terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 23/02/2021

ANO B


Mt 6,7-15

Comentário do Evangelho

Rejeição da hipocrisia

Na Quarta-Feira de Cinzas, nós ouvimos a seguinte recomendação geral de Jesus dirigida aos discípulos: "Cuidado! Não pratiqueis vossa justiça na frente dos outros, só para serdes notados" (Mt 6,1). A consequência prática desta recomendação para os discípulos é a rejeição da hipocrisia. É nesse contexto que se insere a oração que Jesus ensina aos seus discípulos. Não se trata de multiplicar palavras, pois Deus nos conhece profundamente (cf. Sl 139[138]) e sabe do que necessitamos. A oração do Pai-Nosso é a que o discípulo deve ter presente no seu relacionamento com Deus: em primeiro lugar, ele exprime, da parte do discípulo, seu engajamento filial face ao Pai; depois, a súplica por questões fundamentais da vida concreta do ser humano: pão e perdão das ofensas, como nós perdoamos aos que nos ofendem; finalmente, como o mal está presente no mundo, a súplica de não cair no poder da tentação, e de não ser enredado pelo mal.
Carlos Alberto Contieri,sj
Oração
Pai, livra-me de reduzir a palavras vazias a oração que Jesus nos ensinou. Que eu saiba encontrar o sentido do pai-nosso, centrando minha vida na filiação divina e na fraternidade.
Fonte: Paulinas em 19/02/2013

Comentário do Evangelho

Como orar

Nós já comentamos este texto, grosso modo, na Quarta-Feira de Cinzas. Naquela ocasião, afirmávamos que a consequência prática das recomendações de Jesus era a rejeição a determinada hipocrisia, em que, por contraste, Jesus apresenta a verdadeira e a falsa piedade. Isso, evidentemente, vale para o texto de hoje do evangelho. Não é a oração que está em questão, mas o modo de fazê-la. Deus conhece o coração de cada um, antes mesmo que as palavras cheguem à boca (cf. Sl 138). Diante dele a multiplicação de palavras é inútil. Ademais, essa multiplicação de palavras é expressão da pressão exercida sobre Deus para conseguir algo dele. O que Deus concede ao seu povo é fruto de seu amor e de sua bondade, e não de merecimento de quem quer que seja. A oração do Senhor é, para o discípulo, referência no modo de relacionar-se com Deus. Essa oração exprime, em primeiro lugar, a centralidade de Deus e o engajamento filial do discípulo com relação ao Pai. Em seguida, o discípulo consciente de sua condição suplica pelo que deve sustentá-lo na vida cotidiana: pão e perdão. Por fim, como o mal está presente no coração do ser humano, o cristão pede para, pela graça de Deus, ser liberto de todo mal.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Espírito do Pai, leva-me a transformar em vida a minha oração, e a descobrir, na oração, o sentido da minha vida.
Fonte: Paulinas em 11/03/2014

Vivendo a Palavra

Jesus ensina que devemos nos esmerar não na quantidade de palavras, mas na qualidade de nossa oração. E a qualidade se avalia pela coerência entre o que dizemos e o que vivemos. A oração ensinada pelo Mestre é um programa de vida e, quando a rezamos, nós nos comprometemos com o esforço para realizá-lo.
Fonte: Arquidiocese BH em 19/02/2013

VIVENDO A PALAVRA

Jesus alerta contra o excesso de palavras. Ele ensinou em toda sua vida o valor do silêncio, do espaço que abrimos dentro de nós para ouvir a Voz de Deus. Não um silêncio sonolento e preguiçoso, mas um tempo denso, na certeza de que estamos na presença viva e criativa do Pai Misericordioso. Diante dele, não precisamos palavras, só encantamento e gratidão.
Fonte: Arquidiocese BH em 03/03/2020

vIVENDO A PALAVRa

Estamos diante da página mística mais profunda e fundamental para a nossa vida espiritual de cristãos – a Oração, tal como foi ensinada por Jesus. Os discípulos pediam (e esperavam) mais uma fórmula, uma ‘receita’ de oração, mas o Mestre lhes oferece um Programa de Vida. O tempo da nossa existência é muito pequeno para a grande viagem no interior destas palavras tão breves. Elas são Espírito e Vida. Resta-nos acolhê-las com humilde gratidão e profunda alegria.

Reflexão

A eficácia da oração não é determinada pela quantidade de palavras nela presentes, pelo seu volume ou pela sua visibilidade, mas antes de tudo pela capacidade de estabelecer um relacionamento sério, profundo e filial com Deus. Quem fala muito, grita e fica repetindo palavras é pagão, que não é capaz de reconhecer a proximidade de Deus e ter uma intimidade de vida com ele. A oração também deve ter um vínculo muito profundo com o próprio desejo de conversão e de busca de vida nova, de modo que ela não seja discursiva, mas existencial e o falar com Deus signifique estabelecer um compromisso de vida com ele e para ele.
Fonte: CNBB em 19/02/2013 11/03/2014

Reflexão

As crianças, mediante orações simples, surpreendem os adultos. Elas expressam, sem rodeios: “Papai do Céu, arrume um emprego para o meu pai. Obrigado”. Dado que são sinceras e confiantes, serão atendidas. Jesus, nosso principal modelo de oração, não condena a insistência nos pedidos; ao contrário, a recomenda, conforme o faz na parábola do juiz e da viúva (cf. Lc 18,1ss). O que Jesus corrige é nossa tendência a multiplicar palavras (amontoar frases vazias) quando rezamos. Ao ensinar-nos a rezar, Jesus nos apresenta a essência da oração cristã. O Pai-nosso contém uma invocação e sete pedidos, três em honra de Deus e quatro a favor do ser humano. Nossa oração só será eficaz se for acompanhada do perdão a quem nos ofendeu.
Oração
Ó Jesus, mestre de oração, faze-nos compreender que rezar não é cair na repetição de palavras vazias. Rezar é entrar em comunhão com o Pai celeste, expressando-lhe nossos anseios profundos e essenciais, com a certeza de que nossa oração só será eficaz se for acompanhada com a atitude de perdão. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2020 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp (dias de semana) Pe. Nilo Luza, ssp (domingos e solenidades))
Fonte: Paulus em 03/03/2020

Reflexão

O texto do Evangelho nos apresenta o modelo de oração proposto por Jesus: o pai-nosso, que sintetiza todo seu ensinamento e conteúdo sobre a oração: rezamos ao Pai – como filhos e filhas – que está no céu e aqui junto a nós; santificamos seu nome, santificando-nos; pedimos que seu projeto de vida digna para todos se torne realidade; sempre atentos para cumprir sua vontade; pedimos o pão cotidiano para todos; devemos viver a reconciliação com todos; sempre atentos para não cair na tentação de fazer o mal aos outros. Por meio de palavras simples e sem muito palavrório, nos dirigimos a Deus não para curvá-lo à nossa vontade ou manipulá-lo, mas para descobrir sempre mais sua vontade amorosa e torná-la nossa. Como bom Pai, Deus conhece e compreende as necessidades de seus filhos e filhas.
ORAÇÃO
Ó Jesus, mestre de oração, faze-nos compreender que rezar não é cair na repetição de palavras vazias. Rezar é entrar em comunhão com o Pai celeste, expressando-lhe nossos anseios profundos e essenciais, com a certeza de que nossa oração só será eficaz se for acompanhada com a atitude de perdão. Amém.
(Dia a dia com o Evangelho 2021 - Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp e Pe. Nilo Luza, ssp)

Recadinho

Conheço a palavra perdão? - Ela faz parte de minha vida? - Rezo o Pai Nosso? - Com que frequência? - Será que notei a grande “arapuca” que Jesus criou para nós aos nos ensinar a rezar o Pai Nosso? Estou de acordo que Deus me perdoe... assim como eu perdoo?!
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 11/03/2014

Meditando o evangelho

A ORAÇÃO DO DISCÍPULO

A oração cristã consiste em estabelecer uma relação amorosa com Deus. Uma relação de amor dá-se num contexto de confiança, de transparência, de profundidade. Nem sempre o ser humano é capaz disto, quando se trata de relacionar-se com Deus, na oração. É comum a tentação de querer argumentar com ele, de transformá-lo em depósito de lamúrias e de considerá-lo solução para todas as pendências humanas.
Jesus denunciou certas tendências erradas no tocante à oração e indicou uma pista para fazê-la de maneira consistente. A oração é um diálogo com o Pai, que não se coloca na mesma altura do orante: ele é santo e está no céu, embora esteja muito perto de quem reza. Diante dele, exige-se uma atitude de reverência e humildade.
O anseio fundamental do orante deve ser de que o Reino do Pai aconteça na história humana e todas as pessoas se submetam a seu projeto. Por outro lado, ele sabe que tudo tem sua origem no Pai, inclusive o pão de cada dia, considerado fruto da preocupação paterna e materna de Deus pelo ser humano. O orante também tem consciência da paciência do Pai com suas fragilidades e pecados. O Pai está sempre disposto a perdoar e a confiar na sinceridade do arrependimento do pecador. Em contrapartida, este reconhece a importância de perdoar a fragilidade e o pecado de seu semelhante. Enfim, o grande desejo do orante é não se deixar levar pela maldade que o afasta do Pai e o leva a prescindir dele.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Senhor Jesus, coloca sempre em meus lábios orações que me abram para o Pai e, também, para o mundo que me rodeia.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

1. APRENDENDO A REZAR
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

O período quaresmal incentiva os cristãos a buscarem uma maior intimidade com Deus, mediante a oração. Neste contexto, é importante redescobrir a prática da oração na vida de Jesus, e recuperar as orientações dadas por ele a respeito da maneira correta de rezar.
O Pai-Nosso delineia os sete pontos essenciais da oração cristã, e, ao mesmo tempo, constitui um programa de vida. Na perspectiva de Jesus, oração e ação caminham sempre juntas.
A santificação do nome do Pai, o desejo da vinda de seu Reino e o anseio de que sua vontade seja feita, são mais do que simples palavras dirigidas a Deus. Estes três pedidos expressam esta disposição do cristão: lutar contra toda forma de idolatria, que deixa de lado o Deus verdadeiro, substituindo-o por falsas divindades.
A idolatria começa a ser combatida, quando os cristãos são capazes de repartir, fraternalmente, o pão cotidiano; quando perdoam e buscam a reconciliação; quando não se deixam levar pela tentação que os desvia do projeto de Jesus; quando são preservados de trilhar o caminho do mal e do pecado.
Estes quatro pedidos são já uma forma de pôr em prática os três primeiros. Não existe outra maneira de engrandecer o nome do Pai e combater a idolatria, a não ser fazendo frente ao pecado, que divide e destrói a humanidade. É isto que devemos pedir na oração.
Oração
Espírito do Pai, leva-me a transformar em vida a minha oração, e a descobrir, na oração, o sentido da minha vida.
Fonte: Dom Total em 19/02/2013

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Quando orardes, não useis de muitas palavras... - Mt 6,7-15
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Hoje em dia se fala em “mantras”, pequenas frases que se repetem. Antigamente dávamos a elas o nome de jaculatórias, como pequenas setas dirigidas ao coração de Deus. Cada frase do Pai-Nosso pode ser um mantra a ser repetido muitas vezes durante o dia. “Seja feita a vossa vontade”, “Não nos deixeis cair em tentação”, “Livrai-nos do mal”. Depois de invocar o Pai, fazemos duas séries de pedidos. Falamos primeiro dele: o vosso nome, o vosso Reino, a vossa vontade. Depois, pensamos em nós: nosso pão, nossos pecados, nós mesmos. Nos três primeiros pedidos olhamos para Deus, a quem chamamos de nosso Pai, e olhamos para frente, para a vontade de Deus plenamente realizada no seu Reino por ele mesmo santificado. Olhamos para Deus com os pés firmes na realidade do nosso mundo. Que não nos falte o pão de cada dia, que o perdão embeleze os nossos relacionamentos e sejamos protegidos das tentações do Maligno. As palavras conclusivas reforçam a importância do perdão. Perdoe sempre. Você se sentirá melhor.
Fonte: NPD Brasil em 03/03/2020

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. A ORAÇÃO E SUA EFICÁCIA...
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

A comunicação verbal é extremamente importante, ela expressa o que pensamos, quem somos e até o que queremos fazer. Para conhecer as pessoas é preciso estabelecer com elas um diálogo, falar e ouvir, vamos sabendo quem são, onde moram, o que pensam, o que fazem na vida e até o que ainda pretendem fazer. Quanto mais conversamos mais vamos nos tornando íntimos daquela pessoa. Estar perto das pessoas não é suficiente para que as conheçamos e elas nos conheçam, sem essa comunicação verbal, é como se elas não existissem.
Por isso não dá para imaginar a vida de um Cristão sem a oração. Para muitos a oração é uma coisa chata e monótona, certas fórmulas repetitivas que até dá sono. Também a nossa conversa com uma pessoa pode ser chata, fútil e sem serventia alguma se eu não tiver com essa pessoa uma relação consistente. Com Deus é a mesma coisa, se a nossa Fé for infantil, ou a nossa relação com Ele for marcada pelo medo, as nossas orações de fato serão bem chatas e nos farão bocejar... O modo como rezamos revela quem somos e quem é Deus em nossa vida... Na encantadora fase do namoro, qualquer palavra que o amado ou a amada diz, é linda maravilhosa e se fala aos sussurros...
Conheci um gerente muito famoso, que era tão importante na cidade, pois naquele tempo tinha só uma indústria, e se dizia que era Deus no céu e ele na terra. Por duas vezes consegui chegar na temida sala da Gerência onde atrás de uma enorme mesa ficava o Gerente, franzino de corpo, mas imponente, prepotente e muito poderoso. Chegar diante dele em sua sala já era uma grande façanha, era como se a gente estivesse diante de um deus, ou de alguma Fada Madrinha, que poderia atender ao nosso desejo.
Pois nas duas vezes fiquei decepcionado, enquanto eu falava nervosamente sobre a minha necessidade dentro da empresa, ele de cabeça baixa fazia desenhos em um papel e quando silenciei ele perguntou "Terminou?". E eu dizendo que sim, ouvi a resposta seca, curta e grossa "Isso não posso e nem quero fazer..." A conversa terminou ali, levantei-me e saí, com o sangue fervendo, pelo pouco caso do deusinho tão temido por todos.
Nosso Deus não é assim, ele nos acolhe, ouve a nossa oração, responde-nos com carinho e amor, (precisamos ouvir Deus em nossas orações) conhece todas as nossas necessidades antes mesmo de as manifestarmos e sempre nos atende, (muitas vezes não do jeito que pedimos, mas do jeito dele, que é sempre o mais certo). Na oração falamos com Deus em pé de igualdade, não nos esqueçamos de que Ele é Homem como nós, e compreende as nossas súplicas e choramingos. Não nos atende com frieza e indiferença mas está ao nosso lado, caminhando junto passo a passo.
Jesus percebe que a oração dos pagãos era um palavratório sem fim, tem gente que acha que para falar com Deus é preciso fazer um discurso, com as palavras certas para convencê-lo. Uma coisa importante que precisamos saber é que nossas orações, mesmo aquelas feitas com muita Fé e desespero, não mudam o modo de pensar e de agir de Deus, ele não age de acordo com a cara do Freguês, então a oração tem como objetivo nos sintonizar com o seu desígnio, na oração Deus se dá a conhecer e se revela cada vez mais, mas não podemos querer manipulá-lo...
Por isso Jesus ensinou aos discípulos o seu jeito de rezar, é a oração de quem chama a Deus de Pai porque vive em seu amor, é a oração de quem sabe reconhece a Santidade do nome de Deus, é a oração de quem só que fazer a Vontade de Deus. Deus é Pão, é alimento, é o amor que perdoa generosamente, por isso a relação de quem crê e reza assim, deve ser um reflexo de quem é Deus, Ele é Amor e Perdão, sua imagem viva está em nós e por isso só o refletimos ao próximo quando vivemos neste amor.
Enfim, no Pai Nosso afirmamos nossa decisão de viver em comunhão profunda com Deus e os irmãos, tendo sempre por base o amor e o perdão, é a oração da igualdade porque o chamamos de Pai, reconhecendo que somos todos irmãos. É a oração onde fazemos um trato com Deus, Ele nos dá o seu Reino e nós nos comprometemos em fazer este reino acontecer em nossas relações fraternas com todos os homens.

2. Quando orardes, não useis de muitas palavras - Mt 6,7-15
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

“Quando orarem, não usem muitas palavras. Rezem o Pai-Nosso.” O ano todo é tempo de oração. Estamos o tempo todo unidos a Deus. Na Quaresma, queremos intensificar essa união. Não é preciso multiplicar exercícios, nem é preciso aumentar o tempo da oração. Podemos fazer uma coisa e outra se for bom para o seguimento de Jesus Cristo. Ele mesmo nos diz que não é preciso multiplicar palavras na oração. E nos ensina o Pai-Nosso, que será a nossa oração forte de cada dia. Não muitas palavras, mas palavras intensas. Tome uma das frases do Pai-Nosso e repita-a algumas vezes, ou muitas vezes, durante o dia. “Seja feita a vossa vontade” é um bom desejo. A vontade de Deus certamente é melhor do que a nossa. “Perdoa-nos as nossas dívidas” é um pedido condicionado. Que Deus me perdoe do mesmo modo como eu perdoo os outros. Que o nome de Deus não seja desonrado pelo nosso modo de viver e não nos falte o pão de cada dia. E com força insistente clamamos: “Livra-nos do mal e do maligno”. E ainda: “Não nos deixes cair em tentação”.

HOMILIA DIÁRIA

A oração é um diálogo com o Pai

Postado por: homilia
fevereiro 19th, 2013

O tempo da Quaresma nos convida à mais profunda comunhão com Jesus em sua ousadia de viver o amor sem limites, promovendo a vida e vida em abundância.
Começo por dizer que o maior bem do ser humano é a vida. É a partir desse dom de Deus concedido ao ser humano, que o homem pode desenvolver suas capacidades e, sobretudo, a capacidade de amar.
O amor comunica vida e liberta. Contudo, suscita a repressão dos poderosos que se beneficiam da exploração dos oprimidos e empobrecidos. Doar-se no amor supõe mudança de vida e abandonar os esquemas de segurança e defesa oferecidos por este mundo, lançando-nos, em oração, nos braços do Pai. É neste âmbito que surge a “Oração do Pai Nosso” que Jesus ensina aos seus discípulos: “Quando rezardes dizei, Pai Nosso…” (Mt 6,7-15).
A oração cristã consiste em estabelecer uma relação amorosa com Deus. Uma relação de amor dá-se num contexto de confiança, de transparência, de profundidade. Nem sempre o ser humano é capaz disto, quando se trata de relacionar-se com Deus, na oração. É comum a tentação de querer argumentar com Ele, de transformá-Lo em “depósito” de reclamações, lamúrias e de considerá-Lo solução para todas as pendências humanas.
Jesus denunciou certas tendências erradas no tocante à oração e indicou uma pista para fazê-la de maneira consistente. A oração é um diálogo com o Pai, que não se coloca na mesma altura do orante: Ele é santo e está no céu, embora esteja muito perto de quem reza. Diante d’Ele, exige-se uma atitude de reverência e humildade.
O anseio fundamental de quem reza deve ser de que o Reino do Pai aconteça na história humana e todas as pessoas se submetam ao Seu projeto. Por outro lado, ele sabe que tudo tem sua origem no Pai, inclusive o pão de cada dia, considerado fruto da preocupação paterna e materna de Deus pelo ser humano.
Na oração, não vamos nos deter na multiplicidade de nossas necessidades. Em atitude filial diante do Pai, comprometemo-nos em testemunhar seu amor, em nos engajarmos com a instauração de seu Reino, dóceis à sua vontade. Embora frágeis, temos a iniciativa pessoal de perdoar, o que nos habilita a pedir o perdão. Mas, nesta mesma fragilidade, necessitamos de pedir a ajuda para vencer as provações (tentações) e pedir o afastamento do maligno. Pela oração fazemos nossas as opções de Jesus nas tentações logo após seu batismo.
O suplicante também tem consciência da paciência do Pai com suas fragilidades e pecados. Pois, o Pai está sempre disposto a perdoar e a confiar na sinceridade do arrependimento do pecador. Em contrapartida, este reconhece a importância de perdoar a fragilidade e o pecado de seu semelhante. Enfim, o grande desejo do orante é não se deixar levar pela maldade que o afasta do Pai e o leva a prescindir d’Ele.
Senhor Jesus, coloca sempre em meus lábios orações que me abram ao Pai e, também, ao mundo que me rodeia para que a cada dia se realize a vossa vontade: que todos tenham vida e a tenham em abundância.
Padre Bantu Mendonça
Fonte: Canção Nova em 19/02/2013

HOMILIA DIÁRIA

A oração é a nossa comunhão com o Pai

“Quando orardes não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras” (Mateus 6,7).

Jesus nos ensina no que consiste verdadeiramente a oração, pois, a verdade é que muitos de nós não sabemos como orar. Humildemente precisamos admitir isso e aprender a orar de verdade, porque não podemos fazer a nossa oração como os pagãos a fazem, nós não podemos fazer a nossa oração como muitos a fazem.
A oração é expressão da nossa comunhão mais profunda com Deus, o “Pai-Nosso que estais no Céu”, pois é Ele a quem nos voltamos, é Ele a quem nos dirigimos. A oração é a nossa comunhão com o Pai.
Quando alguém me pergunta: “Como Deus se expressa a nós?”. No mais profundo silêncio. Olha como Deus é silencioso e como nós somos barulhentos; agitados. Então, na hora de rezar, nós também somos assim: falamos, falamos e falamos… Até criamos as fórmulas, as ladainhas que têm importância, mas não podem, de forma alguma, ocupar aquilo que é o essencial, ou seja, a oração precisa nos levar à comunhão com Deus; e a comunhão com Ele se faz pela via do silêncio: silenciar a alma, o coração, vencer a sede de falar.
A primeira necessidade é a de ouvir, pois, se nós não ouvirmos a Deus, nós não rezamos, não oramos nem fizemos comunhão com Ele. Como é que vamos ouvir, se não silenciarmos e não calarmos o nosso interior, a nossa alma e todo o nosso ser?

A comunhão com Deus se faz pela via do silêncio

Oração é despojamento da alma e do espirito; dos sentimentos, dos afetos e da razão. Oração é nos colocarmos “nus” na presença de Deus para que Ele possa nos despir  de tudo aquilo que o mundo tem nos revestido. Quantas coisas mundanas estão em nós… Quantos sentimentos estão expelindo dentro da nossa alma e dentro do nosso coração nos gritando, perturbando, agitando e criando todo esse complexo de ansiedade interior em que nós vivemos.
É preciso mergulhar a alma no mais inquieto silêncio. O silêncio é perturbador, mas é ele quem nos coloca em comunhão mais íntima com o Senhor, nosso Deus.
Hoje, como é difícil o silêncio! Até em nossa Igreja, como é difícil nos concentrarmos para rezar, porque as pessoas querem conversar, falar. Como é difícil nos sentarmos para orar porque estamos “borbulhando” com muita coisa para resolver, temos muitas ansiedades que nos inquietam, então, começamos a falar, falar e falar.
Silenciemos a alma, o coração e entremos em comunhão com o Pai para glorifica-Lo, exalta-Lo, santificar o Seu Nome e clamar pelo Seu Reino; para rendermos a nossa vontade e fazermos a vontade do Senhor; para vivermos a comunhão com o Pão, o Pão que não é meu, e sim que é nosso; o Pão que o Pai nos dá para partirmos e partilharmos uns com os outros.
A oração é quem nos faz mergulharmos na vivência mais dinâmica e verdadeira do perdão, pois, quem não perdoa não reza. E não há oração que não conduza a alma para o perdão, porque a primeira coisa é suplicar a Deus que é quem nos perdoa. Então, esse Deus que nos perdoa dá um balsamo à nossa alma que nós saímos impelidos a perdoarmos uns aos outros.
A oração que clama para nos livrarmos do mal, nos libertarmos do poder do mal, além disso, nos instalarmos, lutarmos e construirmos o Reino de Deus no meio e nós.
Que a nossa alma mergulhe na profundidade da oração no coração do Pai.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 03/03/2020

Oração Final
Pai Santo, Pai nosso! Pai de todos os homens e mulheres desta terra, o que nos torna irmãos, envia-nos o teu Espírito para que façamos da prece ensinada pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão Maior, o roteiro da nossa caminhada em busca da plenitude do Reino de Amor, que já sentimos em tua Presença.
Fonte: Arquidiocese BH em 19/02/2013

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, comunica-nos o dom da oração. Faze-nos compreender a lição de Jesus: Ele nos ensinou que não precisamos muitas palavras, mas apenas a expressão simples e pura do nosso sentimento e o silêncio ávido de ouvir a tua Palavra. Nós Te pedimos, amado Pai, pelo mesmo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 03/03/2020

oRAÇÃO FINAl
Pai nosso, que estás no Céu e estás em nós, o teu Nome é Santo. O teu Reino vem. A tua Vontade se cumpre na terra como é cumprida no Céu. Tu nos dás o nosso pão todos os dias. Tu nos perdoas, para que também nós perdoemos aos que nos devem. Tu nos proteges quando estamos em tentação e nos livras do Mal – do único mal que conta, que é perder a Esperança no teu Amor. Pois teus são o Reino, o Poder e a Glória, eternamente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário