segunda-feira, 30 de novembro de 2020

BOM DIA! BOA TARDE! BOA NOITE! Oração da noite, Oração da manhã e Oração do entardecer - Deus te abençoe!



Oração da Noite

Boa noite Pai.
Termina o dia e a ti entrego meu cansaço.
Obrigado por tudo e… perdão!!
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos, pela alegria que vi no rosto das crianças;
Obrigado pelo exemplo que recebi daquele meu irmão;
Obrigado também por isso que me fez sofrer…
Obrigado porque naquele momento de desânimo lembrei que tu és meu Pai; Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida, pelo meu desejo de superação…
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe!
Perdão, também, Senhor!
Perdão por meu rosto carrancudo; Perdão porque não me lembrei que não sou filho único, mas irmão de muitos; Perdão, Pai, pela falta de colaboração e serviço e porque não evitei aquela lágrima, aquele desgosto; Perdão por ter guardado para mim tua mensagem de amor;
Perdão por não ter sabido hoje entregar-me e dizer: “sim”, como Maria.
Perdão por aqueles que deviam pedir-te perdão e não se decidem.
Perdoa-me, Pai, e abençoa os meus propósitos para o dia de amanhã, que ao despertar, me invada novo entusiasmo; que o dia de amanhã seja um ininterrupto “sim” vivido conscientemente.
Amém!!!

Oração da manhã

Bom-dia, Senhor Deus e Pai!
A ti, a nossa gratidão pela vida que desperta, pelo calor que
cria vida, pela luz que abre nossos olhos.
Nós te agradecemos por tudo que forma nossa vida, pela terra, pela água, pelo ar, pelas pessoas. Inspira-nos com teu Espírito Santo os pensamentos que vamos alimentar,as palavras que vamos dizer, os gestos que vamos dirigir,a comunicação que vamos realizar.
Abençoa as pessoas que nós encontramos, os alimentos que vamos ingerir.
Abençoa os passos que nós dermos, o trabalho que devemos fazer.
Abençoa, Senhor, as decisões que vamos tomar, a esperança que vamos promover,a paz que vamos semear,a fé que vamos viver, o amor que vamos partilhar.
Ajuda-nos, Senhor, a não fugir diante das dificuldades, mas a abraçar amor as pequenas cruzes deste dia.
Queremos estar contigo, Senhor, no início, durante e no fim deste dia.
Amém.

Oração do entardecer

Ó Deus!
Cai à tarde, a noite se aproxima.
Há neste instante, um chamado à elevação, à paz, à reflexão.
O dia passa e carregam os meus cuidados.
Quem fez, fez.
Também a minha existência material é um dia que se passa,
uma plantação que se faz, um caminho para algo superior.
Como fizeste a manhã, à tarde e a noite, com seus encantos,
fizeste também a mim, com os meus significados, meus resultados.
Aproxima de mim, Pai, a Tua paz para que usufrua desta
hora e tome seguras decisões para amanhã.
Que se ponha o sol no horizonte, mas que nasça
em mim o sol da renovação e da paz para sempre.
Obrigado, Deus, muito obrigado!
Amém!

INTENÇÕES DE ORAÇÃO DO SANTO PADRE PARA DEZEMBRO DE 2020



Intenção

Para uma vida de oração (Pela Evangelização)

Rezemos para que a nossa relação pessoal com Jesus Cristo se alimente da Palavra de Deus e de uma vida de oração.

Reflexão

No último mês deste ano, o Santo Padre conduz o nosso coração para o fundamento da nossa vida cristã: a oração. É na oração que acontece o encontro com o Senhor, a escuta da sua Palavra e daquilo que ecoa dentro de nós quando confrontamos a vida com o sopro do Espírito. A oração alimenta, faz ler os acontecimentos, ilumina e dá forças para continuar o caminho com o Pai, numa atitude de dar a vida como Jesus.
Este ano 2020 foi um ano surpreendente, doloroso e ainda estamos a recuperar do que aconteceu e continua a acontecer por causa da pandemia do Coronavírus. Ficam na memória acontecimentos marcantes na nossa vida de fé: a oração do Papa Francisco na Praça de S. Pedro vazia, a 27 de março, a semana santa e a Páscoa celebradas em igrejas vazias. No nosso país, a celebração do 12 e 13 de maio em Fátima sem peregrinos. Os momentos mais icónicos deste tempo, que ficarão para a história, colocam-nos diante do silêncio, do despojamento e remetem-nos apenas para a oração. É em Deus e na sua misericórdia que colocamos a nossa vida e as nossas intenções, por nós, pelo mundo, por todos os que precisam.
Este ano de 2020 alertou-nos para a necessidade da confiança e da solidariedade e de como estas nascem e se alimentam da oração. É neste ambiente que se geram as atitudes necessárias, que não fazem cair no desânimo e na incapacidade, mas elevam os olhos e o coração para a missão e para a transformação da realidade naquilo que é querido e sonhado por Deus: o seu reino de paz e de justiça.
Na celebração dos 175 anos do Apostolado da Oração, em junho de 2019, em Roma, o Santo Padre disse que «O coração da missão da Igreja é a oração». Rezemos para que tenhamos sempre esta frase como um mote para a nossa vida pessoal, das famílias e comunidades. Quando tudo parece faltar, é a oração que nos mostra e confirma que a fidelidade amorosa do Pai nunca nos falta. Neste tempo de Advento, esperando o nascimento de Jesus, esperamos também o nascimento da vida nova e da sua luz, nas noites que atravessamos.

Oração

Senhor Jesus,
enquanto esperamos o teu nascimento,
pedimos-Te a graça de cuidarmos na nossa vida
o espaço e o tempo da oração.
Que a oração seja o ambiente onde tudo começa e tudo acaba.
Na oração recebemos a tua inspiração
que nos leva a amar e a servir os nossos irmãos.
Na oração trazemos todos os acontecimentos
para os agradecer e aprender com eles.
Pedimos-Te a graça da fidelidade
e a alegria do encontro contigo no nosso coração.

Pai-Nosso...

Desafios

- Procurar viver de modo mais intenso este Advento e Natal, na oração pessoal, em família e em comunidade, preparando melhor os momentos de oração e enriquecendo-os com criatividade e profundidade.
- Fazer uma releitura orante do ano que está a terminar, do que se retirou de todos os momentos mais difíceis, os momentos mais simbólicos, e deixar que o Senhor fale no nosso coração para encontrar um sentido e uma aprendizagem para tudo.
- Procurar conhecer e praticar algumas pedagogias de oração, de modo particular as que são promovidas pela Rede Mundial de Oração do Papa: a plataforma Click To Pray e O Caminho do Coração.

ADVENTO... TEMPO DE ESPERA.

Dezembro - Mês dedicado a Imaculada Conceição - Dogma da Imaculada Conceição


Dogma da Imaculada Conceição

Há 150 anos em Lourdes, na França, Nossa Senhora apareceu para a menina Bernadette. Era o ano de 1858. Em 1854 o Papa Pio IX tinha proclamado solenemente o dogma da Imaculada Conceição de Maria. Então, quatro anos depois, a própria Virgem Maria, em pessoa, quis confirmar este dogma. Foi quando em 25 de março de 1858, na festa da Anunciação, revelou seu Nome a Santa Bernadette nas aparições de Lourdes. Disse-lhe ela:
“Eu sou a Imaculada Conceição”.
A partir daí, o padre Peyramale, que era o Cura de Lourdes, passou a acreditar nas aparições de Maria à pobre Bernadette, e com ele toda a Igreja.
“Na plenitude dos tempos”, diz o Apóstolo, “Deus enviou Seu Filho ao mundo nascido de uma mulher” (Gl 4,4). No ponto central da história da salvação se dá um acontecimento ímpar em que entra em cena a figura de uma Mulher. O mesmo Apóstolo nos lembra: “Não foi Adão o seduzido, mas a mulher” (1Tm 2,14); portanto, devia ser também por meio da mulher que a salvação chegasse à terra.
Para isso foi preciso que Deus preparasse uma nova Mulher, uma nova Virgem, uma nova Eva, que fosse isenta do pecado original, que pudesse trazer em seu seio virginal o autor da salvação. A Mãe de Deus não poderia ter o pecado original.
Como nenhum ser humano era livre do pecado e de Satanás, foi então preciso que Deus preparasse uma mulher livre, para que Seu Filho fosse também isento da culpa original, e pudesse libertar Seus irmãos.
Assim, o Senhor antecipou para Maria, a escolhida entre todas, a graça da Redenção que seu Filho conquistaria com Sua Paixão e Morte. A Imaculada Conceição de Nossa Senhora foi o primeiro fruto que Jesus conquistou com Sua morte. E Maria foi concebida no seio de sua mãe, Santa Ana, sem o pecado original.
Como disse o cardeal Suenens:
“A santidade do Filho é causa da santificação antecipada da Mãe, como o sol ilumina o céu antes de ele mesmo aparecer no horizonte”.
O cardeal Bérulle explica assim:
“Para tomar a terra digna de trazer e receber seu Deus, o Senhor fez nascer na terra uma pessoa rara e eminente que não tomou parte alguma no pecado do mundo e está dotada de todos os ornamentos e privilégios que o mundo jamais viu e jamais verá, nem na terra e nem no céu” (Con. Vidigal, Temas Marianos, p. 307).
O Anjo Gabriel lhe disse na Anunciação: “Ave, cheia de graça…” (Lc 1,28). Nesse “cheia de graça”, a Igreja entendeu todo o mistério e dogma da Conceição Imaculada de Maria. Se ela é “cheia de graça”, mesmo antes de Jesus ter vindo ao mundo, é porque é desde sempre toda pura, bela, sem mancha alguma; isto é, Imaculada.
Em 8 de dezembro de 1854 o Papa Pio IX declarava dogma de fé a doutrina que ensinava ter sido a Mãe de Deus concebida sem mancha por um especial privilégio divino. Na Bula “Ineffabilis Deus”, o Papa diz:
“Nós declaramos, decretamos e definimos que a doutrina segundo a qual, por uma graça e um especial privilégio de Deus Todo Poderoso e em virtude dos méritos de Jesus Cristo, salvador do gênero humano, a bem-aventurada Virgem Maria foi preservada de toda a mancha do pecado original no primeiro instante de sua conceição, foi revelada por Deus e deve, por conseguinte, ser crida firmemente e constantemente por todos os fiéis”.
É de notar que em 1476 a festa da Imaculada foi incluída no Calendário Romano. Em 1570, o papa Pio V publicou o novo Ofício e, em 1708, o papa Clemente XI estendeu a festa a toda a Cristandade tornando-a obrigatória.
Neste seio virginal, diz S. Luiz, Deus preparou o “paraíso do novo Adão” (Tratado da Verdadeira Devoção , n. 18).
Santo Afonso de Ligório, doutor da Igreja e ardoroso defensor de Maria, falecido em 1787, disse:
“Maria tinha de ser medianeira de paz entre Deus e os homens. Logo, absolutamente não podia aparecer como pecadora e inimiga de Deus, mas só como Sua amiga, toda imaculada” (Glórias de Maria, p. 209). E ainda: “Maria devia ser mulher forte, posta no mundo para vencer a Lúcifer, e portanto devia permanecer sempre livre de toda mácula e de toda a sujeição ao inimigo” (idem, p. 209).
S. Bernardino de Sena (†1444), diz a Maria: “Antes de toda criatura fostes, ó Senhora, destinada na mente de Deus para Mãe do Homem Deus. Se não por outro motivo, ao menos pela honra de seu Filho, que é Deus, era necessário que o Pai Eterno a criasse pura de toda mancha” (GM, p. 210).
Diz o livro dos Provérbios: “A glória dos filhos são seus pais” (Pr 17,6); logo, é certo que Deus quis glorificar Seu Filho humanado também pelo nascimento de uma Mãe toda pura.
S. Tomas de Vilanova (†1555), chamado de São Bernardo espanhol, disse em sua teologia sobre Nossa Senhora:
“Nenhuma graça foi concedida aos santos sem que Maria a possuísse desde o começo em sua plenitude” (GM, p. 211).
S. João Damasceno, doutor da Igreja (†749), afirma:
“Há, porém, entre a Mãe de Deus e os servos de Deus uma infinita distância” (GM, p. 211).
E pergunta S. Anselmo, bispo e doutor da Igreja (†1109), e grande defensor da Imaculada Conceição:
“Deus, que pôde conceder a Eva a graça de vir ao mundo imaculada, não teria podido concedê-la também a Maria?”
“A Virgem, a quem Deus resolveu dar Seu Filho Único, tinha de brilhar numa pureza que ofuscasse a de todos os anjos e de todos os homens e fosse a maior imaginável abaixo de Deus” (GM, p. 212).
É importante notar que S. Afonso de Ligório afirma:
“O espírito mal buscou, sem dúvida, infeccionar a alma puríssima da Virgem, como infeccionado já havia com seu veneno a todo o gênero humano. Mas louvado seja Deus! O Senhor a preveniu com tanta graça, que ficou livre de toda mancha do pecado. E dessa maneira pode a Senhora abater e confundir a soberba do inimigo” (GM , p. 210).
Nenhum de nós pode escolher sua Mãe; Jesus o pode. Então pergunta S. Afonso: “Qual seria aquele que, podendo ter por Mãe uma rainha, a quisesse uma escrava? Por conseguinte, deve-se ter por certo que a escolheu tal qual convinha a um Deus” (GM, p. 213).
Quando Deus eleva alguém a uma alta dignidade, também o torna apto para exercê-la, ensina S. Tomás de Aquino. Portanto tendo eleito Maria para Sua Mãe, por Sua graça a tornou digna de ser livre de todo o pecado, mesmo venial, ensinava S. Tomás; caso contrário, a ignomínia da Mãe passaria para o Filho (GM, p. 215).
Nesta mesma linha afirmava S. Agostinho de Hipona, Bispo e doutor da Igreja (†430), já no século V:
“Nem se deve tocar na palavra “pecado” em se tratando de Maria; e isso por respeito Àquele de quem mereceu ser a Mãe, que a preservou de todo pecado por sua graça” (GM, p. 215).
Pergunta S. Cirilo de Alexandria (370-444), bispo e doutor da Igreja: “Que arquiteto, erguendo uma casa de moradia, consentiria que seu inimigo a possuísse inteiramente e habitasse?” (GM, p. 216).
S. Bernardino de Sena ensina que Jesus veio para salvar a todos, inclusive Maria. Contudo, há dois modos de remir: levantando o decaído ou preservando-o da queda. Este último modo Deus aplicou a Maria.
Podendo o Espírito Santo criar Sua Esposa toda bela e pura, é claro que assim o fez. É dela que fala: “És toda formosa minha amiga, em ti não há mancha original” (Ct 4,7). Chama ainda Sua Esposa de “jardim fechado e fonte selada” (Ct 4,12), onde jamais os inimigos entraram para ofendê-la.
“Ave, cheia de graça!” Aos outros santos a graça é dada em parte, contudo a Maria foi dada em sua plenitude. Assim “a graça santificou não só a alma mas também a carne de Maria, a fim de que com ela revestisse depois o Verbo Eterno”, afirma S. Tomás (GM, p. 220).
O´ Maria concebida sem pecado; rogai por nós que recorremos a Vós!
FelipAquino

DEZEMBRO é o mês do Advento e do Natal



DEZEMBRO é o mês do Advento e do Natal. São quatro semanas de preparação para a vinda de Cristo no Natal. Arma-se a “coroa do Advento”, com uma vela acessa a cada domingo, meditando esse tempo de graça. É um tempo propício para preparação espiritual e piedosa para celebrar o Natal e também a segunda e definitiva vinda do Senhor. É o tempo do Presépio, que nos ajuda a meditar este grande mistério da Encarnação do Verbo, que “se fez pobre para nos enriquecer”, como disse São Paulo.

Prof. Felipe Aquino

Seja Bem Vindo Dezembro! Que Dezembro nos traga sorte e venha repleto de amor, paz, fraternidade, solidariedade e união. Dezembro mês de festas, de confraternização, de aniversário do Nosso Senhor Jesus, de realizar sonhos e principalmente viver em paz e feliz. Que seja vem vindo dezembro!

1 de Dezembro - Seja Bem Vindo Dezembro! "Toda criança que nasce traz ao mundo a mensagem de que DEUS ainda não perdeu a FÉ na humanidade."

BEM VINDO DEZEMBRO! Mês das festas, de presentes, de família reunida, de amigo oculto, mês de reflexão, último mês do ano, que ele venha além de tudo isso repleto de saúde, amor, paz e benção que o Senhor Deus pode nos dar!

Tchau Novembro. Leve contigo as coisas ruins e que Dezembro traga muita alegria, amor, felicidade e bênçãos de Deus pra todos nós!

Santo André - 30 de novembro




Hoje a Igreja está em festa, pois celebramos a vida de um escolhido do Senhor para pertencer ao número dos Apóstolos.
Santo André nasceu em Betsaida, no tempo de Jesus, e de início foi discípulo de João Batista até que aproximou-se do Cordeiro de Deus e com São João, começou a segui-lo, por isso André é reconhecido pela Liturgia como o “protocleto”, ou seja, o primeiro chamado: “Primeiro a escutar o apelo, ao Mestre, Pedro conduzes; possamos ao céu chegar, guiados por tuas luzes!”
Santo André se expressa no Evangelho como “ponte do Salvador”, porque é ele que se colocou entre seu irmão Simão Pedro e Jesus; entre o menino do milagre da multiplicação dos pães e Cristo; e, por fim, entre os gentios (gregos) e Jesus Cristo. Conta-nos a Tradição que depois do Batismo no Espírito Santo em Pentecostes, Santo André teria ido pregar o Evangelho na região dos mares Cáspio e Negro.
Apóstolo da coragem e alegria, Santo André foi fundador das igrejas na Acaia, onde testemunhou Jesus com o seu próprio sangue, já que foi martirizado numa cruz em forma de X, a qual recebeu do santo este elogio: “Salve Santa Cruz, tão desejada, tão amada. Tira-me do meio dos homens e entrega-me ao meu Mestre e Senhor, para que eu de ti receba o que por ti me salvou!”
Santo André Apóstolo, rogai por nós!

Santo André
Apóstolo (século I)

Mr PanyGoff

Entre os Doze apóstolos de Cristo, André foi o primeiro a ser seu discípulo. Além de ser apontado por eles próprios como o 'número dois', depois, somente, de Pedro. Na lista dos apóstolos, pela ordem está entre os quatro primeiros. Morava em Cafarnaum, era discípulo de João Batista, filho de Jonas de Betsaida, irmão de Simão-Pedro e ambos eram pescadores no mar da Galiléia.
Foi levado por João Batista à verde planície de Jericó, juntamente com João Evangelista, para conhecer Jesus. Ele passava. E o visionário profeta indicou-o e disse a célebre frase: 'Eis o Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo'. André, então, começou a segui-lo.
A seguir, André levou o irmão Simão-Pedro a conhecer Jesus, afirmando: 'Encontramos o Messias'. Assim, tornou-se, também, o primeiro dos apóstolos a recrutar novos discípulos para o Senhor. Aparece no episódio da multiplicação dos pães: depois da resposta de Filipe, André indica a Jesus um jovem que possuía os únicos alimentos ali presentes: cinco pães e dois peixes.
Pouco antes da morte do Redentor, aparece o discípulo André ao lado de Filipe, como um de grande autoridade. Pois é a ele que Filipe se dirige quando certos gregos pedem para ver o Senhor, e ambos contaram a Jesus.
André participou da vida publica de Jesus, estava presente na última ceia, viu o Cristo Ressuscitado, testemunhou a Ascenção e recebeu o primeiro Pentecostes. Ajudou a sedimentar a Igreja de Cristo a partir da Palestina, mas as localidades e regiões por onde pregou não sabemos com exatidão.
Alguns historiadores citam que depois de Jerusalém foi evangelizar na Galiléia, Cítia, Etiópia, Trácia e, finalmente, na Grécia. Nessa última, formou um grande rebanho e pôde fundar a comunidade cristã de Patras, na Acaia, um dos modelos de Igreja nos primeiros tempos. Mas foi lá, também, que acabou martirizado nas mãos do inimigo, Egéas, governador e juiz romano local.
André ousou não obedecer à autoridade do governador, desafiando-o a reconhecer em Jesus um juiz acima dele. Mais ainda, clamou que os deuses pagãos não passavam de demônios. Egéas não hesitou e condenou-o à crucificação. Para espanto dos carrascos, aceitou com alegria a sentença, afirmando que, se temesse o martírio, não estaria 'pregando a grandeza da cruz, onde morreu Jesus'.
Ficou dois dias pregado numa cruz em forma de 'X'; antes, porém, despojou-se de suas vestes e bens, doando-os aos algozes. Conta a tradição que, um pouco antes de André morrer, foi possível ver uma grande luz envolvendo-o e apagando-se a seguir. Tudo ocorreu sob o império de Nero, em 30 de novembro do ano 60, data que toda a cristandade guarda para sua festa.
O imperador Constantino trasladou, em 357, de Patos para Constantinopla, as relíquias mortais de santo André, Apóstolo. Elas foram levadas para Roma, onde permanecem até hoje, na Catedral de Amalfi, só no século XIII. Santo André, Apóstolo, é celebrado como padroeiro da Rússia e Escócia.
Texto: Paulinas Internet
Fonte: Comece o dia feliz em 2015

Santo André, Apóstolo

Nasceu na Betsaida e teve a honra e o privilégio de ter sido o primeiro discípulo de Jesus, junto com São João o evangelista. Os dois eram discípulos de João Batista, e este ao ver passar Jesus (quando voltava o deserto depois do jejum e das tentações) exclamou: "Eis aí o cordeiro de Deus". André se emocionou ao ouvir semelhante elogio e foi atrás de Jesus, Jesus se voltou e lhes disse: "O que procuram?". Eles lhe disseram: "Senhor: onde vive?". Jesus lhes respondeu: "Venha e verão". Foram e passaram com Ele aquela tarde.
Esse chamado mudou sua vida para sempre. Santo André foi em seguida onde vivia seu irmão Simão e lhe disse: "encontramos o Salvador do mundo" e o levou onde estava Jesus que encontrou no grande São Pedro um amigo intimo e o fundador de sua Igreja. O dia do milagre da multiplicação dos pães foi Santo André quem levou a Jesus o moço que tinha os cinco pães. O santo presenciou a maioria dos milagres que fez Jesus e escutou, um por um, seus maravilhosos sermões, vivendo junto a ele por três anos.
No dia de Pentecostes, Santo André recebeu junto com a Virgem Maria e outros Apóstolos, o Espírito Santo em forma de línguas de fogo, e em adiante se dedicou a pregar o evangelho com grande valentia e obrando milagres e prodígios.
A tradição coloca seu martírio em 30 de novembro do ano 63, sob o império de Nero.

Santo André

NascimentoNo Século I d.C.
Local nascimentoBetsaida
OrdemO primeiro apóstolo de Jesus
Local vidaCafarnaúm
EspiritualidadeEncontramos o apóstolo André como o primeiro apóstolo a ser chamado por Jesus para segui-lo. Era irmão de Simão Pedro. Na ocasião da multiplicação dos pães. Jesus pedira a Felipe sobre a possibilidade de dar a comer a toda àquela multidão e André interveio: " Está aqui um jovem que tem cinco pães de cevada e dois peixes; mas o que é isto para tanta gente? (Jo,6-8). Nos últimos dias da vida do Senhor, após a entrada triunfal em Jerusalém, André é novamente citado. Quando pessoas pediam para ver Jesus, André foi dizer a Felipe e ambos foram falar com Jesus (Jo,1220-22). André é nomeado como um dos discípulos prediletos do Mestre, assim como seu irmão Pedro, também João e Tiago que pediam a Jesus explicações sobre a ruína de Jerusalém e o fim do mundo. André terminou sua vida crucificado na Acaia, numa cruz em forma de X. Seu corpo repousa na catedral de Amalfi na Itália e sua cabeça, que estava no Vaticano foi devolvida por Paulo VI à Igreja Ortodoxa de Constantinopla.
Local morteAcáia
Morte30 de novembro de 60 (ou 63)
Fonte informaçãoSanto nosso de cada dia, rogai por nós
OraçãoJesus, Filho de Deus, Cordeiro de Deus, ao celebrar a lembrança do primeiro discípulo que chamaste a teu lado, nós te adoramos e veneramos tua vontade; aumenta nossa disposição em trabalhar pela unidade de todos os que crêem em ti, oferecendo nossa cruz pessoal, e bendize com graças abundantes os cristãos de fé ortodoxa, especialmente seu patriarca constantinopolitano, sucessor de santo André apóstolo. Amém.
DevoçãoAo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo
PadroeiroDos pescadores e da Ucrânia
Outros Santos do diaMaura, Justina (Vgs); Cástulo, Euprepes (márts.); Troiano (bispo); Saturnino, Constâncio, Zózimo (confs.).
Fonte: ASJ em 2015

LEITURA ORANTE DO DIA 30/11/2020



LEITURA ORANTE

Mt 4,18-22 - O chamado de André


Preparamo-nos para a Leitura Orante, fazendo uma rede de comunicação
e comunhão em torno da Palavra com todas as pessoas que circulam nas redes sociais.
Hoje, nos encontramos, onde quer que você esteja: no metrô, em casa, na rua, no ônibus, no seu carro, no seu trabalho... Juntos continuamos nosso Exercícios Espirituais do Advento, em preparação ao Natal. Interessante que a Palavra de Deus de hoje vem como um apelo vocacional. Hoje, dia de Santo André Apóstolo,  vamos ler o Evangelho que fala de deixar as redes para seguir Jesus e nos tornarmos “pescadores de gente”. Vamos pensar nisto agora:
Sugerimos dedicarmos cerca  30 minutos à nossa oração pessoal diária;
Revemos esta oração por uns 10 minutos, no final do dia, como uma retrospectiva do dia que passou.

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Lemos atentamente o texto: Mt 4,18-22.
Jesus estava andando pela beira do lago da Galileia quando viu dois irmãos que eram pescadores: Simão, também chamado de Pedro, e André. Eles estavam no lago, pescando com redes. Jesus lhes disse:
- Venham comigo, que eu ensinarei vocês a pescar gente.
Então eles largaram logo as redes e foram com Jesus. Um pouco mais adiante Jesus viu outros dois irmãos, Tiago e João, filhos de Zebedeu. Eles estavam no barco junto com o pai, consertando as redes. Jesus chamou os dois, e, no mesmo instante, eles deixaram o pai e o barco e foram com ele.
Refletindo
Jesus chama os primeiros discípulos: Pedro e André. Depois, chama outros dois irmãos: Tiago e João. Estes deixam sua profissão de pescadores, deixam família, deixam suas seguranças e abraçam o Projeto de Jesus: o compromisso de “pescadores de gente”.
O convite de Jesus é para todos os que ouvem a sua Palavra.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para nós, hoje?
Meditando
Os bispos, em Aparecida, reconheceram a vocação como dom de Deus: A própria vocação, a própria liberdade e a própria originalidade são dons de Deus para a plenitude e a serviço do mundo.(DAp 111).
O Senhor se revela a nós não de forma extraordinária ou estrondosa, mas no quotidiano da nossa vida.
Foi assim para os primeiros apóstolos. Estavam pescando. Jesus passou onde estavam e lhes fez o convite.
Também para nós é assim: no nosso dia-a-dia é  que devemos encontrar o Senhor, dialogar com Ele e mudar a nossa vida. A resposta dos quatro pescadores foi imediata e sem hesitação: abandonaram as redes e seguiram Jesus.
O papa Francisco comenta: “nas margens do lago, numa terra impensável, nasceu a primeira comunidade de discípulos de Cristo. E nós cristãos, temos  hoje a alegria de proclamar e dar testemunho da nossa fé, graças àquele primeiro anúncio e àqueles homens humildes e corajosos que responderam generosamente  ao chamado de Jesus”.
A consciência deste início suscite em nós o desejo de levar a palavra, o amor, a ternura de Jesus a todos os contextos, mesmo nos mais difíceis e fechados. “Levar a palavra a todas as periferias. Todos os espaços da vida humana são terrenos onde lançar a semente do Evangelho, a fim de que dê frutos de salvação”.

E nós nos perguntamos:
Sendo eu, membro vivo da Igreja, como vivo minha vocação à plenitude a serviço do mundo?
Sou capaz de largar minhas redes, meu barco, ou seja, meus interesses, meus programas e opções para seguir Jesus que quer me falar  naquele encontro, naquela reunião da comunidade, naquele serviço de acolhimento de alguém que chega à minha casa, ao meu trabalho, do meu lado no ônibus, na recepção de um consultório...?
Pensemos como é a nossa resposta aos convites de Jesus para sermos “pescadores de gente”.

E eu me interrogo:
Sendo eu, membro vivo da Igreja, como vivo minha vocação à plenitude a a serviço do mundo?

3. Oração (Vida)
O que o texto nos leva a dizer a Deus?
Rezamos, espontaneamente, com salmos e concluímos com a oração
Façamos da canção uma oração

Tu, Senhor,  te abeiraste na praia
Não buscaste nem sábios, nem ricos
Somente queres que eu te siga....

Senhor, Tu me olhaste nos olhos
A sorrir, pronunciaste meu nome
Lá na praia, eu deixei o meu barco
Junto a Ti, buscarei outro mar

Tu sabes bem que em meu barco
Eu não tenho nem espadas nem ouro
Somente redes e o meu trabalho...

Tu minhas mãos solicitas
Meu cansaço, que a outros descansem
Amor que almeja seguir amando..

Junto a Ti, Senhor, buscarei outro mar

4. Contemplação (Vida e Missão)
Qual nosso novo olhar a partir da Palavra?
Nosso olhar foi  iluminado pela certeza de que Deus cuida deste mundo?
Cuida de nós, e em Jesus Cristo toda dor, todo sofrimento, toda perseguição tem um misterioso porquê?
Vivemos esta certeza?
Simão e André eram pescadores e Jesus os chamou para serem pescadores de homens. Tudo o que eles precisavam fazer era seguir Jesus.
A capacitação e o poder para transformá-los em pescadores de homens viria de Deus, não de uma faculdade ou algo assim. Não seria uma pesca com redes. As redes eles deixaram para trás. Não era para saírem aprisionando pessoas, mas libertando. Andar com Jesus faria deles iscas vivas. Eles deviam levar o sabor e a atração de Jesus por onde quer que fossem.
O pescador vai onde o peixe está, corre riscos e não faz barulho para não chamar a atenção para si. É de Jesus, perdão e salvação que o pescador de homens fala.O tema do pescador de homens é Jesus, o mais próximo que Deus chegou do ser humano. E as boas novas não é uma lista de tarefas, mas a notícia de que Jesus morreu e ressuscitou para nos salvar. E que nos ama infinitamente. Vamos responder ao convite do Mestre? Nosso novo olhar descortina um horizonte bem maior de esperança e de muita Vida.

Bênção
Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém. 
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp