terça-feira, 17 de abril de 2018

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 18/04/2018

ANO B


Jo 6,35-40

Comentário do Evangelho

A vida dada pela fé em Jesus Cristo

O longo discurso sobre o pão da vida é uma catequese sobre a Eucaristia na qual o povo de Deus é sustentado com o alimento espiritual. A vida do ser humano não se reduz ao seu bem-estar material. No ser humano criado por Deus há uma sede, um anseio de vida plena e de Deus. Se pão e água são essenciais para a existência do ser humano, eles não podem dar à vida do homem sentido nem fazer com que experimente a vida em plenitude. No agradecimento depois da Eucaristia, a Didaqué sugere a seguinte oração: “Tu, Senhor Todo-poderoso, criaste todas as coisas por causa do teu Nome e deste aos homens o prazer do alimento e da bebida, para que te agradeçam. A nós, porém, deste uma comida e bebida espirituais, e uma vida eterna por meio do teu Servo” (Didaqué, X, 3). Para chegar à fé em Jesus é preciso não se deixar deter pelas aparências; é preciso o olhar do coração purificado pela ação do Espírito Santo. Noutras palavras, é indispensável “nascer do alto”. Somente nessa vida nova é que se pode reconhecer que a missão de Jesus é fazer a vontade do Pai que o enviou (v. 38). A vontade do Pai é que todos possam aceitar participar da vida divina, a vida eterna. Essa vida é dada pela fé em Jesus Cristo.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, transforma-me em discípulo autêntico de teu Filho Jesus, de modo que a tua vontade seja o centro de minha existência, e eu experimente, já na Terra, a vida eterna.
Fonte: Paulinas em 07/05/2014

Vivendo a Palavra

O Evangelho de João desvenda o inefável Mistério: a Vida Eterna é ver e acreditar no Filho de Deus. Jesus oferece aos discípulos – que hoje somos nós! – nada menos do que o seu próprio Corpo – o Pão da Vida. Este é o alimento para seguirmos o Mestre pelas estradas da vida, juntos como irmãos.
Fonte: Arquidiocese BH em 07/05/2014

Vivendo a Palavra

A promessa do Pai nos enche de alegria: «Quem vê o Filho e nele acredita tem a Vida Eterna e a Ressurreição do último dia.» Este é o verdadeiro Pão do Céu, que permanece. Nós devemos nos aproximar desse Alimento, abrindo mão de todas as guloseimas oferecidas pelo mundo, mas que não geram Eternidade.
Fonte: Arquidiocese BH em 13/04/2016

VIVENDO A PALAVRA

Um texto de profunda Esperança que deveríamos ter gravado em nossos corações: o desejo de Deus – a Sagrada Vontade do nosso Pai Misericordioso! – é que nenhum de nós, que fomos dados ao seu Filho Unigênito, nos percamos, pois seremos todos ressuscitados no último dia.

Reflexão

A fé em Jesus Cristo é fundamental para a compreensão da eucaristia e para que se possa desfrutar deste sacramento, fundamental para a nossa vida espiritual, uma vez que ele é fonte de vida eterna. A vontade do Pai, ao enviar Jesus, é que todas as pessoas acreditem que Jesus é o seu enviado, o seu Filho amado, para que possam ser salvos por ele, e assim não se perca nenhum dentre os seus filhos e filhas. E, para que ninguém se perca, o Pai concede a quem vê e crê no seu Filho a vida eterna. É preciso que as pessoas vejam Jesus, creiam nele, participem da eucaristia, o sacramento do penhor da vida eterna, para que Jesus as ressuscite no último dia.
Fonte: CNBB em 07/05/2014

Recadinho

O que você mais admira em Jesus? - Quando Jesus se mostrou amável? (Cite um fato). - Sua comunidade cuida bem da casa de Deus, a igreja? - Você respeita seu próximo como templo de Deus? - Você procura ser atencioso e amável com todos ou se irrita facilmente?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 07/05/2014

Reflexão

Os contemporâneos de Jesus veem o milagre da multiplicação dos pães e peixes (alimento material), mas não acreditam nele, não aceitam o dom de sua pessoa: “Vocês me viram e não acreditam”. No entanto, ele afirma de si mesmo: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome, e quem acredita em mim nunca mais terá sede”. Ao dizer “Eu sou”, Jesus assume o nome do Deus libertador do Antigo Testamento (cf. Ex 3,14). Ele é o dom de Deus para a vida da humanidade. Jesus fala de uma vida definitiva, que ele quer transmitir. A condição para receber essa vida definitiva não é a aceitação intelectual de verdades e doutrinas. Trata-se de adesão profunda à pessoa de Jesus que nos comunica vida plena. A salvação só estará completa com a ressurreição.
(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Meditando o evangelho

A VIDA NOS VEM POR JESUS

Jesus procurava explicar o sentido de sua vida e de sua presença na história humana. Ele se sabia enviado, com uma missão bem precisa em relação a toda a humanidade. Todos os que lhe foram confiados pelo Pai deveriam ser salvos e ter acesso à vida. Portanto, o objetivo primordial de sua missão era o de saciar a fome e a sede de vida eterna existentes no coração de cada ser humano. Ninguém deveria ser privado deste benefício supremo da ação de Jesus.
A Ressurreição despontou na existência de Jesus como prova de que ele, de fato, estava em condições de levar, a bom termo, a vontade do Pai. Se a caminhada de Jesus tivesse sido concluída com o fato de sua morte, seria difícil acreditar que dele pudesse nascer a vida. Mas, como a verdade última de sua existência foi a Ressurreição, Jesus pode tornar-se fonte de vida para quem nele crê. A pessoa de fé está destinada a entrar no mesmo processo vivificador que o Pai reservou para Jesus. Assim, quem acolhe o Mestre na fé e dá à vida a mesma impostação que ele deu à sua, está destinado a ressurgir para a vida eterna.
O Ressuscitado acolhe a todos, sem exceção, com o desejo de comunicar-lhes vida. Tudo dependerá da coragem do ser humano em crer e permitir que a fé fermente o seu agir.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total)
Oração
Senhor Jesus, vieste ao mundo para comunicar-me vida. Acolhe-me como teu discípulo e não permitas que eu me separe de ti.
Fonte: Dom Total em 13/04/2016

Meditando o evangelho

O PÃO DA VIDA

Ao afirmar ser o pão da vida, Jesus estava evocando um fato importante da história de Israel, o êxodo do Egito e a longa travessia pelo deserto, onde o povo, faminto e sedento, foi saciado pela Providência divina. Aliás, jamais o povo viu-se privado de pão e água, naquela circunstância delicada de sua história, pois Deus caminhava com ele.
Da mesma forma, a Providência divina jamais deixou de agir em favor da humanidade. Sua bondade manifestou-se, de forma grandiosa, ao saciar, definitivamente, a fome e a sede da humanidade, por meio de seu Filho Jesus. Quem dele se acerca, não terá mais fome nem sede. Antes, poderá estar certo de ter forças para alcançar à meta da caminhada.
A evocação do êxodo oferece uma perspectiva particular para considerar quem, na fé, adere ao Ressuscitado. O cristão faz parte do verdadeiro povo de Deus, a caminho para a casa do Pai. É o êxodo definitivo, durante o qual defronta-se com toda sorte de desafios, correndo o risco de não perseverar até o fim.
Sabendo-se saciado pelo alimento celeste - Jesus -, o cristão recobra as forças, e não se deixa abater pelos reveses da vida. A Eucaristia sacramentaliza esta experiência de fé. Alimentando-se com o pão eucarístico os cristãos revigoram sua fé no Senhor ressuscitado. É o alimento verdadeiro. Engana-se quem imagina poder enfrentar o deserto do mundo, sem contar com ele.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Espírito que sacia nossos anseios profundos, guia-me ao Ressuscitado, junto do qual não terei mais fome nem sede.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Religião e Fé.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Esta semana o evangelho de São João vem nos questionando sobre que tipo de Religião é a nossa, qual é na verdade a prática da nossa Fé. Ter e se viver uma Religião é ter um relacionamento com Deus e a reflexão tem seu enfoque justamente nesse ponto: como é o nosso relacionamento com Deus e como deveria ser. O evangelho não é uma lição de moral que Jesus no passado deu a um grupo do Judaísmo que o rejeitava, mas é uma palavra atualizadíssima para a nossa vida. Muitas vezes, por orgulho e prepotência, ou por comodismo, meditamos o evangelho e pensamos “Puxa, meu vizinho, meu marido, minha esposa, meu colega de serviço tinha que ler isso...” Mas não é no vizinho, no filho ou filha, esposo ou esposa, que o Espírito Santo quer aprofundar a palavra de Deus, mas sim em nós que o refletimos.
Havia um grupo de Judeus que estavam seguindo Jesus, quase convictos de que ele era o Messias, é a este grupo que em toda esta semana Jesus vem fazendo uma ampla catequese sobre a sua pessoa e missão. Era difícil para este grupo romper com a tradição de Israel e ficar só com a Fé em Jesus Cristo. A mesma dificuldade tem hoje muitas pessoas que são indiferentes à Fé Cristã, ou olham o cristianismo com desconfiança. Talvez nosso erro como evangelizadores e missionários, é falar ás vezes de maneira excessiva sobre o nosso Movimento ou Pastoral, ou sobre a instituição da Igreja, e muito pouco sobre quem é Jesus e a sua ação libertadora que conduz o homem a Salvação.
A Instituição vai passar, o Movimento e as Pastorais também passarão, mas o Reino de Deus do qual Jesus é o anunciador e Edificador no meio dos homens, esse é perene. Jesus ao falar de si, que desceu do Céu, promete algo inédito para quem Nele crer: a Ressurreição no último dia e a Vida Eterna! A Instituição com todos os seus rituais e Sacramentos, sua organização hierárquica, deve ser sempre um sinal desta Vida Nova, os Sacramentos sinalizam, indicam, mostram, motivam, fortalecem mas precisam ser assumidos, vividos e celebrados por todos os que creem em Jesus Cristo.
Eis o grande problema daquele grupo de Judeus radicais e tradicionalistas :Viam Jesus, sua pessoa, suas ações a favor da Vida das pessoas, mas não acreditavam que ele trazia algo mais forte e poderoso do que a Velha Instituição do Judaísmo. A pessoa de Jesus, sua missão e modo de agir, está sempre em conformidade com a Vontade do Pai, nossas ações, gestos, atitudes e palavras, devem sempre estar de acordo com o Evangelho, em comunhão com Cristo e segundo a Vontade de Deus. Qualquer estrutura, até mesmo religiosa, se não estiver nessa linha do serviço e da Fé genuína no seu Senhor que é Jesus, corre sim o risco de ser opressora.

2. Quem vê o Filho e nele crê tem a vida eterna
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Jesus é o enviado do Pai para a salvação deste mundo. Quem nele crê tem a vida eterna e ressuscitará no último dia. Estamos no Tempo da Páscoa, tempo da ressurreição do Senhor e da nossa. Se ele ressuscitou, nós também ressuscitaremos. Cremos nele, por isso ressuscitaremos no último dia. O último dia é o dia da ressurreição de todos. O último dia marcará o fim dos tempos, o fim deste mundo. O fim para todos ainda não aconteceu e não sabemos como será. Sabemos, porém, que há um último dia para a nossa vida aqui nesta terra. Sabemos que um dia vamos adormecer e logo despertar diante da face do Senhor. “Ao despertar, me saciará vossa presença”, diz o salmista. E assim esperamos com a certeza que nos é dada pela palavra do Senhor ressuscitado. A certeza da morte pode nos entristecer, mas a promessa da imortalidade nos consola. Nossa vida não será tirada, mas transformada. E, desfeito o nosso corpo mortal, recebemos no céu um corpo que não perece. Esta garantia nos é dada por aquele que é o Pão da vida. Quem come deste pão viverá eternamente. Ele é a salvação do mundo, ele é a vida dos homens e das mulheres, ele é a ressurreição dos mortos.

HOMILIA

O PÃO DA VIDA

A nossa salvação é o maior desejo do coração de Deus. Foi o próprio Jesus que nos revelou isto, ao dizer: “É esta a vontade daquele que me enviou: ‘Que eu não perca nenhum daqueles que Ele me deu, mas os ressuscite no último dia’”! Jesus Cristo veio fazer a vontade do Pai e é muito bom saber que a nossa vida está entregue nas mãos Dele e que o nosso futuro é promissor, pois está assegurado nas Suas Palavras. Crer em Jesus Cristo é, portanto, deixar-se entregar à Sua ação salvífica e nunca duvidar do Seu domínio sobre a nossa vida e a nossa morte. Jesus não veio apenas nos propor a vida eterna depois da morte, mas também nos assegura uma vida terrena fortalecida pela Sua presença, no pão que alimenta o nosso espírito, o pão do Céu. A Palavra de Deus é via de amor e fortifica a nossa caminhada aqui na terra. A Eucaristia é a presença do Deus vivo correndo nas nossas veias regenerando e purificando o nosso corpo e a nossa alma. Quem come a carne e bebe o sangue de Jesus tem a vida eterna. Esta é, portanto, a vontade do nosso Pai que está nos céus! Reflita – Você tem percebido a ação da Palavra de Deus na sua vida? – Em que a Palavra tem lhe modificado? – Qual a sua percepção sobre a Eucaristia? – Se você crê nas palavras de Jesus você então, tem o seu futuro garantido.
A Eucaristia é um mistério, uma realidade salvífica. As suas riquezas somente são acessíveis a quem acolher palavra reveladora de Jesus. Escutemos, então, o próprio Jesus, que quis revelar a verdade e a beleza deste mistério da fé. Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crêe em mim nunca mais terá sede.
A partir do que Jesus está falando a mim e a você precisamos acatar de uma voz por todas que a vida nos vem do Pão que desceu do céu. E esta vida é Jesus que se faz presente na história humana e nos dá o sentido pleno da vida, e sacia a fome e a sede de vida eterna.
Portanto, faça da Eucaristia que comunga todos os dias o Pão dos fortes e da sua vida uma missão entre os homens, seus irmãos anunciando-lhes a salvação que Cristo o Pão da Vida nos trouxe. Seja instrumentos de alegria, da paz, da justiça, do amor, e da vitória de Deus na vida dos seus. É o próprio Jesus quem está falando isso para ti meu irmão e minha irmã: Pois a vontade do meu Pai é que todos os que vêem o Filho e crêem nele tenham a vida eterna; e no último dia eu os ressuscitarei. Portanto, acredite e tenha fé no Pão da vida. Você e os seus viverão eternamente.
Pai, transforma-me em discípulo autêntico de teu Filho Jesus, de modo que a tua vontade seja o centro de minha existência, e eu experimente, já na Terra, a vida eterna.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 07/05/2014

HOMILIA DIÁRIA

A eternidade é a presença de Deus no meio de nós

Que tudo aquilo que nós somos: corpo, alma e espírito, seja inteiramente saciado pela presença maravilhosa do Senhor entre nós!
”Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia” (João 6, 40).
Por meio desta catequese maravilhosa que Jesus faz a nós sobre o pão da vida, sobre o que esse pão da vida realiza em nós, Ele, hoje, nos introduz na eternidade, nos dá a vida e concede a ela [à vida] um sentido mais pleno, um sentido eterno. Qualquer alimento que nós comemos nessa Terra pode até nos fazer mais fortes e mais saciados, mas não existe nenhum alimento que nos sacie para a eternidade, não existe nenhum alimento que gere a eternidade dentro de nós.
Quando nós nos alimentamos de Jesus e de Sua Palavra e fazemos d’Ele o alimento da nossa vida, a vida d’Ele resplandece em nós. A vida do Senhor Jesus acontece dentro de nós, e assim como Jesus ressuscitou e não morre mais, a eternidade é presente, é perene n’Ele. Cristo nos sacia, nos convida e nos introduz e nos faz participar da eterna bem-aventurança, que o Pai preparou para nós.
É um engano nosso acharmos que a eternidade é a realidade depois da morte. A eternidade é a presença de Deus em nós, que jamais se acaba e jamais terá fim. Mesmo em meio aos sofrimentos, ao vale de lágrimas, mesmo em meio às coisas perecíveis da Terra, nós já somos introduzidos na eternidade quando nós levamos a vida em Deus e Ele passa ser um em nós.
O que a Eucaristia faz em nós, primeiro, é nos ajudar a vencer o medo da morte, o drama da morte que nos causa inquietações, dúvidas, incertezas, sentimentos que geram um vazio no coração de tantas pessoas. A morte é que causa tristeza para muitos, em Deus ela é apenas uma passagem, é apenas o prêmio: assumir plenamente aquilo que o Senhor sempre nos prometeu, porque, quando nós nos saciamos de Jesus, nós já começamos a fazer parte dessa eternidade feliz.
A promessa de Jesus, para nós, é justamente esta: primeiro nos fazer participar da eternidade, e depois ainda que o nosso corpo pereça, seja aniquilado, destruído, ainda que a terra sugue todo o nosso corpo físico, o Senhor, no dia final, promete nos ressuscitar. A Eucaristia, a presença de Jesus entre nós, não é um alimento só para a nossa alma ou só para o nosso espírito (ainda que alma contenha todo o nosso ser); pois até nosso corpo é saciado com esse sacramento, porque ele também vai participar da eternidade em Deus.
Que tudo aquilo que nós somos: corpo, alma e espírito, seja inteiramente saciado pela presença maravilhosa do Senhor entre nós! Que nós sejamos saciados pela eternidade com o corpo de Nosso Senhor!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 07/05/2014

HOMILIA DIÁRIA

Somente em Cristo encontramos a plenitude da vida

Todas as vezes que nos alimentamos de Jesus e fazemos d’Ele nosso alimento, não comungamos só para essa vida, mas para a eternidade
“Que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia” (João 6, 40).
Você pode acreditar: todo aquele que crê em Jesus e leva a vida em Seu nome já possui a vida eterna. Tantas vezes, as pessoas confundem “vida eterna” com vida após a morte, como se a eternidade só começasse depois que morrêssemos. Na verdade, é o contrário.
Quando entregamos a vida para Jesus, a eternidade entra em nós e começamos a vivê-la em Cristo. Para entender a diferença, basta ver quando comemos um alimento deste mundo; em qualquer refeição que fazemos, no café da manhã, no almoço ou no jantar, aquele alimento é perecível, sacia a nossa fome do momento, serve para a nossa vida aqui.
Todas as vezes que nos alimentamos de Jesus e fazemos d’Ele nosso alimento, não comungamos só para essa vida, mas para a eternidade! Porém, a eternidade não começa só depois, mas agora. Começamos a viver a eternidade todas as vezes que nos alimentamos de Jesus.
Os sentimentos de Cristo entram em nós, a vontade d’Ele entra em nossa vontade e começamos a fazer parte da vida em Deus.
Não podemos materializar o que é eterno, não podemos transformar os elementos humanos naquele alimento que é para a nossa eternidade, porque quando cremos em Jesus e d’Ele recebemos a vida eterna, é porque o selo da eternidade já está em nós.
Quando fomos marcados em nosso batismo com aquela graça, com aquele penhor do Espírito, com o sinal da graça impressa em nossa alma, já fomos marcados para a eternidade! Não podemos perder a graça que recebemos nem desprezar o dom que temos.
Há aqueles que não creem, que desprezam, para os quais tudo termina com a morte; quando, na verdade, ela é para nós a passagem, a glorificação do que, na Terra, já começamos a viver.
Tenhamos anseio do céu, das coisas celestes, e façamos de nossa passagem na Terra o nosso desejo e nossa busca pela eternidade em que tanto acreditamos!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 13/04/2016

Oração Final
Pai Santo, que nos deste teu Filho Unigênito como alimento para a Vida Eterna, infunde-nos sincera veneração pelo Mistério de Amor que é a Eucaristia. Sim, Pai amado, se foi grande tua generosidade, dando-nos teu Filho, maior foi a entrega dele por nós – a sua própria vida. Pelo mesmo Cristo Jesus, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 07/05/2014

Oração Final
Pai Santo, diante do sublime manjar que nos ofereces – o Pão da Vida – que é o teu próprio Filho Unigênito, feito carne em Jesus de Nazaré, dá-nos sabedoria e coragem para fazermos a opção fundamental de vida pelo seguimento do teu Verbo Criador pelos caminhos deste Planeta-Jardim. Pelo mesmo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 13/04/2016

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, alimenta-nos com o Pão da Vida! Que o Sinal que recebemos na Eucaristia, assimilado por nosso corpo, signifique e ajude a nos sentirmos unidos e integrados à Natureza e à Humanidade para glorificar-Te, mais do que como Criador, como nosso Pai Misericordioso. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário