quinta-feira, 19 de outubro de 2017

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 22/10/2017

ANO A


Mt 22,15-21

Comentário do Evangelho

Deus é único e fora Ele não há outro deus.

A liturgia da palavra deste vigésimo nono domingo do Tempo Comum apresenta dois aspectos, a meu ver, essenciais para a vida cristã. O primeiro deles, a contar da leitura do profeta Isaías, é a necessidade de fazer uma leitura teológica da história, isto é, ver na história da humanidade a ação salvífica de Deus, pois ele age em meio às vicissitudes da vida e das pessoas. O segundo aspecto é o convite e a necessidade ao discernimento permanente, pois não há para Deus substituto e, por isso, ninguém que se compare a Ele. Deus é único e fora Ele não há outro deus (cf. Is 45,5).
O trecho do profeta Isaías nos remete ao final do século VI a.C. Período do retorno à Judá dos exilados na Babilônia, retorno patrocinado por Ciro, rei da Pérsia, em 538 a.C. A insistência em afirmar que Deus era o único Deus (vv. 5-6) remete o nosso texto a um risco que remonta aos tempos da escravidão no Egito e acompanha o povo de Deus ao longo de toda a sua existência; a saber, a dificuldade em compreender e aceitar que Deus era infinitamente diferente dos ídolos feitos por mãos humanas; que Ele era um Deus pessoal com quem podiam falar e ser ouvidos. Não era um Deus estático, mas sim profundamente comprometido com a vida do povo que Ele escolheu. Não era de bronze nem de madeira, mas tinha sentimentos e olhos misericordiosos. O perigo era venerar Ciro como deus. Ora, Ciro era ungido de Deus (v. 1), através de quem Deus agiu para fazer o seu povo voltar à terra dada aos ancestrais de Israel (vv. 2-4). Onde o ser humano é libertado de sua escravidão, é Deus quem está na origem dessa libertação.
Os opositores de Jesus querem armar uma armadilha para pegá-lo em alguma palavra. Mas eles mesmos foram pegos pela cilada que prepararam contra Jesus. O leitor do evangelho sabe que o elogio que fazem a Jesus é verdadeiro, mas na boca deles é pura hipocrisia, pois não é, efetivamente, o que pensam de Jesus. Trata-se simplesmente de artimanha maléfica para enredá-lo. Mas Jesus não entra no jogo deles. A alternativa apresentada para a resposta de Jesus é falsa. A imagem de César na moeda é que trazia problema. A moeda continha uma inscrição em que se afirmava que César Augusto era deus. César reivindicava ser adorado como deus. Se a moeda tinha a imagem de César, que os impostos fossem pagos a ele, no parecer de Jesus. Mas o ser humano é a imagem do Deus que o criou. O ser humano pertence a Deus e não pode ser escravo do que ou de quem quer que seja. Daí que somente a Deus a vida do ser humano pode ser oferecida, qual um sacrifício vivo. A vida do ser humano pertence a Deus. Deus não está nem pode ser posto em concorrência com as coisas deste mundo.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, por reconhecer-te como centro de minha vida, ensina-me a submeter tudo a ti, e a rejeitar o que pretende polarizar minhas atenções.
Fonte: Paulinas em 19/10/2014

Vivendo a Palavra

A ‘receita’ do Mestre serve para todos os tempos: dar ao mundo o que é do mundo e entregar a Deus o que é de Deus. De Deus são os tesouros que a traça não rói, os ladrões não roubam, a ferrugem não corrompe: o ser humano e suas relações fraternas; a vida, digna e plena para todos; a terra e o sustento que ela fornece sem discriminar ninguém.
Fonte: Arquidiocese BH em 19/10/2014

Recadinho

Como encara seus compromissos para com a sociedade civil? - Que tipo de compromisso civil lhe é mais difícil? - Consegue conciliar seus deveres civis e religiosos? - Procura ver sempre a imagem de Deus presente nos irmãos? - Procura usar de sinceridade em tudo?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R
Fonte: Arquidiocese BH em 19/10/2014

Meditando o evangelho

COISAS LÍCITAS E ILÍCITAS

Os fariseus buscavam, sem trégua, desacreditar Jesus diante do povo ou colocá-lo numa situação complicada, de modo a terminar encarcerado pelas tropas romanas. Uma declaração comprometedora saída de sua boca seria uma boa cilada. Por isso, enviaram para armar-lhe ciladas alguns de seus discípulos acompanhados de judeus partidários de Herodes, simpatizantes do poder romano. É bom recordar o ódio que os fariseus nutriam por estes dominadores estrangeiros.
Os emissários agiram com extrema esperteza: trataram Jesus de maneira cortês, louvando-lhe os ensinamentos e a coragem, vendo que não se deixava amedrontar por ninguém. Além disso, apresentaram-se como judeus piedosos, cheios de escrúpulos de consciência.
Propuseram ao Mestre a questão da liceidade ou não de pagar o tributo a César. Jesus, porém, deu-se conta da hipocrisia deles travestida de piedade. Por isso, ofereceu-lhes uma resposta que os deixou confundidos.
Em última análise, a resposta do Mestre serve ainda hoje para discernirmos o lícito e o ilícito. Qualquer coisa é lícita, desde que compatível com o projeto de Deus. O que fere este projeto é ilícito e deve ser rejeitado por quem aderiu ao Reino e procura pautar-se por ele.
Tomando Deus como ponto de referência, é possível determinar, em cada caso concreto, o que é ou não é permitido. Bastava, pois, que os emissários dos fariseus aplicassem este critério à questão do tributo a ser pago ao imperador romano.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Pai, por reconhecer-te como centro de minha vida, ensina-me a submeter tudo a ti, e a rejeitar o que pretende polarizar minhas atenções.

HOMILIA

DAMOS A DEUS O QUE É DE DEUS? Mt 22,15-21
Estamos na última semana da vida de Jesus. Ele atua como mestre no pórtico de Salomão ao oriente da esplanada do templo. Seus inimigos estão à espreita, para ver como apanhá-lo em suas palavras e por isso propõem diversas questões, que eram discutidas na época, com o intuito de ver seus conhecimentos e até de poder acusá-lo diante das autoridades por sua discrepância da Lei, ou sua oposição às autoridades romanas. Um destes episódios é o de hoje, Mestre, sabemos que o senhor é honesto, ensina a verdade sobre a maneira de viver que Deus exige e não se importa com a opinião dos outros, nem julga pela aparência. Então o que o senhor acha: é ou não é contra a nossa Lei pagar impostos ao Imperador romano?
É lícito significa se está de acordo com a lei. Pagar o tributo a César seria, segundo os zelotas e os fariseus, dar dinheiro a um representante de um deus pagão. Seria manter o princípio de propriedade do Estado Romano sobre terras que Jahvé-Deus tinha dado a Israel a título inalienável. Segundo os juristas romanos os indígenas tinham unicamente o usufruto das mesmas. Por isso a taxação era uma escravidão evidente segundo os radicais palestinos. Diante deste fato a resposta se fosse favorável aos romanos atrairia o desprezo do povo sobre Jesus. Mas se a resposta de Jesus fosse contrária ao pagamento do tributo, poderia ser causa suficiente para tratar Jesus como zelota e os herodianos acusá-lo-iam às autoridades, como realmente o fizeram, de impedir pagar tributo a César(Lc 23,2).
Jesus pede a moeda onde estava escrita ao redor da efígie do César: César Tibério, do divino Augusto filho, ele mesmo Augusto Pontifice Máximo. A moeda estava cunhada em Roma, como todas as moedas em ouro ou prata. Todos, tanto fariseus como herodianos, usavam a moeda o que era de fato aceitar o domínio do César. A tradução mais exata da resposta de Jesus seria: Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.
Sem dúvida que Jesus aponta para uma dívida que temos tanto com as autoridades civis como para com Deus:
Ele estabelece uma clara distinção entre os deveres cívicos e os religiosos, não confundindo as áreas, mas separando-as.
Toda autoridade da qual nos servimos, como se serviam do denário os judeus, tem origem divina, como ele respondeu a Pilatos: Nenhuma autoridade terias sobre mim se de cima não te fosse dada(Jo19,11).
Deus quer ser representado na autoridade do homem, como diz Paulo, independentemente dessa autoridade ser boa ou má. Em Rm 3,1 afirma: Não há autoridade que não proceda de Deus e as autoridades que existem foram por Ele instauradas.
No mundo moderno não interrogamos Jesus sobre o tributo a César, mas interrogamos a Igreja sobre o Jesus que está mostrando ao mundo: O homem oprimido tem substituído a mensagem evangélica sobre o verdadeiro Jesus, Filho de Deus, Redentor e Salvador. Do evangelho tomamos unicamente a mensagem sobre a justiça e igualdade; e a fé, fundamento da vida cristã fica diluída em termos humanos. O homem substitui o Deus encarnado.
Em Jesus queremos ver um revolucionário, e na revolução um remédio universal, uma redenção necessária embora dolorosa. Portanto devemos favorecê-la e acompanhá-la com ilusão e até propagá-la como remédio dos males modernos. Da frase eu vim evangelizar os pobres reduzimos o evangelho a uma simples conclusão de semelhante afirmação. O resto da boa noticia não interessa.
É por isso que os milagres de Jesus ou são silenciados ou são negados e entre eles a Ressurreição. A vida eterna do evangelho é traduzida como vida melhor na terra por um repartimento mais justo das riquezas. O natural é substituído pelo natural o pão de cada dia desloca o Pão Eucarístico necessário para a verdadeira vida. A política tem tomado o lugar da religião. Damos a César o que é de César; mas não damos a Deus o que é de Deus, embora esse Deus moderno seja o Grande Arquiteto que anula o Cristo do qual temos recebido o nome. A fé se reduz a uma idéia mais conforme com a Filosofia natural do que com a os versículos dos evangelhos.
Temos que nos perguntar se damos a Deus o que é de Deus. Porque, embora sabendo que Ele é o verdadeiro Senhor de nossas vidas muitas vezes O temos relegado a um segundo termo quando nos declaramos independentes ou buscamos nosso próprio bem no lugar da vontade que é absoluta no céu e que deveria ser também soberana na terra, como rezamos no Pai Nosso.
Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
Fonte: Liturgia da Palavra em 19/10/2014

HOMILIA DIÁRIA

Um bom cristão deve ser sempre um bom cidadão

Um bom cristão deve ser sempre um bom cidadão, consciente e responsável pelos seus deveres e tarefas no mundo presente. Não basta dizer que ama Deus se ele não cumpre com os deveres e as obrigações para com a sociedade!
“Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mateus 22, 21).
A Palavra de Deus, enviada hoje aos nossos corações, é um convite para refletirmos sobre o nosso papel diante de Deus, diante do mundo e da sociedade em que vivemos. Nós temos uma dupla responsabilidade neste mundo, a primeira delas é para com Deus e com as nossas obrigações religiosas. O nosso modo de viver a nossa religião deve resplandecer no mundo e na sociedade onde estamos presentes e onde estamos inseridos. Não podemos ser uma coisa aqui e outra ali.
Primeiramente viver bem a nossa religião, dar a Deus o que é de Deus é, acima de tudo, procurar viver o Cristianismo, a nossa fé e as nossas convicções com seriedade. O que devemos dar a Deus? Primeiro: o nosso culto, a nossa adoração, o nosso louvor e o nosso amor, tudo em nós deve estar direcionado para Aquele que nos criou. Não podemos colocar ninguém no lugar de Deus nem podemos amar alguém ou qualquer outra coisa mais do que a Ele!
Deus é nosso primeiro amor, o amor supremo do nosso coração, Ele deve estar sempre em primeiro lugar. Deste modo, não levamos de qualquer jeito os nossos compromissos e as nossas responsabilidades religiosas. Participamos e vivemos bem o Dia do Senhor indo à Santa Missa, cumprindo com a nossa responsabilidade cristã, pagando o dízimo na nossa comunidade, ajudando na comunidade religiosa da qual participamos, enfim, levando uma vida na qual priorizamos a Deus.
A oração, em primeiro lugar, é aquele tempo só para Deus. No entanto, quando amamos a Deus e O colocamos em primeiro lugar não podemos nos esquecer das nossas responsabilidades sociais no nosso lugar na sociedade e no mundo em que vivemos.
Um bom cristão deve ser sempre um bom cidadão, consciente e responsável pelos seus deveres e tarefas no mundo presente. Primeiramente, os cristãos respeitam as leis, obedecem-nas – obedecer às leis não significa sempre concordar com elas – devem, sobretudo, combater as leis injustas, mas, sem, contudo, deixar de ser responsáveis.
Um bom cristão vota de forma consciente, não se omite, se faz presente, luta pela transformação do mundo e da sociedade onde vive. Um bom cristão paga seus impostos, sim, por mais pesados que sejam ao bolso. Você pode até lutar por impostos mais justos, por uma sociedade mais justa, por governantes que governem com seriedade, mas sem deixar de cumprir com os seus deveres e suas responsabilidades.
Não basta dizer que amamos Deus se não cumprimos com os nossos deveres e com as nossas obrigações para com a sociedade! Ser de Deus é ser fermento, é ser sal, ser luz no mundo, sendo exemplo e referência no cumprimento dos deveres e das obrigações.
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova
Fonte: Canção Nova em 19/10/2014

VEJA MAIS HOMÍLIAS EM
HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 19/10/2014

LEITURA ORANTE

Mt 22,15-21 - A Deus o que é de Deus! Dia Mundial das Missões


Preparo-me para a Leitura Orante, rezando:
Jesus, Mestre,
que eu pense com a tua inteligência,
com a tua sabedoria.
Que eu ame com o teu coração.
Que eu veja com os teus olhos.
Que eu fale com a tua língua.
Que eu ouça com os teus ouvidos.
Que as minhas mãos sejam as tuas.
Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.
Que eu reze com as tuas orações.
Que eu celebre como tu te imolaste.
Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém.
Preparo-me para a Leitura rezando ao Espírito
com todos os que se encontram neste espaço:
Espírito de verdade,
a ti consagro a mente e meus pensamentos: ilumina-me.
Que eu conheça Jesus Mestre e compreenda o seu Evangelho.

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio na Bíblia, atentamente, o texto Mt 22,15-21.
Os fariseus saíram e fizeram um plano para conseguir alguma prova contra Jesus. Então mandaram que alguns dos seus seguidores e alguns membros do partido de Herodes fossem dizer a Jesus:
- Mestre, sabemos que o senhor é honesto, ensina a verdade sobre a maneira de viver que Deus exige e não se importa com a opinião dos outros, nem julga pela aparência. Então o que o senhor acha: é ou não é contra a nossa Lei pagar impostos ao Imperador romano?
Mas Jesus percebeu a malícia deles e respondeu:
- Hipócritas! Por que é que vocês estão procurando uma prova contra mim? Tragam a moeda com que se paga o imposto!
Trouxeram a moeda, e ele perguntou:
- De quem são o nome e a cara que estão gravados nesta moeda?
Eles responderam:
- São do Imperador.
Então Jesus disse:
- Deem ao Imperador o que é do Imperador e deem a Deus o que é de Deus.
A pergunta dos seguidores de Herodes é maliciosa. Tenta confundir Jesus. Trata-se, na verdade, de um jogo político. Pode ter conotação religiosa porque na moeda estava inscrito: "Tiberius Caesar divi Augusti filius Augustus". Jesus utiliza uma estratégia muito hábil, referindo-se à moeda.  Com sua resposta revela a má intenção e a hipocrisia dos fariseus.  Se eles reconhecem como legal a moeda, hão de concordar com o que nela está escrito: "A Deus o que é de Deus". O Mestre Jesus Cristo veios restabelecer a ordem de valores. Acima de qualquer poder político ou econômico está o poder de Deus.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Qual lugar Deus ocupa na minha vida?
Faço uma lista a partir das prioridades da minha vida. Assim,
1o. lugar: ................................;
2o. lugar: ...............................;
3o.lugar: .................................
Onde está Deus?
Se não estiver no 1o. lugar, e presente em todos os outros momentos,
alguma coisa está errada e deve ser revista.
Jesus não se deixou enganar.
Quem coloca Deus e o imperador no mesmo nível, engana-se.
A resposta de Jesus "Dêem ao Imperador o que é do Imperador e dêem a Deus o que é de Deus" colocou os pingos nos "is". Não era mal pagar o tributo ou os impostos, mas a Deus também se deve a adoração e o reconhecimento de seu lugar, Senhor de todas as criaturas.
Os bispos, em Aparecida, recordaram:
"A importância única e insubstituível de Cristo para nós, para a humanidade, consiste em que Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida. “Se não conhecemos a Deus em Cristo e com Cristo, toda a realidade se torna um enigma indecifrável; não há caminho e, ao não haver caminho, não há vida nem verdade”, disse Bento XVI. No clima cultural relativista que nos circunda, onde é aceita só uma religião natural, faz-se sempre mais importante e urgente estabelecer e fazer amadurecer em todo o corpo eclesial a certeza de que Cristo, o Deus de rosto humano, é nosso verdadeiro e único salvador." (DAp 22).

3. Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Rezo, espontaneamente, com salmos ou outras orações
e concluo com toda Igreja a
Oração do Mês Missionário
Pai de Bondade,
nós te agradecemos pelo teu Filho Jesus
enviado para dar vida plena a toda criatura.
Dá-nos teu Espírito para que, libertos do egoísmo e do medo,
lutemos com coragem contra toda forma de escravidão.
Como Igreja missionária, renovamos nosso compromisso
de anunciar o Evangelho em toda parte.
E, com intercessão de Maria, alcançar a libertação prometida. Amém

4. Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Meu novo olhar é para reconhecer o lugar de Deus acima de tudo na minha vida.
Ó Jesus Mestre, Verdade, Caminho e Vida, tem piedade de nós.

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp 
patricia.silva@paulinas.com.br
Fontes: Leitura Orante da Palavra e Paulinas em 19/10/2014

Oração Final
Pai Santo, ensina-nos a discernir entre o essencial e o acidental. Ajuda-nos a procurar o teu Reino de Amor e, depois de encontrado, a trabalharmos para adquiri-lo, desprezando as muitas coisas, ninharias sem valor que antes tanto nos seduziam. Pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.
Fonte: Arquidiocese BH em 19/10/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário