segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

LEITURA ORANTE DO DIA - 11/12/2017



LEITURA ORANTE

Lc 5,17-26 - Livre por dentro e por fora


Em união com todos que se encontram nas redes sociais
iniciamos nossa Leitura Orante do Advento, com a
Canção do Advento
Ó vem, Senhor, não tardes mais!
Vem saciar nossa sede de Paz!
1. Ó vem, como chega a brisa do vento,
Trazendo aos pobres justiça e bom tempo!
2. Ó vem, como a chuva no chão
Trazendo fartura de vida e de pão!
3. Ó vem, como chega a luz que faltou
Só tua palavra nos salva Senhor!
4. Ó vem, como chega a carta querida
Bendito carteiro do Reino da Vida!
5. Ó vem, como chega o filho esperado
Caminha conosco Jesus Bem amado!
6. Ó vem, como chega o Libertador 
Das mãos do inimigo nos salva Senhor

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente na Bíblia, o texto: Lc 5,17-26, e observo pessoas, palavras,
relações, lugares.
Um dia Jesus estava ensinando, e alguns fariseus e alguns mestres da Lei estavam sentados perto dele. Eles tinham vindo de todas as cidades da Galileia e da Judeia e também de Jerusalém. O poder do Senhor estava com Jesus para que ele curasse os doentes. Alguns homens trouxeram um paralítico deitado numa cama e estavam querendo entrar na casa e colocá-lo diante de Jesus. Porém, por causa da multidão, não conseguiram entrar com o paralítico. Então o carregaram para cima do telhado. Fizeram uma abertura nas telhas e o desceram na sua cama em frente de Jesus, no meio das pessoas que estavam ali. Jesus viu que eles tinham fé e disse ao paralítico:
- Meu amigo, os seus pecados estão perdoados!
Os mestres da Lei e os fariseus começaram a pensar:
- Quem é este homem que blasfema contra Deus desta maneira? Ninguém pode perdoar pecados; só Deus tem esse poder.
Porém Jesus sabia o que eles estavam pensando e disse:
- Por que vocês estão pensando assim? O que é mais fácil dizer ao paralítico: "Os seus pecados estão perdoados" ou "Levante-se e ande"? Pois vou mostrar a vocês que eu, o Filho do Homem, tenho poder na terra para perdoar pecados.
Então disse ao paralítico:
- Eu digo a você: levante-se, pegue a sua cama e vá para casa.
No mesmo instante o homem se levantou diante de todos, pegou a cama e foi para casa, louvando a Deus. Todos ficaram muito admirados; e, cheios de medo, louvaram a Deus, dizendo:
- Que coisa maravilhosa nós vimos hoje!
Refletindo
Naquela época, a doença era entendida como causada pelo pecado. Assim pensavam: o pecado invisível era causador dos males visíveis. Para curar aquele paralítico Jesus vai direto à raiz: “os seus pecados são perdoados”, diz ao paralítico. Em seguida, reagem os mestres da Lei. Para eles, Jesus estava blasfemando contra Deus, pois só Deus pode perdoar pecados. Jesus, sabendo o que eles estavam pensando, os questionou e lhes deu mais uma prova de sua divindade, mandando ao paralítico se levantar e andar. O homem, curado, obedeceu e foi para sua casa, louvando a Deus. Foi curado por dentro e por fora. Conquistou, pela graça, a capacidade de caminhar por si.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Meditando
Nossos pastores na Conferência de Aparecida, confirmaram esta certeza de que Jesus Cristo liberta toda pessoa de todo pecado: Nossa alegria baseia-se no amor do Pai, na participação no mistério pascal de Jesus Cristo que, pelo Espírito Santo, faz-nos passar da morte para a vida, da tristeza para a alegria, do absurdo para o sentido profundo da existência, do desalento para a esperança que não engana. Esta alegria não é um sentimento artificialmente provocado nem um estado de ânimo passageiro. O amor do Pai nos foi revelado em Cristo que nos convida a entrar em seu reino.”( DAp 17).
Creio que Jesus Cristo me liberta de todos os males?
Onde o encontro?

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Faço minha oração pessoal e depois, rezo a
Oração a Nossa Senhora da Anunciação
Todas as gerações vos proclamem bem-aventurada,
ó Maria!
Crestes na mensagem celeste,
e em vós se cumpriram grandes coisas,
como vos fora anunciado.
Maria, eu vos louvo!
Crestes na encarnação do Filho de Deus
no vosso seio virginal
e vos tornastes Mãe de Deus.
Raiou então o dia mais feliz da história da humanidade!
Os homens tiveram o Mestre divino,
o Sacerdote único e eterno,
a Hóstia de reparação,
o Rei universal!
A fé é dom de Deus e fonte de todo bem.
Maria, alcançai-me a graça de uma fé viva,
forte, atuante; uma fé que salva e santifica!
Fé no Evangelho, na Igreja, na vida eterna.

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus. A cada instante, buscarei em Jesus, a minha libertação de todo mal.

Bênção natalina do papa Francisco
Iluminado pela esperança evangélica que provém da gruta humilde de Belém,
invoco os dons natalícios da alegria e da paz para todos:
para as crianças e os idosos,
para os jovens e as famílias,
para os pobres e os marginalizados.
Nascido para nós,
Jesus conforte quantos suportam a prova da doença e da tribulação;
sustente aqueles que se dedicam ao serviço dos irmãos mais necessitados.
Em nome do Pai...

Irmã Patrícia Silva, fsp
paulinas.silva@paulinas.com.br

Homília Diária - Mãe Maria - 11/12/17 - Dom Walmor Oliveira de Azevedo


Canal do Youtube: Arquidiocese de Belo Horizonte

Publicado em 10 de dez de 2017

Apresentado pelo Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, o programa Mãe Maria é um tempo dedicado à reflexão e oração, à luz do Evangelho proposto pela liturgia de cada dia. Inspirada no exemplo de Nossa Senhora, a reflexão ilumina a realidade, o caminhar da Igreja e a vida de cada discípulo missionário de Cristo Jesus.

Categoria - Sem fins lucrativos/ativismo

Licença - Licença padrão do YouTube

Homilia Diária.714: Segunda-feira da 2.ª Semana do Advento - Somos Corpo de Cristo - Padre Paulo Ricardo


Canal do Youtube: Padre Paulo Ricardo

Publicado em 10 de dez de 2017

O Evangelho que a Igreja hoje proclama nos desvela um mistério tremendo: Cristo, Cabeça de uma humanidade renovada, quer ser ajudado em sua obra de salvação pelos membros de seu Corpo Místico, não por fraqueza ou indigência, mas para que nós, unidos à sua Paixão, cooperemos com nossas dores e orações para a salvação de nossos irmãos no Filho eterno do Pai. Assista à homilia do Padre Paulo Ricardo para esta segunda-feira, dia 11 de dezembro, e peçamos a Maria SS., Rainha da Igreja, que nos dê a graça de vivermos com profundidade o mistério de nossa colaboração com o divino Redentor!

Categoria - Educação

Licença - Licença padrão do YouTube

HOMÍLIA DIÁRIA - (CANÇÃO NOVA) - Lc 5,17-26 - 11/12/2017


Busquemos com sinceridade o perdão de Deus

A grande graça da vida é reconhecer onde está o pecado e buscar com sinceridade o perdão de Deus

“O que é mais fácil dizer: ‘teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘levanta-te e anda’?Pois, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados — disse ao paralítico — eu te digo: levanta-te, pega o leito e vai para casa” (Lucas 5, 23-24).


Jesus está curando esse paralítico que foi ao Seu encontro, levado por aqueles homens, com isso mostra que: a grandeza de Deus no meio de nós, apaga, perdoa e justifica a Sua presença no meio de nós.
Talvez não tenhamos consciência daquilo que o pecado realiza em nós, da forma como o pecado paralisa a nossa vida, a sociedade e a humanidade.
Todos os avanços tecnológicos que admiramos e percebemos em nosso meio, não têm proporção com a paralisia, com a letargia que toma conta dos nossos relacionamentos humanos por causa do pecado.
Se queremos avançar na fé, se queremos avançar como pessoas humanas, se queremos sair da paralisia que, muitas vezes, se encontra a nossa vida, é preciso buscar com a sinceridade do coração, o perdão para os nossos pecados.
Como se busca com sinceridade o perdão para os pecados? Reconhecendo-se pecador, reconhecendo os pecados propriamente ditos em nossa vida, reconhecer onde pecamos, onde falhamos, inclusive, reconhecer o mal que o pecado realiza não só em nós, mas na vida, na sociedade, nos nossos relacionamentos humanos, o mal que o pecado causa em nossa própria casa, na nossa família.
Deus não nos quer paralisados, Ele não nos quer paralíticos. Ele veio nos levantar daquilo que o pecado nos fez sucumbir, Ele veio nos retirar da poeira, da indigência e veio nos colocar de pé.
Deus nos quer caminhando e construindo o Reino de Deus, mas se não encaramos com seriedade as consequências drásticas que Ele realiza em nossa vida, a nossa paralisia só cresce, as coisas dentro de nós se entulham. Guardarmos tantas coisas velhas e estragadas que não servem para nada dentro de nós. O coração e a mente ficam pesados também. E queremos, muitas vezes, tomar remédios, resolver o problema de um jeito ou de outro, mas a grande graça da vida é reconhecer onde está o pecado e buscar com sinceridade o perdão de Deus.
Levanta-te e anda, porque Deus nos quer de pé.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

domingo, 10 de dezembro de 2017

BOM DIA! BOA TARDE! BOA NOITE! Oração da noite, Oração da manhã e Oração do entardecer - Deus te abençoe!



Oração da Noite

Boa noite Pai.
Termina o dia e a ti entrego meu cansaço.
Obrigado por tudo e… perdão!!
Obrigado pela esperança que hoje animou meus passos, pela alegria que vi no rosto das crianças;
Obrigado pelo exemplo que recebi daquele meu irmão;
Obrigado também por isso que me fez sofrer…
Obrigado porque naquele momento de desânimo lembrei que tu és meu Pai; Obrigado pela luz, pela noite, pela brisa, pela comida, pelo meu desejo de superação…
Obrigado, Pai, porque me deste uma Mãe!
Perdão, também, Senhor!
Perdão por meu rosto carrancudo; Perdão porque não me lembrei que não sou filho único, mas irmão de muitos; Perdão, Pai, pela falta de colaboração e serviço e porque não evitei aquela lágrima, aquele desgosto; Perdão por ter guardado para mim tua mensagem de amor;
Perdão por não ter sabido hoje entregar-me e dizer: “sim”, como Maria.
Perdão por aqueles que deviam pedir-te perdão e não se decidem.
Perdoa-me, Pai, e abençoa os meus propósitos para o dia de amanhã, que ao despertar, me invada novo entusiasmo; que o dia de amanhã seja um ininterrupto “sim” vivido conscientemente.
Amém!!!

Oração da manhã

Bom-dia, Senhor Deus e Pai!
A ti, a nossa gratidão pela vida que desperta, pelo calor que
cria vida, pela luz que abre nossos olhos.
Nós te agradecemos por tudo que forma nossa vida, pela terra, pela água, pelo ar, pelas pessoas. Inspira-nos com teu Espírito Santo os pensamentos que vamos alimentar,as palavras que vamos dizer, os gestos que vamos dirigir,a comunicação que vamos realizar.
Abençoa as pessoas que nós encontramos, os alimentos que vamos ingerir.
Abençoa os passos que nós dermos, o trabalho que devemos fazer.
Abençoa, Senhor, as decisões que vamos tomar, a esperança que vamos promover,a paz que vamos semear,a fé que vamos viver, o amor que vamos partilhar.
Ajuda-nos, Senhor, a não fugir diante das dificuldades, mas a abraçar amor as pequenas cruzes deste dia.
Queremos estar contigo, Senhor, no início, durante e no fim deste dia.
Amém.

Oração do entardecer

Ó Deus!
Cai à tarde, a noite se aproxima.
Há neste instante, um chamado à elevação, à paz, à reflexão.
O dia passa e carregam os meus cuidados.
Quem fez, fez.
Também a minha existência material é um dia que se passa,
uma plantação que se faz, um caminho para algo superior.
Como fizeste a manhã, à tarde e a noite, com seus encantos,
fizeste também a mim, com os meus significados, meus resultados.
Aproxima de mim, Pai, a Tua paz para que usufrua desta
hora e tome seguras decisões para amanhã.
Que se ponha o sol no horizonte, mas que nasça
em mim o sol da renovação e da paz para sempre.
Obrigado, Deus, muito obrigado!
Amém!

NOVENA DE NATAL DOS DIAS 11/12/2017 A 19/12/2017 - PRIMEIRO DIA


Discípulos e Missionários daquele que vem!

"Pelo mistério da Encarnação,
o Filho de Deus se tornou nosso irmão e salvador" .
(DAp 10)
Introdução

Vamos acolher Jesus Cristo neste Natal como "nosso irmão e salvador".
Esta Novena tem como título “Discípulos e missionários daquele que vem”, tema da V Conferência de Aparecida. Faça-a em família, em comunidade ou em grupo de catequese, de pastoral, de trabalho, de amigos, de vizinhos.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 11/12/2017

ANO B


Lc 5,17-26

Comentário do Evangelho

É Deus quem perdoa

A fé dos que carregavam o paralítico provoca a reação de Jesus: “Homem, teus pecados são perdoados” (v. 20). Mas “quem pode perdoar os pecados, a não ser Deus?” (v. 21). Por isso os escribas e fariseus presentes vão acusar de blasfêmia a declaração de Jesus. No entanto, o passivo divino empregado – “teus pecados são perdoados” – revela que o sujeito da ação de perdoar é Deus. É Deus quem perdoa, e o mediador do perdão de Deus é Jesus. O perdão efetivo pode ser verificado pela cura: “... levantando-se diante de todos, pegou a maca e foi para casa, glorificando a Deus” (v. 25). O perdão, do qual Cristo é o mediador, liberta da enfermidade e solta a língua: no início do relato nem uma palavra foi atribuída ao paralítico; no término do relato, no entanto, ele sai “glorificando a Deus”, em reconhecimento da ação de Deus.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Espírito que cura interiormente, toca o mais íntimo de meu ser, para que eu consiga superar o meu egoísmo, e seja capaz de levar os benefícios de Deus a quem precisa de mim.
Fonte: Paulinas em 09/12/2013

Comentário do Evangelho

O tema central do evangelho de hoje é a fé. A fé dos que carregavam o paralítico impressiona Jesus. “Quem pode perdoar os pecados a não ser Deus?”, pensavam os escribas e os fariseus. Mais tarde, em razão disso e de outras afirmações de Jesus, os escribas e fariseus presentes vão acusá-lo de blasfemo. Jesus penetra os pensamentos dos escribas e dos fariseus, assim como Deus no Sl 139 conhece o mais profundo do coração do ser humano. No entanto, o passivo divino empregado – “teus pecados estão perdoados” – revela que o sujeito da ação de perdoar é Deus. É Deus quem perdoa e o mediador do perdão de Deus é Jesus. O perdão efetivo pode ser verificado pela cura: “levantando-se diante de todos, pegou a maca e foi para casa, glorificando a Deus”. O perdão, do qual Cristo é o mediador, liberta da enfermidade e solta a língua: no início do relato, nem uma palavra foi atribuída ao paralítico; no término do relato, no entanto, ele sai “glorificando a Deus”, pois reconhece na palavra de Jesus a ação de Deus.
Pe. Carlos Contieri, sj, em ‘A Bíblia dia a dia 2015’, Paulinas.
Fonte: Paulinas em 07/12/2015

Vivendo a Palavra

O coração humano não é capaz de imaginar o que o Pai tem preparado para aqueles que amam. E Jesus traz os primeiros sinais: a cura do corpo, a inclusão dos discriminados, o perdão dos pecados. Tenhamos consciência de que também são estes os sinais que devem distinguir a sua Igreja entre os homens.
Fonte: Arquidiocese BH em 09/12/2013

VIVENDO A PALAVRA

Os fariseus tinham razão: somente Deus pode perdoar pecados. Pena que eles não tivessem abertura de coração para dar o passo seguinte e aprender a lição viva dos sinais que aconteciam diante deles: Jesus que veio curar paralíticos, cegos e leprosos, era o Filho Unigênito do Pai e tinha também o poder de perdoar.

Reflexão

Nós temos muitas dificuldades para vermos os verdadeiros valores que devem marcar a existência humana e, por isso, não damos importância a eles e até mesmo fechamos o nosso coração à ação divina, dificultando a sua realização. É o caso do Evangelho de hoje, no qual a importância maior é dada para a cura do corpo, sem levar em consideração a cura espiritual e o julgamento de que esta é impossível. Os tempos messiânicos são a expressão da verdadeira hierarquia de valores, na qual os perenes estão acima dos temporais.
Fonte: CNBB em 09/12/2013

Recadinho

A perseverança, alicerçada na fé nas palavras de Deus, nos tornam capazes de presenciar milagres! Mas que tipo de milagres desejamos? Será que não ficamos olhando ao nosso redor e sonhando com coisas absurdas? - Você já presenciou alguma coisa maravilhosa? - O que você considera sua maior maravilha? - Algumas pessoas levaram o paralítico até Jesus. Tenho muitas oportunidades de levar alguém a se aproximar de Deus?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 09/12/2013

Comentário do Evangelho

MANIFESTOU-SE O PODER DE DEUS

A religiosidade de Israel ansiava por manifestações espetaculares do poder de Deus na história humana. As antigas tradições referiam-se a grandiosos gestos salvíficos de Javé, em favor de seu povo. Os profetas, por sua vez, referiam-se às ações que o Messias realizaria, quando de seu advento. Todas elas formidáveis!
O ministério de Jesus consistiu numa contínua manifestação do poder divino, sem, contudo, se enquadrar nos esquemas tradicionais vigentes. Já por sua origem e condição social distanciava-se das esperanças de um Messias de estirpe sacerdotal ou régia. Seu despojamento e sua opção pela pobreza impediam que o identificassem com o esperado Messias glorioso e poderoso.
O modo como manifestava o poder divino tinha alguns traços característicos: visava sempre recuperar a dignidade humana, de tantas formas aviltada; estava a serviço da libertação do ser humano, de toda sorte de opressão; buscava reconciliá-lo com Deus, por meio do perdão dos pecados; protegia-o da rigidez das tradições religiosas. Consistia em possibilitar ao ser humano caminhar com os próprios pés, liberto de todas as amarras que o impedem de pôr-se à disposição de Deus e do próximo. É a libertação para o amor!
O episódio da cura do paralítico, colocado diante de Jesus através de um buraco aberto no teto da casa, é uma das muitas maravilhosas manifestações do poder de Deus.
Oração
Pai, teu poder divino manifestou-se, de modo admirável, no ministério de Jesus. Torna-me também beneficiário deste poder que me abre para o amor misericordioso.
Fonte: Dom Total em 07/12/2015

Meditando o evangelho

VIMOS COISAS MARAVILHOSAS

A vinda de Jesus foi recebida de diferentes modos pelas pessoas. Os fariseus e os mestres da Lei suspeitavam de tudo que ele fazia. Perdoar os pecados parecia-lhes uma blasfêmia, pois, no entender deles, isto era prerrogativa de Deus. Igualmente, o dom de curar. Jesus, porém, não se deixava intimidar por eles. Embora os deixasse escandalizados, não se omitia de perdoar os pecados e de curar.
Pelo contrário, o povo sofredor acolhia Jesus com entusiasmo, por reconhecer, em sua ação, a presença de Deus. A cena do paralítico introduzido na casa pelo buraco, aberto no telhado, revela a fé em Jesus que animava o povo. E esta fé foi tamanha, que Jesus curou o paralítico, sem que o milagre fosse solicitado.
Na atitude do enfermo, o Mestre pôde captar todas as suas carências e vir-lhe ao encontro. E a primeira necessidade daquele homem, na perspectiva de Jesus, consistia em ser perdoado de seus pecados. A cura da paralisia era secundária em relação à deficiência espiritual. Daí ter vindo em segundo lugar. Em todo o caso, o enfermo recebeu tudo quanto precisava para viver de maneira digna, e voltou para casa totalmente refeito.
O povo, especialmente quem se beneficiava da misericórdia de Jesus, reconhecia as maravilhas operadas por Deus e o louvava pelo que fazia por meio de seu Filho.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Senhor Jesus, faze-me contemplar e reconhecer as maravilhas operadas por ti e, por tudo isso, glorificar o Pai.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. A "Equipe de Resgate"
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Nos grandes centros Urbanos é cada vez mais comum a atuação das equipes de Resgate, que se incumbe de atender pessoas vítimas de acidentes, conduzindo-os para o Hospital mais próximo, às vezes a operação se torna sensacionalista na grande mídia, envolvendo Helicópteros e veículos especiais com recursos dos Paramédicos.
A equipe de resgate é solicitada principalmente nos casos em que a pessoa a ser atendida está impossibilitada de se locomover. O que teria tudo isso a ver com o evangelho dessa Segunda Feira? E que na narrativa de São Lucas, a "Equipe de Resgate” roubou a cena principal que caberia ao Paralítico, pois Jesus elogiou o dinamismo da Fé dos quatro irmãos que, mesmo enfrentando obstáculos quase que intransponíveis, conseguiram colocar o Paralitico diante de Jesus, para que a cura fosse possível.
O que temos na reflexão é na verdade um retrato do quotidiano das comunidades de Lucas e das nossas também, onde sempre existirão irmãos e irmãs que precisam constantemente ser carregados... e se considerarmos a paralisia, que nos impede de caminhar, como efeito do nosso pecado, podemos afirmar que "Comunidade é lugar de Carregarmos e sermos Carregados", pois o deixar-se carregar também é uma virtude do evangelho, quando reconhecemos que precisamos do irmão para viver bem a nossa vida de Fé. Os que dão mais trabalho são os prepotentes que não têm a humildade de serem carregados...
E o que é que nos leva a carregar e a permitir que também nos carreguem, quando necessário? Exatamente o desejo de fazer a experiência com Jesus Cristo na Vida em Comunidade, pois não é possível fazer experiência profunda de Jesus se não vivermos em comunhão com os irmãos e irmãs da comunidade.
Comunidade é também por excelência lugar do perdão e da misericórdia manifestadas no Amor de Deus presente em Jesus, tomemos como exemplo o Filho Pródigo, que quando deixou a casa e foi para longe, não se deu conta do grande amor que o Pai lhe tinha, somente ao voltar para casa é que fez essa experiência e descobriu que o Pai o amava tanto.
Os Escribas e Fariseus que aparecem nesse evangelho estão entre os prepotentes, auto-suficientes que não conseguem enxergar a relação com Deus senão na ótica da Lei, não conhecem, e parece que não querem conhecer a misericórdia Divina presente e revelada em Jesus Cristo, Aquele que é capaz sim, de perdoar pecados.
Nossas comunidades correm igual risco quando não fazem a experiência da misericórdia na relação entre irmãos, que atuam nas pastorais, movimentos, ministérios e outras associações de caráter eclesial. O que realmente liberta as pessoas e fazem caminhar, livres da paralisia, não são as normas e obrigações religiosas da nossa Igreja, mas sim o amor, a ternura e a misericórdia com que são acolhidas em nossas comunidades. Isso requer um grande esforço, às vezes até sobre humano, como fez essa "Equipe de Resgate" , demonstrando uma Fé que age, caminha e vai à luta para viver essa comunhão com Jesus na vida em comunidade, pois há muitas "paredes" e "telhados" nas relações cristãs, a serem superadas no âmbito da nossa Igreja.

2. Homem, teus pecados são perdoados
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Alguns homens carregaram um paralítico sobre uma maca e o levaram até Jesus. Estes homens são santos, solidários com seu irmão paralítico. São homens de fé que acreditam no poder de Jesus. Sua atitude enche a terra de esperança. Ainda existe quem carregue um paralítico com sua maca. Esta é a primeira coisa maravilhosa que todos viram admirados e seria suficiente, se Jesus não tivesse perdoado os pecados do paralítico. Isto teria bastado para encher o dia de alegria, mas não bastou para Jesus, que decidiu curar a paralisia daquele homem. A paralisia poderia ser consequência de algum pecado pessoal, como poderia ser consequência de algum mal social que se abateu sobre o homem. Ao separar o pecado da paralisia, Jesus mostrou que um não é necessariamente causa do outro.

Liturgia comentada

Quem pode perdoar pecados... (Lc 5, 17-26)
Corremos o risco de valorizar as coisas visíveis, sem perceber a ação misteriosa de Deus em nossa vida. Assim, neste Evangelho, temos os dois planos da ação divina: o exterior (devolver o movimento a um paralítico) e o interior (perdoar seus pecados).
Em um primeiro momento, comovido pela fé dos quatro amigos que, diligentemente, trouxeram o enfermo à sua presença, Jesus lhe confere o perdão dos pecados. Claro que isto não se nota “do lado de fora”, é um milagre íntimo da onipotente misericórdia de Deus. Os escribas e fariseus ali presentes entendem as palavras de Jesus como autêntica blasfêmia, pois “só Deus pode perdoar pecados”. Não podem crer na transformação ocorrida naquele doente.
Logo, em tom de desafio, Jesus ordena ao paralítico que se erga do catre e volte para casa, carregando a enxerga. Isto, sim, podia ser visto e comprovado. E Jesus o fez como sinal de que seu primeiro gesto também fora verdadeiro.
Deixando de lado a evidência de que muitos males físicos têm como raiz algum tipo de pecado crônico, fixemos nosso pensamento em um ponto de máxima atualidade. Nossa sociedade está paralisada diante das crises e desafios do novo milênio. Violência e insegurança, corrupção e depravação dos costumes, rebeldia e choque de gerações - de todos esses males, brota na humanidade uma terrível sede de reconciliação. Vale a pena recordar as palavras do saudoso Papa João Paulo II:
“O mesmo olhar indagador, se é suficientemente perspicaz, captará no seio da divisão um desejo inconfundível, da parte dos homens de boa vontade e dos verdadeiros cristãos, de recompor as fraturas, de cicatrizar as lacerações e de instaurar, em todos os níveis, uma unidade essencial. Este desejo comporta, em muitos casos, uma verdadeira nostalgia de reconciliação, mesmo quando não é usada tal palavra.” (Reconciliação e Penitência, 3.)
A causa mais profunda da doença existencial de nosso tempo, que se manifesta como stress e depressão, vazio e ausência de sentido, pode ser identificada como um sentimento de culpa que rói a alma humana. Lá no fundo, o homem sabe que se afastou do Pai, recusou sua voz, maculou sua imagem.
Como o pródigo do Evangelho, o homem “sabe” que existe um lar à sua espera. E intui que a comida dos porcos não alimentará seu espírito. Por isso mesmo, tem saudades de Deus. Por que, então, não voltar à casa do Pai?
Orai sem cessar: “Volta, Israel, ao teu Senhor!” (Os 14,1)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br
Fonte: NS Rainha em 09/12/2013

HOMÍLIA DIÁRIA

Jesus nos liberta da paralisia do pecado

Nós, que somos paralisados por causa do pecado, nos levantemos da prostração e vamos ao encontro d’Aquele que nos liberta de todo o mal.
“E Jesus disse: ‘Homem, teus pecados estão perdoados’” (Lc 5,20).
Aquelas pessoas tentavam, de alguma forma, levar aquele paralítico, que estava em cima de um leito, para poder apresentá-lo a Jesus. Subiram até pelo telhado, arrancaram as telhas e, no meio da assembleia, apresentaram o homem paralítico ao Senhor Jesus.
Jesus ficou comovido com tamanha fé. E antes de dizer ao paralítico que levantasse e andasse, a primeira coisa que o Senhor disse foi: “Teus pecados estão perdoados”, para que eu e você tenhamos convicção disto: de que nada nesta vida nos paralisa mais e nos mantém mais presos – com nossos pés “embaraçados” – do que os nossos pecados!
Sabe, meus irmãos, nossa vida, muitas vezes, encontra-se parada e daí as pessoas querem recorrer a “isso” ou “àquilo”. “Por que a minha vida não anda?” “Por que a minha vida não vai para frente?” E, algumas vezes, até acumulando pecado sobre pecado.
E hoje o Senhor também nos diz que os pecados – sejam eles quais forem – paralisam a nossa vida, quando nós acumulamos pecado sobre pecado, quando não nos arrependemos daqueles enlaces, correntes e redes, que o pecado vai criando em nós, para nos manter presos, para não nos dar a liberdade. De modo que, muitas vezes, o pecado é uma força maior do que nós: ele nos arrasta “pra lá e pra cá”, e é uma dureza quando o pecado vira vício! Qualquer vício! Vício de beber, vício das drogas, vício de mentir, vício de fofocar. Isso nos mantém cativos e escravos dele.
A primeira coisa que precisamos pedir a Deus é a graça de sair da paralisia que o pecado causa em nós, sair do espírito da prostração, que o pecado causa em nós. É difícil, para uma pessoa escrava de algum vício, ter força até para ir à igreja, ser fiel aos sacramentos, como para procurar a própria graça da confissão. Porque, deixe-me lhe dizer, a vida espiritual dela está paralisada.
Mas este homem do Evangelho de hoje viu que sua vida não podia continuar daquela forma. E muitas pessoas o ajudaram. Descobriram o telhado para levá-lo ao encontro de Jesus.
Nós também precisamos levar os paralíticos ao Senhor. Se os primeiros paralíticos somos nós, então peçamos ajuda aos irmãos: “Me ajude, minha irmã! Me ajude, meu irmão! Me leve a Jesus, porque eu preciso d’Ele, para me libertar da paralisia que prende os meus pés”.
Para isso, muitas vezes, no meio de nós, na nossa casa, na nossa família, precisamos abrir as portas, carregar pessoas no colo, abrir telhados, portas e janelas para levar tantos paralíticos ao encontro de Jesus. Quando o Senhor perdoa os nossos pecados, as nossas pernas, o nosso coração e tudo aquilo que começa a paralisar nossa vida sai da frente e, assim, a nossa vida começa a ter outro sentido e outra direção.
Nós, que somos paralisados por causa do pecado, nos levantemos da prostração e vamos ao encontro d’Aquele que nos liberta de todo o mal!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal
Fonte: Canção Nova em 09/12/2013

Oração Final
Pai Santo, ensina-nos a distribuir de graça os dons que recebemos de graça. Que a nossa presença junto aos companheiros de caminhada seja para eles incentivo para viverem o Amor e para seguirmos juntos o Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 09/12/2013

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, fonte de misericórdia e perdão, faze-nos compassivos com o nosso próximo, para podermos pedir-te em nossa oração, bem conscientes, que nos perdoes ‘assim como nós perdoamos a quem nos deve’. Pelo Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão. Ele, que nos ensinou a perdoar e contigo reina na unidade do Espírito Santo. Amém.