segunda-feira, 26 de abril de 2021

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 26/04/2021

ANO B


Jo 10,1-10

Comentário do Evangelho

Quem conduz o povo de Deus é o Senhor, Bom Pastor

A afirmação mais importante do evangelho de hoje é que Jesus é a “porta das ovelhas”. O contexto do capítulo 10 é a controvérsia com os fariseus, adversários por excelência de Jesus, no evangelho segundo João. A afirmação “Eu sou” (cf. Ex 3,7ss) é a afirmação da divindade de Jesus.
“Eu sou a porta das ovelhas.” Trata-se da porta de um cercado, sem telhado. E como tal, ele permite entrar e sair; como toda porta, abre e fecha. Quando a porta fecha é para proteger o rebanho contra os inimigos predadores que ameaçam a vida de todo rebanho. Quando a porta é aberta para fazer o rebanho sair, o Pastor vai à frente para conduzir o rebanho em segurança à verdadeira pastagem (cf. Sl 23[22]). Quem conduz o povo de Deus é o Senhor, Bom Pastor. O alimento que sustenta o povo, do qual o Cristo é o Pastor, é a sua própria vida entregue para a vida do mundo (ver: Jo 6). Quanto ao rebanho, ele segue unicamente o Pastor, cuja voz ele conhece.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, torna-me um discípulo dócil de Jesus, o verdadeiro pastor que arriscou a própria vida para me salvar. Somente ele poderá conduzir-me para ti.
Fonte: Paulinas em 22/04/2013

Vivendo a Palavra

O Mestre da Galiléia acentua a profunda confiança que as ovelhas depositam no pastor verdadeiro e, com seu exemplo de relacionamento, indica como deseja que vivamos nós, que somos hoje a sua Igreja. Será que nós temos nos empenhado em ser a porta desejada e confiável para todos os irmãos?
Fonte: Arquidiocese BH em 22/04/2013

VIVENDO A PALAVRA

Jesus acentua a profunda confiança que as ovelhas depositam no pastor verdadeiro e, com seu exemplo, indica como deseja que vivamos nós, que somos a sua Igreja. Celebramos hoje aquela que melhor confiou no Pai – Maria, a Senhora de Fátima – para tomá-la como exemplo. Será que nós temos nos empenhado em ser, como Maria, a porta desejada e confiável para todos os irmãos?
Fonte: Arquidiocese BH em 13/05/2019

VIVENDO A PALAVRA

‘Entrar pela porta’ é a metáfora usada por Jesus para nos ensinar a viver de forma transparente, sem mostrar sentimentos que não sejam sinceros, sem gestos externos que não signifiquem Amor verdadeiro, sem representar papeis assumidos apenas para parecer e aparecer e não para ser de verdade.

Reflexão

A porta de qualquer imóvel tem ao menos duas utilidades: proteger e libertar. Quando as pessoas estão na casa, a porta fechada oferece segurança, bem-estar, privacidade. Ao mesmo tempo, quando a porta se abre, pode-se entrar e sair livremente. Jesus é a porta das ovelhas. Dá segurança ao povo, defende-o dos ataques inimigos. Quem deixa de utilizar a porta, isto é, quem não reproduz a prática libertadora de Jesus, mas usa subterfúgios, boas intenções não tem. Jesus os chama de ladrões e assaltantes da vida e liberdade do povo. Referência imediata aos dirigentes do povo que não o defende, mas explora; não lhe garante vida digna, ao contrário, o mantém na miséria desumana. Jesus, a verdadeira porta das ovelhas, “vem para que todos tenham vida e a tenham e abundância”.
(Dia a dia com o Evangelho 2019 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)
Fonte: Paulus em 13/05/2019

Reflexão

O capítulo dez de João é o capítulo do “bom pastor” e inicia com a metáfora da porta: movimento de entrada e saída. A porta é a passagem que coloca em segurança quando se entra e em liberdade quando se sai. O assaltante não passa pela porta, vai às escondidas roubar as ovelhas; o pastor leva as ovelhas às pastagens. O ladrão se apossa das ovelhas; o pastor coloca-se a serviço delas. O ladrão destrói e mata; o pastor protege e salva. As ovelhas se aproximam do pastor, porque conhecem sua voz; elas fogem do ladrão, porque não conhecem sua voz. Jesus se apresenta como a porta por onde se pode entrar e sair com toda liberdade e sem medo, seguros de encontrar alimento necessário. A missão de Jesus é conduzir para fora de tudo o que possa aprisionar ou explorar e proporcionar vida, e vida em abundância. As comunidades necessitam estar sempre de portas abertas para ir às periferias e para acolher todos os que desejam.
Oração
Ó Jesus, porta das ovelhas, somos gratos a ti, porque és nosso forte protetor e guia seguro. Não nos deixes seguir caminhos contrários aos teus caminhos, nem correr atrás de vozes discordantes da tua voz. Acolhe-nos, Senhor, entre os que desejam com ardor a tua “vida em abundância”. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2021 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

Meditando o evangelho

VALE A PENA CRER NO RESSUSCITADO

Jesus não foi a única pessoa a abordar os discípulos e a convidá-los para o seu seguimento. Eram muitas as concepções teológicas e políticas, no tempo de Jesus. E todas procuravam arrebanhar adeptos. Como sempre acontece nestas circunstâncias, existiam propostas de todo o tipo. Era preciso estar atento para não se deixar enganar. A proposta de muitos era comparável à atitude de ladrões e salteadores, cujo interesse pelas pessoas não era senão o de tirar proveito delas, e de explorá-las.
A atitude de Jesus, pelo contrário, fundava-se numa preocupação autêntica: guiar e proteger cada um de seus discípulos. O Mestre conhecia intimamente a todos eles. Não se poupava quando se tratava de tomar a defesa deles. Seu grande desejo era que tivessem vida e vida em abundância. Portanto, estava todo a serviço de seus seguidores.
A Ressurreição confirmou as palavras de Jesus e lhe possibilitou tornar-se o bom pastor da comunidade, para além dos limites do tempo e do espaço. Mais do que nunca, ele podia comunicar a seus discípulos a vida plena recebida do Pai. Quem se predispusesse a segui-lo podia estar certo de que não haveria de se decepcionar. Jesus não era um estranho,  era o Filho por quem o Pai havia demonstrado um amor infinito ao ressuscitá-lo. Por isso, estava em condições de satisfazer os anseios mais profundos de seus seguidores.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Senhor Jesus, dá-me discernimento para seguir sempre a ti, bom pastor, porque, junto a ti, poderei ter vida abundante.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

1. A QUEM SEGUIR?
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

Os discípulos devem estar alertas. De todos os lados, surgem pressões, visando afastá-los do projeto de Jesus. Quem não está atento, corre o risco de ser enganado. O pastor das ovelhas age de maneira muito diferente dos salteadores e ladrões. Cada um é reconhecido por seu modo de proceder.
O pastor tem com as ovelhas um relacionamento feito de confiança e amizade. A intimidade permite que se conheçam mutuamente. As ovelhas conhecem-no pela voz. Ele as chama pelo nome. Cada ovelha tem um valor particular. Elas são levadas para pastar, sob a atenta vigilância do pastor, que lhes dá segurança e as defende.
Esta é a imagem do relacionamento de Jesus com seus discípulos.
Contrariamente ao pastor, agem os estranhos que não nutrem um autêntico interesse pelas ovelhas. Atuando com engodo, podem colocá-las em perigo. Sua única preocupação consiste em tirar proveito de sua ingenuidade, abandonando-as quando não se prestam às suas perversas intenções. A atitude natural das ovelhas é fugir, quando se aproxima um estranho, cuja voz não conhecem. Elas sabem que estão correndo perigo. Contudo, são suficientemente espertas para não se deixarem levar por quem é ladrão e salteador.
O discípulo de Jesus não se deixa enganar. Ele sabe distinguir muito bem entre o pastor e os ladrões e salteadores. Por isso, não hesita em fugir, quando estes se aproximam.
Oração
Espírito de sagacidade, que eu não seja enganado por aqueles que querem me afastar do projeto de Jesus. Antes, ensina-me a reconhecê-los e a fugir deles.
Fonte: NPD Brasil em 22/04/2013

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. UM ESTRANHO NO REDIL
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

 Eu achava estranho esse evangelho do Bom Pastor no tempo pascal, parece que se interrompem bruscamente as narrativas das famosas aparições de Jesus Ressuscitado aos discípulos, tão cheias de mistério e encanto, para falar de um assunto que não tem nada a ver, mencionando palavras repetitivas como redil, porta, pastor, ovelhas... E alguns adjetivos como, estranho, ladrão, assaltante, que nos faz imediatamente pensar nos outros, naqueles que são de fora do rebanho, nos que hostilizam a Igreja e o Reino de Deus, são esses que devemos ter cuidado, mas não ! Jesus fala com os de “dentro”, ou seja, com a comunidade, e aqui precisamos tomar muito cuidado, para não nos julgarmos como membros exclusivos de um Rebanho de qualidade superior a todos os demais, os “queridinhos e prediletos” de Deus.
E uma boa chave de leitura aparece logo no início do evangelho: Jesus é a Porta!Para entrar no Redil, para fazer parte da comunidade da Igreja, só há uma porta: Jesus Cristo, é ele que no dia do nosso Batismo nos introduz na comunidade. Não posso ser Cristão por razões ideológicas, ou para sentir-me bem com a minha consciência, vivendo em paz, sem preocupações nesta vida.
Não posso tão pouco participar da comunidade e das celebrações apenas por preceito, pois existe aí o perigo dos nossos interesses falarem mais alto, conheci dois casos diferentes, em um deles, porque mudaram as músicas que vinham sendo cantadas, um instrumentista enfiou o violão no saco e saiu pisando duro, dizendo que nunca mais botaria os pés na igreja, e conheci um acordeonista, que ao contrário, começando a tocar em celebrações sertanejas, tornou-se um membro ativo da comunidade e tomou gosto pela vida em comunhão, ai está a grande diferença entre, ser frequentador da comunidade, e ser um Seguidor de Jesus de Nazaré. Quem se tornou cristão por causa de Jesus, após ter feito com ele uma experiência profunda de Vida em comunhão, passou pela Porta, mas aqueles que são meros frequentadores, e não fizeram ainda essa experiência querigmática com o Senhor, são os que pularam a janela, entraram as escondidas pelos fundos, e quando chega a crise, esses mercenários são os primeiros a darem no pé, porque sentem que vão perder algo.
Mudam de igreja, de comunidade, de paróquia, de grupo, e nunca se encontram, há os que mudam até de família, passam a vida procurando a perfeição do cristianismo, e não encontrando acabam caindo no desânimo e frustração descobrindo mais tarde, que quem tinha de mudar eram eles, e não as pessoas.
Quando nossos interesses falam mais alto que as coisas do Reino de Deus, nos tornamos estranhos no ninho, ladrões e assaltantes, porque roubamos o espaço e o tempo da assembleia, das pastorais e movimentos, só para vender nossa imagem fazendo o nosso marketing pessoal. Tornamo-nos estranhos ao rebanho porque a nossa conduta e procedimento, e o jeito de pensar, não reflete de forma alguma o santo evangelho, a vida de comunhão ou a koinonia como diz o termo grego.
Ao contrário, quem passa pela Porta que é Jesus Cristo, torna-se também um pastor, aquele que cuida, mostra o caminho, socorre os fracos e feridos, que na comunidade são tantos, e se for preciso, carregam no colo as ovelhinhas que não podem caminhar, exatamente como faz esse Bom Pastor que é Jesus Cristo. As ovelhas o seguem, porque ouvem e conhecem sua voz, ou seja, a relação com ele é marcada por uma grande intimidade, de quem conhece a voz, isso é, a Palavra de Deus, e que por isso se torna um discípulo.
Claro que o evangelho do 4º Domingo da Páscoa, fala forte no coração dos jovens despertando uma possível vocação, projetando esse pastoreio na Vocação Sacerdotal, mas é preciso essa compreensão mais ampla de que somos todos ovelhas e pastores, somos cuidados, mas também somos cuidadores, em um amor co responsável, que vai ao encontro do outro porque o aceita como irmão no Senhor Jesus.
E há na segunda leitura dessa liturgia, uma afirmação do apóstolo Pedro, que reforça essa comunhão de vida: Carregou os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que , mortos aos nossos pecados vivamos para a Justiça.
Ser comunidade é carregar o outro em nossa vida, com todos os seus pecados e defeitos, fazer isso por puro amor, amor que aceita, que compreende que perdoa sempre e é misericordioso, pois carregar o outro com seus carismas e perfeições, não requer nenhum sacrifício e é até agradável. A exemplo de Jesus, Nosso Deus e Senhor, sejamos todos pastores e que aprendamos a amar a todos, mesmo os “estranhos” do Redil, pois o amor poderá salvá-los, levando-os a uma experiência sincera e profunda com Jesus mediante o nosso testemunho.

2. Ele chama cada uma pelo nome!
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Jesus Ressuscitado é o Bom Pastor. O redil, onde as ovelhas são guardadas durante a noite, tem uma porta. É por ela que se entra e que se sai. O ladrão e o assaltante não entram pela porta. “A porta”, disse Jesus, “sou eu”. “Eu sou a porta das ovelhas.” Ele veio para que as ovelhas tenham vida em abundância. Quem não tem o pensamento de Jesus, não se identifica com ele, não quer ser como ele, não é bom pastor. É ladrão e assaltante. Esse engana as ovelhas. Usa da religião para tirar proveito próprio. É uma pessoa perniciosa que introduz a corrupção nas coisas sagradas. Não é de estranhar que alguém assim proceda, dada a imperfeição da natureza humana. Estranho é que muitas pessoas se deixem enganar e sigam quem não tem a voz do Bom Pastor. Proteja-nos o Bom Pastor!
Fonte: NPD Brasil em 13/05/2019

HOMILIA DIÁRIA


Postado por: homilia
abril 22nd, 2013

Em todos os evangelhos, João é o único que nos apresenta Jesus diretamente como sendo a porta das ovelhas. Jesus indica claramente que Ele é a única porta por onde devem entrar todos os pastores de Israel. Ou seja, os reis ou dirigentes messiânicos de Israel devem se ajustar ao único verdadeiro pastor que é Jesus. Quem não entrar, como os apóstolos, pela sua porta não pode ser verdadeiro pastor. Por isso, na continuação, Jesus explica seu papel de supremo e verdadeiro pastor. A afirmação de Jesus, segundo a qual Ele é a porta do aprisco, é de tal modo absoluta que nos obriga a mantê-la como uma verdade de fé. Todo aquele que não se compromete com Jesus e seus ensinamentos não pode ser verdadeiro pastor das ovelhas que constituem os súditos do Reino.
Essa porta é única, de modo que qualquer outra porta moral ou dogmática será o mesmo que entrar no aprisco por cima da cerca. E isso é roubalheira, é vandalismo, prática própria dos ladrões que servem melhor a seus interesses do que ao bem das ovelhas a eles encomendadas.
Quem são os tais? Evidentemente, aqueles que buscam o dinheiro como proveito de seus serviços, ou a fama para serem louvados como tais líderes. Jesus coloca seu serviço como “dar a vida” e, para isso, Ele escolheu a morte para que elas tenham vida (Jo 10,15). Jesus dirá como os chefes da terra subjugam e dominam, mas aquele que quiser ser grande entre seus discípulos deve servir a todos como fez Ele mesmo (Mt 20,25-28).
Não podemos esquecer que os primeiros pastores são os próprios pais. Neste mundo em que o bem-estar e o prazer substituem o amor e o serviço, é bom recordar as palavras de Jesus sobre como apascentar as ovelhas que, no caso, são os filhos.
“Em verdade vos declaro: Eu sou a porta das ovelhas.” Jesus acaba de abrir a porta que nos tinha mostrado fechada. Ele mesmo é essa porta. Reconheçamo-lo, entremos e alegramo-nos por ter entrado.
“Os que vieram antes são ladrões e salteadores”. É preciso compreender: “Os que vieram fora de mim”. Os profetas vieram antes dele; eram ladrões e salteadores? De forma nenhuma, porque não vieram fora de Cristo; estavam com Ele. Ele tinha-os enviado como mensageiros, mas tinham nas suas mãos o coração dos enviados. “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, diz Ele (Jo 14,6). Se Ele é a verdade, os que estavam na verdade estavam com Ele. Os que vieram fora dele, pelo contrário, são ladrões e salteadores porque só vieram para pilhar e fazer morrer. “A esses, as ovelhas não escutaram”, diz Jesus.
Mas os justos acreditaram que Ele viria tal como nós acreditamos que Ele já veio. Os tempos mudaram, a fé é a mesma. Uma mesma fé reúne os que acreditavam que Ele devia vir e os que acreditam que Ele já veio. Vemos entrar todos, em épocas diferentes, pela única porta da fé, quer dizer, Cristo. Sim, todos os que acreditaram no passado, no tempo de Abraão, de Isaac, de Jacó, de Moisés ou dos outros patriarcas e profetas que, todos eles, anunciavam Cristo, todos esses eram já suas ovelhas. Neles se ouviu o próprio Cristo, não como uma voz estranha, mas com a sua própria voz.
Portanto, quem entrar por Jesus encontrará pastagem, isto é, alimento para a vida. E vida em abundância: a vida eterna.
Pai, torna-me um discípulo dócil de Jesus, o verdadeiro pastor que arriscou a própria vida para me salvar. Somente Ele poderá conduzir-me para Ti e contigo viver eternamente.
Padre Bantu Mendonça
Fonte: Canção Nova em 22/04/2013

HOMILIA DIÁRIA

Jesus é a única porta que nos salva

“Eu sou a porta. Quem entrar por mim, será salvo; entrará e sairá e encontrará pastagem. O ladrão só vem para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10,9-10).

Queremos realmente estar no colo de Jesus, nos braços d’Ele e sermos cuidados por Ele, porque a verdade é esta: Ele não é só o Pastor das ovelhas, mas é, também, a porta por onde as ovelhas devem passar.
Veja que maravilha, a porta de qualquer lugar que entramos é o meio de encontrarmos o que estamos procurando ou o que também não procuramos, porque a porta sinaliza o lugar da entrada. Quando uma porta se fecha, se o dono dela não abre, não podemos entrar.
Jesus é a própria porta, quem passa por Ele entra na vida, na salvação e não vai se perder. Há portas que entramos que, muitas vezes, não têm volta ou nos prendem em caminhos que nos levam a perder a alma, o espírito, a verdade e a vida. Alguém entrou pela porta da corrupção, do crime, da fofoca, das coisas más e malditas.
Vamos ver que o mundo é cheio de portas, tem porta para todos os lados. Tem a porta da sala da nossa casa, porta da sala do chefe, tem a porta da pessoa que não nos pertence. Cuidado! Pois entrar pela porta que se perde é muito fácil, elas são muitas e estão abertas, alargadas e dizem: “Venham!”. Mas só existe uma porta que nos salva, ela é Jesus. As ovelhas que entram por ela são salvas.

Jesus é a própria porta, quem passa por Ele entra na vida, na salvação e não se perder

O ladrão é uma figura alegórica que se refere ao maligno. Ele é como um ladrão, aquele da pior espécie, que vem não só para roubar e saquear, mas para matar e destruir. O maligno não quer só roubar a nossa alma, ele quer matar, saquear, nos destruir e nos aniquilar por inteiros.
Jesus quer nos dar a vida em abundância e plenitude, Ele quer nos dar a vida em Deus. Não nos deixemos enganar! A porta de Jesus pode parecer estreita, porque o nosso coração se alargou para a vida e para os prazeres do mundo. Porém, quando os deixamos novamente por via da penitência e dos meios espirituais, vamos direcionando o nosso coração para que o mundo não roube a nossa vida.
Muitas pessoas já perderam o gosto pelas coisas de Deus, o sabor d’Ele; pode ser que nem renegaram a Deus, mas não tem mais o gosto e a vida em Deus. O ladrão vai roubando até aniquilar. Não permitamos que a vida em Deus seja roubada de nós. Entremos por Jesus, porque Ele é a única porta que nos salva.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova
Fonte: Canção Nova em 13/05/2019

Oração Final
Pai Santo, dá-nos a consciência de que, mesmo sendo modesta a participação na história, nosso testemunho de fé pode ser importante para quem está ao nosso lado. Por isto, Pai amado, ajuda-nos a viver seguindo o Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 22/04/2013

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, dá-nos a consciência de que, mesmo sendo modesta a nossa participação na história, o testemunho de fé que damos pode ser importante para quem está ao nosso lado. Por isto, amado Pai, ajuda-nos a viver seguindo o Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 13/05/2019

ORAÇÃO FINAL
Pai, teu Amor nos eleva até o Céu! Não permitas que o desejo de parecer melhores do que somos prejudique as relações com os companheiros que peregrinam ao nosso lado. Faze-nos transparentes, para que a tua Luz, que nos habita, ilumine os caminhos deste mundo. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.

OU

Jo 10,11-18

Comentário do Evangelho

Um Pastor segundo o coração de Deus

Jesus entra na corrente dos profetas que denunciam os falsos pastores e anunciam para Israel um pastor segundo o coração de Deus, compassivo, misericordioso. No século VI a.C., Jeremias denunciava que os falsos pastores, os reis aos quais era atribuído o título de pastor, conduziram o povo para longe do Deus único e verdadeiro; levaram o povo a adorar os ídolos e a abandonar os mandamentos de Deus. A aflição do povo, o desejo de um único e verdadeiro pastor para que as ovelhas não se desgarrassem, fará com que Deus, diante da fraqueza e da infidelidade dos que estavam à frente do povo, prometa conduzir, ele mesmo, a porção de sua herança, qual um pastor. Essa promessa nós a vemos realizada em Jesus, Bom Pastor. Jesus é o Pastor segundo o coração de Deus, Pastor compassivo e misericordioso que conduz e protege as suas ovelhas. Não somente isso, mas Jesus é o Bom Pastor porque entrega livremente a própria vida em favor de suas ovelhas. A cada celebração da Eucaristia recordamos essa palavra do Senhor: “Isto é o meu corpo entregue por vós… isto é o meu sangue derramado por vós”.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, que eu saiba entregar-me com toda confiança nas mãos de teu Filho – o bom Pastor –, pois só assim estarei seguro de estar trilhando o caminho para ti.
Fonte: Paulinas em 12/05/2014

Vivendo a Palavra

Relembremos os costumes do tempo de Jesus. Ele usa a imagem do pastor e suas ovelhas – era o que havia de mais carinhoso e gentil, uma verdadeira troca de calor entre cuidador e seus cuidados, que os preservava do frio das noites veladas ao relento. Uma imagem bonita para ser seguida por irmãos.
Fonte: Arquidiocese BH em 12/05/2014

VIVENDO A PALAVRA

Relembremos os costumes do tempo de Jesus. Ele usa a imagem do pastor e suas ovelhas. Era o que havia de mais carinhoso e gentil, uma verdadeira troca de calor entre o que cuida e aqueles que são cuidados, para preservá-los do frio nas noites veladas ao relento. Uma imagem bonita de relação para ser seguida hoje por todos os irmãos.
Fonte: Arquidiocese BH em 04/05/2020

Reflexão

Deus afirmou, através do Profeta Jeremias, que ele daria ao seu povo pastores segundo o seu coração e, mais tarde, pela boca do Profeta Ezequiel, que ele mesmo seria o pastor do seu povo. O Evangelho de hoje nos mostra que Deus está cumprindo a sua promessa, pois o Filho, segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é quem afirma: "Eu sou o bom pastor". É o próprio Deus que se coloca a serviço das pessoas com a finalidade de reuni-las num único rebanho. E hoje a Igreja, o Corpo Místico de Cristo, é a continuadora da obra do Pastor, de modo que nela o ser humano é convidado a participar da divina missão do pastoreio.
Fonte: CNBB em 12/05/2014

Reflexão

Mercenário é alguém que trabalha apenas por dinheiro, por interesses pessoais. Uma alusão aos líderes religiosos e políticos que não cuidavam do povo; ao contrário, exploravam o povo a serviço de suas próprias necessidades. Jesus, ao invés, se proclama o bom pastor. Está comprometido com seu rebanho, chama cada ovelha pelo nome, isto é, tem familiaridade com todas e, principalmente, num ato voluntário de obediência ao Pai, dá sua vida por suas ovelhas. O bom pastor não vem somente para uma nação ou pequeno grupo. Sua missão é universal: “Tenho ainda outras ovelhas…”. A Carta aos Efésios comunga com essa ideia: “Agora, em Cristo Jesus, vocês que antes estavam longe foram trazidos para perto, mediante o sangue de Cristo” (2,13). E nossos dirigentes dão a vida pela vida do povo?
Oração
Ó Jesus, és de fato “o bom pastor”, pois arriscas tua vida pelo povo e o proteges contra os adversários do Reino. Conheces cada membro da imensa multidão que escuta tua voz e te segue. E procuras outras pessoas que ainda não fazem parte de tua família, na certeza de que ouvirão a tua voz. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))
Fonte: Paulus em 04/05/2020

Recadinho

Jesus faz um paralelo entre um pastor e um empregado. Um age em busca em primeiro lugar de seu salário. O outro age como dono das ovelhas. Qual a diferença entre o modo de agir deles? - O que acontece quando não se trabalha por amor? - O que devemos fazer pelas ovelhas que não pertencem ao rebanho de Cristo? - Você ajuda na evangelização? Como? - Qual a atividade de Igreja que mais lhe agrada?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 12/05/2014

Comentário do Evangelho

A QUEM SEGUIR?

Os discípulos devem estar alertas. De todos os lados, surgem pressões, visando afastá-los do projeto de Jesus. Quem não está atento, corre o risco de ser enganado. O pastor das ovelhas age de maneira muito diferente dos salteadores e ladrões. Cada um é reconhecido por seu modo de proceder.
O pastor tem com as ovelhas um relacionamento feito de confiança e amizade. A intimidade permite que se conheçam mutuamente. As ovelhas conhecem-no pela voz. Ele as chama pelo nome. Cada ovelha tem um valor particular. Elas são levadas para pastar, sob a atenta vigilância do pastor, que lhes dá segurança e as defende.
Esta é a imagem do relacionamento de Jesus com seus discípulos.
Contrariamente ao pastor, agem os estranhos que não nutrem um autêntico interesse pelas ovelhas. Atuando com engodo, podem colocá-las em perigo. Sua única preocupação consiste em tirar proveito de sua ingenuidade, abandonando-as quando não se prestam às suas perversas intenções. A atitude natural das ovelhas é fugir, quando se aproxima um estranho, cuja voz não conhecem. Elas sabem que estão correndo perigo. Contudo, são suficientemente espertas para não se deixarem levar por quem é ladrão e salteador.
O discípulo de Jesus não se deixa enganar. Ele sabe distinguir muito bem entre o pastor e os ladrões e salteadores. Por isso, não hesita em fugir, quando estes se aproximam.
Oração
Espírito de sagacidade, que eu não seja enganado por aqueles que querem me afastar do projeto de Jesus. Antes, ensina-me a reconhecê-los e a fugir deles.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Deus eterno e todo-poderoso, conduzi-nos à comunhão das alegrias celestes, para que o rebanho possa atingir, apesar de sua fraqueza, a fortaleza do Pastor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Dom Total em 12/05/2014

Meditando o evangelho

O PASTOR DAS OVELHAS

Jesus serviu-se da metáfora do pastor para explicitar que tipo de relação desejava estabelecer com seus discípulos. Queria superar os esquemas bem conhecidos na época, pelos quais os mestres tornavam-se verdadeiros tiranos dos discípulos. Sua intenção era ser um mestre diferente. Como?
Sendo um mestre legítimo, seria como o pastor que entra pela porta do curral e não por outras vias, à maneira dos mestres mal-intencionados.
Estabelecendo um relacionamento cordial e amigo com seus discípulos, imitaria o pastor que conversa com suas ovelhas, chama-as pelo nome e as trata com carinho, pois sua função é cuidar delas.
Conduzindo os discípulos de maneira segura, para evitar extravios, assemelhar-se-ia ao pastor que se coloca à frente do rebanho. Suas ovelhas o seguem, sem hesitar, por reconhecerem a voz de seu guia.
Defendendo seu rebanho perigos e das ciladas que a vida lhes prepara. Os mercenários, nos momentos de perigo, deixam as ovelhas entregues à si mesmas. Agem assim, porque são mercenário, incapazes de arriscar suas vidas para defender o rebanho. Jesus, pelo contrário, defenderá os seus discípulos, até o extremo, mesmo tendo de entregar sua própria vida.
Portanto, é mais prudente deixar-se guiar por um tal pastor.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Pai, torna-me um discípulo dócil de Jesus, o verdadeiro pastor que arriscou a própria vida para me salvar. Somente ele poderá conduzir-me para ti.
Fonte: Dom Total em 04/05/2020

HOMILIA

JESUS, O BOM PASTOR

Depois de Jesus ter proclamado que Ele é a porta por onde passam as ovelhas, agora vemo-l’O afirmar: “Eu sou o bom pastor”. Enquanto o bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas, O empregado não! Ele somente trabalha por dinheiro; ele não é pastor, e por outra, as ovelhas não são dele. Por isso, quando vê um lobo chegar, deixa as ovelhas entregues à sua sorte e desaparece fugindo. Então o lobo ataca e espalha as ovelhas. O empregado foge porque não busca senão o salário, a recompensa do seu trabalho. E por isso, não lhe importa que aparecendo o  lobo as ovelhas sejam atacadas e devoradas.
Assim como o Pai me conhece, e eu conheço o Pai, assim também conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem. E estou pronto para morrer por elas. Tenho outras ovelhas que não estão neste curral. Eu preciso trazer essas também, e elas ouvirão a minha voz. Então elas se tornarão um só rebanho com um só pastor.
Jesus é quem comunica a vida plena. Em Jesus habita o Pai, e o amor que o une ao Pai é uma fonte de vida que transborda para todos os homens e mulheres que vivem no mundo. Como bom pastor, Jesus conhece suas ovelhas e elas o conhecem.
E por nos conhecer nos compreende e perdoa os nossos deslizes e quedas. Trata as nossas feridas e nos reveste de dignidade de filhos. O conhecimento dele é fruto do convívio e do diálogo com Deus seu Pai e que gera o amor. Para Jesus não existe massa humana amorfa. Jesus mantém uma relação pessoal e amorosa com cada um. Chama a cada um pelo nome e a cada um fala ao coração. A relação de conhecimento e amor entre Jesus e suas ovelhas é de mesma natureza que a relação entre Jesus e o Pai.
O Pai me ama porque eu dou a minha vida para recebê-la outra vez. Ninguém tira a minha vida de mim, mas eu a dou por minha própria vontade. Tenho o direito de dá-la e de tornar a recebê-la, pois foi isso o que o meu Pai me mandou fazer!
Fonte: Liturgia da Palavra em 12/05/2014

HOMILIA DIÁRIA

Jesus, o Bom Pastor, dá a vida por nós!

Ainda que sejamos a ovelha machucada, ferida, maltratada, Jesus, o Bom Pastor, dá a vida para curar o nosso coração e para restituir a nossa vida!

”Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas” (João 10, 11).

Nós queremos continuar contemplando a imagem maravilhosa de Jesus, o Bom Pastor. Sabem, meus irmãos, faz parte da cultura hebraica, faz parte realmente do sistema de economia dos judeus, a figura das ovelhas. Porque é muito comum vermos, na região de Israel, as ovelhas, que estão nas principais regiões daquele país. E é claro que para cuidar das ovelhas existe o pastor, que está ali observando cada uma delas, alimentando-as, vendo o que elas precisam, as conduzindo para que estejam no redil, cuidando das que estão doentes ou das que se perdem.
A figura do pastor é uma figura muito cara, ele é muito bem visto pelo trabalho que faz e pela forma como ele cuida das suas ovelhas. E assim como existe o pastor, que cuida das suas ovelhas no campo, Jesus diz a nós que Ele também é um Pastor, mas Ele não é um pastor qualquer, Ele é o Bom Pastor! E por que Ele é um Bom Pastor? Porque Ele é capaz de dar a vida por Suas ovelhas, Ele não só cuida, ama, trata e dá o que a ovelha precisa, mas o fundamental: todas as vezes que preciso for, Ele dá a vida pelas ovelhas!
Dar a vida pelas ovelhas não significa apenas morrer por elas, Ele também é capaz de morrer e morreu por Suas ovelhas num gesto supremo de amor e de entrega total por aqueles a quem Ele ama, pois Ele dá a vida por cada uma a cada dia, Ele se sacrifica, cuida dela. E, mesmo que a ovelha seja rebelde, mesmo que a ovelha fuja, Ele vai atrás dela para poder cuidar dela.
Do mesmo modo como Jesus é o Bom Pastor, eu e você precisamos ser também “a boa ovelha”, precisamos nos deixar ser cuidados pelo nosso Bom Pastor; precisamos permitir que Ele, com todo o amor e ternura, cuide de nós. Ainda que sejamos a ovelha machucada, ferida, maltratada, o Bom Pastor dá a vida para curar o nosso coração, para restituir a nossa vida, para dar um vigor novo à nossa vida de ovelha!
O Bom Pastor não olha para as Suas ovelhas no plural, no rebanho, no coletivo. Ele as olha de forma individual, cada ovelha é única, por isso Ele a toma pela mão, a conduz nos Seus braços e lhe dá todo o amor, carinho e ternura. Porque Ele quer que Suas ovelhas estejam bem cuidadas, tratadas, alimentadas, mas, sobretudo, que elas tenham vida plena e abundante em Deus!
Que o Bom Pastor nos abençoe!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 12/05/2014

HOMILIA DIÁRIA

O Bom Pastor dá a vida por Suas ovelhas

“Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor e não é dono das ovelhas, vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge, e o lobo as ataca e dispersa” (João 10,11).

Queremos olhar para Jesus, o Bom Pastor. O bom pastor é aquele que dá a vida pelas suas ovelhas e não permite que o ladrão, o mercenário nem o lobo as ataquem ou roubem, a não ser que elas não queiram ficar no colo do seu pastor e fujam para outros redis.
Jesus dá a vida, no seu sentido mais pleno, para cuidar das Suas ovelhas. Ele cuida com amor, com ternura, e preocupa-se com cada inquietação que parte do coração da ovelha.
Não pense que Jesus está distante das nossas inquietações, preocupações e tensões, somos nós que precisamos colocar o nosso coração n’Ele, porque Ele cuida do coração de cada ovelha.
Há ovelha que se distancia, que não dá voz nem vez para o seu pastor. Há ovelha que se deixa seduzir, enganar-se e iludir-se por outros pastos que parecem mais vistosos, mais bonitos e, aparentemente, mais atrativos. O bom pastor, no entanto, cuida do coração das suas ovelhas.

O único que não nos deixa é Jesus, o Bom Pastor que dá a vida e cuida das Suas ovelhas em tudo

Ele sabe que as ovelhas se machucam nos pastos da vida – machuca a perninha, rala-se e fere-se. O bom pastor vem, cuida e dá o tratamento. Ele, de fato, vai cuidar até que a ovelha se recupere. Por isso, precisamos colocar o que está machucado, ferido e dolorido no coração do Bom Pastor, para que Ele cure as feridas da nossa alma e do nosso coração.
O Bom Pastor nos dá a vida. Não adianta estarmos vivos, precisamos viver, precisamos ter vida com gosto, com sentido, com razão de ser e de viver. Quando olhamos para o Bom Pastor e vemos que a vida d’Ele é doar-se e amar; então, se não estamos amando nem nos doando, é porque a nossa vida não está n’Ele.
Precisamos estar com o Bom Pastor, para que Ele cuide de nós, porque se não estivermos, estaremos nas mãos dos mercenários da vida que nos iludem e nos enganam. Quantos mercenários no campo da religião, da política e dos negócios! Quantos mercenários estão interessados em nós e naquilo que podemos fazer para favorecê-los! E usam de toda e qualquer linguagem afetuosa, bonita, cheia de recursos que até ficamos mexidos.
Sentimo-nos mexidos por dentro quando escutamos os discursos que falam e usam, mas são só falácias, porque o único capaz de dar a vida por nós é o Bom Pastor. Não nos deixemos enganar por discursos melosos, afetuosos, que seduzem as nossas realidades financeiras, econômicas, afetivas, as nossas carências, porque vão nos sugar, puxar-nos e depois nos deixarão.
O único que não nos deixa é Jesus, o Bom Pastor que dá a vida e cuida das Suas ovelhas em tudo. Deixemo-nos ser cuidados por Jesus, o Bom Pastor.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 04/05/2020

Oração Final
Pai Santo, dá-nos a consciência de que como ovelhas da tua Igreja, também somos pastores. Por mínimo que seja nosso rebanho, ajuda-nos a assumir seu cuidado, oferecendo aos companheiros do Caminho testemunho de compaixão e fé. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 12/05/2014

ORAÇÃO FINAL
Pai misericordioso, faze-nos conscientes de que somos ovelhas da tua Igreja, mas também somos pastores. Por muito pequeno que seja nosso rebanho, ajuda-nos, amado Pai, a assumir seu cuidado, oferecendo aos companheiros do Caminho nosso testemunho de Compaixão, de Esperança e de Fé. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 04/05/2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário