sábado, 10 de março de 2018

BOM DIA! BOA TARDE! BOA NOITE! Oração da noite, Oração da manhã e Oração do entardecer - Deus te abençoe!



Oração da Noite

Boa noite Pai.
Termina o dia e a ti entrego meu cansaço.
Obrigado por tudo e… perdão!!
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos, pela alegria que vi no rosto das crianças;
Obrigado pelo exemplo que recebi daquele meu irmão;
Obrigado também por isso que me fez sofrer…
Obrigado porque naquele momento de desânimo lembrei que tu és meu Pai; Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida, pelo meu desejo de superação…
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe!
Perdão, também, Senhor!
Perdão por meu rosto carrancudo; Perdão porque não me lembrei que não sou filho único, mas irmão de muitos; Perdão, Pai, pela falta de colaboração e serviço e porque não evitei aquela lágrima, aquele desgosto; Perdão por ter guardado para mim tua mensagem de amor;
Perdão por não ter sabido hoje entregar-me e dizer: “sim”, como Maria.
Perdão por aqueles que deviam pedir-te perdão e não se decidem.
Perdoa-me, Pai, e abençoa os meus propósitos para o dia de amanhã, que ao despertar, me invada novo entusiasmo; que o dia de amanhã seja um ininterrupto “sim” vivido conscientemente.
Amém!!!

Oração da manhã

Bom-dia, Senhor Deus e Pai!
A ti, a nossa gratidão pela vida que desperta, pelo calor que
cria vida, pela luz que abre nossos olhos.
Nós te agradecemos por tudo que forma nossa vida, pela terra, pela água, pelo ar, pelas pessoas. Inspira-nos com teu Espírito Santo os pensamentos que vamos alimentar,as palavras que vamos dizer, os gestos que vamos dirigir,a comunicação que vamos realizar.
Abençoa as pessoas que nós encontramos, os alimentos que vamos ingerir.
Abençoa os passos que nós dermos, o trabalho que devemos fazer.
Abençoa, Senhor, as decisões que vamos tomar, a esperança que vamos promover,a paz que vamos semear,a fé que vamos viver, o amor que vamos partilhar.
Ajuda-nos, Senhor, a não fugir diante das dificuldades, mas a abraçar amor as pequenas cruzes deste dia.
Queremos estar contigo, Senhor, no início, durante e no fim deste dia.
Amém.

Oração do entardecer

Ó Deus!
Cai à tarde, a noite se aproxima.
Há neste instante, um chamado à elevação, à paz, à reflexão.
O dia passa e carregam os meus cuidados.
Quem fez, fez.
Também a minha existência material é um dia que se passa,
uma plantação que se faz, um caminho para algo superior.
Como fizeste a manhã, à tarde e a noite, com seus encantos,
fizeste também a mim, com os meus significados, meus resultados.
Aproxima de mim, Pai, a Tua paz para que usufrua desta
hora e tome seguras decisões para amanhã.
Que se ponha o sol no horizonte, mas que nasça
em mim o sol da renovação e da paz para sempre.
Obrigado, Deus, muito obrigado!
Amém!

Novena de São José – Segundo Dia (DOS DIAS 10 DE MARÇO A 18 DE MARÇO) - FESTA: 19 DE MARÇO


Novena de São José – Segundo Dia
(11 DE MARÇO)

Nota: Esta oração foi encontrada no quinquagésimo ano de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Em 1505 ela foi enviada pelo Papa ao Imperador Carlos quando ele estava indo para uma batalha.
Quem quer que leia esta oração ou a escute ou a mantenha junto de si jamais deverá morrer de morte repentina, ou ser afogado, nem mesmo veneno fará mal algum a eles; e muito menos cairão eles nas garras do inimigo, ou se queimarão em alguma chama ou serão mortos em batalha.

Oração Inicial

Oh! São José, cuja proteção é tão grande, tão forte, tão imediata diante do trono de Deus, coloco em vossas mãos todos os meus interesses e desejos.
Oh! São José, auxilie-me com sua poderosa intercessão, e obtenha para mim do seu divino Filho todas as bênçãos espirituais, por intermédio de Jesus Cristo, nosso Senhor, para que, tendo-me comprometido aqui, sob seu poder celestial, eu possa oferecer minhas graças e homenagens ao mais amável dos Pais.
Oh São José, jamais me canso de contemplar a ti e a Jesus a dormir em seus braços; Não me atrevo a me aproximar enquanto Ele repousa junto do teu coração. Abraçe-O em meu nome e beije-O ao meu último suspiro.
São José, Patrono das almas partidas; Rogai por mim.

Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. Amém e Amém.

Oh glorioso São José, fiel seguidor de Jesus Cristo, a ti elevamos nossos corações e nossas mãos para implorar vossa poderosa intercessão em obter do benigno coração de Jesus todos os auxílios e graças necessárias ao nosso bem-estar espiritual e carnal, particularmente pela graça de uma morte feliz e o especial favor que agora vos pedimos (mencionar pedido).
Oh! guardião dos encarnados do mundo, sentimo-nos animados e confiantes de que vossas orações em nosso favor serão graciosamente ouvidas ao trono de Deus.
Oh! glorioso São José, pelo amor que tendes por Jesus Cristo e pela glória do Seu nome, escutai as nossas orações e dai-nos o que pedimos. Amém.

Segundo Dia

Oh! abençoado São José, pai carinhoso, fiel guardião de Jesus, casto esposo da Mãe de Deus, nós oramos e vos imploramos que ofereça a Deus, o Pai, Seu divino filho, banhado em sangue na Cruz por nós, pecadores, e pelo trino nome sagrado de Jesus obtenhais do Pai eterno o favor pelo qual imploramos vossa intercessão (mencionar pedido).
Pelos esplendores da eternidade, não vos esqueçais das dores daqueles que rezam, daqueles que choram; Permitai que, através de vossas orações e as de vossa sacratíssima esposa, o Coração de Jesus seja comovido à piedade e ao perdão. Amém.

Pai Nosso… Ave Maria… Glória ao Pai… São José, rogai por nós!

http://encontrocomcristo.com.br/novena-de-sao-jose-segundo-dia/

Dias Anteriores

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 11/03/2018

ANO B



4º DOMINGO DA QUARESMA

Ano B - São Marcos - Cor Roxa ou Róseo

“...Deus amou tanto o mundo, que deu seu Filho unigênito.”

Jo 3,14-21


Ambientação

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: Na celebração damos graças ao Pai, porque, em Jesus, realiza o maior gesto de amor para conosco. Contemplando-o erguido na cruz, nossas trevas são desmascaradas e vencidas e a esperança de um mundo feliz e libertado é reavivada. Alegremo-nos! O caminho quaresmal tem por objetivo aproximar-nos deste Cristo que, não vindo condenar o mundo, quer, mediante a conversão da humanidade, conceder vida plena a todos.

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: Irmãos e irmãs, o canto inicial nos ofereceu o tom da Liturgia deste domingo: “Alegra-te, Jerusalém, e quem no mundo te quer bem; se junte alegre para a festa, quem só curtia a tristeza. Contentes com satisfação, transbordem de consolação!” No meio da Quaresma, na metade do caminho para a celebração da Ressurreição do Senhor, a Igreja nos convida à alegria pela aproximação da Santa Páscoa. Jerusalém é a Igreja, é o Povo santo de Deus, o novo Israel, é cada um de nós. Alegremo-nos, pois, apesar das tristezas da vida, apesar da consciência dos nossos pecados! Alegremo-nos, porque a misericórdia do Senhor é maior que nossa miséria humana!

INTRODUÇÃO DO WEBMASTER: Neste domingo ecoa na liturgia uma das afirmações mais contundentes do Novo Testamento: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,17). Peçamos a graça de crer e sentir esse amor que alegra a vida inteira, como diz o salmo (Sl 90,14). Como povo peregrino, comemos de seu pão, antecipando na fé a realização da comunhão entre nós, com o mundo e com Deus. A comunidade cresce e se fortalece na medida em que põe em prática o projeto de Jesus, a serviço da vontade do Pai, manifestada pelos mandamentos e pela vida de Jesus. Lembramos que este domingo é de muita alegria, pois a Igreja nos lembra que a Páscoa do Senhor está se aproximando.

Comentário do Evangelho

O objeto do amor de Deus é o mundo

Estas palavras de Jesus fazem parte da sua fala no diálogo com Nicodemos, na primeira visita de Jesus a Jerusalém, no evangelho de João. Temos aqui o anúncio fundamental que pregava o evangelho de João. Deus, no seu grande amor, enviou seu Filho ao mundo, no qual a humanidade é elevada em dignidade e a vida eterna é comunicada a todos que nele crerem.
. O termo "mundo" (kósmos, no grego) é um conceito da cultura helênica, não tendo correspondente na cultura semita. No Novo Testamento tem sentidos diversos. Pode indicar toda a criação, ou a Terra apenas, mas com a centralidade na humanidade. Na criação, Deus viu que tudo era bom. Agora, com imenso amor doa seu Filho, portador da vida eterna, ao mundo. Está em questão a condenação ou a salvação. A salvação, na tradição de Israel, diz respeito ao resgate do castigo e da condenação dos infiéis pecadores (primeira leitura). Com Jesus esta ideia de salvação vai sendo didaticamente substituída pelo anúncio da libertação e do dom da vida eterna. O estar condenado ou não estar condenado é substituído pelas atitudes de não crer ou crer em Jesus, Filho único de Deus. Quem crer em Jesus recebe o dom da vida eterna. Quem não crer, exclui-se deste dom.
O Pai que "entrega" seu Filho ao mundo para que o mundo seja salvo, foi entendido dentro das categorias do judaísmo como oferta sacrifical. Jesus seria sacrificado na cruz nos moldes dos cordeiros no altar do Templo de Jerusalém, ou como Isaac que é levado ao sacrifício por seu pai Abraão. Terrível compreensão! Deus é amor! Seu Filho Jesus não vem para condenar, mas, com seu amor divino, vem, no Espírito Santo, para comunicar a vida aos homens e mulheres. É um renascer para a eternidade, é a ressurreição.
Ao dom de Deus ao mundo seguem-se o crer e o não crer. No evangelho de João o mundo está submisso ao príncipe das trevas. Não é necessário pensar em entidades demoníacas. Trata-se do poder da morte. São os poderosos deste mundo que semeiam a morte em vista de garantir e consolidar suas riquezas, seu poder econômico, militar e ideológico, apelando para contravalores seculares ou religiosos. Os discípulos eram do mundo, mas foram libertados de seu poder e de sua ideologia pela adesão ao projeto de Jesus. Eles são a semente da libertação do mundo. Na solidariedade e na fraternidade promovem a vida, que é dom gratuito de Deus em seu imenso amor (segunda leitura). O crer é a porta para a vida eterna. Crer no nome do Filho é seguir Jesus. É ser portador da misericórdia e da vida ao mundo. Viver o amor no convívio familiar, comunitário e social, desvelando a presença de Deus no mundo.
José Raimundo Oliva
Oração
Senhor Jesus, livra-me do poder das trevas e da morte, e faze-me voltar sempre mais para ti, que és penhor de vida e salvação.
Fonte: Paulinas em 18/03/2012

Vivendo a Palavra

«Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, e sim para que o mundo seja salvo por meio dele.» Talvez esteja neste versículo (Jo 3,16) o melhor resumo da História da nossa salvação. Façamos da certeza de que somos amados pelo Pai a razão da nossa alegria e da nossa própria existência.
Fonte: Arquidiocese BH em 18/03/2012

VIVENDO A PALAVRA

«Pois Deus amou de tal forma o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele acredita não morra, mas tenha a vida eterna.» Talvez esteja neste versículo (Jo 3,16) o melhor resumo da História da nossa salvação. Façamos da certeza de que somos amados pelo Pai a razão da nossa alegria e da nossa própria existência.

Meditando o evangelho

O SINAL DE SALVAÇÃO

Na tentativa de instruir Nicodemos, discípulo às escondidas, nas coisas da fé, Jesus retomou um fato importante da história do povo de Israel, quando este caminhava pelo deserto. A experiência de pecado e rebelião contra Deus havia desencadeado o castigo divino. Para aplacar a ira divina, o próprio Deus recomendou a Moisés fundir uma serpente de bronze. Assim, quem, porventura, olhasse para ela, seria poupado desse castigo.
Este fato da história do povo de Israel ofereceu elementos para a compreensão da morte de Jesus na cruz. De novo, encontramos a humanidade imersa no pecado, incapaz de ser livrar da maldição que a rebelião contra Deus lhe impingiu. Somente o Pai poderia oferecer um caminho de superação desta trágica situação. Seu Filho, suspenso na cruz, torna-se-ia, como a serpente no deserto, penhor de salvação para quem se voltasse para ele com fé. A morte de cruz, portanto, teria uma finalidade absolutamente salvífica. Através dela, seria possível obter a vida eterna.
O envio do Filho Jesus ao mundo foi fruto da benevolência divina para com a humanidade pecadora. Contudo, existe quem se recuse a voltar-se para Jesus e reconhecê-lo como fonte de salvação, preferindo caminhar nas trevas. Ao invés, quem se faz discípulo da verdade e age movido por Deus, volta-se confiante para Jesus, para dele receber a salvação.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Senhor Jesus, livra-me do poder das trevas e da morte, e faze-me voltar sempre mais para ti, que és penhor de vida e salvação.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

1. JESUS E NICODEMOS
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

Neste texto do Evangelho de hoje, temos a conclusão do diálogo de Jesus com Nicodemos. O evangelista João recorre ao simbolismo da serpente de bronze (cf. Nm 21,9) - a qual, pela fé, libertava das mordidas mortais das serpentes do deserto para aplicá-lo à fé em Jesus, pelo qual se tem a vida eterna.
Este diálogo com Nicodemos é um convite à conversão. Coloca em confronto as duas opções: aquele que crê e aquele que não crê, aquele que pratica o mal e ama as trevas e aquele que pratica a verdade e se aproxima da luz. Cabe ao leitor fazer sua opção.
Na primeira leitura temos a teologia do castigo e do arrependimento, com a retomada da aliança. Os habitantes de Judá, exilados na Babilônia por Nabucodonosor, após o sofrimento do exílio, encontram a benevolência de Ciro, da Pérsia, o qual os contempla com a reconstrução do templo de Jerusalém. O tema predominante no Evangelho de João é o dom da vida eterna por Jesus.
Neste tempo de quaresma, somos convidados à conversão, a nascer do Espírito, a nascer para a liberdade e para o amor, pois para isto fomos feitos (segunda leitura). Pelas obras praticadas em Deus, unimo-nos com Jesus e vivemos com ele na eternidade, na unidade do Pai e do Espírito.
Fonte: NPD Brasil 18/03/2012

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Deus elevado na cruz...
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Talvez se substituirmos a palavra elevar-se pela palavra Subir, a gente possa compreender melhor a profundidade do versículo inicial desse evangelho. Subir significa estar em ascensão, ser referência, mostrar seu poder, ser visto e notado por todos. Entretanto, o modo como Jesus é elevado só serviu para ser escarnecido em uma morte humilhante e vergonhosa. Naquele momento de amargura e derrota, ninguém, nem mesmo os apóstolos pensariam que Jesus estava solidificando a sua Soberania e seu Senhorio sobre todas as coisas, ninguém ousaria dizer que ali, naquele "maldito" pendente da cruz do calvário, estava a Salvação da humanidade, o resgate do Ser humano, a sua remissão e redenção. O que se viu foi um corpo ensangüentado, dilacerado, chagado, entretanto, foi um momento Bendito e glorioso para toda a humanidade. Deus mostrou na cruz toda a Força e o Poder do Amor verdadeiro.
Por isso que, após introduzir a reflexão, o evangelista João vai direto ao tema central "Deus amou tanto o mundo que lhe deu seu Filho único, para que todo o que Nele crê não pereça, mas tenha a Vida Eterna." Crer em Jesus Salvador é Crer no Amor que vivifica, restaura, reconstrói o Homem, eterno objeto do Amor de Deus. Quem Nele não crer já está condenado, justamente porque não crê no Poder libertador do Amor de Deus. E a vida de quem fecha o seu coração para o amor, é amarga, vazia e sem sentido, porque não optar pelo amor significa a solidão total e completa, que é ficar longe de Deus já nesta vida.
Em seguida João desfaz o equívoco dos que trazem no coração e na mente a imagem de um Deus que condena e castiga o pecador. Deus não enviou Jesus ao mundo para vingar-se do pecado cometido por Adão e Eva e que toda a humanidade acabou herdando. Mesmo com a tragédia da cruz, Deus Pai não planejou uma vingança contra os que mataram a Jesus, ao contrário, o próprio Filho pede para que o Pai os perdoe...
O amor é sempre transparente e iluminador isso é, a tudo dá sentido, tudo crê, tudo espera, tudo tolera, é compassivo e fiel, Viver nesse amor é antecipar a Vida Eterna, mas sem o amor, o homem acabará naufragando nas profundezas dos mares do seu próprio egoísmo.
Crer e aceitar Jesus Cristo significa acolhê-lo por inteiro, vestindo a camisa do seu evangelho, aceitando com ele construir o novo Reino. Essa nossa opção por Cristo ou contra ele, reflete nos atos e ações que fazemos. É impossível fazer o Bem e permanecer nas trevas, assim como também é impossível praticar o mal e permanecer na Luz, pois são coisas contrárias que jamais estarão juntas em, um mesmo lugar ou em mesmo coração.
Nossas comunidades cristãs vivem essas duas realidades que caracterizam o Reino de Deus, por um lado, apresentam um Cristo elevado na cruz, anunciando assim a sua morte, mas por outro lado, esse Cristo crucificado faz nascer cada vez mais forte no coração de quem crê, a esperança escatológica de quem espera a Ressurreição. O Cálice Bendito elevado pelas mãos do Sacerdote é ao mesmo tempo amargura e doçura, Vida Morte e Ressurreição do Senhor, é a nossa humanidade tão frágil e pequena, mergulhada no mistério da Grandeza de Deus.
José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
E-mail jotacruz3051@gmail.com

2. Deus deu ao mundo o seu Filho único
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

O povo de Israel saiu do Egito e na travessia do deserto enfrentou muitas dificuldades. Uma delas foram as serpentes venenosas. Muita gente morreu com a sua picada. Foi um castigo por causa das murmurações contra Deus e Moisés. O povo se arrependeu e Moisés intercedeu junto de Deus. O Senhor mandou que se fizesse uma serpente de bronze e fosse colocada numa haste. Alguém, picado por uma cobra, olhando para a imagem da serpente, ficava curado. Assim está escrito no Livro dos Números e a este acontecimento Jesus se refere na conversa com Nicodemos, sábio fariseu de Israel. “Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim também será levantado o Filho do Homem, a fim de que todo o que nele crer tenha vida eterna”, foi o que Jesus disse ao velho Nicodemos.
O episódio do deserto se torna símbolo da realidade da cruz. A serpente é o demônio com seu poder exercido contra os seres humanos. Ela fez com que a árvore do paraíso se tornasse causa de perdição da humanidade. Olhando agora para a árvore da cruz, a mesma humanidade encontra a salvação. Na árvore da cruz está o corpo crucificado de Jesus Cristo, de quem nos vem a salvação. Na luz da cruz nossas ações se tornam manifestas. Desta luz se aproximam os que praticam a verdade e não temem que suas obras sejam denunciadas, porque são praticadas em Deus.
A imagem, seja da serpente, seja da cruz, fala como falam as letras de um texto escrito. A imagem é outro tipo de Escritura para os olhos da fé. O que se vê é o Senhor Jesus entregando sua vida para a salvação do mundo. Salvação do quê? Das picadas da serpente, que são reais, tanto a serpente quanto as picadas. Deus, na sua misericórdia, preparou para nós boas obras para serem praticadas. Elas não contêm veneno e são sinal de que nos libertamos do poder da serpente. Isto é dom de Deus e não vem das obras, para que ninguém se glorie. Nossa glória é a cruz de nosso Senhor Jesus Cristo.

Homília

Pe. José Luiz Gonzaga do Prado

4º DOMINGO DA QUARESMA

EM BUSCA DA LUZ

I. INTRODUÇÃO GERAL

Damos mais um passo em nossa caminhada quaresmal na direção da vida nova, do novo nascimento do batismo, que é também iluminação. Olhamos para a cruz que clareia a nossa vida e nos revela o amor do Pai.
Esse amor nos salva de graça, inteiramente de graça, porque não somos capazes de fazer algo que mereça a morte de Jesus. Não é fácil entender esse amor, pois nosso pensamento, nossa prática, nosso modo de sentir são outros, bem outros. Nossa cabeça é feita mais pelo mundo em que vivemos.
Há pessoas que, quando ouvem alguma referência negativa ao mundo, discordam, dizendo: “Não! O mundo é bom, o povo é que é ruim!” Quanta coisa se pode entender pela palavra mundo! É a natureza, essa bela moradia que Deus nos deu e nós teimamos em destruir. É a humanidade inteira, mesmo perdida e desorientada. São as estruturas perversas que nos governam. É a corrupção de toda ordem, a busca desenfreada de poder, de prestígio e do prazer ou da satisfação momentânea.
A alguns desses mundos, não a todos, Jesus veio salvar; a outros ele condena ou eles próprios se condenam. Corremos o risco de, às vezes, confundir as coisas.
Deus amou o mundo, entregou seu Filho pelo mundo, o Crucificado é a luz que veio ao mundo, mas o mundo dos homens preferiu as trevas à luz.
A eucaristia celebra a salvação, a partilha de si que faz a fraternidade verdadeira. Comer deste pão exige deixar-se também partir em pedaços para que a salvação chegue a todos, para que o mundo se convença de que a cruz é o caminho, enquanto a chegada, a vontade de Deus “assim na terra como no céu”, é a mesa comum.

II. COMENTÁRIO DOS TEXTOS BÍBLICOS

1. I leitura (2Cr 36,14-16.19-23)

A leitura nos dá esta interpretação dos acontecimentos: os sofrimentos do povo são o castigo previsto pelos profetas, o momento bom também foi previsto pelos profetas. Em todos os momentos Deus está presente, conforme a palavra das profecias.
O trecho do segundo livro das Crônicas lido neste domingo dá uma explicação, do ponto de vista da tradição sacerdotal, sobre o que motivou finalmente o exílio da Babilônia. O erro não foi só dos dirigentes políticos, foi também dos sumos sacerdotes e do povo. Imitaram as outras nações e tornaram impuro o Templo.
Essa última razão reflete bem a mentalidade sacerdotal, que tem o culto como o sinal decisivo da fidelidade a Javé. Imitar as outras nações, “fazer como todo o mundo faz”, não ter o mínimo respeito pelas leis da aliança, que faziam a diferença de comportamento do povo de Deus, foi o grande pecado.
Além do mais, os profetas, que interpretavam os acontecimentos, os sinais dos tempos, mostrando ao povo o pensamento de Deus, foram desprezados e ridicularizados. Não havia mais recurso, veio a derrota com a destruição do Templo e o cativeiro da Babilônia.

2. II leitura (Ef 2,4-10)

Um pensamento forte da epístola aos Efésios, especialmente do trecho que vamos ouvir na segunda leitura, é a gratuidade da salvação. Por sua imensa misericórdia e seu grande amor, Deus nos tirou da morte de nossos tropeços e nos fez reviver com Cristo.
Cristo é o centro de tudo; nele e com ele, Deus gratuitamente nos faz reviver, ressuscita e nos estabelece no céu junto com ele. Assim, fica provada para o futuro a imensidão de sua gratuidade e bondade.
Pela fé – a adesão fiel a Jesus como Messias –, e não pela prática de um sem-número de atos ou devoções determinadas, somos salvos gratuitamente. Sem nós ele nos salva; ele preparou para nós as boas obras que praticamos. Tudo é graça.

3. Evangelho (Jo 3,14-21)

O evangelho faz parte da conversa de Jesus com Nicodemos, “o mestre de Israel”. O episódio reflete o debate entre os cristãos e os mestres fariseus da época em que foi escrito o evangelho. Veja o v. 11: “Falamos do que sabemos, testemunhamos o que vimos e vós não aceitais o nosso testemunho”. Há um grupo que fala, sabe e testemunha e há um grupo que não aceita esse testemunho.
Para os mestres fariseus que dominavam o judaísmo da época do evangelho, a cruz é maldição, a salvação é só para eles, não para a humanidade toda. Isso é viver no escuro. É o que significa Nicodemos procurar Jesus à noite. Procura Jesus por causa dos sinais, depende ainda de milagres, mas demonstra boa vontade, desejo de entender Jesus. Entretanto, está ainda no escuro; não entende, por exemplo, quando Jesus fala em nascer de novo.
Agora surge a luz. Jesus se compara à serpente de bronze que Moisés levantou no deserto e que livrou os hebreus do veneno das serpentes. Jesus também é levantado, não apenas pregado ou pendurado. A cruz no Evangelho segundo João é a sua exaltação, é a sua glória.
O Filho do homem precisa ser suspenso, levantado, exaltado na cruz. É preciso que isso aconteça, para se realizar a Escritura, para se realizar nele o projeto de Deus (Is 53,10).
O Filho do homem, pendurado à cruz, mostra que Deus amou de tal forma o mundo, que lhe deu seu Filho unigênito. O filho de Adão como nós é o Filho de Deus, que nos revela o amor do Pai. Quem crê nesse amor jamais será destruído, tem vida eterna.
Jesus se entrega à cruz não para condenar, mas para salvar, para livrar-nos do veneno mortal que é não crer nEle, na força da cruz. Quem nEle crê não é julgado nem condenado, quem não crê já está condenado.
Quem não crê nEle vai crer em quê? Crê na força do dinheiro, no poder econômico, crê no prestígio, na fama, no poder da mídia, crê na rivalidade, na competição, na “competência”, na capacidade de usar os outros para seus objetivos.
Quem crê nEle crê na cruz, crê no humilde serviço aos outros, crê na força transformadora de aceitar o último lugar, crê na doação de si como único antídoto contra o veneno da competição.
Nicodemos foi uma vez, à noite, a Jesus. A luz veio definitivamente ao mundo. E o critério para o julgamento é só este: há os que fogem e há os que procuram a luz. Este mundo governado pela arrogância odeia a luz e foge da luz e, com isso, está se condenando; há os que (como Nicodemos?) procuram a luz, porque praticam a verdade, agem em Deus.

III. DICAS PARA REFLEXÃO

– A primeira leitura nos dá esta interpretação da história: os sofrimentos são o castigo previsto pelos profetas, o momento bom também foi previsto pelos profetas. No fundo, em todas as circunstâncias Deus está presente. Dificilmente vemos a presença de Deus nos grandes lances negativos ou positivos da história. E não é preciso aprender também a ver a Presença nos pequenos lances do cotidiano que tecem o pano de fundo da história?
– Um pensamento forte da epístola aos Efésios, especialmente do trecho de hoje, é a gratuidade da salvação. O Messias crucificado é o centro de tudo, nele Deus nos salva gratuitamente, sem levar em conta nossas práticas e devoções. Tanta gratuidade incomoda, parece exigir também um amor gratuito. Muitas vezes, enganosamente, se prefere ou se acha mais seguro, menos incômodo, cada um depender da própria competência, do próprio esforço.
– No evangelho, Jesus conversa com Nicodemos, o mestre de Israel. Ali está a comunidade que nos deu este evangelho conversando com os mestres fariseus da sua época. Para eles, a cruz é maldição. Não lhes entrava na cabeça o pensamento de uma salvação que viesse de um crucificado. Ainda hoje nos é difícil aceitar esse pensamento, crer que possa ser essa a proposta de Deus. Por outro lado, a salvação que muitos esperavam era só para a sua nação e se resumia a uma vida mais agradável. A salvação não tinha alcance mundial nem ia à raiz mesma dos problemas, o pecado, ou seja, a cobiça e a arrogância. Só o ser humano pendurado à cruz como uma maldição vai à raiz do pecado e, consequentemente, da morte.
O homem pendurado na cruz, como a serpente de bronze da tradição bíblica, tira o veneno da cobiça e do orgulho. Jesus veio salvar a humanidade capaz de acreditar no crucificado. O mundo que não aceita esse caminho já está condenado, preferiu a cobiça, a competição, a violência. O amor revelado na cruz condena tudo isso. É a transparência da luz. O mundo que prefere a obscuridade da corrupção já se condenou.
O Filho do homem precisa ser suspenso, levantado, exaltado, pendurado na cruz. As ideias se confundem, o que parecia maldição de Deus (Dt 21,23) agora é bênção, é salvação. E é assim mesmo, é preciso que aconteça para se realizar a Escritura, para se realizar nele o projeto de Deus (Is 53,10).
“Os meus pensamentos não são os vossos. Quanto dista o céu da terra, assim os meus pensamentos estão acima dos vossos” (Is 55,8-9).
Fonte: Paulus em 18/03/2012

Homília

JESUS REVELA O AMOR DE DEUS

O evangelho deste domingo faz parte do diálogo de Jesus com Nicodemos. Inicia-se com a menção à serpente que Moisés levantou no deserto para salvar as pessoas mordidas por alguma cobra. Assim também, diz, é necessário que o Filho do homem seja levantado, para que todos os que creem nele tenham vida plena. Jesus é apresentado como a fonte de vida e norma de conduta para o ser humano.
O maior gesto de amor do Pai foi enviar seu Filho ao mundo para que todos tenhamos vida nele. Ele não veio para condenar, mas para salvar. Para isso nos é necessário olhar para a cruz e crer no Crucificado, presença visível do amor de Deus. Crer em Jesus é mais do que um ato intelectual: é aceitar com fé a mensagem que brota da cruz.
Por causa de sua opção em favor da humanidade mais fragilizada, Jesus acabou morrendo na cruz como um marginal ou criminoso. Não poupou sua vida; ao contrário, doou-a para que aprendêssemos a não nos fecharmos em nosso egoísmo, buscando salvar a nós próprios, mas soubéssemos olhar para o sofrimento de tantos irmãos e irmãs, solidarizando-nos com eles – especialmente com os que habitam as “periferias existenciais”. Somente com pessoas generosas, capazes de amar até a doação da própria vida, pode-se construir uma nova sociedade.
Jesus não veio para julgar, muito menos para condenar a humanidade. Ao contrário, seu exemplo nos mostra como viver para que todos tenham vida em plenitude. São as próprias pessoas que tomam uma posição: ir com Jesus a favor da vida, ou contra Jesus a favor da morte. Ele apenas provoca a tomada de posição, para que cada um faça sua escolha.
Jesus é a luz vinda ao mundo que aponta e ilumina o caminho a seguir. O comportamento do ser humano é revelado por essa luz. Ela é a norma e o que põe às claras a bondade ou a maldade da pessoa. É sinal de vida em oposição à treva, que é sinal de morte. A treva é a ideologia opressora que sufoca a vida humana, e muitos optam por ela. Escolhamos a luz!
Pe. Nilo Luza, ssp

REFLEXÕES DE HOJE


11 DE MARÇO-DOMINGO

VEJA AQUI MAIS HOMILIAS DESTE DOMINGO

HOMÍLIA DIÁRIA

Jesus Cristo é a única solução de Deus para o homem

Postado por: homilia
março 18th, 2012

Estamos diante da conclusão do diálogo de Jesus com Nicodemos. O evangelista João – citando a passagem do Antigo Testamento em Números 21,9 – recorre ao simbolismo da serpente de bronze, a qual, pela fé, libertava das mordidas mortais das serpentes do deserto, para aplicá-lo à fé em Jesus pelo qual se tem a vida eterna.
Jesus é a “nova serpente de bronze” que, ao invés de morder e matar, nos traz a cura. Sua “mordida” elimina, de uma vez por todas, as mordidas da serpente que conquistou Adão e Eva, acarretando a morte para toda a humanidade.
Jesus é Aquele que nos atingiu com compaixão, ternura, perdão, misericórdia e o amor de Deus, Seu Pai. O Seu plano é que o pecador se arrependa e possa viver.
Portanto, diria que no Evangelho de hoje – de um diálogo com Nicodemos – Deus quer tocar no mais fundo do nosso ser, do nosso coração. Trata-se aqui de um diálogo que se traduz num convite à conversão. Este diálogo coloca em confronto duas opções: aquele que crê e aquele que não crê. Aquele que pratica o mal e ama as trevas e aquele que pratica a verdade e se aproxima da luz. Cabe a você fazer sua opção.
Neste tempo da Quaresma somos convidados à conversão, a nascer do Espírito, a nascer para a liberdade e para o amor, pois para isto fomos feitos. Pelas obras praticadas em Deus, unimo-nos com Jesus e vivemos com Ele na eternidade, na unidade do Pai e do Espírito.
Talvez você já procurou ajuda em vários lugares, e ainda continua precisando de ajuda. Deus é a única solução para os nossos problemas. Por isso, preste muita atenção ao que lhe digo: Deus tem um plano para você. Deixe-se atingir pelo amor de Deus.
“Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo 1,12-13). Deus o ama e tem um plano maravilhoso para sua vida: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16).
O homem é pecador e está separado de Deus: “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Rm 3,23).
Jesus Cristo é a única solução de Deus para o homem: “E o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1Jo 1,7). Precisamos receber a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, por meio de um convite pessoal à conversão: “Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa” (Ap 3,20). Por isso, não resista! Abra a sua porta e receba a Jesus como o seu Senhor.
A nossa natureza original é a santidade. No entanto, muitas vezes não cuidamos da nossa vida espiritual e, devido à falta de atenção nesta área, somos atacados por uma série de problemas em nossa vida. Saiba que a única solução para os problemas desta vida está em Cristo. Precisamos nascer de novo, nascer de Deus! Para que isto aconteça você precisa receber a Jesus Cristo. Não deixe para depois. O momento é agora!
Declare em voz alta: “Senhor Jesus, eu preciso de Ti. Abro a porta do meu coração e da minha vida. Te recebo como meu Senhor e Salvador. Perdoa meus pecados e escreve meu nome no Livro da Vida. Desejo teu plano na minha vida. Amém”.
Padre Bantu Mendonça
Fonte: Canção Nova em 18/03/2012

Oração Final
Pai Santo, dá-nos o dom da gratidão. Que jamais nos esqueçamos do teu Amor generoso e fiel, capaz de oferecer-nos o teu Filho Unigênito, o Cristo que se fez homem em Jesus de Nazaré, que nos deu tudo, até a vida, simplesmente por Amor. Pelo mesmo Cristo Jesus, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 18/03/2012

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, dá-nos o dom da gratidão. Que jamais nos esqueçamos do teu Amor generoso e fiel, capaz de oferecer-nos o teu Filho Unigênito, o Cristo que se fez homem em Jesus de Nazaré. Ele nos deu tudo, até a vida, simplesmente por Amor. Pelo mesmo Cristo Jesus, que contigo reina na unidade do Espírito Santo. Amém.
http://arquidiocesebh.org.br/para-sua-fe/espiritualidade/meu-dia-em-oracao/4o-quaresma-deus-e-rico-em-misericordia/