (cf. v. 68). O acento é posto sobre a Aliança abraâmica (v. 73), fundamento da história da salvação, e sobre as testemunhas desta Aliança. João é dito “profeta do Altíssimo”, cuja missão é preparar os caminhos do Senhor (v. 76). O batismo de conversão proposto por João encontra no Benedictus o seu fundamento: “... dando a conhecer a seu povo a salvação, com o perdão dos pecados” (v. 77).
Carlos Alberto Contieri, sj
ORAÇÃO
Pai, coloca-me, como João Batista, a serviço de teu Messias, Jesus Cristo, tornando-me teu profeta, anunciador da libertação a ser realizada em favor da humanidade.

Vivendo a Palavra

Nesta véspera da chegada da Luz, contemplamos a figura de João Batista. Que a sua vida, plena de força e da graça do Senhor, nos prepare para recebermos o grande Dom do Pai Misericordioso – o seu Filho Unigênito, que se fez carne em Jesus de Nazaré para nos libertar da escravidão do pecado.

Reflexão

João Batista é o precursor do Messias, aquele que veio para dar testemunho da verdadeira luz que ilumina todo homem que vem a este mundo, expulsando as trevas do erro, do pecado e da morte, para dar a todos a vida nova, a vida em abundância. Zacarias, no seu canto, nos mostra não apenas este fato, mas também que o nosso Deus é o Deus da misericórdia, que vem ao nosso encontro para nos trazer a salvação, nos libertar de todo poder do inimigo e fazer de todos nós um povo santo, que vive na sua graça e que é destinado à vida eterna.

Recadinho


O Anjo disse aos pastores que estava anunciando uma grande alegria.
O Natal de Jesus é de fato para mim uma grande alegria? - Traz alegria à minha alma ou uma alegria tão somente mundana e vazia?
Deixo que o Espírito Santo possa agir em mim e me fazer renascer para as coisas de Deus?
Como comemoro o Natal do Senhor? - Sou profeta que anuncia a libertação em Cristo?.
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

LOUVOR E PROFECIA

Zacarias soube reconhecer a salvação de Deus, cumprindo-se na história de Israel, por meio da libertação trazida pelo poderoso Salvador, Jesus, suscitado no meio do povo. Finalmente, a tão esperada visita de Deus se concretizava, e a libertação, há séculos acalentada, se fazia verdade. A seu filho recém-nascido competia a tarefa de preparar os caminhos da libertação que estava próxima.
Com Jesus, renascia a esperança no coração do povo. Deus não se esquecera das antigas profecias. As promessas seriam realizadas e o povo, resgatado da escravidão a que fora reduzido. Sem dúvida, a servidão pior era a do pecado e do egoísmo. Fazia-se necessário uma remissão urgente. Só assim seria possível servir a Deus, de maneira agradável, na justiça e na santidade.
O Altíssimo, do qual João seria profeta, despontaria como luz para tirar a humanidade das trevas e das sombras da morte, a que o pecado a havia reduzido. Doravante, seria possível trilhar os caminhos da paz, deixando para trás a injustiça e a iniqüidade, fruto do pecado.
O canto de Zacarias, saudando o nascimento de seu filho, era de louvor pelas promessas cumpridas, mas também profecia do que Deus iria realizar.
Oração
Senhor Jesus, como Zacarias, eu louvo ao Pai pela fidelidade em cumprir suas promessas e agradeço o que sua misericórdia realiza em favor da humanidade.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Apressai-vos e não tardeis, Senhor Jesus, para que a vossa chegada renove as forças do que confiam em vosso amor. Vós, que sois Deus com o Pai, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


24 de DEZEMBRO – TERÇA

Reflexão - Lc 1, 67-79

João Batista é o precursor do Messias, aquele que veio para dar testemunho da verdadeira luz que ilumina todo homem que vem a este mundo, expulsando as trevas do erro, do pecado e da morte, para dar a todos a vida nova, a vida em abundância. Zacarias, no seu canto, nos mostra não apenas este fato, mas também que o nosso Deus é o Deus da misericórdia, que vem ao nosso encontro para nos trazer a salvação, nos libertar de todo poder do inimigo e fazer de todos nós um povo santo, que vive na sua graça e que é destinado à vida eterna.


HOMILIA
A PROFECIA DE ZACARIAS Lc 1,67-79

Como Maria na hora da visitação a Isabel, também Zacarias celebra, em longo cântico de louvor e ação de graças, as maravilhas de Deus, que ele contempla realizadas em sua própria casa. É o termo do Antigo Testamento, a aurora do Novo, à hora em que vai nascer o Sol de justiça, o Filho de Deus feito homem. É o cântico que a Igreja há-de cantar todas as manhãs na Hora de Laudes.
O cântico de Zacarias é um louvor ao Deus misericordioso que realiza, através de Jesus, a «visita» aos pobres. Em Jesus se manifesta a força que liberta dos inimigos e do medo, formando um povo santo diante de Deus e justo diante dos homens. Desse modo, manifesta-se a luz que ilumina a condição do povo, abrindo uma história nova, que se encaminha para a Paz, isto é, a plenitude da vida.
Ao tempo do Novo Testamento, muitos previram o cumprimento dessas promessas maravilhosas. Simeão "esperava a consolação de Israel" (Lucas 2:25). Ana representava aqueles que "esperavam a redenção de Jerusalém" (Lucas 2:38). José de Arimatéia "esperava o reino de Deus" (Lucas 23:51). Deus tinha preparado pessoas espirituais para o desenvolvimento de seu plano. Suas muitas promessas e a exposição delas pelos profetas despertaram certa expectativa nos corações do seu povo.
Os primeiros anúncios de que aquelas grandes promessas estavam sendo cumpridas deram alegria aos que ouviram as notícias. O anjo Gabriel disse a Maria: "Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai; ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim" (Lucas 1:32-33). Zacarias, inspirado pelo Espírito Santo, falou como Deus estava cumprindo as promessas que havia feito a Davi e a Abraão (Lucas 1:67-79, especialmente 69,73). João Batista e, mais tarde, Jesus e seus discípulos pregaram: "O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo" (Marcos 1:15.
O Magnificat de Maria, tal como o Benedictus de Zacarias é uma exultação no Espírito Santo. Ela resulta do fato de o Espírito Santo os ter feito compreender que as antigas profecias e as promessas de Deus atingiram a sua realização.
Lucas sublinha de modo muito claro que o reconhecimento do Messias e o alcance da sua missão salvadora só pode acontecer aos que têm o Espírito Santo em si. É com este mesmo sentido que Lucas apresenta o canto do velho Simeão no templo. Este ao ver o Menino de Maria, como estava em sintonia com o Espírito Santo, reconheceu naquele recém-nascido o Messias no qual se realizam as antigas profecias e as promessas de Deus.
Fonte Homilia: Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
LEITURA ORANTE

Lc 1,67-79 - O cântico de Zacarias





Em união com todos que se encontram neste ambiente virtual, 
iniciamos nossa Leitura Orante do Advento, com a

Canção do Advento

Ó vem, Senhor, não tardes mais!
Vem saciar nossa sede de Paz!
1.   Ó vem, como chega a brisa do vento,
Trazendo aos pobres justiça e bom tempo!
2.   Ó vem, como chega a chuva no chão
Trazendo fartura de vida e de pão!
3.   Ó vem, como chega a luz que faltou
Só tua palavra nos salva Senhor!
4.   Ó vem, como chega a carta querida
Bendito carteiro do Reino da Vida!
5.   Ó vem, como chega o filho esperado
Caminha conosco Jesus Bem amado!
6.   Ó vem, como chega o Libertador
Das mãos do inimigo nos salva Senhor
Veja a melodia desta canção ao lado

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia ? Leio na minha Bíblia, Lc 1,67-79:
Zacarias, o pai de João, cheio do Espírito Santo, começou a profetizar. Ele disse:
- Louvemos o Senhor, o Deus de Israel, pois ele veio ajudar o seu povo e lhe dar a liberdade.
Enviou para nós um poderoso Salvador, aquele que é descendente do seu servo Davi.
Faz muito tempo que Deus disse isso por meio dos seus santos profetas.
Ele prometeu nos salvar dos nossos inimigos e nos livrar do poder de todos os que nos odeiam.
Disse que ia mostrar a sua bondade aos nossos antepassados e lembrar da sua santa aliança.
Ele fez um juramento ao nosso antepassado Abraão; prometeu que nos livraria dos nossos inimigos
e que ia nos deixar servi-lo sem medo, para que sejamos somente dele e façamos o que ele quer em todos os dias da nossa vida.
E você, menino, será chamado de profeta do Deus Altíssimo e irá adiante do Senhor a fim de preparar o caminho para ele.
Você anunciará ao povo de Deus a salvação que virá por meio do perdão dos pecados deles.
Pois o nosso Deus é misericordioso e bondoso.
Ele fará brilhar sobre nós a sua luz e do céu iluminará todos os que vivem na escuridão da sombra da morte, para guiar os nossos passos no caminho da paz.

Este cântico de Zacarias é louvor e profecia. Começa com uma aclamação litúrgica: “Louvemos o Senhor”. O hino divide-se em duas partes: a primeira recorda a ação de Deus na história do povo. A segunda parte anuncia o destino do menino João que será profeta de Deus Altíssimo. Zacarias recorda as promessas de Deus por meio dos profetas, da aliança e do juramento feito com Abraão. Diz também que o objetivo disto tudo é “que sejamos somente dele e façamos o que ele quer.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Também eu devo reconhecer a grande graça de ser cristão e discípulo de Jesus
Cristo. Nos ajudam neste reconhecimento os bispos em Aparecida:
“Queremos expressar a alegria de sermos discípulos do Senhor e de termos sido enviados com o tesouro do Evangelho. Ser cristão não é uma carga, mas um dom: Deus Pai nos abençoou em Jesus Cristo seu Filho, Salvador do mundo” (DAp 23).

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Rezo, com os bispos da América Latina que também fazem uma oração de louvor por Deus que nos amor por primeiro:
“ Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo,
que nos abençoou com toda sorte de bênçãos na pessoa de Cristo
(cf. Ef 1,3).
O Deus da Aliança,
rico em misericórdia,
nos amou primeiro;
imerecidamente amou a cada um de nós;
por isso o bendizemos,
animados pelo Espírito Santo, Espírito vivificador,
alma e vida da Igreja.
Ele, que foi derramado em nossos corações,
geme e intercede por nós e,
com seus dons nos fortalece
em nosso caminho de discípulos e missionários”
(DAp 24).

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
“Somos chamados a encarnar o Evangelho no coração do mundo”(DGAE 2008-2009, no 21). Meu novo olhar é de ação de graças pela vinda de Deus em nosso meio.

Bênção Natalina

Jesus Menino coloque a sua mãozinha
sobre tua cabeça
e derrame sobre ti
a sua luz, conforto e alegria.
Amém!
- Abençoe-nos Deus misericordioso,
Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. 

(bem-aventurado Alberione)

Ir. Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, faz do nosso coração nova manjedoura para acolher o Deus Menino, que quer estar entre nós. Ajuda-nos a crescer com Ele e, feitos adultos na fé, anunciaremos ao mundo a Boa Notícia do teu Reino de Amor. Pelo mesmo Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.

Lc 2,1-14


HOMÍLIA DIÁRIA

O grande presente do Natal é Jesus

Você também deve saber que o grande presente do Natal é Jesus. Ele veio para todos nós de coração aberto.
Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo” (Lucas, 1, 68 ss).
Zacarias, aquele que duvidou e que foi incrédulo, aquele homem de fé, mas que teve dificuldades para entender a ação de Deus, é agora um homem do louvor, é agora o homem da ação de graças! Agora é um homem que reconhece os prodígios do Senhor no meio do Seu povo (cf. Lc 1, 57-80).
Rompe agora, da boca de Zacarias, um dos hinos mais belos de louvor, de exaltação e de reconhecimento pela ação de Deus no meio de nós (cf. Lc 1, 68). Toda a Igreja, na Liturgia das Horas, todas as manhãs, louva a Deus, com a boca e pela boca desse homem de Deus, que nos trouxe este hino maravilhoso, o ”Benedictus”, reconhecendo o quanto é bendito, o quanto é maravilhoso o Senhor nosso Deus, porque Ele veio nos visitar e nos redimir. Se Deus não nos deixou sozinhos, não nos deixou abandonados, Ele fez aparecer no meio de nós uma força salvadora e restauradora, Ele fez surgir, no meio de nós, Aquele que é o nosso Salvador.
Nós só podemos louvar a Deus, nós só podemos agradecer a Deus, amanhã é dia de Natal! É véspera do Natal do Senhor. Sei que a sua casa vai estar reunida, sei que em algum lugar você vai se reunir com os seus. Eu sei que muitos de nós estaremos na igreja, mas quando estiver diante da mesa, não se esqueça: O mais importante não é o que temos para comer, mas Aquele a quem nós vamos celebrar, aquele presente único que Deus nos trouxe, este sim é o presente de verdade!
Infelizmente tem muita gente ainda que fica triste, porque não ganha presente de Natal; porque não é lembrado pelo Papai Noel ou assim por diante. Você já sabe que Papai Noel é figura da imaginação humana. Você também deve saber muito bem também que o grande presente do Natal é Jesus. Ele veio para todos nós de coração aberto. De braços abertos recebemos Aquele grande presente que Deus nos deu, que é o Seu Filho Jesus.
Que tenhamos este coração, como o coração de Zacarias, agora tomado pela força do louvor, do agradecimento, do reconhecimento da ação de Deus! Nós só podemos perceber o quanto Jesus age e está presente em nossa vida quando nós O exaltamos, quando nós O louvamos, quando nós O glorificamos por tudo aquilo que Ele representa para nós.
Que Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter
Liturgia comentada
Paz na Terra! (Lc 2, 1-14)
Em 1994, o povo de Ruanda se viu mergulhado em sangrenta guerra civil, com a nação dividida entre as duas etnias dos hutus e dos tutsis. O genocídio deixou um milhão de mortos e milhões de refugiados em territórios vizinhos. Nesse clima de horror, a comunidade local do Foyer de Charité precisou de se refugiar fora do país, até que a violência amainasse. Naquela pequena comunidade, viviam fraternalmente membros das duas etnias. Sua fraternidade acendeu ódios dos dois lados em conflito: era inconcebível, para uns e para outros, que hutus e tutsis convivessem em paz.
Esta é a lição fundamental do nascimento de Jesus Cristo no Natal: a paz é possível entre aqueles que se sentem amados por Deus. Ou ainda: todos aqueles que reconhecem a Jesus como o seu Salvador, tornam-se irmãos de quem tem a mesma experiência. Cristo se torna a ponte que une e reconcilia, acima e além de qualquer tipo de barreira humana, sejam elas sociais, econômicas, étnicas ou culturais.
O hino entoado pelos anjos nas Campinas de Belém falava de duas realidades do Natal: a gloria (para Deus) e a paz (para os homens). Pena que a palavra “paz” tenha sido tão deturpada! Para os romanos, a “paz” consistia em sufocar toda rebelião nas províncias do Império. Para os governos atuais, a paz pode ser confundida com o silêncio dos deserdados do sistema.
Mas o cristão sabe que a verdadeira é paz é dom de Deus e não será conquistada pelas armas nem por acordos comerciais. Por isso mesmo, pedimos em cada missa: “Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, dai-nos a paz!” Esta prece é dirigida ao mesmo Jesus que, ressuscitado, entrou no salão onde os discípulos estavam trancados e lhes disse: “A paz esteja convosco!” Aquele mesmo sobre quem Paulo escrevia aos cristãos de Éfeso: “Por que Ele é a nossa paz, Ele que de dois povos fez um só, destruindo o muro de inimizade que os separava.” (Ef 2, 14.)
Nós aprendemos com a tradição judaica que o verdadeiro “shalom” não significa a ausência de crises e conflitos, a falta de tiros nas ruas ou de agressões dentro do lar. A paz não é uma ausência, mas “presença”: a presença do Senhor no meio de seu povo.
A noite de Natal vem lembrar a todos que a paz está ao nosso alcance. E poderemos experimentá-la em plenitude ao acolher amorosamente o Menino que veio a nós. Mesmo que ele esteja vestido com o disfarce dos mais pobres deste mundo...
Orai sem cessar: “O Senhor abençoará seu povo, dando-lhe a paz!” (Sl 29, 11)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br