terça-feira, 30 de setembro de 2014

Outubro - Mês Mariano - Mês Missionário - Mês do Rosário



TERÇO MISSIONÁRIO

ROSÁRIO

Somos, mais uma vez, convocados para renovar o nosso compromisso de cristãos batizados, de anunciar o Evangelho. E, somente por um encontro com o amor de Deus, que nos leva a viver em comunhão com Ele, pela mudança da “maneira de ser”, poderemos oferecer aos irmãos um testemunho credível e a razão de nossa esperança (1Pd 3,15).
João Paulo II, em sua Carta Encíclica Redemptoris Missio, referiu-se à citação do Concílio Vaticano II: “o homem contemporâneo acredita mais nas testemunhas do que nos mestres” (L.G. 9; c.10-18), isto é, mais na experiência do que na doutrina, mais na vida e nos fatos do que nas teorias. O testemunho da vida cristã é a primeira e insubstituível forma de missão.
Relembremos, então, os verbos provocadores à Missão: “Vinde e vede” (Jo 1,39); “Ide primeiro às ovelhas perdidas” (Mt 10,6); “Ide anunciar aos meus irmãos”  (Mt 28,10); “Ide a todos e anunciai e batizai” (Mt 28,19); “Vinde, ó benditos de meu Pai, e recebei o prêmio que vos foi reservado”(Mt 15,34). Antes, porém, necessário se faz “ir ao encontro dos outros e fazê-los felizes” (Mt 25,31-46).
E tudo isto está implícito no Documento de Aparecida da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe: “O discípulo fundamentado na rocha da Palavra de Deus, sente-se motivado a levar a Boa-Nova da salvação aos irmãos. Discipulado e missão são como as duas faces da mesma moeda: quando o discípulo está apaixonado por Cristo, não pode deixar de anunciar ao mundo que só ele nos salva (At 4,12). De fato, o discípulo sabe que sem Cristo não há luz, não há esperança, não há amor, não há futuro. Essa é a tarefa essencial da evangelização, incluindo a opção preferencial pelos pobres, a promoção humana, integral e a autêntica libertação cristã! (D.A. 146).
Meus irmãos e irmãs, cada vez mais se torna grande o nosso compromisso missionário. Como Igreja, não podemos ser omissos, insensíveis, quando vemos uma sociedade que não conhece a força transformadora do Evangelho, muitas vezes, por que nós, cristãos, não temos coragem de dizer, denunciar e anunciar que “só Cristo e seu projeto de vida para todos é que pode dar sentido a este mundo e pacificar os ânimos de tantos corações atribulados”.
Ser missionário está na constituição do nosso ser, de nossa pertença a Cristo. Aonde somos enviados, o cenário tem se mostrado sempre mais desafiador. Como Igreja Samaritana, ouçamos, pois, o gemido de crianças abandonadas, jovens drogados e, muitas vezes, exterminados, adolescentes grávidas, desassistidas e prostituídas; tristes realidades que nós não devemos ignorar e passar adiante, como se a dor e o sofrimento dessa gente, nossos irmãos, não nos dissessem nada.Igreja Missionária e Samaritana, a serviço do povo de Deus, comprometida com a força libertadora do Evangelho que, sustentada pela Graça do Santo Espírito, é testemunha fiel do amor do Pai, plenamente manifestado no Filho Jesus que, num gesto de entrega total, “amou os que estavam no mundo até o fim”, é o que queremos ser em nossa querida Arquidiocese ou onde estivermos em comunhão com nossa Mãe Católica.

Outubro, Mês Mariano, Mês do Rosário, Mês Missionário.


Nenhum comentário:

Postar um comentário