terça-feira, 17 de setembro de 2013

BOA NOITE!!! - Trouxe flores para alegrar a sua noite!

Maria e o Anjo! - VÍDEOS

Na Lingua dos Anjos - VÍDEO

"Sou teu anjo +anjo da guarda"- Anjos de Resgate - VÍDEO

Rosário de São Miguel ou Terço dos Anjos (Completo) São Miguel, DEFENDEI-NOS NESTE COMBATE!! - VÍDEO


"A família está convocada a ser templo, ou seja,
casa de oração: uma oração singela, cheia de esforço e ternura.
Uma oração que se faz vida, para que toda a vida se converta em
oração." BEATO JOÃO PAULO II


Dia da semana: Terça-feira - Dedicado aos: Santos - Anjos - Senhor, Põe Teus Anjos Aqui



São Gabriel com Maria,
São Rafael com Tobias,
São Miguel com todas as
hierarquias, abri para nós esta via.




Você sabia que:


O Arcano São Rafael é o Patrono dos médicos e dos viajantes, pois foi enviado por Deus a ajudar a Tobias, quem estava cego.

Podcast - Ouça a história do santo do dia

Podcast

Podcast - Ouça a Homilia do Evangelho do dia

Podcast

Homilia do dia

Lucas 7,11-17

Homilia
Data
09/17/13
09/16/13
09/15/13

Podcast - Ouça o Evangelho do Dia

Podcast

Evangelho do dia

Lucas 7,11-17

Evangelho
Data
09/17/13
09/16/13
09/15/13

TERÇOS – VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
 

TERÇO DA FÉ
 

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Mensagens diárias prá vc

Terço - Mistérios Dolorosos - Terça-feira e Sexta-Feira.


Terço do Rosário: Mistérios Dolorosos




BOA TARDE! - "O louvor de Deus cantemos com fervor no coração, pois agora a hora sexta nos convida à oração. "


O louvor de Deus cantemos
com fervor no coração,
pois agora a hora sexta 
nos convida à oração.

Nesta hora foi-nos dada
gloriosa salvação
pela morte do Cordeiro,
que na cruz trouxe o perdão.

Ante o brilho de tal luz
se faz sombra o meio-dia.
Tanta graça e tanto brilho
vinde haurir, com alegria.

Seja dada a glória ao Pai 
e ao Unigênito também,
com o Espírito Paráclito,
pelos séculos. Amém.

Liturgia das Horas

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO


Santa Hildegarda - 17 de Setembro

Santa Hildegarda
1098-1179
Hildegarda, descendente de nobre e riquíssima família alemã, nasceu no castelo de Böckekheim, na bela região do rio Reno, em 1098. Como era o costume na época, aos oito anos de idade foi entregue aos cuidados de religiosas, mais especificamente da abadessa Jutta, do convento das monjas beneditinas. Lá, recebeu os primeiros fundamentos dos ensinamentos de Cristo, aprendendo o desapego que deveria ter com as coisas e vaidades mundanas.

São Roberto Belarmino - 17 de Setembro





São Roberto Belarmino grande santo jesuíta

Celebramos o grande santo jesuíta, Belarmino, que nasceu em Montepulciano, no centro da Itália, em 1542. Querido pelos pais e de muitas qualidades, era irmão de cinco religiosos, dentre os doze, que enriqueciam a família dos dedicados pais.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 17/09/2013

17 de Setembro de 2013

Ano C


Lc 7,11-17

Comentário do Evangelho

A iniciativa é de Jesus, provocada pela sua compaixão.

O relato do evangelho é próprio a Lucas. Inspira-se em 1Rs 17,8-24, no episódio do filho de uma viúva, em Sarepta.
Jesus vai para Naim, pequeno vilarejo entre Cafarnaum e a Samaria. É acompanhado de seus discípulos e de grande multidão (v. 11). Às portas da cidade Jesus e seus discípulos se encontram com outro grupo: “levavam um morto para enterrar, um filho único, cuja mãe era viúva. Uma grande multidão da cidade a acompanhava” (v. 12). O paralelo é evidente: os dois grupos caminham em direções opostas; o primeiro segue um homem poderoso em gestos e palavras, o segundo grupo, um morto. Até este ponto a descrição da cena e dos personagens é puramente objetiva. De repente somos surpreendidos por uma focalização interna, a menção da compaixão de Jesus: “Ao vê-la, o Senhor encheu-se de compaixão por ela e disse: ‘Não chores!’” (v. 13). A iniciativa é de Jesus, provocada pela sua compaixão. A palavra de Jesus permite entrar no coração das pessoas. É por Jesus que somos informados do sofrimento da mulher: “não chores mais” (v. 13) e a idade do morto: um “jovem” (v. 14). Não é da morte que Jesus tem compaixão, nem do morto, mas da pessoa que sofre. O acento de todo o episódio é posto em Jesus, sobre sua compaixão e sua palavra poderosa. Nomeando Jesus como senhor no versículo 13, o narrador nos informa que se trata do Senhor da vida que se dirige à viúva.
Nesta passagem não é a morte nem o morto que importam, nem mesmo o retorno à vida, mas que uma mãe já viúva tenha perdido o seu filho único. O retorno à vida não é o objetivo da iniciativa de Jesus. Mas, a consolação da mãe que chora. A ação de Jesus termina com uma observação: “E Jesus o entregou à sua mãe” (v. 15b). O texto apresenta uma transformação que se dá não somente pelo retorno de um jovem à vida, mas das duas multidões que, primeiramente separadas, são reunidas, num segundo momento, no louvor a Deus. A passagem de Jesus por Naim possibilita um duplo reconhecimento, a saber, da identidade de Jesus (Profeta) e da visita salvífica de Deus (cf. v. 16).
Lucas situou o episódio do filho da viúva de Naim antes do da mulher pecadora (7,36-50). A razão: ele quer ir da morte física à espiritual, da ressurreição física à espiritual. Procedimento semelhante ele utilizará com relação aos dois tipos de cegueira (18,35-43; 19,1-10).
Carlos Alberto Contieri, sj

Vivendo a Palavra

Nenhum pedido foi feito a Jesus. A expectativa de um milagre não estava em cogitação. O Mestre não apenas devolve à vida o filho da viúva – Ele toma a iniciativa. Este é o exemplo legado para a sua Igreja. Que nós saibamos sair do comodismo para socorrer os irmãos necessitados, os pobres abandonados.

Reflexão

Os milagres que Jesus realiza não possuem uma finalidade em si, mas são a expressão de uma realidade maior. Quando vemos o caso do Evangelho de hoje, percebemos duas coisas: primeiro: o nosso Deus é o Deus da vida e da vida em abundância, e tem poder sobre a morte; segundo: o que motiva Jesus a agir é a compaixão com os que sofrem, e isso nos mostra um aspecto muito importante da sua missão, que é a solidariedade com os mais pobres e necessitados. E tudo isso nos revela que Deus veio visitar o seu povo, ser solidário com ele, e esta notícia precisa ser espalhada para todos os homens a fim de que todos possam perceber a presença amorosa de Deus em suas vidas.

Meditação

Já viveu a experiência de ter que dizer a alguém que recobre ânimo, que se levante? - Você consegue ver desafios nas dificuldades e barreiras da vida? - Busca forças em Deus? - Você pode dizer que serve de apoio aos que, a seu lado, estão caindo? - Consegue manter o ânimo? - Sabe fazer-se presente?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.

REFLEXÕES DE HOJE

17 de SETEMBRO – TERÇA


1 - Os milagres que Jesus -Alexandre Soledade

2 - “O SENHOR DA VIDA” -Diac. José da Cruz

3 - “AO VÊ-LA, O SENHOR SENTIU COMPAIXÃO PARA COM ELA...” - Olívia Coutinho

4 - JESUS DEVOLVE A VIDA AO FILHO DA VIÚVA - José Salviano

5 - “Deus veio salvar o seu povo” – Claudinei M. Oliveira

6 - A viúva de Naim - Helena serpa

7 - O caixão é o nosso coração - Helena Serpa

8 - LEVANTA-TE!-Professor Isaías da Costa

9 - Jovem, eu te ordeno, levanta-te! - Claretianos


Pelo caminho reto... (Sl 101 [100])
O homem é um andarilho sobre a terra. Mesmo depois de abandonar a vida nômade dos beduínos e tuaregues, fixando-se em aldeias e cidades, ele prossegue uma peregrinação interior. Homo viator, ele sabe intimamente que está de passagem...
O apóstolo Paulo insiste neste aspecto da transitoriedade humana: “Sabemos, com efeito, que ao se desfazer a tenda que habitamos neste mundo, recebemos uma casa preparada por Deus e não por mãos humanas, uma habitação eterna, no céu. [...] Sabemos que todo o tempo que passamos no corpo é um exílio longe do Senhor”. (2Cor 5,1.6b)
No entanto, nosso exílio ou peregrinação exige um rumo a seguir. Não podemos caminhar em círculos como Israel em seu êxodo, nem caminhar para a ruína como os soldados de Faraó incursionando no mar.
Por isso mesmo, o Salmo 1 – esse magnífico pórtico de entrada para o Saltério – nos posiciona diante de uma encruzilhada, com dois caminhos opcionais: o caminho da vida e o caminho da morte. No primeiro, somos como árvores plantadas à beira das águas, com uma folhagem que não murcha e frutos na estação adequada. No segundo caminho, acabaríamos como palha seca arrastada pelo vento do deserto.
A Bíblia não foi escrita por sonhadores que caminhavam sobre as nuvens; ao contrário, seus redatores inspirados tinham os pés bem firmes sobre a terra da qual foram modelados. Assim, ao falar da trajetória espiritual dos homens, o verbo “caminhar” lhes ocorre com naturalidade. E não caminhamos sozinhos, pois Deus caminha conosco.
“Eu sou o Deus Todo-poderoso. Caminha em minha presença e sê íntegro. Quero fazer-te o dom de minha aliança entre mim e ti, e multiplicarei ao extremo a tua descendência.” Em pleno Êxodo, Deus ainda é companheiro de caminhada: “O próprio Senhor caminhava à frente deles: de dia, numa coluna de nuvens para abrir-lhes o caminho; à noite, numa coluna de fogo para os iluminar”. (Ex 13,21)
Nosso tempo traz a marca da dúvida sistemática, do pragmatismo, do relativismo e do cinismo. Apesar disso – ou exatamente por isso! – a Igreja cristã não pode calar o que lhe foi revelado: não é indiferente optar por um caminho ou por outro. Nossa escolha traz consequências para o tempo e para a eternidade. Basta pensar na História – o tempo dos homens – e verificar o resultado de escolhas que nos roubaram a paz.
Isaías disse: “Os caminhos da paz eles não conhecem, a justiça não está no seu trajeto, fazem para si trilhos cheios de curvas, quem por eles passa não conhece a paz”. (Is 59,8)
Orai sem cessar: “Mostra-me, Senhor, os teus caminhos!” (Sl 25,4)
Texto de  Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br
Jesus, liberte nossos jovens que são vítimas das drogas!
Que as palavras de Jesus cheguem ao coração dos nossos jovens, libertando-os do mal das drogas, um dos maiores males deste século.
Jesus ordenou aos que carregavam o caixão que parassem. Então, o Senhor disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” (cf. Lc 7,14).
Meus irmãos e minhas irmãs, a Palavra de Deus nos mostra, hoje, a situação dessa pobre mãe viúva e agora mãe de um filho único; e este mesmo está no caixão, morto. Que sofrimento, que dor no coração dessa mãe! E o Senhor Jesus é movido por compaixão: primeiro, Ele ordena à mulher: “Não chores!”.
A ordem que Jesus dá hoje a essa mulher, viúva de Naim, é a ordem que o Senhor quer dar ao coração de tantas mães que choram, que sofrem, que se angustiam, que passam pela dor e pela aflição por causa de seus filhos.
Seus filhos já morreram, já foram para a casa do Pai, ou estão morrendo. Estão morrendo porque estão longe de Deus, porque estão no caminho da perdição, porque estão no caminho das drogas e se entregaram para aquilo que é um dos maiores males deste século.
Eu digo que se tem um mal que o inimigo lançou hoje na humanidade para perder e perverter os filhos e as filhas de Deus, esse mal se chama drogas. Toda e qualquer espécie de drogas.
O alcoolismo é um mal terrível. Infelizmente, tira a sobriedade do coração dos homens e das mulheres. Mas se não bastasse o alcoolismo que deixa tantas pessoas dependentes dele, existe um mal mais terrível ainda que se chama drogas.
Na verdade, os nossos jovens são vítimas deste mal que faz com que eles percam o rumo, a direção. Os jovens são escravizados. Sobretudo, a vontade e o coração. Uma vez que se torna dependente, é difícil se recuperar. Como nossos jovens perdem a direção e o caminho da vida! Mas o mesmo Jesus que diz à mãe: “Não chores”, está dizendo a esta mesma: “Confie, mulher, a graça de Deus pode fazer algo pelo seu filho”. O mesmo Jesus que se volta para o jovem e diz: “Eu te ordeno, levanta-te, sai dessa situação”.
Oremos, meus filhos, por nossos jovens. Não percamos a esperança! Sejamos portadores dessa ordem divina ao coração de qualquer jovem que está se perdendo por esse males terríveis que se chamam drogas e álcool.
A ordem de Jesus é: “Saia! Levanta-te!” Que as palavras de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo cheguem ao coração dos nossos jovens, libertando-os deste mal.
Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter

Lc 7,11-17 - O toque e a Palavra da vida



Preparo-me para a Leitura Orante, rezando a bênção bíblica:
A bênção do Deus de Sara, Abraão e Agar,
a bênção do Filho, nascido de Maria,
a bênção do Espírito Santo de amor,
que cuida com carinho,
qual mãe cuida da gente,
esteja sobre todos nós. Amém!
Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Leio de forma pausada e atenta a Palavra em Lc
7,11-17.
Pouco tempo depois Jesus foi para uma cidade chamada Naim. Os seus discípulos e uma grande multidão foram com ele. Quando ele estava chegando perto do portão da cidade, ia saindo um enterro. O defunto era filho único de uma viúva, e muita gente da cidade ia com ela. Quando o Senhor a viu, ficou com muita pena dela e disse:
- Não chore.
Então ele chegou mais perto e tocou no caixão. E os que o estavam carregando pararam.
Então Jesus disse:
- Moço, eu ordeno a você: levante-se!
O moço sentou-se no caixão e começou a falar, e Jesus o entregou à mãe. Todos ficaram com muito medo e louvavam a Deus, dizendo:
- Que grande profeta apareceu entre nós! Deus veio salvar o seu povo!
Essas notícias a respeito de Jesus se espalharam por todo o país e pelas regiões vizinhas.

Na estrada, de Cafarnaum à Samaria, fica Naim. Jesus encontra, perto da cidade, este funeral: o filho único de uma viúva. O texto diz que Jesus "ficou com muita pena dela", da mãe. Primeiro, a consola: "Não chore!" Depois chegou mais perto do caixão e os que carregavam o defunto, pararam. E "tocou" o caixão. Em seguida, deu a ordem de vida: "Moço, eu ordeno a você: levante-se!" O moço sentou-se e começou a falar. Jesus o ressuscitou! E o entregou à sua mãe. O toque de Jesus com sua mão é um toque de vida. Acrescente-se a este gesto, a sua Palavra.

2. Meditação(Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Posso me perguntar tantas coisas.
Jesus, pela sua Palavra e pela Eucaristia é Deus conosco, "todos os dias", como garante ele próprio?( Cf Mt 28,20).
Como acolho este "toque", mais que isso: esta vinda de Jesus a mim pela comunhão?
Creio que ele pode ressuscitar aquilo que está fraco e até, de certa forma, morto em mim?
Os Bispos na V Conferência, afirmaram: "Nossos povos não querem andar pelas sombras da morte. Têm sede de vida e de felicidade em Cristo. Buscam-no como fonte de vida. Desejam essa vida nova em Deus, para a qual o discípulo do Senhor nasce pelo batismo e renasce pelo sacramento da reconciliação. Procuram essa vida que se fortalece, quando é confirmada pelo Espírito de Jesus e quando o discípulo renova sua aliança de amor em Cristo, com o Pai e com os irmãos, em cada celebração eucarística. Acolhendo a Palavra de vida eterna e alimentados pelo Pão descido do céu, quer viver a plenitude do amor e conduzir todos ao encontro com Aquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida." (DAp 350).

3. Oração (Vida)
- O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Rezo com o Sa
lmista:
Senhor, tu me mostras o caminho que leva à vida.
A tua presença me enche de alegria e
Me traz felicidade para sempre. (Sl 16,11).

4. Contemplação(Vida/ Missão)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Hoje, nos momentos bons e também nos mais complicados terei esta certeza: Deus está aqui. O Senhor dirige a minha vida! Meu futuro está nas suas mãos. (Sl 16,5)

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, não permitas que a certeza de teu infinito Amor nos acomode e nos leve a esquecer as dores dos irmãos. Faze-nos fraternos, solidários, generosos e prontos para cuidar dos despojados que estão à margem do caminho. Por Jesus, o Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.