sábado, 14 de março de 2020

HOMILIA DIÁRIA - (CANÇÃO NOVA) – Lc 15,1-3.11-32 – 14/03/2020


Deus esbanja o Seu amor sobre nós

“Pai, pequei contra Deus e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’” (Lucas 15,18).


Hoje, temos a graça de mergulharmos no mistério da misericórdia de Deus. A parábola que a nos é contada nos ajuda a mergulhar no sentido dessa bondade de Deus para cada um de nós. O retrato que aqui vemos é aquele que precisamos aprender para a nossa própria vida.
Costumo dizer que essa é a parábola dos pródigos que nos são apresentados nessa linda e incomparável história trazida a nós pelo Mestre Jesus. O filho é o primeiro pródigo, não é o maior, mas é o primeiro; porque é ele que pede para si os seus bens e vai esbanjar no mundo, ele vai gastar no mundo. É o filho que pega tudo o que tem e vai viver as mais profundas misérias. Ele cai nas profundezas do pecado, na miséria humana, ele é humilhado, descartado e chega mais do que ao fundo do poço, depois que experimenta aquilo que é o descaso humano com a pessoa humana; depois de ter feito tudo o que podia com os seus bens.

Que Deus nos converta de todo mal que produzimos nessa vida, para sermos abraçados pelo Seu amor misericordioso

Com tudo o que ele gastou, veio um profundo arrependimento; e ele esbanjou a sua miséria, a sua contrição; esbanjou o quanto o seu coração estava ferido, machucado e arrependido. Ele implorou ao pai o perdão e a misericórdia, ele não voltou para a casa rogado e nem colocando a culpa nos outros, ele reconheceu a sua culpa, reconheceu que ele errou, que esbanjou; foi humildemente se humilhar e pedir perdão pelos seus pecados.
Às vezes, erramos e pecamos na vida, mas ainda queremos ficar orgulhosos, queremos culpar os outros, não temos a capacidade de reconhecer os nossos próprios erros. E quando ele assim o faz, ele encontra um pai pródigo, um pai que está ali para esbanjar amor, misericórdia, acolhimento, ternura, um pai que vai despi-lo das suas vestes velhas, das suas vestes do mundo, das suas vestes de pecador para revesti-lo com a graça.
Um pai que não nega perdão, amor, cuidado, mas é um pai que redobra-se para dar mais amor, cuidado, carinho, acolhimento e tudo que pode o pai faz para reconstruir o seu filho machucado, quase morto e agora reencontrado para que ele tenha vida.
O pai que esbanja amor, se depara com o filho mais velho que esbanja orgulho e soberba. O filho mais velho que vai esbanjar diante do pai toda a sua insensibilidade. Ele não saiu para gastar no mundo, mas ficou em casa se enchendo do veneno do orgulho e se colocando acima do irmão. Ele não se encheu das virtudes do pai, a misericórdia e o perdão, mas deixou-se levar pelo ciúmes e pela inveja.
Que Deus nos converta de todo mal que produzimos nessa vida, seja do orgulho e dos pecados, para sermos abraçados pelo Seu amor misericordioso.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.


Nenhum comentário:

Postar um comentário