segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Santa Águeda - 5 de Fevereiro



Santa Águeda – Virgem e mártir dos primeiros séculos


Mesmo diante das dores e das humilhações ela foi firme em escolher Jesus como seu único Esposo

Virgem e mártir, Santa Águeda nasceu no século III numa família muito conhecida, em Catânia, na Sicília. Muito cedo, ela discerniu um chamado a Deus consagrando a sua virgindade ao Senhor, seu amado e esposo. A grande santa italiana foi uma jovem de muita coragem vivendo o Santo Evangelho na radicalidade num tempo em que o imperador Décio levantou contra o Cristianismo uma forte perseguição. Aqueles que não renunciassem ao senhorio de Cristo e não O desprezassem eram punidos com muitos sofrimentos até a morte.
Santa Águeda era consagrada ao Senhor, amava a Deus, mas foi pedida em casamento por um outro jovem. Claro, por coerência e por vocação, ela disse 'não'. Esse jovem, que dizia amá-la, a denunciou às autoridades. Ela foi presa e injustamente condenada. Que terríveis sofrimentos e humilhações!
Ela sempre se expressava com muita transparência e dizia que pertencia a uma família nobre, rica, conhecida, mas tinha honra de servir a Nosso Senhor, o seu Deus. De fato, para os santos, a maior honra e a maior glória é servir ao Senhor.
Entregaram-na a uma mulher tomada pelo pecado, uma velha prostituta para pervertê-la, mas esta não conseguiu, pois o reinado de Cristo se dava no coração de Águeda antes de tudo. Então, novamente, como num gesto de falsa misericórdia, perguntaram-lhe: “Então, o que você escolheu, Águeda, para a salvação?”. “A minha salvação é Cristo”, ela respondeu.
Os santos passaram por muitas dificuldades, mas, em tudo, demonstraram para nós que é possível glorificar a Deus na alegria, na tristeza, na saúde, na dor.
Em 254 foi martirizada e se encontra na eternidade, com seu esposo, Jesus Cristo, a interceder por nós.
Santa Águeda, rogai por nós.
FONTE: Canção Nova

Santa Águeda

Santa Águeda (Ágata)
230-251
Pouco se sabe sobre a vida de Santa Águeda ou Ágata como também era chamada. Ela era italiana, nasceu por volta do ano 230 na Catânia, pertencia à uma família nobre e rica.
Muito bela, ainda na infância prometeu se manter casta para servir a Deus, na pobreza e humildade. Não quebrar essa promessa lhe custou a vida, porque o governador da Sicília se interessou pela casta jovem e a pediu em casamento. Águeda, recusou o convite, expondo seus motivos religiosos. Enraivecido, o político a enviou ao tribunal que a entregou a uma mulher de má conduta para desviá-la de Deus. Como isso não aconteceu, ela foi entregue aos carrascos para que fosse morta, por ser cristã.
As torturas narradas pelas quais passou a virgem são de arrepiar e estarrecer. Depois de esbofeteada e chicoteada, Águeda foi colocada sobre chapas de cobre em brasa e posteriormente mandada de volta à prisão.
Neste retorno, ela teve a graça de "ver" o Apóstolo São Pedro, o que a revitalizou na fé. Seus carrascos que esperavam vê-la fraquejar em suas convicções se surpreenderam com sua firmeza na fé, por isso a submeteram à outras cruéis torturas, desta vez com o desconjuntamento dos ossos e o dilaceramento dos seios. Foi arrastada por sobre cacos de vidros e carvões em brasa.
Depois de passar por esses tormentos, foi conduzida ao cárcere e ali morreu, enquanto rezava pedindo à Deus para parar a erupção do vulcão Etna, que iniciara bem na hora do seu martírio. Assim que ela expirou o vulcão se aquietou e as lavas cessaram. Até hoje o povo costuma pedir a sua intercessão para protegê-lo contra a lava do vulcão Etna, sempre que este começa a ameaça-los. Santa Águeda é invocada contra os perigos do incêndio.
O martírio de Águeda aconteceu durante o império de Décio, no seu terceiro consulado, no ano de 251. Santa Águeda é uma das santas mais populares da Itália, e uma das mais conhecidas mártires do cristianismo dos primeiros séculos. Apenas Roma chegou a ter doze igrejas dedicadas à ela.
FONTE: Paulinas

Santa Águeda
(virgem)

Águeda é uma das santas mais populares da Itália e uma das 3 famosas santas virgens da ilha da Sicília, ao lado de Sta. Luzia e de Sta. Rosália, patronas, respectivamente, das cidades de Catânia, Siracusa e Palermo. O martírio de Águeda se deu no dia 5 de fevereiro de 251, durante a perseguição de Décio. Infelizmente os autos de sua paixão só foram redigidos depois de 200 anos da sua morte, mais parecem conter elementos históricos que foram amalgamados com lendas.
Águeda, cujo nome é de origem grega e significa ótima, era natural da cidade de Catânia, na Sicília, e pertencia a uma antiga e nobre família. Ainda muito jovem faz voto de virgindade, consagrando-se inteiramente ao serviço de Deus. Quando saiu o edito de Décio contra os cristõas, um certo Quinciano, sabendo que a jovem era cristã, conseguiu a ordem de prendê-la e confiá-la a uma mulher de má reputação para corrompê-la. Águeda não se deixou vencer, alcançando forças na oração para resistir. Quinciano, vendo que esta tentativa era inútil, fê-la comparecer perante o tribunal. "De que condição sois?", pergunta o juiz. "sou livre e nobre de nascimento".
"Se és livre e nobre, por que levas vida de escrava?" "Eu sou serva de Cristo e por Cristo sou de condição servil". "Se fosses livre e nobre não te humilharias até tomar o título de escrava". "A suprema nobreza consiste em ser escravos de Cristo". São frases tiradas dos autos do seu interrogatórios. foi novamente perante o juiz. O magistrado decidiu torturá-la. Foi estendida sobre o cavalete e flagelada. Num ímpeto de fúria o juiz ordenou arrancar-lhe os seios. "Cruel tirano, exclamou, não te envergonhas de mutilar assim uma mulher naquilo que tu menino sugaste?" Novamente torturada, finalmente entregou o espírito a Deus.
Santa Águeda é representada com um prato na mão no qual estão os seus seios. É invocada principalmente contra as periódicas erupções do Etna, o Vulcão que se ergue perto da cidade de Catânia.
FONTE: Catolicanet

Santa Águeda, (Virgem e mártir)


Pertenceu a uma família rica e ilustre, e que havendo sido consagrada a Deus desde os seus primeiros anos, triunfou na luta contra vários assaltos à sua pureza. Quinciano, um dignatário consular, pensou que poderia levar a cabo suas intenções perversas contra Águeda através de um edito do Imperador contra os cristãos. Assim, Quinciano ordenou que a entregassem a uma casa de má fama, onde a santa sofreu assaltos e ameaças contra a sua honra.
Depois de um mês, Quinciano tratou de assustá-la com suas ameaças, mas ela se manteve como uma fiel serva a Jesus Cristo. Indignado pela negação de Águeda, o cônsul mandou que ela fosse açoitada e presa. No dia seguinte, foi interrogada novamente mas sua firme adesão a Cristo foi motivo de novas torturas e sofrimentos para a santa, que expirou pronunciando louvores a nosso Senhor.
FONTE: aci digital
Santa Ágata (Águeda), Virgem e Mártir

Comemoração Litúrgica:  05 de fevereiro.

Também nesta dataSanta Adelaide, São Genuíno

Santa Ágata é uma das mais gloriosas heroínas da Igreja primitiva e cuja intercessão é invocada diariamente, no Cânon da santa Missa. Natural da Sicília, pertenceu a uma das famílias mais nobres do país. De pouca idade ainda, Ágata consagrou-se à Deus, pelo voto da castidade. O governador Quintiano, tendo tido notícia a formosura e grande riqueza de Ágata, acusada do crime de pertencer à religião cristã, mandou-lhe ordem de prisão. Ágata, vendo-se nas mãos dos perseguidores, exclamou: “Jesus Cristo, Senhor de todas as coisas, vós vedes o meu coração e lhe conheceis o desejo. Tomai posse de mim e de tudo que me pertence. Sois o Pastor, meu Deus; sou vossa ovelha. Fazei que seja digna de vencer o demônio”. Levada à presença do governador, este achando-a de extraordinária beleza, ficou tomado de violenta paixão pela nobre cristã, à qual se atreveu importunar com propostas indecorosas. Ágata, indignada, rejeitou-lhe as impertinências desavergonhadas e declarou preferir morrer a macular o nome de cristã. Quintiano aparentemente desistiu do plano diabólico, mas para conseguir os seus maldosos fins, mandou entregar a donzela a Afrodisia, mulher de péssima fama, na esperança de, na convivência com esta pessoa, Ágata se tornar mais acessível. Enganou-se. Afrodisia nada conseguiu e depois de um trabalho inútil de trinta dias, pediu a Quintino que tirasse Ágata de sua casa.
Começou então o martírio da nobre siciliana. Tendo-a citado perante o tribunal, apostrofou-a com estas palavras: “Não te envergonhas de rebaixar-te à escravidão do cristianismo, quando pertences a nobre família ?” – Ágata respondeu-lhe: “A servidão de Cristo é liberdade e está acima  de todas as riquezas dos reis”. A resposta a esta declaração foram bofetadas, tão barbaramente aplicadas, que causaram forte epistaxe. Depois desta e de outras brutalidades a santa Mártir foi metida no cárcere, com graves ameaças de ser sujeita a torturas maiores, se não resolvesse a abandonar a religião de Jesus Cristo.
O dia seguinte trouxe a realização dessas iniqüidades. O tirano ordenou que a donzela fosse esticada sobre a catasta, os membros lhe foram desconjuntados e o corpo todo queimado com chapas de cobre em brasa, e os peitos atormentados com torqueses de ferro e depois cortados. Referindo-se a esta última brutalidade, Ágata disse ao juiz: “Não te envergonhas de mutilar na mulher, o que tua mãe te deu para te aleitar ?” 
Após esta tortura crudelíssima, Ágata foi levada novamente ao cárcere, entregue às suas dores, sem que lhe fosse administrado o mínimo tratamento. Deus, porém, que confunde os planos dos homens, veio em auxílio de sua pobre serva.
Durante a noite lhe apareceu um venerável ancião, que se dizia mandado por Jesus Cristo, para trazer-lhe alívio e curá-la. O ancião, que era o Apóstolo São Pedro, elogiou-lhe a firmeza e animou-a a continuar impávida no caminho da vitória. A visão desapareceu e Ágata com muita admiração viu-se completamente restabelecida. Cheia de gratidão, entoou cânticos, louvando a misericórdia e bondade de Deus. Os guardas, ouvindo-a cantar, abriram a porta do cárcere e vendo a Mártir completamente curada, fugiram cheios de pavor. As companheiras de prisão de Ágata aconselharam-na que fugisse, aproveitando ocasião tão propícia para isto. Ela, porém, disse: “Deus me livre de abandonar a arena antes de ter segura em minha mão a palma da vitória”.
Passados quatro dias, foi novamente apresentada ao juiz. Este não pode deixar de se mostrar admirado, vendo-a completamente restabelecida. Ágata disse-lhe: “Vê e reconhece a onipotência de Deus, a quem adoro. Foi ele quem me curou as feridas e me restituiu os seios. Como podes, pois exigir de mim que o abandone ? – Não – não poderá haver tortura, por mais cruel que seja, que me faça separar-me do meu Deus”. O juiz não mais se conteve. Deu ordem para que Ágata, fosse rolada sobre cacos de vidros e brasas. No mesmo momento a cidade foi abalada por um forte tremor de terra. Uma parede, bem perto de Quintiano, desabou e sepultou dois seus amigos. O povo, diante disto, não mais se conteve e em altas vozes exigiu a libertação da Mártir, dizendo: “Eis o castigo que veio, por causa do martírio da nobre donzela. Larga a tua inocente vítima, juiz perverso e sem coração !” Ágata voltou ao cárcere e lá chegada, de pé, os braços abertos, orou a Deus nestes termos: “Senhor, que desde a infância me protegestes, extinguistes em mim o amor ao mundo e me destes a graça de sofrer o martírio, ouvi as preces da vossa serva fiel e aceitai a minha alma”. Deus ouviu a voz de sua filha e recebeu-a em sua glória no ano 252.
Santa Ágata é invocada pelos cristãos contra o perigo do incêndio.
Passado um ano depois da morte da Santa, a cidade de Catarina assistiu apavorada, uma erupção do Etna. O povo, em sua indizível aflição, quando viu as ondas da lava incandescia ameaçar a cidade, correu ao túmulo da Santa, tomou o véu que cobria o seu rosto e estendeu-o contra a torrente de fogo. Imediatamente o perigo estava afastado.
Reflexões:
Trinta dias de contínua e calculada tentação não abalaram o ânimo e a virtude de Santa Ágata. Se procedêssemos sempre com a mesma prudência, se quiséssemos usar as mesmas armas, com que Santa Ágata alcançou a vitória sobre os inimigos, que procuravam a perda de sua alma, também seríamos vencedores. As armas, que estão sempre à nossa disposição e devemos manejar com destreza, são a oração, o jejum e lembrança de Deus. A lembrança de que Deus está sempre presente e vê os nossos pensamentos e as nossas obras, é capaz de dar-nos conforto na luta, e persistência na peleja.  “Ninguém dos que acreditam na presença de Deus em todo o lugar, correrá perigo de cometer um pecado, nem pensará em praticar um ato pecaminoso”, diz São Basílio. Com Suzana, tentada por dois juízes, homens de má catadura, dirá também, quando o tentador o perseguir: “É melhor cair em vossas mãos, sem que cometa o pecado, do que pecar na presença do Senhor”. (Dan. 13)
Santa Ágata consagrou-se a Deus e em tenra idade fez voto de castidade. Mais tarde fez a experiência de que Deus não permite tentações que superem as nossas forças. Embora fossem terríveis as tentações, a que o demônio e maus homens a sujeitaram, Ágata ficou firme. A esperança no Salvador deu-lhe forças quase sobre-humanas . A fidelidade jurada a Deus era-lhe seguro penhor da assistência forte e valente do divino Senhor. Feliz o cristão que, como Santa Ágata, se consagrar a Deus e se conservar fiel no cumprimento de sua promessa. Terá a felicidade de não ficar em contato com o vício e o coração se lhe conservará livre da influência do demônio. Pode elevar as mãos puras confiadamente ao céu e Deus ouvir-lhe-á as orações. Nos combates tem a seu lado Aquele que venceu o mundo. Por Ele defendido, guiado e protegido pode um mundo de inimigos levantar-se e ameaçadoramente o atacar, a vitória será certa, a coroa garantida.
FONTE: pagina oriente
Santa Águeda

Local nascimentoCatânia (Sicília- Itália)
OrdemLeiga consagrada
Local vidaItália - Sicília
EspiritualidadeUma das santas mais populares da Itália. Seu nome é de origem grega e significa "ótima" Santa Águeda é representada com um prato na mão, no qual estão seus seios. Pertencia a uma nobre família bastante tradicional. Ainda muito jovem fez voto de castidade, consagrando-se inteiramente a Deus. Quando o pagão, submetido a Décio perseguidor dos cristãos, chamado Quinciano soube, deu ordem de prisão e confiou-a a uma mulher de má reputação para corrompê-la na prisão. Águeda não se deixou vencer, alcançando todas as forças na oração. Quinciano, vendo que de nada adiantava a presença da "nefasta" mulher, chamou-a diante do tribunal e lhe perguntou: "De que condições sois?" E Águeda respondeu" Sou livre e nobre de nascimento". Quinciano continuou: "Se é livre e nobre, por que levas uma vida de escrava?" Águeda respondeu prontamente: "Sou serva de Cristo e por Ele sou de condição servil". Quinciano disse; "Se fosses livre e nobre, não te humilharias até tomar o título de escrava!" Águeda respondeu: "A suprema nobreza consiste em ser escravos de Cristo". Quinciano então enviou-a ao juiz que resolveu torturá-la. Entenderam-na sobre um cavalete e foi flagelada. Num ímpeto de fúria diabólica, o juiz mandou arrancar-lhe os seios. Neste momento Águeda exclamou: "Cruel tirano, não te envergonhas de mutilar assim uma mulher, naquilo que tu, quando menino, sugastes?" Novamente torturada entregou seu espírito a Deus. Santa Águeda é invocada principalmente nas periódicas erupções do Etna, o vulcão que se ergue perto da cidade de Catânia.
Local morteCatânia - Itália
Morte5 de fevereiro de 251
Fonte informaçãoSanto nosso de cada dia, rogai por nós!
OraçãoConcedei-nos, Senhor, o amor constante ao Vosso Santo Nome e a graça da perseverança nas coisas do alto durante toda a nossa vida. E pela intercessão de Santa Águeda, dai-nos, Senhor Onipotente, a graça que humildemente vos pedimos (citar a graça). Por Cristo Senhor Nosso, amém. Santa Águeda, rogai por nós.
DevoçãoA Nosso Senhor Jesus Cristo na mais fiel castidade de corpo e alma
PadroeiroDos problemas nos seios e dos temores
Outros Santos do diaÁgueda (Padroeira: Queimaduras, seios e mamas); Pedro, Martinho da Ascensão, OFM; Gonçalo Garcia; Isidoro (márts) Avilto, Ingenuino; Albuíno (bispo); Agripino, Agrícola (conf); Adelaide (abadessa); Felícia (criança mártir).
FONTEA: ASJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário