segunda-feira, 27 de março de 2023

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA - 27/03/2023

ANO A


Jo 8,1-11

Comentário do Evangelho

O rosto misericordioso de Deus

O Templo é para Jesus o lugar de ensinamento, cujo conteúdo, ao menos no texto de hoje, desconhecemos em parte. Em parte porque a reação de Jesus ante os fariseus que lhe trouxeram uma mulher apanhada em adultério é um verdadeiro ensinamento e revelação do rosto misericordioso de Deus, ao mesmo tempo que exige que o discípulo seja imitador da misericórdia do Senhor. Para a mulher levada diante de Jesus, a cena é dramática, pois ela tem a certeza do apedrejamento até a morte em razão do seu delito (Lv 20,10; Dt 22,22-24). Surpreende que o homem envolvido no mal não fosse igualmente levado pelos acusadores. São escribas e fariseus que levam a mulher diante de Jesus. O tom é de provocação e desafio. A primeira resposta de Jesus é o silêncio e um gesto simbólico que mostra sua irritação e indignação diante da falta de misericórdia. Mas não compreenderam nem se contentaram com o gesto. Diante da insistência deles, Jesus o traduz em palavras que revela a verdade sombria de cada um. Por isso, vão se retirando um a um. A mulher, agora, tem diante de si a vida. A misericórdia venceu a dureza do coração. A palavra do Senhor liberta e revela o rosto misericordioso de Deus, oferecendo a possibilidade de uma vida resgatada e transformada pelo amor.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, tira do meu coração a maldade e a hipocrisia que me tornam juiz iníquo do meu semelhante, não me permitindo ver a necessidade de pôr em ordem a minha vida.
Fonte: Paulinas em 07/04/2014

Vivendo a Palavra

Seria tão fácil fazer coro com os acusadores e condenar aquela mulher! Foi pega em flagrante em crime previsto na Lei; portanto, estava condenada. Mas, não era assim para Jesus. Por isto, estamos diante de uma das páginas mais bonitas escritas por mãos humanas sobre misericórdia, perdão, compaixão – ou, se quisermos, sobre o Amor.
Fonte: Arquidiocese em 03/04/2017

VIVENDO A PALAVRA

Seria tão mais fácil, simples e seguro entrar no coro dos acusadores e condenar aquela mulher! Foi pega em flagrante cometendo crime previsto na Lei; portanto, estava condenada. Mas, não era assim para Jesus. Por isto, estamos diante de uma das páginas mais bonitas escritas por mãos humanas sobre Misericórdia, Perdão, Compaixão – ou, se quisermos: sobre o Amor.
Fonte: Arquidiocese em 30/03/2020

Reflexão

Quando falamos em pecado, sempre nos referimos aos pecados que os outros cometeram, jamais aos nossos, porque os outros precisam ser condenados pelos seus erros e nós somos diferentes, precisamos ser compreendidos. Quando fazemos isso, geralmente escondemos dos outros a face amorosa e misericordiosa de Deus, porque esta face e só para nós, e lhes mostramos um Deus que pune e é vingativo, que quer o castigo de todos, e esta face não é para nós. Com isso, nos tornamos um obstáculo para a conversão dos outros e, em conseqüência disso, Deus não agirá com misericórdia e amor conosco.
Fonte: CNBB em 07/04/2014 e 03/04/2017

Reflexão

Ansiosos por “testarem Jesus e terem motivo de o acusar”, os chefes do povo parecem satisfeitos por tornar público um ato que se dá na intimidade. Pior: desejando que a adúltera seja apedrejada. O que diz o Mestre a esse respeito? Jesus abaixa-se, escreve no chão com o dedo, ouve repetidas vezes a mesma maliciosa pergunta. Com soberania, ele se põe de pé e dispara a inesperada sentença capaz de provocar total reviravolta: “Quem de vocês não tiver pecado, atire nela a primeira pedra”. Golpe certeiro. Desmantela a arrogância dos acusadores e faz cair de suas mãos as pedras destinadas ao homicídio. O Mestre, que veio para salvar e não para condenar, livra da morte a mulher, e aos doutores da Lei e fariseus, afundados no pecado, dá a possibilidade de refletirem sobre seus atos e se converterem.
Oração
Ó incomparável Mestre, tua atitude diante da mulher adúltera desconcertou os escribas e fariseus que buscavam motivos para te acusar. Teus gestos e sábia resposta vêm atravessando os séculos, confirmando que ninguém está autorizado a matar uma pessoa por um pecado cometido ou um erro praticado. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))
Fonte: Paulus em 30/03/2020

Reflexão

Na área do templo, Jesus ensina a todo o povo “que ia ao seu encontro”. Rumores de passos de um grupo apressado interrompem a palestra de Jesus. Doutores da Lei e fariseus, que viviam à caça de ocasião para acusar Jesus de alguma falha, preparam-lhe uma armadilha: ele deverá responder se é a favor do apedrejamento da adúltera, ou então ir contra a Lei de Moisés, se a absolver. Em nome da Lei, querem destruir o Mestre. Com atitude serena e majestosa, Jesus os convida a jogar pedra na mulher, com uma condição: se forem inocentes. Não eram; viviam no pecado. Por isso, desapontados, desaparecem. Jesus liberta a mulher das mãos dos improvisados e maldosos juízes e a liberta também da situação de pecado. Oferece-lhe condições de vida nova e plena.
(Dia a Dia com o Evangelho 2023)

Refleo

«Vai, e de agora em diante não peques mais»

Rev. D. Jordi PASCUAL i Bancells
(Salt, Girona, Espanha)

Hoje contemplamos no Evangelho o rosto misericordioso de Jesus. Deus é Amor, e Amor que perdoa, Amor que se compadece de nossas fraquezas, Amor que salva. Os mestres da Lei de Moisés e os fariseus disseram a Jesus: «Mestre, essa mulher foi pega em flagrante cometendo adultério» (Jo 8,4) e pedem ao Senhor: «E tu, o que dizes?» (Jo 8,5). Não lhes interessa tanto seguir um ensinamento de Jesus como poder acusá-lo de que está contra a Lei de Moisés. Mas o Mestre aproveita essa ocasião para manifestar que Ele veio buscar aos pecadores, levantar aos caídos, chamá-los à conversão e à penitência. E esta é a mensagem da Quaresma para nós, uma vez que todos somos pecadores e todos necessitam da graça salvadora de Deus.
Atualmente se diz que estamos perdendo o sentido do pecado. Muitos não sabem o que está bem ou mal, nem por que. É o mesmo que dizer —em forma positiva— que se perdeu o sentido do Amor a Deus: do Amor que Deus nos tem, e —por nossa parte— a correspondência que este Amor pede. Quem ama não ofende. Quem se sabe amado e perdoado, retribui amor por Amor: «Perguntaram ao Amigo qual era a fonte do amor. Ele respondeu que é aquela onde o Amado lavou as nossas culpas» (Ramon Llull).
Por isso, o sentido da conversão e de a penitência próprias da Quaresma é colocar-nos cara a cara ante Deus, olhar aos olhos do Senhor na Cruz, e manifestar pessoalmente nossos pecados no sacramento da Penitência. E como à mulher do Evangelho, Jesus nos dirá: «Ela respondeu: «Ninguém, Senhor» Então Jesus disse: «Eu também não a condeno. Vai, e de agora em diante não peques mais» (Jo 8,11). Deus perdoa e isto nos leva a uma exigência, um compromisso: Não peques mais!

Pensamentos para o Evangelho de hoje

- Convém avisar que nunca de essa forma nos transportemos em mirar a divina misericórdia, que não nos lembremos da justiça; nem de essa forma miremos a justiça, que não nos lembremos da misericórdia; porque nem a esperança lhe falte o temor, nem o temor da esperança» (Fray Luís de Granada)

- «Aquele de vocês que esteja sem pecado, que jogue a primeira pedra” Essas palavras estão cheias da forca da verdade, que desarma, que derriba o muro da hipocrisia e abre as consciência a uma justiça maior, a do amor» (Bento XVI)

- «Deus manifesta a sua omnipotência convertendo-nos dos nossos pecados e restabelecendo-nos na sua amizade pela graça: “Senhor, que dais a maior prova do vosso poder quando perdoais e Vos compadeceis...” (Missal Romano, Coleta Domingo XXVI)» (Catecismo da Igreja Católica, n° 277)

Meditação

“Nem eu te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques.” Podemos imaginar o alívio daquela mulher, e supor também que sua decisão para o futuro não foi determinada só pelo medo do castigo. Sem dúvida nenhuma foi influenciada pela bondade de Jesus, por sua misericórdia, e jamais haveria de esquecer aquelas palavras “de agora em diante já não peques”. Pois bem, são bem essas as palavras que o Senhor repete cada vez que volto a Ele arrependido. Essa mesma atitude devemos ter uns com os outros: Atitudes de misericórdia.
Oração
Ó Deus, que pela vossa graça inefável nos enriqueceis de todos os bens, concedei-nos passar da antiga à nova vida, preparando-nos assim para o reino da glória. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Meditando o evangelho

UM JULGAMENTO FRUSTRADO

O episódio do julgamento frustrado da mulher flagrada em adultério chama a atenção para o tipo de juízo a que Jesus será submetido, chegando até ser condenado à morte. A malícia e a hipocrisia que condenaram a mulher haveriam de recair também sobre Jesus.
Os mestres da Lei e os fariseus, ao surpreenderem a mulher em adultério, conheciam perfeitamente a providência a ser tomada. Aliás, eles mesmos se confessaram conhecedores da Lei, a qual ordenava a lapidação imediata das adúlteras. Portanto, não tinha sentido interrogar Jesus a este respeito. O que os adversários visavam era colher provas contra ele, saídas de sua própria boca. De fato, quem estava sendo julgado era Jesus, não a mulher adúltera.
O gesto sereno do Mestre, apesar da insistência de seus inquisidores, foi uma clara demonstração de que ele não os temia. Continuou a escrever no chão. Depois, ergueu-se para confrontá-los com uma pergunta fulminante: "Quem de vocês não tiver pecado, seja o primeiro a apedrejar esta mulher!". Então, toda a malícia de seus adversários ficou patente, pois foram se retirando, um por um, a começar pelos mais velhos. É porque não tinham moral para julgar a adúltera, e muito menos para julgar Jesus. Que tratassem de se corrigir, antes de se arvorarem em juízes do próximo!
A mulher teve Jesus para defendê-la da malícia e da hipocrisia dos seus acusadores. Quanto a Jesus, haveria de ser condenado por pecados que não cometeu.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Pai, tira do meu coração a maldade e a hipocrisia que me tornam juiz iníquo do meu semelhante, não me permitindo ver a necessidade de pôr em ordem a minha vida.
Fonte: Dom Total em 07/04/2014, 03/04/2017 e 30/03/2020

Oração
Ó Deus, que pela vossa graça inefável nos enriqueceis de todos os bens, concedei-nos passar da antiga à nova vida, preparando-nos assim para o reino da glória. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Dom Total em 07/04/2014

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. QUEM NÃO TIVER PECADO...
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Não sei se colocaram alguma câmera oculta ou o marido traído contratou algum espião, o fato é que aquela mulher fora pega com a “boca na botija” em flagrante adultério. Que prato cheio para os fofoqueiros de plantão!
Quando ouvimos alguma notícia de alguém da nossa igreja, que cometeu algum pecado na área da sexualidade, parece que é o maior de todos os pecados e nos apressamos em passar a notícia para frente. “Bem que desconfiei que essa mulher não valia nada!” - “Pois é, tinha uma aparência de santinha, mas de santa não tinha nada” – “Ah isso eu já desconfiava faz tempo, essa nunca me enganou!”.
Tenho séria desconfiança de que isso aconteceu na comunidade do evangelista João e que também já ocorreu em nossa comunidade em nível de paróquia ou de diocese. Como é que reagimos diante de um escândalo?
A coisa é tão grave, que dependendo da pessoa, nos alegramos interiormente, se dela já fazíamos mau juízo. Julgamos e condenamos, usurpando de um direito que só pertence a Deus. E se encontrarmos a pessoa na comunidade ficaremos horrorizados “Meu Deus, como é que pode, será que ainda não avisaram o padre?”
Assim aconteceu com a mulher adúltera que já estava presa nas mãos dos seus acusadores, que decidiram levá-la até Jesus, só para verem como é que ele iria reagir diante de um caso que não tinha saída. É verdade que ela ainda não tinha sido julgada pelo conselho do sinédrio, mas não tinha escapatória, seria condenada à morte por apedrejamento em praça pública.
Pediram a opinião de Jesus, mas antes já tinham feito o julgamento “ela foi apanhada em flagrante adultério e a lei de Moisés manda que seja apedrejada em praça pública até a morte. E o senhor, o que é que diz?”
Quando vamos falar sobre o pecado que o irmão cometeu, também fazemos assim: já o julgamos e condenamos, não importa o que o outro vá dizer...
Mas Jesus passou de caça a caçador, concordou com o apedrejamento como mandava a lei porém, mudou o foco da conversa, que até aquele momento era o pecado da mulher “quem entre vós não tiver nenhum pecado, que atire a primeira pedra”.
Como muda o que pensamos da pessoa do próximo, quando olhamos para o nosso pecado! O evangelho afirma que começando pelos mais velhos, todos se foram. Os mais velhos da comunidade não têm direito de julgar e condenar a ninguém porque a referência não é uma pessoa, por mais virtuosa que ela seja, mas Jesus! Ele é a cabeça da igreja, nós somos apenas os membros. Ele é o tronco, nós simplesmente os ramos!
Jesus não a condenou “Se ninguém te condenou nem eu te condeno. Vá e não tornes a pecar”. A palavra “condenar” é própria do ser humano, mas não de Deus, ele jamais irá condenar a ninguém. Quando em nossa mente projetamos a imagem de um Deus que nos condena, estamos na verdade recusando todo o amor e a misericórdia que ele manifestou no seu Filho Jesus.
O amor e a misericórdia que Jesus manifestou para essa mulher pecadora, não foi motivado pelo arrependimento, em nenhum momento o evangelho fala que a pecadora estava arrependida, estava sim humilhada porque seu pecado fora descoberto, parece que a dor moral era maior do que o medo das pedradas que estavam por vir. Todos contra ela, apoiados no rigorismo da lei, porém Jesus coloca a vida e a dignidade humana acima da lei, quando ficou a sós com a mulher, não lhe perguntou se estava arrependida do que fizera, não lhe lembrou a gravidade do seu pecado e não fez nenhum discurso moralista, apenas a orientou para que não mais pecasse.
Às vezes o nosso perdão dado ao próximo que errou, é acompanhado de tanto palavrório e discurso, que faz ficar mais pesado o sentimento de culpa do outro. O verdadeiro perdão cura a dor da culpa e resgata ao pecador a dignidade perdida. É assim que Deus age conosco, foi precisamente para isso que Jesus veio ao mundo, missão definida pelo precursor João Batista “eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo”.
Portanto, antes de olharmos para o pecado do irmão, com uma boa lupa de aumento, olhemos para a nossa vida e sintamos o quanto Deus nos ama, sem nunca nos ter julgado e condenado.

2. Quem dentre vós não tiver pecado, atire a primeira pedra!
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Avançamos na Quaresma com a convicção de que somos todos pecadores e com a certeza de que, se os homens nos apedrejam, Deus quer nos perdoar. “Ninguém te condenou?”, “Ninguém, Senhor!” Jesus, então, lhe disse: “Eu também não te condeno. Vai, e de agora em diante não peques mais”. Jesus acredita no ser humano e na sua capacidade de recuperação. Não é preciso matar o pecador. É preciso matar o pecado e dar ao pecador oportunidade de reabilitação. Num país que se considera civilizado, um presídio seria uma casa de reeducação, e não uma escola de criminalidade. Educação parece ser uma palavra mágica que resolve todos os problemas. Não resolve, mas pode devolver à pessoa a sua dignidade, colocando-a diante de valores atraentes.
Fonte: NPD Brasil em 03/04/2017

HOMILIA

JESUS TOCA A CONSCIÊNCIA DOS ACUSADORES

Com a expressão: "Quem não tiver pecado atire a primeira pedra", Jesus toca a consciência daqueles homens e mulheres que se consideravam justos, sem pecados e por isso sem motivos de censura.
Na passagem de hoje, uma mulher que foi apanhada em adultério foi trazida à presença de Jesus pelos escribas e fariseus. Jesus estava pregando no templo e havia muitas pessoas ao redor. E essa mulher foi posta no meio dessa multidão. Com certeza, ela passou muita vergonha. É provável que ela estivesse com os olhos fechados de tanta vergonha. E segundo a Palavra de Deus, ela só esperava as pedras voando em cima dela, como punição. Mas no fim, quando ela percebeu, não tinha mais ninguém ao seu redor. Jesus pregou para essa mulher? Não, ele não pregou para essa mulher. Houve alguém que a condenasse? Não. Então ele disse: “Eu também não te condeno. Vai e não peques mais”. Se fosse ao meu caso, como eu sou padre provavelmente eu aproveitaria essa oportunidade e passaria um sermão nessa mulher nos seguintes termos: “O que você estava pensando ao fazer uma coisa dessas? Você conhece os mandamentos da Bíblia. Você sabe que se você adulterar, seu castigo será o apedrejamento. Por que você fez isso? Falta juízo na sua cabeça! Não tem jeito, a Palavra diz isso.” Mas somos convidados a contemplar o silêncio de Jesus e a Sua misericórdia. “Mulher, onde estão eles”? Ninguém te condenou? - Ninguém, senhor! - respondeu ela. E Jesus conclui - Pois eu também não condeno você. Vá e não peque mais!
Por outro lado, a mulher poderia ter dito: “Mas Jesus, segundo a lei, eu adulterei então eu preciso morrer”. Não se preocupe, vá. Pode ser que a mulher não tenha compreendido o que aconteceu com ela. Mas, quando Jesus foi crucificado, é provável que ela estivesse lá naquela multidão ou olhando de longe a triste cena. E nesse momento, talvez ela tenha entendido: “Segundo as leis de Deus, eu é que tinha que ser morta pelo meu pecado”. Eu fui salva, mas, no meu lugar, aquele homem que me salvou está sendo crucificado”. E eu penso que, quando ela percebeu e entendeu o que tinha acontecido, ela chorou.
O cristianismo tem muitos princípios bons, muitos mandamentos, mas ele não se restringe somente a isso. Ele é, sobretudo, misericórdia, perdão, piedade e amor de Deus entre os homens.
Só saber os ensinos que estão escritos na Bíblia é ser um fariseu. É condenar e matar. Mas praticar o amor de Cristo nos torna testemunhos e testemunhas de Jesus. Convido-te a te desfazer das multidões, nós gostamos de juntar pessoas, para criticar, fofocar, censurar e condenar. Aprendamos com Jesus e d’Ele o ir à procura da ovelha perdida, do filho pródigo, da pecadora, a excluída, e marginalizada dando-lhe uma oportunidade na vida. Pois a Glória de Deus é que o homem viva e viva para sempre.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 07/04/2014

REFLEXÕES DE HOJE

SEGUNDA

Fonte: Liturgia Diária Comentada2 em 07/04/2014

HOMILIA DIÁRIA

A misericórdia de Deus é maior do que qualquer pecado!

A graça do perdão de Deus, a graça da misericórdia de Deus, perdoa qualquer pecado por mais duro e por maior que ele seja!

”Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra” (João 8,7).

Que cena maravilhosa é essa da passagem bíblica! No primeiro momento ela parece ser dura para nós: uma mulher pega em adultério é apresentada diante de Jesus. Primeiro, vemos a má intenção que tiveram aqueles que a levaram; pois o que eles queriam, na verdade, não era condenar a mulher, mas colocar Jesus em apuros. A lei mandava apedrejar quem fosse pego em flagrante adultério.
No entanto, Jesus, o Senhor da vida, prega o perdão, prega a misericórdia. E agora? Ele vai se opor à lei dos judeus, se opor à lei de Moisés? Jesus simplesmente se abaixa e começa a escrever algo no chão; alguns padres da Igreja dizem que Ele estaria escrevendo os pecados cotidianos que os homens cometem. Mas, o mais importante é o silêncio que o Senhor provoca, é o silêncio que tem que ser provocado dentro de nós, para que possamos refletir um pouco mais sobre a nossa vida antes de atirar a pedra ou pensar na vida dos outros.
E o que acontece é justamente isso, porque Jesus levanta e diz: ”Aquele que não tiver pecado que se já o primeiro a atirar uma pedra”. A começar pelos mais velhos, um por um foi se retirando.
Sabem, meus irmãos, não é nosso dever, não cabe a nós atirarmos pedras em ninguém. O nosso dever é apontar o caminho da vida, da misericórdia e o caminho da salvação. Podemos até ajudar os outros a refletirem sobre o que têm feito em sua vida, mas, primeiro, pensemos na nossa!
A pior escuridão é aquela em que nós reconhecemos os erros dos outros pecadores, os pecados dos outros e não temos a capacidade de reconhecer os nossos próprios pecados! Jesus é bondoso para com essa mulher, a acolhe no Seu coração; no Seu jeito de profeta, de Messias, Ele provoca uma reflexão no coração dos outros para que ninguém faça mal a ela. Por isso Ele mesmo diz: ”Então Jesus se levantou e disse: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?” Ela respondeu: “Ninguém, Senhor”. Então Jesus lhe disse: “Eu, também, não te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques mais” (João 8, 10-11).
A graça do perdão de Deus, a graça da misericórdia de Deus, perdoa qualquer pecado por mais duro e por maior que ele seja! A mesma graça da misericórdia de Deus nos chama a não nos enveredarmos novamente pelos caminhos do pecado e do erro para que não nos aconteça coisa pior.
Não existe coisa pior do que voltar à vida velha, ao pecado velho, ao “angu” velho; não existe coisa pior do que voltar para a vida passada! Somos tentados e chamados a fazer isso, mas, o importante a cada dia é lavarmos o nosso coração para que a vida nova de Deus esteja em nós. E mesmo que caiamos em pecados ou em erros maiores do que outrora, maior é a misericórdia de Deus! Não tenhamos medo de recorrer a essa graça; nós só podemos ter medo de morrer no pecado e permanecer nele!
Que Deus nos lave e nos purifique de todas as nossas faltas!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 07/04/2014

HOMILIA DIÁRIA

Precisamos conhecer nossas fraquezas

A lógica e a dinâmica do Reino de Deus é nos conhecermos profundamente, conhecer quem somos e nossa realidade

“Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra” (João 8, 7).

Jesus estava ensinando o povo, era o que Ele fazia com muita maestria: ensinar, pregar, formar o Seu povo, introduzi-lo no Reino de Deus. No entanto, os mestres da Lei e os fariseus, aqueles que se opunham a Jesus, queriam criar sempre desculpas para Ele.
Eles [mestres da Lei e os fariseus] aproveitam a ocasião e trazem uma mulher surpreendida em adultério. A lei mandava apedrejar toda mulher pega em tal situação. Jesus o Mestre da vida, acolheu tantos pecadores, falava tanto do amor e da misericórdia, o que Ele vai fazer diante dessa situação?
Na verdade, eles queriam colocá-Lo numa situação muito difícil. Jesus é o Mestre e eles mesmo dizem: “Mestre, o que fazemos com essa mulher?”. O Mestre abaixa-se, no sinal de humildade, no silêncio interior, de reflexão, não se deixa levar pelo impulso do momento, não se deixa levar pela agitação que eles trouxeram, e vai refletir no seu coração.
Todas as vezes que nos encontrarmos diante de situações de questionamentos, quando nos empurram na parede, não respondamos ao impulso que os outros querem nos provocar. Procuremos a serenidade, porque nela está a sabedoria de Deus!
É puxando da terra, puxando do chão, que a sabedoria vem da humildade do coração do Senhor, que responde com uma outra provocação: “Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar uma pedra nela!”.
Sabe, meus irmãos, é mais fácil atirar pedra, é mais fácil olhar os pecados dos outros, é mais fácil comentar os pecados e acusar os outros. E quando nos acostumamos a fazer isso, não temos condição de reconhecer nem os nossos pecados.
Quando as pessoas se encontram, muitas vezes, é para comentar, para discutir e falar da vida dos outros. Poucas vezes, encontramo-nos para olhar para dentro de nós, para reconhecer a nossa própria realidade interior, para reconhecer as nossas fragilidades e os nossos pecados, porque somos tomados pelo sentimento de acusação, sentimento terrível, diabólico, sentimento que se opõe à verdade do Reino de Deus, quando queremos somente acusar e não voltamos para conhecer quem de verdade nós somos.
A lógica e a dinâmica do Reino de Deus, é nos conhecermos profundamente, conhecer quem somos e nossa realidade. Quem conhece a si mesmo, quem conhece as suas fraquezas, quem olha para si com seriedade e profundidade nunca mais vai acusar ninguém! Em vez de atirarmos pedras, vamos levar a misericórdia do coração de Deus para as pessoas, porque é essa misericórdia que lava e purifica o coração de cada um de nós!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Caão Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

HOMILIA DIÁRIA

Olhemos para o nosso próprio pecado

“Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra” (João 8,7).

A sociedade hipócrita da época de Jesus, inclusive a sociedade religiosa muito levada pelo pensamento ao pé da letra da lei de Moisés, reflete a sociedade hipócrita dos nossos tempos e a religião hipócrita da qual, muitas vezes, fazemos parte.
Criamos uma mentalidade, uma sociedade e uma visão de Igreja em que colocamos os valores morais acima da criatura humana, e, constantemente, estamos julgando, condenando e atirando pedras nas pessoas. Uma Igreja em que não nos olhamos no espelho, ou apenas queremos ver o pecado, o erro e aquilo que os outros fazem. Que engano, que cegueira e ilusão! Que mentalidade perversa, maldita e mundana que, muitas vezes, toma conta do nosso coração!
Essa mulher que foi pega em flagrante adultério, que foi levada até Jesus para ser apedrejada, na verdade, foi levada para tentar colocar Jesus à prova. “Aquele que fala tanto sobre amor e misericórdia vai desprezar a lei de Moisés?”.
Jesus se abaixa até o chão, porque foi do chão que viemos, e começa a escrever. Ele parou para olhar o chão. Se pararmos e, em vez de olharmos para cima, para o nosso orgulho e soberba, se cada um descer para o pó da terra, cada um vai enxergar a sua própria vida e o seu próprio pecado.
Muitos dos homens que estavam acusando aquela mulher de adultério já cometeram tantos adultérios! Muitos dos homens que estavam, ali, para apedrejar aquela mulher, já fizeram coisas de gravidade menor e maior –aqui, isso não importa! –, mas estavam ali para julgar aquela mulher.

Se cada um descer para o pó da terra, cada um vai enxergar a sua própria vida e o seu próprio pecado

Queremos julgar e condenar. A nossa mente hipócrita quer se colocar e se sentir superior aos outros. Estamos criando uma sociedade e uma Igreja hipócrita ao nosso lado, onde a mentalidade é movida pelo sentimento de superioridade.
Parece que quem está mais próximo de Deus é o salvo e o santo; os demais são pecadores. Criam-se redes, comunidades, conversas e grupos nas redes sociais para julgar outros irmãos, para uns se sentirem num grau de superioridade e outros de inferioridade, quando esse não é o olhar de Deus.
Deus é Aquele que jamais olha de cima. Ele é Aquele que leva todos para o pó da terra. Deus é Aquele que desce sempre ao chão para pegar a lama, cuspir nela, a fim de que esta abra nossos olhos, nossos ouvidos e o nosso coração para sermos recriados pelo Senhor.
Quem não tiver pecado pode julgar, condenar nem jogar pedra no outro. Quem, em sã consciência, mergulhando na verdadeira relação com Deus, tem condição de atirar pedra em alguém? A não ser os insensatos, os que não enxergam… Esses vivem a vida toda atirando pedras. Que reste tempo para recolhermos as pedras que tanto atiramos nos outros, para que elas não sejam bloqueio para entrarmos na eternidade.
Peguemos as pedras, construamos pontes e caminhos para cuidarmos uns dos outros, para repararmos a nossa própria vida dos erros, dos enganos e das maldades que cometemos, mas, muitas vezes, não os reparamos.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 30/03/2020

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, que a lição recordada hoje jamais seja esquecida por nós. Que a ternura e a compaixão estejam sempre presentes nos nossos encontros com os irmãos. Que sejamos sempre ágeis para perdoar, lentos para acusar e imunes à condenação de qualquer um de nossos irmãos. Pelo Cristo Jesus, Teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 03/04/2017

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, que a lição recordada hoje jamais seja esquecida por nós: ternura e compaixão estejam sempre presentes nos nossos encontros com os irmãos. Que sejamos sempre ágeis para perdoar, lentos para acusar e imunes à condenação de qualquer um de nossos irmãos. Pelo Cristo Jesus, Teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 30/03/2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário