sábado, 8 de junho de 2013

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO

LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Oração desta Hora

Terço - Mistérios Gloriosos - Quarta-Feira e Domingo


Terço do Rosário: Mistérios Gloriosos




X Domingo do Tempo Comum (Ano C)


X Domingo do Tempo Comum (Ano C)

Leituras e subsídios para a homilia:

LITURGIA DIÁRIA - O Domingo – Crianças

09 de junho – MISSA DO 10º DOMINGO DO TEMPO COMUM

HOMÍLIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 09/06/2013

9 de Junho de 2013

Ano C


Lc 7,11-17

Comentário do Evangelho


o Senhor encheu-se de compaixão

O relato do evangelho é próprio a Lucas. Inspira-se em 1Rs 17,8-24, no episódio do filho de uma viúva, em Sarepta.
Jesus vai para Naim, pequeno vilarejo entre Cafarnaum e a Samaria. É acompanhado de seus discípulos e grande multidão (v. 11). Às portas da cidade, Jesus e seus discípulos se encontram com outro grupo: “... levavam um morto para enterrar, um filho único, cuja mãe era viúva. Uma grande multidão da cidade a acompanhava” (v. 12). O paralelo é evidente: os dois grupos caminham em direções opostas; o primeiro segue um homem poderoso em gestos e palavras, o segundo grupo, um morto. Até este ponto a descrição da cena e dos personagens é puramente objetiva. De repente somos surpreendidos por uma focalização interna, a menção da compaixão de Jesus: “Ao vê-la, o Senhor encheu-se de compaixão por ela e disse: ‘Não chores!’” (v. 13). A iniciativa de Jesus é provocada pela sua compaixão. A palavra de Jesus permite entrar no coração das pessoas. É por Jesus que somos informados do sofrimento da mulher: “Não chores” (v. 13), e da idade do morto: um “jovem” (v. 14). Não é da morte que Jesus tem compaixão, nem do morto, mas da pessoa que sofre. O acento de todo o episódio é posto em Jesus, sobre sua compaixão e sua palavra poderosa. Nomeando Jesus como senhor no versículo 13, o narrador nos informa que se trata do Senhor da vida que se dirige à viúva.
Nesta passagem não é a morte nem o morto que importam, nem mesmo o retorno à vida, mas que uma mãe já viúva tenha perdido o seu filho único. O retorno à vida não é o objetivo da iniciativa de Jesus, mas a consolação da mãe que chora. A ação de Jesus termina com uma observação: “E Jesus o entregou à sua mãe” (v. 15b). O texto apresenta uma transformação que se dá não somente pelo retorno de um jovem à vida, mas das duas multidões que, primeiramente separadas, são reunidas, num segundo momento, no louvor a Deus. A passagem de Jesus por Naim possibilita um duplo reconhecimento, a saber: da identidade de Jesus (Profeta) e da visita salvífica de Deus (cf. v. 16).
Lucas situou o episódio do filho da viúva de Naim antes do da mulher pecadora (7,36-50). A razão: ele quer ir da morte física à espiritual, da ressurreição física à espiritual. Procedimento semelhante ele utilizará com relação aos dois tipos de cegueira (18,35-43; 19,1-10)
Carlos Alberto Contieri, sj

Vivendo a Palavra


Dois jovens ressuscitam: um pela intercessão de Elias, outro pelo poder de Jesus. A contemplação desses sinais deve nos levar a compreender nossa missão de Igreja do Senhor: nossa fé deve ajudar a curar, a libertar, a ressuscitar, a trazer alegria e esperança aos que estiverem próximos de nós.


Ambientação:

Sejam bem-vindos amados irmãos e irmãs!

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: Eucaristia é a festa da vida. É a celebração da compaixão do Senhor. A compaixão foi distintivo do modo de proceder de Jesus. Onde houvesse sofredores, ali estava para trazer consolo e recuperar a alegria. Jamais um ser humano necessitado cruzou-lhe o caminho, passando despercebido. Pelo contrário, chamava-lhe a atenção e era socorrido. A compaixão deve ser, também, o traço característico da ação do discípulo do Reino. A rispidez e a dureza no trato como semelhante, especialmente os mais fracos e carentes, indicam ruptura com o projeto de Jesus. No sentido contrário, quanto maior for a misericórdia e a capacidade de solidarizar-se tanto mais profunda e sincera será a adesão ao Reino. Por isso, peçamos nesta Eucaristia, a força para que sejamos mais compassivos, prontos a encarnar o amor do Pai no trato com a humanidade sofredora.

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: Neste domingo, somos chamados a contemplar o Cristo, apontado pelo Evangelho como o "grande Profeta que apareceu entre nós", para nos fazer crer que Deus visitou o seu povo e nos arrancou das trevas da morte, colocando-nos no eixo da vida. É por isso que a vocação cristã implica numa permanente disposição para a missão, pois todos necessitam da vida nova trazida por Jesus. Foi por essa causa que o Beato José de Anchieta se entregou à missão em terras brasileiras e hoje merece a honra dos altares.

INTRODUÇÃO DO WEBMASTER: O Cristo mediador perfeito de salvação é o Cristo vencedor da morte. Para Lucas, a ressurreição do jovem de Naim (evangelho) é sinal da chegada dos tempos messiânicos. Com esta finalidade constrói sua narrativa calcada sobre o milagre de Elias (1ª leitura), mostrando, por uma série de particularidades, a infinita superioridade de Jesus.

Sintamos em nossos corações a alegria da Ressurreição e entoemos alegres cânticos ao Senhor!

10º Domingo do Tempo Comum — ANO C


COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...

1. O SENHOR DA VIDA
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Jesus não ressuscitou muita gente naquele tempo, os evangelhos mencionam apenas três: Lázaro de Betania, irmão de Marta e Maria, a filhinha de Jairo, Chefe da Sinagoga, e o filho da viúva de Naim, que Lucas narra no evangelho desse domingo.

Conclui-se, portanto, que não era propósito de Jesus libertar e salvar os homens da morte biológica, pois se fosse assim, sua missão teria sido um fracasso já que ressuscitou apenas esses três e nem José, seu pai adotivo, ele teria conseguido livrar da morte. Há ainda outra questão importante a ser considerada: que vantagem teria se ressuscitar fosse apenas retornar a esta vida, com todas as suas limitações e aprendizado, suas angústias e tribulações? Por acaso não iríamos morrer novamente, como o próprio Lázaro, a filha de Jairo e o moço que Jesus ressuscita nesse evangelho? Não, não valeria a pena, com toda certeza!

Essa vida nova que Cristo nos dá, através de sua paixão, morte e ressurreição, é infinitamente melhor e superior a esta existência terrena, a ponto do apóstolo Paulo afirmar em uma de suas cartas “os sofrimentos do tempo presente nem se comparam àquilo que Deus irá nos revelar”, ou ainda “o que vemos hoje é como se fosse em um espelho, mas depois nos veremos como de fato o somos”.

A chave que decifra esse mistério da Vida e da morte está precisamente em Cristo, nele o Pai não só se revela, mas revela também quem é o homem. A graça de Deus que em Cristo recebemos nos faz criaturas novas onde o mistério é iluminado pela luz da Fé.

Essa grande e feliz Verdade chegou até nós por causa do evangelho, anunciado pelo próprio Cristo – filho de Deus feito homem, que ao trazer-nos a Boa Nova permitiu-nos conhecer a Deus, descobrindo o sentido da nossa vida na Vida de Cristo, onde todos os limites humanos foram superados, ao dar-nos acesso a Deus, rompendo para sempre a barreira do pecado.

Sem este anúncio e esta graça, a nossa esperança por uma Vida Nova, seria vã, não passaria de uma grande utopia, uma fantasia e ilusão que um belo dia chegaria ao seu final, mas o homem que vive pela fé, a comunhão com Cristo, sabe em seu coração que não caminha para o fracasso da morte e esta esperança viva é que dá a esta vida terrena um sentido novo.

Portanto, nossa Vida está em Cristo porque nele nos movemos e somos, sem ele, nossa caminhada terrena não passa de um cortejo fúnebre, onde somos como um morto vivo, caminhando para a ruína da morte biológica, para ser devorado pela terra.

A vida do homem que tomou a decisão de viver sem Deus, ignorando esta Salvação e Libertação oferecida por Jesus, é muito triste, porque ele se ilude com toda pompa que esta vida oferece, satisfazendo seus desejos egoístas, colocando toda sua esperança nas coisas que passam, e no final, descobre que foi enganado, quando percebe que caminha para a morte. Mas nunca é tarde para reverter esse quadro doloroso, pois, para quem caminha assim, como se fosse um corpo sem vida, irradiando tristeza e dor aos que o acompanham, o evangelho desse domingo anuncia algo maravilhoso: no sentido contrário, vem chegando Cristo Jesus, Senhor da Vida, aquele que movido de compaixão, como na entrada da cidade de Naim, irá dizer a viúva e aos que a seguiam no enterro de seu filho: não chores!

Hoje há tantas mães caminhando tristes, levando seus filhos para a sepultura, há tanta gente caminhando cabisbaixa, sem uma perspectiva de vida e sem esperança no coração. Não chores mais – diz o Senhor, que ao tocar no esquife, que são as misérias do homem, dirá com firmeza “Moço, eu te ordeno, levanta-te!”.

E diante de sua palavra libertadora e restauradora, o homem renasce e se torna uma nova criatura, só Cristo é a nossa vida, só ele tem a palavra de ordem, capaz de nos levantar de todos os nossos pecados que querem nos arrastar inexoravelmente para a morte. Longe de Deus e da sua Salvação oferecida por Jesus, iremos fatalmente morrer, mas com ele teremos a Vida Eterna, que extrapola os nossos limites e nos reconduz ao paraíso da plenitude, resgatando a nossa imagem e semelhança com que fomos criados por Deus.

É missão nossa como Igreja anunciar a toda criatura esta vida que vem de Jesus, mas isso só será possível se como ele, tivermos no coração essa compaixão, que nos leve a sofrer e chorar com quem sofre e chora, onde um sorriso, um abraço, uma palavra de consolo ou um gesto de caridade, sempre feito em nome de Jesus, terá a mesma força de sua palavra libertadora, capaz de levantar quem se julga morto. O cristão, como qualquer ser humano, também pranteia seus mortos, mas a diferença está naquilo que ele espera: a plenitude da Vida, reservada aos que crêem que esta vida é uma peregrinação para a casa do Pai, predestinados que fomos desde toda a eternidade.
José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP

2. O Senhor encheu-se de compaixão
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Carlos Alberto Contieri, sj - e disponibilizado no Portal Paulinas)
VIDE ACIMA
ORAÇÃO
Pai, torna-me sensível ao sofrimento e à dor de cada pessoa que encontro no meu caminho. Que a minha compaixão se demonstre com gestos concretos.

3. A VIDA RESTAURADA
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

A ressurreição do filho único da viúva de Naim revela Jesus como o Messias, prenunciado pelos profetas, restaurador da vida fragilizada pelo pecado. Esta será uma chave de leitura importante de seu ministério.

O profeta Elias havia ressuscitado o filho de uma pobre viúva, que lhe havia dado de comer, num tempo de seca e de carestia. A expectativa da volta desse profeta, no fim dos tempos, levava muitos a nutrir a esperança de que ele realizaria a mesma sorte de milagres. No apocalipse de Isaías, os habitantes do pó - os mortos - são convocados para despertar e se alegrar, já que, pela força de Deus, os defuntos reviverão e os cadáveres ressurgirão. Estes e outros textos do Antigo Testamento levavam os judeus a esperar uma era messiânica, na qual haveria uma ressurreição geral de todos os justos de Israel.

O milagre evangélico projeta-se neste pano de fundo. Em Jesus, as esperanças messiânicas atingem seu pleno cumprimento. Ele é o Messias esperado. Mas, seu modo de ser superava em muito os esquemas messiânicos acalentados pela piedade popular. Tinham razão as testemunhas do milagre, quando proclamaram: "um grande profeta surgiu entre nós, e Deus visitou seu povo!" Entre eles, porém, estava o Filho querido do Pai, com a missão de oferecer vida nova à humanidade. O rapaz ressuscitado tornava-se um símbolo desta realidade.
Oração
Espírito que gera vida, ajuda-me a reconhecer, em Jesus, o Messias enviado pelo Pai, para comunicar vida à humanidade.

09.06.2013
10º Domingo do Tempo Comum — ANO C
(
VERDE, GLÓRIA, CREIO – II SEMANA DO SALTÉRIO)

__ "Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio salvar o seu povo" __

EVANGELHO DOMINICAL EM DESTAQUE

APRESENTAÇÃO ESPECIAL DA LITURGIA DESTE DOMINGO
FEITA PELA NOSSA IRMÃ MARINEVES JESUS DE LIMA

VÍDEO NO YOUTUBE




APRESENTAÇÃO POWERPOINT

Clique aqui para ver ou baixar o 
PPS.

(antes de clicar - desligue o som 
desta página clicando no player 
acima do menu à direita)

http://www.npdbrasil.com.br/religiao/evangelho_do_dia_semana.htm#d8

9 de junho: 10º domingo do tempo comum

JESUS REVELA O ROSTO DE DEUS
Mediante sua mensagem e sua ação, Jesus nos revela o rosto misericordioso e compassivo de Deus. O Deus da vida, pela prática do seu Filho, vem em socorro da viúva que perde o único filho, a sua última esperança. A bondade de Jesus não se reveste de caráter puramente sentimental, mas é sobretudo força que faz viver: “Jovem, levanta-te”. Deus manifesta o seu amor e ternura nas ações de Jesus em favor das pessoas sofridas e marginalizadas, resgatando-lhes a dignidade e a alegria de viver.
A viúva de Naim representa a humanidade necessitada da proteção divina na luta pela vida. Conforme o salmista, Deus é o protetor das viúvas e caminha à sua frente (Sl 68,6). Ao ver a viúva, Jesus sente compaixão por ela e lhe diz: “Não chores”. Ele é capaz de perceber e sentir quando alguém está sofrendo e vem ao encontro da dor humana.
Há muitas pessoas e organizações que, em nome do Deus de Jesus, continuam realizando as mesmas ações do Mestre. É gratificante ver grupos empenhados em achar caminhos para evitar que corpos jovens sejam friamente eliminados. Esses gestos de carinho e de resgate da dignidade atestam que Deus continua visitando seu povo.
Continuamos vendo, em nossos dias, mães perdendo o “filho único” por causa das drogas, do trânsito assassino, da violência. Muitos corpos ainda jovens, com energia, vigor e uma vida pela frente, estão sendo ceifados pela morte prematura. Infelizmente nossa sociedade continua “roubando” filhos de mães e viúvas sem perspectivas de futuro.
Jesus é o rosto do Deus que ama a vida e se põe ao lado daqueles que a têm ameaçada. A Igreja, fiel ao Mestre, firma posição junto daqueles que estão com a vida em perigo. Seguir os passos de Jesus significa trilhar o mesmo caminho e assumir as mesmas atitudes.
A todos os que vivem o drama da dor e do sofrimento sem saída, somos convidados a anunciar – em Jesus Cristo e com gestos de solidariedade – a esperança e o otimismo de viver.
Pe. Nilo Luza, ssp 
 Que Jesus ressuscite a nossa juventude
Há uma juventude, no mundo inteiro, precisando de auxílio, de socorro e da mão de Deus. Levemos Jesus para que Ele ressuscite a nossa juventude, para que Ele, realmente, tire os nossos jovens do túmulo onde eles se encontram e lhes dê a vida.
Hoje, Jesus faz um milagre maravilhoso na pequena cidade de Naim. Era ali que uma viúva se encontrava chorando, aflita, porque o seu filho muito jovem havia morrido. Por isso tamanho choro, tamanha dor que essa mãe vivia.
O Senhor teve compaixão dela e lhe disse: “Não chores!”. Ele tocou no caixão que as pessoas carregavam e disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!”. E o jovem levantou-se para a alegria daquela mãe, para maior glória de Deus.
No meio de nós, quantos jovens estão prostrados, estão como que mortos! Que tristeza isso causa no coração das mães, ver que as drogas estão matando seus filhos, vendo que os vícios, o mal deste mundo, a rebeldia dos nossos jovens têm afastado muitos deles da família e, em consequência, de Deus, da bondade. Uma rebeldia que toma conta do coração de muitos. Nós vemos, a cada dia, milhões de jovens morrerem pela opressão das drogas, da Aids, da violência, dos males deste mundo.
Sabe mãe, deixe-me consolar seu coração de mulher de Deus, pois o Senhor está contigo! Assim como a viúva de Naim recorreu a Jesus para que Ele fizesse algo pelo filho dela, Jesus quer fazer também por seu filho. Recorra a Ele, peça a Jesus que toque naquele caixão onde seu filho se encontra, envolto nos males desse mundo, afastado da casa de Deus.
A graça maior que tenho para testemunhar são milhares e milhares de jovens, no mundo inteiro, que ressuscitam, a cada dia. Milhares de jovens que estarão, daqui a poucos dias, no Rio de Janeiro, para louvar a Deus na Jornada Mundial da Juventude.
Há uma juventude, no mundo inteiro, precisando de auxílio, de socorro e da mão de Deus. Levemos Jesus para que Ele ressuscite a nossa juventude, para que Ele, realmente, tire os nossos jovens do túmulo onde eles se encontram e lhes dê a vida.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo – Comunidade Canção Nova
http://homilia.cancaonova.com/homilia/que-jesus-ressuscite-a-nossa-juventude/
LEITURA ORANTE

Lc 7,11-17 - Jesus ressuscita o filho da viúva



Preparo-me para a Leitura Orante, rezando a bênção bíblica:
A bênção do Deus de Sara, Abraão e Agar,
a bênção do Filho, nascido de Maria,
a bênção do Espírito Santo de amor,
que cuida com carinho,
qual mãe cuida da gente,
esteja sobre todos nós. Amém!
Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Leio de forma pausada e atenta a Palavra em Lc 7,11-17.

Pouco tempo depois Jesus foi para uma cidade chamada Naim. Os seus discípulos e uma grande multidão foram com ele. Quando ele estava chegando perto do portão da cidade, ia saindo um enterro. O defunto era filho único de uma viúva, e muita gente da cidade ia com ela. Quando o Senhor a viu, ficou com muita pena dela e disse:
- Não chore.
Então ele chegou mais perto e tocou no caixão. E os que o estavam carregando pararam.
Então Jesus disse:
- Moço, eu ordeno a você: levante-se!
O moço sentou-se no caixão e começou a falar, e Jesus o entregou à mãe. Todos ficaram com muito medo e louvavam a Deus, dizendo:
- Que grande profeta apareceu entre nós! Deus veio salvar o seu povo!
Essas notícias a respeito de Jesus se espalharam por todo o país e pelas regiões vizinhas.

Na estrada, de Cafarnaum à Samaria, fica Naim. Jesus encontra, perto da cidade, este funeral: o filho único de uma viúva. O texto diz que Jesus "ficou com muita pena dela", da mãe. Primeiro, a consola: "Não chore!" Depois chegou mais perto do caixão e os que carregavam o defunto, pararam. E "tocou" o caixão. Em seguida, deu a ordem de vida: "Moço, eu ordeno a você: levante-se!" O moço sentou-se e começou a falar. Jesus o ressuscitou! E o entregou à sua mãe. O toque de Jesus com sua mão é um toque de vida. Acrescente-se a este gesto, a sua Palavra

2. Meditação(Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Posso me perguntar tantas coisas. 
Jesus, pela sua Palavra e pela Eucaristia é Deus conosco, "todos os dias", como garante ele próprio?( Cf Mt 28,20). 
Como acolho este "toque", mais que isso: esta vinda de Jesus a mim pela comunhão? 
Creio que ele pode ressuscitar aquilo que está fraco e até, de certa forma, morto em mim? 
Os Bispos na V Conferência, afirmaram: "Nossos povos não querem andar pelas sombras da morte. Têm sede de vida e de felicidade em Cristo. Buscam-no como fonte de vida. Desejam essa vida nova em Deus, para a qual o discípulo do Senhor nasce pelo batismo e renasce pelo sacramento da reconciliação. Procuram essa vida que se fortalece, quando é confirmada pelo Espírito de Jesus e quando o discípulo renova sua aliança de amor em Cristo, com o Pai e com os irmãos, em cada celebração eucarística. Acolhendo a Palavra de vida eterna e alimentados pelo Pão descido do céu, quer viver a plenitude do amor e conduzir todos ao encontro com Aquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida." (DAp 350).

3. Oração (Vida)
- O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Rezo com o Salmista:

Senhor, tu me mostras o caminho que leva à vida.
A tua presença me enche de alegria e
Me traz felicidade para sempre. (Sl 16,11).

4. Contemplação(Vida/ Missão)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Hoje, nos momentos bons e também nos mais complicados terei esta certeza: Deus está aqui. O Senhor dirige a minha vida! Meu futuro está nas suas mãos. (Sl 16,5)

Bênção

- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
-Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Irmã Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, não permitas que nos tornemos uma Igreja desanimada, acomodada. Em meio às dificuldades da vida, ajuda-nos a manter a alegria, que nasce do encontro contigo, e a esperança, que é a certeza de que somos salvos pelo Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão e contigo reina na unidade do Espírito Santo. 

Confira as cifras do Salmo Dominical 118

09/06/2013 Salmo 29

Responsório (Sl 29)
    D        G           A               G  D                         A       Bm    A
  — Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes, e preservastes minha vida da morte!
    D        G           A               G  D                         A   F#m7  Bm7
  — Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes, e preservastes minha vi--da da morte!
          Bm7         A               Bm7                           A           Bm7 
 Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livraste, e não deixastes rir de mim meus inimigos!
        Em7                    F#m7           G             Em7           A4    A
 Vós tirastes minha alma dos abismos e me salvastes, quando estava já morrendo!
 Cantai salmos ao Senhor, povo fiel, dai-lhe graças e invocai seu santo nome!
  
 Pois sua ira dura apenas um momento, mas sua bondade permanece a vida inteira;
 
 Se à tarde vem o pranto visitar-nos, de manhã vem saudar-nos a alegria.
 Escutai-me, Senhor Deus, tende piedade! Sede, Senhor, o meu abrigo protetor!
 
 Transformastes o meu pranto em uma festa, Senhor meu Deus, eternamente hei de louvar-vos!
  APRENDA A TOCAR O SALMO COM @paulinhodejesus http://blog.cancaonova.com/cliquesom
http://wiki.cancaonova.com/index.php/09/06/2013_Salmo_29

Baixe e Ouça o Salmo Dominical - 29

Salmo Dominical 29 

09 de junho

O canal da música traz para você, na voz da salmista Graça Schelck, missionária da Comunidade Canção Nova, a melodia do Salmo 29, cujo refrão é: 

"Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes e preservastes minha vida da morte!"

Confira:



Produção musical, arranjos e execução - Paulinho de Jesus
Melodia: Graça Schelck e Paulinho de Jesus



Como baixar:
Ao ir para a página do Podcast dos Salmos dominicais, você encontrará, abaixo de cada um deles, uma seta; ao clicar nela você conseguirá baixar o arquivo em MP3.
http://www.cancaonova.com/cnova/ministerio/temp/inf_txt.php?id=2407

LITURGIA DIÁRIA - 09/06/2013




Tema do Dia

«Jovem, eu lhe ordeno, levante-se!»

Ficou doente o filho da dona da casa, e acabou morrendo. Pegando o menino dos braços, Elias o levou até o quarto de cima, onde chamou por Javé: «Ó Javé, faze que este menino ressuscite!» Javé atendeu à súplica, e o menino ressuscitou.
(1Rs 17,17-24)

Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda 
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos 
a vida eterna. Amém.

Verde. 10º DOMINGO Tempo Comum


Primeira Leitura (1Rs 17,17-24)
10ª Domingo do Tempo Comum
 Domingo 09/06/13

Leitura do Primeiro Livro dos Reis:

Naqueles dias, 17sucedeu que o filho da dona da casa caiu doente, e o seu mal era tão grave que ele já não respirava. 18 Então a mulher disse a Elias: “O que há entre mim e ti, homem de Deus? Porventura vieste à minha casa para me lembrares os meus pecados e matares o meu filho?”.
19 Elias respondeu-lhe: “Dá-me o teu filho!” Tomando o menino do seu regaço, levou-o ao aposento de cima onde ele dormia, e o pôs em cima do seu leito. 20 Depois, clamou ao Senhor, dizendo: “Senhor, meu Deus, até a viúva, em cuja casa habito como hóspede, queres afligir, matando-lhe seu filho?”.
21 Depois, por três vezes, ele estendeu-se sobre o menino e suplicou ao Senhor: “Senhor, meu Deus, faze, te rogo, que a alma deste menino volte às suas entranhas”.
22 O Senhor ouviu a voz de Elias: a alma do menino voltou a ele e ele recuperou a vida.23 Elias tomou o menino, desceu com ele do aposento superior para o interior da casa, e entregou-o à sua mãe, dizendo: “Eis aqui o teu filho vivo”. 24 A mulher exclamou: “Agora vejo que és um homem de Deus, e que a palavra do Senhor é verdadeira em tua boca”.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 29)
10ª Domingo do Tempo Comum
 Domingo 09/06/13

(Música igual à faixa 14 do CD)
— Eu vos exalto,/ ó Senhor,/ pois me livrastes,/ e preservastes minha vida da morte!
— Eu vos exalto,/ ó Senhor,/ pois me livrastes,/ e preservastes minha vida da morte!

— Eu vos exalto,/ ó Senhor,/ pois me livraste,/ e não deixastes rir de mim meus inimigos!/ Vós tirastes minha alma dos abismos e me salvastes,/ quando estava já morrendo!
— Cantai salmos ao Senhor, povo fiel,/ dai-lhe graças e invocai seu santo nome!/ Pois sua ira dura apenas um momento,/ mas sua bondade permanece a vida inteira;/ se à tarde vem o pranto visitar-nos,/ de manhã vem saudar-nos a alegria.
— Escutai-me,/ Senhor Deus,/ tende piedade!/ Sede, Senhor,/ o meu abrigo protetor!/ Transformastes o meu pranto em uma festa,/ Senhor meu Deus,/ eternamente hei de louvar-vos!


Segunda Leitura (Gl 1,11-19)
10ª Domingo do Tempo Comum
 Domingo 09/06/13

Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas.

11 Asseguro-vos, irmãos, que o evangelho pregado por mim não é conforme a critérios humanos. 12 Com efeito, não o recebi nem aprendi de homem algum, mas por revelação de Jesus Cristo. 13 Certamente ouvistes falar como foi outrora a minha conduta no judaísmo, com que excessos perseguia e devastava a Igreja de Deus 14 e como progredia no judaísmo, mais do que muitos judeus de minha idade, mostrando-me extremamente zeloso das tradições paternas.
15 Quando, porém, aquele que me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça 16 se dignou revelar-me o seu Filho, para que eu o pregasse entre os pagãos, não consultei carne nem sangue 17 nem subi, logo, a Jerusalém para estar com os que eram apóstolos antes de mim. Pelo contrário, parti para a Arábia e, depois, voltei ainda a Damasco. 18 Três anos mais tarde, fui a Jerusalém para conhecer Cefas e fiquei com ele quinze dias. 19 E não estive com nenhum outro apóstolo, a não ser Tiago, o irmão do Senhor.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Evangelho (Lc 7,11-17)
10ª Domingo do Tempo Comum
 Domingo 09/06/13


Jesus ressuscita o filho da viúva

Pres.: O Senhor esteja convosco.
Ass.: Ele está no meio de nós.
Pres.: PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
Ass.: Glória a vós, Senhor.

Pres.: Naquele tempo, 11 Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim. Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão. 12 Quando chegou à porta da cidade, eis que levavam um defunto, filho único; e sua mãe era viúva. Grande multidão da cidade a acompanhava. 13 Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela e lhe disse: “Não chores!” 14 Aproximou-se, tocou o caixão, e os que o carregavam pararam. Então, Jesus disse: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” 15 O que estava morto sentou-se e começou a falar. E Jesus o entregou à sua mãe. 16 Todos ficaram com muito medo e glorificavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta apareceu entre nós e Deus veio visitar o seu povo”.
17 E a notícia do fato espalhou-se pela Judeia inteira, e por toda a redondeza.




— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.



Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.
Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém