segunda-feira, 31 de março de 2014

HOMÍLIA DIÁRIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 01/04/2014

1 de Abril de 2014

ANO A


Jo 5,1-16

Comentário do Evangelho

Misericórdia que liberta

O texto do evangelho é o relato do terceiro de uma série de sete sinais realizados por Jesus, segundo o evangelho de João. Tudo está centrado na iniciativa de Jesus. Se o relato localiza o episódio em Jerusalém e, especificamente, junto à piscina de Bezata (= casa da misericórdia), em que se depositava grande expectativa terapêutica, o autor não lhe confere nenhuma importância, mas focaliza a pessoa de Jesus. O longo período de duração da enfermidade contrasta com a cura mediante a palavra eficaz de Jesus. Para aquele enfermo, cuja doença, fruto do pecado, o leitor não é informado, o tempo da espera acabou, pois é por meio de Jesus e não das águas borbulhantes da piscina que ele é liberto do pecado e da enfermidade. O relato tem um tom de controvérsia, pois a cura é feita em dia de sábado. Interpelado pelos judeus, o homem curado menciona a palavra eficaz do Senhor que não somente é superior ao sábado, mas realiza plenamente o descanso sabático pela prática da misericórdia que liberta. No entanto, o apego a um modo de pôr em prática a lei impedirá os judeus de reconheceram naquela palavra de Jesus o sinal que conduz a Deus.
Carlos Alberto Contieri, sj
Oração
Pai, aproxima-me de Jesus, de quem jorra a fonte da vida, para que eu possa ser curado de todas as doenças e enfermidades que me afastam de ti.

Vivendo a Palavra

O apego à letra da Lei não raras vezes nos faz esquecer o seu espírito. Para Jesus, o importante era o bem do homem. Para as autoridades, era o cumprimento estrito da Lei. Estejamos vigilantes, para que o mesmo não aconteça conosco, em nossos dias. Amar o próximo é querer o seu bem: que ele viva plenamente.

Reflexão

Muitas vezes, as pessoas que sofrem diferentes formas de males possuem uma fé muito grande no poder de Deus, mas de algumas formas são impedidas de chegar até ele e receber as suas graças, condição indispensável para a superação de seus males e sofrimentos. É o caso do paralítico, que acreditava no poder de Deus e na cura que viria pela ação do anjo ao agitar a água, mas era impedido pelos outros que entravam primeiro na piscina. Assim também acontece hoje quando criamos uma série de regras e preceitos humanos que dificultam a participação de muitos na vida divina e um relacionamento pessoal com ele, que é a fonte de todas as graças que nos dão vida em abundância.

Recadinho


Minha oração é confiante e perseverante? - Como respeito o dia do Senhor que para nós hoje é o domingo? - Quais sacramentos da Igreja recebo e com que frequência? - Como se explica o fato de tanta gente sofrer muito e ser realmente feliz? - Como podemos manifestar gratidão a Deus pelas maravilhas que Ele realiza?
Padre Geraldo Rodrigues, C.Ss.R

Comentário do Evangelho

VIDA E MORTE

O episódio evangélico está perpassado pelo tema da vida e da morte.
Aí se fala de doenças e de doentes: uma multidão de enfermos está postada na piscina de Betesda nutrindo no coração a esperança de recobrar a vida. Há entre eles uma verdadeira porfia nesta corrida pela vida, pois quem tocasse primeiro na água borbulhante, seria agraciado com a cura.
Neste contexto, Jesus é presença de vida que passa quase despercebida. Ele transita no meio da multidão abatida pela doença e pela morte. Seu poder vivificador será usado com comedimento e discrição. A vida jorrará não da água da piscina, e sim da força de sua palavra eficaz. Sua pessoa será a fonte da vida.
O pobre paralítico, impossibilitado de mover-se depressa, foi quem experimentou a ação vivificante desta nova fonte, Jesus. E recobrou, para além da vida física, sua vida social e religiosa. Superada a marginalização em que se encontrava, abriu-se para ele uma nova perspectiva de vida.
Entretanto, este cenário de vida foi transtornado pela perspectiva de morte que despontou no horizonte de Jesus. Os judeus decidiram matar quem dera a vida, eliminando-a no seu nascedouro. Quem dera a vida corria o risco de ser morto, pelo fato mesmo de ter-se posto a serviço da vida.
Oração
Pai, aproxima-me de Jesus, de quem jorra a fonte da vida, para que eu possa ser curado de todas as doenças e enfermidades que me afastam de ti.
(O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado neste Portal a cada mês)
Oração
Ó Deus, que a fiel observância dos exercícios quaresmais prepare o coração dos vossos filhos e filhas para acolher com amor o mistério pascal e anunciar ao mundo a salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

REFLEXÕES DE HOJE


DIA 01 DE ABRIL – TERÇA



HOMILIA
A CURA DE UM PARALÍTICO
Segundo São João por cinco vezes Jesus foi para Jerusalém por ocasião da grande festa do templo. Enquanto para alguns a ida à Jerusalém é motivado pela participação nos ritos judaicos, para comer e beber. Para Jesus o motivo é outro.
É sim o anúncio do seu projeto. Ele quer lançar mãos à obras a vontade de Deus seu Pai. Dar a conhecer a todo o mundo que está chegando a hora em que o príncipe deste mundo será derrotado. Novos céus e a nova terra estão para chegar. E os verdadeiros adoradores já não dependerão das paredes do Templo de Jerusalém e nem tão pouco das sinagogas. Eles hão de adorar o Pai em espírito e em verdade.
Numa destas idas e voltas ao Templo e precisamente na Porta das ovelhas onde costumavam estar os pagãos, negociadores, cambistas e outros, dá conta da enfermidade que infernizava a vida daquele homem. Curando um paralítico ali presente, Jesus revela ser a fonte do amor e da vida para todos. Em contradição, os judeus promotores da festa religiosa perseguem Jesus por sua prática misericordiosa e libertadora.
Muitas vezes, as pessoas que sofrem diferentes formas de males possuem uma fé muito grande no poder de Deus, mas de algumas formas são impedidas de chegar até ele e receber as suas graças, condição indispensável para a superação de seus males e sofrimentos. É o caso do paralítico, que acreditava no poder de Deus e na cura que viria pela ação do anjo ao agitar a água, mas era impedido pelos outros que entravam primeiro na piscina. Assim também acontece hoje quando criamos uma série de regras e preceitos humanos que dificultam a participação de muitos na vida divina e um relacionamento pessoal com ele, que é a fonte de todas as graças que nos dão vida em abundância.
Apresenta-te também tu a Jesus e diz para Ele: não tenho quem me ajuda. Enquanto eu vou outros descem antes de mim... E Ele que tudo pode te dirá. Pega a tua maca, cama e vai para a casa que tua fé te salvou.
Fonte Homilia Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla
http://www.liturgiadapalavra.com/
HOMILIA DIÁRIA
A cura dos enfermos está nas mãos de Deus
Caminhando nos nossos exercícios quaresmais, convido você a ser uma mão de Deus; a ser a mão de Jesus que pegue na mão do seu irmão e o leve para ser curado da sua enfermidade.
”O doente respondeu: ‘Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina, quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente”’ (João 5,7).


O Evangelho de hoje nos mostra a situação deste homem, que tanto sofria com a sua enfermidade, estava ali doente à beira da piscina de Betesda, porque muitos doentes iam até esse lugar, no entanto, todos passavam na frente dele. E sempre que ele tentava chegar lá, outro vinha à sua frente e ele nunca conseguia chegar até a água que poderia curá-lo da sua enfermidade.
Imagine por que sofrimento não passava este filho de Deus, afinal de contas, havia trinta e oito anos que ele se encontrava doente e ninguém podia fazer nada por ele, ninguém podia pegá-lo pela mão e levá-lo até a piscina para que ali fosse lavado, curado, renovado e santificado.
Deixe-me dizer uma coisa a você: nós, muitas vezes, estamos em busca da nossa cura, da nossa restauração e da nossa salvação e vamos passando, assim, na frente dos demais, atropelando os outros e deixando os nossos irmãos para trás. E não nos damos conta de que outros estão também sofridos, necessitados e precisando apenas de alguém que os pegue pela mão e os leve para a casa do Senhor; os leve para o hospital, os leve para serem cuidados, tratados e abençoados.
Quantos filhos e filhas de Deus estão largados! Vejo tantos velhinhos nos asilos da vida e ninguém faz nada por eles! Muitas vezes, estão lá e nem seus filhos vão visitá-los, anos e anos sem ninguém fazer nada por eles. E quantos doentes há em cima do leito de uma cama, dentro de casa; quanta gente sofrendo, deprimida, debilitada e precisando de uma mão amiga!
Caminhando nos nossos exercícios quaresmais, convido você a ser uma mão de Deus; a ser a mão de Jesus que pegue na mão do seu irmão e o leve para ser curado da sua enfermidade. Leve-o a um hospital, a uma clínica, leve-o para ser cuidado, leve-o à Igreja, leve-o para que se encontre com o Senhor. Mas, não vá correndo, atropelando a todos e a tudo para encontrar a sua cura. A grande cura do coração é saber cuidar do outro que está  à nossa frente, nas estradas da vida!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo
Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.Facebook Twitter
LEITURA ORANTE

Jo 5,1-16 - Levante-se e ande!



A bênção do Deus de Sara, Abraão e Agar,
a bênção do Filho, nascido de Maria,
a bênção do Espírito Santo de amor,
que cuida com carinho,
qual mãe cuida da gente,
esteja sobre todos nós. Amém!

1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Leio de forma pausada e atenta, na Bíblia,  a Palavra em Jo 5,1-16.
Depois disso, houve uma festa dos judeus, e Jesus foi até Jerusalém. Ali existe um tanque que tem cinco entradas e que fica perto do Portão das Ovelhas. Em hebraico esse tanque se chama "Betezata". Perto das entradas estavam deitados muitos doentes: cegos, aleijados e paralíticos. [Esperavam o movimento da água, porque de vez em quando um anjo do Senhor descia e agitava a água. O primeiro doente que entrava no tanque depois disso sarava de qualquer doença.] Entre eles havia um homem que era doente fazia trinta e oito anos. Jesus viu o homem deitado e, sabendo que fazia todo esse tempo que ele era doente, perguntou:
- Você quer ficar curado?
Ele respondeu:
- Senhor, eu não tenho ninguém para me pôr no tanque quando a água se mexe. Cada vez que eu tento entrar, outro doente entra antes de mim.
Então Jesus disse:
- Levante-se, pegue a sua cama e ande!
No mesmo instante, o homem ficou curado, pegou a cama e começou a andar. Isso aconteceu no sábado. Por isso os líderes judeus disseram a ele:
- Hoje é sábado, e a nossa Lei não permite que você carregue a sua cama neste dia.
Ele respondeu:
- O homem que me curou me disse: "Pegue a sua cama e ande."
Eles perguntaram:
- Quem é o homem que mandou você fazer isso?
Mas ele não sabia quem tinha sido, pois Jesus havia ido embora por causa da multidão que estava ali.
Mais tarde Jesus encontrou o homem no pátio do Templo e disse a ele:
- Escute! Você agora está curado. Não peque mais, para que não aconteça com você uma coisa ainda pior.
O homem saiu dali e foi dizer aos líderes judeus que quem o havia curado tinha sido Jesus. Então eles começaram a perseguir Jesus porque ele havia feito essa cura no sábado.
Então Jesus disse a eles:
- O meu Pai trabalha até agora, e eu também trabalho.
E, porque ele disse isso, os líderes judeus ficaram ainda com mais vontade de matá-lo. Pois, além de não obedecer à lei do sábado, ele afirmava que Deus era o seu próprio Pai, fazendo-se assim igual a Deus.

O texto apresenta o terceiro sinal de Jesus. O Evangelho de João fala de sete sinais. O texto de hoje, terceiro sinal, acontece durante uma festa dos judeus, com a cura de um paralítico.
O paralítico é símbolo do povo sem vida. O povo não está no templo, mas nos corredores, excluído da festa. Jesus está no meio do povo. Perto havia um tanque ou piscina com cinco entradas ou corredores que simbolizavam a Lei contida nos cinco primeiros livros da Bíblia (Pentateuco). No entanto, a Lei não produzia mais vida para o povo. Muitos doentes estavam ali, deitados, sem vida. O paralítico que Jesus vai curar é símbolo de todo povo paralisado pela falta de vida. O paralítico diz a Jesus: "não tenho ninguém", ou seja, falta solidariedade. As águas da piscina que se agitam simbolizam as falsas esperanças. Passam a imagem de um falso Deus, como se ele se lembrasse de vez em quando do povo. Esse não é o Deus de Jesus, nem a sua prática de vida. Deus é fiel sempre.

2. Meditação(Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Posso me perguntar tantas coisas.
Hoje detenho-me só num aspecto:
como é o meu Deus?
Quem é Deus para mim?
Ocasional ou de alguns momentos apenas.
Ou é o Deus conosco, "todos os dias", como garante o próprio Jesus? ( Cf Mt 28,20).
Veja o que disseram os bispos em Aparecida:
“Por assim dizer, Deus Pai sai de si, para nos chamar a participar de sua vida e de sua glória. Mediante Israel, povo que fez seu, Deus nos revela seu projeto de vida. Cada vez que Israel procurou e necessitou de seu Deus, sobretudo nas desgraças nacionais, teve uma singular experiência de comunhão com Ele, que o fazia partícipe de sua verdade, sua vida e sua santidade. Por isso, não demorou em testemunhar que seu Deus – diferentemente dos ídolos – é o “Deus vivo” (Dt 5,26) que o liberta dos opressores (cf. Ex 3,7-10), que perdoa incansavelmente (cf. Ec 34,6; Eclo 2,11) e que restitui a salvação perdida quando o povo, envolvido “nas redes da morte” (Sl 116,3), dirige-se a Ele suplicante (Cf. Is 38,16). Deste Deus – que é seu Pai – Jesus afirmará que “não é um Deus de mortos, mas de vivos” (Mc 12,27). (DAp 129).

3. Oração (Vida)
- O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Rezo pedindo ao Senhor que me liberte de tod
os os limites:
Rezar é pensar em Deus, amando-o
Senhor, fala ao meu coração,
vem com tua ternura,
com a gentileza dos teus gestos
que não impõem nada às minhas decisões,
com atenção aos detalhes,
como sabes fazer,
com a decisão de quem sabe
dos seus interesses
mas conhece meu coração e perdoa.
Chegas silencioso
porque nunca te percebo,
revolucionário,
porque em silêncio
mudas as cartas e viras o jogo na mesa.
Vem me fazer companhia
para que juntos consigamos amar
o nosso Pai,
com todo o coração,
com todo o intelecto,
com toda a vontade.
Charles de Foucauld

4. Contemplação(Vida/ Missão)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Nos momentos bons e também nos mais complicados terei a certeza do salmista:
Deus está aqui. O Senhor dirige a minha vida! Meu futuro está nas suas mãos.
(Sl 16,5)

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.
Irmã Patrícia Silva, fsp
Oração Final
Pai Santo, dá-nos a liberdade interior de procurar sempre o bem maior para nosso próximo, ainda que a interpretação literal do mandamento pareça dizer outra coisa. Queremos seguir com alegria e gratidão os passos do Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão e contigo reina na unidade do Espírito Santo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário