segunda-feira, 12 de março de 2018

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 12/03/2018

ANO B


Jo 4,43-54

Comentário do Evangelho

Jesus, Aquele que faz viver

Trata-se do segundo sinal (cf. v. 54). O primeiro foi o das bodas de Caná (cf. v. 46). O sinal, por si, não é evidente (ver, por exemplo, Jo 6,26) e se oferece à interpretação. Se corretamente interpretado, leva à fé em Jesus Cristo, Filho de Deus (cf. Jo 2,11; 4,53b; 20,30-31). Jesus é apresentado como Aquele que faz viver. A palavra de Jesus é eficaz, realiza o que é dito: \"Podes ir, teu filho vive!\". Do ouvinte ou leitor do evangelho é exigida fé, pelos dois comentários do narrador: do funcionário do rei, se diz que ele acreditou na palavra de Jesus, e, depois de constatada a eficácia da palavra de Jesus, se diz que ele e toda a sua família creram em Jesus. A fé permite reconhecer na vida a ação de Deus.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Espírito de fé, concede-me a confiança necessária que me permita ser atendido por Jesus, quando a ele eu suplicar.
Fonte: Paulinas em 11/03/2013

Vivendo a Palavra

O funcionário do rei, que teve o filho curado, acreditou – ainda antes da realização do sinal – e, por isto, viu o seu desejo realizado. As ações de Jesus não são mágicas que se esgotam em si mesmas, mas querem sempre apontar para o mais profundo: a fé necessária para a nossa caminhada rumo ao Reino.
Fonte: Arquidiocese BH em 11/03/2013

VIVENDO A PALAVRA

O funcionário do rei que teve o filho curado acreditou – ainda antes da realização do sinal – e, por isto, viu o seu desejo realizado. As ações de Jesus não são mágicas que se esgotam em si mesmas, mas querem sempre apontar para o mais profundo: a fé necessária para a nossa caminhada pelas estradas do Reino.

Reflexão

Jesus declarou que um profeta não é honrado na sua própria terra. Como ele foi criado na cidade de Nazaré, que fica na Galiléia, fazia referência aos galileus, que precisavam de sinais e prodígios para crer e ficavam exigindo que Jesus operasse milagres que testemunhariam que ele de fato era o Filho de Deus. Jesus nos mostra que o processo é justamente o contrário: não são os sinais que devem nos levar a crer, mas é a nossa fé que deve produzir sinais de Reino de Deus, sinais de fraternidade, de justiça, de amor, de vida em abundância. Porque ter fé significa ter a presença amorosa e solidária de Deus em todos os momentos da vida.
Fonte: CNBB em 11/03/2013

Reflexão

Um funcionário do rei Herodes Antipas já ouvira falar a respeito de Jesus e vai ao seu encontro para pedir-lhe a cura do filho. Jesus questiona a qualidade da fé do funcionário: “Se vocês não veem sinais e prodígios, não acreditam de modo nenhum”. O funcionário aflito, de forma imperativa, impõe urgência: “Senhor, desce, antes que meu filho morra!”. Jesus se adapta aos modos do pai angustiado e o despede garantindo-lhe a cura do filho. O homem acredita na palavra de Jesus. Na mesma hora o doente sente-se em plena saúde. O prólogo do Evangelho de João nos recorda que “a Palavra era Deus…O que estava nela era vida, e a vida era a luz dos homens” (Jo 1,4). A fé que, a princípio, era apenas do funcionário, estendeu-se a toda a sua família.
(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Meditando o evangelho

O SEGUNDO SINAL

O evangelista João chama de sinais os fatos portentosos realizados por Jesus no exercício do seu ministério messiânico. Eles não pretendem ser uma prova da identidade de Jesus, nem tampouco visam forçar as pessoas a abraçarem a fé.
Os sinais são manifestações da glória de Jesus para quem está disposto a lançar-se na dinâmica da fé. Indicam que nele existe algo que pode conduzir à fé, desde que bem entendido. Sem ela, será impossível identificar os feitos de Jesus como sinais.
Eles possibilitam, a quem se aproxima de Jesus, penetrar no mistério divino, presente na história humana; permitem contemplar Deus atuando em favor da humanidade. Por outro lado, dão a entender que, em Jesus, a salvação torna-se realidade. O Deus invisível faz-se visível na ação de Jesus.
Todos estes elementos estão presentes no sinal relatado pelo Evangelho. O funcionário real acredita que Jesus pode salvar-lhe o filho, que está à beira da morte. Como resposta, recebeu a ordem de ir para casa, pois seu filho já estava curado. Ao receber a notícia da cura, informou-se sobre a hora exata em que acontecera. E constatou ter sido na mesma hora em que Jesus lhe garantira a cura do filho. Por isso, "ele acreditou, e toda a sua casa".
O sinal levou o funcionário real à fé, porque estava predisposto a acolher Jesus. Neste caso, fez surtir o efeito desejado: foi gerador de fé.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Pai, dá-me sensibilidade para descobrir, nos sinais realizados por Jesus, a presença de tua mão amiga atuando em favor da humanidade.

COMENTÁRIO DO EVANGELHO

1. Zaqueu
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Um Oficial romano tem a sua disposição muitos serviçais, é um homem acostumado a dar ordens, é aquela pessoa que a gente diz que “Manda e não pede”.
Mas a exemplo do baixinho Zaqueu, que também ocupava um posto muito importante, mas na hora que quis ver Jesus deixou de lado suas honrarias e subiu em uma árvore, esse oficial fez o mesmo. Foi até Jesus e rogou-lhe que descesse e curasse o seu filho que estava enfermo. Para descer até onde estava o enfermo, certamente Jesus teria que sair do seu percurso normal que naquele momento fazia.
A primeira impressão é que Jesus aproveita para “passar um sabão” no tal oficial “Se não virdes milagres e prodígios, não credes”. O Evangelista João omite o resto da conversa e só coloca o principal, isso é, o Oficial insistiu “Senhor, desce antes que o meu filho morra”.
A frase de Jesus “Vai, teu filho está passando bem”, não se trata de um menosprezo por parte dele, como se nem estivesse preocupado com o pedido desesperado daquele pai. O que provoca e motiva um milagre é a Fé autêntica em Jesus Cristo, por isso nem foi preciso Jesus ir até o enfermo, e nem fazer algum rito sobrenatural e espetacular.
O homem acreditou na Palavra de Jesus e partiu. Um oficial que está acostumado a dar ordens a tantos servos a seu serviço exclusivo, obedece e acredita na Palavra de um Galileu porque sua Fé o faz ver quem é realmente aquele homem, do qual sempre ouviu falar maravilhas.
Mas a boa notícia o encontra ainda a caminho: “Ontem na hora sétima a febre o deixou”. Exatamente na hora em que Jesus dissera “Vai, teu filho passa bem”. Bonito mesmo é o testemunho do Oficial, que levou todos da sua casa a crerem em Jesus.
Jesus não é concorrente da Medicina, ciência que provém de Deus, e que se destina ao nosso bem, mas o que o texto evidencia á a sua força libertadora colocada a total disposição do Homem que crê e que lhe abre o coração. Lembrando que as ações desencadeadas pela Fé, em nossa vida, nem sempre seguem os caminhos da lógica humana...
Fonte: NPD Brasil em 11/03/2013

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Um Homem que Crê na Força Libertadora
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Um Oficial romano tem a sua disposição muitos serviçais, é um homem acostumado a dar ordens, é aquela pessoa que a gente diz que “Manda e não pede” .Mas a exemplo do baixinho Zaqueu, que também ocupava um posto muito importante, mas na hora que quis ver Jesus deixou de lado suas honrarias e subiu em uma árvore, esse oficial fez o mesmo. Foi até Jesus e rogou-lhe que descesse e curasse o seu filho que estava enfermo. Para descer até onde estava o enfermo, certamente Jesus teria que sair do seu percurso normal que naquele momento fazia.
A primeira impressão é que Jesus aproveita para “passar um sabão” no tal oficial “Se não virdes milagres e prodígios, não credes”. O Evangelista João omite o resto da conversa e só coloca o principal, isso é, o Oficial insistiu “Senhor, desce antes que o meu filho morra” .A frase de Jesus “Vai, teu filho está passando bem”, não se trata de um menosprezo por parte dele, como se não estivesse preocupado com o pedido desesperado daquele pai. O que provoca e motiva um milagre é a Fé autêntica em Jesus Cristo, por isso nem foi preciso Jesus ir até o enfermo, e nem fazer algum rito sobrenatural e espetacular.
O homem acreditou na Palavra de Jesus e partiu. Um oficial que está acostumado a dar ordens a tantos servos a seu serviço exclusivo, obedece e acredita na Palavra de um Galileu porque sua Fé o faz ver quem é realmente aquele homem, do qual sempre ouviu falar maravilhas.
Mas a boa notícia o encontra ainda a caminho: “Ontem na hora sétima a febre o deixou”. Exatamente na hora em que Jesus dissera “Vai, teu filho passa bem”. Bonito mesmo é o testemunho do Oficial, que levou todos da sua casa a crerem em Jesus.
Jesus não é concorrente da Medicina, ciência que provém de Deus, e que se destina ao nosso bem, mas o que o texto evidencia á a sua força libertadora colocada a total disposição do Homem que crê e que lhe abre o coração. Lembrando que as ações desencadeadas pela Fé, em nossa vida, nem sempre seguem os caminhos da lógica humana...

2. Podes ir, teu filho vive!
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

O primeiro sinal, Jesus o fez em Caná da Galileia, quando mudou a água em vinho. Um segundo sinal será feito também em Caná, dessa vez em favor do filho de um funcionário do rei, que estava morrendo. O funcionário foi procurar Jesus pedindo-lhe que descesse até Cafarnaum para curar o seu filho. Ele acreditou em Jesus, que lhe disse: “Podes ir, teu filho está vivo”. Jesus veio para que todos tenham vida. Aproxima-se a Páscoa da Ressurreição, a festa da vitória da vida sobre a morte.

HOMÍLIA DIÁRIA

Quem n’Ele procura a vida sempre a encontra

Postado por: homilia
março 11th, 2013

Estamos mais uma vez diante de um milagre – ou simplesmente sinal -, característica fundamental do Evangelho de Jesus segundo João.
Jesus, conforme narra o Evangelho, sai da sua terra e vai para Galileia. Como era de se esperar, depois de tantos milagres e prodígios que fizera em Jerusalém – quando da celebração da Páscoa – Jesus é bem recebido. E por encontrar receptividade, Ele continua realizando milagres. É de salientar que apesar da Galileia ser uma região predominantemente gentílica, com presença de descendentes de colonos judeus, fora em Caná da Galileia que Jesus havia transformado a água em vinho por causa da fé daqueles homens.
Hoje neste trecho do Evangelho salienta-se mais um sinal, um milagre. O milagre da vida como sendo o dom de Deus.
No Evangelho segundo São João, Jesus respondendo ao apóstolo Tomé, afirma com toda a sua autoridade: “EU SOU A VIDA” (Jo 14,6). Muitas vezes me pergunto sobre o profundo sentido dessa afirmação. Em outro tópico, Ele parece completar o que ali está dito: “Eu vim para que todos tenham vida, e vida em plenitude” (Jo 10,10). Outra afirmação categórica de Jesus a Maria, irmã de Lázaro, é esta: “Eu sou A RESSURREIÇÃO e A VIDA” (Jo 11,25). Isto vale a dizer: “Sou o princípio, o autor também da nova vida, após a morte”.
Quem n’Ele procura a vida sempre a encontra. Veja a certeza com que pronuncia as belas palavras ao funcionário do rei: “Podes ir, que teu filho está vivo”.
Para os homens com grande fé, como o alto funcionário do rei, Novos Céus e Nova Terra existirão. Porque na verdade reconhecem o Evangelho como Palavra de Salvação eterna.
A plenitude da vida que Jesus nos veio trazer não se restringe aos horizontes fechados da vida presente, como pensavam muitos humanistas e utopistas. A vida humana, acima de tudo, é dom de Deus: vem de Deus e se realiza na posse terrena e eterna de Deus. Foi essa a vida que Deus concedeu a nossos primeiros pais e Jesus nos veio reconquistar pela Encarnação, pelo mistério de Sua vida, morte e ressurreição. Por isso, Santo Agostinho afirma com tanta propriedade: “O nosso coração está inquieto até que descanse em Vós”.
Escolha, pois, a vida, descansando nos braços e no colo de Jesus para que você tenha vida e vida em abundância.
Padre Bantu Mendonça
Fonte: Canção Nova em 11/03/2013

Oração Final
Pai Santo, nós te agradecemos pela semente de fé que implantaste em nossos corações e te pedimos força e perseverança para cultivarmos essa plantinha em nossa vida, seguindo o Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão e contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 11/03/2013

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, nós te agradecemos pela semente de fé que implantaste em nossos corações e te pedimos sabedoria e perseverança para cultivarmos essa plantinha em nossa vida. Que ela se torne árvore frondosa para acolher os companheiros de caminhada, seguindo o Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão e contigo reina na unidade do Espírito Santo. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário