sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

HOMÍLIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 10/02/2012

10 de Fevereiro de 2012 

Marcos 7,31-37

Comentário do Evangelho

Jesus vem para libertar das amarras da exclusão

Depois da narrativa em que Jesus liberta a filha da mulher siro-fenícia de um espírito impuro (cf. 9 fev.), Marcos apresenta a cura de um surdo que falava com dificuldade. A narrativa, bem característica deste evangelista, prima pelos detalhes dos gestos de Jesus. Marcos menciona o uso da saliva nesta passagem e em outra na qual é aplicada aos olhos de um cego (cf. 15 fev.). O sentido da narrativa está expresso na proclamação final. Jesus vem para libertar as pessoas das amarras da exclusão. Vem para que todos ouçam e falem, que tenham consciência e reivindiquem e lutem por seus direitos. O evangelista Marcos faz questão de mostrar a aceitação de Jesus pelos moradores dos territórios gentílicos. Em Jesus, toda a humanidade é assumida na condição divina. É o universalismo da salvação, a comunhão de amor com Deus oferecida a todos, não se restringindo a grupos que se consideram "eleitos". 

José Raimundo Oliva



Vivendo a Palavra

Cumprindo a sua missão libertadora, Jesus constrói o modelo que deixou para os seus seguidores. E ainda hoje, na nossa sociedade egoísta e excludente, existem muitos irmãos esperando que alguém lhes diga «Efatá!» para que, também eles se libertem e proclamem a glória de Deus.



Reflexão 
A comunicação é fundamental para que a pessoa possa viver em sociedade, e quem tem dificuldades para se comunicar pode facilmente ser excluído da comunidade à qual pertence. Quando vemos Jesus curar o surdo-mudo, ele não está simplesmente resolvendo o problema de saúde de alguém, mas está criando condições para que essa pessoa possa ser integrada na comunidade em que vive, possa também discutir os seus valores e deixar de ser uma pessoa com dependência, mas ser protagonista da sua história e da sua própria vida, portanto os benefícios que Jesus propicia ao surdo mudo vai muito além da simples cura.

Postado por: homilia

fevereiro 10th, 2012


O primeiro catecismo da comunidade cristã é o Evangelho de Marcos, cujo objetivo é responder à pergunta “Quem é Jesus?”, a partir daquilo que Ele fez e ensinou. Assim sendo, na sua catequese, Marcos quer, ao mesmo tempo, mostrar o que significa tornar-se discípulo de Jesus. A resposta vai sendo dada aos poucos, à medida que as pessoas se comprometem com o projeto de Deus, atuando numa prática libertadora que traduza a presença e a ação de Deus na história. Só assim as pessoas acabarão descobrindo e confessando que “verdadeiramente este homem é Filho de Deus”.
No texto de hoje, novamente vemos Jesus percorrendo regiões pagãs: Tiro, Sidônia e a região da Decápole. Com essas informações, Marcos quer mostrar aos que iniciam sua caminhada de discípulos o interesse que Cristo teve para com os pagãos, fazendo deles membros da família de Deus. E neles estamos todos nós.
A expressão “Efatá” – que quer dizer “abre-te” – fazia parte da liturgia batismal da Igreja primitiva. Para o que iniciava sua caminhada de discípulo, para mim e para você no dia de hoje, Jesus quer fazer o mesmo que fez com aquele surdo do Evangelho.
Jesus é Aquele que abre os ouvidos e a boca das pessoas. Como vimos no texto de hoje, tratava-se de uma pessoa incapaz de ouvir, de dar o seu consentimento, de testemunhar. Jesus o leva para fora da multidão.
Poderíamos nos perguntar qual seria o sentido desse gesto. Será que o Senhor queria esconder Seu poder de cura? Pastoralmente falando, o fato tem o seguinte significado: Jesus cura o surdo-mudo longe da multidão para que este se sinta, depois, responsável pelo anúncio daquilo que o Senhor lhe fez tornando-se, por sua vez, evangelizador, ou seja, portador da Boa Nova de que “verdadeiramente este homem é Filho de Deus”. Assim, esta deve ser a nossa atitude. Jesus nos consagra para a Sua missão.
Jesus cura o surdo-mudo tocando-o. Coloca-lhe os dedos nos ouvidos e, com a saliva, lhe toca a língua. A saliva sempre teve, no mundo antigo, caráter terapêutico. Por outro lado, também o contato de Cristo com o surdo-mudo é importante. O Senhor, ao tocar o surdo-mudo, é o próprio Deus que se ocupa de quem não podia ouvir nem falar, ou seja, Ele está reintegrando em sua dignidade e identidade alguém que fora privado da vida.
Com isso, Marcos provoca os que iniciam a caminhada de fé para fazerem a seguinte constatação: Jesus é Aquele que, anunciado em Isaías, abre agora os ouvidos e a boca das pessoas, para que possam testemunhá-Lo. Interessante, ainda, é notar que o Senhor toca primeiro os ouvidos e depois a boca: a catequese é primeiramente escuta, assimilação; a seguir, como consequência, é anúncio.
Mas não são os gestos de Jesus que curam o surdo-mudo e, sim, Sua Palavra. Depois que Cristo Jesus ordenou: “Abre-te!” é que os ouvidos daquele homem se abriram e sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade. Com isso, Marcos esclarece a ação de Jesus. Ele não é um mágico. Só Sua Palavra liberta e reintegra. E as pessoas não precisam de rituais ou de magia para abrir os ouvidos e anunciar que Ele é o Messias.
Interessante, ainda, é perceber que antes de curar o surdo-mudo, Jesus “olha para o céu e suspira”. Quero que juntos vejamos no suspiro de Jesus um gesto de indignação diante da situação em que se encontram tantas pessoas marginalizadas, quer sejam nossos parentes ou não.
Após ter curado o surdo-mudo, Jesus ordena à multidão que não espalhe a notícia. Isso faz parte do plano de Marcos. Seu Evangelho é uma catequese progressiva e é impossível as pessoas darem pleno testemunho de “quem é Jesus” sem passar pela mesma prática, sem ir com Ele até o fim, na cruz e na Ressurreição. De fato, só ao pé da cruz é que se faz a verdadeira revelação de quem Ele é.
O surdo-mudo curado anuncia à multidão o que Jesus Cristo significa para ele. E esta, por sua vez, espalha a notícia aos outros: “Quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam”. Isso faz pensar na progressão que nosso testemunho sofre à medida que nos comprometemos sempre mais com o projeto de Deus.
E você? O que tem feito para que o Evangelho de Cristo chegue a todos os homens e mulheres?
A multidão proclama que Jesus “tem feito bem todas as coisas: aos surdos fez ouvir e aos mudos falar”. Essa proclamação recorda duas coisas. Em primeiro lugar, relembra o projeto de Deus na criação. Depois de ter criado todas as coisas, o Altíssimo gostou do que fez e viu que estava tudo muito bem feito (cf. Gn 1,31). Em segundo lugar, evoca Isaías 35,4.
Tudo isso é atribuído a Jesus. Ele vem de Deus e traz a Salvação. Portanto, quem é Jesus? É Aquele que cria o mundo novo. É Aquele que, vindo de Deus, devolve vida e liberdade aos oprimidos e mutilados pela sociedade. Cabem, portanto, algumas perguntas: Quem é que “cria” surdos e mudos, ou seja, uma multidão impossibilitada de ouvir e de falar? Quem mantém o povo nessa situação? Os acontecimentos da vida social ajudam o povo a sair da situação de surdo-mudo em que se encontra?
Não se esqueça: o Evangelho de Marcos é um alerta para nós que nos dizemos cristãos. Saiba que, pela Palavra e pelo toque de Jesus, o próprio surdo-mudo, depois de curado, torna-se um evangelizador. Este é um grande desafio para nós que ouvimos a Sua Palavra e fomos tocamos por Ele e, por isso, cremos ser cristãos maduros e comprometidos.
Padre Bantu Mendonça




Leitura Orante 

- A nós, que nos encontramos nesta rede da internet, 
a paz de Deus, nosso Pai, 
a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo, 
no amor e na comunhão do Espírito Santo. 

- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo! 

Preparo-me para a Leitura, rezando: 

Jesus Mestre, que dissestes: 
"Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, 
eu aí estarei no meio deles", 
ficai conosco, 
aqui reunidos (pela grande rede da internet), 
para melhor meditar 
e comungar com a vossa Palavra. 
Sois o Mestre e a Verdade: 
iluminai-nos, para que melhor compreendamos 
as Sagradas Escrituras. 
Sois o Guia e o Caminho: 
fazei-nos dóceis ao vosso seguimento. 
Sois a Vida: 
transformai nosso coração em terra boa, 
onde a Palavra de Deus produza frutos 
abundantes de santidade e missão. (Bv. Alberione) 

1. Leitura (Verdade) 

O que diz o texto do dia? 

Leio atentamente, na Bíblia, o texto 
Mc 7,31-37,
 e observo pessoas, palavras, relações, lugares. 

Jesus, junto ao lago da Galileia cura um homem que era surdo e quase mudo. Bastante incomunicável. "Jesus pôs os dedos nos ouvidos dele". Com "um pouco de saliva" Jesus faz o homem falar "sem dificuldade". A saliva, segundo os antigos, tinha poder terapêutico. A saliva de Jesus tem poder de Deus: é milagrosa. Antes deste gesto libertador, Jesus "olhou para o céu" e "deu um profundo suspiro". Olhar para o céu indica de onde vem a graça. O profundo suspiro significa súplica. As pessoas que assistiram a este milagre comentavam: "Fez tudo bem!". Faz recordar a ação criadora de Deus, que também várias vezes "Viu que era bom" (Gn 1). 

2. Meditação (Caminho) 

O que o texto diz para mim, hoje?
 Qual palavra mais me toca o coração? 
Jesus pode pronunciar sobre mim "Efatá!"? 
De que preciso ser libertado/a por ele? 
Sou uma pessoa reconhecida e vejo o bem que Deus realiza na minha vida, na vida das outras pessoas?
 No mundo? 

Entre muitos louvores que disseram nossos bispos em Aparecida, recordamos um: 
"Louvamos a Deus porque na beleza da criação, que é obra de suas mãos, resplandece o sentido do trabalho como participação de sua tarefa criadora e como serviço aos irmãos e irmãs. Jesus, o carpinteiro (cf. Mc 6,3), dignificou o trabalho e o trabalhador e recorda que o trabalho não é um mero apêndice da vida, mas que "constitui uma dimensão fundamental da existência do homem na terra", pela qual o homem e a mulher se realizam como seres humanos. O trabalho garante a dignidade e a liberdade do homem, e é provavelmente "a chave essencial de toda 'a questão social'". (DAp 120). 

3.Oração (Vida) 

O que o texto me leva a dizer a Deus? 

Rezo com o bem-aventurado Alberione: 

Jesus Mestre, disseste que a vida eterna consiste 
em conhecer a ti e ao Pai. 
Derrama sobre nós, a abundância 
do Espírito Santo! 
Que ele nos ilumine, guie e fortaleça no teu seguimento, 
porque és o único caminho para o Pai. 
Faze-nos crescer no teu amor, 
para que sejamos, como o apóstolo Paulo 
testemunhas vivas do teu Evangelho. 
Com Maria, 
Mãe Mestra e Rainha dos Apóstolos, 
guardaremos tua Palavra, 
meditando-a no coração. 

Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida, tem piedade de nós. 

4.Contemplação (Vida e Missão) 
Qual meu novo olhar a partir da Palavra? 

Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus. 
Vou eliminar do meu modo de pensar e agir aquilo que não vem de Deus, que não é conforme o Projeto de Jesus Mestre. 
Vou reconhecer no meu ambiente, nas pessoas com quem me relaciono a ação criadora e libertadora de Deus. 

Bênção 

- Deus nos abençoe e nos guarde. 
Amém. 
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós.
 Amém. 
-Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz.
 Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, 
Pai e Filho e Espírito Santo. 
Amém. 

I. Patrícia Silva, fsp 

Nenhum comentário:

Postar um comentário