quarta-feira, 21 de março de 2012

HOMÍLIA, COMENTÁRIO E REFLEXÃO DO EVANGELHO DO DIA 22/03/2012

22 de Março de 2012  

 

João 5,31-47 

Comentário do Evangelho 

A credibilidade do testemunho 

Aos judeus que o acusavam de infrator da Lei, Jesus apresenta três testemunhas da autenticidade de suas palavras e de sua missão. 
O evangelho de João narra que João Batista, logo no início de seu ministério, foi interrogado por enviados das autoridades de Jerusalém (Jo 1,19-28), testemunhando-lhes a verdade de Jesus. Reconhecido como o precursor de Jesus, o Batista atraiu-o por sua pregação, a qual Jesus assumiu no Espírito, dando-lhe uma nova dimensão. 

A própria tradição mosaica, com suas propostas de libertação e resgate da vida, também testemunha a favor de Jesus. Porém, Jesus denuncia os dirigentes judeus de não serem fiéis a esta tradição. 
Principalmente as próprias ações de Jesus acolhendo as pessoas, reconhecendo sua dignidade e comunicando-lhes vida, testemunham seu amor divino.  


José Raimundo Oliva 



Vivendo a Palavra 

“As Escrituras dão testemunho de mim”, diz Jesus. Elas são um caminho para nosso encontro pessoal com o Mestre. A partir desse encontro, cheios de gratidão e encantamento, passamos a ser discípulos missionários de sua Igreja, testemunhas da presença em nós do Reino do Pai Misericordioso.


Reflexão
Ninguém aceita gratuitamente algo como sendo verdadeiro. Só acreditamos que algo é verdadeiro quando temos um fundamento para isso. Assim as pessoas agem em relação a Jesus, exigem uma garantia de verdade a respeito de tudo o que ele fala para que creiam nela. Isso acontece em primeiro lugar porque não acreditam no amor e na ação do próprio Deus na vida das pessoas. Também acontece porque não são capazes de encontrar nas Sagradas Escrituras o testemunho de Jesus e de suas obras. Somente quem se abre a Deus e à sua revelação reconhece a verdade em Jesus.



COMENTÁRIOS DO EVANGELHO


FAÇA UMA DOAÇÃO AO NPDBRASIL... 


1. "As Testemunhas Fiéis..."
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Diácono José da Cruz - Diácono da Paróquia Nossa Senhora Consolata – Votorantim – SP)

As comunidades Joaninas e a comunidade Judaica estavam sempre em conflito por causa de Jesus. A rejeição por Jesus, da parte do Judaísmo era algo definitivo e sem chances de uma abertura ao novo, aquela novidade trazida por Jesus.

O evangelho de hoje apresenta três fontes importantes sobre as quais estava fundamentada a Fé cristã por aqueles tempos, o testemunho de João Batista sobre Jesus, o Pai de Jesus que realizou obras e falou Nele á toda humanidade, e a escritura que sempre trouxe em si, mesmo na escritura antiga, elementos cristológicos que não deixavam dúvidas sobre a Filiação Divina de Jesus.

O evangelista projeta no passado essa rejeição a Jesus Cristo, lembrando de sua injusta condenação onde as falsas testemunhas tiveram credibilidade diante do Sinédrio, que desprezou essas fontes fidedignas sobre Jesus, preferindo acreditar em uma mentira.

Podemos aqui compreender que o Judaísmo tradicional e ultraconservador fazia uma releitura equivocada do Antigo Testamento e não conseguiam ver nenhuma relação entre Jesus e o Deus da Antiga Aliança. Houve até mesmo uma heresia que falava em dois deuses, um do antigo testamento e um do Novo Testamento.

Entretanto, muito mais do que essa releitura equivocada das escrituras antigas, na realidade o Judaísmo tradicional não queria mudanças no modo de pensar e nas normas e preceitos antigos, principalmente porque iriam perder alguns privilégios conquistados na estrutura da Religião tradicional.

Podemos hoje cometer esse mesmo pecado, quando temos medo de dialogar com o mundo, como determina o Concílio Vaticano II, quando preferimos a prática tradicional de ser Igreja, usando ainda métodos arcaicos de evangelização, que não estão convencendo.

Lideranças religiosas e lideranças pastorais que se fecham em uma religião cheirando a mofo, querendo impor ao mundo sua prática religiosa e seu modo de pensar, é bem provável que no fundo estejam defendendo algumas conveniências e interesses particulares e para isso, muitas vezes usam Dogmas e Doutrinas, exatamente como fazia a comunidade judaica primitiva.

2. A credibilidade do testemunho
(O comentário do Evangelho abaixo é feito por José Raimundo Oliva - e disponibilizado no Portal Paulinas)

VIDE ACIMA

Oração


Pai, dá-me suficiente inteligência para descobrir, no testemunho de Jesus, sua condição de Filho enviado por ti, para a nossa salvação.


3. A GLÓRIA PROVINDA DO PAI
(O comentário do Evangelho abaixo é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE – e disponibilizado no Portal Dom Total a cada mês).

Os adversários de Jesus tentavam deturpar o sentido de suas ações. No parecer deles, as obras de Jesus não tinham relevância, por não existir nenhuma instância que pudesse dar-lhe base de sustentação. Que possuía ele, de especial, para justificar sua intimidade com Deus? Quem podia garantir não ser ele um charlatão como tantos outros, cujas histórias de milagres corriam o mundo? Quais seriam suas reais intenções, ao se colocar numa posição tão elevada, como senhor da vida humana?

A argumentação de Jesus, para fundamentar sua ação, não chegou a sensibilizar os seus adversários. Ele apelava para o testemunho dado pelo Pai: para servi-lo é que fora enviado. Sua ação estava na mais estreita sintonia com o Pai. Para entendê-la, era suficiente reportar-se ao Pai.

Para Jesus, mesmo as Escrituras falavam a seu favor. Se seus inimigos fossem capazes de lê-las, de maneira conveniente, sem dúvida, haveriam de descobrir que, nas entrelinhas, elas apontam para o Messias-Filho de Deus.

A glória de Jesus não provém de nenhum ser humano. É o Pai quem o glorifica. Por isso, ele não teme fazer frente a seus adversários, uma vez que querem impedi-lo de cumprir sua missão. Com a força que lhe vem do Pai, Jesus segue em frente.

Oração 

Espírito de coragem, reveste-me com a força do Alto, para que eu possa estar do lado de Jesus, até o fim.


Em Cristo você encontra tudo para ser feliz


Postado por: homilia

março 22nd, 2012



Assim como hoje, existiam pessoas que ouviram os ensinamentos de Jesus em Seu tempo. Elas presenciaram os milagres do Senhor, mas ainda tinham dúvidas sobre Ele, apesar de serem judeus como Jesus.
Hoje, as pessoas não acreditam que Jesus seja, de fato, o Filho de Deus; continuam esperando a primeira vinda do Messias Salvador anunciado pelos profetas do Antigo Testamento. Há também muitos não-judeus que não acreditam no Filho de Deus nem em Seu poder. Se você é uma dessas pessoas, Jesus fala diretamente a você no Evangelho de hoje.
O Senhor cita dois profetas famosos e conhecidos de todos em Seu tempo: João Batista e Moisés, ambos vieram anunciar a vinda do Messias. Jesus se apresenta como sendo esse Salvador. Quem não acreditar nesses dois profetas também não acreditará em Jesus.
O maior testemunho de Jesus é o próprio Pai que Lhe enviou. Mas quem de vocês já ouviu a voz de Deus? Ele não fala como nós, mas o faz por meio dos milagres que Jesus realizou – e realiza ainda hoje – para quem Lhe pede.
No Evangelho de hoje, Cristo não se dirige aos desentendidos, mas àqueles que “estudam a Bíblia”, embora não acreditem que Ele seja o Filho de Deus. O Senhor afirma categoricamente: “Mas eu sei que não tendes em vós o amor de Deus”, ou seja, quem não consegue enxergar os milagres realizados por Jesus como obras de Deus, é porque tem o coração endurecido, no qual não existe o amor. Essa é a pior tristeza que um ser humano pode ter na vida: a falta do amor que vem do Pai.
Há uma “sabedoria de Deus, misteriosa e oculta, que, desde antes dos séculos, Deus antecipadamente nos destinou”. Esta sabedoria é Cristo; Ele é o “poder e sabedoria de Deus”.
No Filho, com efeito, “encontram-se escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento”; oculto no mistério, destinado previamente desde antes dos séculos, Ele é o que foi predestinado e prefigurado na Lei e nos profetas. Por isso, estes tinham o nome de “videntes”, pois viam Aquele que estava escondido e desconhecido dos outros. Também Abraão “viu o seu dia e rejubilou”.
Para Ezequiel, o céu se abriu, enquanto que para o povo pecador permanecia cerrado.“Retirai o véu de cima dos meus olhos, diz Davi, e contemplarei as maravilhas da vossa lei”. Na verdade, a lei é espiritual e, para compreendê-la, é preciso que seja “afastado o véu” e que “a glória de Deus seja contemplada de rosto descoberto”.
No Apocalipse, mostra-se um livro fechado com sete selos. Quantos homens, hoje – que se dizem instruídos -, têm nas mãos um livro selado! São incapazes de abri-lo, a menos que seja aberto por “Aquele que tem a chave de Davi; se Ele abrir, ninguém o fechará e, se Ele fechar, ninguém o abrirá”.
No Atos dos Apóstolos, o eunuco lia o profeta Isaías. Contudo, ignorava Aquele que venerava no livro sem O conhecer. Surge Filipe: “mostra-nos o Pai e isto nos basta!”. Jesus Se mostra, então, oculto pela letra: “há tanto tempo que estou convosco e não me conheces? Eu e o Pai somos um”.
Compreenda que você não pode comprometer-se com as Sagradas Escrituras sem ter um guia que lhe mostre o caminho. E este guia é a Palavra de Deus. Não espere por outros sinais. Em Jesus você tem tudo o que precisa para ser feliz para sempre. Se ainda há dúvidas, eu lhes mostro o caminho.
Hoje, Jesus bate à sua porta e lhe diz: “Venha e siga-me, pois Eu e o Pai somos um. Venha que lhe mostro o caminho que o conduz à vida eterna”.
Padre Bantu Mendonça


Leitura Orante 

Preparo-me para a Leitura Orante, 
rezando com todos os que navegam 
pela rede da internet: 

Espírito santificador, 
a ti consagro a minha vontade: 
ajuda-me a dizer 
sim 
ao Projeto de Deus 
para a minha vida. 

1. Leitura (Verdade) 

- O que a Palavra diz? 

Leio com atenção, na Bíblia, o Evangelho de hoje: 
Jo 5,31-47. 

Neste texto predomina a palavra testemunho. São três testemunhas: 

1ª João Batista deu testemunho da verdade. 
2ª O Pai dá testemunho de Jesus. 
3ª As Sagradas Escrituras que dão testemunho de Jesus. 

Essas três testemunhas a favor de Jesus foram recusadas pelas autoridades religiosas que utilizavam a religião e a Bíblia para manter seus privilégios e prestígio. 

2. Meditação(Caminho) 

- O que a Palavra diz para mim? 

Como me coloco diante destas testemunhas? 

Acolho-as ou rejeito porque são exigentes suas propostas e prefiro os privilégios, a vida mais fácil, menos austera? 

Os bispos, em Aparecida, nos ajudaram a refletir sobre o tema de hoje:
"Os cristãos precisam recomeçar a partir de Cristo, a partir da contemplação de quem nos revelou em seu mistério a plenitude do cumprimento da vocação humana e de seu sentido. Necessitamos nos fazer discípulos dóceis, para aprende d'Ele, em seu seguimento, a dignidade e a plenitude de vida. E necessitamos, ao mesmo tempo, que o zelo missionário nos consuma para levar ao coração da cultura de nosso tempo aquele sentido unitário e completo da vida humana que nem a ciência, nem a política, nem a economia nem os meios de comunicação poderão proporcionar. Em Cristo Palavra, Sabedoria de Deus (cf. 1 Cor 1,30), a cultura pode voltar a encontrar seu centro e sua profundidade, a partir de onde é possível olhar a realidade no conjunto de todos seus fatores, discernindo-os à luz do Evangelho e dando a cada um seu lugar e sua dimensão adequada." 
(DAp 41). 

3. Oração (Vida) 

- O que a Palavra me leva a dizer a Deus? 

Rezo com toda Igreja, a 

Oração da Campanha da Fraternidade 2012 

Senhor Deus de amor, 
Pai de bondade, 
nós vos louvamos e agradecemos 
pelo dom da vida, 
pelo amor com que cuidais de toda a criação. 
Vosso Filho Jesus Cristo, 
em sua misericórdia, assumiu a cruz dos enfermos 
e de todos os sofredores, 
sobre eles derramou a esperança de vida em plenitude. 
Enviai-nos, Senhor, o Vosso Espírito. 
Guiai a vossa Igreja, para que ela, pela conversão 
se faça sempre mais, solidária às dores e enfermidades do povo, 
e que a saúde se difunda sobre a terra. 
Amém. 

4.Contemplação (Vida e Missão) 

Quero olhar o mundo, as pessoas, a vida com o olhar de Jesus, o coração de Jesus, seus gestos e palavras. Com minhas atitudes darei testemunho de Jesus. 

Bênção 

- Deus nos abençoe e nos guarde. 
Amém. 
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. 
Amém. 
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. 
Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso,
Pai e Filho e Espírito Santo. 
Amém. 

I. Patrícia Silva, fsp  


Oração Final 

Pai Santo, que a nossa oração seja sempre um momento rico em que nos sentimos envolvidos por teu Amor paternal e, como filhos muito amados por Ti, sejamos iluminados para discernir nosso papel na evangelização de nossos ambientes. Por Jesus Cristo, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo.



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário