domingo, 21 de janeiro de 2018

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 21/01/2018

ANO B


3º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Ano B - São Marcos

Cor Verde

“Segui-me e Eu farei de vós pescadores de homens.”

Mc 1,14-20

Ambientação

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL PULSANDINHO: A liturgia do 3º Domingo do Tempo Comum propõe-nos a continuação da reflexão iniciada no domingo passado. Recorda, uma vez mais, que Deus ama cada homem e cada mulher e chama-os à vida plena e verdadeira. A resposta do homem ao chamamento de Deus passa por um caminho de conversão pessoal e de identificação com Jesus. A resposta é pessoal, mas o compromisso é comunitário.

INTRODUÇÃO DO FOLHETO DOMINICAL O POVO DE DEUS: Irmãos e irmãs, neste domingo em que celebramos o Mistério Pascal de Jesus, fazemos memória do chamado que Ele fez aos primeiros discípulos para permanecerem com Ele e serem enviados em missão. Da mesma forma, Ele nos chama hoje para vivermos no amor e anunciar a salvação onde quer que estejamos. Viver no amor de Deus é nossa vocação; amar com este mesmo amor é a garantia de nossa salvação.

INTRODUÇÃO DO WEBMASTER: A liturgia do 3º Domingo do Tempo Comum propõe-nos a continuação da reflexão iniciada no passado domingo. Recorda, uma vez mais, que Deus ama cada homem e cada mulher e chama-os à vida plena e verdadeira. A resposta do homem ao chamamento de Deus passa por um caminho de conversão pessoal e de identificação com Jesus. A resposta é pessoal, mas o compromisso é comunitário.

Comentário do Evangelho

O chamado dos discípulos

O início do ministério de Jesus está em continuidade com a pregação de João Batista: é um apelo à conversão. De que se trata quando se fala de conversão? A conversão é crer no Evangelho; é fé na pessoa de Jesus Cristo, ele que é a Boa-Notícia de Deus para a humanidade; é fé na palavra de Jesus, que é portadora de um sopro que faz viver. Sem essa confiança não é possível reconhecer a vida e a vinda do Verbo de Deus como dom, nem acolhê-lo. Em seguida, temos um relato típico de vocação, baseado em 1Rs 19,19-21. O chamado dos quatro primeiros discípulos por Jesus é precedido pelo “olhar” de Jesus. Não há nada de imediatismo, nem de precipitação. É olhar que supõe consideração, conhecimento que ultrapassa a aparência; é uma ação que leva em consideração a dilatação do tempo. Se o chamado é feito sucessivamente às duas duplas de irmãos, ele deve ser considerado na sua unidade como exigência para o seguimento de Jesus: desapego tanto dos laços afetivos pessoais como das coisas. Sem essa liberdade não é possível viver a vida de Cristo. Note-se que se o chamado é feito utilizando-se de um advérbio que supõe o presente e a urgência da resposta, a missão é dada utilizando a forma verbal no futuro. É possível considerar que entre o chamado e o exercício da missão há o discipulado, isto é, o tempo em que se aprende a ser como o Mestre (cf. Mt 10,25).
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, torna-me solícito em atender o convite à conversão, proclamado por Jesus. Que eu não perca a chance que me é dada de aderir, com sinceridade, ao teu Reino.
Fonte: Paulinas em 13/01/2014

Comentário do Evangelho

A conversão é fé na palavra e na pessoa de Jesus Cristo

O livro do profeta Jonas é utilizado nos evangelhos de Lucas e Mateus; ambos os evangelistas apresentam os ninivitas como exemplo de conversão (Mt 12,41; Lc 11,29-32): eles ouviram a pregação de Jonas e deram provas do desejo de converterem-se. Os contemporâneos de Jesus, ao contrário, resistem a ouvi-lo e, por isso, não podem reconhecer nas obras e palavras de Jesus a presença de Deus. Em Mt 12,40, Jonas, que passou três dias no ventre de uma baleia, é apresentado como figura de Cristo, que passou três dias no sepulcro, antes de ressuscitar dos mortos. Mas o mais importante no trecho do livro do profeta Jonas é o acento na misericórdia de Deus, que se estende a todos os povos, mesmo aos inimigos de Israel. O Deus de Israel é um Deus sempre pronto a perdoar (cf. Jr 18,7-8), um Deus que deseja que todos se convertam. No evangelho, depois da prisão de João Batista, Jesus começa o seu ministério público. Há uma distinção entre o tempo do Batista e o de Jesus, do qual João é o precursor. Termina o tempo da promessa; é inaugurado, agora, com Jesus, o tempo da realização da promessa. Mas a missão de Jesus começa dando continuidade ao convite de conversão do Batista. Na boca de Jesus, a conversão tem conteúdo bastante preciso: trata-se de crer no Evangelho. A conversão é, então, fé na palavra e na pessoa de Jesus Cristo, Filho de Deus. Trata-se de um convite universal, dirigido a todos os povos, a abrirem-se à palavra de Jesus para reconhecerem na sua obra o mistério de Deus. Sem essa confiança, não é possível reconhecer em Jesus o tempo da visita salvífica de Deus nem colher os frutos da salvação. Ao convite à conversão, segue-se o primeiro relato de vocação do evangelho de Marcos, baseado em 1Rs 19,19-21. O olhar penetrante de Jesus, que conhece a pessoa para além de qualquer aparência, pois conhece o coração de cada uma, precede o chamado. O chamado sucessivo feito às duas duplas de irmãos deve ser considerado na sua unidade. Nas duas ocasiões são postas condições válidas e exigidas de todos os que respondem positivamente ao apelo do Senhor. Para seguir Jesus é preciso desapego das coisas materiais e dos laços afetivos. Sem essa liberdade não será possível viver a vida de Jesus Cristo. O advérbio de tempo utilizado mostra a urgência da resposta que deve ser generosa, sem condições da parte daquele que é chamado e aceita o convite.
Pe. Carlos Alberto Contieri
Oração
Senhor, vos agradecemos pelas vocações que chamastes para servir o vosso povo.
Fonte: Paulinas em 25/01/2015

VIVENDO A PALAVRA

O Evangelho mostra o poder de sedução dos convites de Jesus. Nós somos levados a imaginar o semblante do Mestre: tinha a força de quem sabe o que quer e para onde vai; a generosidade de quem deseja a companhia dos irmãos; a delicadeza de quem sabe incluir os esquecidos pelos diversos preconceitos; e o amor de quem sabe que é profundamente amado pelo Pai.

Reflexão

A pregação inicial de Jesus é um grande convite à mudança, e esta mudança tem como conseqüência o discipulado, o seguimento de Jesus. De fato, quem se converte verdadeiramente faz com que Jesus se torne o centro da sua própria vida e a razão da sua existência, e o discipulado é a grande manifestação dessa centralidade de Jesus, que pode acontecer tanto por meio das vocações de especial consagração, como a sacerdotal ou religiosa, como através da vocação laical, que leva o cristão a testemunhar a presença de Jesus em todos os meios em que vive e a ser fermento, sal e luz no meio da sociedade.
Fonte: CNBB em 13/01/2014

Recadinho

Como você vive a vocação que Deus lhe deu? - Tem consciência de que junto com o convite Deus dá as graças necessárias? - Como sua comunidade encara a realidade dos vocacionados? - O que de concreto se faz pelas vocações específicas? - Nossa vida é sempre o testemunho de alguém que crê no Evangelho?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: a12 - Santuário Nacional em 13/01/2014

Reflexão

João é preso, e assim termina sua jornada. Jesus entra em cena, dirige-se à Galileia e proclama a Boa-nova do Reino de Deus. Cumpriu-se uma etapa e inicia nova era de vida. Grande tarefa a ser cumprida. Para isso chama colaboradores. Começa convocando duas duplas de irmãos, que abandonam a profissão de pescadores e partem imediatamente para a nova missão: pescadores de seres humanos. Jesus não inicia sua atividade na Judeia, em Jerusalém – centro político, religioso e cultural – mas na Galileia, região desvalorizada de gente simples e pobre, mais próxima ao mundo pagão. A partir dos pobres, chega o Reino de Deus. O papa Francisco insiste na necessidade de a Igreja se voltar para os pobres e ir às periferias geográficas e sociais das grandes cidades. Diz ele: “No anúncio evangélico, falar de ‘periferias existenciais’ descentraliza e, habitualmente, temos medo de sair do centro. O discípulo-missionário é um descentrado: o centro é Jesus Cristo, que convoca e envia. O discípulo é enviado para as periferias existenciais”.
(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

Meditando o evangelho

OS SEGUIDORES DE JESUS

Dois traços marcaram o ministério de Jesus desde os seus primórdios. Ele não foi um pregador solitário, apegado à tarefa recebida do Pai, sem partilhá-la com ninguém. Pelo contrário, quis contar com colaboradores que o ajudassem a levar a cabo sua missão. Os escolhidos foram pessoas simples, pescadores do lago da Galiléia, cujas vidas se transformaram totalmente, a partir do encontro com o Senhor. Eles foram convidados a deixar tudo e seguir o Mestre, que lhes deu como missão saírem pelo mundo, atraindo as pessoas para Deus. Um horizonte novo despontou para eles. O desafio lançado por Jesus foi acolhido com generosidade. Nada os impediu de romper com o mundo e seguir o Mestre.
Outro traço do ministério de Jesus: ao chamar os discípulos e confiar-lhes uma missão, o Senhor deu a entender que sua obra deveria ser levada adiante e expandir-se, a partir da sementinha lançada por ele.Jesus anunciou a chegada do Reino e realizou sinais indicadores de sua presença. Durante sua vida terrena, não se poupou para fazer o Reino acontecer. Agora, cabia aos discípulos levar adiante o anúncio da Boa-Nova, para que o apelo do Reino atingisse a todos, sem distinção. Jesus colocou diante deles um mar diferente, a humanidade inteira, onde a função de pescadores haveria de continuar. Era hora de pescar muitas pessoas para Deus.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total)
Oração
Senhor Jesus, faze-me ter sempre mais consciência de ter sido chamado para colaborar contigo no anúncio da Boa-Nova do Reino a toda humanidade.

COMENTÁRIOS DO EVANGELHO

1. Na ínfima Galiléia começa algo novo para a humanidade.
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

Longe dos Palácios dos Poderosos do Império Romano, e do sistema religioso centralizado no Templo de Jerusalém, sem nenhuma comunicação prévia aos Escribas, Doutores da Lei e outros homens importantes da Comunidade Judaica, lá na desprezível Galiléia dos pagãos algo de totalmente novo começa a acontecer depois que João foi preso... Quanta ingenuidade dos poderosos achando que prendendo João Batista iriam calar a voz de Deus...
Sai de cena alguém que era somente uma voz do deserto, para entrar na vida pública aquele que é o próprio Verbo Encarnado, não foram os homens que interromperam a chegada do Reino de Deus anunciado por João, mas foi a vontade de Deus que fez chegar o tempo oportuno que havia se completado, de agora em diante Deus não mandará avisos, Ele próprio vai falar e tornar-se caminheiro junto ao seu povo...
Um projeto grandioso como esse, o único, verdadeiro e mais importante para toda humanidade, começa na Galiléia, Deus não se alia aos poderosos para fazer o Reino acontecer, mas busca os mais fracos e desprezíveis, que esperam por algo novo e guardam no coração a esperança de uma mudança para melhor, mas que só dependa de Deus, seu desígnio e sua iniciativa.
A Igreja de Cristo não pode querer construir o reino fazendo parceria com Instituições poderosas, pois o Reino não depende de nenhum poder humano, nem de algum sistema econômico ou ideologia política partidária, mesmo porque, no sistema conhecido como Padroado, Igreja e estado caminhavam juntos no poder, dentro de um imperialismo que só atrasou a Missão da Igreja de Evangelizar.
É essa a verdadeira e sincera conversão, romper com todo e qualquer sistema que queira manipular o homem e ser o Dono da Vida, o Homem é Filho de Deus e a Vida um dom que pertence unicamente a ele. Conversão é mudança de mentalidade e de atitude, uma volta e uma busca permanente de Deus a única Fonte de Vida. Os primeiros seguidores de Jesus eram simples pescadores, considerados impuros diante do sistema religioso juntamente com outras categorias marginalizadas e desprezadas.
Eles conhecem Jesus, ouvem suas palavras e a sua proposta de darem uma "guinada de 90 graus" em suas vidas e aceitam com sinceridade de coração. Não foram arrebatados dentro do templo, não entraram em êxtase em uma espécie de encantamento, mas Jesus de Nazaré os procurou em seu ambiente de trabalho, na labuta diária, com as mãos cheirando peixe.
Impactados pelo anúncio de Jesus, não pediram um tempo para pensarem n o assunto, afinal, deixar para trás trabalho e família, não é coisa que se possa fazer da noite para o dia... Mas o nosso evangelho, que não é uma reportagem jornalística, apenas quer nos mostrar a urgência que devemos ter ao responder o Senhor que nos chama para algo novo. Em nossa labuta diária, através de pessoas e acontecimentos Jesus continua a nos chamar, Ele poderia, de maneira violenta nos arrebatar e invadir a nossa vida, mas com a humildade de sempre, m manifestada na sua encarnação, vida, paixão e morte na cruz, nos faz uma proposta e um convite...
Afinemos bem os nossos ouvidos e o nosso coração, e não percamos mais tempo, vamos responder com generosidade a este chamado, como fizeram aqueles primeiros discípulos, que deixando tudo para trás, o seguiram...
José da Cruz é Diácono da
Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP
E-mail jotacruz3051@gmail.com

2. Eu farei de vós pescadores de homens
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por Côn. Celso Pedro da Silva, ‘A Bíblia dia a dia 2017’, Paulinas e disponibilizado no Portal Paulinas - http://comeceodiafeliz.com.br/evangelho)

Começamos a leitura do Evangelho do ano, escrito por São Marcos, com a apresentação do projeto de Jesus. Ele vem pregar o Evangelho de Deus, isto é, que o tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Devemos nos converter e acreditar no Evangelho. O que significa Evangelho de Deus: tempo que se completa, Reino de Deus? Os termos são claros, mas o conteúdo, não! A resposta se encontra nas palavras e nos gestos de Jesus. Observando o que ele faz e o que ele diz podemos perceber o que significa o Evangelho de Deus com o tempo que se completa e o Reino que se aproxima. Ele anuncia o seu projeto e logo chama companheiros para trabalharem com ele.
Os primeiros chamados no Evangelho de Marcos são Simão Pedro e André, Tiago e João. São chamados para ser pescadores de gente. Antes pescavam peixes, que ao sair da água morriam, e poderão continuar pescando como antes. No entanto, seu tempo agora será dedicado a pescar seres humanos para que não morram. Eles vão trabalhar com Jesus em favor do ser humano. Jesus veio para as pessoas e forma uma primeira comunidade em favor delas. Começamos a perceber o que significa que o tempo se completou e o Reino está próximo. No centro do projeto de Jesus está a pessoa humana, homens e mulheres de todos os tempos. As ações de Jesus vão mostrando porque ele veio até nós, para que começou a formar uma comunidade de discípulos, o que significa Evangelho, tempo e Reino. Aquele que é divino veio humanizar o que é humano.
Completou-se o tempo, não o nosso, mas o tempo de Deus. O Reino está próximo, o Reino de Deus, não o nosso. O nosso tempo é medido pelas horas do relógio. O tempo de Deus não tem tempo. É um acontecimento. Acontece aqui e agora. É um acontecimento pleno que nos tira do círculo fechado dos dias e das horas e nos projeta à eternidade. É este o momento certo para que alguma coisa aconteça, e o que deve acontecer é o Reino. O Reino também é acontecimento, que se faz pouco a pouco, todos os dias, até se realizar plenamente.
Jesus não age só. Busca mediações e complementaridades. Por isso chama algumas pessoas, que deixam tudo e dão início ao discipulado para fazerem acontecer imediatamente o tempo pleno e o Reino. Imediatamente porque tudo deve ser feito logo e de uma vez, já que o tempo está pleno e o Reino, próximo. No primeiro capítulo do seu Evangelho, Marcos repete onze vezes o advérbio “imediatamente”, ou “logo”, entre outras razões porque o tempo se completou e o Reino está próximo.
Jonas devia ir a Nínive, mas não foi imediatamente. Primeiro fugiu, depois andou apenas um dia na cidade, que era grande e eram necessários três dias para percorrê-la. As expectativas de Deus se encarnam e se limitam no nosso tempo, mas se recuperam na conversão. Os ninivitas se converteram com a pregação de Jonas. Na pregação de Jesus também há um convite à conversão: “Convertam-se e creiam no Evangelho”.
O tempo se faz curto e se abrevia. A figura deste mundo passa. Há urgência em proclamar a Boa Notícia de Deus. Jesus chama imediatamente e imediatamente se deixa tudo para segui-lo. Isto é real e isto é possível porque já aconteceu e continua acontecendo. Se não todos, pelo menos alguns, de forma significativa, deixam tudo por um amor maior e dedicam-se à causa do Reino. Engrossam as fileiras iniciadas pelos quatro primeiros e as multiplicam para que não falte presença onde se faz necessário.

REFLEXÕES DE HOJE


21 DE JANEIRO-DOMINGO

VEJA AQUI MAIS HOMILIAS DESTE DOMINGO

Liturgia Comentada

Crede no Evangelho! (Mc 1,14-20)
Uma pregação muito simples. Um discurso sóbrio, reduzido ao essencial: fazer penitência, crer no Evangelho. E que será isso: crer no Evangelho?
Se o Evangelho é uma Boa Notícia - o anúncio de que a salvação está ao nosso alcance e o Salvador está no meio de nós -, o primeiro passo da fé é aderir a Jesus Salvador.
Certamente, esta adesão trará exigências e rupturas, como deixar o lago das pescarias, a barca da família e... o velho pai Zebedeu. Os mercenários ficarão (cf. Mc 1,20). Os crentes partirão...
Crer no Evangelho é aceitar a simplicidade dos pobres, que tudo esperam de um Pai providente, o mesmo que alimenta os pardais e reveste de ouro os lírios do campo.
Crer no Evangelho é abrir mão do troco e da vingança, estendendo a mão sem rancores ao inimigo de ontem (que, talvez, venha a ser também o inimigo de amanhã).
Crer no Evangelho é trocar o conforto e as sedas dos palácios pela poeira das estradas e a multidão suada das praças, pois é ali que se encontram os preferidos de Deus.
Crer no Evangelho é acolher a bem-aventurança lançada sobre os perseguidos e caluniados “por causa da justiça”, e alegrar-se com os insultos e as mentiras dos adversários.
Crer no Evangelho é erguer bem alto a lâmpada que Deus acendeu em nossas vidas, mesmo sabendo que seremos apedrejados e, do canto mais escuro, alguém estará gritando: “Apaga! Apaga!”
Crer no Evangelho é repetir a Palavra ouvida, conservando os pingos dos iii e dos jjj, ainda que isto signifique ser contra o aborto legal e a enxurrada de homossexualismo.
Crer no Evangelho é lutar pela vida, de modo incondicional, mesmo a vida do homicida que está no corredor da morte, à espera de uma injeção letal.
Crer no Evangelho é sentar-se à mesa com Jesus, tirar as sandálias, deixar-se lavar e subir até o Calvário, com um ombro de Cireneu oferecido ao Mestre.
Crer no Evangelho é descer ao túmulo em paz, pois a Ressurreição da carne é uma certeza para nós...
Orai sem cessar: “Creio! Ajuda a minha falta de fé!” (Mc 9,24)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança
santini@novaalianca.com.br
Fonte: NS Rainha em 13/01/2014

HOMILIA

JESUS COMEÇA O SEU TRABALHO

Segundo a narração de Marcos (1, 16-29) e de Mateus (4, 18-22), o cenário da vocação dos primeiros Apóstolos é o lago da Galileia. Jesus acabara de iniciar a pregação do Reino de Deus, quando o seu olhar se pousou sobre dois pares de irmãos: Simão e André, Tiago e João. São pregadores, empenhados no seu trabalho quotidiano. Lançam as redes, consertam-nas. Mas outra pesca os aguarda. Jesus chama-os com decisão e eles seguem-no imediatamente: agora serão “pescadores de homens” (cf. Mc 1, 17; Mt 4, 19). Lucas, ainda que siga a mesma tradição, faz uma narração mais elaborada (5, 1-11). Ele mostra o caminho de fé dos primeiros discípulos, esclarecendo que o convite para o seguimento lhes chega depois de terem ouvido a primeira pregação de Jesus e experimentam os primeiros sinais prodigiosos por ele realizados. Em particular, a pesca milagrosa constitui o contexto imediato e oferece o símbolo da missão de pescadores de homens, que lhes foi confiada. O destino destes “chamados”, de agora para o futuro, estará intimamente ligado ao de Jesus. O apóstolo é um enviado mas, ainda antes, um “perito” em Jesus.
Precisamente este é o aspecto realçado pelo evangelista João desde o primeiro encontro de Jesus com os futuros Apóstolos. Aqui o cenário é diferente. A presença dos futuros discípulos, provenientes também eles, como Jesus, da Galileia para viver a experiência do batismo administrado por João, esclarece o seu mundo espiritual. Eram homens na expectativa do Reino de Deus, desejosos de conhecer o Messias, cuja vinda estava anunciada como iminente.
Para eles, é suficiente a orientação de João Baptista que indica em Jesus o Cordeiro de Deus (cf. Jo 1, 36), para que surja neles o desejo de um encontro pessoal com o Mestre. As frases do diálogo de Jesus com os primeiros dois futuros Apóstolos são muito expressivas. À pergunta: “Que procurais?”, eles respondem com outra pergunta: “Rabi (que quer dizer Mestre), onde moras?”. A resposta de Jesus é um convite: “Vinde e vereis” (cf. Jo 1, 38-39). Vinde para poder ver. A aventura dos Apóstolos começa assim, como um encontro de pessoas que se abrem reciprocamente. Começa para os discípulos um conhecimento direto do Mestre. Vêem onde mora e começam a conhecê-lo. De fato, eles não deverão ser anunciadores de uma idéia, mas testemunhas de uma pessoa. Antes de serem enviados a evangelizar, deverão “estar” com Jesus (cf. Mc 3, 14), estabelecendo com ele um relacionamento pessoal. Sobre esta base, a evangelização não será mais do que um anúncio daquilo que foi experimentado e um convite a entrar no mistério da comunhão com Cristo (cf. 1 Jo 13).
A quem serão enviados os Apóstolos? No Evangelho parece que Jesus limita a sua missão unicamente a Israel: “Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mt 15, 24). De modo análogo parece que ele circunscreve a missão confiada aos Doze: “Jesus enviou estes Doze, depois de lhes ter dado as seguintes instruções: “Não sigais pelo caminho dos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos. Ide, primeiramente, às ovelhas perdidas da casa de Israel”” (Mt 10, 5s.). Uma certa crítica moderna de inspiração racionalista tinha visto nestas expressões a falta de uma consciência universalista do Nazareno. Na realidade, elas devem ser compreendidas à luz da sua relação especial com Israel, comunidade da aliança, em continuidade com a história da salvação. Segundo a expectativa messiânica as promessas divinas, imediatamente dirigidas a Israel, ter-se-iam concretizado quando o próprio Deus, através do seu Eleito, reunisse o seu povo, como faz um pastor com o rebanho: “Eu virei em socorro das minhas ovelhas, para que elas não mais sejam saqueadas… Estabelecerei sobre elas um único pastor, que as apascentará, o meu servo David; será ele que as levará a pastar e lhes servirá de pastor. Eu, o Senhor, serei o seu Deus, e o meu servo David será um príncipe no meio delas” (Ez 34, 22-24). Jesus é o pastor escatológico, que reúne as ovelhas perdidas da casa de Israel e vai à procura delas, porque as conhece e ama (cf. Lc 15, 4-7 e Mt 18, 12-14; cf. também a figura do bom pastor em Jo 10, 11ss.). Através desta “reunião” o Reino de Deus é anunciado a todas as nações: “Manifestarei a minha glória entre as nações, e todas me verão executar a minha justiça e aplicar a minha mão sobre eles” (Ez 39, 21). E Jesus segue precisamente este caminho profético. O primeiro passo é a “reunião” do povo de Israel, para que assim todas as nações, chamadas a reunir-se na comunhão com o Senhor, possam ver e crer.
Assim os Doze, chamados a participar na mesma missão de Jesus, cooperam com o Pastor dos últimos tempos, indo também eles, em primeiro lugar, até às ovelhas perdidas da casa de Israel, isto é, dirigindo-se ao povo da promessa, cuja reunião é o sinal de salvação para todos os povos, o início da universalização da Aliança. Longe de contradizer a abertura universalista da ação messiânica do Nazareno, a inicial limitação a Israel da sua missão e da dos Doze torna-se assim o seu sinal profético mais eficaz. Depois da paixão e da ressurreição de Cristo este sinal será esclarecido: o caráter universal da missão dos Apóstolos tornar-se-á mais explícito. Cristo enviará os Apóstolos “a todo o mundo” (Mc 16, 15), a “todas as nações” (Mt 28, 19); (Lc 24, 47), “até aos extremos confins da terra” (At 1, 8). E esta missão continua. Continua sempre o mandato do Senhor de reunir os povos na unidade do seu amor. Esta é a nossa esperança e este é também o nosso mandato: contribuir para esta universalidade, para esta verdadeira unidade na riqueza das culturas, em comunhão com o nosso verdadeiro Senhor Jesus Cristo.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 13/01/2014

HOMÍLIA DIÁRIA

O Reino de Deus está próximo

O Reino de Deus acontece quando nós nos convertemos e quando nós cremos no Evangelho!
Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: ”O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!” (Mc 1, 14-15).
O tempo de Deus no meio de nós já se completou; o tempo de Deus no meio de nós já está realizado, o tempo das promessas de Deus no meio de nós está cada dia mais se concretizando. E é por isso que o Reino de Deus está próximo de nós.
O Reino está próximo, no meio de nós, do qual começamos a fazer parte quando nos abrimos para esta realidade. A primeira delas é ao nos ”converter”, a palavra ”converter” tem um sentido muito profundo biblicamente falando, quer dizer ”mudar”. A palavra ”converter” quer dizer: “Se eu sou uma coisa, agora eu preciso passar a ser outra coisa. Eu vi uma coisa desta maneira, agora estou vendo de outra maneira”.
A conversão é própria das pessoas que se abrem para a graça do Reino de Deus. Ninguém de nós pode abraçar o Reino de Deus e permanecer a mesma pessoa, a não ser que nós não nos abramos para aquilo que o Reino traz para nós; a não ser que o nosso coração fique fechado e simplesmente escute a Palavra, mas não permitamos que ela faça uma obra em nosso interior.
Conversão quer dizer ”metanoia”, isto é, mudança de mentalidade. Eu já não penso da mesma forma como as pessoas normalmente pensam, eu não penso no mundo e nas realidades existentes nele como o mundo pensa; pois, quando eu me converto para o Reino de Deus, a minha mentalidade é a do Reino de Deus. Porque, infelizmente, muitas pessoas, mesmo na Igreja, mesmo servindo a Deus, fazem isso com uma mentalidade ainda pagã, não com a mentalidade de Jesus, não com a mentalidade do Evangelho, não com a mentalidade do Reino de Deus.
A ”conversão” significa abraçar um novo estilo de vida, um nova maneira de pensar, agir e de viver na sociedade. Por isso Jesus diz que o Reino de Deus acontece quando nós nos convertemos e quando nós cremos no Evangelho. O Evangelho é vida e passa a ser vida dentro de nós, ele nos dá a direção, o caminho pelo qual devemos seguir e trilhar para termos a mentalidade de Jesus.
Este tempo da graça que estamos vivendo, em um novo ano, é mais um convite para que a nossa vida seja transformada pela mentalidade do Evangelho!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.
Fonte: Canção Nova em 13/01/2014

Oração Final
Pai Santo, dá-nos coragem para entrar pela porta estreita da conversão e perseverança para levá-la adiante pelos caminhos ásperos da vida até o derradeiro instante da nossa peregrinação. Que sejamos testemunhas da presença de teu Reino de Amor em nós e no nosso meio, nós te pedimos pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 13/01/2014

ORAÇÃO FINAL
Pai Santo, arranca de nós o egoísmo, qualquer pretensão de méritos pessoais e o desejo íntimo da gratidão ou, pelo menos, do reconhecimento dos irmãos. Faze-nos transparentes e nos dá a consciência de que tudo é dom de tua Graça e que nós somos apenas testemunhas do teu Amor. Por Jesus, Teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário