domingo, 14 de abril de 2013

Você sabia que:

A palavra penitência vem da tradução latina do grego metanoia, que significa conversão ou "mudança de espírito".

Podcast - Ouça a história do santo do dia

Podcast

Podcast - Ouça a Homilia do Evangelho do dia

Podcast

Homilia do dia

Joao 6,22-29

Homilia
Data
04/15/13
04/14/13
04/13/13

Podcast - Ouça o Evangelho do Dia

Podcast

Evangelho do dia

Joao 6,22-29

Evangelho
Data
04/15/13
04/14/13
04/13/13

Dia da semana: Segunda-feira Dedicado ao: Espírito Santo - Almas do Purgatório


Consagração ao Espírito Santo

Eu Vos adoro Espírito Santo.

A Vós entrego a minha alma.
Sois a doce Paz do meu espírito.
Sois o Fogo que me consome.
Sois a Luz que me absorve.
Sois a Força que me move.
Sois a Luz que me envolve.
Sois a Luz dos meus olhos.
Em Vós eu mergulho, Divino Amigo.
Em Vós confio e a Vós me consagro.
Entrego minhas forças inteiramente a Vós.
Submeto a minha vida a Vossa Graça.
Dou-Vos o meu coração eternamente e nunca mais o pedirei de novo.
Pelo Coração Imaculado de Maria, no Altar Virginal da Alma de
Maria, entrego a minha vida para que por Vós seja consumida, como
uma doce canção aos Vossos ouvidos.
Como um incenso agradável a Vossa Divindade e como oferenda de
amor a Vós.
Oh! Espírito Santo que pairáveis sobre o mundo no instante da
criação, vinde sobre mim e gerai em mim Jesus Cristo, a Sabedoria
Incarnada, o Verbo Eterno de Deus e a Vida Infinita.
Por Maria, com Maria e em Maria. Amém!

Invocação


Amantíssimo Coração de São José, rogai por nós!

TERÇO PELAS ALMAS

 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO - VÍDEO

Terço do Espírito Santo - VÍDEO

Terço da Fé - VÍDEO

Terço de Cura e Libertação - VÍDEO

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA - VÍDEO

TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO

LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Oração desta Hora

Terço - Mistério Gozosos - Segunda-Feira e Sábado.


Terço do Rosário: Mistérios Gozosos




São Benedito José Labre - 15 de Abril

São Benedito José Labre
Nascimento25 de Maio de 1748
Local nascimentoAmettes (França)
OrdemLeigo Consagrado
Local vidaRoma
EspiritualidadeDe família camponesa, era o primeiro de 15 irmãos. Foi chamado de "Vagabundo de Deus" ou ainda "O Cigano de Cristo". Aos 18 anos, tentou ingressar na Tropa de Santa Aldegonda. Não conseguiu. Caminhou, então, 60 léguas a pé, tentando em vão a sorte com os monges cistercienses de Montagne na Normandia. Passou algumas semanas na Cartuxa de Neuville, outras tantas na abadia cisterciense de Sept-Fons. Aos 22 anos, decidiu, fazer-se peregrino e mendigo. Seu mosteiro seria o mundo inteiro. Levava consigo o Novo Testamento, a Imitação de Cristo e o Breviário. No peito, um crucifixo; no pescoço, um terço; e nas mãos, um rosário. Alimentava-se apenas de um pedaço de pão e de algumas ervas, passando a noite ao relento, rezando e meditando. Em 1770 chegou a Roma, misturou-se aos mendigos. Visitou as principais basílicas, especialmente o Santuário de Loreto, ao qual fez onze peregrinações. Morreu em conseqüência dos maus tratos e da absoluta falta de higiene. Um açougueiro recolheu-o já agonizante, caído na rua, e o levou para sua casa. Ali o "Mendigo de Deus" morreu. Foi canonizado por Leão XIII em 1883.
Local morteRoma
MorteNo ano 1783, aos 35 anos de idade
Fonte informaçãoO Livro dos Santos
OraçãoDai-me Senhor, eu vos peço pela intercessão de S. José Labre segurança nos meus caminhos e viagens firmeza, em meus propósitos e na vida de oração. Por Cristo Senhor nosso. Amém. S. José Labre, rogai por nós.
DevoçãoÀ palavra do Evangelho e ao santo rosário
PadroeiroDos mendigos
Outros Santos do diaSão Hermenegildo; São Valeriano(márt.); Basilisa e Anastácia; Paterno (bispo); Silvestre (abade); Marão, Máximo, Quintiliano e Dadas, São Pedro de Santo André; Vitoriano, Olimpíadas, Eutíquio, Crescente, Teodoro e Cirilo, Pausilipo (mártires); Telmo (conf); Potenciana.
FONTE: ASJ

Santa Basilissa e Santa Anastácia - 15 de Abril

Santa Basilissa e Santa Anastácia

¨Se alguém não ama o Senhor, seja anátema! Maranatha¨ 1Co 16,22

Em nossas meditações sobre os Santos e heróis, vamos hoje ao início da Igreja, para encontrarmos em Roma, quando ainda viviam São Pedro e São Paulo, duas santas mulheres. Os nomes delas vêm sempre lembrados nos livros dos mártires. Trata-se de BASILISSA e ANASTÁCIA.
Ambas foram mortas na perseguição de Nero, entre os anos de 64 e 68, no século I. 
O pensamento que resume tudo, gostaria de dizê-lo em cinco palavras apenas: Cristo une os tempos todos.

São Tibúrcio, Valeriano e Máximo - 15 de Abril

São Tibúrcio, Valeriano e Máximo

Os Santos que lembramos hoje foram todos mártires, ou seja, pessoas que regaram com o próprio sangue as sementes do Evangelho. Os três Santos deram o fiel testemunho no ano de 225. A história de São Valeriano se entrelaça com a de Santa Cecília, já que esta foi dada em casamento a este jovem e nobre pagão. Valeriano. Conta-se que no dia das núpcias Santa Cecília revelou ao esposo que tinha feito um compromisso de consagrar a virgindade ao Cristo; desta forma Valeriano não só respeitou, mas converteu-se e chegou a santidade. Fiel ao Senhor Valeriano que no dia do seu Batismo contemplou ao lado de Cecília um anjo com duas coroas, pôde com seu irmão Tibúrcio, meses antes de sua santa esposa aceitar o martírio. Martírio de Valeriano e Tibúrcio coincidem com o de Máximo que de Roma, Cidade Eterna, entraram na Vida Eterna.

Bem-aventurado Cesar de Bus - 15 de Abril

Cesar de Bus
Bem-aventurado
1544-1607

Fundou a Congregação dos
Padres da Doutrina Cristã
ou Doutrinários
Cesar de Bus, que desejava seguir a carreira militar, estava quase embarcando para atender ao chamado de seu irmão, capitão a serviço do rei Carlos IX, da França, quando foi impedido por uma enfermidade que o atingiu de maneira fulminante. Foi essa ocasião que o aproximou do bispo de Cavaillon, cidadezinha da Provença, onde ele tinha nascido em 3 de fevereiro 1544.

São Crescente - 15 de Abril






Nasceu em Mira, na Ásia Menor. Crescente chorou muitas vezes quando percebia pessoas que se entregavam a religiões politeístas, de muitas divindades, longe daquele que é o único Senhor e Salvador: Jesus Cristo.

HOMÍLIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 15/04/2013

15 de Abril de 2013

Ano C

 

João 6,22-29

Comentário do Evangelho


É preciso procurar o Senhor pelo Senhor

A multidão, saciada de pão, procura ansiosamente Jesus. No entanto, Jesus revela sua verdadeira motivação, pois não é a ele propriamente que procuram, mas o que ele pode dar: “... estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes saciados” (v. 26). É preciso procurar o Senhor pelo Senhor. A vida do ser humano não pode se reduzir ao material, ao que perece, mas deve ser sustentada pelo alimento não perecível, que introduz na vida eterna e que é dom do Filho. O Filho é, por assim dizer, autenticado pelo Pai (cf. v. 27). Daí que a “obra de Deus”, o desejo de Deus, é a fé em Jesus, que ele enviou por amor ao mundo.
Carlos Alberto Contieri,sj


Vivendo a Palavra
A presença ou ausência de Jesus deixava curiosa a multidão, que se fixava na materialidade dos sinais que Ele realizava. Mas o Mestre deseja que seus discípulos mergulhem mais fundo e descubram para onde apontam os sinais: para que creiam que Ele, Jesus de Nazaré, é o Cristo – o Enviado do Pai.

Reflexão
Um dos caminhos que temos para conhecer melhor a pessoa de Jesus é o sacramento da eucaristia. Porém, esse caminho exige de todos nós uma postura de fé diante dele e uma abertura para as realidades que estão além da materialidade. As pessoas que só buscam a saciedade material e procuram Jesus apenas para a satisfação desse tipo de necessidade são incapazes de buscar o alimento que não se perde e que nos leva a reconhecer que Jesus é aquele que o Pai marcou com o seu selo. Essas pessoas não são capazes de ver que Jesus é o enviado do Pai e, por isso, não acreditam nele.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL...

1. Buscar as coisas do céu.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

A multiplicação dos pães teve uma grande repercussão. A popularidade crescia com a fama de Jesus e os seus discípulos. Um Deus que supre as necessidades do ser humano, inclusive a fome, é único e verdadeiro. Por essa razão, aonde vai Jesus e seus discípulos a multidão de famintos e necessitados vai atrás. É o que ocorre nesse evangelho refletido junto as comunidades Joaninas, oitenta a noventa anos após a morte-ressurreição de Jesus.

Que olhar de Esperança temos para com Jesus? A perspectiva de uma Vida Nova que vem pela Salvação que Ele realiza, ou nossa esperança Nele se limita as necessidades desta Vidinha Terrena que um dia vai terminar?

O Evangelista convida suas comunidades a mudar o enfoque, e a reflexão é para todos nós, que muitas vezes somos Cristãos atrelados as coisas da Terra e temos pouca ou nenhuma expectativa para com as coisas do Céu. O próprio Jesus procura orientar seus seguidores e o povão que o procurava nessa circunstância. As pessoas não querem ir direto ao assunto, e em vez de indagarem se ele vai fazer ali um daqueles milagres espetaculares, como a multiplicação do pão, preferem perguntar quando foi que ele chegou ali.

Jesus não faz rodeios e vai direto ao assunto “Vocês me procuram, não porque viram os milagres, mas porque comeram o pão e ficaram saciados”.

Ver os milagres, no evangelho de João, significa ver o “Sinal” e aderir a Jesus, o que ele tem a oferecer é infinitamente superior a qualquer milagre. Em outras palavras Jesus está dizendo que aquelas pessoas não sabem quem é ele e o que tem a oferecer, pois ficaram parados no milagre da multiplicação dos pães, e acham que isso é suficiente para acreditarem Nele e o seguirem. Não compreendem que o discipulado significa comprometimento com o seu evangelho e com a edificação do Reino Novo que ele inaugurou em meio a humanidade.

Isso é bem típico do Cristianismo sem compromisso, religiãozinha que os espertalhões da pós Modernidade inventaram, para atender as necessidades do Homem que vê na Divindade um Posto de Autoatendimento, à serviço do homem, um Cristo do Consumismo, vendido em vitrines de luxo na grande Mídia onde o Céu é aqui mesmo, como sinônimo de riqueza, prosperidade, Felicidade terrena.

E acontece o mesmo que nesse evangelho, um Cristo assim atrai multidões...

2. É preciso procurar o Senhor pelo Senhor
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Carlos Alberto Contieri, sj e disponibilizado no Portal Paulinas)
VIDE ACIMA
ORAÇÃO
Pai, leva-me a buscar sempre o alimento imperecível – teu Filho Jesus – que me dá vida eterna e verdadeira e me abre para o amor e a solidariedade.

3. A FÉ EM JESUS
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

Não foi fácil para Jesus levar o povo a estabelecer com ele um relacionamento correto. Muitas vezes, seus gestos poderosos despertavam sentimentos inoportunos, com os quais não ele estava de acordo. Jamais o Mestre se deixava aliciar!

A multiplicação dos pães prestou-se para mal-entendidos. Depois de ter sido alimentada, a multidão foi, novamente, ao encalço de Jesus. Não por reconhecer sua qualidade de enviado do Pai, mas por ter comido e se saciado, interessada na repetição do milagre.

No entanto, não interessava a Jesus ser procurado na qualidade de milagreiro. Ele esperava ser reconhecido como Filho do Homem, portador de um alimento especial para a humanidade, penhor de vida divina. O seu era um pão diferente: ele próprio.

A apropriação deste pão dar-se-ia por meio da fé, ou seja, da adesão a Jesus. Ao aderir a ele, o discípulo afasta de si tudo quanto gera morte, e assimila o dinamismo vital que o animava, cuja fonte era o próprio Pai. 

Jesus estava interessado em saciar, em primeiro lugar, não a fome física, mas uma outra muito mais fundamental. Saciado com o pão do céu, o discípulo estaria apto para promover a partilha do pão material que sacia a fome do povo. 

A fé em Jesus não se expressa num intimismo estéril. Pelo contrário, ela deve ser expressa através de gestos, à semelhança daqueles realizados por Jesus. Também o discípulo é chamado a multiplicar os pães.
Oração
Espírito de adesão, transforma minha fé numa assimilação sincera da vida do Ressuscitado, que me leve a transmitir esta mesma vida a quem está faminto de Deus.

Eucaristia, o sacramento da unidade


Postado por: homilia

abril 15th, 2013


Toda pessoa sabe que se não comer morre. Há um ditado popular que diz: “Saco vazio não para em pé”. Sabe também que quem come muito pouco ou passa fome fica desnutrido, fraco e muito mais propenso às doenças e até à morte. Comer o pão e beber o vinho é, em primeiro lugar, viver. É fácil perceber o que o Senhor quis nos ensinar ao usar este símbolo: Assim como sem comida, até o mais forte dos corpos definha e morre, assim também até o maior dos santos, sem a Eucaristia, não consegue se sustentar.
Durante todo o Evangelho, podemos perceber a importância que Cristo dá às refeições. Várias vezes, Ele come com os fariseus, com os publicanos, com os pecadores.
Durante as refeições, o Senhor ensinava, exortava. Por isso, nada mais natural do que escolher uma refeição para nela instituir a Eucaristia (Jo 13,2). A palavra “Koinonia” significa “comunhão”. São pessoas que estão juntas, partilhando, comungando da mesma refeição.
Na família, o momento da refeição é de reunião, de troca, de colocar os assuntos em dia; nesses momentos, a união da família se solidifica. Quando queremos nos confraternizar numa festa, sempre existe refeição para se partilhar. Quando queremos aumentar nossa intimidade com alguém, nós os convidamos para comer juntos. Se isto tudo é verdadeiro para simples refeições diárias, quanto mais será para a refeição eucarística compartilhada! É nessa mesa do Pão vivo que se opera a unidade real e misteriosa da Igreja. (cf. ICor 10,16-17).
A Eucaristia é o sacramento da unidade. Ela une a Igreja em torno de Cristo, de Seu sacrifício. A Igreja “comunga” com Ele, torna-se o corpo de Cristo, unindo-se como células que recebem o mesmo alimento e são purificadas pelo mesmo sangue. Assim como o pulmão é diferente na sua anatomia e função do intestino, mas ambos são essenciais e pertencentes ao mesmo corpo, nós também, embora sendo diferentes uns dos outros, somos partes de Cristo pelo batismo. Uma só fé, um só batismo, um só Espírito. Esta é a essência da unidade, operada e mantida pela comunhão do corpo e sangue de Cristo.
Pelo conhecimento que o Senhor nos dá do valor da Eucaristia, puro dom de Deus para a nossa salvação, possamos participar dela com novo ânimo de maneira a sermos curados, libertos e restaurados. E, assim comprometidos, partilhá-la com os nossos irmãos.
Por tudo quanto disse, posso concluir e afirmar – sem medo de errar – que a Eucaristia é vida e compromisso. É partilha e serviço.
Padre Bantu Mendonça
LEITURA ORANTE

Jo 6,22-29 - O que Deus quer que a gente faça?



Preparo-me para a Leitura Orante,

 orando com todos os internautas:

Em nome do Pai, do Filho 
e do Espírito Santo.
Creio, Senhor Jesus, 
que sou parte de seu Corpo.
Trindade Santíssima
- Pai, Filho, Espírito Santo - 
presente e agindo na Igreja 
e na profundidade do meu ser. 
Eu vos adoro, amo e agradeço.

1. Leitura (Verdade) 
Leio o texto inteiro de uma vez, na Bíblia: Jo 6,22-29
Releio, devagar, versículo por versículo. 
Pergunto-me: 
O que diz o texto em si? 

No dia seguinte a multidão que estava no lado leste do lago viu que ali só havia um barco pequeno. Sabiam que Jesus não tinha embarcado com os discípulos, pois estes haviam saído sozinhos. Enquanto isso, outros barcos chegaram da cidade de Tiberíades e encostaram perto do lugar onde a multidão tinha comido pão depois de o Senhor Jesus ter dado graças. Quando viram que Jesus e os seus discípulos não estavam ali, subiram nos barcos e saíram para Cafarnaum a fim de procurá-lo.
A multidão encontrou Jesus no lado oeste do lago, e perguntaram a ele:
- Mestre, quando foi que o senhor chegou aqui?
Jesus respondeu:
- Eu afirmo a vocês que isto é verdade: vocês estão me procurando porque comeram os pães e ficaram satisfeitos e não porque entenderam os meus milagres. Não trabalhem a fim de conseguir a comida que se estraga, mas a fim de conseguir a comida que dura para a vida eterna. O Filho do Homem dará essa comida a vocês porque Deus, o Pai, deu provas de que ele tem autoridade.

- O que é que Deus quer que a gente faça? - perguntaram eles.
- Ele quer que vocês creiam naquele que ele enviou! - respondeu Jesus.

As pessoas ainda estão sendo motivadas pelo que é fantástico, sensacional, os milagres, as curas. Mas, não alcançam o sentido das obras de Jesus, ou seja, aquilo que Deus quer: que creiam.

2. Meditação (Caminho)

Paro onde Deus me fala interiormente, sem pressa, aprendendo a aprofundar. Pergunto-me: 
O que o texto diz para mim?
 Acolho o que vier à mente, o que tocar o meu coração: desejos, luzes, apelos, lembranças, inspirações. 
Meus valores dão prioridade à ação de Deus na minha vida e na vida das demais pessoas?
Os bispos, em Aparecida, falaram sobre este tema: "os cristãos precisam recomeçar a partir de Cristo, a partir da contemplação de quem nos revelou em seu mistério a plenitude do cumprimento da vocação humana e de seu sentido. Necessitamos nos fazer discípulos dóceis, para aprende d'Ele, em seu seguimento, a dignidade e a plenitude de vida. E necessitamos, ao mesmo tempo, que o zelo missionário nos consuma para levar ao coração da cultura de nosso tempo aquele sentido unitário e completo da vida humana que nem a ciência, nem a política, nem a economia nem os meios de comunicação poderão proporcionar. Em Cristo Palavra, Sabedoria de Deus (cf. 1 Cor 1,30), a cultura pode voltar a encontrar seu centro e sua profundidade, a partir de onde é possível olhar a realidade no conjunto de todos seus fatores, discernindo-os à luz do Evangelho e dando a cada um seu lugar e sua dimensão adequada." (DAp 41 ).

3. Oração (Vida)
Deus é o Pai que nos ama muito mais do que imaginamos. 
Pergunto-me: 
O que o texto me faz dizer a Deus? 
Faço oração renovando minha fé, com pedidos, ação de graças, adoração.


Jesus, Mestre:
que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.
Que eu ame com o teu coração.
Que eu veja com os teus olhos.
Que eu fale com a tua língua.
Que eu ouça com os teus ouvidos.
Que as minhas mãos sejam as tuas.
Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.
Que eu reze com as tuas orações.
Que eu celebre como tu te imolaste.
Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém".
Jesus e Maria, dai-me a vossa bênção:
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém
(Bem-aventurado Alberione)


4. Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra? 
Sinto-me discípulo/a de Jesus. Vou viver este dia como discípulo e missionário de Jesus Mestre Verdade, Caminho e Vida.


Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém. 

- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém. 
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp

Oração Final
Pai Santo, ajuda-nos a perceber que a tua Presença amorosa em nós se manifesta nas coisas simples do cotidiano. Que jamais busquemos sinais extraordinários, mas que vejamos na vida e na fé que nos proporcionas os sinais de teu Amor de Pai que também é Mãe. Por Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.