quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 05/12/2019

ANO A


Mateus 7.21.24-27

Comentário do Evangelho

Ouvir e pôr em prática

Nossa perícope é a conclusão do discurso denominado “Sermão da Montanha” (MT 5–7). Não são as muitas palavras ou o louvor estéril que caracterizam o discípulo, mas o seu engajamento afetivo e efetivo em realizar a vontade de Deus: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor! Senhor!’, entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus” (v. 21). Trata-se de ouvir e pôr em prática a palavra do Senhor, pois, de alguma maneira, nesta palavra de vida está a vontade de Deus para cada um. É esse dinamismo de escuta e prática da palavra do Senhor que dá solidez à Igreja, comunidade dos discípulos, “que construiu sua casa sobre a rocha” (v. 24) da fé.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, livra-me de reduzir minha adesão a Jesus a mero palavreado. Ajuda-me a transformar os ensinamentos dele em norma de vida. Assim estarei fazendo a tua vontade.
Fonte: Paulinas em 05/12/2013

Vivendo a Palavra

O Mestre apresenta a essência do seu Manual do Construtor. A obra, para ser firme e duradoura, deve ser cuidada desde as fundações. Assim, a construção da nossa existência nesta terra deve se assentar em terreno bom – a rocha que é a Palavra do Senhor, ouvida, acolhida e praticada, seguindo Jesus de Nazaré.
Fonte: Arquidiosece BH em 05/12/2013

VIVENDO A PALAVRA

Já quase ao apagar das luzes do ‘Sermão da Montanha’, nosso Mestre apresenta a essência do seu Manual do Construtor: a obra, para ser firme e duradoura, deve ser cuidada desde as fundações. Assim, a construção da nossa existência nesta terra deve se assentar em terreno bom – a rocha que é a Palavra do Senhor encarnada em Jesus de Nazaré. Ele é que deve ser o nosso Caminho, Verdade e Vida.

Reflexão

Somente quem faz a vontade do Pai que está nos céus irá participar plenamente do seu Reino. Jesus veio até nós para nos revelar quem é o Pai, assim como a sua vontade, para que, a partir do seu conhecimento, pudéssemos praticá-la e participar conscientemente do Reino. Por isso, todos os que desejam a vida eterna devem fundamentar a sua existência na palavra de Jesus e procurar viver segundo os valores que ele pregou no Evangelho, colocando em prática a vontade do Pai, que Jesus, ao se fazer homem e vir ao mundo, revelou para todos nós.
Fonte: CNBB em 05/12/2013

Reflexão

Não faltam, em nossa sociedade, os eloquentes discursos e as promessas que impressionam. Na comunidade cristã, é possível encontrar alguém que, com sua capacidade de orar e comunicar-se, ou pelos conhecimentos sobre bíblia ou religião, arranque lágrimas do auditório. Por vezes, não passam de palavras vazias, infecundas. Esta é a atitude do homem sem juízo. O que conta é transformar as boas intenções em atitudes concretas que venham beneficiar a própria pessoa e a comunidade: amar, servir, partilhar, ser fiel, viver como Jesus viveu. Esta é a escolha do homem prudente, que edifica sua casa sobre a rocha, isto é, vive segundo a vontade de Deus. Nenhuma tempestade será capaz de derrubar a sua construção.
(Dia a dia com o Evangelho 2019 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Recadinho

Você constrói sua casa sobre rocha? - Qual casa? - Quais os elementos que Jesus cita que podem arruinar uma casa? - Em que consiste seu amor a Deus? - O que você faz pelo seu próximo? O principal é o amor a Deus, a si mesmo e ao próximo, vendo Deus presente nele! Examinemos bem tais alicerces de nossa vida!
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional 05/12/2013

Comentário do Evangelho

QUEM ENTRARÁ NO REINO?

O Messias Jesus detectou dois tipos de comportamento nos discípulos que aderiram a ele. Por isso é que os alertou a respeito da atitude correta de quem deseja entrar no Reino. Seria uma conduta equivocada limitar-se a dizer "Senhor, Senhor", como se isto significasse uma real adesão ao Reino. O equívoco consiste em contentar-se com um palavreado vazio, muito distante das exigências do Reino. Enquanto a boca fala uma coisa, a vida pauta-se por outros parâmetros. Esta incongruência é incompatível com o Reino.
A atitude correta consiste em assimilar os ensinamentos de Jesus, de maneira tão profunda que leva o discípulo a pautar por eles a sua ação. Isto corresponde a fazer a vontade do Pai, e deixar-se guiar por ele.
Estas duas atitudes foram ilustradas com a parábola das duas casas. Conduta equivocada é a daquele que constrói a casa sobre a areia, sem alicerces profundos. Já na primeira tempestade (os revezes da vida) ela desaba não restando nada de pé. Atitude correta é a daquele que constrói a sua casa sobre a rocha. Por mais forte que possa ser a tempestade, será incapaz de destruí-la, porque bem alicerçada.
A profundidade da experiência de encontro com o Messias Jesus revela-se na reação desencadeada na vida do discípulo. Entra no Reino quem se posicionar diante dele de maneira adequada, dispondo-se a fazer a vontade do Pai.
Oração
Pai, livra-me de reduzir minha adesão a Jesus a mero palavreado. Ajuda-me a transformar os ensinamentos dele em norma de vida. Assim estarei fazendo a tua vontade.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Despertai, ó Deus, o vosso poder e socorrei-nos com a vossa força, para que vossa misericórdia apresse a salvação que nossos pecados retardam. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Dom Total em 05/12/2013

Meditando o evangelho

DAS PALAVRAS À AÇÃO

A autêntica adesão a Jesus e a profissão de fé em sua condição de enviado do Pai encontra sua verdadeira expressão na vida do discípulo, e não apenas em suas muitas palavras. Estas, ainda que belas, nem sempre manifestam uma vida vivida segundo o querer de Jesus e a proposta de Reino por ele proclamada. Ele mesmo denunciou, na vida dos discípulos, o descompasso entre falar e viver. Gritar "Senhor, Senhor" não garante a entrada no Reino dos Céus. Somente entrará neste Reino quem se esforçar para fazer a vontade do Pai, conforme nos ensinou Jesus.
Daqui decorrem dois tipos de atitudes possíveis ao discípulo de Jesus. A primeira consiste em ouvir a Palavra de Deus e praticá-la com sinceridade. Os percalços da vida encarregar-se-ão de verificar a solidez e a profundidade da fé do discípulo. Quem sair ileso das perseguições, dificuldades e provações, mantendo-se fiel a Jesus, terá dado provas da consistência de sua fé e de sua adesão ao Reino. A segunda atitude consiste em professar-se discípulo do Reino, mas sem o empenho de viver em conformidade com a fé professada. A superficialidade desta adesão ao Reino revelar-se-á assim que surgir a primeira crise, por causa da fé.
Só o discípulo fiel, alicerçando sua vida na vontade do Pai, supera, incólume, as provações da fé.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total).
Oração
Senhor Jesus, que eu seja bastante prudente para colocar em prática tuas palavras e, assim, não sucumbir, quando minha fé for provada.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Cristãos marca Denorex
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Denorex” era a marca de um Shampoo anticaspa, com um forte cheiro de remédio, que era muito falado nos finais dos anos 80, pelo fato de parecer remédio, mas não passava de um shampoo comum como os demais. O evangelho de hoje nos apresenta o perigo de sermos Cristãos Denorex...
São os empolgados pela Fé em Jesus Cristo, os convertidos de última hora, que cheios de entusiasmo começam a frequentar as comunidades, são os que fazem questão de uma prática formalista, pois precisam provar aos outros que são cristãos. Conheci um desse tipo que andava rezando o terço pelas ruas da cidade e só tinha um pequeno detalhe, o tal erguia a mão direita acima da cabeça, para que todos vissem o terço que ele segurava.
Rezar o terço é uma ótima prática cristã, mesmo na rua, porém de maneira discreta, pois as pessoas não precisam saber que estamos rezando o terço.
Quando se quer auto afirmar-se como cristão, com práticas e formalismo religioso, corre-se sempre o risco do tombo ser maior, pois no dia em que as enxurradas da vida, as tempestades e vendavais caírem sobre nós, como diz o evangelho, nós iremos cair e a ruína será total.
Então por que temos que participar da Santa Missa e celebrações, fazer orações com a comunidade, rezar o terço, fazer visitas ao Santíssimo, será que tudo isso de nada adianta? Se não tivermos uma raiz, uma base sólida onde apoiarmos a nossa Vida de Cristãos, todas essas coisas realmente de nada irá adiantar, pois elas são sinais daquilo que está por dentro, uma casa sem alicerce não resistirá às intempéries, uma árvore sem raiz vai tombar na primeira ventania, um Cristão sem Espiritualidade autêntica, não irá resistir nas revezes da Vida.
Casais que se separam; irmãos que de repente abandonam a Igreja ou a trocam por outra, Agentes de Pastoral da Vanguarda, que um belo dia são descobertos por atitudes totalmente contrárias ao Espírito Cristão, vocações religiosas de Ministros da Igreja ou Consagradas que da noite para o dia acabam em nada, enfim, irmãos que até deram um belíssimo testemunho no ECC ou em outros movimentos da Igreja, causando alegria e admiração nos demais, até que um dia abandonam tudo, igreja, movimento, Família, e a Casa cai em ruínas.
O Cristão autêntico tem plena consciência da sua fragilidade, suas fraquezas e limites, mas caminha depositando toda sua confiança na Graça de Deus, sem muito alarde e Merchandising na vida em comunidade. Do jeitinho mineiro trabalham em silêncio e jamais se abalam diante de acontecimentos desconcertantes, em sua vida ou na vida da comunidade.
Assim agem porque Cristo Jesus é a Rocha firme na qual embasam todo seu cristianismo e disso jamais abrem mão. São Cristãos autênticos e não o nosso velho e conhecido “Denorex”, o tal que parece... Mas não é!

2. Ouve minhas palavras - Mt 7,21.24-27
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

O Senhor, quando vier, abrirá as portas da eternidade para aqueles e aquelas que fizeram o bem neste mundo. Fazer o bem neste mundo significa fazer a vontade de Deus, aquilo que aos olhos de Deus é bom, agradável e perfeito. Não se trata de fazer qualquer coisa, nem mesmo fazer coisas boas. Trata-se de fazer o que Deus quer. “Seja feita a vossa vontade”, rezamos todos os dias. Podemos nos iludir com uma falsa piedade que noz faz dizer, mesmo muitas vezes: “Senhor, Senhor!”. Não é ruim chamar pelo Senhor. Ruim é chamar por ele e não fazer o que ele quer. Quando Jesus vier e se sentar em seu trono de glória para o julgamento da humanidade, ele verificará se fizemos ou não a vontade do Pai. Construir fora da vontade de Deus é construir sem fundamento. Nossos projetos podem dar certo, aparente e temporariamente. Virá o dia em que a verdade da nossa construção aparecerá. Isso não significa condenação eterna, mas sim frustração de um projeto de vida. Como estamos olhando para o futuro nesta primeira semana do Advento, queremos estar preparados para quando ele vier.

Liturgia comentada

Mas ela não desabou... (Mt 7, 21.24-27)
Parábola pequena, mas muito clara e expressiva. Em forma de antítese, o Mestre nos fala de dois tipos de construção expostos às mesmas intempéries da existência humana. De certo modo, faz eco ao Salmo 1, que serve de pórtico para o Saltério, e resume o caminho do homem a uma encruzilhada entre dois caminhos: a via do bem, com a vida, e a senda do mal, com a morte.
Nesta parábola, um homem constrói sobre a areia, outro edifica sobre a rocha. Areia e rocha são imagens claras. A areia é lábil, fugidia, sem coesão. Suas partículas deslizam, não oferecem resistência à pressão. Já a rocha tem seus componentes bem sólidos, porque foram vitrificados por altas temperaturas e poderosas pressões.
Diante da força dos elementos – como o vento e a chuva -, a areia movediça cede e se desfaz. Mas os vendavais e as enxurradas nada podem contra o sólido rochedo. Passado o ataque, ele permanece estável, decididamente firme.
Quem é o construtor sobre a areia? O Mestre responde: É o homem que empilhou os tijolos sobre o areal, isto é, aquele que ouviu a Palavra de Deus, mas não se dispôs a vivê-la. Ao contrário, apostou a vida em outras “palavras”: o discurso da riqueza, a propaganda do sucesso, o elogio da glória e do prazer.
Quando veio a provação dos tempos difíceis, dos planos econômicos, do desemprego e da enfermidade, desabou de uma vez, entregue à ruína...
Quem é o construtor sobre a rocha? Jesus de Nazaré deixa claro: É o homem que ergueu sua casa sobre o Rochedo, ou seja, aquele que ouviu a Palavra de Deus e se dispôs a praticá-la. Diante dos tempos difíceis da provação, a casa permaneceu intacta, pois tinha fundamentos de eternidade. Os princípios da Palavra – que é o próprio Cristo – falavam de paciência e sobriedade, confiança em Deus e fraternidade, humildade e perdão. Contra uma estrutura tão sólida, nada pode o mal...
Quem já optou decididamente por uma vida simples, sem luxo, não se abalará se vierem tempos de vacas magras. Quem exercitou diuturnamente a pureza e a castidade, não cairá diante da inundação do sexo. Quem depositou sua esperança no Senhor, não será esmagado pelo desespero quando os homens traírem suas promessas. Mesmo na doença e na dor, o fiel está seguro na Palavra eterna. Ele sabe que está em boas mãos!
Orai sem cessar: “O Senhor é o meu rochedo, minha fortaleza.” (Sl 18,3)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br
Fonte: NS Rainha em 05/12/2013

HOMILIA

O FIRME ALICERCE DA CASA

Jesus inicia este evangelho dizendo: “Nem todo aquele que diz Senhor, Senhor, entrará no Reino dos Céus”.
Com essas palavras Ele quer nos alertar que devemos ser fiéis até o fim; que procuremos perseverar sempre nas Suas palavras e ensinamentos, todos os dias da nossa vida. Não basta dizer Senhor, Senhor. É necessário que consigamos cumprir a Sua vontade, através do nosso contato diário com tudo o que é de Deus, de maneira sincera e, segundo os seus ensinamentos. Quando Ele nos coloca as suas palavras é para nos despertar que é muito importante que fortifiquemos a nossa fé, através dos nossos atos de caridade com os irmãos e de piedade para com Ele. Somente aqueles que constroem a sua vida dia após dia; hora após hora, minuto a minuto e segundo a segundo, calcadas na sua Fé em Deus, certamente, se permanecerem até o fim, conseguirão o seu lugar reservado na casa do Pai.
A casa sobre a rocha que Jesus usa como exemplo neste Evangelho é a nossa vida que sendo construída com os alicerces da Fé em suas palavras, nunca se sentirá abalada pelos problemas, decepções, maldades, doenças e até pela morte; nada abalará as nossas estruturas, que estará repleta do amor de Deus; pois temos uma base sólida. Nossa vida pode ser comparada à construção de uma casa. De certa forma, nossa história está ligada a uma casa.
Assim que nascemos, vamos morar numa casa com nossos pais. Durante a vida observamos a luta deles para adquirir ou construir a casa própria. Alguns mudam de cidade e de casa. Uns vão para casas melhores, outros para casas mais simples e pobres. Nossa vida, segundo Jesus, é como construir uma casa sobre a rocha ou sobre a areia. Quem constrói sobre a areia parece viver desleixadamente, sem trabalhar, sem planejamento, seguindo a lei do menor esforço.
Gente assim não dá ouvidos ao que Deus exige do ser humano, chega mesmo a zombar dos valores e princípios divinos. Mas, quando vêem os dias maus, a tempestade, o sofrimento, a casa se desmorona. A vida se torna um caos. Reina o desespero, a revolta a anarquia. Quem constrói sobre a rocha, vive de maneira responsável e coerente, sabe que as boas coisas não se conseguem sem trabalho duro, planeja a vida seguindo fielmente e com alegria os princípios de Deus. Quando vêm os sofrimentos, a adversidade, os dias maus, não entra em pânico, desespero ou revolta. A casa permanece em pé. A rocha onde sua vida está firmada é Cristo. Quem constrói sua vida sobre a areia pode ter certeza de que um dia a casa cai.
Ensina-me, Pai, a construir a casa da minha vida no Senhor Jesus Cristo. Eu sei que tempestades virão e que apenas Jesus pode me ajudar a permanecer em pé. Por isso em nome e n’Ele, daí-me força para ser mais do que vencedor. Amém.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 05/12/2013

HOMILIA DIÁRIA

Deixe-se transformar pela Palavra de Deus

Permita que a Palavra de Deus mexa em você por dentro e por fora. Desejo que nós, neste tempo, sejamos transformados pela Palavra do Senhor.

“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus” (Mt 7,21).

Refletindo sobre a nossa vida neste tempo do Advento, devemos olhar as nossas práticas, nossos costumes, nossas ações e a maneira como agimos neste mundo. Tudo porque nós, muitas vezes, clamamos o nome do Senhor, falamos em nome d’Ele, dizemos muitas coisas em Seu nome, mas não fazemos o essencial: não colocamos em prática a vontade e a Palavra do Senhor.
Há muita gente pregando em nome do Senhor. Muita gente invocando – até de forma errônea – o nome d’Ele, mas não tem no coração um verdadeiro temor a Deus. Nós devemos amar, honrar e respeitar, acima de qualquer coisa, o nome do Senhor! É o nosso dever, a nossa missão. Mas, ao mesmo tempo, meus irmãos, nós precisamos aprender a levar a sério as coisas de Deus.
Nós precisamos respeitar aquilo que aprendemos de Deus. E a melhor maneira é colocarmos em prática a Sua Palavra em nossa vida. Não sejamos apenas meros ouvintes da Palavra do Senhor. Alguém que ouve, que escuta e diz: “Que bonito, que Palavra maravilhosa!” Mas ao sair dali, faz a mesma coisa e a vida continua do mesmo jeito.
Permitam, irmãos, que esta Palavra semeada nos seus corações seja transformação para suas vidas. Permitamos que a Palavra de Deus mexa em nós por dentro e por fora e vá mudando os atos, as atitudes e as posturas que temos em relação ao mundo, às pessoas e às coisas.
A nossa vida seria melhor, a cada dia, se pegássemos cada trechinho da Palavra que escutamos e pudéssemos “ruminá-la”, isto é, meditá-la, e alimentar-nos dela, e se permitíssemos que ela transformasse a nossa vida.
Desejo que nós, neste tempo, sejamos transformados pela Palavra do Senhor.
Que Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 05/12/2013

Oração Final
Pai Santo, ajuda-nos a vencer a sedução do consumismo e a buscar os fundamentos para nossa vida na Tua Palavra que se fez carne, habitou entre nós fazendo o bem a todos, e apontou o caminho do teu Reino, já iniciado nesta vida, mas realizado em plenitude no teu abraço Paternal. Pelo mesmo Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 05/12/2013

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, ajuda-nos a vencer a sedução do consumismo e a buscar os fundamentos para nossa vida na tua Palavra que se fez Carne, habitou entre nós fazendo o Bem a todos, e apontou o caminho do teu Reino. Ele já está iniciado nesta vida, mas será realizado em plenitude no teu abraço paternal definitivo. Pelo mesmo Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário