terça-feira, 7 de janeiro de 2014

LITURGIA DIÁRIA 08/01/2014


Tema do Dia

No amor não existe medo.

Um jeito novo de percebermos a presença do Pai: João afirma que ‘Deus é amor’ e ‘quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus permanece nele’. Como disse Paulo, n’Ele nós vivemos, nos movemos e existimos. Permaneçamos, portanto, EM Deus!


Oração para antes de ler a Bíblia


Meu Senhor e meu Pai! Envia teu Santo Espírito para que eu compreenda
e acolha tua Santa Palavra! Que eu te conheça e te faça conhecer, te ame
 e te faça amar, te sirva e te faça servir, te louve e te faça louvar por
 todas as criaturas. Fazei, ó Pai, que pela leitura da Palavra os pecadores
se convertam, os justos perseverem na graça e todos consigamos
a vida eterna. Amém.

Branco. QUARTA-FEIRA DEPOIS DA EPIFANIA Natal



Primeira Leitura (1Jo 4,11-18)
Quarta-feira depois da Epifania
Quarta-feira 08/01/2014

Leitura da Primeira Carta de São João.

11Caríssimos: se Deus nos amou assim, nós também devemos amar-nos uns aos outros. 12Ninguém jamais viu a Deus. Se nos amamos uns aos outros, Deus permanece conosco e seu amor é plenamente realizado em nós.
13A prova de que permanecemos com ele, e ele conosco, é que ele nos deu o seu Espírito. 14E nós vimos e damos testemunho, que o Pai enviou seu Filho como Salvador do mundo. 15Todo aquele que proclama que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece com ele, e ele com Deus.
16E nós conhecemos o amor que Deus tem para conosco, e acreditamos nele. Deus é amor: quem permanece no amor, permanece com Deus, e Deus permanece com ele. 17Nisto se realiza plenamente o seu amor para conosco: em nós termos plena confiança no dia do julgamento, porque, tal como Jesus, nós somos neste mundo.
18No amor não há temor. Ao contrário, o perfeito amor lança fora o temor, pois o temor implica castigo, e aquele que teme não chegou à perfeição do amor.

- Palavra do Senhor.
- Graças a Deus.


Responsório (Sl 71)
Quarta-feira depois da Epifania
Quarta-feira 08/01/2014

— As nações de toda a terra, hão de adorar-vos, ó Senhor!
— As nações de toda a terra, hão de adorar-vos, ó Senhor!

— Dai ao Rei vossos poderes, Senhor Deus, vossa justiça ao descendente da realeza! Com justiça ele governe o vosso povo, com equidade ele julgue os vossos pobres.
— Os reis de Társis e das ilhas hão de vir e oferecer-lhe seus presentes e seus dons; e também os reis de Seba e de Sabá hão de trazer-lhe oferendas e tributos. Os reis de toda a terra hão de adorá-lo e de todas as nações hão de servi-lo.
— Libertará o indigente que suplica, e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. Terá pena do indigente e do infeliz, e a vida dos humildes salvará.


Evangelho (Mc 6,45-52)
Quarta-feira depois da Epifania
Quarta-feira 08/01/2014


 Ver Jesus como ele é

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
—Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.

Depois de saciar os cinco mil homens, 45Jesus obrigou os discípulos a entrarem na barca e irem na frente para Betsaida, na outra margem, enquanto ele despedia a multidão. 46Logo depois de se despedir deles, subiu ao monte para rezar.
47Ao anoitecer, a barca estava no meio do mar e Jesus sozinho em terra. 48Ele viu os discípulos cansados de remar, porque o vento era contrário. Então, pelas três da madrugada, Jesus foi até eles andando sobre as águas, e queria passar na frente deles.
49Quando os discípulos o viram andando sobre o mar, pensaram que era um fantasma e começaram a gritar. 50Com efeito, todos o tinham visto e ficaram assustados. Mas Jesus logo falou: “Coragem, sou eu! Não tenhais medo!” 51Então subiu com eles na barca, e o vento cessou. Mas os discípulos ficaram ainda mais espantados, 52porque não tinham compreendido nada a respeito dos pães. O coração deles estava endurecido.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.


Oração para depois de ler a Bíblia


Dou-Te graças, meu Deus, pelos bons propósitos, afetos e inspirações
que me comunicastes nesta meditação; peço-Te ajuda para colocá-los  em prática.
Minha Mãe Imaculada, meu protetor São José e Anjo da minha guarda, intercedeis todos por mim. Amém

BOM DIA! - "A vida humana deve ser defendida "sempre", desde o ventre materno, reconhecendo nela um dom de Deus e uma "garantia do futuro da humanidade" " Papa Francisco

QUE A SUA QUARTA-FEIRA SEJA UM BELO DIA, REPLETO DE PAZ E ALEGRIA! BEIJOS

Você sabia que:




O número de Cardeais voltou a aumentar até alcançar 144 no Consistório de março de 1973. Paulo VI incluiu os Patriarcas orientais.

Podcast - Ouça a história do santo do dia

Podcast

Podcast - Ouça a Homilia do Evangelho do dia

Podcast

Homilia do dia

Mt 4,12-17.23-25

Homilia
Data
01/07/14
01/06/14
01/05/14

Podcast - Ouça o Evangelho do Dia

Podcast

Evangelho do dia

Mt 4,12-17.23-25

Evangelho
Data
01/07/14
01/06/14
01/05/14

TERÇOS – VÍDEOS

TERÇO DA DIVINA PROVIDÊNCIA
 

TERÇO DE CURA E LIBERTAÇÃO
 

TERÇO DA FÉ
 

TERÇO DO ESPÍRITO SANTO
 

TERÇO DA LIBERTAÇÃO CANTADO - JOÃO GREGÓRIO

Oração do Angelus - Padre Antonello - VÍDEO


LITURGIA DAS HORAS

Clique no ícone abaixo
para acesso à Hora Canônica

Mensagens diárias prá vc

Terço - Mistérios Dolorosos - Terça-feira e Sexta-Feira




Terço do Rosário: Mistérios Dolorosos





TERÇO DA MISERICÓRDIA - VÍDEOS






"Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso".

JESUS, EU CONFIO EM VÓS!!!

Bem-aventurada Maria Teresa do Sagrado Coração - 7 de janeiro

Maria Teresa do Sagrado Coração
(Ioanna Hae)
Bem-aventurada
1777-1876

Fundou a congregação
Filhas da Santa Cruz de Liegi
O seu nome era Ioanna, para nós Joana, e foi uma das filhas da numerosa família Haze. Pertenciam à classe média e eram católicos fervorosos. Ela nasceu na cidade de Liegi em 27 de fevereiro de 1777. Desde o berço apresentou uma inteligência precoce, aos quatro anos sabia ler e escrever corretamente.

São Luciano da Antioquia - 7 de janeiro


Santo Luciano da Antioquia
235-312
Luciano chamado da Antioquia nasceu em 235 e deve seu grande renome ao fato de ter sido o iniciador da doutrina herética conhecida como arianismo, que tão profundamente abalou toda a cristandade dos primeiros séculos. Aliás, diga-se que os arianos se chamaram inicialmente de "lucianistas". Doutrina a qual Luciano se retratou lavando com o sangue do seu próprio martírio o inicial equívoco, levado às últimas conseqüências pelo herege Ário, que lhe doou o nome definitivo. Assim temos em Santo Luciano um sacerdote sírio que foi martirizado no século IV, mais precisamente no ano 312, na Nicomedia, Turquia.

São Raimundo de Peñafort - 7 de Janeiro




São Raimundo de Peñafort, homem de oração

São Raimundo de Penãfort foi fiel àquilo que davam a ele como trabalho para a edificação da Igreja
Nasceu no castelo de Peñafort, Barcelona, Espanha, no ano de 1175. Desde cedo, muito dedicado aos estudos, ele se especializou em Bolonha, na Itália, na universidade onde se tornou também um reconhecido mestre. Deixou aquela realidade que tanto amava para obedecer ao Bispo de Barcelona que o queria como cônego. Ele prestou esse serviço até discernir seu chamado à vida religiosa, quando entrou para a família dominicana e continuou em vários cargos de formação, mas aberto à realidade e às necessidades da Igreja, onde exerceu o papel de teólogo do Cardeal-bispo de Sabina; também foi legado na região de Castela e Aragão; depois, transferido para Roma, ocupou vários cargos.

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 07/01/2014

7 de Janeiro de 2014

ANO A


Mc 6,34-44

Comentário do Evangelho

A compaixão de Jesus

Jesus envia, pela primeira vez, os Doze que ele havia escolhido, dois a dois, em missão. No regresso deles, Jesus os convida a um lugar à parte para descansarem, pois é grande o número de pessoas que acorrem a eles. Tentativa frustrada, pois a multidão não se furta à ânsia de estar com o Senhor. Esse é o quadro introdutório do episódio dos pães. A compaixão de Jesus pela multidão desencadeia uma dupla ação em favor do povo que busca o Senhor: ensina e alimenta. A compaixão não se confunde com o sentimento de pena; ela é o movimento interno, provocado pela ação do Espírito, que permite a alguém ver e socorrer o outro em suas necessidades. É assim que Deus olha o seu povo em suas aflições. O desamparo da multidão, como ovelhas sem pastor, unida à ordem de se assentarem na “relva verde”, evoca o Sl 23(22). O texto tem a clara intenção de apresentar Jesus como Pastor prometido para Israel, cuja palavra e vida são o verdadeiro sustento espiritual do povo que ele mesmo reúne.
Carlos Alberto Contieri, sj
ORAÇÃO
Pai, que o programa de ação missionária de Jesus inspire o meu desejo de estar a serviço dos mais pobres, sendo para eles portador de alegria e esperança.

Vivendo a Palavra

O sinal da partilha dos pães era consequência natural do Amor que o Pai dedica aos seus filhos. Jesus, o Filho Unigênito feito carne, agiu assim para nos ensinar o jeito de convivência que agrada ao Pai: o cuidado, o desapego, a partilha, a gratuidade. Assim devemos ser e agir, como sua Igreja neste tempo.

Reflexão

Jesus é o pastor segundo o coração de Deus, realizando assim a profecia de Jeremias, e é também o próprio Deus que vem apara apascentar o seu povo, conforme nos diz o profeta Ezequiel. Ele vem porque Deus tem compaixão do seu povo que está como ovelhas que não têm pastor. Jesus é o pastor que alimenta o rebanho com a palavra, ensinando-lhes muitas coisas, e com o alimento material, multiplicando os pães e os peixes. Como continuadores da missão pastoral de Jesus, devemos nós também dar a nossa contribuição para que o povo seja formado na fé, possa lutar pela superação da miséria e da fome, e tenha condições de conhecer e viver os valores do Reino de Deus.

Recadinho


Há tanta gente que está como ovelha sem pastor! Faço minha parte para ajudar a cuidar destas ovelhas? - Incentivado por Jesus, caminho sempre em socorro de meus irmãos? - Em meio a tanta fome no mundo, o que me diz a recomendação de Jesus: “Dai-lhes vós mesmos de comer?” - É justo tanta fome à nossa volta? - Era tarde. Jesus, vendo a multidão, ficou com dó. Quando chegar para nós a tarde de nossa caminhada, lancemos o olhar para Jesus. Ele, em sua infinita bondade e misericórdia, nos fortalecerá.
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

A PARTILHA SEM LIMITES

Um dos temas centrais da pregação e da vida de Jesus foi o da partilha. Sua vida definiu-se como partilha contínua da palavra e do poder que lhe fora confiado pelo Pai. Seu ensinamento consistia em comunicar aos ouvintes um tesouro de sabedoria, levando-os a superar uma visão estreita e deturpada da Palavra de Deus. E, ao operar milagres, partilha de vida, condividia, com as multidões, a força vivificadora recebida do Pai.
O milagre realizado em benefício de uma multidão faminta que o escutava, numa região deserta, foi uma lição de partilha. Os cinco pães e dois peixes eram uma porção insignificante de alimento para uma quantidade tão grande de gente. Quem os possuía, foi desafiado a colocá-los à disposição dos demais. Sem este gesto inicial de partilha, não teria havido milagre. O grupo dos discípulos de Jesus também foi desafiado a superar sua carência pessoal de alimento. E, assim, cada pessoa recebeu um pedaço de pão. Se algum pedaço de pão tivesse caído em mãos egoístas, aí o milagre deixaria de acontecer. O fato de serem cerca de cinco mil homens os que comeram e de ter sobrado doze cestos cheios de pedaços de pão e restos de peixe sublinha a infinita capacidade de partilha daquele grupo. Não importa a quantidade de alimento disponível, quando a capacidade de partilha é ilimitada. Problema é quando os bens deste mundo caem em mãos que não sabem partilhar.
Oração
Senhor, abre meu coração diante da fome de milhares de irmãos e irmãs necessitados, e dá-me a capacidade de partilhar do meu pouco.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Ó Deus, cujo Filho unigênito se manifestou na realidade da nossa carne, concedei que, reconhecendo sua humanidade semelhante à nossa, sejamos interiormente transformados por ele. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


07 de JANEIRO -TERÇA


Liturgia comentada

E ficaram saciados... (Mc 6,34-44)
Ah! A fome do mundo! Ah! A sede do coração humano! Não há pão que chegue... Onde acharemos tanta água?
A narrativa deste Evangelho descortina o cenário de uma multidão faminta. E um pequeno grupo de dirigentes disposto a despedir os famintos em pleno deserto, como se não tivessem responsabilidade pela fome do povo.
Para seu espanto e surpresa, ouve-se a voz do Mestre: “Dai-lhes vós mesmos de comer!” O primeiro passo foi realizar um levantamento dos “recursos humanos”: que é que temos no freezer?
Pobre humanidade que pensa autossustentar-se! Que conta apenas com seus próprios recursos... E certamente há de sofrer em reparti-los... Parece ignorar que tem a seu lado o Senhor da matéria. Parece ignorar que Ele é o “Pão de Vida”.
Pior ainda é desconhecer a fonte de alegria que brota do pão repartido, da oportunidade de alimentar o faminto. Maldito o pão que se parte e não se reparte!
Ensina o Papa Francisco em sua Carta apostólica “Evangelii Gaudium” [A Alegria do Evangelho]: “O bem tende sempre a comunicar-se. Toda a experiência autêntica de verdade e de beleza procura, por si mesma, a sua expansão; e qualquer pessoa que viva uma libertação profunda adquire maior sensibilidade face às necessidades dos outros. E, uma vez comunicado, o bem radica-se e desenvolve-se. Por isso, quem deseja viver com dignidade e em plenitude, não tem outro caminho senão reconhecer o outro e buscar o seu bem. Assim, não nos deveriam surpreender frases de São Paulo como estas: ‘O amor de Cristo nos absorve completamente’ (2Cor 5,14); ‘Ai de mim, se eu não evangelizar!’ (1Cor 9,16).” [EG, 9]
Francisco vai além: “A proposta é viver a um nível superior, mas não com menor intensidade: Na doação, a vida se fortalece; e se enfraquece no comodismo e no isolamento. De fato, os que mais desfrutam da vida são os que deixam a segurança da margem e se apaixonam pela missão de comunicar a vida aos demais.” (EG, 10)
Nós somos privilegiados. Recebemos de graça o Pão da Palavra e o Pão da Eucaristia. Se não os repartimos, eles se perdem. E a fome aumenta...
Orai sem cessar: “Saciarei de pão os seus pobres...” (Sl 132,15)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br



HOMILIA
JESUS ALIMENTA UMA MULTIDÃO Mc 6,34-44

Estamos diante de um milagre humanamente inexplicável. Jesus se compadece da multidão que o seguia. Pois era como que ovelhas sem pastor. Só que a sua atitude escapa e ultrapassa a nossa capacidade de raciocinar. Os evangelhos nos relatam que Ele por 2 vezes multiplicou pães e peixes para atender à multidão que o seguira até uma região “deserta” (longe de cidades) e ali ficara ouvindo-o e recebendo curas, mas, por não se terem munido de alimentos, estavam a ponto de passar fome. Aproveitando o que os discípulos dispunham: 5 pães e 2 peixes. Mandou que o povo se assentasse em grupos de 100 e de 50. Tomando os pães e os peixes e ergueu os olhos aos céus deu graças e os abençoou. Depois fez a repartição entre os discípulos e estes para o povo. Todos comeram à vontade: milhares de homens, além das mulheres e crianças. E como se não bastasse ainda sobraram 12cestos com pedaços de pão e de peixe, que Jesus mandou recolher para nada se perder.
Assim como Jesus se compadeceu da multidão, também na nossa vocação cristã somos chamados a ter compaixão do povo, sobretudo o sofredor. Nossa vida cristã deve conduzir-nos à prática da misericórdia para com os irmãos. Esse é o grande testemunho de que o mundo precisa, e é uma exigência que brota das palavras de Jesus no seu Evangelho: “Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor”.
Jesus conduz seus discípulos a um lugar deserto, para que repousassem, atravessando o mar da Galiléia em um barco. Porém, ao desembarcarem, já uma grande multidão os espera. Incansavelmente e tomado de compaixão, Jesus se põe a ensinar-lhes. Com o passar do tempo se faz necessário que todos se alimentem. A solução dos discípulos é que seja comprado o alimento. Jesus propõe outra solução: “Vós mesmos dai-lhes de comer!”, e eles não entendem. Abençoando cinco pães e dois peixes que tinham, Jesus os partilha com a multidão. Aqueles que tinham alimentos aderem à partilha e todos ficam saciados. Jesus toca os corações e os transforma pelo amor.
O milagre da multiplicação dos pães se chama misericórdia e compaixão, perdão, partilha, justiça, amor e paz.
Hoje, fala-se muito da fome no mundo… Quem não viu imagens de crianças famintas da África e não só, que mais parecem esqueletos? Deus conta conosco para repartir o Seu “Pão”, com todos aqueles que têm fome de Amor, de Liberdade, de Justiça, de Paz, de Esperança.
Vemos a atitude de Deus, que não multiplica os pães do nada, e o gesto generoso de duas pessoas: - Um homem desconhecido oferece o fruto do seu trabalho;  - Eliseu partilha o dom recebido.
O Pão partilhado sacia a fome de todos… e ainda sobra… Não será esse o caminho a ser seguido, também nos nossos dias, para resolver o grave problema da fome no mundo?
Pai, preserva-me da cobiça e da ganância que me impedem de ser generoso com meu semelhante. E abre meu coração para a partilha e a misericórdia.
Fonte Homilia: Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
HOMÍLIA DIÁRIA
Que nós não sejamos indiferentes à fome do mundo!
O pão da nossa mesa deve ser repartido com os pobres, o pão da nossa mesa deve ser repartido com aqueles que nada têm!
”Mas Jesus respondeu: ‘Dai-lhes vós mesmos de comer”’ (Mc 6, 37).
Meus irmãos, uma numerosa multidão está seguindo Jesus, e Ele tem compaixão de Suas ovelhas, que parecem, muitas vezes, perdidas, como se não tivessem pastor. Jesus começa a lhes ensinar muitas coisas, porque este é o primeiro alimento: o ensinamento da Palavra, o pão da Palavra, que vem da boca de Deus. É o primeiro alimento que nos sacia, porque não só de pão vive o homem, mas da Palavra que vem da boca de Deus. Por isso Cristo a ensina para todos.
Todos que querem escutá-la e aprender com o Senhor, Ele a ensina! Mas o mesmo Jesus que ensina, que prega e que anuncia a Palavra de Deus é o mesmo que diz aos Seus discípulos: “Dai-lhes vós mesmos de comer”. E o ”dar de comer”, aqui, não é simplesmente dar de comer um pão celeste, um pão consagrado, não somente o pão da Palavra; mas o dar de comer é para saciar a fome material, a fome física, porque o povo já está cansado, abatido e não tem o que comer.
Sabem, meus irmãos, é missão de todos nós repartirmos o que nós temos com os famintos e sedentos da humanidade! É verdade que a Igreja não vai resolver o problema da pobreza e da desigualdade humana, mas a Igreja é sinal, é mãe, é mestra. Nenhuma mãe vê seus filhos passarem fome e apenas lamenta, nenhuma mãe que vê que seus filhos não têm o que comer diz: ”Que pena, coitadinho, tá com fome!”
Nós temos que não só anunciar a Palavra, mas também temos que colocar o pão na boca dos famintos; esse não é um dever, uma obrigação, só das obras assistenciais da Igreja, diversas congregações, obras maravilhosas de apoio e de superação da fome e da miséria que a Igreja tem em todo o mundo. Esse é dever nosso de discípulos de Jesus, porque a ordem que Jesus deu a Seus discípulos é a mesma que também dá a nós: ”Dai-vos mesmos de comer”.
O pão da nossa mesa é para ser repartido com os pobres, o pão da nossa mesa é para ser repartido com aqueles que nada têm! Que nenhum de nós seja indiferente à fome do mundo, à fome das pessoas! E aqui volto a dizer: não é só fome de Deus, mas é fome do pão de cada dia para comer.
Nós devemos promover a multiplicação e a divisão do pão, porque não fazer isso é mais do que pecado; é um pecado que arrasa o coração de Deus ver qualquer um dos Seus filhos passar e padecer de fome. Que nós levemos o pão que está à nossa mesa para aqueles que não têm o que comer!
Que Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter
LEITURA ORANTE

Mc 6,34-44 - Participe do banquete da vida



Saudação
- A nós, a paz de Deus, nosso Pai,
a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo,
no amor e na comunhão do Espírito Santo.
- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!
Preparo-me para a Leitura, rezando:
Jesus Mestre, que dissestes:
"Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome,
eu aí estarei no meio deles",
ficai conosco,
aqui reunidos (pela grande rede da internet),
para melhor meditar
e comungar com a vossa Palavra.
Sois o Mestre e a Verdade:
iluminai-nos, para que melhor compreendamos
as Sagradas Escrituras.
Sois o Guia e o Caminho:
fazei-nos dóceis ao vosso seguimento.

1. Leitura (Verda
de)
O que diz o texto do dia?

Leio atentamente o texto na Bíblia: Mc 6,34-44 - Banquete da v
ida
Quando Jesus desceu do barco, viu a multidão e teve pena daquela gente porque pareciam ovelhas sem pastor. E começou a ensinar muitas coisas.
De tardinha, os discípulos chegaram perto de Jesus e disseram:
- Já é tarde, e este lugar é deserto. Mande esta gente embora, a fim de que vão aos sítios e povoados de perto daqui e comprem alguma coisa para comer.
Mas Jesus respondeu:
- Dêem vocês mesmos comida a eles.
Os discípulos disseram:
- Para comprarmos pão para toda esta gente, nós precisaríamos de duzentas moedas de prata
Jesus perguntou:
- Quantos pães vocês têm? Vão ver.
Os discípulos foram ver e disseram:
- Temos cinco pães e dois peixes.
Então Jesus mandou o povo sentar-se em grupos na grama verde. Todos se sentaram em grupos de cem e de cinqüenta. Aí Jesus pegou os cinco pães e os dois peixes, olhou para o céu e deu graças a Deus. Depois partiu os pães e os entregou aos discípulos para que eles distribuíssem ao povo. E também dividiu os dois peixes com todos. Todos comeram e ficaram satisfeitos. E os discípulos ainda recolheram doze cestos cheios de pedaços de pão e de peixe. Foram cinco mil os homens que comeram os pães

O grande ensinamento de Jesus neste fato, é que não é preciso muito dinheiro, nem as duzentas moedas de prata para “comprar pão” para o povo que o acompanhava. É preciso: repartir o que se tem, organizar o povo “em grupos de cem e de cinqüenta”, entregar a Deus o que se tem – “Jesus pegou os cinco pães e os dois peixes” -, confiar em Deus, acima de tudo – “olhou para o céu” -, agradecer – “deu graças a Deus”; distribuir às pessoas. Este é o novo Reino, a nova sociedade instituída por Jesus, onde o comércio é substituído pelo dom e pelo serviço aos demais. Nesta sociedade todos são satisfeitos e ainda há sobra: “recolheram doze cestos cheios de pães e peixes.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje? 
Entro em diálogo com o texto. Reflito e atualizo.
O que o texto me diz no momento?
Este texto me faz pensar em nossa sociedade onde muitos passam fome e outros têm em abundância e há tanto desperdício.
Os bispos na Conferência de Aparecida lembraram os pobres que passam fome e outros tipos de pobreza: “Milhões de pessoas e famílias vivem na miséria e inclusive passam fome. Preocupam-nos também os dependentes das drogas, as pessoas com limitações físicas, os portadores e vítimas de enfermidades graves como a malária, a tuberculose e HIV – AIDS, que sofrem a solidão e se vêem excluídos da convivência familiar e social. Não nos esqueçamos também dos seqüestrados e aqueles que são vítimas da violência, do terrorismo, de conflitos armados e da insegurança na cidade. Também os anciãos que, além de se sentirem excluídos do sistema produtivo, vêem-se muitas vezes recusados por sua família como pessoas incômodas e inúteis. Sentimos as dores, enfim, da situação desumana em que vive a grande maioria dos presos, que também necessitam de nossa presença solidária e de nossa ajuda fraterna. Uma globalização sem solidariedade afeta negativamente os setores mais pobres. Já não se trata simplesmente do fenômeno da exploração e opressão, mas de algo novo: da exclusão social. Com ela o pertencimento à sociedade na qual se vive fica afetado, pois já não se está abaixo, na periferia ou sem poder, mas se está de fora. Os excluídos não são somente “explorados”, mas “supérfluos” e “descartáveis”. (DAp 65).
Como me solidarizo com estes pobres?

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
 
Rezo a Oração do amor:
Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

4.Contemplação
 (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Pala
vra?
Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus.

Vou viver a solidariedade com os que sofrem.

Bênção

-
 Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.
Augúrios do bem-aventurado Alberione que fazemos nossos a você:
Jesus Divino Mestre seja para ti:
a verdade que ilum
ina,
o caminho da santidade,

a vida plena e ete
rna.
Que ele te guarde e defenda.

Plenifique de todos os be
ns
a ti e a todos que amas.

Em nome do Pai, do Filho
e do Espírito Santo.
Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp
Oração Final

Pai Santo, nós te damos graças pelo pão que alimenta o nosso corpo, os nossos sentimentos, a nossa inteligência e o nosso Espírito. E te pedimos, Pai amado, grandeza de alma para partilharmos esse mesmo pão que recebemos de tua misericórdia com os irmãos da caminhada. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.