sábado, 3 de março de 2018

HOMÍLIA DIÁRIA - (CANÇÃO NOVA) - Lc 15,1-3.11-32 - 03/03/2018


Não tenhas um coração igual dos fariseus

Os fariseus tinham olhares de reprovação, mas nós devemos ter um olhar de misericórdia

Os fariseus, porém, os mestres da Lei criticavam a Jesus: ‘Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles’” (Lc 15, 1-3. 11-32).


O coração de Jesus é a extensão do coração do Pai e, é Jesus mesmo, quem nos diz como é que o coração do Seu Pai. E, essa parábola maravilhosa que costumamos chamar de “parábola do filho pródigo”, mas, na verdade, o pródigo, aquele que aqui esbanja, é o Pai. Ele esbanja amor, misericórdia, ternura, acolhimento, um Pai que abre, alarga o Seu coração de uma forma única e infinita, para demonstrar o tamanho do amor que Ele tem por mim e por você.
O filho que sai da casa do pai, entristece o coração do pai, mas ele não passa a amar menos, e sim, a amar com zelo, cuidado único e particular, porque o pai não quer nenhum dos seus filhos perdidos.
Para termos um coração como o desse pai, precisamos deixar ser abraçados por ele e abraçados no menor pecado que tenhamos cometido na vida. As vezes, não temos consciência de quanto o pecado nos estraga, porém, é mais importante ter a consciência de como a misericórdia de Deus sana, cura e transforma o coração pecador em um coração sarado, renovado e transformado. Por isso, nos deixemos ser abraçados pelo Pai.
O filho mais velho vivia na casa do pai, mas não permitia ser abraçado por ele; e conformava-se porque não fez grandes pecados: não foi para o “mundão”, mas cultivou o ciúme quando, o seu irmão mais novo, voltou da vida que viveu.
Por vezes, nós não cometemos os grandes pecados da humanidade: não matamos, não roubamos, não fraldamos, mas nos achamos bons, assim como esse filho mais velho. Sempre fomos fiéis a Deus, estamos sempre na Igreja, cumprimos sempre os mandamentos, mas o nosso olhar para o mundo é sempre um olhar de reprovação; um olhar como o daquele fariseu.
Esta é a expressão que melhor define o filho mais velho: ele está na casa do pai, mas não tem o coração como o do pai. Coração do Pai é um coração pródigo; esbanja amor pelo pecador, mesmo em sua pior condição.
Grave no seu coração que, para ter um coração como o do Pai, precisamos amar os pecadores por maiores que sejam pecados deles. Sabe por quê? Porque o Pai nos ama e não perguntou qual o tamanho do nosso pecado; nos ama como somos; ama cada dos nossos irmãos que, como nós, são pecadores também.
Ama, porque quer cuidar, tratar e demonstrar o tamanho do Seu zelo. Que o Pai da Misericórdia, nos conceda um coração tão pródigo ou, pelo menos parecido com o Dele; esbanjando amor e misericórdia para tantos outros irmãos que precisam experimentar o amor misericordioso do nosso Deus.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

Nenhum comentário:

Postar um comentário