quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 28/12/2017

ANO B


Mt 2,13-18

Comentário do Evangelho

O poder do amor salva

Com esta narrativa do assassinato dos meninos de Belém, Mateus vai encerrando sua narrativa de infância de Jesus. Temos aqui uma antecipação do conflito que envolverá Jesus ao longo de seu ministério, rejeitado pelos poderosos da Judeia.
Mateus faz uma inversão do contexto do êxodo, quando o Egito era a terra da opressão, e o povo oprimido fugiu para a terra prometida, o futuro Israel. A opressão, agora, está na própria Judeia, remanescente de Israel, a partir de Jerusalém, sede do poder teocrático judaico. O Rei Herodes, o Grande, estabelecido em Jerusalém, e mais tarde os chefes religiosos do Templo e das sinagogas, procura matar Jesus. José, o menino, e a mãe procuram abrigo no Egito. A matança, contudo, vai se efetivar. O poder, com casa em Jerusalém, ameaça e extermina os pequeninos de Belém.
José Raimundo Oliva
Oração
Pai, apesar da minha fraqueza, sei que contas comigo para o serviço do teu Reino. Vem em meu auxílio, para que eu seja um instrumento útil em tuas mãos.
Fonte: Paulinas em 28/12/2012

Comentário do Evangelho

O novo Israel

O novo é dito com as palavras antigas e evoca o passado de Israel. Jesus é apresentado como o novo Israel e o Novo Moisés. Herodes lembra o Faraó do Egito que mandou matar todos os meninos nascidos dos Hebreus, pois eles representavam uma ameaça (Ex 1,15-22). Como Moisés escapou misteriosamente da morte (Ex 2,1-10) e fugiu para outro país para escapar do Faraó (Ex 2,11-15), do mesmo modo Jesus escapa da crueldade de Herodes (vv. 13-15) e, depois, vai para Nazaré (v. 23). Já desde muito cedo, pouco depois de seu nascimento, a perseguição de Herodes e o massacre das crianças de Belém prefiguram a rejeição de Jesus por parte de Israel.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, sê o guia de minha caminhada, livrando-me de todas as ciladas do mal, e conservando-me incólume para o teu santo serviço.
Fonte: Paulinas em 28/12/2013

Vivendo a Palavra

Aparecem sinais da luta entre o mundo e o Reino. O mundo de Herodes e sua corte, e o Reino de Deus que irrompia nos braços do Menino. Um ser inocente e frágil ameaça com a força da Verdade e da Justiça o gigante armado, o império Romano dominador. A luta continua. Hoje somos nós os combatentes.
Fonte: Arquidiocese BH em 28/12/2012

Vivendo a Palavra

Os retratos da vida se repetem pelos tempos afora. Também hoje os santos inocentes estão morrendo, vítimas da injustiça dos homens, da insensibilidade dos sistemas econômicos, do silêncio dos que se dizem religiosos... Prestemos ao mundo o serviço do testemunho de vida sóbria e modesta, de relações solidárias e misericordiosas com os irmãos.
Fonte: Arquidiocese BH em 28/12/2012

VIVENDO A PALAVRA

Aparecem sinais da discriminação sofrida por Jesus. Aqui, o exílio no Egito. Mesmo antes do seu nascimento a cidade de Belém já lhe negara a acolhida. A vida mostraria outros sinais: Jesus viveu a solidão dos desertos, a insegurança dos territórios de fronteira, o preconceito da vida na periferia. Ele viveu assim para que O sigamos com coragem, confiança e alegria. Este é o caminho do cristão – o nosso caminho!

Recadinho

Herodes teme perder seu trono. Confuso, despistado pelos magos, apela para a ignorância: manda matar as crianças com menos de dois anos. Hoje não é diferente! O que dizer... do aborto, por exemplo? - São só poderosos que querem dominar seu semelhante ou há também pessoas simples que se transformam em dominadoras? O que leva tanta gente a praticar tanta maldade? - Que tipo de ajuda poderiam nos dar os magos que visitaram o Menino Jesus? - Faça uma prece pensando em Maria e José, pais de Jesus.
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 28/12/2013

Meditando o evangelho

O MARTÍRIO DOS INOCENTES

A presença de Jesus na história humana despertou a fúria de quem estava firmemente alicerçado num esquema de pecado, posto em xeque pela salvação oferecida à humanidade. A pregação de Jesus desmascarava a injustiça, punha a nu a perversidade dos opressores, revelava a fragilidade de sistemas fundados na opressão e na violência.
A matança dos inocentes de Belém foi uma espécie de antecipação do futuro de Jesus e de seus discípulos. Um frágil recém-nascido foi suficiente para abalar a segurança do prepotente e violento Herodes. Sua decisão de eliminar as crianças da região onde nascera o Messias Jesus visava eliminar no seu nascedouro, tudo o que pudesse pôr em risco a segurança de seu reino. No coração do rei sangüinário não havia lugar para o amor.
Herodes, em última análise, ousou desafiar o próprio Deus, de quem Jesus era Filho e recebera uma missão. Levantar-se contra o Messias correspondia a rebelar-se contra quem o enviou. Mas Deus não se deixou vencer por Herodes: salvou seu Filho pela ação previdente de José, que se pôs em fuga para o Egito, com o menino e sua mãe.
Na vida de Jesus e de seus discípulos, a perseguição e a morte, por causa do Reino, seriam uma constante. Entretanto, como estão a serviço do Reino do Pai, podem contar com a vitória, uma vez que os prepotentes jamais prevalecerão.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Senhor Jesus, apesar das perseguições e da morte que deverei defrontar, ponho-me em tuas mãos e me consagro totalmente ao serviço do teu Reino.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Santos Inocentes
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

A referência máxima para os judeus era Moisés, em suas práticas religiosas e observância das Lei, tudo isso só tinha a Moisés como única referência como Homem de Deus, de quem Deus se serviu para libertar o seu povo da Escravidão do Egito. Mateus, que escreve para Judeus não pode "atropelar" toda uma tradição, acabando com as referências religiosas para falar de Jesus, o novo Libertador do homem. E Mateus nem precisa forçar muito no seu modo de escrever e falar de Jesus, de fato Jesus Cristo é a unidade de toda Escritura pois no antigo testamento, as pessoas e os acontecimentos apontam para ele, com ele toda a escritura tem um único sentido.
O jeito que Mateus encontrou foi fazendo um paralelo de Jesus com Moisés, daí vem os acontecimentos narrados neste evangelho, Moisés, tanto quanto Jesus também sofreu perseguição desde o seu nascimento, o Faraó tinha dado a ordem as parteiras, todo menino dos Hebreus deveria ser morto e jogado as águas do rio Nilo.
Os Poderosos do Egito tinham medo dos Hebreus que estavam aumentando consideravelmente e poderia vir a ser uma ameaça á sua soberania. Também com Jesus vai ocorrer o mesmo, Herodes manda matar todas as crianças recém nascidas, porque não quer que nasça o novo Rei e Libertador do Povo. E esse processo que começou com a saída do povo do Egito, se repete em Jesus, onde a Sagrada Família também é chamada do Egito e a Revelação é feita a José em sonhos, como outrora outro José Sonhador, levou o seu povo ao Egito em tempos de seca e de flagelo.
Oh benditos Santos Inocentes, que receberam o martírio como Dom Divino, e mesmo sendo crianças recém nascidas, deram o seu testemunho corajoso dando a vida para preservar a Vida Verdadeira que viria para todo Homem. Uma leitura ingênua desse fato teria do leitor uma recriminação "Como pode Deus consentir uma desgraça dessa?" . Mas o entendimento da reflexão proposta por Mateus perpassa o fato em si, que provavelmente nem seja histórico, pois ele quer revelar aos Judeus que um novo e definitivo Moisés já chegou e está em meio aos homens: Jesus Cristo, Nosso Senhor, aquele que incomoda e abala as estruturas do poder dos homens, porque tem algo muito maior a oferecer: uma libertação plena do homem integral...

2. NAS PEGADAS DE MOISÉS
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

O episódio da matança dos inocentes de Belém está calcada na história de Moisés. Destinado a ser libertador do povo, sua vida fora ameaçada pela fúria sangüinária do faraó. A antiga história se repetia. Só que, agora, tratava-se do Filho de Deus, enviado com a missão de salvar o povo de seus pecados.
Os personagens do texto evangélico evocam os do passado. Herodes comporta-se como o antigo faraó do Egito, disposto a eliminar, logo no seu início, qualquer tentativa de afirmação da identidade do povo de Israel.
O menino Jesus passa pelos mesmos percalços do antigo libertador, Moisés. Escapa da morte, ainda pequeno, pela intervenção divina. Assim como o faraó, em última análise, lutara com Javé, o libertador de Israel, igualmente, Herodes erguia em vão seu braço contra o Pai, o mesmo Deus libertador. Este foi o supremo protetor de seu Filho, a quem competia levar adiante a tarefa de libertação.
A fuga apressada coloca Jesus nas pegadas dos grandes patriarcas. Todos eles passaram pelo Egito, cujo simbolismo marcará para sempre o imaginário do povo de Israel. Quiçá Deus quisesse que todos conhecessem por dentro a opressão, de modo a aspirar pela verdadeira fraternidade. Também Jesus percorrerá o caminho dos grandes personagens do passado, para instaurar o Reino de Deus, onde não deverá haver lugar para o mal.
Oração
Pai, sê o guia de minha caminhada, livrando-me de todas as ciladas do mal, e conservando-me incólume para o teu santo serviço.
Fonte: NPD Brasil em 28/12/2012

HOMILIA

O MARTÍRIO DAS CRIANÇAS

Hoje é o dia dedicado aos Santos Inocentes, que são aquelas crianças que foram assassinadas a mando de Herodes, quando José fugiu com Maria e Jesus para o Egito. Esses pequenos e inocentes mártires foram os primeiros a morrer para que se cumprisse o projeto de Deus com Jesus. E Jesus devia saber disso. A presença de Jesus na história humana despertou a fúria de quem estava firmemente alicerçada num esquema de pecado, posto em xeque pela salvação oferecida à humanidade. A pregação de Jesus desmascarava a injustiça, tornava pública a perversidade dos opressores, revelava a fragilidade de sistemas fundados na opressão e na violência.
A matança dos inocentes de Belém foi uma espécie de antecipação do futuro de Jesus e de seus discípulos. Um frágil recém-nascido foi suficiente para abalar a segurança do prepotente e violento Herodes. Sua decisão de eliminar as crianças da região onde nascera o Messias Jesus visava eliminar no seu nascedouro, tudo o que pudesse pôr em risco a segurança de seu reino. O que leva uma pessoa a matar crianças com menos de 2 anos de idade? Parece algo distante da nossa realidade, mas está mais perto do que pensamos. E aqui eu vou dar dois exemplos de como isso acontece bem perto de nós.
Primeiro pensemos no aborto, que é algo aparentemente sem maiores conseqüências, mas que transforma as pessoas que o praticam em assassinos semelhantes a Herodes. Por que Herodes mandou matar aquelas crianças? Para não perder seu lugar no trono. Por que as pessoas abortam? Para não perderem seu lugar no trono. Uma criança não-planejada representa uma mudança nos planos dos pais, que para não perderem o controle de suas vidas, tornam-se assassinos de um inocente. E isso acontece em todas as classes sociais, da mesma forma que o segundo exemplo...
Algumas crianças vão sendo mortas aos poucos pela ausência ou pela super-proteção dos pais. A ausência física, ou a ausência do exemplo a seguir. As crianças se espelham muito nos seus pais, e todas as atitudes dos pais penetram no inconsciente e refletem no comportamento dos filhos. Crianças não sabem distinguir entre o certo e o errado vão aprendendo à medida que vão vendo e escutando seus pais... E a super proteção priva a criança de desenvolver suas potencialidades... Esse tipo de morte lenta começa na infância, por culpa dos pais.
Cuidar de crianças não é uma tarefa fácil, mas de todas as tarefas, é a mais gratificante. Ser o herói e o exemplo de vida para um filho deveria ser o desejo de todos os pais, pois aquele filho e aquela filha são a continuação da sua vida nesse mundo. Uma árvore boa só pode dar frutos bons, que tem sementes boas, que formarão outras árvores boas.
Pai, sê o guia de minha caminhada, livrando-me de todas as ciladas do mal, e conservando-me incólume para o teu santo serviço.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 28/12/2013

REFLEXÕES DE HOJE


28 de DEZEMBRO
Fonte: Liturgia Comentada2 em 28/12/2013

HOMÍLIA DIÁRIA

A Providência que sabe como e quando pode cuidar de nós!

Postado por: michelle
dezembro 28th, 2012

A Sagrada Liturgia da Palavra de hoje nos apresenta, por um lado, uma autêntica tragédia; por outro, uma grande graça (cf. Mt 2,13-18). Talvez, ao fazermos o balanço do ano que já está se despedindo, possamos perceber também estes dois momentos se entrelaçando em nossas lembranças. Mas como será possível um mundo – e ano – tão amado por Deus e, ao mesmo tempo, tão visitado pelos imprevistos causados pelos pecados humanos? E por que não dizer, humildemente, “minha culpa, minha tão grande culpa”!
Retornando ao texto evangélico, deparamo-nos com a Boa Nova acontecendo por meio da docilidade de fé do pai adotivo de Jesus: “O Anjo do Senhor apareceu em sonho a José e lhe disse: ‘Levanta-te, pega o menino e sua mãe e foge para o Egito! Fica lá até que eu te avise!’” (Mt 2,13). A Providência Santíssima pôde contar com o glorioso São José, não somente para se levantar e ir a um lugar seguro com a Sagrada Família, mas para o momento certo do retorno à pátria.
É sempre assim com Deus, “há um tempo para cada coisa”, mas somente os homens de fé e coragem poderão experimentar e constatar esta graça nos momentos tranquilos e dificultosos da vida. Outros até recebem os gratuitos presentes do Senhor, mas preferem, na ignorância e cegueira espiritual, atribuir os bens recebidos à sorte ou às criaturas que, na verdade, são meios da providência cientes ou não. E o que Deus faz? Continua amando e investindo na conversão de Seus amados filhos e filhas, até se descobrirem o quão amáveis são!
No caso da Virgem Maria e São José, eles constataram a presença do Protetor e Rocha Eterna também em meio às provações da vida! Repito: da vida. “Porque Herodes vai procurar o menino para matá-lo” (v. 13). São José não pediu explicações a Deus nem foi imprudentemente perguntar a Herodes, o porquê daquela atitude injusta e louca perante o Rei dos Reis, da estirpe de Davi, Salvador e Cristo. São José simplesmente colocou em prática a sua fé obediente e, assim, a Sagrada Família foi salva! Mas, infelizmente, a desgraça não deixou de ferir o coração de Deus, por causa do orgulho ferido de Herodes: “Quando Herodes percebeu que os magos o haviam enganado, ficou muito furioso. Mandou matar todos os meninos de Belém e de todo o território vizinho, de dois anos para baixo, exatamente conforme o tempo indicado pelos magos” (v.16).
Um histórico afresco (pintura), presente no lugar do encontro da Virgem Maria com Santa Isabel, na Palestina, retrata a matança dos Santos Inocentes e faz questão de recordar que, por traz de uma Rocha, o pequenino São João Batista foi escondido e também se livrou deste infanticídio. Esta Rocha da Vida é a Providência Santíssima que, se possível fosse, evitaria a morte de todos os inocentes do passado e do presente.
Sobre este mistério da ação de Deus no mundo e a rebeldia ou docilidade humana, muito bem escreveu o Papa Bento XVI em seu último livro da trilogia ‘Jesus de Nazaré’, ao tratar da exemplar docilidade de fé da Virgem Maria, que possibilitou a encarnação do Verbo: “Agora, Deus procura entrar de novo no mundo, por isso bate à porta de Maria. Tem necessidade do concurso da liberdade humana; não pode redimir o homem, criado livre, sem um ‘sim’ livre à Sua vontade. Ao criar a liberdade, de certo modo, Deus se tornou dependente do homem. O Seu poder está ligado ao ‘sim’ não forçado de uma pessoa humana” (BENTO XVI, A infância de Jesus, 37).
Assim Deus, em Sua infinita bondade, continua a bater na porta dos corações para que a vida possa acontecer, desenvolver-se e manifestar-se ao mundo. Mas quantos permitem isso? Terá Deus de fazer todas as coisas, tratando o ser humano como marionete e contradizendo o dom irrevogável da liberdade? De fato, muitos não ouviram a Palavra de Deus para poderem crer e mudar de vida, mas ninguém perante o tribunal divino poderá alegar a falta de liberdade e a neutralidade de uma lei interior que dita em cada ser humano uma Palavra de vida que em todos está impressa: “vivei o bem e evitai o mal”. Por isso também a Palavra do Senhor não deixa de exortar a cada ser humano: “Falai e procedei, pois, como pessoas que vão ser julgadas pela Lei da liberdade” (Tg 2, 12). Neste ponto, também a perícope que nos propomos meditar na proximidade de um próximo ano, do calendário civil, acaba por nos apontar o Norte, pois “ali ficou até a morte de Herodes, para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: Do Egito chamei o meu Filho” (Mt 2, 15).
Somente Deus pode dar sentido às desgraças que acabam por atingir a nós, à Igreja e à humanidade em geral. Não como um Senhor controlador, mas como o amoroso Deus, Todo-Poderoso que pode e sabe, a Seu tempo, tirar um bem de qualquer realidade, principalmente daquela por Ele não desejada e tão pouco participada. Portanto, nestes dias que ainda nos restam de ano e de vida, recorramos à Palavra do Senhor e do Espírito Santo, o qual age principalmente pelos sacramentos, para que o nosso falar e proceder possa corresponder aos dons recebidos, sem jamais condenar aqueles que caminham conosco: “Pensai bem: o julgamento vai ser sem misericórdia para quem não praticou misericórdia; a misericórdia, porém, triunfa sobre o julgamento” (Tg 2,13).
Faço a você o último pedido do ano: não digamos mais que é complicado (tudo o que toca a nossa responsabilidade), embora seja complexo e até misterioso boa parte das coisas nesta bela vida.
Feliz Ano Novo, com fé dócil à Palavra de Deus e ao Espírito Santo, misericórdia Divina para conosco e de nós para todos os demais!
Padre Fernando Santamaria
Fonte: Canção Nova em 28/12/2012

HOMÍLIA DIÁRIA

Não podemos mais permitir que nenhuma vida seja maltratada!

Não podemos mais permitir que nenhuma vida seja maltratada, nenhuma vida seja eliminada, a começar pela vida de nossas crianças.
”Quando Herodes percebeu que os magos o haviam enganado, ficou muito furioso. Mandou matar todos os meninos de Belém e de todo o território vizinho, de dois anos para baixo, exatamente conforme o tempo indicado pelos magos” (Mt 2, 16).
Ainda estamos celebrando as alegrias do nascimento de Jesus Cristo e a Igreja nos permite contemplar diversas faces da presença de Deus no meio de nós. O relato do Evangelho de hoje, a festa que nós celebramos hoje, é sobre os santos inocentes, crianças de dois anos para baixo que foram assassinadas brutalmente pela maldade de Herodes, que queria matar Jesus, que queria de alguma forma eliminá-Lo. Com medo do seu trono ser ameaçado, por isso, ele mandou perseguir toda e qualquer criança daquela região que tivesse menos de dois anos, na certeza de que, de uma forma ou de outra, mataria Jesus.
José e Maria, avisados pelo anjo, fogem para o Egito e lá vão viver muitos anos, até que Herodes morra e, assim, eles possam voltar a viver em Nazaré.
O que este infanticídio de hoje diz ao nosso coração? Infelizmente, meus irmãos e irmãs, no mundo em que vivemos nem tudo é alegria e festa; nem todas as crianças podem comemorar, celebrar o Natal, ganhar presentes, sorrir… Nem todas as crianças têm pão para comer, roupa para vestir, nem todas as crianças são respeitadas na sua dignidade.
O infanticídio cometido por Herodes continua a acontecer no meio de nós, hoje, de diversas formas. A mais trágica delas ainda é o aborto; um dos crimes mais brutais e desumanos que existem, no qual crianças são assassinadas ainda no ventre de sua mãe. Elas são, na verdade, mártires, como as crianças do Evangelho de hoje.
Algumas crianças não morrem no ventre de sua mãe, mas vão morrendo aos poucos no meio de nós. A desnutrição infantil e a falta de condições dignas levam muitas crianças a se tornarem doentes, vítimas da fome, vítimas da guerra, vítimas das tragédias humanas. Milhões de crianças no mundo inteiro são vítimas de abusos, que vão acabando com a dignidade delas e vão, aos poucos, tirando o sentido da vida de muitas delas.
Hoje, muitos adultos sofrem, porque, quando eram crianças, sofreram este ou aquele tipo de abuso. No dia de hoje, nós queremos levantar a nossa voz, queremos levantar o nosso coração para nos unirmos ao Coração de Jesus em defesa dos nossos pequenos. Não podemos mais permitir que nenhuma vida seja maltratada, que nenhuma vida seja eliminada, a começar pela vida de nossas crianças.
Não podemos mais permitir a prostituição infantil nem o abuso de crianças! Não podemos mais permitir a pedofilia ou qualquer outro crime que tire a dignidade dos nossos pequenos. O reino dos céus é de quem se parece com elas! Nós amamos o sorriso dos pequenos, mas não podemos ter a nossa mente e o coração fechados! E nos comportarmos com indiferença, porque ao nosso lado existem crianças sofrendo.
Não cuidemos só do nosso filho ou da nossa filha. Claro, cuidemos dos nossos em primeiro lugar, a obrigação de cada pai, cada mãe, é cuidar do seu filho e da sua filha. Mas, uma vez que somos filhos de Deus, precisamos cada vez mais unir forças para defender a vida de nossas crianças.
O Natal vai ser apenas uma euforia se resumirmos o sentido natalino a trocarmos presentes, a darmos roupas novas para nossos filhos e brinquedos e nos esquecermos de que milhões e milhões de crianças continuam sendo martirizadas, sofridas e penalizadas pela brutalidade humana.
Deus abençoe e proteja nossas crianças desde o ventre de suas mães!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 28/12/2013

Oração Final
Pai Santo, o mundo continua sacrificando santos inocentes. Dá-nos força, Pai amado, para assumir a defesa da Vida e da Justiça, em nome do teu Reinado de Amor que nos foi proclamado pelo Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão e contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 28/12/2012

Oração Final
Pai Santo, dá-nos um olhar manso e puro, capaz de enxergar nossos irmãos. E nos dá também, Pai amado, desprendimento e coragem para partilhar os dons com que nos cumulaste, aliviando, assim, o sofrimento e a dor dos companheiros de caminhada. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 28/12/2013

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, Jesus escolheu a porta estreita e o estrada áspera que leva à salvação. O mundo consumista em que vivemos nos convida à porta larga e à estrada confortável, mas que conduz à perdição. Fortalece, Pai amado, nossa fé e a vontade de testemunhar o teu Amor aos companheiros de jornada. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo. Amém.



Nenhum comentário:

Postar um comentário